Processo : 2014/0194(COD)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0227/2015

Textos apresentados :

A8-0227/2015

Debates :

Votação :

PV 10/05/2016 - 6.7
CRE 10/05/2016 - 6.7
Declarações de voto

Textos aprovados :

P8_TA(2016)0212

RELATÓRIO     ***I
PDF 730kWORD 498k
8.7.2015
PE 554.881v02-00 A8-0227/2015

sobre a proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que altera o Regulamento (CE) n.º 184/2005 relativo a estatísticas comunitárias sobre a balança de pagamentos, o comércio internacional de serviços e o investimento direto estrangeiro, no que respeita à atribuição de poderes delegados e de competências de execução à Comissão para a adoção de certas medidas

(COM(2014)0379 – C8‑0038/2014 – 2014/0194(COD))

Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários

Relator: Sven Giegold

ALTERAÇÕES
PROJETO DE RESOLUÇÃO LEGISLATIVA DO PARLAMENTO EUROPEU
 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS
 PROCESSO

PROJETO DE RESOLUÇÃO LEGISLATIVA DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que altera o Regulamento (CE) n.º 184/2005 relativo a estatísticas comunitárias sobre a balança de pagamentos, o comércio internacional de serviços e o investimento direto estrangeiro, no que respeita à atribuição de poderes delegados e de competências de execução à Comissão para a adoção de certas medidas

(COM(2014)0379 – C8‑0038/2014 – 2014/0194(COD))

(Processo legislativo ordinário: primeira leitura)

O Parlamento Europeu,

–       Tendo em conta a proposta da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho (COM(2014)0379),

–       Tendo em conta o artigo 294.º, n.º 2, e o artigo 338.º, n.º 1, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nos termos dos quais a proposta lhe foi apresentada pela Comissão (C8‑0038/2014),

–       Tendo em conta o artigo 294.º, n.º 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–       Tendo em conta o artigo 284.º, n.º 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–       Tendo em conta o Parecer do Banco Central Europeu, de 5 de dezembro de 2014(1),

–       Tendo em conta o artigo 59.º do seu Regimento,

–       Tendo em conta o relatório da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários (A8-0227/2015),

1.      Aprova a posição em primeira leitura que se segue;

2.      Requer à Comissão que lhe submeta de novo a sua proposta, se pretender alterá-la substancialmente ou substituí-la por um outro texto;

3.      Encarrega o seu Presidente de transmitir a posição do Parlamento ao Conselho e à Comissão, bem como aos Parlamentos nacionais.

Alteração  1

Proposta de regulamento

Citação 3-A (nova)

Texto da Comissão

Alteração

 

Tendo em conta o parecer do Banco Central Europeu1-A,

 

 

_____________________________________

 

1-A JO C 31 de 30.1.2015, p. 3.

Alteração  2

Proposta de regulamento

Considerando 1-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(1-A) A informação estatística de qualidade é um serviço público fundamental para a investigação académica e a elaboração fundamentada de políticas públicas.

Alteração  3

Proposta de regulamento

Considerando 1-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(1-B) As estatísticas comunitárias sobre a balança de pagamentos, o comércio internacional de serviços e o investimento direto estrangeiro revestem-se de grande importância para a correta elaboração de cenários económicos prospetivos e a formulação fundamentada de políticas económicas.

Alteração  4

Proposta de regulamento

Considerando 3

Texto da Comissão

Alteração

(3) A Comissão deve dispor de poderes para adotar atos delegados, por força do artigo 290.º do TFUE, a fim de completar ou alterar certos elementos não essenciais de atos legislativos específicos, nomeadamente para ter em conta a evolução económica, social e técnica. A Comissão deve fazer com que estes atos delegados não representem um aumento significativo dos encargos administrativos para os Estados-Membros ou as unidades respondentes.

(3) A Comissão deve dispor de poderes para adotar atos delegados, por força do artigo 290.º do TFUE, a fim de completar ou alterar certos elementos não essenciais de atos legislativos específicos, nomeadamente para ter em conta a evolução económica, social e técnica. A Comissão deve fazer com que estes atos delegados não representem um aumento significativo dos encargos administrativos para os Estados-Membros ou as unidades respondentes, além do que é necessário para efeitos do presente regulamento, nem alterem o quadro conceptual subjacente aplicável.

Alteração  5

Proposta de regulamento

Considerando 6

Texto da Comissão

Alteração

(6) O poder de adotar atos em conformidade com o artigo 290.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia deve ser delegado na Comissão sempre que, por motivos de evolução económica e técnica, os requisitos de dados devam ser atualizados, incluindo os prazos para apresentação, assim como reexames, extensões e eliminações dos fluxos de dados enumerados no anexo I, e quando for necessário atualizar as definições estabelecidas no anexo II.

(6) O poder de adotar atos em conformidade com o artigo 290.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia deve ser delegado na Comissão sempre que, por motivos de evolução económica e técnica, os dados relativos aos níveis de desagregação geográfica, aos níveis de desagregação por setores institucionais e ao nível de desagregação da atividade económica definidos nos quadros 6, 7 e 8 do anexo I devam ser atualizados, bem como por motivos de especificação das normas comuns de qualidade, do conteúdo dos relatórios de qualidade e dos requisitos para a elaboração das estatísticas a que se referem os n.ºs 2 e 3 do artigo 5.º, desde que essas atualizações e especificações não afetem o esforço de prestação de informação, nem alterem o quadro concetual subjacente. O poder de adotar atos em conformidade com o artigo 290.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia deve ser delegado na Comissão sempre que alguns requisitos dos fluxos de dados enumerados no anexo I devam ser eliminados, desde que essas eliminações não reduzam a qualidade das estatísticas produzidas em conformidade com o presente regulamento.

Alteração  6

Proposta de regulamento

Considerando 8

Texto da Comissão

Alteração

(8) A fim de assegurar condições uniformes para a execução do Regulamento (CE) n.º 184/2005, devem ser atribuídas à Comissão competências de execução, tendo em vista a adoção de normas comuns de qualidade e a harmonização do conteúdo e da periodicidade dos relatórios de qualidade. Essas competências devem ser exercidas em conformidade com o Regulamento (UE) n.º 182/2011.

(8) A fim de assegurar condições uniformes para a execução do Regulamento (CE) n.º 184/2005, devem ser atribuídas à Comissão competências de execução, tendo em vista a harmonização do conteúdo e da periodicidade dos relatórios de qualidade. Essas competências devem ser exercidas em conformidade com o Regulamento (UE) n.º 182/2011.

Alteração  7

Proposta de regulamento

Considerando 12

Texto da Comissão

Alteração

(12) A boa cooperação operacional existente entre os bancos centrais nacionais e os institutos nacionais de estatística e entre o Eurostat e o Banco Central Europeu é um aspeto positivo que deve ser prosseguido e desenvolvido no intuito de melhorar a harmonização geral e a qualidade das estatísticas da balança de pagamentos, das estatísticas financeiras, das estatísticas das finanças públicas, das estatísticas macroeconómicas e das contas nacionais. Os bancos centrais nacionais continuarão a ser estreitamente associados à preparação de todas as decisões relacionadas com as balanças de pagamentos, com o CIS e com o IDE, através da sua participação nos grupos de peritos da Comissão responsáveis por estes domínios. A cooperação estratégica entre o SEE e o SEBC é assegurada pelo Fórum Estatístico Europeu, criado por um memorando de entendimento sobre a cooperação entre os membros do Sistema Estatístico Europeu e os membros do Sistema Europeu de Bancos Centrais10, assinado em 24 de abril de 2013.

(12) A boa cooperação operacional existente entre os bancos centrais nacionais e os institutos nacionais de estatística e entre o Eurostat e o Banco Central Europeu é um aspeto positivo que deve ser prosseguido e desenvolvido no intuito de melhorar a harmonização geral e a qualidade das estatísticas da balança de pagamentos, das estatísticas financeiras, das estatísticas das finanças públicas, das estatísticas macroeconómicas e das contas nacionais. Os institutos nacionais de estatística e os bancos centrais nacionais continuarão a ser estreitamente associados à preparação de todas as decisões relacionadas com as balanças de pagamentos, com o CIS e com o IDE, através da sua participação nos grupos de peritos responsáveis por estes domínios. A cooperação entre o SEE e o SEBC é assegurada pelo Fórum Estatístico Europeu, criado por um memorando de entendimento sobre a cooperação entre os membros do Sistema Estatístico Europeu e os membros do Sistema Europeu de Bancos Centrais10, assinado em 24 de abril de 2013.

__________________

__________________

10 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_PUBLIC/MOU_ESS_ESCB/EN/MOU_ESS_ESCB-EN.PDF

10 https://www.ecb.europa.eu/ecb/legal/pdf/mou_between_the_ess_and_the_escb.pdf

Alteração  8

Proposta de regulamento

Considerando 12-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-A) Nos termos do artigo 127.º, n.º 4, e do artigo 282.º, n.º 5, do TFUE, a Comissão deve consultar o Banco Central Europeu sobre os atos legislativos que recaiam nos domínios da sua competência.

Alteração  9

Proposta de regulamento

Considerando 12-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-B) Os Estados-Membros devem fornecer os dados necessários para que as estatísticas comunitárias sobre a balança de pagamentos, o comércio internacional de serviços e o investimento direto estrangeiro sejam produzidas a tempo, da forma adequada e com a qualidade exigida.

 

Alteração  10

Proposta de regulamento

Considerando 13-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-A) Desde a adoção do Regulamento (CE) n.º 184/2005, os fluxos de capitais internacionais intensificaram-se e tornaram-se mais complexos. O crescente recurso a entidades para fins especiais e a construções jurídicas para encaminhar fluxos de capitais tem tornado mais difícil o controlo desses fluxos, a fim de assegurar a sua rastreabilidade adequada e evitar a contabilização dupla ou múltipla.

Alteração  11

Proposta de regulamento

Considerando 13-B (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-B) As disposições do Regulamento (CE) n.º 184/2005 devem, por conseguinte, ser atualizadas por forma a melhorar a transparência e a granularidade no que diz respeito às balanças de pagamentos (BOP), ao comércio internacional de serviços (CIS) e ao investimento direto estrangeiro (IDE) através do reforço dos requisitos de informação e publicação, tirando partido, por exemplo, das recentes inovações, tais como o Sistema Mundial de Identificação de Entidades Jurídicas (GLEI), que faz parte das propostas apresentadas pela OCDE para melhorar a comunicação de informações sobre contas financeiras, bem como utilizando as recentes inovações no domínio jurídico, tais como os registos dos beneficiários efetivos estabelecidos no quadro da Diretiva relativa à luta contra o branqueamento de capitais. O reforço desses requisitos deverá aumentar o valor analítico das estatísticas da União sobre IDE e também pode contribuir para a transparência e a rastreabilidade dos fluxos financeiros associados às operações de investimento direto.

Justificação

A referência ao Sistema Mundial de Identificação de Entidades Jurídicas feita na alteração baseia-se numa contribuição da associação alemã dos fundos de investimento (BVI).

Alteração  12

Proposta de regulamento

Considerando 13-C (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-C) Sempre que metodologicamente possível, as estatísticas produzidas no âmbito do Regulamento (CE) n.º 184/2005 devem permitir uma distinção entre o IDE de raiz e o IDE conducente a aquisições, que, num determinado período, não aumentam a formação bruta de capital no Estado-Membro em questão nem o fundo de maneio da unidade económica afetada pela transferência de propriedade.

Alteração  13

Proposta de regulamento

Considerando 13-D (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-D) A Comissão (Eurostat) deverá reforçar a sua cooperação com outras organizações internacionais que constituam importantes fornecedores de estatísticas abrangidas pelo presente regulamento, como a OCDE e o Fundo Monetário Internacional (FMI), a fim de promover o intercâmbio de conhecimentos especializados, melhorando assim, de forma eficaz, a qualidade das estatísticas sobre processos económicos internacionais. Essa cooperação internacional facilitaria também o desenvolvimento de um quadro conceptual relativo não só ao beneficiário efetivo mas também à distinção entre IDE de raiz e IDE conducente a aquisições, e pode também envolver outras organizações e fóruns internacionais, como a iniciativa do G20 referente às lacunas de dados.

Alteração  14

Proposta de regulamento

Considerando 13-E (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-E) A Comissão (Eurostat) é incentivada a fazer uso da disposição que lhe permite tornar pública a sua avaliação da qualidade das estatísticas nacionais, em particular sempre que tenha dúvidas quanto à exatidão das informações contidas nos vários tipos de estatísticas, tal como estabelecido no artigo 5.º do Regulamento n.º 99/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, relativo ao Programa Estatístico Europeu 2013-20171-A.

 

_______________________

 

1-A Regulamento (UE) n.º 99/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de janeiro de 2013, relativo ao Programa Estatístico Europeu 2013-2017 (JO L 39 de 9.2.2013, p. 12).

Alteração  15

Proposta de regulamento

Considerando 13-F (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-F) A fim de reforçar a cooperação entre o Sistema Estatístico Europeu (SEE) e o Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC), a Comissão deve consultar o Comité de Estatísticas Monetárias, Financeiras e de Balanças de Pagamentos (CMFB), instituído pela Decisão 2006/856/CE do Conselho, de 13 de novembro de 2006, que cria um Comité de Estatísticas Monetárias, Financeiras e de Balanças de Pagamentos1-A, sobre todas as matérias abrangidas pelo âmbito de competência do comité a que se refere essa decisão.

 

___________________

 

1-A Decisão 2006/856/CE do Conselho, de 13 de novembro de 2006, que cria um Comité de Estatísticas Monetárias, Financeiras e de Balanças de Pagamentos (JO L 332 de 30.11.2006, p.21)

Justificação

As the ECB points-out in its opinion, the proposed regulation has the aim of abolishing the Balance of Payments Committee established by Article 11 of Regulation (EC) No 184/2005 of the European Parliament and of the Council and transferring all comitology powers to the European Statistical System Committee, on which the ECB and national central banks (NCBs) are not represented. Close cooperation between the European Statistical System (ESS) and the European System of Central Banks (ESCB) in the field of balance of payments (BOP) and international investment position (IIP) statistics should be ensured through the Committee on Monetary, Financial and Balance of Payments Statistics (CMFB). In particular, the opinion of the CMFB could be requested on proposals for new legal acts, including amending legal acts, on BOP and related statistics.

Alteração  16

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 2 – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3. São conferidos à Comissão poderes para adotar atos delegados, em conformidade com o artigo 10.º, sempre que, por motivos de evolução económica e técnica, os requisitos de dados devam ser atualizados, incluindo os prazos para apresentação, assim como reexames, extensões e eliminações dos fluxos de dados enumerados no anexo I, e quando for necessário atualizar as definições estabelecidas no anexo II.

3. São conferidos à Comissão poderes para adotar atos delegados, em conformidade com o artigo 10.º, sempre que, por motivos de evolução económica e técnica, os requisitos de dados, os níveis de desagregação geográfica, os níveis de desagregação por setores institucionais e o nível de desagregação da atividade económica definidos nos quadros 6, 7 e 8 do anexo I devam ser atualizados, bem como por motivos de especificação do conteúdo dos relatórios de qualidade e dos requisitos para a produção das estatísticas a que se referem os n.ºs 2 e 3 do artigo 5.º, desde que essas atualizações e especificações não afetem o esforço de prestação de informação, nem alterem o quadro conceptual subjacente.

 

São conferidos à Comissão poderes para adotar atos delegados, em conformidade com o artigo 10.º, sempre que alguns requisitos dos fluxos de dados enumerados no anexo I devam ser eliminados, desde que essas eliminações não reduzam a qualidade das estatísticas produzidas em conformidade com o presente regulamento.

Alteração  17

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1-A (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 3 – n.º 1

 

Texto em vigor

Alteração

 

1-A) No artigo 3.º, o n.º 1 passa a ter a seguinte redação:

1. Os Estados-Membros devem recolher as informações exigidas pelo presente regulamento, utilizando todas as fontes que considerem relevantes e apropriadas. Estas podem incluir fontes de dados administrativos, como registos comerciais.

1. Os Estados-Membros devem recolher as informações exigidas pelo presente regulamento, utilizando todas as fontes que considerem relevantes e apropriadas. Estas podem incluir, por exemplo, fontes de dados administrativos, como registos comerciais, incluindo os registos centrais de informação sobre os beneficiários efetivos de entidades societárias e outras pessoas coletivas a que se refere a Diretiva relativa à luta contra o branqueamento de capitais, o ficheiro EuroGroups (EGR) ou o sistema GLEI, bem como os dados disponíveis sobre o IDE por contraparte geográfica no âmbito da iniciativa do FMI «Inquérito Coordenado sobre o Investimento Direto (CDIS)».

Alteração  18

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 4 – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3. A Comissão adota, por meio de atos de execução, os padrões de qualidade comuns, bem como o conteúdo e a periodicidade dos relatórios de qualidade, tendo em conta as implicações relativas ao custo da recolha e compilação dos dados, bem como alterações importantes no domínio da recolha de dados.

3. A Comissão adota, por meio de atos de execução, a periodicidade dos relatórios de qualidade, tendo em conta as implicações relativas ao custo da recolha e compilação dos dados, bem como alterações importantes no domínio da recolha de dados.

Alteração  19

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2-A (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 4 – n.º 4-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

2-A) Ao artigo 4.º é aditado o seguinte parágrafo:

 

4-A. A Comissão (Eurostat) adota, por meio de atos de execução, modalidades de cooperação com organismos estatísticos a nível internacional, nomeadamente o FMI e a OCDE, a fim de promover a utilização de conceitos, classificações, métodos e outras normas internacionais, em particular tendo em vista assegurar a coerência e uma melhor comparabilidade a nível mundial das estatísticas produzidas no quadro do presente regulamento.

Justificação

Esta disposição assenta numa disposição semelhante, prevista no artigo 5.º do Regulamento 99/2013 sobre o Programa Estatístico Europeu 2013-2017.

Alteração  20

Proposta de regulamento

Artigo 1 – n.º 1 – ponto 2-B (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 5

 

Texto em vigor

Alteração

 

2-B) O artigo 5.º passa a ter a seguinte redação:

Artigo 5.º

Artigo 5.º

Fluxos de dados

Fluxos de dados

As estatísticas a produzir são agrupadas para transmissão à Comissão (Eurostat), segundo os seguintes fluxos de dados:

1. As estatísticas a produzir são agrupadas para transmissão à Comissão (Eurostat), segundo os seguintes fluxos de dados:

a) Euro-Indicadores da Balança de Pagamentos;

a) Euro-Indicadores da Balança de Pagamentos;

b) Estatísticas Trimestrais da Balança de Pagamentos;

b) Estatísticas Trimestrais da Balança de Pagamentos;

c) Comércio Internacional de Serviços;

c) Comércio Internacional de Serviços;

d) Fluxos de Investimento Direto Estrangeiro («IDE»);

d) Fluxos de Investimento Direto Estrangeiro («IDE»);

e) Posições do IDE.

e) Posições do IDE.

 

2. As estatísticas a produzir agregam os fluxos de informação com base em fontes de dados completas e fiáveis e, se metodologicamente possível, agregam os fluxos de saída de IDE de acordo com o país de constituição do beneficiário efetivo da unidade económica responsável pelo fluxo de saída.

 

3. No que diz respeito aos fluxos de entrada de IDE, tendo plenamente em conta o artigo 20.º do Regulamento (CE) n.º 223/2009 relativo às estatísticas europeias, sempre que metodologicamente possível, as estatísticas a produzir diferenciam entre os fluxos, que, através do aumento da formação bruta de capital ou do fundo de maneio de uma unidade económica, resultam em investimentos de raiz, e as aquisições que conduzem apenas a uma transferência de propriedade de uma unidade económica durante o período de referência anual.

 

4. Até 28 de fevereiro de 2019, a Comissão deve adotar um ato delegado, em conformidade com o artigo 10.º, a fim de especificar os requisitos metodológicos necessários para garantir a qualidade estatística e a comparabilidade das estatísticas de IDE relativas ao conceito de beneficiário efetivo e distinguir o IDE de raiz das aquisições, tendo em conta a cooperação internacional durante este processo.

 

5. A Comissão, após consultar o Comité de Estatísticas Monetárias, Financeiras e de Balanças de Pagamentos (CMFB), deve lançar estudos-piloto referentes às estatísticas de IDE relativas ao conceito de beneficiário efetivo e para distinguir o IDE de raiz das aquisições. Esses estudos-piloto devem apoiar o desenvolvimento dos requisitos metodológicos a que se refere o n.º 4 e avaliar a exequibilidade e os custos da respetiva compilação de dados. A Comissão pode prorrogar o prazo referido no n.º 4 por dois anos se, no relatório sobre a execução, considerar que é necessário mais tempo para adotar os atos delegados a que se refere o n.º 4 ou, se for caso disso, propõe uma revisão do presente regulamento. Os estudos-piloto devem apoiar o desenvolvimento dos requisitos metodológicos a que se referem os n.ºs 2 e 4 e avaliar a exequibilidade e os custos da respetiva compilação de dados.

 

6. As estatísticas produzidas em conformidade com os n.ºs 1 a 3 são transmitidas à Comissão (Eurostat).

Os fluxos de dados são descritos pormenorizadamente no anexo I.

7. Os fluxos de dados a que se referem os n.ºs 1 a 3 são descritos pormenorizadamente no anexo I, após ter sido solicitado parecer ao Comité de Estatísticas Monetárias, Financeiras e de Balanças de Pagamentos (CMFB).

 

Alteração  21

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 10 – n.º 2

 

Texto da Comissão

Alteração

2. Ao exercer estes poderes delegados por força do artigo 2.º, n.º 3, a Comissão assegura que os atos delegados não imponham encargos administrativos adicionais significativos aos Estados-Membros e aos respondentes.

2. Ao exercer estes poderes delegados por força do artigo 2.º, n.º 3, a Comissão assegura que os atos delegados não imponham encargos administrativos adicionais aos Estados-Membros e aos respondentes, além do necessário para efeitos do presente regulamento.

Alteração  22

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 10 – n.º 6

 

Texto da Comissão

Alteração

6. Os atos delegados adotados nos termos do artigo 2.º, n.º 3, só entram em vigor se não tiverem sido formuladas objeções pelo Parlamento Europeu ou pelo Conselho no prazo de dois meses a contar da notificação desse ato ao Parlamento Europeu e ao Conselho, ou se, antes do termo desse prazo, o Parlamento Europeu e o Conselho tiverem informado a Comissão de que não têm objeções a formular. Por iniciativa do Parlamento Europeu ou do Conselho, este prazo pode ser prolongado por dois meses.

6. Os atos delegados adotados nos termos do artigo 2.º, n.º 3, só entram em vigor se não tiverem sido formuladas objeções pelo Parlamento Europeu ou pelo Conselho no prazo de três meses a contar da notificação desse ato ao Parlamento Europeu e ao Conselho, ou se, antes do termo desse prazo, o Parlamento Europeu e o Conselho tiverem informado a Comissão de que não têm objeções a formular. Por iniciativa do Parlamento Europeu ou do Conselho, este prazo pode ser prolongado por três meses. Quando um ato delegado é promulgado imediatamente antes ou durante um período de férias oficiais, considera-se que o prazo começa a contar da data do primeiro período de sessões plenárias do Parlamento Europeu realizada após o período de férias oficiais. Em todo o caso, o prazo pode ser prorrogado de modo a abranger três períodos de sessões plenárias.

Alteração  23

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-A (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 12

 

Texto em vigor

Alteração

 

4-A) O artigo 12.º passa a ter a seguinte redação:

Artigo 12.º

Artigo 12.º

Relatório sobre a execução

Relatórios sobre a execução

Até 28 de Fevereiro de 2010, a Comissão apresentará ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório sobre a execução do presente regulamento.

Até 28 de Fevereiro de 2018 e, em seguida, de cinco em cinco anos, ou sempre que o considere necessário, antes de 28 de fevereiro de 2018, a Comissão apresentará ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório sobre a execução do presente regulamento.

Esse relatório deve, nomeadamente:

Esse relatório deve, nomeadamente:

a) Registar a qualidade das estatísticas produzidas;

a) Registar a qualidade das estatísticas produzidas;

b) Avaliar os benefícios, para a Comunidade, os Estados-Membros e os fornecedores e utilizadores de informações estatísticas, resultantes das estatísticas produzidas em comparação com os respetivos custos;

b) Avaliar os benefícios, para a Comunidade, os Estados-Membros e os fornecedores e utilizadores de informações estatísticas, resultantes das estatísticas produzidas em comparação com os respetivos custos;

 

b-A) Avaliar se é necessário mais tempo para adotar os atos delegados a que se refere o artigo 5.º, n.º 4;

c) Identificar áreas para potencial aperfeiçoamento e alterações consideradas necessárias à luz dos resultados obtidos;

c) Identificar áreas para potencial aperfeiçoamento, como a promoção da transparência, da disponibilidade e da granularidade das estatísticas produzidas, bem como os custos relacionados com a produção das estatísticas referidas no artigo 5.º, n.ºs 2 e 3, e alterações consideradas necessárias à luz dos resultados obtidos;

d) Rever a atividade do comité e fazer recomendações sobre a eventual redefinição do âmbito das medidas de execução.

d) Rever a atividade do comité referido no artigo 11.º e fazer recomendações sobre a eventual redefinição do âmbito das medidas de execução.

Alteração  24

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-B (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 12-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

4-B) É inserido o seguinte artigo:

 

«Artigo 12.º-A

 

Cooperação com outros comités

 

Em todas as questões em que seja competente o Comité de Estatísticas Monetárias, Financeiras e de Balanças de Pagamentos, criado pela Decisão 2006/856/CE, a Comissão solicita o parecer desse comité, nos termos dessa decisão.

Justificação

As the ECB points-out in its opinion, the proposed regulation has the aim of abolishing the Balance of Payments Committee established by Article 11 of Regulation (EC) No 184/2005of the European Parliament and of the Council and transferring all comitology powers to the European Statistical System Committee, on which the ECB and national central banks (NCBs) are not represented. Close cooperation between the European Statistical System (ESS) and the European System of Central Banks (ESCB) in the field of balance of payments (BOP) and international investment position (IIP) statistics should be ensured through the Committee on Monetary, Financial and Balance of Payments Statistics (CMFB). In particular, the opinion of the CMFB could be requested on proposals for new legal acts, including amending legal acts, on BOP and related statistics.

Alteração  25

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-C (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Artigo 12-B (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

4-C) É inserido o seguinte artigo:

 

Artigo 12.º-B

 

Divulgação pública do investimento direto estrangeiro

 

1. O Eurostat publica, no seu sítio web, numa página específica e de fácil consulta, as estatísticas sobre o investimento direto estrangeiro para todas as jurisdições abrangidas pelo nível Geo 6 do anexo I.

 

2. Tendo plenamente em conta o artigo 20.º do Regulamento (CE) n.º 223/2009 relativo às estatísticas europeias, a Comissão (Eurostat) divulga publicamente as suas estatísticas e a metodologia exata utilizada para efetuar os cálculos.

Alteração  26

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-D (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Anexo I – Quadro 4.1

 

Texto em vigor

Quadro 4

Operações de investimento direto no estrangeiro (incluindo rendimentos)

Quadro 4.1 Operações financeiras investimento direto

Prazo T+9 meses

Periodicidade anual

Primeiro período de referência 2013

 

Valores líquidos

Aquisições líquidas de ativos financeiros

Aumento líquido de passivos

TODAS AS UNIDADES RESIDENTES

 

 

 

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) - Operações

Geo

6

Geo

5

Geo

5

IDE Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos (excluindo os títulos de participação no capital de empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Reinvestimento dos lucros

Geo

5

Geo

5

 

 

IDE Instrumentos de dívida

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

Investimento direto na economia declarante (IDEC) - Operações

Geo

6

Geo

5

Geo

5

IDEC Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos (excluindo os títulos de participação no capital entre empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo

5

 

 

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo

5

 

 

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo

5

 

 

 

 

IDEC Reinvestimento dos lucros

Geo

5

 

 

Geo

5

IDEC Instrumentos de dívida

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

 

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

 

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

 

 

 

ENTIDADES RESIDENTES PARA FINS ESPECIAIS

 

 

 

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) – Operações (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

 

 

 

Investimento direto na economia declarante (IDEC) - Operações (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

 

 

 

(1) Obrigatório a partir do ano de referência de 2015.

Alteração

4-D) O Quadro 4.1 do anexo I passa a ter a seguinte redação:

Quadro 4

Operações de investimento direto no estrangeiro (incluindo rendimentos)

Quadro 4.1 Operações financeiras investimento direto

Prazo T+9 meses

Periodicidade anual

Primeiro período de referência 2013

 

Valores líquidos

Aquisições líquidas de ativos financeiros

Aumento líquido de passivos

TODAS AS UNIDADES RESIDENTES

 

 

 

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) - Operações

Geo

6

Geo

6

Geo

6

IDE Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos (excluindo os títulos de participação no capital de empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Reinvestimento dos lucros

Geo

5

Geo

5

 

 

IDE Instrumentos de dívida

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDE Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

Investimento direto na economia declarante (IDEC) - Operações

Geo

6

Geo

6

Geo

6

IDEC Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos (excluindo os títulos de participação no capital entre empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Títulos de participação no capital exceto lucros reinvestidos entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo

5

 

 

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo

5

 

 

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo

5

 

 

 

 

IDEC Reinvestimento dos lucros

Geo

5

 

 

Geo

5

IDEC Instrumentos de dívida

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

IDEC Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo

5

Geo

5

Geo

5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

 

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

 

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

 

 

 

ENTIDADES RESIDENTES PARA FINS ESPECIAIS

 

 

 

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) – Operações (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

 

 

 

Investimento direto na economia declarante (IDEC) - Operações (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

 

 

 

(1) Obrigatório a partir do ano de referência de 2015.

Justificação

The amendment proposed aims at providing gross information related to the outward foreign direct investments and inward foreign direct investments, including related investment income flows, between each EU Member State and all other countries in the world. So far this information is only required on a net basis (investment in the country minus investment abroad), which hampers the analytical value of the reported information. Such information is also requested by the International Monetary Fund (IMF) in the context of the Coordinated Direct Investment Survey (CDIS) initiative. Furthermore the amendment aims at enriching inward and outward FDI statistics by compiling the main headings also following the ‘ultimate host/investor country’ approach to identify the host country of the direct investment enterprise for outward FDI and the home country of the direct investor for inward FDI as defined in the OECD Benchmark Definition of FDI. This information would complement the current FDI statistics compiled on the basis of the ‘immediate host/investing country’ (IHC/IIC) approach.

Alteração  27

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-A (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Anexo I – Quadro 4.2

 

Texto em vigor

Quadro 4.2 Rendimentos de investimento direto

Prazo: T+9 meses

Periodicidade: anual

Primeiro período de referência: 2013

 

Saldo

Crédito

Débito

TODAS AS UNIDADES RESIDENTES

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) - Rendimentos

Geo 6

Geo 5

Geo 5

IDE Dividendos (excluindo dividendos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Dividendos entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Lucros reinvestidos

Geo 5

Geo 5

 

IDE Rendimentos sobre créditos

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos (exceto rendimentos sobre créditos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC) - Rendimentos

Geo 6

Geo 5

Geo 5

IDEC Dividendos

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Dividendos (excluindo dividendos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Dividendos entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

IDEC Lucros reinvestidos

Geo 5

 

Geo 5

IDEC Rendimentos sobre créditos

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos (exceto rendimentos sobre créditos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

ENTIDADES RESIDENTES PARA FINS ESPECIAIS

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) – Rendimentos (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC) – Rendimentos (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

(1) Obrigatório a partir do ano de referência de 2015.

 

 

Alteração

4-E) O Quadro 4.2 do anexo I passa a ter a seguinte redação:

Quadro 4.2 Rendimentos de investimento direto

Prazo: T+9 meses

Periodicidade: anual

Primeiro período de referência: 2013

 

Saldo

Crédito

Débito

TODAS AS UNIDADES RESIDENTES

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) - Rendimentos

Geo 6

Geo 6

Geo 6

IDE Dividendos (excluindo dividendos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Dividendos entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Lucros reinvestidos

Geo 5

Geo 5

 

IDE Rendimentos sobre créditos

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos (exceto rendimentos sobre créditos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC) - Rendimentos

Geo 6

Geo 6

Geo 6

IDEC Dividendos

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Dividendos (excluindo dividendos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Dividendos entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

IDEC Lucros reinvestidos

Geo 5

 

Geo 5

IDEC Rendimentos sobre créditos

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos (exceto rendimentos sobre créditos entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Rendimentos sobre créditos entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

 

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

ENTIDADES RESIDENTES PARA FINS ESPECIAIS

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE) – Rendimentos (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC) – Rendimentos (1)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

(1) Obrigatório a partir do ano de referência de 2015.

 

Justificação

The amendment proposed aims at providing gross information related to the outward foreign direct investments and inward foreign direct investments, including related investment income flows, between each EU Member State and all other countries in the world. So far this information is only required on a net basis (investment in the country minus investment abroad), which hampers the analytical value of the reported information. Such information is also requested by the International Monetary Fund (IMF) in the context of the Coordinated Direct Investment Survey (CDIS) initiative. The amendment also aims at enriching inward and outward FDI statistics by compiling the main headings also following the ‘ultimate host/investor country’ approach to identify the host country of the direct investment enterprise for outward FDI and the home country of the direct investor for inward FDI as defined in the OECD Benchmark Definition of FDI. This information would complement the current FDI statistics compiled on the basis of the ‘immediate host/investing country’ (IHC/IIC) approach.

Alteração  28

Proposta de regulamento

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-F (novo)

Regulamento (CE) n.º 184/2005

Anexo I – Quadro 5.1

 

Texto em vigor

Quadro 5

Posições de investimento direto estrangeiro

Quadro 5,1 Posições de investimento direto

Prazo: T+9 meses

Periodicidade: anual

Primeiro período de referência: 2013

 

Valores líquidos

Ativos

Passivos

TODAS AS UNIDADES RESIDENTES

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE)

Geo 6

Geo 5

Geo 5

IDE Títulos de participação no capital

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Títulos de participação no capital (excluindo os títulos de participação no capital entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Títulos de participação no capital entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Instrumentos de dívida

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC)

Geo 6

Geo 5

Geo 5

IDE Títulos de participação no capital

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Títulos de participação no capital (excluindo os títulos de participação no capital entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Títulos de participação no capital entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

IDEC Instrumentos de dívida

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

ENTIDADES RESIDENTES PARA FINS ESPECIAIS

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Alteração

4-F) O Quadro 5.1 do anexo I passa a ter a seguinte redação:

Quadro 5

Posições de investimento direto estrangeiro

Quadro 5,1 Posições de investimento direto

Prazo: T+9 meses

Periodicidade: anual

Primeiro período de referência: 2013

 

Valores líquidos

Ativos

Passivos

TODAS AS UNIDADES RESIDENTES

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE)

Geo 6

Geo 6

Geo 6

IDE Títulos de participação no capital

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Títulos de participação no capital (excluindo os títulos de participação no capital entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Títulos de participação no capital entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Instrumentos de dívida

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDE Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC)

Geo 6

Geo 6

Geo 6

IDE Títulos de participação no capital

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Títulos de participação no capital (excluindo os títulos de participação no capital entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Títulos de participação no capital entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

IDEC Instrumentos de dívida

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Instrumentos de dívida (excluindo dívida entre empresas associadas)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

IDEC Instrumentos de dívida entre empresas associadas (UCP é não residente no país declarante)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Dos quais: UCP é residente noutro país da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente na UE, mas fora da zona euro

Geo 5

 

 

UCP é residente fora da UE

Geo 5

 

 

ENTIDADES RESIDENTES PARA FINS ESPECIAIS

 

 

 

Investimento direto no estrangeiro (IDE)

 

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Investimento direto na economia declarante (IDEC)

Geo 5

Geo 5

Geo 5

Justificação

The amendment proposed aims at providing gross information related to the outward foreign direct investments and inward foreign direct investments, including related investment income flows, between each EU Member State and all other countries in the world. So far this information is only required on a net basis (investment in the country minus investment abroad), which hampers the analytical value of the reported information. Such information is also requested by the International Monetary Fund (IMF) in the context of the Coordinated Direct Investment Survey (CDIS) initiative. The amendment also aims at enriching inward and outward FDI statistics by compiling the main headings also following the ‘ultimate host/investor country’ approach to identify the host country of the direct investment enterprise for outward FDI and the home country of the direct investor for inward FDI as defined in the OECD Benchmark Definition of FDI. This information would complement the current FDI statistics compiled on the basis of the ‘immediate host/investing country’ (IHC/IIC) approach.

(1)

JO C 31 de 30.1.2015, p. 3.


EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

O Regulamento (CE) n.º 184/2005 relativo a estatísticas sobre a balança de pagamentos, o comércio internacional de serviços (CIS) e o investimento direto estrangeiro (IDE) é parte integrante do quadro geral da UE destinado a acompanhar a evolução económica em cada Estado-Membro e na União no seu conjunto. A produção de estatísticas fiáveis nestes domínios é fundamental, em especial, com vista ao acompanhamento dos principais aspetos económicos, como a evolução em matéria de contas correntes e de fluxos financeiros, dentro e fora da UE. Assim, estas estatísticas contribuem para assegurar a coerência das políticas económicas dos Estados-Membros com as orientações gerais da UE, bem como a sua conformidade com os requisitos legais resultantes dos quadros de governação económica da UE. Mais concretamente, a existência de estatísticas fiáveis constitui uma base essencial para a realização do processo de acompanhamento estabelecido no âmbito dos procedimentos relativos aos desequilíbrios macroeconómicos.

Desde a adoção do regulamento inicial e das suas atualizações subsequentes, os fluxos de capitais internacionais têm ganho tanto em intensidade como em complexidade. Mais concretamente, o crescente recurso a entidades de finalidade especial e a construções jurídicas para encaminhar as entradas e saídas de capitais tem aumentado as dificuldades existentes para controlar esses fluxos de capitais, salvaguardar a sua rastreabilidade e evitar a sua contabilização dupla ou múltipla, tornando, assim, ainda mais difícil a luta contra a evasão fiscal e o planeamento fiscal agressivo.

Neste contexto, as disposições do Regulamento (CE) n.º 184/2005 devem ser revistas a fim de satisfazer um duplo objetivo.

Em primeiro lugar, a revisão do Regulamento (CE) n.º 184/2005 constitui uma verdadeira oportunidade para aumentar a transparência e a granularidade das estatísticas relacionadas com a balança de pagamentos (BOP), o comércio internacional de serviços (CIS) e o investimento direto estrangeiro (IDE), bem como para tirar partido das mais recentes inovações jurídicas destinadas a tornar estas estatísticas um instrumento mais fiável para efeitos de tomada de decisões em matéria de política económica.

Em segundo lugar, o Regulamento (CE) n.º 184/2005 tem, como, aliás, foi salientado pela Comissão, de ser atualizado por forma a assegurar a consonância com as disposições do TFUE que conferem à Comissão poderes para adotar atos delegados e/ou atos de execução.

Neste contexto, serão abordados os seguintes pontos.

1.        Aumentar a transparência e a granularidade das estatísticas relativas à balança de pagamentos (BOP), ao comércio internacional de serviços (CIS) e ao investimento direto estrangeiro (IDE)

A transparência e a granularidade das estatísticas relativas às BOP, ao CIS e ao IDE podem ser significativamente melhoradas através do aumento dos requisitos em matéria de relatórios e de publicação, a fim de dispor de uma visão mais clara dos fluxos de capitais em termos brutos e tirar partido das mais recentes inovações, como o sistema mundial de identificação das entidades jurídicas (GLEI), que faz parte do quadro da Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económicos (OCDE) destinado a melhorar a comunicação de informações sobre contas financeiras. Os registos dos beneficiários efetivos, recentemente criados no quadro da Diretiva relativa à luta contra o branqueamento de capitais, e as bases de dados estabelecidas no âmbito da iniciativa do FMI «Inquérito Coordenado sobre o Investimento Direto (CDIS)» constituem igualmente importantes inovações que podem ser utilizadas com vista a aumentar a transparência e a rastreabilidade.

As estatísticas produzidas no âmbito do Regulamento (CE) n.º 184/2005 devem também permitir uma distinção entre o investimento direto estrangeiro (IDE) de raiz e o investimento direto estrangeiro (IDE) conducente a aquisições que, ao longo de um determinado ano de referência, não aumentam a formação bruta de capital no Estado‑Membro nem o fundo de maneio da unidade económica afetada pela transferência de propriedade.

A Comissão (Eurostat) deve igualmente reforçar a sua cooperação com outras organizações internacionais que constituem importantes fornecedores das estatísticas abrangidas pelo presente regulamento, como a OCDE e o FMI. Essa cooperação reforçada promoveria de forma eficaz o intercâmbio de conhecimentos especializados, aumentado assim a qualidade das estatísticas relativas à balança de pagamentos.

Por último, a Comissão (Eurostat) deverá, por um lado, melhorar a qualidade dos dados divulgados em matéria de estatísticas sobre a balança de pagamentos, o comércio internacional de serviços e o investimento direto estrangeiro, e, por outro lado, fazer uso da disposição que lhe permite tornar pública a sua avaliação da qualidade das estatísticas nacionais, em particular sempre que tenha dúvidas quanto à exatidão das informações contidas nos vários tipos de estatísticas, tal como estabelecido no artigo 5.º do regulamento.

2.        Alinhar o Regulamento (CE) n.º 184/2005 pelas disposições do Tratado de Lisboa

O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) estabelece uma distinção entre, por um lado, os poderes que podem ser delegados na Comissão para adotar atos não legislativos de alcance geral que completem ou alterem certos elementos não essenciais de um ato legislativo específico, em conformidade com o artigo 290.º, n.º 1, do TFUE (atos delegados) e, por outro, as competências de execução conferidas à Comissão, caso sejam necessárias condições uniformes de execução de atos juridicamente vinculativos da União, em conformidade com o artigo 291.º, n.º 2, do TFUE (atos de execução).

Revisões, extensões e eliminações dos fluxos de dados enumerados no anexo I não podem ser considerados elementos não essenciais que podem ser completados e alterados pela Comissão, sendo, pelo contrário, aspetos que afetam elementos essenciais da questão em apreço. Estes elementos devem, por conseguinte, se necessário, ser objeto de revisão por meio de propostas legislativas a adotar pelos colegisladores. Na mesma ordem de ideias, os relatórios sobre a avaliação da qualidade constituem elementos não essenciais do ato legislativo em questão, pelo que devem ser conferidos à Comissão poderes para adotar atos delegados que especifiquem o conteúdo dos referidos relatórios, em vez de estes últimos serem adotados por meio de atos de execução, tal como previsto pela Comissão na sua proposta inicial.

Por último, os feriados oficiais e outras interrupções dos períodos de trabalho do Parlamento e do Conselho devem ser tidos em conta de forma adequada, através da prorrogação correspondente dos respetivos prazos, a fim de assegurar que o processo de controlo se desenrole adequadamente no Parlamento Europeu e no Conselho.


PROCESSO

Título

Estatísticas sobre a balança de pagamentos, o comércio internacional de serviços e o investimento direto estrangeiro

Referências

COM(2014)0379 – C8-0038/2014 – 2014/0194(COD)

Data de apresentação ao PE

26.6.2014

 

 

 

Comissão competente quanto ao fundo

       Data de comunicação em sessão

ECON

14.7.2014

 

 

 

Comissões encarregadas de emitir parecer

       Data de comunicação em sessão

JURI

14.7.2014

 

 

 

Comissões que não emitiram parecer

       Data da decisão

JURI

3.9.2014

 

 

 

Relatores

       Data de designação

Sven Giegold

22.7.2014

 

 

 

Exame em comissão

6.5.2015

15.6.2015

 

 

Data de aprovação

25.6.2015

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

45

2

12

Deputados presentes no momento da votação final

Gerolf Annemans, Burkhard Balz, Pervenche Berès, Udo Bullmann, Esther de Lange, Fabio De Masi, Markus Ferber, Jonás Fernández, Elisa Ferreira, Sven Giegold, Neena Gill, Roberto Gualtieri, Gunnar Hökmark, Danuta Maria Hübner, Diane James, Petr Ježek, Georgios Kyrtsos, Alain Lamassoure, Philippe Lamberts, Werner Langen, Sander Loones, Bernd Lucke, Olle Ludvigsson, Notis Marias, Fulvio Martusciello, Michał Marusik, Marisa Matias, Costas Mavrides, Bernard Monot, Luděk Niedermayer, Stanisław Ożóg, Dimitrios Papadimoulis, Dariusz Rosati, Pirkko Ruohonen-Lerner, Alfred Sant, Molly Scott Cato, Peter Simon, Kay Swinburne, Paul Tang, Michael Theurer, Ramon Tremosa i Balcells, Ernest Urtasun, Marco Valli, Tom Vandenkendelaere, Cora van Nieuwenhuizen, Miguel Viegas, Jakob von Weizsäcker, Marco Zanni, Sotirios Zarianopoulos

Suplentes presentes no momento da votação final

Nessa Childers, Mady Delvaux, Krišjānis Kariņš, Thomas Mann, Alessia Maria Mosca, Siegfried Mureşan, Eva Paunova, Tibor Szanyi

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Ulrike Müller, Adam Szejnfeld

Data de entrega

9.7.2015

Advertência jurídica