Accesso directo à navegação principal (Premir "enter")
Acesso aos conteúdos da página (clicar sobre "Entrar")
Accesso directo a lista de outros sítios Web (Premir "enter")
 
Faltam dois anos para as eleições europeias de 2019
 
 

Faltam dois anos para as eleições europeias de 2019

 

O trabalho de campo deste inquérito Eurobarómetro do Parlamento Europeu decorreu entre 18 e 27 de março de 2017.

O inquérito foi levado a cabo pela empresa Kantar Public nos 28 países da UE, com entrevistas presenciais a 27 901 cidadãos.

O fio condutor dos resultados do inquérito poderia ser o seguinte:

Antes de mais, os europeus estão profundamente preocupados com os mais recentes desenvolvimentos geopolíticos mundiais. Perante estas incertezas, privilegiam na sua maioria uma abordagem comum a nível da UE para os enfrentar.

A demonstrá-lo estão os significativos pedidos de ação adicional da UE em quinze grandes domínios de intervenção. E, em comparação com os resultados do ano passado, é interessante notar que a proporção daqueles que consideram que a ação da UE é adequada está em nítido aumento na maioria dos domínios testados, o que poderá significar que os inquiridos estão cada vez mais conscientes de que a UE atua para eles. As respostas sobre, por exemplo, a luta contra o terrorismo e a temática das migrações são disso testemunho.

Neste contexto, o sentimento de que pertencer à UE é uma coisa boa tem vindo a aumentar de forma considerável, praticamente ao nível de antes da crise, em 2007.

Neste mês do aniversário dos 60 anos do Tratado de Roma, os europeus inclinar¬ se¬ ão mais a favor de um ritmo de integração diferenciado, em detrimento da abordagem que consiste em todos desenvolverem, ao mesmo tempo, determinadas políticas. Dito isto, existem grandes diferenças entre Estados¬ Membros sobre esta questão.

Os europeus estão, mais do que anteriormente, interessados na política europeia e o sentimento de que a sua voz conta na UE está a aumentar, muito embora não atinja a maioria absoluta. Em contrapartida, seis em cada dez europeus consideram que a sua voz conta no seu país, ou seja, 10 pontos percentuais mais do que em 2016.

Segundo os inquiridos, a UE tem ainda trabalho a fazer para convencer do bom funcionamento da democracia no seu seio. Este sentimento fica ligeiramente aquém da maioria absoluta, ao passo que se situa logo acima dela no que toca ao funcionamento da democracia a nível nacional.

Por último, não obstante estes desenvolvimentos encorajadores, os europeus afirmam maciçamente que as desigualdades entre categorias sociais são significativas e um terço deles teme que a crise esteja para durar ainda muitos anos.

 
 
 
Sondagens de opinião do Parlamento Europeu

O Parlamento Europeu solicita regularmente a realização de sondagens à opinião pública nos 28 Estados-Membros.

Estas sondagens cobrem um vasto leque de temas, centrando-se, em particular, no conhecimento dos cidadãos europeus sobre o Parlamento Europeu, na sua perceção da UE e dos seus principais desafios, nas suas expectativas face às eleições europeias, ao Parlamento Europeu e à integração europeia em geral.

A análise dos resultados destina-se a veicular uma panorâmica o mais completa possível da evolução a nível nacional, das especificidades regionais, bem como das diferenças sociodemográficas e das tendências históricas.