Processo : 2017/2136(DEC)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0137/2018

Textos apresentados :

A8-0137/2018

Debates :

PV 18/04/2018 - 10
CRE 18/04/2018 - 10

Votação :

PV 18/04/2018 - 12.16
Declarações de voto

Textos aprovados :

P8_TA(2018)0121

RELATÓRIO     
PDF 1275kWORD 187k
4.4.2018
PE 612.402v02-00 A8-0137/2018

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Comissão do Controlo Orçamental

Relator: Joachim Zeller

1. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 2. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 3. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 4. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 5. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 6. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 7. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 8. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 9. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

1. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação relativa ao exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o relatório anual de 2016 da Comissão sobre a gestão e a execução do orçamento da UE (COM(2017)0351),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório anual do Tribunal de Contas sobre a execução do orçamento relativo ao exercício de 2016, acompanhado das respostas das instituições(3), e os relatórios especiais do Tribunal de Contas,

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(4), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar à Comissão pela execução do orçamento relativo ao exercício de 2016 (05940/2018 – C8-0042/2018),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.º-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(5), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, a Comissão executa o orçamento e gere os programas e que, nos termos do artigo 317.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, a Comissão executa o orçamento em cooperação com os Estados-Membros, sob sua própria responsabilidade, de acordo com os princípios da boa gestão financeira;

1.  Dá quitação à Comissão pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução de ... sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(6);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, e a resolução que dela constitui parte integrante, ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como aos parlamentos nacionais e às instituições de controlo nacionais e regionais dos Estados-Membros e de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

JO L 48 de 24.2.2016.

(2)

JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

JO C 322 de 28.9.2017, p. 1.

(4)

JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(5)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(6)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


2. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura para o exercício de 2016

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM(2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura para o exercício de 2016(3),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação para o exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura referentes ao exercício de 2016, acompanhado da resposta da Agência(4),

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(5), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar às agências de execução quanto à execução do orçamento para o exercício de 2016 (05942/2018 – C8-0043/2018),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.°-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(6), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(7), nomeadamente o artigo 14.º, n.º 3,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 1653/2004 da Comissão, de 21 de setembro de 2004, que institui o regulamento financeiro-tipo das agências de execução, em aplicação do Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(8), nomeadamente o artigo 66.º, primeiro e segundo parágrafos,

–  Tendo em conta a Decisão de Execução 2013/776/UE da Comissão, de 18 de dezembro de 2013, que institui a Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura e que revoga a Decisão 2009/336/CE(9),

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, a Comissão executa o orçamento e gere os programas e que, nos termos do artigo 317.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, a Comissão executa o orçamento em cooperação com os Estados-Membros, sob sua própria responsabilidade, de acordo com os princípios da boa gestão financeira;

1.  Dá quitação ao diretor da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura pela execução do respetivo orçamento para o exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução de ... sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(10);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, a decisão sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão, e a resolução que constitui parte integrante destas decisões, ao Diretor da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura, ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

  JO L 48 de 24.2.2016

(2)

  JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

  JO C 384 de 14.11.2017, p. 2.

(4)

  JO C 417 de 6.12.2017, p. 63.

(5)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(6)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(7)

  JO L 11 de 16.1.2003, p. 1.

(8)

  JO L 297 de 22.9.2004, p. 6.

(9)

  JO L 343 de 19.12.2013, p. 46.

(10)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


3. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência de Execução para as Pequenas e Médias Empresas para o exercício de 2016

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM(2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Agência de Execução para as Pequenas e Médias Empresas para o exercício de 2016(3),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação para o exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Agência de Execução para as Pequenas e Médias Empresas referentes ao exercício de 2016, acompanhado da resposta da Agência(4),

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(5), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar às agências de execução quanto à execução do orçamento para o exercício de 2016 (05942/2018 – C8-0043/2018),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.°-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(6), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(7), nomeadamente o artigo 14.º, n.º 3,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 1653/2004 da Comissão, de 21 de setembro de 2004, que institui o regulamento financeiro-tipo das agências de execução, em aplicação do Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(8), nomeadamente o artigo 66.º, primeiro e segundo parágrafos,

–  Tendo em conta a Decisão de Execução 2013/771/UE da Comissão, de 17 de dezembro de 2013, que institui a Agência de Execução para as Pequenas e Médias Empresas e que revoga as Decisões 2004/20/CE e 2007/372/CE(9)​,

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, a Comissão executa o orçamento e gere os programas e que, nos termos do artigo 317.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, a Comissão executa o orçamento em cooperação com os Estados-Membros, sob sua própria responsabilidade, de acordo com os princípios da boa gestão financeira;

1.  Dá quitação ao Diretor da Agência de Execução para as Pequenas e Médias Empresas pela execução do orçamento da Agência para o exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução de ... sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(10);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, a decisão sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão, e a resolução que constitui parte integrante destas decisões, ao Diretor da Agência de Execução para as Pequenas e Médias Empresas, ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

  JO L 48 de 24.2.2016

(2)

  JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

  JO C 384 de 14.11.2017, p. 11.

(4)

  JO C 417 de 6.12.2017, p. 74.

(5)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(6)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(7)

  JO L 11 de 16.1.2003, p. 1.

(8)

  JO L 297 de 22.9.2004, p. 6.

(9)

  JO L 341 de 18.12.2013, p. 73.

(10)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


4. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde, a Agricultura e a Alimentação para o exercício de 2016

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM(2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde e a Alimentação para o exercício de 2016(3),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação para o exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde, a Agricultura e a Alimentação referentes ao exercício de 2016, acompanhado da resposta da Agência(4),

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(5), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar às agências de execução quanto à execução do orçamento para o exercício de 2016 (05942/2018 – C8-0043/2018),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.°-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(6), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(7), nomeadamente o artigo 14.º, n.º 3,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 1653/2004 da Comissão, de 21 de setembro de 2004, que institui o regulamento financeiro-tipo das agências de execução, em aplicação do Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(8), nomeadamente o artigo 66.º, primeiro e segundo parágrafos,

–  Tendo em conta a Decisão de Execução 2013/770/UE da Comissão, de 17 de dezembro de 2013, que institui a Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde e a Alimentação e revoga a Decisão 2004/858/CE(9),

–  Tendo em conta a Decisão de Execução 2014/927/UE da Comissão, de 17 de dezembro de 2014, que altera a Decisão de Execução 2013/770/UE a fim de transformar a Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde e a Alimentação na Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde, a Agricultura e a Alimentação(10),

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, a Comissão executa o orçamento e gere os programas e que, nos termos do artigo 317.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, a Comissão executa o orçamento em cooperação com os Estados-Membros, sob sua própria responsabilidade, de acordo com os princípios da boa gestão financeira;

1.  Dá quitação ao Diretor da Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde, a Agricultura e a Alimentação pela execução do orçamento da Agência para o exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução de ... , sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(11);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, a decisão sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e a resolução que constitui parte integrante destas decisões, ao Diretor da Agência de Execução para os Consumidores, a Saúde e a Alimentação, ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

  JO L 48 de 24.2.2016.

(2)

  JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

  JO C 384 de 14.11.2017, p. 2.

(4)

  JO C 417 de 6.12.2017, p. 52.

(5)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(6)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(7)

  JO L 11 de 16.1.2003, p. 1.

(8)

  JO L 297 de 22.9.2004, p. 6.

(9)

  JO L 341 de 18.12.2013, p. 69.

(10)

  JO L 363 de 18.12.2014, p. 183.

(11)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


5. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência de Execução do Conselho Europeu de Investigação para o exercício de 2016

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM(2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Agência de Execução do Conselho Europeu de Investigação para o exercício de 2016(3),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação para o exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Agência de Execução do Conselho Europeu de Investigação referentes ao exercício de 2016, acompanhado da resposta da Agência(4),

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(5), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar às agências de execução quanto à execução do orçamento para o exercício de 2016 (05942/2018 – C8-0043/2018),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.°-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(6), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(7), nomeadamente o artigo 14.º, n.º 3,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 1653/2004 da Comissão, de 21 de setembro de 2004, que institui o regulamento financeiro-tipo das agências de execução, em aplicação do Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(8), nomeadamente o artigo 66.º, primeiro e segundo parágrafos,

–  Tendo em conta a Decisão de Execução 2013/779/UE da Comissão, de 17 de dezembro de 2013, que cria a Agência de Execução do Conselho Europeu de Investigação e que revoga a Decisão 2008/37/CE(9),

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, a Comissão executa o orçamento e gere os programas e que, nos termos do artigo 317.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, a Comissão executa o orçamento em cooperação com os Estados-Membros, sob sua própria responsabilidade, de acordo com os princípios da boa gestão financeira;

1.  Dá quitação ao Diretor Executivo da Agência Executiva do Conselho Europeu de Investigação pela execução do orçamento da Agência para o exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução, de ..., sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(10);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, a decisão sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e a resolução que constitui parte integrante destas decisões, ao Diretor da Agência de Execução do Conselho Europeu de Investigação, ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

  JO L 48 de 24.2.2016.

(2)

  JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

  JO C 384 de 14.11.2017, p. 9.

(4)

  JO C 417 de 6.12.2017, p. 171.

(5)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(6)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(7)

  JO L 11 de 16.1.2003, p. 1.

(8)

  JO L 297 de 22.9.2004, p. 6.

(9)

  JO L 346 de 20.12.2013, p. 58.

(10)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


6. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência de Execução para a Investigação para o exercício de 2016

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM(2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Agência de Execução para a Investigação para o exercício de 2016(3),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação para o exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Agência de Execução para a Investigação referentes ao exercício de 2016, acompanhado da resposta da Agência(4),

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(5), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de ... de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar às agências de execução quanto à execução do orçamento para o exercício de 2016 (05942/2018 – C8-0043/2018),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.°-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(6), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(7), nomeadamente o artigo 14.º, n.º 3,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 1653/2004 da Comissão, de 21 de setembro de 2004, que institui o regulamento financeiro-tipo das agências de execução, em aplicação do Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(8), nomeadamente o artigo 66.º, primeiro e segundo parágrafos,

–  Tendo em conta a Decisão de Execução 2013/778/UE da Comissão, de 13 de dezembro de 2013, que cria a Agência de Execução para a Investigação e que revoga a Decisão 2008/46/CE(9),

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, a Comissão executa o orçamento e gere os programas e que, nos termos do artigo 317.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, a Comissão executa o orçamento em cooperação com os Estados-Membros, sob sua própria responsabilidade, de acordo com os princípios da boa gestão financeira;

1.  Dá quitação ao Diretor da Agência de Execução para a Investigação pela execução do orçamento da Agência para o exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução de ... , sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(10);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, a decisão sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e a resolução que constitui parte integrante destas decisões, ao Diretor da Agência de Execução para a Investigação, ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

  JO L 48 de 24.2.2016.

(2)

  JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

  JO C 384 de 14.11.2017, p. 12.

(4)

  JO C 417 de 6.12.2017, p. 252.

(5)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(6)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(7)

  JO L 11 de 16.1.2003, p. 1.

(8)

  JO L 297 de 22.9.2004, p. 6.

(9)

  JO L 346 de 20.12.2013, p. 54.

(10)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


7. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência de Execução para a Inovação e as Redes para o exercício de 2016

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM(2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Agência de Execução para a Inovação e as Redes para o exercício de 2016(3),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação para o exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Agência de Execução para a Inovação e as Redes referentes ao exercício de 2016, acompanhado da resposta da Agência(4),

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(5), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar às agências de execução quanto à execução do orçamento para o exercício de 2016 (05942/2017 – C8-0043/2017),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.°-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(6), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(7), nomeadamente o artigo 14.º, n.º 3,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 1653/2004 da Comissão, de 21 de setembro de 2004, que institui o regulamento financeiro-tipo das agências de execução, em aplicação do Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(8), nomeadamente o artigo 66.º, primeiro e segundo parágrafos,

–  Tendo em conta a Decisão de Execução 2013/801/UE da Comissão, de 23 de dezembro de 2013, que institui a Agência de Execução para a Inovação e as Redes e revoga a Decisão 2007/60/CE, com a redação que lhe foi dada pela Decisão 2008/593/CE(9),

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que, nos termos do artigo 17.º, n.º 1, do Tratado da União Europeia, a Comissão executa o orçamento e gere os programas e que, nos termos do artigo 317.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, a Comissão executa o orçamento em cooperação com os Estados-Membros, sob sua própria responsabilidade, de acordo com os princípios da boa gestão financeira;

1.  Dá quitação ao Diretor da Agência de Execução para a Inovação e as Redes pela execução do orçamento da Agência para o exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução, de ... , sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(10);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, a decisão sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e a resolução que constitui parte integrante destas decisões, ao Diretor da Agência de Execução para a Inovação e as Redes, ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

  JO L 48 de 24.2.2016.

(2)

  JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

  JO C 384 de 14.11.2017, p. 11.

(4)

  JO C 417 de 6.12.2017, p. 247.

(5)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(6)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(7)

  JO L 11 de 16.1.2003, p. 1.

(8)

  JO L 297 de 22.9.2004, p. 6.

(9)

  JO L 352 de 24.12.2013, p. 65.

(10)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


8. PROPOSTA DE DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre o encerramento das contas do orçamento geral da União Europeia relativas ao exercício de 2016, Secção III – Comissão

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016(1),

–  Atendendo às contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016 (COM(2017)0365 – C8-0247/2017)(2),

–  Tendo em conta o relatório da Comissão sobre o seguimento dado à quitação para o exercício de 2015 (COM(2017)0379),

–  Tendo em conta o Relatório anual de 2016 da Comissão sobre a gestão e a execução do orçamento da UE (COM(2017)0351),

–  Tendo em conta o relatório anual da Comissão dirigido à autoridade de quitação sobre as auditorias internas realizadas em 2016 (COM(2017)0497) e o documento de trabalho dos Serviços da Comissão anexo a este relatório (SWD(2017)0306),

–  Atendendo ao relatório anual do Tribunal de Contas sobre a execução do orçamento relativo ao exercício de 2016, acompanhado das respostas das instituições(3), e os relatórios especiais do Tribunal de Contas,

–  Atendendo à declaração relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes(4), emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2016, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar à Comissão pela execução do orçamento relativo ao exercício de 2016 (05940/2018 – C8-0042/2018),

–  Tendo em conta a recomendação do Conselho, de 20 de fevereiro de 2018, sobre a quitação a dar às agências de execução quanto à execução do orçamento para o exercício de 2016 (05942/2018 – C8-0043/2018),

–  Tendo em conta os artigos 317.º, 318.º e 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o artigo 106.°-A do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(5), nomeadamente os artigos 62.º, 164.º, 165.º e 166.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 58/2003 do Conselho, de 19 de dezembro de 2002, que define o estatuto das agências de execução encarregadas de determinadas funções de gestão de programas comunitários(6), nomeadamente os n.ºs 2 e 3 do seu artigo 14.º,

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

1.  Aprova o encerramento das contas do orçamento geral da União Europeia relativas ao exercício de 2016;

2.  Regista as suas observações na resolução que constitui parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução, bem como na resolução, de ..... , sobre os relatórios especiais do Tribunal de Contas no âmbito da quitação à Comissão relativa ao exercício de 2016(7);

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, bem como aos parlamentos nacionais e às instituições de controlo nacionais e regionais dos Estados-Membros, e de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1)

  JO L 48 de 24.2.2016.

(2)

  JO C 323 de 28.9.2017, p. 1.

(3)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 1.

(4)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 10.

(5)

  JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.

(6)

  JO L 11 de 16.1.2003, p. 1.

(7)

  Textos Aprovados desta data, P8_TA-PROV(2018)0000.


9. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

que contém as observações que constituem parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta a sua decisão sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III - Comissão,

–  Tendo em conta as suas decisões sobre a quitação pela execução dos orçamentos das agências de execução para o exercício de 2016,

–  Tendo em conta o artigo 93.º e o Anexo IV do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental e os pareceres das demais comissões interessadas (A8-0137/2018),

A.  Considerando que a despesa da União constitui um instrumento significativo para alcançar os objetivos políticos e representa em média 1,9 % da despesa pública geral dos Estados-Membros da União;

B  Considerando que, quando concede quitação à Comissão, o Parlamento verifica se os fundos foram ou não utilizados corretamente e se os objetivos políticos foram atingidos;

C.  Considerando que, no contexto do processo de quitação, a autoridade de quitação salienta a importância especial de que se reveste o reforço ulterior da legitimidade democrática das instituições da União nomeadamente reforçando a transparência e a responsabilidade e pondo em prática o conceito da orçamentação baseada no desempenho, bem como a boa governação dos recursos humanos;

D.  Considerando que os princípios europeus da unicidade, da verdade orçamental, da anualidade, do equilíbrio, da universalidade, da especificação, da boa gestão financeira e da transparência devem ser respeitados aquando da execução do orçamento da União;

E.  Considerando que as despesas efetuadas ao abrigo do orçamento da União se destinam a melhorar as condições de vida e a qualidade de vida dos seus cidadãos e que, por conseguinte, importa colmatar as lacunas existentes nas suas políticas sociais;

F.  Considerando que o orçamento da União deve ter em conta a criação de um pilar social;

G.  Considerando que a política de coesão é uma fonte de investimento público que permite dar um claro valor acrescentado e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos da União;

Prioridades políticas

1.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a alinharem os objetivos políticos e os ciclos financeiros da União, a duração da legislatura do Parlamento e o mandato da Comissão;

2.  Solicita à Comissão que entregue ao Parlamento uma avaliação intercalar do atual exercício financeiro assim como uma avaliação dos últimos exercícios financeiros, de molde a poder identificar os programas que não tiveram um valor acrescentado claro e, por conseguinte, poder proceder a uma revisão das despesas;

3.  Recorda que a Comissão deve ter em conta, nas suas propostas para um novo Quadro Financeiro Plurianual (QFP), que certos domínios políticos, como a investigação ou a coesão, dependem muitas vezes de uma programação a mais longo prazo e necessitam de mais tempo para alcançar os objetivos políticos do que outros domínios de intervenção; sublinha, por outro lado, que importa prever uma flexibilidade adequada para situações de emergência;

4.  Insiste em que, na sequência da iniciativa «Orçamento centrado nos resultados», o orçamento da União seja apresentado de acordo com os objetivos políticos da UE no tocante ao QFP; recorda, igualmente à luz do QFP pós-2020, que o orçamento da União deve gerar um verdadeiro orçamento de valor acrescentado europeu tendo em vista objetivos comuns da União suscetíveis de promoverem o desenvolvimento económico e social sustentável de toda a União, o que os Estados-Membros não conseguem alcançar se agirem a título individual, pelo que não deve ser encarado como uma simples questão de balanço líquido ou de benefício de um determinado Estado-Membro;

5.  Manifesta a necessidade de se criar um organismo independente para efeitos de divulgação, aconselhamento e consulta, que ajude os denunciantes a utilizarem os canais certos para a divulgação de informações sobre eventuais irregularidades, protegendo, ao mesmo tempo, a sua confidencialidade e oferecendo o apoio e o aconselhamento necessários;

6.  Solicita à Comissão que se comprometa a rever, de forma aprofundada, o regime para jovens agricultores e o regime de ecologização para o próximo QFP, à luz das conclusões do Tribunal de Contas («o Tribunal»);

7.  Insta a Comissão a incluir nos seus relatórios de desempenho das avaliações sobre a qualidade dos dados utilizados uma declaração sobre a qualidade das informações relativas ao desempenho;

8.  Exorta a Comissão a fornecer ao Parlamento e ao Tribunal relatórios mais equilibrados, nomeadamente incluindo nos seus relatórios de desempenho informações mais transparentes relativamente aos desafios, obstáculos e lacunas;

9.  Insta a Comissão a acelerar a execução dos programas da política de coesão e dos pagamentos conexos, com vista a reduzir a duração do período de implementação, numa primeira fase, para o ano n +2;

10.  Exorta a Comissão a cumprir o objetivo inicial de 20 % de despesas no que respeita à integração da ação climática nos vários programas de despesas da União;

11.  Insiste em que a Comissão dê finalmente instruções a todos os seus diretores-gerais para que publiquem as suas recomendações específicas por país nos respetivos relatórios anuais de atividades (RAA), tal como solicitado pelo Parlamento;

12.  Insta a Comissão a reforçar a transparência do financiamento da política de migração, tal como recomendado pelo Tribunal no seu relatório anual de 2016, e a acompanhar ativamente os processos de adjudicação de contratos públicos, nomeadamente quando têm lugar em situações de emergência;

13.  Exorta ainda a Comissão a intensificar a transparência das políticas de investigação e de desenvolvimento rural, com o objetivo de identificar e de corrigir as causas de taxas de erro particularmente elevadas e persistentes, conforme indicado pelo Tribunal nos seus relatórios anuais;

14.  Insta a Comissão a melhorar a transparência no tocante aos fundos fiduciários e aos relatórios sobre a gestão da assistência externa, transmitindo regularmente todos os dados à sua disposição;

15.  Insta a Comissão a negociar uma redução das taxas cobradas pelo Banco Europeu de Investimento para a criação e a gestão de instrumentos financeiros e a apresentar regularmente informações sobre os beneficiários e os resultados alcançados através destes instrumentos;

16.  Solicita à Comissão que acelere a elaboração das contas da União, garanta que informações fiáveis dos Estados-Membros sobre as despesas da gestão partilhada sejam obtidas de forma mais atempada e que apresente o ponto de vista da gestão sobre a despesa da União mais cedo e juntamente com as contas, com vista à adoção de uma decisão de quitação no ano n +1, garantindo, concomitantemente, uma qualidade elevada dos dados e uma boa gestão financeira;

Declaração de fiabilidade do Tribunal

17.   Congratula-se com o facto de o Tribunal ter emitido um parecer sem reservas quanto à fiabilidade das contas para 2016, tal como tem feito desde 2007, e de o Tribunal ter concluído que a receita estava isenta de erros materiais em 2016; regista com satisfação que as autorizações subjacentes às contas do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2016 eram, em todos os aspetos materialmente relevantes, legais e regulares;

18.  Congratula-se com a evolução positiva da taxa de erro mais provável do Tribunal em relação à dos últimos anos, uma vez que os pagamentos são afetados em 2016 por uma taxa de erro mais provável de 3,1 %; relembra que a taxa de erro mais provável para os pagamentos no exercício de 2015 foi calculada em 3,8 %, no exercício de 2014 em 4,4 %, no exercício de 2013 em 4,7 %, no exercício de 2012 em 4,8 %, no exercício de 2011 em 3,9 %, no exercício de 2010 em 3,7 %, no exercício de 2009 em 3,3 %, no exercício de 2008 em 5,2 % e no exercício de 2007 em 6,9 %; porquanto a taxa de erro estimada pelo Tribunal não é definitiva, considera importante que se tenha em consideração a taxa de erro residual da Comissão aquando da avaliação da eficácia do financiamento da União;

19.  Salienta que, devido às diferentes metodologias para o seu cálculo, o nível de erro estimado no domínio da coesão não inclui uma quantificação dos desembolsos de 2016 a instrumentos financeiros, no valor de 2,5 mil milhões de EUR, que o Tribunal considera estarem fora do período de elegibilidade definido no artigo 56.º, n.º 1, do Regulamento (CE) n.º 1083/2006 do Conselho; observa que, se o Tribunal tivesse quantificado esta irregularidade, a taxa de erro mais provável teria sido consideravelmente superior; lamenta a decisão unilateral da Comissão de ter aceite despesas até 31 de março de 2017; salienta que a Comissão deveria ter preparado a proposta legislativa necessária para pôr termo a esta irregularidade;

20.  Lamenta que o recurso acrescido a instrumentos financeiros para diminuir o valor do orçamento da União envolve riscos superiores em termos de responsabilização e de coordenação das políticas e operações da União;

21.  Salienta que não estão disponíveis informações suficientes para uma avaliação adequada dos instrumentos financeiros, nomeadamente no que diz respeito ao seu impacto social e ambiental; salienta que, embora os instrumentos financeiros possam complementar as subvenções, não devem substituí-las;

22.  Verifica com satisfação que, pela primeira vez em 23 anos, o Tribunal emitiu uma opinião com reservas (e não uma opinião adversa) sobre a legalidade e a regularidade dos pagamentos subjacentes às contas, o que significa que, segundo o Tribunal, houve uma melhoria significativa na gestão das finanças da União e que o erro material está nomeadamente limitado às despesas baseadas em reembolsos, que representam cerca de metade dos pagamentos auditados;

23.  Lamenta que, pelo 23.º ano consecutivo, os pagamentos se encontrem materialmente afetados por erros devido ao facto de os sistemas de gestão e de controlo serem apenas parcialmente eficazes para garantir uma boa gestão financeira e um pagamento atempado;

24.  Regista com preocupação que, se as medidas corretivas tomadas pelos Estados-Membros e pela Comissão não tivessem sido aplicadas aos pagamentos auditados pelo Tribunal, o nível de erro global estimado teria sido de 4,3% em vez de 3,1% (ou seja, o mesmo nível que em 2015; ver ponto 1.34 do Relatório Anual do Tribunal relativo a 2016);

25.  Observa que o impacto do modo de gestão no nível de erro é limitado, na medida em que o Tribunal deteta o mesmo nível de erro estimado em gestão partilhada com os Estados-Membros que em relação à despesa operacional gerida diretamente pela Comissão, isto é, 3,3 %;

26.  Salienta que o Tribunal detetou os níveis de erro estimados mais elevados na despesa relativa ao desenvolvimento rural, ao ambiente, à ação climática e às pescas (4,9 %), à coesão económica, social e territorial (4,8 %) e à competitividade para o crescimento e o emprego (4,1 %), ao passo que as despesas administrativas apresentaram o nível de erro estimado mais baixo (0,2 %);

27.  Regista que, segundo as conclusões do Tribunal, os diferentes perfis de risco dos sistemas de reembolso e de direitos tiveram uma influência significativa nos níveis de erro nos vários domínios de despesa; considera que, quando a União reembolsa custos elegíveis relativos a atividades elegíveis com base nas declarações de custos apresentadas pelos beneficiários, o nível de erro é de 4,8 % (5,2 % em 2015), ao passo que, quando os pagamentos estão ligados ao respeito de condições e não ao reembolso dos respetivos custos, a taxa de erro é de 1,3 % (1,9 % em 2015);

Relatório Anual sobre a Gestão e a Execução (RAGE): resultados da gestão

28.  Assinala que, não obstante a aparente convergência nas conclusões formuladas pela Comissão e pelo Tribunal, a afirmação feita pelo Tribunal no seu relatório anual e a análise apresentada pela Comissão no seu RAGE divergem parcialmente;

29.  Observa, em particular, que a Comissão salienta no seu RAGE 2016(1) que as reservas formuladas pelos diretores-gerais nos seus RAA aumentaram, elevando-se a 35,3 mil milhões de EUR, o que corresponde a 26 % dos pagamentos (em 2015 estas elevaram-se a 29,8 mil milhões de EUR, isto é, 21 % dos pagamentos);

30.  Realça que, segundo a Comissão, o impacto financeiro efetivo em termos de montante em risco no momento da apresentação do relatório também aumentou em 2016 para 1,6 mil milhões de EUR (em 2015 eram 1,3 mil milhões de EUR);

31.   Salienta que a Comissão aponta no seu RAGE para uma deterioração dos indicadores de gestão financeira em termos de reservas nos RAA e explica-a pelas dificuldades encontradas na criação de novos regimes mais exigentes, como, por exemplo, o regime de ecologização(2), ao passo que o Tribunal destaca uma clara melhoria precisamente neste domínio de ação;

32.  Assinala, em particular, que o Tribunal refere que “com 1,7 %, o FEAGA está isento de erros materiais”, o que representa uma verdadeira melhoria em comparação com 2015, altura em que a taxa era de 2,2 %, e estima o nível de erro para as despesas baseadas em direitos em 1,3 %, observando que a maior parte do primeiro pilar da PAC está incluída neste tipo de despesas;

33.  Toma nota da afirmação do Tribunal de que o nível de erro, no que toca às despesas, não é «generalizado» (Relatório Anual do Tribunal, ponto 1.8); insta a Comissão e o Tribunal a harmonizarem os seus métodos aplicando as normas internacionais de auditoria antes da publicação do próximo relatório anual de atividades (RAA);

34.  Salienta que a Comissão conclui no seu RAGE que a despesa é afetada por um nível de erro significativo, dado que a taxa de erro média global da Comissão está estimada entre 2,1 % e 2,6 % (entre 2,3 % e 3,1 % em 2015) das despesas pertinentes e o montante global em risco no pagamento está estimado entre 2,9 e 3,6 mil milhões de EUR (entre 3,3 e 4,5 mil milhões de EUR em 2015);

35.  Verifica que, segundo a Comissão, esta diminuição se deve essencialmente ao menor risco inerente de erro da coesão nos programas do atual QFP; manifesta-se surpreendido com esta explicação, dado o nível muito baixo de execução orçamental neste domínio; insta a Comissão a aprofundar esta questão;

36.  Salienta que esta baixa taxa de execução pode ser explicada pelo facto de, no anexo 4 do seu RAGE 2016, a Comissão observar que, no domínio da coesão, não terem sido certificadas despesas nas contas anuais apresentadas à Comissão em 2016, nem terem sido impostas correções financeiras pela Comissão na sequência da sua atividade de auditoria (RAGE 2016, anexo 4, p. 20);

37.  Observa que a Comissão prevê que os controlos que irá efetuar nos próximos anos permitirão identificar e corrigir erros num montante entre 2,0 e 2,1 mil milhões de EUR, ou seja, entre 1,5 % e 1,6 %;

38.  Partilha da opinião do Tribunal de que a metodologia da Comissão para calcular o respetivo montante em risco de erro melhorou ao longo dos anos, embora as estimativas elaboradas pelas diferentes DGs do nível de despesas irregulares não se baseiem numa metodologia coerente; insta a Comissão a utilizar a mesma metodologia para calcular o respetivo montante em risco de erro para todas as DG e a informar a autoridade de quitação sobre os progressos realizados;

39.   Regista que, apesar das melhorias, a Comissão não eliminou o risco de o impacto das ações corretivas ser exagerado;

40.  Salienta em especial que, em relação a mais de três quartos da despesa de 2016, as direções-gerais da Comissão basearem as respetivas estimativas do montante em risco em dados fornecidos pelas autoridades nacionais, embora - infelizmente - se depreenda dos RAA das direções-gerais da Comissão em questão (em particular, a DG AGRI e a DG REGIO) que, ao passo que os relatórios de controlo dos Estados-Membros refletiram o erro detetado pelo Estado-Membro, a fiabilidade de alguns sistemas de gestão e de controlo continua a ser um problema; salienta a importância da fiabilidade dos dados dos Estados-Membros;

41.  Salienta que, dado que os erros podem ser corrigidos mais de 10 anos após a sua ocorrência, é artificial basear o impacto estimado de futuras correções nas correções registadas nos últimos seis anos;

42.  Realça que, no documento de discussão e análise das demonstrações financeiras, a Comissão indica um montante total de 3,4 mil milhões de euros (3,9 em 2015) para as correções financeiras e recuperações executadas, que cerca de 0,6 mil milhões de euros (1,2 mil milhões de euros em 2015) das correções e recuperações foram efetuadas na fonte (aplicadas antes de despesas reconhecidas pela Comissão) e que, dos restantes 2,8 mil milhões de euros, cerca de 0,6 mil milhões de euros representam levantamentos pelos Estados-Membros aplicados após a aceitação das despesas através da substituição de montantes não elegíveis por novos projetos de coesão;

43.  Reitera firmemente o seu apelo à Comissão e aos Estados-Membros para adotarem procedimentos sólidos para confirmar o calendário, a origem e o montante das medidas corretivas, e prestarem também informações que conciliem, na medida do possível, o exercício em que os pagamentos são efetuados, o exercício em que o erro relacionado é detetado e o exercício em que as recuperações ou correções financeiras são registadas nas notas anexas às contas;

Instrumentos de governação interna da Comissão

44.  Partilha a opinião expressa pelo Tribunal no seu Relatório Especial n.º 27/2016 de que a distinção introduzida pela reforma Kinnock-Prodi entre «responsabilidade política dos Comissários» e responsabilidade operacional dos diretores gerais significa que nem sempre foi possível determinar claramente se a «responsabilidade política» engloba a responsabilidade pela execução dos orçamentos das direções-gerais ou se se trata de algo diferente;

45.  Salienta que o Colégio de Comissários não apresenta uma declaração anual sobre a governação, de acordo com as melhores práticas e com a prática comum dos Estados-Membros; convida a Comissão a emitir uma declaração anual sobre a governação, a fim de permitir uma maior transparência e prestação de contas do seu Colégio;

46.   Solicita à Comissão que aplique a recomendação n.º 2 do Relatório Especial do Tribunal n.º 27/2016, e além disso acompanhe as suas demonstrações financeiras de uma declaração anual sobre a governação e sobre o controlo interno, que inclua, em particular:

(a)   uma descrição dos instrumentos de governação interna da Comissão;

(b)   uma avaliação das atividades de risco operacional e estratégico efetuadas durante o ano e uma declaração de sustentabilidade orçamental a médio e longo prazo;

Reservas políticas

47.  Subscreve as reservas emitidas pelos diretores-gerais das DG REGIO, EMPL, MARE, HOME, DEVCO e AGRI nos respetivos relatórios anuais de atividades; entende que essas reservas evidenciam que os procedimentos de controlo postos em prática pela Comissão e pelos Estados-Membros não estão em condições de dar as garantias necessárias quanto à legalidade e à regularidade de todas as operações subjacentes nos domínios de intervenção correspondentes se forem implementados com êxito os necessários procedimentos de correção;

Gestão orçamental e financeira

48.  Salienta que os atrasos na execução dos programas nos três primeiros anos do atual QFP devido à adoção tardia do QFP 2014-2020, e as importantes inovações introduzidas no período 2014-2020, que causaram dificuldades administrativas não obstante os esforços de simplificação, levaram à transferência de dotações de autorização a partir de 2014, essencialmente para 2015 e 2016, e ao baixo nível de pagamentos em 2016 (e a uma execução do orçamento da União de 7 % no período 2014-2016 do atual QFP); salienta, contudo, que 2017 foi o primeiro ano em que a aplicação dos programas dos FEEI registou uma aceleração; espera que esta tendência se mantenha em 2018 e 2019; considera que devem ser previstos níveis suficientes de dotações de autorização e de pagamento para que a aplicação decorra de forma correta;

49.  Regista com preocupação a complexa teia de acordos dentro e em torno do orçamento da União, que dificulta a responsabilização, a transparência, o escrutínio público e o controlo democrático do orçamento da União e acordos financeiros com ela relacionados; lamenta, neste contexto, a falta da unidade do orçamento da União, e partilha inteiramente da preocupação do Tribunal de Contas relativamente à complexidade do orçamento da União;

50.  Receia que, apesar da larga utilização dos instrumentos especiais (a Reserva para Ajudas de Emergência, o Fundo de Solidariedade da União Europeia, o Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização e o Instrumento de Flexibilidade) e das margens, os montantes remanescentes possam não ser suficientes para financiar acontecimentos inesperados que possam ainda ocorrer até 2020;

51.  Observa com preocupação que as autorizações por liquidar atingiram um nível recorde, chegando no final de 2016 a um máximo histórico de 238 mil milhões de euros, mais 72 % do que em 2007 e o equivalente a 2,9 anos de pagamentos, em comparação com 2,2 anos em 2007; considera que esta situação incrementou os montantes devidos pela UE e, por conseguinte, a exposição financeira do orçamento da União;

52.  Lamenta que a exposição financeira global do orçamento da UE tenha aumentado, incluindo importantes passivos a longo prazo, garantias e obrigações legais, o que implica que deve ser realizada no futuro uma gestão cuidadosa;

53.  Relembra que a União recorre cada vez mais a instrumentos financeiros e lamenta que a criação do FEIE estabeleça novos mecanismos de governação com um nível de controlo público que continua a ser insatisfatório, exigindo, por isso, uma vigilância mais atenta por parte do Parlamento; salienta que qualquer proposta legislativa deve melhorar significativamente a cobertura geográfica do FEIE; recorda que o FEIE deve permanecer um instrumento adicional para relançamento dos investimentos e a política de coesão deve continuar a ser uma política de investimento da União; observa, no entanto, a execução bem-sucedida e o elevado montante de capital privado mobilizado pelo fundo e reconhece os outros melhoramentos em matéria de transparência acordados durante as negociações relativas ao prolongamento da vigência do FEIE, designado por FEIE 2.0; exorta o Tribunal a reforçar a sua panorâmica sobre a fase de planeamento e utilização dos FEEI;

54.  Recorda que a revisão do Regulamento Financeiro constitui um grande passo em frente neste domínio, uma vez que propõe, graças à contribuição do Parlamento, uma apresentação dos instrumentos financeiros mais eficaz e, pela primeira vez, proporciona as garantias orçamentais e a assistência financeira nesse âmbito;

55.  Assinala que, em linha com os princípios da política de coesão, os fundos da UE constituem uma parte significativa da despesa de alguns Estados-Membros e que, em particular em nove Estados-Membros (Lituânia, Bulgária, Letónia, Roménia, Hungria, Polónia, Croácia, Estónia e Eslováquia), as autorizações por liquidar relativas aos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) representam mais de 15 % do total das despesas gerais das administrações públicas; insta a Comissão a elaborar também uma campanha publicitária positiva com o objetivo de informar mais pormenorizadamente os cidadãos destes países sobre as vantagens diretas de serem Estados-Membros;

56.  Receia que, para os Estados-Membros onde os FEEI representam uma percentagem significativa das despesas gerais das administrações públicas, possa constituir um desafio identificar projetos de qualidade suficientemente elevada para utilizar os fundos da União disponíveis ou para disponibilizar cofinanciamento; convida a Comissão e o Tribunal a darem mais atenção ao aspeto da sustentabilidade dos projetos de investimento propostos e a avaliarem criticamente a sua adequação;

57.  Manifesta a sua preocupação com o facto de, três anos após o início do período 2014-2020, os Estados-Membros apenas terem nomeado 77 % das autoridades dos programas responsáveis pela execução dos FEEI; considera, no entanto, satisfatório que na presente fase este número se eleve a 99 %; questiona a necessidade de alterar os procedimentos no início de cada período de programação; convida a Comissão a analisar cuidadosamente as razões pelas quais algumas regiões ainda apresentam uma baixa taxa de absorção dos fundos e a tomarem medidas específicas no sentido de resolver os problemas estruturais;

58.  Destaca que o volume dos fundos da União e o momento em que são recebidos podem ter um impacto macroeconómico considerável, nomeadamente sobre o investimento, o crescimento e o emprego;

59.  Salienta que o investimento público é necessário para colmatar as lacunas de investimento e promover o emprego e o crescimento, bem como para garantir as normas sociais na União;

60.  Observa que a Comissão mobilizou diversos recursos para dar resposta à crise dos refugiados e das migrações, mas lamenta que não tenha estabelecido uma estrutura de comunicação que lhe permita apresentar informações completas sobre a utilização dos fundos em causa; lamenta que seja atualmente impossível apurar quanto se gasta com cada migrante ou refugiado;

61.  Regista que – no que respeita aos instrumentos financeiros na política de coesão – os pagamentos aos beneficiários finais que foram comunicados ascenderam a 15 192,18 milhões de euros no encerramento (31 de março de 2017), dos quais 10 124,68 milhões de euros disseram respeito aos fundos estruturais, atingindo uma taxa de desembolso aos beneficiários finais de quase 93 % dos montantes do programa operacional pagos a instrumentos de engenharia financeira, ou seja, representando um aumento de 20 % em relação ao que foi comunicado no final de 2015;

62.  Assinala que as taxas de desembolso aos beneficiários finais comunicadas variaram de forma significativa entre os IEF, com diferenças entre os Estados-Membros que vão dos 60 % aos 99 %, mas também entre os domínios de intervenção;

63.  Receia que possa ocorrer uma acumulação de pagamentos no final do atual QFP e nos primeiros anos do próximo QFP; afirma que o financiamento do novo QFP necessitará de dotações orçamentais realistas para cobrir as autorizações por liquidar previstas;

Medidas a tomar

64.  Insta a Comissão a que:

(a)  tenha em conta o crescimento das autorizações por liquidar nas suas previsões das dotações de pagamento para o próximo QFP, a fim de ajudar a garantir um bom equilíbrio entre as dotações de autorização e as dotações de pagamento;

(b)  apresente propostas ao Parlamento Europeu e ao Conselho que assegurem uma abordagem coerente relativamente à questão de se saber se os instrumentos especiais devem ou não ser contabilizados dentro dos limites máximos das dotações de pagamento do QFP;

(c)  para efeitos de gestão e de comunicação de informações, estabeleça uma forma de registo das despesas orçamentais da União que permita a comunicação de todos os financiamentos relacionados com a crise dos refugiados e das migrações;

(d)  forneça ao Parlamento Europeu, no contexto da quitação, um relatório abrangente sobre os recursos orçamentais da União geridos e executados indiretamente pelo Grupo BEI (BEI e FEI), para além do seu mandato externo, a partir do exercício financeiro de 2017;

(e)  no âmbito do debate sobre o futuro da Europa, analise de que forma o sistema orçamental da União pode ser reformado, a fim de proporcionar um orçamento adequado para garantir que as políticas previstas sejam financiadas, um maior equilíbrio entre a previsibilidade e a capacidade de resposta, e se assegurar da melhor forma que os mecanismos de financiamento global não sejam mais complexos do que o necessário para realizar os objetivos políticos da União e garantir a prestação de contas;

(f)  examine também a possibilidade de permitir que as autoridades designadas ou acreditadas para cumprir as funções de gestão, certificação e auditoria no período 2014-2020, e que tenham provado a sua capacidade, continuem a exercer essas funções no próximo período de programação sem interrupções ou atrasos;

(g)  estabeleça anualmente uma previsão de fluxo de caixa atualizado a longo prazo, abarcando um horizonte temporal de sete a dez anos, que cubra os limites máximos orçamentais, as necessidades de pagamentos, as limitações em termos de capacidade e potenciais anulações de autorizações, de modo a conseguir uma melhor correspondência entre os pagamentos necessários e os fundos disponíveis;

(h)  preste assistência de forma proativa aos Estados-Membros que se deparem com dificuldades para uma boa e atempada absorção dos fundos disponíveis da União, utilizando os recursos disponíveis para assistência técnica por iniciativa da Comissão;

Obter resultados com o orçamento da União

65.  Observa, com preocupação, que a Comissão aplica dois conjuntos de objetivos e indicadores para medir o desempenho dos seus serviços e dos programas de despesas com muito poucas referências cruzadas, o que limita a comparabilidade entre diferentes tipos de documentos sobre o desempenho; lamenta a quase inexistência de indicadores utilizáveis e eficientes sobre o impacto e os resultados para medir o desempenho das despesas da União e distribuir informação sobre este tema;

66.  Assinala que os RAA dos diretores-gerais informam sobre os pagamentos anuais das direções-gerais por tipo de atividade ou programa de despesas, enquanto as informações sobre o desempenho são comunicadas por realização de objetivos gerais e específicos, sem qualquer indicação das despesas correspondentes; discorda da explicação da Comissão de que não é possível avaliar quanto foi gasto na concretização dos objetivos definidos; exorta a Comissão a aplicar plenamente o princípio da orçamentação baseada no desempenho em matéria de planeamento orçamental, execução e apresentação de relatórios, o que permitirá uma comunicação ex post sobre as verbas despendidas na prossecução de objetivos; 

67.  Relembra que em 2016 a OCDE realizou um inquérito sobre a orçamentação baseada no desempenho nos seus países membros e na Comissão; congratula-se, a este respeito, com o reconhecimento pela OCDE da qualidade dos dados e da execução do orçamento da União; recorda que a OCDE considerou que o quadro de desempenho da Comissão é o mais amplo, o que pode, em parte, ser explicado pelo número de requisitos jurídicos na UE;

68.  Assinala que o gráfico da OCDE indica que a utilização e as consequências do quadro para a tomada de decisões não refletem este nível mais elevado de especificação (Relatório Anual do TCE relativo a 2016, ponto 3.21);

69.  Observa que as fichas de programa para o projeto de orçamento geral da UE para 2017 contêm 294 objetivos e 709 indicadores, que estão altamente concentrados em especial nas categorias 1a, 3 e 4 do QFP, e que, através da iniciativa «orçamento centrado nos resultados» (BFOR), a Comissão está atualmente a proceder à revisão dos seus indicadores a fim de fornecer um contributo para a próxima geração de programas de despesa; salienta que a Comissão deverá, essencialmente, utilizar indicadores que tenham um valor relevante em termos de desempenho;

70.  Chama a atenção para a necessidade de o processo de estabelecimento dos indicadores de desempenho ser transparente e democrático, com a participação de todas as instituições da UE, parceiros e partes interessadas, para que os indicadores sejam adequados à medição da execução do orçamento da UE e respondam às expectativas dos cidadãos da UE;

71.  Lamenta que os RAA dos diretores-gerais da Comissão examinados pelo Tribunal contenham poucas informações sobre as insuficiências e os desafios em matéria de desempenho relacionados com os objetivos das direções-gerais (Relatório Anual do TCE relativo a 2016, ponto 3.26);

72.  Lamenta que os RAGE respeitantes a 2015 e 2016 não efetuassem uma cobertura abrangente do desempenho e fossem demasiado positivos, sendo os atrasos de execução as únicas insuficiências que referiam; lamenta também que os relatórios:

(a)   apresentassem poucas indicações sobre os resultados da Estratégia Europa 2020, apesar de o Parlamento Europeu o ter solicitado na sua decisão de quitação de 2014;

(b)   nem sempre explicassem claramente a influência dos fatores externos nos resultados;

(c)   fossem publicados demasiado tarde para poderem ser examinados pelo Tribunal no seu relatório anual;

73.  Subscreve a opinião expressa pelo Tribunal (Relatório Anual 2016, ponto 3.38) segundo a qual os avaliadores devem formular recomendações para apreciação pela Comissão, incluindo planos de ação para fazer face às deficiências verificadas;

74.  Lamenta que a Comissão não tenha realizado, nem mandado realizar, um estudo sobre a utilização que faz dos resultados das avaliações desde 2005;

75.  Assinala que a Comissão não dispõe de um sistema institucional documentado para o acompanhamento regular das avaliações;

76.  Salienta, em especial, que na prática os planos de gestão de 2016 das direções-gerais não estabeleceram qualquer base para controlar o seguimento da avaliação;

77.  Lamenta, além disso, que, uma vez que a Comissão não dispõe de uma visão global das conclusões, recomendações ou dos planos de ação resultantes das suas avaliações, nem acompanha a sua aplicação a nível institucional ou das DG, não esteja em condições de informar as partes interessadas sobre o impacto positivo das avaliações;

78.  Lamenta que os RAA não incluam uma declaração sobre a qualidade dos dados comunicados sobre o desempenho e que, consequentemente, ao adotar o RAGE, o Colégio de Comissários assuma a responsabilidade política global pela gestão do orçamento da UE, mas não pelas informações sobre o desempenho e os resultados;

79.  Saúda e toma devida nota das observações do Tribunal sobre os quadros de desempenho e da informação fornecida pelas entidades dentro e fora da UE, nomeadamente no que diz respeito à qualidade dos dados sobre o desempenho e às declarações sobre a qualidade destes dados;

80.  Assinala que não existe um sítio Internet central sobre o desempenho com informações de todos os serviços da Comissão em todos os domínios do orçamento da UE;

81.  Partilha a opinião do Tribunal de que o quadro de informação sobre o desempenho aplicado pela Comissão poderia beneficiar com a adoção de boas práticas internacionais;

Medidas a tomar

82.  Solicita à Comissão que:

(a)  simplifique a elaboração de relatórios sobre o desempenho mediante:

-  a continuação da redução do número de objetivos e de indicadores que utiliza para os seus diversos relatórios sobre o desempenho e concentrando-se naqueles que melhor medem o desempenho do orçamento da União; ao preparar o próximo QFP, a Comissão deve propor menos e mais adequados indicadores sobre os resultados e o impacto para o quadro jurídico da próxima geração de programas; neste âmbito, deve igualmente ponderar a pertinência de indicadores relativamente aos quais só é possível obter informações vários anos mais tarde;

–   a apresentação de informações financeiras de uma forma que permita compará-las com as informações sobre o desempenho, para que a ligação entre as despesas e o desempenho seja clara;

–   a explicação e melhoria da coerência global entre os seus dois conjuntos de objetivos e de indicadores para os programas, por um lado, e as direções-gerais, por outro;

(b)   equilibrando melhor a elaboração de relatórios sobre o desempenho e apresentando de forma clara os principais desafios a superar;

(c)   demonstrando melhor que os resultados dessa avaliação são bem utilizados, e exigindo, em especial, que as avaliações incluam sempre conclusões ou recomendações que a Comissão deva seguir posteriormente;

(d)   assumindo a responsabilidade política global no RAGE pelas informações sobre o desempenho e os resultados e indicando se, tanto quanto é do seu conhecimento, as informações sobre o desempenho são de qualidade suficiente;

(e)   tornando as informações sobre o desempenho mais facilmente acessíveis através do desenvolvimento de um portal Internet e um motor de busca específicos;

Apresentação do orçamento da UE

83.  Regista que o orçamento da União é apresentado por secções correspondentes a atividades levadas a cabo pelas instituições (orçamentação por atividades); entende que esta apresentação não garante uma compreensão clara e rápida dos objetivos pretendidos; observa, em contrapartida, que o QFP é apresentado por categorias correspondentes aos domínios de intervenção;

84.  Assinala que os programas operacionais que acompanham o projeto de orçamento estabelecem a ligação entre cada rubrica orçamental e os objetivos políticos pretendidos;

85.   Solicita à Comissão que apresente o orçamento da União de acordo com os objetivos políticos do QFP;

Receitas

86.  Congratula-se com o facto de os dados da auditoria global do Tribunal indicarem que as receitas não se encontram afetadas por um nível significativo de erros e que os sistemas examinados relativos às receitas são geralmente eficazes; observa, contudo, e no que se refere aos recursos próprios tradicionais, que os principais controlos internos em alguns dos Estados-Membros visitados pelo Tribunal apenas foram, no entanto, parcialmente eficazes;

87.   Constata com preocupação que o OLAF concluiu, no início de 2017, uma investigação sobre um caso de fraude no Reino Unido que envolve uma eventual perda de 1 987 mil milhões de euros para o orçamento da União em direitos aduaneiros devidos sobre os têxteis e o calçado importados da China através do Reino Unido no período de 2013-2016; assinala que o inquérito revelou igualmente a existência de uma substancial evasão ao IVA no contexto de importações efetuadas através do Reino Unido, mediante a utilização indevida da isenção do pagamento de IVA (regime aduaneiro 42);

88.  Verifica com preocupação que, no que se refere à receita de 2016, o diretor-geral da Direção-Geral do Orçamento emitiu uma reserva relativamente à receita dos recursos próprios tradicionais, tendo em conta o caso de fraude do OLAF relacionado com os direitos aduaneiros no Reino Unido;

89.  Assinala que, em 2016, as receitas afetadas pela reserva quantificada são de aproximadamente 517 milhões de euros, contra um montante total de 20,1 mil milhões de euros dos recursos próprios tradicionais, representando 2,5 % dos recursos próprios tradicionais ou 0,38 % dos recursos totais; solicita à Comissão que forneça informações precisas sobre este caso de fraude, que afeta indiretamente a base do imposto sobre o valor acrescentado de alguns Estados-Membros, e por conseguinte os recursos relacionados com o IVA, bem como a ponderação pela Comissão ligada ao Rendimento Nacional Bruto(3);

90.  Lamenta as conclusões da Comissão de que, até outubro de 2017, as autoridades do Reino Unido não tinham introduzido medidas corretivas para pôr termo às perdas constantes de recursos próprios tradicionais; regista que, a partir de 12 de outubro de 2017, as autoridades do Reino Unido começaram a aplicar temporariamente valores máximos no desalfandegamento a determinados operadores económicos (a chamada «Operação Aduaneira Swift Arrow»), com o resultado imediato de uma diminuição drástica nas perdas de recursos próprios tradicionais suportadas pelo Reino Unido;

91.  Lamenta as discrepâncias ao nível dos controlos aduaneiros entre os diversos Estados-Membros; salienta a importância de harmonizar os controlos em todos os pontos de entrada na união aduaneira e insta os Estados-Membros a assegurarem uma aplicação coordenada, uniforme e eficiente do sistema de fronteiras que desincentive práticas divergentes entre os Estados-Membros para reduzir o número das lacunas existentes nos sistemas de controlo aduaneiro; insta a Comissão, neste contexto, a analisar as diferentes práticas de controlo aduaneiro na UE e o seu impacto no desvio do comércio, com um enfoque particular nas práticas seguidas pelos serviços aduaneiros da UE nas fronteiras externas, bem como a desenvolver análises de referência e facultar informações sobre as operações aduaneiras e os procedimentos utilizados nos Estados-Membros;

92.  Insta a Comissão a desenvolver um plano de ação destinado a garantir a aplicação integral e atempada das disposições em matéria de IVA em cada Estado-Membro, a fim de garantir esta fonte de recursos próprios da União;

93.  Recorda que a nova decisão relativa ao sistema de recursos próprios da União (DRP de 2014), que entrou em vigor em 1 de outubro de 2016 com efeitos retroativos a 1 de janeiro de 2014, determinava que, aquando da consideração do RNB para efeitos dos recursos próprios, devia ser utilizado o quadro contabilístico do sistema europeu de contas nacionais e regionais (SEC 2010), e que este prevê que as despesas de investigação e desenvolvimento devem ser consideradas um investimento (e não despesas correntes como no âmbito do anterior regime SEC 95); observa que, no caso dos outros programas com elevado valor acrescentado para a UE, como o MIE, se deve aplicar o mesmo entendimento;

94.  Observa que os dados do RNB comunicados pela Irlanda aumentaram muito significativamente em 2015 devido à transferência de ativos de I&D para o país por parte de empresas multinacionais;

95.   Assinala que a Comissão terá de levar a cabo um trabalho suplementar para determinar as potenciais implicações das atividades multinacionais nas contas nacionais, tanto ao nível da metodologia como do processo de verificação, e que tal poderá desencadear ajustamentos nas contribuições RNB dos Estados-Membros;

96.  Destaca, no que respeita à gestão dos recursos próprios tradicionais, que o Tribunal e a Comissão identificaram insuficiências na gestão dos montantes a receber (conhecidos como «contabilidade B») em alguns Estados-Membros;

97.  Realça que o Tribunal apurou que, na Bélgica, os controlos a posteriori foram selecionados com base nas características das diferentes operações e não nos perfis de risco das empresas, e que, em geral, não foram realizadas auditorias a posteriori (Relatório Anual do TCE relativo a 2016, ponto 4.18);

98.  Lamenta que a Comissão tenha constatado que seis Estados-Membros – Bélgica, Eslovénia, Estónia, Itália, Portugal e Roménia – não tinham realizado quaisquer auditorias a posteriori ou não tinham fornecido informações sobre essas auditorias;

Medidas a tomar

99.  Solicita à Comissão que:

(a)  tome todas as medidas necessárias para garantir a recuperação dos recursos próprios da UE que não foram cobrados pelas autoridades do Reino Unido no que se refere à importação de têxteis e de calçado provenientes da China, e para pôr termo à fuga ao IVA;

(b)  pondere a possibilidade de abrir em tempo oportuno um processo por infração no que respeita ao caso de fraude com os direitos aduaneiros no Reino Unido;

(c)  analise, em cooperação com os Estados-Membros, todas as implicações potenciais das atividades multinacionais sobre a estimativa do RNB e lhes forneça orientações sobre a forma de abordar estas atividades quando compilam as contas nacionais;

(d)  confirme, durante o ciclo de verificação do RNB, que os ativos de I&D foram inscritos corretamente nas contas nacionais dos Estados-Membros, prestando especial atenção à sua valorização e aos critérios de residência nos casos em que as atividades multinacionais tenham sido transferidas;

(e)  apresente propostas para a introdução de novos recursos próprios, a fim de assegurar a estabilidade do orçamento da União;

Competitividade para o crescimento e o emprego

Conclusões do Tribunal

100.  Observa que o Tribunal emitiu, pela primeira vez, um parecer com reservas sobre a legalidade e a regularidade dos pagamentos subjacentes às contas; salienta que os regimes de reembolso continuam a ser mais propensos a erros do que os regimes baseados em direitos; realça, não obstante, que os dados registados no âmbito da categoria «Competitividade para o crescimento e o emprego» não sofreram alterações substanciais em comparação com os anos anteriores;

101.  Relembra que a investigação e a inovação representam 59 % das despesas efetuadas no âmbito do Sétimo Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico 2007-2013 (a seguir designado «Sétimo Programa-Quadro de Investigação») e do Horizonte 2020, o Programa-Quadro de Investigação e Inovação 2014-2020 (a seguir designado «Horizonte 2020»);

102.  Regista que o Tribunal estimou a taxa de erro em 4,1 %; que os custos diretos não elegíveis de pessoal representam 44 %, outros custos diretos não elegíveis 12 %, os custos indiretos 16 % e os projetos ou beneficiários inelegíveis 16 %; observa, no entanto, que em 19 casos de erros quantificáveis cometidos pelos beneficiários a Comissão ou os auditores independentes dispunham de informações suficientes para prevenir, ou detetar e corrigir, os erros antes de aceitarem as despesas;

103.  Assinala que, se a Comissão ou os auditores independentes tivessem utilizado devidamente todas as informações ao seu dispor, o nível de erro estimado para este capítulo teria sido inferior em 1,2 %;

104.  Congratula-se com o facto de a Comissão ter desenvolvido esforços consideráveis para reduzir a complexidade administrativa, mediante a introdução de uma nova definição de remuneração adicional para os investigadores, a racionalização do programa de trabalho Horizonte 2020 para 2018-2020, a prestação de apoio específico a empresas em fase de arranque e a empresas inovadoras e um maior recurso a opções de custos simplificados; observa, contudo, que o Tribunal considera existirem tanto oportunidades como riscos numa maior simplificação do quadro jurídico;

105.  Verifica que o Tribunal analisou questões relativas ao desempenho em projetos de investigação e inovação; entende, contudo, que as conclusões, tendo em conta os resultados, os custos e a disseminação, devem ser consideradas preliminares;

O RAA da Direção-Geral da Investigação e da Inovação (DG Investigação e Inovação)

106.  Regista que, em conformidade com a Estratégia UE 2020, e de acordo com o «Plano Estratégico para 2016-2020», a DG Investigação e Inovação perseguiu quatro objetivos:

(a)  um novo impulso para o emprego, o crescimento e o investimento;

(b)  um mercado único digital conectado;

(c)  uma união energética resiliente e orientada para o futuro em matéria de alterações climáticas; e

(d)  uma Europa mais forte na cena mundial;

107.  Congratula-se com o facto de, na prossecução destes objetivos, o Comissário Moedas ter estabelecido três prioridades, nomeadamente a «inovação aberta», a «ciência aberta» e a «abertura ao mundo»;

108.  Observa que, para medir os progressos alcançados na realização dos objetivos fixados, a DG Investigação e Inovação utilizou cinco indicadores de desempenho (KPI) fundamentais:

(a)  a proporção de recursos afetados às pequenas e médias empresas (PME) no Programa-Quadro Horizonte 2020 a fim de responder aos desafios societais e promover tecnologias facilitadoras e industriais, sendo a percentagem da contribuição financeira da União atribuída através do instrumento para as PME;

(b)  a proporção de novos participantes entre os candidatos selecionados no Horizonte 2020;

(c)  as despesas relacionadas com o clima e a sustentabilidade no Horizonte 2020;

(d)  a proporção de participantes de países terceiros no Horizonte 2020;

(e)  a proporção de subvenções assinadas com um prazo de aprovação até 245 dias;

109.  Regista que, nas suas respostas às perguntas escritas, a DG Investigação e Inovação publicou uma lista de países abrangidos por recomendações específicas da direção-geral por país; solicita à DG Investigação e Inovação que publique as propostas da DG para a recomendação específica por país diretamente no seu RAA, em consonância com os pedidos reiterados do Parlamento Europeu;

110.  Recorda que a avaliação do 7.º PQ foi tratada no relatório de quitação anterior(4);

111.  Congratula-se com os progressos efetuados na consecução dos indicadores de desempenho fundamentais da direção-geral para o programa Horizonte 2020:

(a)  23,9 % da contribuição financeira da UE destinou-se às PME (sendo o objetivo para 2020 de 20 %);

(b)  55 % dos candidatos selecionados eram novos participantes (sendo o objetivo para 2020 de 70 %);

(c)  26 % das contribuições financeiras da UE disseram respeito ao clima (sendo o objetivo para 2020 de 25 %);

(d)  54,9 % das contribuições financeiras da UE disseram respeito à sustentabilidade (sendo o objetivo para 2020 de 60%);

(e)  os países terceiros participaram em 3,6 % dos projetos do Horizonte 2020 (sendo o objetivo para 2020 de 4,73 %);

(f)  em 91 % dos casos a DG Investigação e Inovação respeitou o prazo de aprovação de 245 dias (sendo o objetivo para 2020 de 100 %);

112.  Assinala que a repartição territorial do Horizonte 2020 é visivelmente reduzida, uma vez que 72,5 % (12 121 milhões de euros) dos financiamentos do Horizonte 2020 têm como destino a Alemanha (3 464 milhões), o Reino Unido (3 083 milhões), a França (2 097 milhões), a Espanha (1 813 milhões) e a Itália (1 664 milhões);

113.  Observa que 183 convenções de subvenção no âmbito do Horizonte 2020 foram assinadas com participantes provenientes de países terceiros em 2016; assinala que 299,5 milhões de euros foram atribuídos a participantes da Suíça nas convenções de subvenção assinadas em 2016, enquanto a contribuição da Suíça para o programa Horizonte 2020 se elevou a 180,9 milhões de euros; recusa a concessão do «estatuto de beneficiário líquido» a um dos países mais ricos do mundo; apela à Comissão para que proponha uma regulamentação para compensar este desequilíbrio;

114.  Regista o êxito do centro de apoio comum e o seu contributo para a simplificação e a prestação de aconselhamento jurídico e técnico; solicita à DG Investigação e Inovação que o informe das medidas de simplificação que tenciona propor para o período pós‑2020;

115.  Toma nota das dotações de pagamento para a DG Investigação e Inovação em 2016:

Dotações de pagamento para a DG Investigação e Inovação, incluindo a contribuição EFTA

Modalidades de gestão

Execução

Em milhões de euros

Pontos percentuais

Codelegação ou subdelegação noutras DG

161,20

5,34

DG Investigação e Inovação diretamente

1 878,28

62,17

DG Investigação e Inovação para os organismos do artigo 185.º

86,40

2,86

DG Investigação e Inovação para o BEI

312,72

10,35

DG Investigação e Inovação para as Empresas Comuns

582,37

19,28

Total

3 020,97

100%

116.  Sublinha que 14,39 % do orçamento no montante de quase 444 milhões de euros foram executados através de instrumentos financeiros;

117.  Destaca também que 39,36 % (em comparação com 28,14 % em 2015) do orçamento da DG Investigação e Inovação foi confiado a outras entidades exteriores à Comissão, principalmente com vista à execução de partes dos programas-quadro no âmbito da gestão (indireta) das subvenções e dos sistemas de controlo dos instrumentos financeiros;

118.  Regista com interesse que a DG Investigação e Inovação estabeleceu uma estratégia de supervisão dos instrumentos financeiros e, por conseguinte, gostaria de saber de que forma a DG Investigação e Inovação determina se os objetivos financeiros ou relacionados com a investigação foram atingidos;

119.  Verifica que a DG Investigação e Inovação estimou a taxa global de erro detetada em 4,42 %, com uma taxa de erro residual de 3,03 %;

120.  Observa que a Comissão estimou que o montante global em risco no momento do encerramento se situa entre os 73,5 e os 104 milhões de euros;

121.  Congratula-se com a análise feita pela DG Investigação e Inovação da relação custo/eficácia da gestão direta e indireta das subvenções;

122.  Lamenta que a DG Investigação e Inovação tenha novamente emitido uma reserva horizontal no que diz respeito à taxa de erro residual nas declarações de custos no âmbito do Sétimo Programa-Quadro de Investigação, executado diretamente por si;

123.  Recorda a sua opinião, expressa no n.º 76 da sua resolução relativa à quitação da Comissão de 2015, segundo a qual a Comissão deve: «desenvolver [finalmente] uma abordagem mais significativa e baseada no risco e (...) emitir reservas específicas quando necessário;»

Medidas a tomar

124.  Solicita à DG Investigação e Inovação que publique as propostas da direção para as recomendações específicas por país no seu RAA;

125.  Solicita à DG Investigação e Inovação que dê seguimento às recomendações do Serviço de Auditoria Interna (SAI), que detetou insuficiências na garantia de uma abordagem coerente no acompanhamento dos projetos em todos os organismos de execução do Horizonte 2020;

126.  Solicita à DG Investigação e Inovação que forneça informações sobre os progressos realizados pelo Serviço de Auditoria Comum no aumento da maturidade dos seus processos internos;

127.  Solicita à DG Investigação e Inovação que forneça informações à comissão competente do Parlamento sobre a sua estratégia de supervisão dos instrumentos financeiros e sobre o modo como determina se os objetivos financeiros e relacionados com a investigação foram atingidos;

128.  Solicita à DG Investigação e Inovação que explique à comissão competente do Parlamento as medidas que tomou para evitar reservas horizontais no tocante à taxa de erro residual nas declarações de custos;

129.  Considera que em projetos de investigação e de inovação, bem como em ações de coordenação e apoio (ACA), as normas e a normalização apoiam o impacto dos resultados da investigação nos diferentes níveis de maturidade tecnológica (NMT), na medida em que aumentam as possibilidades de comercialização e a transferibilidade de produtos e soluções inovadoras; observa, além disso, que as normas e atividades conexas apoiam a divulgação dos resultados do projeto Horizonte 2020 através da difusão de conhecimentos, mesmo após a conclusão dos projetos, permitindo o seu acesso público; insta a Comissão a melhorar o envolvimento da normalização em futuros convites à apresentação de propostas e a desenvolver indicadores-chave de desempenho que tomem as atividades de normalização em linha de conta;

Coesão económica, social e territorial

Introdução

130.  Conclui, com base no Sétimo Relatório sobre a Coesão Económica e Social(5), que, por um lado, a convergência é um processo frágil que pode ser facilmente travado e invertido por crises económicas, mas que, por outro lado, os investimentos públicos podem reduzir o impacto das crises;

131.  Congratula-se com o facto de a taxa de emprego em 2016 ter atingido novamente o nível de 71 %, uma taxa registada antes da crise de 2008, embora a situação varie consideravelmente na União e esta taxa seja bastante inferior ao objetivo de 75 % fixado na estratégia Europa 2020; observa com preocupação que as taxas de desemprego continuam demasiado elevadas, em especial entre os jovens e os desempregados de longa duração;

132.  Permanece convicto de que são necessárias mais e melhores ligações entre os mecanismos de governação económica e a política de coesão; considera que podiam prever-se incentivos positivos para esse efeito;

133.  Congratula-se com o facto de a DG REGIO, em resposta às perguntas formuladas pelo Parlamento, ter apresentado em pormenor as suas recomendações específicas por país;

134.  Está ciente de que algumas disposições do Regulamento Financeiro revisto sobre a política de coesão devem entrar em vigor com efeitos retroativos;

135.  Receia que essas alterações possam tornar-se fonte de erros adicionais, uma vez que os programas e os projetos foram selecionados com base numa regulamentação que entrou em vigor em 1 de janeiro de 2014;

Conclusões do Tribunal

136.  Observa que o Tribunal emitiu, pela primeira vez, um parecer com reservas sobre a legalidade e a regularidade dos pagamentos subjacentes às contas; salienta que os regimes de reembolso continuam a ser mais propensos a erros do que os regimes baseados em direitos; realça, não obstante, que os dados registados no âmbito da categoria «Coesão económica, social e territorial» não sofreram alterações substanciais em comparação com o ano anterior;

137.  Recorda que, em 2016, o montante disponível na categoria «Coesão económica e social» ascendeu a 51,25 mil milhões de euros, o que representou 33 % do orçamento da União;

138.  Regista que o Tribunal estimou o nível de erro neste domínio de intervenção em 4,8%; verifica, além disso que o Tribunal observou que nível de erro estimado no domínio da coesão não incluía uma quantificação dos desembolsos de 2016 a instrumentos financeiros, no montante de 2,5 mil milhões de euros, que o Tribunal considera estarem fora do período de elegibilidade definido no artigo 56.º, n.º 1, do Regulamento (CE) n.º 1083/2006 do Conselho (JO L 210 de 31.7.2006, p. 25) (pontos 6.20-6.21); observa que estes desembolsos representariam um nível de erro estimado de 2,0 % das despesas globais da União(6);

139.  Assinala que os erros no domínio da coesão contribuíram para 43 % do nível de erro global estimado de 3,1 %; observa que uma das razões para a elevada taxa de erro é a complexidade da União e dos Estados-Membros em matéria de regulamentação;

140.  Constata que o Tribunal analisou uma amostra de 180 operações resultantes de 54 pagamentos intermédios relativos ao período de 2007-2013 e que dizem respeito a 92 projetos do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), 36 projetos do Fundo de Coesão (FC), 40 projetos do Fundo Social Europeu (FSE), 11 instrumentos financeiros do FEDER e um instrumento financeiro do FSE;

141.  Insta a Comissão a tomar devidamente em conta as observações do Tribunal de Contas Europeu, que detetou imprecisões na análise do desempenho de pelo menos quatro dos 12 instrumentos financeiros do FEDER e do FSE analisados no relatório do Tribunal de Contas Europeu de 2016; partilha a preocupação expressa pelo Tribunal de Contas, que salienta que estes erros resultam na sobredeclaração do desempenho e, se não forem corrigidos, podem aumentar artificialmente o montante declarado de despesas elegíveis no momento do encerramento, especialmente no caso dos fundos de garantia;

142.  Verifica igualmente que 42 % dos erros foram causados por custos inelegíveis incluídos nas declarações de despesas, 30 % dizem respeito ao incumprimento grave das regras aplicáveis à adjudicação de contratos públicos e 28 % dizem respeito a projetos, atividades ou beneficiários não elegíveis;

143.  Constata, com pesar, que uma das principais causas dos erros relacionados com a despesa no âmbito da coesão económica, social e territorial continua a ser o incumprimento das regras em matéria de contratos públicos; salienta que as violações graves das regras em matéria de contratos públicos incluem a adjudicação por ajuste direto de contratos, obras ou serviços complementares para a qual não é apresentada qualquer justificação, a exclusão ilegal de proponentes, conflitos de interesses e critérios de seleção discriminatórios; considera essencial uma política de total transparência no que diz respeito às informações sobre os contratantes e subcontratantes, com vista a combater os erros e abusos;

144.  Congratula-se com o facto de o Tribunal ter salientado que os projetos que utilizam as opções de custos simplificados são menos propensos a erros do que o reembolso dos custos efetivos;

145.  Manifesta preocupação pelo facto de a amostra incluir três «grandes projetos» que exigiam a aprovação da Comissão e para os quais as autoridades dos Estados-Membros não apresentaram a candidatura necessária até ao fim do prazo, em 31 de março de 2017; observa que a Comissão deveria, por conseguinte, recuperar as despesas;

146.  Manifesta a sua insatisfação pelo facto de que, tal como em anos anteriores, a taxa de erro poderia ter sido 3,7 % mais baixa se os Estados-Membros tivessem utilizado as informações de que dispunham para evitar, ou detetar e corrigir, os erros nos controlos de primeiro nível antes de comunicarem as despesas à Comissão;

147.  Manifesta preocupação pelo facto de, anos após o início do período de programação de 2014-2020, os Estados-Membros apenas terem nomeado 77 % das autoridades dos programas responsáveis pelos fundos da política de coesão; verifica que, até 1 de março de 2017, a Comissão recebeu as contas finais com as despesas abrangendo apenas 0,7 % do orçamento afetado a todo o período de programação; em meados de 2017, os atrasos na execução orçamental foram superiores aos registados no mesmo momento durante o período de 2007-2013; assinala que, por conseguinte, as autorizações por liquidar no final do atual período de financiamento poderão mesmo ser superiores às do anterior;

148.  Manifesta o seu agrado pelo facto de o capítulo respeitante à «Coesão económica, social e territorial» conter igualmente uma secção sobre o desempenho dos projetos; lamenta, no entanto, que esta secção se concentre em grande medida em dados quantitativos, ou seja, no número de sistemas de medição do desempenho em uso;

Instrumentos de engenharia financeira

149.  Relembra que a síntese de dados sobre os progressos registados no financiamento e na execução dos instrumentos de engenharia financeira em 2016 só foi publicada em 20 de setembro de 2017 e que, por conseguinte, o Tribunal não se pôde pronunciar sobre o documento;

150.  Regista que os principais dados para 2016 são os seguintes:

(a)  25 Estados-Membros utilizam instrumentos de engenharia financeira, 25 deles para o apoio às empresas, 11 para o desenvolvimento urbano e 9 para a eficiência energética e as energias renováveis;

(b)  Existem 1 058 instrumentos de engenharia financeira em toda a União, que abrangem 77 fundos de participação e 981 fundos específicos;

(c)  89 % destes instrumentos de engenharia financeira prestam apoio às empresas, 7 % ao desenvolvimento urbano e 4 % à eficiência energética e às energias renováveis;

(d)  Os pagamentos aos instrumentos de engenharia financeira elevam-se a 16,4 mil milhões de euros, incluindo 11,3 mil milhões de euros em fundos estruturais;

(e)  Os pagamentos aos beneficiários finais ascendem a 15,2 mil milhões de euros, incluindo 10,1 mil milhões de euros em fundos estruturais, ou seja, 93 % do total dos pagamentos feitos a instrumentos de engenharia financeira;

(f)  Com base nos 81 % de instrumentos de engenharia financeira comunicados, os custos e as taxas de gestão elevaram-se a 0,9 mil milhões de euros, ou 6,7 % do total de pagamentos aos instrumentos de engenharia financeira em causa;

(g)  8,5 mil milhões de euros de recursos foram devolvidos;

(h)  314 000 beneficiários finais foram apoiados;

151.  Sublinha que, ao longo dos anos e dos períodos de financiamento, a utilização de IEF aumentou drasticamente, o que tornou mais complexo o financiamento dos fundos estruturais, criando por conseguinte riscos em termos de responsabilização democrática; observa que se espera que 20,1 mil milhões de euros do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e do Fundo de Coesão (FC) sejam pagos através de instrumentos financeiros até ao final de 2020;

152.  Manifesta apreensão, neste contexto, pelo facto de as autoridades nacionais de auditoria não terem coberto de forma suficiente a execução dos instrumentos de engenharia financeira;

153.  Regista que 63 % (675) dos instrumentos de engenharia financeira foram lançados na Polónia (247), em França (152), na Hungria (139) e em Itália (137);

154.  Lamenta que 6,7 % do total de pagamentos aos instrumentos de engenharia financeira em causa (900 milhões de euros) se tenham destinado a cobrir os custos e as taxas de gestão; considera que este montante é demasiado elevado;

155.  Regista que os dados comunicados continuam a conter alguns erros e discrepâncias; entre estas incluem-se montantes pequenos mas significativos de recursos de programas operacionais autorizados nas convenções de financiamento, mas não pagos aos instrumentos de engenharia financeira no momento do encerramento, um aumento dos montantes autorizados e dos montantes pagos a uma série de instrumentos de engenharia financeira após 31 de dezembro de 2015, e, em alguns casos, montantes mais elevados pagos aos beneficiários finais em vez de aos instrumentos de engenharia financeira(7);

O RAA da Direção-Geral da Política Regional e Urbana (DG REGIO)

156.  Regista que a avaliação ex post do FEDER-FC revela que, embora a convergência regional durante o período de programação 2007-2013 tivesse sido insuficiente, sem a política de coesão teria existido um desvio, uma vez que a crise financeira de 2007-2008 criou uma débil conjuntura para o investimento e a convergência;

157.  Sublinha que quaisquer conclusões no que diz respeito ao desempenho continuam a ser limitadas, uma vez que tal exigiria uma análise mais exaustiva dos dados de desempenho comunicados nos programas do período 2007-2013, que só estará concluída em agosto de 2017; solicita à Comissão que informe a Comissão do Controlo Orçamental sobre os resultados dessa análise;

158.  Toma nota de que a Comissão comunica, no respeitante à execução do período de financiamento 2014-2020, que foram selecionados mais de 50 000 projetos correspondentes a 64,1 mil milhões de euros de investimento total, que foram criados 45 000 projetos de cooperação de empresas com instituições de investigação, que mais de 380 000 pequenas e médias empresas (PME) beneficiaram de apoio dos fundos de coesão, o que resultou em mais de um milhão de postos de trabalho;

159.  Regista que a Comissão comunica também, relativamente ao mesmo período de financiamento, que mais de 75 mil milhões de euros do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e do Fundo de Coesão apoiaram objetivos da união da energia e adaptações às alterações climáticas; além disso, mais de 5 000 projetos foram selecionados no terreno para apoiar a economia hipocarbónica;

160.  Observa que o quadro que se segue identifica o montante total de dotações de autorização e pagamento inscritas no orçamento de 2016:

2016 (em milhões de euros)

 

Dotações de autorização inscritas

Dotações de pagamento inscritas

Despesas administrativas do domínio de intervenção «Política Regional e Urbana»

16,75

24,52

Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e outras operações regionais

27 163,16

22 911,83

Fundo de Coesão (FC)

8 775,98

7 456,71

Instrumento de Assistência de Pré-Adesão - Desenvolvimento regional e cooperação regional e territorial

54,14

522,95

Fundo de Solidariedade

81,48

68,48

Total

36 091,51

30 984,47

161.  Assinala, contudo, que estes dados estatísticos dão poucas informações sobre a sustentabilidade e o desempenho destes projetos;

162.  Recorda a grande importância conferida às condicionalidades ex ante, que definem condições horizontais e setoriais para garantir a eficácia das despesas dos FEEI; considera que, uma vez cumpridas as condicionalidades ex ante, juntamente com a retenção de 10 % dos pagamentos previstos pelo regulamento revisto em vigor, a execução dos projetos será mais fácil e menos propensa a erros; observa, contudo, que o Relatório Especial n.º 15/2017 do Tribunal questionava a medida em que este facto tem, efetivamente, levado a mudanças no terreno;

163.  Lamenta que apenas 87 % (181 em 209) das autoridades de certificação tenham sido designadas até ao final de 2016, e que não tenha sido designada qualquer autoridade para 28 programas gerais (na Áustria, foi designada uma autoridade apenas para 1 programa, na Bélgica apenas para 2, na Alemanha apenas para 8, na Finlândia apenas para 1, em França apenas para 2, na Irlanda apenas para 2, em Itália apenas para 6, na Roménia apenas para 4, na Eslováquia apenas para 1, e no Reino Unido apenas para 1;

164.  Verifica com surpresa que as principais dificuldades identificadas no processo de designação disseram respeito à criação de sistemas de TI para incluir os novos elementos do período de 2014-2020 em termos de comunicação e à conceção de procedimentos para assegurar uma supervisão sólida das autoridades de gestão sobre os organismos intermédios;

165.  Lamenta, além disso, que, em geral, apenas 26,1 % dos projetos tenham sido selecionados e apenas 3,7 % dos fundos estruturais disponíveis absorvidos no final de 2016, e que, apesar de o processo de seleção ter acelerado em 2017, a morosidade do arranque possa dar origem a um elevado número de autorizações por liquidar no final do atual período de financiamento; insta a Comissão a garantir um redobrar de esforços para reforçar a capacidade administrativa das autoridades nacionais, regionais e locais;

166.  Sublinha que a seleção de projetos foi particularmente lenta em Espanha, em Chipre, na Roménia, na Áustria, na República Checa, na Croácia e na Eslováquia;

167.  Assinala que, consequentemente, em relação à maioria dos programas operacionais (247 num total de 295) não foram certificados montantes nas contas (registaram-se «contas zero»), uma vez que não foi declarada qualquer despesa até 31/07/2016;

168.  Congratula-se pelo facto de a Comissão, com base em pareceres de auditoria preliminares sobre os pacotes de garantia recebidos, não ter detetado incoerências importantes;

169.  Manifesta, contudo, a sua preocupação pelo facto de 7 das 9 auditorias efetuadas pela Comissão em domínios ou programas operacionais de alto risco terem revelado deficiências significativas (na Hungria, os programas operacionais nos domínios dos transportes, da administração eletrónica e da execução; em Itália, os programas «Reti e mobilità, istruzione» da prioridade 3 e os programas operacionais de assistência técnica; na Roménia, os programas operacionais em matéria de competitividade e de ambiente);

170.  Regista que 278 dos 322 sistemas de gestão e controlo foram objeto de um parecer sem reservas ou de um parecer «com reservas de impacto moderado»; verifica que em 40 casos a Comissão emitiu um parecer com reservas de impacto significativo;

171.  Observa que a Comissão calculou que o montante global em risco no momento do pagamento se situava entre 644,7 e 1 257,3 milhões de euros e que a Comissão aplicou correções financeiras, em resultado do seu papel de supervisão, de 481 milhões de euros em 2016;

172.  Regista que a Comissão estimou a taxa de erro média global nos pagamentos de 2016 para os programas do FEDER/FC 2007-2013 em cerca de 2,2 % a 4,2 %, e a taxa de erro residual no momento do encerramento em, aproximadamente, 0,4 %; salienta que, mais uma vez, o domínio da «Coesão» foi o que mais contribuiu para o nível de erro estimado pelo Tribunal para 2016, seguido pelos «Recursos Naturais», a «Competitividade» e a «Europa Global»; insta a Comissão a continuar a trabalhar com os Estados-Membros com vista ao aperfeiçoamento dos seus sistemas de gestão e de controlo, e a continuar a utilizar os instrumentos jurídicos de supervisão disponíveis para garantir a correção de todos os erros materiais;

173.  Observa que a Comissão registou 68 reservas em relação ao período de financiamento passado e 2 reservas em relação ao atual;

Questões específicas

Grécia

174.  Congratula-se com os esforços da DG REGIO para efetuar progressos relativamente à lista de projetos prioritários na Grécia;

175.  Saúda, neste contexto:

(a)  o estabelecimento de quatro concessões de autoestradas (Atenas-Salónica, Korinthos-Tripoli-Kalamata, Korinthos-Patras e Patras-Ioannina, que representam na totalidade mais de 1 000 km de estradas), e que entretanto já se encontram operacionais e são muito apreciadas pelos utilizadores;

(b)  o programa “poupanças de energia nas famílias” (combinação de IEF com subvenções), que melhorou a eficiência energética em 46 000 agregados familiares e criou 6 000 postos de trabalho, tendo a procura sido tão elevada que foi imediatamente criado um programa sucessor para o período 2014-2020;

(c)  os instrumentos financeiros, e nomeadamente o JEREMIE, que permitiram a criação ou a manutenção de mais de 20 000 postos de trabalho;

(d)  o projeto de prescrição eletrónica de medicamentos, que gere mensalmente mais de 5,5 milhões de receitas eletrónicas e 2,4 milhões de consultas de diagnóstico, com a participação de 13 000 farmácias e 50 000 médicos, e que conduziu a consideráveis economias de custos para o orçamento grego no domínio da saúde pública;

176.  Lamenta, por outro lado que:

(a)  os projetos do metro em Atenas (extensão da linha 3 até ao Pireu) e Salónica (linha de base) tenham registado grandes atrasos que implicaram a sua integração gradual no período de programação de 2014-2020;

(b)  alguns projetos fundamentais nos setores ferroviário, digital e da energia tenham sido cancelados ou adiados, e que, consequentemente, tenham sido integrados gradualmente no período de programação de 2014-2020 ou para ele transferidos na totalidade;

(c)  uma grande parte das infraestruturas de gestão das águas residuais e dos resíduos sólidos continue por completar;

177.  Congratula-se com o facto de o Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF) ter concluído o seu inquérito administrativo sobre o projeto conhecido por «Stork Nest» (ninho de cegonhas); regista que o processo do OLAF foi divulgado na comunicação social checa; lamenta que o OLAF tenha detetado irregularidades graves;

178.  Solicita à DG REGIO que recupere o cofinanciamento da União envolvido, ou seja, 1,67 milhões de euros, e aplique as sanções necessárias;

179.  Observa que o projeto «Stork Nest» deixou de ter financiamento da UE por decisão da República Checa a partir de 25 de janeiro de 2018 e que, no respeito do princípio da subsidiariedade, já se encontra sob fiscalização judicial na República Checa;

180.  Está preocupado com a observação da Comissão de que a percentagem de contratos adjudicados na Hungria que receberam uma única proposta é de 36 %; observa que a média da UE é de 17 %; insta a Comissão a promover a concorrência nos processos de concurso;

181.  Congratula-se com a avaliação positiva do 10.º aniversário do Mecanismo de Cooperação e Verificação (MCV) para a Bulgária e a Roménia(8); manifesta a sua preocupação com o recente retrocesso na luta contra a corrupção de alto nível na Bulgária e na Roménia; insta a Comissão a apoiar e a encorajar os organismos de aplicação da lei e as autoridades de luta contra a corrupção nestes dois Estados-Membros; destaca os impressionantes resultados da agência de luta contra a corrupção na Roménia em termos de resolução de casos de corrupção de médio e alto nível; sublinha que a manutenção deste esforço é da maior importância para a consolidação da luta contra a corrupção;

182.  Condena o recente crime contra um jornalista eslovaco, que pode estar relacionado com o seu trabalho de investigação; insta a Comissão a informar o Parlamento acerca das verbas agrícolas da União na Eslováquia;

183.  Assinala que o OLAF concluiu igualmente uma investigação administrativa sobre um empréstimo concedido ao Grupo Volkswagen pelo Banco Europeu de Investimento (BEI);

184.  Regista a declaração do Presidente do BEI, Werner Hoyer, segundo o qual: «ainda não podemos excluir a hipótese de que um dos nossos quatro empréstimos – o empréstimo de 400 milhões de euros à Volkswagen Antrieb RDI – tenha estado associado às tecnologias de controlo de emissões desenvolvidas na altura em que o programa de manipulação foi concebido e utilizado. Iremos agora proceder à apreciação das conclusões do OLAF e ponderaremos todas as medidas existentes e adequadas. [...] Manifestamos a nossa profunda deceção perante as conclusões da investigação do OLAF, nomeadamente de que o BEI foi enganado pela VW quanto à utilização do dispositivo manipulador.»;

Relatório Anual de Atividades da Direção-Geral do Emprego, dos Assuntos Sociais e da Inclusão (DG EMPL)

185.  Observa que a DG EMPL salienta, nos seguintes termos, o seu contributo para os objetivos da UE para 2020:

(a)  a taxa de emprego das pessoas com idades entre os 20 e 64 anos na UE atingiu os 71,2% no terceiro trimestre de 2016. Esta taxa ultrapassou agora, pela primeira vez, a taxa observada em 2008 (70,3%) e a meta estabelecida na Estratégia Europa 2020 poderá ser alcançada se a tendência se mantiver;

(b)  a taxa de desemprego global continua a diminuir e é, atualmente, inferior a 10%, tanto na UE como na área do euro; no entanto, o desemprego dos jovens e o desemprego de longa duração continuam a constituir desafios de relevo para a UE, embora tenham diminuído, respetivamente, de 19,5% em dezembro de 2015 para 18,6% em dezembro de 2016, e de 4,3%, no terceiro trimestre de 2015 para 3,8% no terceiro trimestre de 2016;

(c)  a recuperação económica que teve início em 2013 tem sido também acompanhada por um processo contínuo, embora insuficiente, de redução da pobreza, medida pela taxa de pessoas em risco de pobreza, que passou de 24,7 % em 2012 para 23,7 % em 2015; no entanto, a retoma ainda não chegou a todas as partes da sociedade e há 118 milhões de pessoas em risco de pobreza e exclusão social em 2016 (1,7 milhões acima do nível de 2008), estando nós longe de alcançar o objetivo da Europa 2020 em matéria de pobreza e exclusão social;

(d)  os investimentos para melhorar as condições de mobilidade profissional e geográfica, e atenuarem os riscos de distorções e abusos, têm contribuído para um aumento progressivo da taxa de mobilidade no interior da UE, que atingiu 3,6% da população em 2015;

186.  Lamenta, todavia, que a disparidade na distribuição dos rendimentos tenha aumentado entre 2013 e 2014 e se tenha mantido estável desde então, embora tenha continuado a aumentar em alguns casos; manifesta a sua preocupação pelo facto de os 20 % mais ricos da população possuírem um rendimento disponível que era cerca de cinco vezes superior ao dos 20 % mais pobres em 2016, com grandes disparidades entre os países (e um aumento das desigualdades em alguns);

187.  Congratula-se com a avaliação ex post relativa ao período de programação 2007-2013 do FSE, concluída em 12 de dezembro de 2016; regista que, no final de 2014, pelo menos 9,4 milhões de residentes europeus tinham encontrado emprego com o apoio do FSE, 8,7 milhões tinham obtido uma qualificação ou um diploma, e 13,7 milhões de participantes tinham declarado outros resultados positivos, como o reforço dos níveis de competências; observa que o FSE também teve um impacto positivo no Produto Interno Bruto (PIB) dos 28 Estados-Membros (crescimento de 0,25%) e na produtividade, de acordo com as simulações macroeconómicas;

188.  Assinala que estes dados quantitativos revelam, de facto, uma tendência positiva, mas dizem pouco sobre o desempenho e a sustentabilidade das medidas;

189.  Critica fortemente a DG EMPL por não ter publicado as suas propostas relativas às recomendações específicas por país, embora o Parlamento tenha solicitado reiteradamente que o fizesse;

190.  Regista que o quadro que se segue identifica o montante total de dotações de autorização e de pagamento inscritas no orçamento de 2016:

2016 (em milhões de euros)

 

Dotações de autorização inscritas

Dotações de pagamento inscritas

Fundo Social Europeu (FSE) e Iniciativa para o Emprego dos Jovens (IEJ)

12 438,2

8 132

Fundo de Auxílio Europeu às Pessoas mais Carenciadas (FEAD)

534,7

278

Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização (FEG)

27,6

27,6

Instrumento de Assistência de Pré-Adesão – Desenvolvimento dos Recursos Humanos (IAP-DRH)

0

82,3

Gestão direta (Programa para o Emprego e a Inovação Social, Programa Direitos, Igualdade e Cidadania, Erasmus +) e agências

289

275

Total

13 290

8 795

191.  Congratula-se com o facto de a DG EMPL ter desenvolvido uma metodologia de avaliação anual do desempenho dos programas, embora emita reservas quanto ao valor informativo de critérios como «bom», «aceitável» ou «fraco»;

192.  Manifesta apreensão pelo facto de, até março de 2017, apenas 87 % das autoridades de certificação terem sido designadas;

193.  Saúda o facto de a DG EMPL ter recebido, até 15 de fevereiro de 2017, um pacote de garantia completo, incluindo as contas, o relatório de controlo anual e os pareceres de auditoria sobre as contas, o sistema de gestão e de controlo e a legalidade e regularidade das transações subjacentes, bem como a declaração de fiabilidade e a síntese anual, relativamente a todos os programas; regista que, em geral, a DG EMPL apenas fez pequenas observações e aceitou as contas anuais;

194.  Congratula-se igualmente com o facto de, até ao final de 2016, a DG EMPL ter concluído o seu plano de auditoria plurianual, no âmbito do qual 89 das 92 autoridades de auditoria foram auditadas, abrangendo 115 dos 118 programas operacionais;

195.  Assinala que, em 2016, a DG EMPL efetuou correções financeiras num montante de 255,8 milhões de euros; observa que o montante cumulativo total de correções financeiras aceites ou decididas para o período de programação de 2007-2013 ascendia, no final de 2016, a 1 454 milhões de euros; salienta que, durante o mesmo período, os Estados-Membros comunicaram correções financeiras no valor de 2 253,8 milhões de euros;

196.  Lamenta que a DG EMPL tenha mantido ou emitido as seguintes reservas relativas:

(a)  aos sistemas de gestão e de controlo de um programa operacional do FSE em Itália para o período de programação 2000-2006 (reserva de reputação);

(b)  aos sistemas de gestão e controlo de 23 programas operacionais específicos do FSE para o período de programação 2007-2013; e

(c)  aos sistemas de gestão e de controlo de três programas operacionais do FSE ou da IEJ e um do FEAD para o período de programação 2014-2020;

197.  Assinala que a estimativa do montante global em risco de despesas imputadas a 2016 é de 279 milhões de euros;

Questões específicas

Iniciativa para o Emprego dos Jovens (IEJ)

198.  Tomou conhecimento dos primeiros resultados de um estudo sobre a execução da Iniciativa para o Emprego dos Jovens (IEJ), que refere o seguinte:

(a)  No final de 2016, o número de jovens que não trabalhavam, não estudavam e não seguiam qualquer formação (NEET) e que participaram em projetos ao abrigo da IEJ destinados a reforçar as suas competências, ou a dar aos participantes uma experiência de trabalho, triplicou em comparação com o final de 2015 (1,3 milhões contra 0,5 milhões de pessoas);

(b)  Entre os participantes contavam-se 712 000 pessoas desempregadas e inativas que não estudavam e não seguiam qualquer formação e que concluíram uma intervenção financiada pela IEJ, mais de metade destes participantes (cerca de 346 000 desempregados e inativos que não estudavam e não seguiam qualquer formação) alcançaram um resultado positivo, visto que iniciaram estudos ou uma formação, adquiriram uma qualificação ou encontraram emprego (inclusive por conta própria) depois da conclusão da intervenção;

(c)  Na Itália, uma avaliação contrafactual demonstrou que as novas políticas inovadoras, em larga medida apoiadas pela IEJ, aumentaram em 7,8% a probabilidade de os jovens encontrarem emprego, apesar das significativas disparidades regionais, embora tenha ficado patente a existência de maiores dificuldades nas zonas com as maiores taxas de desemprego juvenil;

199.  Observa ainda o seguinte:

(a)  A Itália e a Espanha mobilizaram um número significativo de jovens NEET através de ações no âmbito da IEJ, embora o desemprego dos jovens permaneça elevado nesses países;

(b)  A Eslováquia deixou de se concentrar nos programas públicos de emprego para jovens e orientou-se para medidas mais eficazes, como o aumento da oferta de formação profissional;

(c)  Na Itália, uma avaliação contrafactual demonstrou que as novas políticas inovadoras em larga medida apoiadas pela IEJ aumentaram em 7,8 % a probabilidade de os jovens encontrarem emprego, apesar das significativas disparidades regionais;

(d)  Em Portugal, os programas de empreendedorismo cofinanciados pela IEJ foram mais bem-sucedidos do que as medidas relativas ao ensino superior;

(e)  A Grécia identificou a necessidade de rever o seu sistema de cheques-serviço no domínio do emprego e da formação dos jovens;

(f)  Na Polónia, 62% dos participantes da IEJ receberam uma oferta de emprego, formação ou educação, sendo o nível de satisfação dos participantes globalmente elevado;

200.  Lamenta, porém, que só 30% das verbas disponíveis tenham sido utilizadas, como reflexo do pré-financiamento inicial e dos pagamentos intercalares;

201.  Congratula-se com o facto de, até outubro de 2017, todos os Estados-Membros aos quais se aplicava a condicionalidade ex ante relativa aos ciganos (Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Eslováquia, Espanha, França, Grécia, Hungria, Lituânia, Polónia, Portugal, República Checa e Roménia) terem observado este critério e, portanto, terem desenvolvido uma estratégia nacional para a integração dos ciganos;

202.  Observa que, para o período de programação de 2014-2020, duas prioridades de investimento do FSE visam diretamente a não discriminação e a integração da população cigana (ver quadro abaixo);

Prioridade de investimento (PI)

Estados-Membros que escolheram a PI

Dotação financeira (milhões de euros)

 

Combate a todas as formas de discriminação e promoção da igualdade de oportunidades

11 Estados-Membros (BE, CY, CZ, DE, ES, FR, GR, IE, PL, PT e SK).

447

Integração socioeconómica de comunidades marginalizadas, como os ciganos

12 Estados-Membros (AT, BE, BG, CZ, ES, FR, GR, HU, IT, PL, RO e SK).

1 600

A maior parte do financiamento (1,2 milhões de euros) está concentrada nos seguintes países: BG, CZ, HU e RO

203.  Observa que, apesar de ter um orçamento anual máximo de 150 milhões de euros, o Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização mobilizou apenas 28 milhões de euros em dotações de autorização a partir da reserva de 2016, beneficiando oito Estados-Membros;

Medidas a tomar

204.  Insta, por conseguinte, os Estados-Membros e a Comissão a prestarem maior atenção, no âmbito do período financeiro pós-2020, ao seguinte:

(a)  Criação de valor acrescentado na UE através da política de coesão;

(b)  Desenvolvimento de uma coordenação mais forte entre a coesão, a governação económica e o Semestre Europeu, tendo em conta, entre outros aspetos, os incentivos positivos ao reforço da concretização dos objetivos da política de coesão para ultrapassar as disparidades e desigualdades, conforme previsto nos Tratados, nas suas três dimensões: económica, social e territorial;

(c)  Desenvolvimento de um sistema que permita concentrar os fundos de coesão nas regiões que mais necessitem deles;

(d)  Disponibilização de apoio administrativo de cariz estratégico a estas regiões com dificuldade em absorver os financiamentos;

(e)  Elaboração de um conjunto único de regras para os fundos estruturais;

(f)  Realização de progressos na aplicação do princípio da auditoria única;

(g)  Execução mais célere dos programas e dos projetos, a fim de respeitar o período financeiro de sete anos (e não n+3);

(h)  Possibilitar que as autoridades nacionais de auditoria efetuem auditorias aos instrumentos financeiros no quadro do orçamento da UE, reduzir o número de instrumentos financeiros e introduzir regras mais rigorosas de comunicação pelos gestores de fundos, incluindo o Grupo BEI e outras instituições financeiras internacionais, no que diz respeito ao desempenho e aos resultados alcançados, de forma a reforçar a transparência e a prestação de contas;

(i)  Tomar em conta os ensinamentos retirados do atual período e a necessidade de maior simplificação, a fim de estabelecer um sistema equilibrado para garantir a obtenção de resultados e a boa gestão financeira sem encargos administrativos excessivos suscetíveis de desencorajarem os potenciais beneficiários e levarem a mais erros;

(j)  Pugnar por um equilíbrio geográfico e social que garanta que os investimentos são efetuados onde são mais necessários;

205.  Insiste em que a DG REGIO e a DG EMPL publiquem as suas propostas de recomendações específicas por país nos respetivos relatórios anuais de atividades (RAA), tal como repetidamente solicitado pelo Parlamento Europeu;

206.  Convida a DG REGIO:

(a)  a reportar à comissão competente do Parlamento Europeu sobre as diferentes investigações em curso do OLAF, quando os respetivos trâmites legais estiverem concluídos;

(b)  a reportar à comissão competente do Parlamento Europeu, na sequência da quitação à Comissão pelo exercício de 2016, sobre os progressos alcançados nos projetos mencionados supra;

207.  Solicita ao BEI que examine urgentemente as conclusões do OLAF e retire as conclusões necessárias; exorta o BEI a informar o Parlamento Europeu das suas conclusões e das medidas tomadas;

208.  Exorta a Comissão a promover a utilização da opção de custos simplificados introduzida pelo Regulamento «Omnibus»;

209.  Exorta a DG EMPL a aplicar a recomendação do Serviço de Auditoria Interna (SAI) no sentido de uma rápida aplicação da estratégia de controlo para os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) e a informar o Parlamento sobre a sua conclusão;

210.  Exorta a Comissão a prever uma maior simplificação das regras e a redução dos encargos administrativos, a fim de contribuir para reduzir ainda mais a taxa de erro;

Recursos naturais

Indicadores de desempenho fundamentais (IDF) e uma PAC justa

211.  Salienta que, de acordo com o RAA da DG AGRI (página 15 — IDF n.º 1: rendimento dos fatores agrícolas por trabalhador a tempo inteiro), o valor acrescentado e a produtividade do setor registaram novamente uma ligeira diminuição, em 2016, e observa que, para a DG AGRI, é difícil identificar precisamente o que provocou a diminuição global do rendimento dos fatores desde 2013;

212.  Recorda que o IDF n.º 4 relativo à taxa de emprego no domínio do desenvolvimento rural não é pertinente, uma vez que a taxa de emprego neste domínio não é exclusivamente influenciada pelas medidas da PAC;

213.  Lamenta que a Comissão não tenha dado seguimento às recomendações formuladas pelo Parlamento na sua resolução que acompanha a decisão de quitação para o exercício de 2015, no sentido de redefinir o indicador de desempenho fundamental n.º 4 a fim de destacar o impacto específico das medidas da PAC no emprego nessas zonas;

214.  Realça que, em 2016, 51% dos beneficiários de pagamentos diretos receberam menos de 1250 EUR, representando 4% do montante total de pagamentos diretos(9);

215.  Recorda as suas observações(10) sobre a estrutura insustentável da despesa da PAC: 44,7 % do total das explorações agrícolas da União tiveram um rendimento anual inferior a 4000 EUR e, em média, em 2016, 10% dos beneficiários do apoio direto da PAC receberam cerca de 60% dos pagamentos(11); observa que a distribuição dos pagamentos diretos reflete, em grande medida, a concentração de terras, visto que 20% dos agricultores detém 80% das terras; (resposta à pergunta escrita n.º 17, na audição na Comissão CONT com Phil Hogan, em 28 de novembro de 2017); manifesta a sua apreensão face à elevada concentração de beneficiários e salienta a necessidade de encontrar um melhor equilíbrio entre pequenos e grandes beneficiários;

216.  Regista que cerca de 72% da ajuda se destina a explorações com áreas entre 5 e 250 hectares, que normalmente são empresas familiares;

217.  Solicita que a DG AGRI defina os objetivos acompanhados de indicadores no sentido de reduzir as desigualdades de rendimentos entre explorações no próximo QFP;

218.  Reitera o seu ponto de vista segundo o qual os pagamentos diretos podem não estar a desempenhar plenamente a sua função de rede de segurança para estabilizar o rendimento agrícola, nomeadamente no caso de explorações agrícolas de menor dimensão, dada a díspar distribuição dos pagamentos;

219.  Considera que as explorações agrícolas de maior dimensão não precisam necessariamente do mesmo nível de apoio de estabilização dos rendimentos agrícolas que as explorações agrícolas mais pequenas em tempos de volatilidade dos rendimentos, uma vez que as primeiras podem beneficiar de economias de escala que as tornam, provavelmente, mais resilientes;

220.  Exorta a Comissão a prever uma verdadeira simplificação do procedimento, incluindo na documentação exigida para ter acesso a financiamento, sem negligenciar os princípios de controlo e monitorização; solicita que seja prestada especial atenção ao apoio administrativo para os pequenos produtores, para os quais o financiamento é um pré-requisito fundamental para a sobrevivência da produção;

Taxa de erro

221.  Salienta que, de acordo com a estimativa do Tribunal, o nível de erro em relação ao capítulo sobre os recursos naturais no seu conjunto é de 2,5% (2,9% em 2015 e 3,6% em 2014); congratula-se com a evolução positiva da taxa de erro, observando, contudo, que o valor para 2016 é superior ao limiar de materialidade;

222.  Congratula-se com o facto de o Tribunal ter considerado, na sua avaliação referente ao Fundo Europeu Agrícola de Garantia (FEAGA), que as medidas de mercado e os pagamentos de ajudas diretas estão isentos de erros materiais no tocante a 2016 e que a taxa de erro mais provável seria de 1,7% (2,2% em 2015);

223.  Salienta que o Tribunal identificou um menor número de erros resultantes da sobredeclaração de terras ou da declaração de terras inelegíveis pelos agricultores, devido à introdução de uma nova definição mais flexível de prados permanentes, à execução dos planos de ação para melhorar a qualidade dos dados nos Sistemas de Identificação das Parcelas Agrícolas e ao novo sistema geoespacial em linha para a apresentação de pedidos;

224.  Verifica que os pagamentos por ecologização têm sido uma fonte de erros, sendo responsáveis por 17 % do nível de erro calculado pelo Tribunal e estando principalmente relacionados com os requisitos referentes à superfície de interesse ecológico, embora a taxa de erro do FEAGA fosse inferior ao limiar de materialidade; congratula-se, a este respeito, com a diminuição da taxa de erro do FEAGA para 1,7 %;

225.  Realça que o Tribunal detetou igualmente insuficiências na proteção dos prados permanentes, visto que a República Checa e a Polónia não dispõem de dados históricos para verificar a conformidade com a obrigação de dispor de terras aráveis cobertas com erva durante cinco anos consecutivos, enquanto a Alemanha, a França, a Itália, Portugal e o Reino Unido não tinham classificado os prados permanentes de forma totalmente fiável;

226.  Realça a tendência positiva verificada a partir das taxas de erro calculadas pelo Tribunal apesar da evolução dos montantes em risco comunicados pela DG AGRI nos seus RAA, tendo passado de 1,38% em 2015 para 1,996% em 2016 (não incluindo as medidas de mercado, com uma taxa de erro de 2,85%) e para 4% em relação a ambos os exercícios no que se refere ao desenvolvimento rural; considera que tal não reflete desvios significativos do ponto de vista estatístico;

227.  Lamenta que os pagamentos referentes ao desenvolvimento rural, ao ambiente, à ação climática e às pescas não estejam isentos de erros materiais no que se refere a 2016, calculando-se que a taxa de erro mais provável seja de 4,9% (5,3% em 2015); observa que, se todas as informações detidas pelas autoridades nacionais tivessem sido utilizadas para corrigir os erros, a estimativa do nível de erro teria sido 1,5 pontos percentuais inferior;

228.  Assinala que, no domínio do desenvolvimento rural, três dos maiores erros de elegibilidade implicaram beneficiários que não declararam que eram controlados por empresas associadas, ou que se candidatavam juntamente com tais empresas, ou que adquiriam produtos delas, em violação das regras da UE ou da regulamentação nacional (relatório anual do Tribunal, ponto 7.26);

Sistemas de gestão e de controlo

229.  Observa que, no seu RAA, o Diretor-Geral da DG AGRI emitiu uma reserva relativa aos pagamentos diretos referentes a 18 organismos pagadores de 12 Estados-Membros e assinala que o montante gerido pelos organismos pagadores que foi objeto de uma reserva e colocado sob controlo reforçado corresponde a 13 618,6 milhões de EUR, ascendendo o montante real em risco relativo à despesa sob reserva a 541,2 milhões de EUR;

230.  Salienta que foram detetadas insuficiências no sistema de gestão e de controlo da Hungria (relativamente a atrasos na declaração de gestão pelo organismo pagador e a falhas nos pagamentos por ecologização), da Bulgária (relativamente à ecologização e ao estatuto de agricultor biológico), da Polónia (relativamente aos pagamentos por ecologização) e da Itália (relativamente a lacunas na correta determinação da elegibilidade das terras e do estatuto de agricultor ativo);

231.  Lamenta os recentes casos de fraude relativos aos organismos pagadores em Itália; insta a Comissão a acompanhar ativamente a situação e a fornecer as informações pertinentes ao Parlamento sobre o seguimento do processo de quitação;

232.  Apela à Comissão para que acelere o procedimento de apuramento da conformidade, iniciado em 8 de janeiro de 2016, a fim de obter informações pormenorizadas e precisas sobre o risco de conflitos de interesses em relação ao fundo estatal de intervenção agrícola da República Checa; observa que a não resolução dos conflitos de interesses pode, em última instância, conduzir à retirada da acreditação do organismo pagador por parte autoridade competente ou à imposição de correções financeiras pela Comissão; solicita à Comissão que informe o Parlamento de imediato se, no final do procedimento de apuramento da conformidade, forem transmitidas à DG AGRI pelo OLAF informações relativas a eventuais casos de fraude, corrupção ou qualquer outra atividade ilegal lesiva dos interesses financeiros da União;

Fiabilidade dos dados comunicados pelos Estados-Membros

233.  Salienta que, uma vez que os sistemas de gestão e controlo de alguns Estados-Membros apresentam deficiências, a DG AGRI ajusta as estatísticas de controlo comunicadas com base principalmente nas auditorias da Comissão e do Tribunal realizadas nos últimos três anos, assim como no parecer do organismo de certificação para o exercício em causa;

234.  Assinala que, apesar de, desde 2015, os organismos de certificação dos Estados-Membros terem o dever de verificar a legalidade e a regularidade das operações:

(a)  no tocante a medidas de mercado, a DG AGRI efetuou ajustamentos num total de 32 regimes (ou seja, menos de 20% do número total de regimes relativamente aos quais foram declaradas despesas em 2016);

(b)  no tocante aos pagamentos diretos, foram realizados ajustamentos em 52 casos (num total de 69), a maioria dos quais inferior a 1%, com 7 casos de ajustamentos entre 1% e 2% e 9 superiores a 2%;

(c)  no tocante ao desenvolvimento rural, foram efetuados pagamentos complementares por 39 organismos pagadores, num total de 72, com 21 ajustamentos superiores a 1 % e 16 superiores a 2 %;

Questões relacionadas com o desempenho no desenvolvimento rural

235.  Congratula-se com o facto de o Tribunal ter analisado questões relacionadas com o desempenho numa amostra de operações relativas ao desenvolvimento rural realizadas ao longo dos últimos três anos; observa com satisfação que 95 % dos projetos concluídos no momento da auditoria tinham sido executados como planeado, mas lamenta a insuficiência de provas de que os custos eram razoáveis;

236.   Salienta que quase todos os projetos auditados pelo Tribunal utilizaram um sistema de reembolso das despesas incorridas e observa que, no período de programação de 2014-2020, os Estados-Membros podem, em alternativa, utilizar um sistema de opções de custos simplificados, com tabelas normalizadas de custos unitários, montantes fixos e financiamento a taxas fixas, o que limita efetivamente o risco de preços excessivos;

Ecologização

237.  Assinala que o Tribunal declarou, no seu relatório anual relativo a 2016 (ponto 7.17), em relação aos pagamentos por ecologização efetuados a 63 explorações visitadas pelos seus auditores, que:

(a)  Todas as que estavam sujeitas ao requisito de diversificação das culturas o cumpriam;

(b)  A maioria dos erros relacionados com a componente de ecologização dizia respeito ao incumprimento dos requisitos relativos à superfície de interesse ecológico (SIE);

(c)  As parcelas foram corretamente registadas no Sistema de Identificação das Parcelas Agrícolas (SIPA) quanto à manutenção dos prados permanentes existentes;

(d)  Nem todos os prados permanentes tinham sido registados enquanto tal;

238.  Manifesta, contudo, especial preocupação perante as primeiras conclusões da Comissão no seu documento de trabalho intitulado «Review of greening after one year» [Revisão da componente de ecologização, um ano depois] (SWD (2016) 218), nomeadamente na segunda parte, página 14, em que se afirma o seguinte: «Globalmente, os agricultores seriam obrigados a substituir culturas em menos de 1% da área arável total na União para cumprir o requisito de diversificação das culturas. Tendo em conta que a grande maioria das terras aráveis da União está sujeita à obrigação de diversificação das culturas, este impacto limitado parece refletir as atuais práticas dos agricultores, que já respeitam este requisito»;

239.  Salienta que o Tribunal de Contas confirmou, no seu relatório anual (pontos 7.43 a 7.54), a análise da Comissão segundo a qual o regime de diversificação de culturas e de superfície de interesse ecológico (SIE) não introduziu alterações na maioria das explorações visitadas (89% para a diversificação das culturas e 67% para a SIE);

240.  Manifesta especial apreensão pelo facto de, segundo o relatório especial do Tribunal n.º 21/2017, intitulado «Ecologização: um regime de apoio ao rendimento mais complexo, mas ainda não eficaz do ponto de vista ambiental», ser «pouco provável que a ecologização gere benefícios significativos para o ambiente e para o clima», visto que, em geral, «os requisitos de ecologização [são] pouco exigentes e [refletem], em grande medida, as práticas agrícolas normais» (página 54);

241.  Assinala, além disso, que, de acordo com o Tribunal, a maioria dos agricultores (65%) pode beneficiar dos pagamentos por ecologização sem estar efetivamente sujeito às obrigações de ecologização, devido ao grande número de isenções, pelo que a ecologização só conduz a mudanças positivas das práticas agrícolas numa percentagem muito limitada de terras agrícolas da UE;

242.  Lamenta que os regimes de «ecologização» sejam mais um instrumento de apoio aos rendimentos dos agricultores do que um meio para melhorar o desempenho ambiental e climático da PAC; considera que, para os programas agrícolas satisfazerem as necessidades ambientais e climáticas, devem incluir objetivos de desempenho e financiamento que reflitam os custos incorridos e a perda de rendimentos em consequência de atividades que vão além das exigências ambientais de referência;

243.  Lamenta que, por serem calculados com base na superfície, os pagamentos por ecologização, na atual conceção do programa, possam aumentar os desequilíbrios na distribuição dos apoios da PAC; insta, neste contexto, a Comissão a considerar dar seguimento às recomendações feitas pelo Tribunal no seu relatório especial n.º 21/2017;

244.  Observa que, de acordo com a Comissão: o impacto real (da ecologização) nos resultados ambientais depende das escolhas feitas pelos Estados-Membros e pelos agricultores e que, até à data, poucos Estados-Membros fizeram uso da possibilidade de limitar a utilização de pesticidas e de fertilizantes em superfícies de interesse ecológico;

245.  Salienta que, para a administração pública, o ónus da componente de ecologização se prende essencialmente com o desenvolvimento de novos instrumentos de gestão, como a categoria suplementar «superfície de interesse ecológico» no SIPA, o que explica, em parte, a razão pela qual a DG AGRI tem aumentado o número de reservas e planos de ação impostos aos Estados-Membros;

246.  Toma nota de que a ecologização aumenta significativamente a complexidade da PAC, devido a sobreposições com outros instrumentos ambientais da PAC (sistema de condicionalidade e as medidas ambientais do segundo pilar); a este respeito, toma nota do Relatório Especial n.º 21/2017 do Tribunal sobre a ecologização, no qual se afirma que a Comissão e os Estados-Membros atenuam o risco conexo de efeito de inércia e duplo financiamento;

Regime para jovens agricultores

247.  Salienta que, tendo em conta as enormes disparidades de desenvolvimento no setor agrícola em toda a UE, um dos principais problemas é o desafio demográfico, que exige políticas destinadas a resolver a escassez de jovens agricultores, a fim de garantir a sustentabilidade a longo prazo da agricultura na União;

248.  Realça que os jovens agricultores enfrentam dificuldades específicas relacionadas com o acesso ao financiamento e o reduzido volume de negócios nos primeiros anos de atividade, em combinação com a lenta renovação geracional e as dificuldades de acesso a terras agrícolas;

249.  Assinala que a diminuição do número de jovens no setor dificulta a renovação geracional e pode significar a perda de competências e de conhecimentos úteis, à medida que as pessoas mais idosas e experientes se reformam; insiste, por conseguinte, na necessidade de apoiar tanto os agricultores que se reformam, como os seus jovens sucessores, na transferência da gestão de uma exploração agrícola;

250.  Expressa especial preocupação com o facto de, no seu Relatório Especial n.º 10/2017 sobre o apoio aos jovens agricultores, o Tribunal observar que, no tocante aos pagamentos diretos, a ajuda aos jovens agricultores:

(a)  Não se baseia numa correta avaliação das necessidades;

(b)  Não reflete o objetivo geral de fomento da renovação geracional;

(c)  Nem sempre é concedida aos jovens agricultores que dela necessitam; e

(d)  É, por vezes, concedida a explorações onde os jovens agricultores apenas desempenham um papel secundário;

251.  Lamenta que, em matéria de apoio aos jovens agricultores através de regimes de desenvolvimento rural, o Tribunal tenha concluído que as medidas são geralmente baseadas numa avaliação vaga das necessidades e que não existe uma verdadeira coordenação entre os pagamentos do primeiro pilar e os apoios aos jovens agricultores do segundo pilar;

Medidas a tomar

252.  Exorta:

(a)  a Comissão a analisar minuciosamente as causas da diminuição global do rendimento dos fatores desde 2013 e a definir um novo objetivo principal de desempenho para o próximo QFP, acompanhado de indicadores de resultados e de impacto, no sentido de atenuar as desigualdades de rendimento entre agricultores;

(b)  os Estados-Membros a envidarem esforços adicionais no sentido de incluir mais informações fiáveis e atualizadas nos respetivos SIPA;

(c)  a Comissão a rever a abordagem escolhida pelos organismos pagadores para classificar e atualizar as categorias de terras nos seus SIPA e a efetuar os controlos cruzados exigidos, a fim de reduzir o risco de erros nos pagamentos por ecologização;

(d)  a Comissão a tomar as medidas adequadas que imponham aos Estados-Membros a obrigação de incluir vias de recurso nos respetivos planos de ação no domínio do desenvolvimento rural, a fim de corrigir os casos de erro detetados com frequência;

(e)  a Comissão a fornecer orientações e a divulgar melhores práticas junto das autoridades nacionais, bem como dos beneficiários e respetivas associações, a fim de assegurar que os seus controlos identifiquem ligações entre os candidatos e outras partes interessadas envolvidas nos projetos de desenvolvimento rural que recebem apoios;

(f)  a Comissão a manter-se vigilante quanto aos controlos efetuados e aos dados comunicados pelas autoridades dos Estados-Membros, bem como a ter em conta tais resultados na repartição dos seus encargos de auditoria com base em avaliações dos riscos;

(g)  os Estados-Membros, bem como dos beneficiários e respetivas associações, a explorarem plenamente as possibilidades oferecidas pelo sistema de opções de custos simplificados no domínio do desenvolvimento rural;

(h)  a Comissão a preparar e a desenvolver, no âmbito da próxima reforma da PAC, uma lógica de intervenção completa para a ação da UE no domínio ambiental e climático no que se refere à agricultura, incluindo objetivos específicos e baseados em conhecimentos científicos atualizados sobre os fenómenos em causa;

253.  Apela à Comissão para que se oriente pelos seguintes princípios ao elaborar uma nova proposta relativa à ecologização:

(a)  Os agricultores devem beneficiar dos pagamentos da PAC se cumprirem um conjunto único de normas ambientais de base, incluindo as normas de boa condição agrícola e ambiental (BCAA) e os requisitos em matéria de ecologização, que vão para além dos requisitos da legislação em matéria ambiental; saúda, a este respeito, a lógica da abordagem da Comissão ao “orçamento centrado nos resultados”; considera que o futuro sistema de execução deve ser mais orientado para os resultados;

(b)  As necessidades locais e específicas em matéria de ambiente e de clima podem ser adequadamente satisfeitas através de uma ação programada mais eficaz e específica relativa à agricultura;

(c)  Sempre que os Estados-Membros possam escolher diferentes opções para aplicar a PAC, devem ser obrigados a demonstrar, antes de agirem, que as opções selecionadas são eficazes e eficientes no que diz respeito à concretização dos objetivos políticos, em particular no que se refere à segurança alimentar, à qualidade dos alimentos e ao seu impacto na saúde, à ecologização, à gestão dos solos e dos espaços naturais e à luta contra o despovoamento na UE;

254.  Insta a Comissão:

(a)  A realizar uma avaliação exaustiva do conjunto de políticas e de instrumentos existentes da PAC que podem ser combinados para ajudar os jovens agricultores, bem como a identificar os obstáculos ao acesso às explorações existentes ou à criação de novas explorações por parte dos jovens agricultores, que poderão ser tratados no âmbito da futura revisão da PAC;

(b)  A garantir, no âmbito da reforma agrícola, a realização ulterior de melhorias no quadro do desenvolvimento rural, tal como previsto, nomeadamente, na Declaração de Cork 2.0, com vista a assegurar o êxito dos programas de apoio aos jovens agricultores;

(c)  A inserir, na legislação relativa à PAC para o período pós-2020 (ou a exigir aos Estados-Membros que indiquem, em conformidade com as disposições em matéria de gestão partilhada), uma lógica de intervenção clara para os instrumentos políticos que visem a renovação das gerações no setor agrícola. A lógica de intervenção deve incluir:

–   uma avaliação correta das necessidades dos jovens agricultores;

–   uma avaliação das necessidades que podem ser satisfeitas com base em instrumentos políticos da UE e das necessidades que podem ser ou já são tratadas mais eficazmente pelas políticas dos Estados-Membros, bem como uma análise das formas de apoio (por exemplo, pagamentos diretos, montantes fixos, instrumentos financeiros) que melhor se adequam para dar resposta às necessidades identificadas;

–  medidas de sensibilização para as autoridades, os beneficiários e respetivas organizações, sobre possíveis tipos de assistência em caso de transmissão antecipada de uma exploração a um sucessor, acompanhadas de serviços de aconselhamento ou medidas auxiliares, como um regime satisfatório de aposentação baseado nos rendimentos ou nas receitas nacionais ou regionais nos setores agrícola, alimentar e florestal;

–   uma definição de objetivos SMART, tornando explícitos e quantificáveis os resultados esperados dos instrumentos políticos no que se refere à taxa esperada de renovação das gerações e ao contributo para a viabilidade das explorações apoiadas; em particular, deve ficar claro se os instrumentos políticos devem ter por objetivo apoiar o maior número possível de jovens agricultores ou visar uma categoria específica de jovens agricultores;

(d)  A garantir que, nas suas propostas legislativas relativas à PAC para o período pós-2020, a Comissão e os Estados-Membros (em conformidade com as disposições em matéria de gestão partilhada) melhorem o sistema de acompanhamento e avaliação;

Europa Global

Taxas de erro

255.  Observa que, de acordo com as conclusões do Tribunal, a despesa relativa à categoria «Europa Global» é afetada por um nível de erro significativo, avaliado em 2,1% (2,8% em 2015 e 2,7% em 2014); congratula-se com a evolução positiva da taxa de erro neste domínio de intervenção;

256.  Lamenta que, depois de excluídas as operações de apoio orçamental e as operações com vários doadores, a taxa de erro para as operações específicas geridas diretamente pela Comissão tenha sido avaliada em 2,8% (3,8% em 2015; 3,7% em 2014);

257.  Assinala que a Comissão e os seus parceiros de execução cometeram mais erros nas operações relativas a subvenções e a acordos de contribuição celebrados com organizações internacionais do que nas operações relativas a outros tipos de apoio; observa, em particular, que as operações de apoio orçamental examinadas pelo Tribunal estavam isentas de erros relativos à legalidade e à regularidade;

258.  Salienta que, se todas as informações detidas pela Comissão – e pelos auditores designados pela Comissão – tivessem sido utilizadas para corrigir erros, a taxa de erro calculada para o capítulo «Europa Global» teria sido 0,9% mais baixa, ou seja de 1,4 % e, portanto, aquém do limiar de materialidade;

259.  Salienta que, relativamente ao nível de erro calculado,

(a)  37% é imputável a despesas relativamente às quais não foram fornecidos documentos comprovativos essenciais;

(b)  28% diz respeito a dois casos em que a Comissão aceitou despesas que não tinham sido efetivamente realizadas; lamenta que esta situação já tivesse sido detetada no ano passado e recorda que os testes de operações realizados pelo Tribunal revelaram algumas insuficiências de controlo nos sistemas da Comissão;

(c)  26% diz respeito às despesas inelegíveis: ou seja, despesas relativas a atividades não abrangidas por um contrato ou efetuadas fora do período de elegibilidade, incumprimento da regra de origem, impostos inelegíveis e custos indiretos incorretamente apresentados como custos diretos;

Declaração de fiabilidade

260.  Manifesta profunda preocupação com o facto de, segundo o Tribunal, os auditores da DG NEAR terem detetado falhas na gestão indireta do segundo instrumento de assistência de pré-adesão (IPA II), mais especificamente ao nível das autoridades de auditoria de três países beneficiários deste instrumento (Albânia, Turquia e Sérvia), não obstante o facto de as autoridades de auditoria albanesas e sérvias terem introduzido alterações destinadas a solucionar os problemas detetados; no caso da Turquia, persistem alguns domínios significativos dos sistemas da autoridade de auditoria que poderão ainda limitar a garantia que esta pode fornecer à Comissão (relatório anual do Tribunal relativo a 2016, ponto 9.24);

261.  Expressa preocupação pelo facto de o Tribunal ter concluído que a capacidade corretiva da DG NEAR foi sobrestimada, o que se aplica igualmente ao montante global em risco no momento do pagamento;

Desempenho

262.  Regista que a DG DEVCO definiu, no seu RAA, indicadores de desempenho fundamentais em matéria de desenvolvimento humano, alterações climáticas, género e taxa de erro, mas lamenta que nenhum desses indicadores seja capaz de medir o desempenho da política de cooperação para o desenvolvimento, visto que apenas indicam a proporção da ajuda afetada a cada um dos objetivos, em vez de medir o verdadeiro impacto, assim como os progressos realizados para cumprir os objetivos;

263.   Expressa preocupação pelo facto de o Serviço de Auditoria Interna da Comissão ter declarado que, em termos de relatórios, o tipo de informação sobre o desempenho da DG DEVCO facultado pelos diferentes relatórios de planeamento estratégico e programação (RAA, relatório dos gestores orçamentais subdelegados, RGAE) é limitado e não fornece uma avaliação real sobre a consecução ou a não consecução dos objetivos;

Relatórios sobre a gestão da assistência externa

264.  Lamenta novamente que os relatórios sobre a gestão da assistência externa (RGAE) apresentados pelos chefes das delegações da União não tenham sido anexados aos relatórios anuais de atividades da DG DEVCO e da DG NEAR, tal como previsto no artigo 67.º, n.º 3 do Regulamento Financeiro; lamenta que estes relatórios sejam sistematicamente considerados confidenciais, quando, nos termos do artigo 67.º, n.º 3, do Regulamento Financeiro, deveriam ser «postos à disposição do Parlamento Europeu e do Conselho, tendo devidamente em conta, se for caso disso, a sua confidencialidade»;

265.  Toma nota do facto de, na resposta à carta do relator, o Comissário Günther Oettinger ter referido que a Comissão está atualmente a estudar um novo formato para os relatórios, que permita a transmissão ao Parlamento sem necessidade de procedimentos de confidencialidade, mas de uma forma que não prejudique a política diplomática da União;

266.  Congratula-se com o facto de a DG DEVCO ter tornado pública a lista das delegações envolvidas na gestão da assistência externa e ter fornecido uma análise resumida sobre os indicadores de desempenho fundamentais da DG DEVCO no seu RAA; insiste, porém, em que o Regulamento Financeiro seja plenamente respeitado;

Fundos fiduciários

267.  Recorda que a possibilidade de a Comissão criar e gerir fundos fiduciários da União tem por objetivo:

(a)  Reforçar o papel internacional da União e aumentar a visibilidade e a eficácia da sua ação externa e da ajuda ao desenvolvimento;

(b)  Prever um processo decisório acelerado para a seleção das medidas a aplicar, o que é fundamental para as ações de emergência e de pós-emergência;

(c)  Assegurar a mobilização de recursos adicionais dedicados à ação externa; e

(d)  Aumentar, através da congregação de recursos, a coordenação entre os diferentes doadores da União em domínios de intervenção específicos;

268.  À luz das recentes experiências, manifesta algumas dúvidas quanto à consecução dos principais objetivos visados pela criação de fundos fiduciários e observa, nomeadamente, que:

(a)  O efeito de alavanca destes novos instrumentos não está necessariamente garantido, visto que o contributo de outros doadores é, em certos casos, muito limitado;

(b)  A visibilidade da ação externa da União não melhorou, embora existam diferentes acordos com as partes interessadas, e uma melhor coordenação da ação de todas as partes interessadas não está necessariamente garantida;

(c)  A preferência a priori por agências dos Estados-Membros em alguns dos acordos constitutivos dos fundos fiduciários conduz a um conflito de interesses e não a um incentivo para os Estados-Membros disponibilizarem mais recursos financeiros;

269.  Recorda, em particular, que o Fundo Fiduciário para África ascende a mais de 3,2 mil milhões de EUR, dos quais mais de 2,9 mil milhões de EUR provêm do Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED) e 228,667 milhões de EUR provêm de outros doadores; considera inaceitável que a participação do FED nos fundos fiduciários limite ainda mais a possibilidade de o Parlamento fiscalizar as despesas da UE;

270.  Salienta que a congregação de recursos do FED, do orçamento da União e de outros doadores não deve ter como consequência que os fundos reservados para os países ACP não cheguem aos beneficiários inicialmente previstos;

271.  Realça que a crescente utilização de outros mecanismos financeiros, nomeadamente fundos fiduciários, para a execução das políticas da União à margem do orçamento da UE pode comprometer o nível de prestação de contas e de transparência, uma vez que as modalidades de elaboração de relatórios, de auditoria e de controlo público não estão harmonizadas (relatório anual do Tribunal relativo a 2016, ponto 2.31); salienta, por conseguinte, a importância do compromisso assumido pela Comissão no sentido de manter a autoridade orçamental periodicamente informada sobre o financiamento e as operações em curso e programadas dos fundos fiduciários, incluindo as contribuições dos Estados-Membros;

Fundos para a autoridade palestiniana

272.  Insiste em que os programas de ensino e formação financiados pelos fundos da União, tais como o mecanismo PEGASE, devem refletir valores comuns como a liberdade, a tolerância e a não discriminação na área do ensino, tal como decidido pelos ministros da educação da União, em Paris, em 17 de março de 2015;

Medidas a tomar

273.  Solicita à DG NEAR (relatório anual do Tribunal relativo a 2016, ponto 9.37) que:

(a)  Trabalhe em conjunto com as autoridades de auditoria nos países beneficiários do IPA II, a fim de melhorar as competências destas entidades;

(b)  Desenvolva índices de risco para melhorar a avaliação baseada nos modelos de controlo interno que a direção-geral acertadamente introduziu, de modo a melhor aferir o impacto dos erros;

(c)  Exponha adequadamente, no seu próximo relatório anual de atividades, o âmbito do estudo sobre a taxa de erro residual, bem como os limites inferior e superior de erro calculados;

(d)  Melhore o cálculo da capacidade corretiva relativamente a 2017, colmatando as lacunas identificadas pelo Tribunal;

274.  Insta a DG DEVCO e a DG NEAR a ponderarem definir, em cooperação com a DG HOME, um indicador de desempenho fundamental relativo à eliminação das causas subjacentes e profundas da migração em situação irregular;

275.  Solicita à Comissão que tome as medidas necessárias para corrigir as falhas detetadas pelo seu próprio Serviço de Auditoria Interna relativamente à comunicação de informações de desempenho da DG DEVCO e que converta o relatório sobre a gestão da assistência externa num documento fiável e integralmente público que consubstancie devidamente a declaração de fiabilidade dos chefes de delegação e do diretor-geral da DG DEVCO; insta a DG DEVCO a definir indicadores-chave de desempenho que permitam medir o desempenho da política de cooperação para o desenvolvimento; sem comprometer a intervenção diplomática da UE através das suas delegações;

276.  Considera essencial que a suspensão do financiamento de pré-adesão seja possível não só nos casos em que a utilização indevida de fundos foi comprovada, mas igualmente nos casos em que os países em fase de pré-adesão violam de algum modo os direitos consagrados na Declaração Universal dos Direitos do Homem;

277.  Salienta que os fundos fiduciários só devem ser estabelecidos quando a sua utilização se justifique e a ação necessária não seja possível através de outros canais de financiamento existentes; insta, neste contexto, a Comissão, aquando do estabelecimento de fundos fiduciários, a definir princípios orientadores para a realização de uma avaliação estruturada e concisa das vantagens dos fundos fiduciários comparativamente a outros veículos, bem como a analisar as lacunas específicas que os fundos fiduciários devem preencher; apela ainda à Comissão para que pondere eliminar os fundos fiduciários que não conseguem atrair contribuições significativas de outros doadores ou que não oferecem uma mais-valia comparativamente aos instrumentos externos «tradicionais» da UE;

278.  Lamenta profundamente a existência confirmada de casos de violência, abuso sexual e comportamentos totalmente inadequados da parte de trabalhadores que prestam ajuda humanitária às populações civis em situações de conflito e pós-conflito; observa que a Comissão declarou o seu empenho em proceder à análise e, se necessário, suspensão do financiamento dos parceiros que não respeitem as elevadas normas éticas exigidas; insta a Comissão, com vista a erradicar este flagelo e evitar repetições, a reforçar os mecanismos de prevenção no âmbito dos procedimentos de seleção de pessoal e, além disso, a disponibilizar formação inicial e contínua nesta matéria; apela ao desenvolvimento de uma política de proteção de denunciantes em tais casos;

279.  Exorta a Comissão a elaborar mais cuidadosamente os seus documentos de estratégia, de modo a fornecer uma avaliação mais completa e precisa das necessidades de financiamento e dos melhores instrumentos a utilizar;

280.  Insta a Comissão a garantir que os fundos da UE sejam desembolsados de acordo com as normas da UNESCO em matéria de paz e tolerância;

281.  Considera fundamental que a capacidade administrativa dos países que recebem financiamento seja ativamente apoiada pela Comissão através de uma assistência técnica adequada;

Migração e Segurança

282.  Observa que, no capítulo 8 sobre «segurança e cidadania»(12) do seu relatório anual, o Tribunal não calculou uma taxa de erro com base nas 15 operações que examinou, uma vez que esta amostra não tinha como objetivo ser representativa da despesa ao abrigo desta categoria do QFP;

283.  Regista com preocupação a conclusão do Tribunal segundo a qual dois anos após o início do período de programação de sete anos em vigor, a execução dos pagamentos com gestão partilhada do Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI(13)) e do Fundo de Segurança Interna (FSI) foi lenta (relatório anual do Tribunal relativo a 2016, caixa 8.2);

284.   Salienta que o Tribunal detetou várias falhas nos sistemas relacionadas com o SOLID, o FAMI e o FSI, tanto a nível da Comissão, como dos Estados-Membros;

285.  Lamenta em particular que:

(a)  O Tribunal tenha destacado o elevado número de projetos de programas do FAMI ou do FSI elaborados pelos Estados-Membros e revistos pela Comissão antes da respetiva aprovação, o que pode atrasar a execução;

(b)   Segundo o Tribunal, a avaliação, pela Comissão, dos sistemas dos Estados‑Membros relacionados com o FAMI e o FSI se baseie, amiúde, em informações insuficientemente pormenorizadas, nomeadamente em matéria de estratégias de auditoria;

(c)  Tenham ocorrido atrasos na comunicação dos relatórios de auditoria de conformidade ex post para os programas SOLID e que os procedimentos de controlo da qualidade aplicáveis a trabalhos de auditoria subcontratados não estejam suficientemente documentados;

286.  Lamenta que o Tribunal tenha igualmente detetado as seguintes lacunas ao nível dos Estados-Membros: controlos in loco insuficientemente documentados, ausência de uma ferramenta informática específica para a gestão e o controlo de fundos e algumas lacunas na auditoria efetuada pelas autoridades de auditoria dos Estados-Membros;

287.  Lamenta que o Tribunal tenha observado, no seu relatório anual, que o montante global dos fundos mobilizados para a crise dos refugiados e da migração não foi comunicado pela Comissão em 2016, sendo difícil de calcular (relatório anual do Tribunal, ponto 2.28);

288.  Lamenta que, em relação aos centros de registo, o Tribunal tenha concluído (Relatório Especial do tribunal n.º 6: 2017) que:

(a)  Apesar do considerável apoio por parte da União, no final de 2016, os centros de acolhimento na Grécia e na Itália continuavam a não ser adequados;

(b)  Ainda se verifica uma insuficiência de instalações adequadas para alojar os menores não acompanhados e para tratar dos respetivos processos em conformidade com as normas internacionais;

(c)  A abordagem dos centros de registo exige ainda que os migrantes sejam objeto de procedimentos de seguimento adequados, ou seja, ou procedimentos de pedido de asilo junto dos Estados-Membros, ou procedimentos de regresso ao país de origem, mas a aplicação destes procedimentos de seguimento é, muitas vezes, morosa e caracterizada por vários obstáculos, o que se pode repercutir no funcionamento dos centros de registo;

289.  Lamenta que, segundo a Human Rights Watch, as mulheres denunciem frequentemente casos de assédio sexual nos centros de registo na Grécia;

290.  Concorda com a apreciação do Tribunal sobre a falta de transparência na repartição do financiamento entre os recursos públicos e os recursos dos migrantes no que diz respeito à concessão de ajuda de emergência para o transporte dos migrantes oriundos de países terceiros a partir das ilhas gregas para o território continental grego, como referido no relatório anual do Tribunal (relatório anual do Tribunal relativo a 2016, caixa 8.4); recorda que a legislação da UE proíbe que os beneficiários de subvenções da União tenham lucros resultantes da execução de um projeto; considera que o caso em apreço suscita questões de reputação para a Comissão e põe em causa a sua gestão do ponto de vista ético;

Medidas a tomar

291.  Solicita:

(a)  à DG HOME que pondere definir, em colaboração com a DG DEVCO e a DG NEAR, um indicador de desempenho fundamental relativo à eliminação das causas profundas subjacentes da migração irregular;

(b)  à Comissão que reagrupe, sob uma única rubrica, as rubricas orçamentais destinadas a financiar a política em matéria de migração, com vista a aumentar a transparência;

(c)  à Comissão que defina estratégias específicas, em conjunto com as equipas de apoio da UE, para garantir a segurança das mulheres e dos menores acompanhados nos centros de registo;

(d)  à Comissão e aos Estados-Membros que tomem as medidas necessárias para disponibilizar instalações de acolhimento adequadas na Grécia e na Itália;

(e)  à Comissão e aos Estados-Membros que colmatem as lacunas dos sistemas detetadas pelo Tribunal em relação à gestão dos fundos FAMI e FSI;

(f)   à Comissão que forneça uma estimativa das despesas pagas por migrante/requerente de asilo por país;

(g)  à Comissão que crie um sistema de acompanhamento destinado a garantir que os direitos humanos dos refugiados e dos requerentes de asilo sejam respeitados;

(h)  à Comissão que reforce os controlos efetuados aos fundos para os refugiados, que são frequentemente atribuídos pelos Estados-Membros em situações de emergência sem respeitar as regras em vigor;

Código de conduta dos Comissários e procedimentos para a nomeação de altos funcionários

292.  Congratula-se pelo facto de a Comissão ter respondido adequadamente aos seus apelos para que revisse o Código de Conduta dos Comissários até ao final de 2017, nomeadamente em relação à definição do que constitui um conflito de interesses, à introdução de critérios para avaliar a compatibilidade da atividade profissional exercida após o mandato e à extensão do período de incompatibilidade para três anos para o Presidente da Comissão; observa que o novo código entrou em vigor em 1 de fevereiro deste ano;

293.  Recorda que a ausência de conflitos de interesses também deve ser um requisito prévio para a realização das audições dos comissários, pelo que os formulários de declaração de interesses financeiros devem ser preenchidos e disponibilizados antes do comissário ser ouvido pela comissão parlamentar competente e deve ser atualizado pelo menos uma vez por ano e de cada vez que haja alterações à informação nele contida;

294.  Considera que a Comissão deve responsabilizar mais os consultores especiais dos comissários e tornar transparente os vínculos profissionais e os antecedentes dos comissários, bem como permitir o seu escrutínio público, a fim de evitar potenciais conflitos de interesses, uma vez que têm acesso direto à Comissão; considera que estas medidas irão ajudar a limitar as eventuais atividades dos grupos de pressão ao mais alto nível pela porta das traseiras;

295.  Salienta que a extensão do período de incompatibilidade para três anos deve abranger os membros da Comissão, tal como solicitado pelo Parlamento em diversas ocasiões; insiste em que os pareceres do Comité de Ética sejam tornados públicos quando são emitidos;

296.  Receia que os processos de nomeação do Comité Independente de Ética não garantam a sua independência e salienta que os especialistas independentes não devem ter exercido o cargo de comissário nem um cargo de direção na Comissão; solicita à Comissão que adote novas regras relativas ao Comité Independente de Ética em conformidade com esta observação;

297.  Insta a Comissão, a fim de assegurar a administração pública europeia de excelência, a apresentar, antes do final de 2018, uma proposta de procedimento para a nomeação de altos funcionários, que assegure a seleção dos melhores candidatos num quadro de máxima transparência e de igualdade de oportunidades e que seja suficientemente abrangente para que seja aplicável a outras instituições, como o Parlamento e o Conselho;

298.  Solicita à Comissão que, tendo em vista o futuro, pondere introduzir as seguintes melhorias:

(a)  a aceitação de presentes de doadores dos Estados-Membros deve ser proibida (artigo 6.º, n.º 4);

(b)  a participação dos comissários na política nacional durante a vigência do seu mandato deve ser suspensa ou limitada à militância passiva num partido;

(c)   a referência à «utilização diplomática ou de cortesia» (artigo 6.º, n.os 2 e 5), que padece de uma falta de precisão e clareza e pode dar origem a abusos, deve ser clarificada;

(d)   a participação dos comissários em campanhas eleitorais nacionais deve ser alinhada com a participação na campanha para as eleições europeias (artigos 9.º e 10.º). Em ambos os casos, os comissários devem ser obrigados a pedir licença sem vencimento por motivos eleitorais;

(e)   os critérios para a eventual intervenção do Tribunal de Justiça da União Europeia ao abrigo do artigo 245.º ou 247.º do TFUE devem ser esclarecidos;

(f)  os Comissários devem declarar todos os seus interesses relevantes (enquanto acionistas, membros de conselhos de administração, consultores e conselheiros, membros de fundações, etc.) em vez de selecionar apenas aqueles que, em sua opinião, possam ser considerados suscetíveis de dar origem a um conflito de interesses;

(g)  as declarações de interesses devem ser melhoradas, em linha com a resolução do Parlamento, de 1 de dezembro de 2016, sobre as declarações de interesses dos comissários – diretrizes (2016/2080(INI));

Administração

Conclusões do Tribunal

299.  Observa que as instituições reduziram coletivamente em 4,0 % o número de lugares no quadro de pessoal no período compreendido entre 2013 e 2017 (de 39 649 para 38 072) e reduziram o número de efetivos (lugares efetivamente ocupados por um membro do pessoal) em 1,4 % entre 2013 e 2017 (de 37 153 para 36 657);

300.  Destaca ainda as conclusões adicionais do Tribunal:

«30. No entanto, durante o mesmo período, a autoridade orçamental criou novos lugares para as instituições, os órgãos e as agências no âmbito do processo orçamental anual. Estes lugares foram disponibilizados principalmente para o desenvolvimento das respetivas atividades (o que explica o aumento significativo de lugares concedidos às agências), para a adesão da Croácia e para os grupos políticos no Parlamento Europeu.

31. Consequentemente, o número de lugares nos quadros de pessoal diminuiu 1,1% entre 2012 e 2017, com variações significativas entre as instituições (-3,5 %), as agências descentralizadas (+13,7 %) e as agências de execução (+42,9 %). O número de lugares efetivamente ocupados entre 1 de janeiro de 2013 e 1 de janeiro de 2017 aumentou 0,4 % nesse período (-1,3 % nas instituições e organismos e +11,3 % nas agências, dos quais 9,6 % nas agências descentralizadas e 33,7 % nas agências de execução). A média de postos vagos diminuiu de 6,9 % em 1 de janeiro de 2013 para 4,5 % em 1 de janeiro de 2017, atingindo um nível inferior a 2 % em algumas instituições e organismos»(14);

301.  Observa com preocupação a discriminação persistente de que é vítima o pessoal da UE com sede no Luxemburgo, apesar de o acórdão do Tribunal de Justiça, de outubro de 2000, no processo Ferlini (C-411/98) e a Diretiva 2011/24/UE ambos condenarem a prática; salienta que a tarifação excessiva continua a ser praticada, recorrendo a dois acordos com a federação de hospitais (FH) do Luxemburgo e a Associação dos Médicos e Dentistas (AMD), que fixaram um limite de 15 % para a sobrefaturação, mas permitem uma tarifação excessiva de 500 % para os tratamentos efetuados em hospitais; deplora o facto de o acórdão do Tribunal de Justiça, de 2000, e de a Diretiva 2011/24/UE terem sido violados, não só pelos acordos, mas também por uma série de operadores nacionais de cuidados de saúde; solicita à Comissão que, em primeiro lugar, calcule o custo adicional anual decorrente da sobrefaturação ao orçamento da União Europeia (RCSD) e o justifique; em segundo lugar, que inicie um processo por infração ou uma ação judicial semelhante contra o Grão-Ducado; em terceiro lugar, que informe o Parlamento sobre o resultado da petição n.º 765, apresentado à Câmara dos Deputados do Luxemburgo, e da consulta pública aí realizada, em 19 de outubro de 2017; e, em quarto lugar, que proteste contra os dois acordos com a FH e a AMD;

302.  Congratula-se com as declarações do Comissário Oettinger sobre o final das restrições à política de pessoal, com o objetivo de evitar danos graves ao bom funcionamento das instituições europeias e à qualidade dos serviços públicos que a UE presta aos cidadãos europeus; salienta a importância de dispor de uma função pública europeia forte, ao serviço do cidadão e capaz de responder aos desafios enfrentados pela UE, de implementar as suas políticas com as mais elevadas normas de excelência e de profissionalismo e de prestar esse serviço com todos os recursos legais e orçamentais necessários; salienta uma vez mais a importância de tornar a função pública europeia atrativa para os jovens profissionais da UE; solicita à Comissão que elabore um relatório sobre as consequências das restrições para a atratividade da função pública da UE e a sua situação atual de recursos insuficientes que proponha soluções para ajudar a aproximar o serviço dos cidadãos europeus e aumentar o seu interesse em fazerem parte da mesma;

303.  Salienta a importância de se encontrar uma solução para o problema da faturação excessiva, e em muitos casos abusiva, das despesas médicas do pessoal e dos deputados do Parlamento em alguns Estados-Membros; exorta a Comissão a procurar soluções para este problema que, em países como o Luxemburgo, custa cerca de 2 milhões de euros por ano (por exemplo, negociações com os sistemas de segurança social dos Estados-Membros, públicos ou privados, a criação de um cartão semelhante ao Cartão Europeu de Seguro de Doença para viajar no estrangeiro, etc.);

Os edifícios Jean Monnet (JMO I e JMO II) no Luxemburgo

304.  Reconhece que a construção do novo edifício Jean Monnet (JMO II) regista um atraso considerável, associado a custos suplementares;

305.  Lamenta o facto de a Comissão e as autoridades luxemburguesas terem demorado 15 anos (1994-2009) a chegar a acordo sobre as modalidades futuras para o alojamento dos serviços da Comissão no Luxemburgo;

306.  Aguarda com expectativa a receção do historial completo do JMO I/JMO II relativamente ao período entre 1975 e 2011, tal como prometido pela Comissão nas suas respostas escritas, tendo em vista a preparação da audição com o Comissário Oettinger, em 23 de janeiro de 2018;

307.  Lamenta o facto de, apesar de ter sido elaborado um inventário completo dos materiais que contêm amianto no JMO I em 1997, a Comissão não ter abandonado o edifício até janeiro de 2014 e a empresa AIB-Vinçotte Luxemburg ter demorado até 2013 para rever as suas conclusões; observa que as placas de amianto presentes no JMO I tinham uma densidade inferior ao que se pensava anteriormente e que eram, por conseguinte, mais sensíveis aos choques mecânicos (bastando alguma fricção para libertar fibras para o ar, podendo então ser inaladas); considera que a Comissão, tendo em conta os graves riscos para a saúde resultantes da inalação de amianto, deveria ter tido em conta o relatório de peritagem e os pareceres qualificados de outros peritos na matéria, especialmente após o sucedido no edifício Berlaymont em Bruxelas; insta a Comissão a comunicar ao Parlamento se todos os trabalhadores foram devidamente informados da situação e dos graves riscos para a saúde incorridos, independentemente de ter sido detetada qualquer doença que possa ter resultado da inalação de partículas de amianto, e quais as medidas que foram tomadas nesses casos, bom como se foram tomadas medidas preventivas (testes de despistagem e de deteção precoce, etc.); solicita igualmente à Comissão que comunique se já iniciou qualquer processo contra a AIB-Vinçotte Luxembourg relativamente a esta questão;

308.  Regista que, em dezembro de 2015, a Comissão e as autoridades luxemburguesas concordaram em partilhar os custos associados à saída antecipada do JMO I; observa que estava inicialmente previsto que o edifício JMO II estivesse pronto em 31 de dezembro de 2014;

309.  Exorta a Comissão a prestar informações circunstanciadas sobre o custo da locação dos seis edifícios ocupados entretanto pela Comissão (ARIA, LACC, HITEC, DRB, BECH e T2) como resultado do atraso na entrega do edifício JMO II e as consequências da prorrogação dos contratos de locação; insta a Comissão a assegurar que as condições de trabalho sejam melhoradas nestes seis edifícios, em estreita colaboração com o Comité de Segurança e de Higiene no Trabalho (CSHT), e a concluir rapidamente as negociações com as autoridades luxemburguesas sobre a melhoria das condições de mobilidade e de acesso aos mesmos; recorda que devem ser criados serviços médicos em cada edifício em conformidade com a legislação luxemburguesa;

310.  Tomou conhecimento recentemente de que a primeira fase da construção do JMO II tem conclusão prevista para 2020 e a segunda fase para 2024; regista as seguintes explicações para os atrasos, apresentadas pela Comissão:

(a)  o consórcio de arquitetos KSP solicitou a revisão de determinadas cláusulas do contrato de gestão;

(b)  um dos concursos públicos relativos a terraplanagens registou problemas administrativos;

(c)  as medidas de segurança foram substancialmente alteradas;

311.  Pretende receber documentos comprovativos relativamente a estas justificações até 30 de junho de 2018;

Escolas Europeias

312.  Recorda que a Comissão financiou 61 % (177,8 milhões de euros) do orçamento das escolas para 2016;

313.  Lamenta que, decorridos mais de 15 anos(15), ainda não exista um sistema de boa gestão financeira para as Escolas Europeias;

314.  Destaca, neste contexto, o relatório do Tribunal sobre as contas anuais das Escolas Europeias relativas ao exercício de 2016, que revelou as seguintes lacunas(16):

«27. O Tribunal detetou lacunas graves na aplicação da contabilidade de exercício nas contas do Conselho Superior e das Escolas de Alicante e de Karlsruhe, em particular no cálculo e na contabilização das dotações provisionais para benefícios dos empregados e no registo das dívidas e dos créditos. Foram corrigidos erros materiais durante o processo de consolidação. Enquanto os sistemas de controlo interno das Escolas de Karlsruhe e Alicante revelaram falhas limitadas, continuam a existir importantes deficiências no sistema de controlo interno do Conselho Superior. Os relatórios de auditoria do auditor externo independente também revelaram insuficiências significativas nos procedimentos de recrutamento, adjudicação de contratos e pagamento. O Tribunal não pode, por conseguinte, confirmar que a gestão financeira foi realizada em conformidade com o quadro geral.»

315.  Considera, portanto, que o diretor-geral agiu de forma coerente ao limitar a sua declaração de fiabilidade: «O Diretor-Geral, na sua qualidade de gestor orçamental delegado, assinou a declaração de fiabilidade com uma reserva de reputação relativa à gestão eficaz de alguns dos fundos da Comissão afetados às Escolas Europeias»(17);

316.  Lamenta o facto de o relatório do Tribunal sobre as contas anuais das Escolas Europeias relativas ao exercício de 2016 ter revelado inúmeras lacunas: considera que a responsabilização financeira do sistema das Escolas Europeias deve ser aumentada para um nível adequado através de um processo de quitação específico para os 177,8 milhões de EUR colocados à sua disposição;

317.  Reitera a opinião do Parlamento de que é urgentemente necessária uma «análise global» do sistema das Escolas Europeias para ponderar uma reforma que abranja questões relacionadas com a gestão, financeiras, organizacionais e pedagógicas e recorda o seu pedido de que a Comissão apresente anualmente, ao Parlamento, um relatório sobre a avaliação dos progressos nestes domínios;

318.  Solicita à Comissão que esclareça quando é que espera ver instaurado um sistema de boa gestão financeira para as Escolas Europeias; insta a Comissão a tomar todas as medidas necessárias para assegurar a introdução de um bom sistema de gestão financeira para as Escolas Europeias com a maior brevidade possível;

Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF)

319.  Manifesta surpresa pelo facto de o desenvolvimento de um novo sistema de gestão de processos, concebido internamente, ter um custo previsto de 12,2 milhões de EUR; solicita ao OLAF que esclareça se levou a cabo qualquer estudo de mercado sobre soluções mais baratas antes de incorrer nesta despesa; espera que a Comissão e o OLAF apresentem uma explicação pormenorizada dos custos estimados e das medidas adotadas para encontrar uma solução mais económica para a autoridade de quitação;

320.  Tem grandes reservas sobre:

(a)  a criação de postos de trabalho com o único objetivo de servir de plataforma para um destacamento,

(b)  um alto funcionário não respeitar o período de incompatibilidade antes de aceitar um cargo com ligações estreitas com o seu emprego anterior,

(c)  um alto funcionário correr o risco de cair numa situação de conflito de interesses entre a lealdade ao seu anterior e atual empregador;

Grupos de peritos

321.  Insta a Comissão a garantir uma composição equilibrada dos grupos de peritos; toma nota do relatório do Observatório Europeu das Empresas, de 14 de fevereiro de 2017, sobre os interesses das empresas continuarem a dominar os principais grupos de peritos(18); manifesta preocupação com a sua conclusão, especificamente no que diz respeito ao desequilíbrio entre os grupos de peritos GEAR2030, troca automática de informações sobre contas financeiras, Fórum Conjunto da UE em matéria de Preços de Transferência, Plataforma para a boa governação fiscal e o Grupo de Trabalho sobre Veículos a Motor, subgrupo emissões em condições reais de condução - veículos ligeiros; considera que o Parlamento ainda não recebeu uma resposta formal à sua resolução, de 14 de fevereiro de 2017, sobre o controlo do registo e da composição dos grupos de peritos da Comissão(19); insta a Comissão a dar uma resposta exaustiva sem demora;

Grupo Volkswagen

O jornalismo de investigação e a luta contra a corrupção

322.  Condena o assassinato do jornalista de investigação eslovaco, Jan Kuciak, e da sua noiva, Martina Kusnirova, em 22 de fevereiro de 2018; manifesta profunda preocupação com as informações segundo as quais esse assassinato poderia estar associado à transferência fraudulenta de fundos da União para um residente na Eslováquia com alegadas ligações ao grupo de criminalidade organizada 'Ndràngheta; exorta a Comissão e o OLAF a examinarem de perto esta questão e a apresentarem um relatório sobre a mesma no âmbito do seguimento dado à quitação da Comissão;

Subsídios transitórios

323.  Toma nota das conclusões e recomendações do estudo do Departamento Temático D sobre subsídios transitórios para antigos titulares de cargos da UE - muito poucas condições?; insta a Comissão a ter em conta estas recomendações e a iniciar uma revisão dos subsídios transitórios para os antigos titulares de cargos da UE, a fim de reforçar a transparência dos subsídios e a responsabilização do orçamento da UE perante os cidadãos;

Agências de Execução

324.  Solicita às agências de execução em causa que:

(a)  sigam e apliquem as recomendações do Serviço de Auditoria Interna;

(b)  evitem transições de dotações, tanto quanto possível, e recorram a dotações orçamentais diferenciadas, a fim de melhor refletir melhor a natureza plurianual das operações;

(c)  mantenham registos pormenorizados e exaustivos dos contratos públicos e dos procedimentos de recrutamento.

Pareceres das comissões parlamentares

Assuntos Externos

325.  Regista o relatório final sobre a avaliação externa do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), publicado em junho de 2017; saúda as indicações de que a observação eleitoral está a contribuir para os objetivos gerais e específicos do IEDDH; sublinha a importância de garantir um apoio contínuo entre as populações locais no que toca às missões de observação eleitoral; para o efeito, chama a atenção para a necessidade de garantir uma boa relação custo-eficácia e de introduzir a proporcionalidade entre os recursos utilizados nas missões de observação eleitoral e o seguimento das suas recomendações; insta a Comissão a tomar em consideração as propostas apresentadas no relatório final sobre a avaliação externa do IEDDH, a fim de reforçar o seguimento das recomendações que resultam da observação de eleições;

326.  Congratula-se com os progressos realizados, mas assinala que 4 das 10 missões civis no âmbito da Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD) ainda não foram reconhecidas pela Comissão como estando conformes com o artigo 60.º do Regulamento Financeiro; insta a Comissão a intensificar os trabalhos a fim de acreditar todas as missões civis realizadas no âmbito da PCSD, em consonância com a recomendação do Tribunal de Contas Europeu, para que lhes possam ser atribuídas tarefas de execução orçamental em regime de gestão indireta. Desenvolvimento e Cooperação

327.  Manifesta viva preocupação com a tendência notória evidenciada em propostas recentes da Comissão de ignorar disposições juridicamente vinculativas do Regulamento (UE) n.º 233/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho(20) no que respeita a despesas elegíveis para efeitos de Ajuda Pública ao Desenvolvimento e aos países elegíveis para financiamento a título do Instrumento de Cooperação para o Desenvolvimento (ICD); recorda que a legalidade das despesas da União é um princípio essencial da boa gestão financeira e que as considerações políticas não deveriam prevalecer sobre disposições jurídicas claramente enunciadas; reitera que o ICD é, principalmente, um instrumento destinado a combater a pobreza;

328.  Concorda com o recurso a apoios orçamentais, mas exorta a Comissão a definir mais claramente os resultados a alcançar em termos de desenvolvimento para cada caso, e sobretudo a melhorar os mecanismos de controlo no que respeita à conduta dos Estados beneficiários nos domínios da corrupção, do respeito pelos direitos humanos, do Estado de direito e da democracia; manifesta a sua profunda preocupação com a potencial utilização de apoios orçamentais em países que carecem de controlo democrático, quer devido à ausência de uma democracia parlamentar viável, de liberdades da sociedade civil e dos meios de comunicação social, quer devido à falta de capacidade por parte dos organismos de supervisão;

329.  Manifesta preocupação com a declaração do Tribunal de que existe um risco grave de a União não conseguir atingir o seu objetivo de integração das alterações climáticas em todo o orçamento da UE e que objetivo de consagrar 20 % das suas despesas a medidas relacionadas com o clima não seja alcançado;

330.  Manifesta a sua preocupação com o facto de o Tribunal não ter considerado totalmente fiável o sistema da União para a certificação de biocombustíveis sustentáveis; sublinha as consequências potencialmente negativas para os países em desenvolvimento, tal como declarado pelo Tribunal: «a Comissão não exigiu aos regimes voluntários que verificassem se a produção de biocombustíveis por eles certificada não gerava riscos significativos de efeitos socioeconómicos negativos, tais como os conflitos de propriedade fundiária, o trabalho forçado ou infantil, as más condições de trabalho dos agricultores, os riscos para a saúde e a segurança» pelo que solicita à Comissão que aborde esta questão;

331.  Espera ser plenamente informado e consultado sobre a revisão intercalar do ICD, que deve ter em conta a Agenda 2030 e um novo Consenso Europeu sobre o Desenvolvimento;

332.  Insta a Comissão a integrar uma abordagem do desenvolvimento baseada em incentivos adotando o princípio «mais por mais» e tomando como exemplo a Política Europeia de Vizinhança; manifesta a sua convicção de que quanto mais e quanto mais rapidamente um país progredir nas suas reformas internas visando a criação e consolidação de instituições democráticas, a erradicação da corrupção e o respeito dos direitos humanos e do Estado de direito, tanto mais apoios deve receber da UE; salienta que com esta abordagem de «condicionalidade positiva», juntamente com uma forte tónica no financiamento de projetos de pequena escala para as comunidades rurais, se poderá lograr uma verdadeira mudança e garantir que o dinheiro dos contribuintes da UE será gasto de forma mais sustentável; por outro lado, condena vivamente toda e qualquer tentativa para fazer depender a ajuda do controlo de fronteiras;

Emprego e Assuntos Sociais

333.  Manifesta a sua preocupação pelo facto de, no âmbito da análise pelo Tribunal dos 168 projetos concluídos no domínio de despesa «Coesão económica, social e territorial», apenas um terço dispor de um sistema de medição do desempenho com indicadores de realizações e de resultados relacionados com os objetivos do programa operacional e 42 % não terem indicadores ou metas de resultados, o que leva a que seja impossível avaliar o contributo desses projetos para os objetivos globais do programa;

334.  Toma nota da recomendação do Tribunal no sentido de que, quando reexaminar a conceção e o mecanismo de execução dos FEEI após 2020, a Comissão deve reforçar a incidência do programa no desempenho e simplificar o mecanismo de pagamentos, incentivando, se necessário, a introdução de mais medidas que associem o nível dos pagamentos ao desempenho, em vez de simplesmente reembolsar as despesas;

335.  Congratula-se com os resultados alcançados nos três eixos do Programa da União Europeia para o Emprego e a Inovação Social (EaSI) em 2016; chama a atenção para a importância do apoio do EaSI, e, em particular, dos seus eixos Progress e da rede de Serviços Europeus de Emprego (EURES), para a aplicação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais; assinala com preocupação que a secção temática Empreendedorismo Social no âmbito do eixo Microfinanciamento e Empreendedorismo Social do EaSI continua a registar um nível de desempenho insatisfatório e solicita à Comissão que insista em que o Fundo Europeu de Investimento se comprometa a utilizar integralmente os recursos da secção temática Empreendedorismo Social;

Ambiente, Saúde Pública e Segurança Alimentar

336.  Realça que um plano de ação foi criado em 2016, na sequência das observações do Tribunal, a fim de garantir melhorias nos pagamentos em atraso no âmbito do programa LIFE; verifica que a taxa de pagamentos em atraso em 2016 atingiu os 3,9 %;

337.  Lamenta que não exista um quadro específico de relato gerido pela Comissão no que se refere à identificação e medição das implicações indesejadas das políticas da União que contribuem negativamente para as alterações climáticas, bem como à quantificação dos efeitos dessas despesas no orçamento total da União;

338.  Realça que as auditorias internas também revelaram que havia atrasos na execução de uma recomendação muito importante ligada à segurança informática (sobre a gestão da segurança do sistema informático do RCLE da UE), o que expõe a DG ao risco de violações da segurança;

339.  Assinala que a avaliação ex post do segundo Programa Saúde, concluída em julho de 2016, demonstrou que, embora o Programa tenha produzido resultados valiosos com uma ligação clara às prioridades da política nacional de saúde da União, ainda há margem para melhorias no que diz respeito à divulgação das realizações da ação e às sinergias com outros instrumentos de financiamento da União, como os fundos estruturais;

Transportes e Turismo

340.  Lamenta que, num momento em que o próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP) está a ser preparado, o Tribunal não tenha fornecido quaisquer informações completas sobre as auditorias realizadas no setor dos transportes, no domínio da «competitividade para o crescimento e o emprego», nomeadamente em relação ao MIE;

341.  Observa que, no final de 2016, o MIE tinha concedido apoios a 452 projetos no domínio dos transportes, que ascenderam a um total de 19,4 mil milhões de EUR em investimentos em toda a Europa; reitera a importância do instrumento de financiamento do MIE para a consecução da RTE-T e de um espaço único europeu dos transportes; realça que os cortes orçamentais que o MIE sofreu no passado, devido à transferência de fundos para iniciativa relativa ao Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), devem ser evitados no futuro;

342.  Assinala que, em 2016, o FEIE disponibilizou 3,64 mil milhões de EUR para financiar 29 operações: 25 projetos no domínio dos transportes e 4 fundos multissetoriais, com um investimento total esperado de 12,65 mil milhões de EUR; lamenta que a Comissão e o Banco Europeu de Investimento (BEI) não tenham comunicado informações completas por setor e numa base anual sobre os projetos apoiados pelo FEIE;

343.  Regista o lançamento, em 2016, do programa «Green Shipping Guarantee» através do novo instrumento financeiro do MIE – o Instrumento de Dívida do MIE – e do FEIE, que poderão conseguir mobilizar 3 mil milhões de EUR em investimentos para equipar navios com tecnologias ecológicas; insta a Comissão a comunicar informações pormenorizadas sobre a execução deste programa, incluindo sobre os aspetos financeiros e tecnológicos, e sobre os impactos ambientais e económicos;

344.  Observa que o número de instrumentos financeiros aumentou substancialmente, o que permite novas oportunidades de financiamento combinado no setor dos transportes, embora crie, ao mesmo tempo, uma complexa teia de regimes à margem do orçamento da União; manifesta preocupação perante a possibilidade de a existência destes instrumentos à margem do orçamento da União pôr em causa o nível de prestação de contas e de transparência, visto que as modalidades de comunicação de informações, auditoria e controlo público não estão harmonizadas; lamenta, além disso, que o recurso a fundos do FEIE implique uma delegação de poderes no BEI, sobre o qual as possibilidades de controlo público são mais limitadas do que no caso dos instrumentos apoiados pelo orçamento da União;

345.  Insta a Comissão a apresentar, de forma clara e oportuna, relativamente ao setor dos transportes, uma avaliação do impacto do FEIE noutros instrumentos financeiros, especialmente em relação ao MIE, e na coerência do Instrumento de Dívida do MIE com outras iniciativas da União, antes da apresentação da proposta relativa ao próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP) e da proposta relativa ao próximo MIE; apela a que esta avaliação apresente uma análise clara do equilíbrio geográfico dos investimentos no setor dos transportes; recorda, porém, que o montante de fundos desembolsados ao abrigo de um instrumento financeiro não deve ser considerado o único critério pertinente para avaliar o seu desempenho; convida, por conseguinte, a Comissão a aprofundar a sua avaliação dos resultados obtidos no âmbito dos projetos de transporte financiados pela União e a medir o respetivo valor acrescentado;

346.  Reitera o seu apelo à Comissão para que, atendendo à diversidade de fontes de financiamento, proporcione um acesso fácil aos projetos, sob a forma de um balcão único, a fim de permitir que os cidadãos possam seguir facilmente os desenvolvimentos e o financiamento das infraestruturas cofinanciadas com fundos da União e pelo FEIE;

347.  Solicita à Comissão que avalie a eficácia financeira do acordo com o Eurocontrol no que diz respeito ao órgão de análise do desempenho (PRB) e que apresente uma proposta no sentido de estabelecer o PRB enquanto regulador económico europeu sob a supervisão da Comissão; exorta a Comissão, além disso, a avançar com a proposta de nomeação dos gestores da rede enquanto prestadores de serviços autónomos, constituídos sob a forma de parceria setorial, tendo em conta a necessidade de estabelecer o mais rapidamente possível o Céu Único Europeu e a fim de aumentar a competitividade do setor da aviação;

348.  Insta a Comissão a apresentar uma avaliação do impacto dos projetos financiados pelos Estados-Membros no setor dos transportes ao abrigo da estratégia para o Danúbio e a elaborar uma proposta no sentido de reforçar o valor acrescentado de projetos futuros, com vista a contribuir para a conclusão desse importante corredor de transporte;

349.  Lamenta profundamente que, devido à ausência de uma rubrica orçamental especificamente dedicada ao turismo, exista falta de transparência na utilização de fundos da União para apoiar ações no domínio do turismo; reitera o seu pedido no sentido de criar uma rubrica orçamental dedicada ao turismo em futuros orçamentos da União;

Desenvolvimento Regional

350.  Salienta o papel das capacidades administrativas na utilização regular dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) e considera que um intercâmbio de boas práticas pode contribuir de forma eficaz para o reforço das capacidades dos Estados-Membros neste domínio;

351.  Manifesta profunda preocupação pelo facto de o principal atraso na execução das políticas de coesão económica, social e territorial ter agravado as várias desigualdades, tanto na União como nos Estados-Membros e nas regiões, colocando assim em risco a integridade da União;

352.  Toma nota do relatório estratégico de 2017 sobre a execução dos FEEI(21), salientando que, desde o início do período de financiamento, a seleção de projetos dos FEEI atingiu um valor total de 278 mil milhões de EUR, ou seja, 44% do investimento total programado para 2014-2020, valor esse que foi mobilizado para a economia real da Europa; considera que a aplicação dos programas para 2014-2020 atingiu a velocidade de cruzeiro, demonstrando não só o valor acrescentado que o investimento a título da política de coesão representa para todas as regiões da Europa, mas também a necessidade de continuar a envidar esforços para reforçar a capacidade administrativa das autoridades nacionais, regionais e locais;

Agricultura e Desenvolvimento Rural

353.  Congratula-se com o facto de o Sistema de Identificação das Parcelas Agrícolas (SIP) ter registado uma melhoria e uma maior precisão, o que faz dele uma ferramenta excelente para a redução da taxa de erro, bem como dos encargos administrativos para os agricultores e os organismos pagadores;

354.  Solicita à Comissão e aos Estados-Membros que acompanhem a volatilidade dos preços dos produtos agrícolas, que tem um impacto negativo nos rendimentos dos agricultores, e reajam rápida e eficazmente quando for necessário;

355.  Observa que o primeiro ano completo de aplicação da ecologização não teve, aparentemente, impacto na taxa de erro, o que pode ser considerado uma grande realização por parte dos agricultores e dos organismos pagadores, atendendo à complexidade das regras de ecologização; partilha, não obstante, da opinião da Comissão de que é ainda demasiado cedo para tirar conclusões sobre os resultados ambientais precisos; observa que há outros fatores, para além da ecologização, que influenciam também o desempenho ambiental do setor agrícola; sublinha que a ecologização constitui um exemplo da necessidade acrescida de auditoria de resultados também no domínio da agricultura;

356.  Congratula-se com o regime de ecologização e com o seu objetivo de tornar as explorações agrícolas da União mais respeitadoras do ambiente através das práticas de diversificação das culturas, da manutenção dos prados permanentes e da criação de superfícies de interesse ecológico em terras aráveis, tal como sublinhado pelo Relatório Anual do TCE;

357.  Recorda que existe uma diferença significativa nos tipos e na escala de erro, ou seja, entre a omissão sem dolo, que é de natureza administrativa, e os casos de fraude, e que, regra geral, as omissões não causam prejuízos financeiros ao contribuinte, o que também deve ser tido em conta na estimativa da taxa de erro real; recorda à Comissão que o risco de erros involuntários devido a uma regulamentação complexa é, em última análise, suportado pelo beneficiário; lamenta que, mesmo que o investimento tenha sido eficaz, as despesas sejam ainda assim consideradas 100 % inelegíveis pelo TCE em caso de erros nos contratos públicos; salienta, por conseguinte, que é desejável uma maior racionalização no método de cálculo do erro;

358.  Observa que o acesso aos dados e um bom acompanhamento, em especial, dos aspetos ambientais, são essenciais, atendendo a que alguns recursos naturais, como o solo e a biodiversidade, estão na base da produtividade agrícola a longo prazo;

359.  Espera que o TCE proceda a um ajustamento da sua abordagem de supervisão a fim de dar tanta importância à utilização de fundos como à atribuição dos mesmos;

Pescas

360.  Insta o Tribunal a apresentar, nos seus próximos relatórios, em separado, uma taxa de erro para as pescas e os assuntos marítimos, a fim de mitigar as distorções decorrentes da inclusão de outros domínios na mesma rubrica; constata que, no relatório anual do Tribunal, os assuntos marítimos e as pescas não são examinados com rigor suficiente, o que não facilita uma avaliação correta da gestão financeira;

361.  Felicita a Comissão pela taxa de execução particularmente elevada do título 11 da Secção III do orçamento para o exercício de 2016 (Assuntos Marítimos e Pescas), quer no que toca às dotações de autorização (99,2%), quer às dotações de pagamento (94,7%); salienta que, ao abrigo do artigo 13.º do Regulamento (UE) n.º 508/2014(22), os recursos orçamentais são discriminados em função da sua afetação, e que, por conseguinte, conviria que a Comissão precisasse, no seu relatório, a taxa de execução por rubricas orçamentais;

362.  Toma nota da reserva emitida no relatório de atividades da DG MARE relativamente às despesas não elegíveis detetadas no Fundo Europeu das Pescas (FEP), reserva essa que diz respeito a oito Estados-Membros;

363.  Incentiva os esforços da DG MARE de controlar as dotações em gestão partilhada, nomeadamente as ações relativas ao FEP e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP);

364.  Constata que o valor para o risco de perda de fundos corresponde a 5,9 milhões de euros e que a Comissão tomou as medidas necessárias para avaliar as despesas em 2017 e, se for caso disso, recuperar os fundos afetados;

365.  Constata que o nível de execução do FEAMP para o período 2014-2020, três anos após a sua adoção em 15 de maio de 2014, continua a não ser satisfatório, porquanto, até setembro de 2017, apenas foram utilizados 1,7% dos 5,7 mil milhões de EUR colocados à disposição em gestão partilhada; regista que o consumo do FEAMP é da responsabilidade dos Estados-Membros; salienta que, ao abrigo do artigo 13.º do Regulamento (UE) n.º 508/2014, os recursos orçamentais são discriminados em função da sua afetação, e que, por conseguinte, conviria que a Comissão precisasse, no seu relatório, a taxa de execução por rubricas orçamentais;

366.  Considera necessário prestar todo o apoio possível aos Estados-Membros para garantir uma utilização adequada e plena dos recursos do FEAMP, com elevadas taxas de execução, de acordo com as suas respetivas prioridades e necessidades, nomeadamente no tocante ao desenvolvimento sustentável do setor das pescas;

Cultura e Educação

367.  Congratula-se com o facto de o programa Erasmus + ter permitido que 500 000 pessoas, em 2016, tivessem estudado, recebido formação ou feito voluntariado no estrangeiro, e com o facto de o programa estar no bom caminho para atingir o seu objetivo de 4 milhões de participantes até 2020; salienta que os estudantes Erasmus+ têm tendência para desenvolver um vasto leque de aptidões, competências e conhecimentos transversais e têm melhores perspetivas de carreira do que os estudantes que não participam em ações de mobilidade e que este programa representa um investimento estratégico nos jovens europeus; salienta, no entanto, a necessidade de garantir uma maior acessibilidade dos programas, em particular aos jovens com menos oportunidades;

368.  Congratula-se com a transmissão eletrónica de grande parte do processo de candidatura ao financiamento do programa Erasmus+; considera, no entanto, que o processo pode ser ainda mais simplificado, mediante a eliminação da exigência de as cartas de mandato dos parceiros nos projetos serem assinadas à mão;

369.  Observa que continuam a existir problemas no acesso ao financiamento do programa Erasmus+ no domínio da juventude, os quais se devem à gestão descentralizada do programa pelas agências nacionais; insta a Comissão a tomar as medidas necessárias, como, por exemplo, centralizar uma parte deste financiamento na agência de execução; solicita, além disso, à Comissão que preveja os instrumentos necessários a uma maior participação de todos os beneficiários do programa, como, por exemplo, a criação de subcomités setoriais permanentes, tal como previsto no Regulamento (UE) n.º 1288/2013(23);

370.  Solicita que o que até agora foi determinante para o êxito do programa Erasmus +, a saber, os intercâmbios universitários, não fique comprometido devido à utilização dos fundos noutro programa ou ao alargamento deste programa a outros destinatários, como os migrantes;

371.  Manifesta-se alarmado com o problema crónico das baixas taxas de seleção de projetos no âmbito do programa «Europa para os cidadãos» e do subprograma «Cultura» do programa «Europa Criativa» (respetivamente 16 % e 11 % em 2016); salienta que as baixas taxas de seleção causam frustração nos candidatos e são sintomáticas dos níveis inadequados de financiamento, o que não corresponde aos objetivos ambiciosos dos programas;

372.  Salienta que a Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA) da Comissão Europeia afirma que o programa «Europa para os cidadãos» atingiu a plena maturidade em 2016, no seu terceiro ano de execução; insta, por conseguinte, a Comissão e o Conselho a terem devidamente em conta os longos períodos de tempo necessários para a plena execução dos novos programas no âmbito do QFP 2014-2020, a fim de evitar que esses atrasos se repitam no futuro quadro financeiro pós-2020;

373.  Louva o papel da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA) na execução dos três programas relativos à cultura e à educação, evidenciado na avaliação positiva do trabalho da Agência em 2016; congratula-se com o maior recurso da EACEA à comunicação eletrónica para os projetos financiados, o que deve melhorar a recolha de dados e o acompanhamento dos projetos, contribuir para o trabalho político da Comissão e ajudar os beneficiários; verifica com satisfação que a EACEA efetua 92 % dos seus pagamentos dentro dos prazos fixados pelo Regulamento Financeiro; insta a EACEA, tendo em conta que os beneficiários dos programas no domínio da educação e da cultura são frequentemente organizações muito pequenas, a envidar todos os esforços para obter melhores resultados, eventualmente através de um indicador dos prazos médios de pagamento;

374.  Toma nota do lançamento do mecanismo de garantia para os setores culturais e criativos, em 2016, com um orçamento de 121 milhões de euros até 2022, e com o interesse demonstrado desde o início pelo setor e pelos intermediários financeiros; apela à rápida disponibilização antecipada dos 60 milhões de euros previstos para o Mecanismo no âmbito do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE); recorda que os empréstimos complementam outras fontes de financiamento essenciais para o setor, tais como as subvenções;

375.  Manifesta preocupação com o baixíssimo nível de financiamento do FEIE a favor da educação e do setor cultural e criativo em 2016; considera que é essencial um apoio específico e setorial para assegurar que o setor cultural e criativo beneficie de empréstimos do FEIE;

376.  Reitera o seu apoio a uma cobertura mediática independente dos assuntos europeus, nomeadamente através do apoio orçamental às redes de televisão, de rádio e em linha; congratula-se com a continuação da subvenção a favor da Euranet+ até 2018 e insta a Comissão a encontrar um modelo de financiamento mais sustentável para a rede;

Liberdades Cívicas, Justiça e Assuntos Internos

377.  Relembra que também em 2016 foram largamente utilizados instrumentos especiais para dar resposta, nomeadamente, à situação humanitária dos requerentes de asilo na União e que, por conseguinte, existe o risco de os montantes remanescentes até ao final do atual QFP poderem não ser suficientes para dar resposta a acontecimentos imprevistos que possam ocorrer até 2020; insta a Comissão a resolver esta questão estrutural no próximo QFP e a informar o Parlamento de forma adequada;

378.  Exorta ao desenvolvimento de uma estratégia coerente e sistemática dotada de prioridades políticas e operacionais mais claras, mais fortes e a longo prazo para a proteção dos direitos e liberdades fundamentais, garantindo simultaneamente a sua aplicação efetiva, também através da atribuição de fundos suficientes para esse fim;

Direitos da Mulher e Igualdade dos Géneros

379.  Salienta que a igualdade entre homens e mulheres deve ser assegurada em todos os domínios de ação; reitera, por conseguinte, o seu apelo à aplicação da orçamentação sensível ao género em todas as fases do processo orçamental, incluindo por ocasião da execução do orçamento e da avaliação da sua execução;

380.  Lamenta que as rubricas orçamentais relativas ao Programa Direitos, Igualdade e Cidadania de 2014-2020 não especifiquem os recursos atribuídos a cada um dos objetivos do programa relacionados com a igualdade de género; congratula-se com o facto de, em 2016, a Rede de Mulheres Contra a Violência e o Lóbi Europeu de Mulheres terem recebido subvenções no âmbito da luta contra a violência exercida contra as mulheres e a favor da igualdade de género;

381.  Reitera o seu apelo para que se mantenha uma rubrica orçamental separada para o objetivo específico Daphne, dotada de recursos suplementares, de molde a anular a diminuição dos fundos destinados ao programa Daphne durante o período 2014-2020;

382.  Deplora o facto de o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos não incluir uma perspetiva de género e salienta que, para que o processo de recuperação seja bem-sucedido, é indispensável abordar o impacto das crises nas mulheres;

383.  Salienta que a integração da perspetiva de género constitui igualmente um dos princípios fundamentais do Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI); lamenta, no entanto, a ausência de ações específicas no domínio da igualdade de género com rubricas orçamentais específicas, apesar dos apelos reiterados do Parlamento para que a dimensão de género seja também tida em conta nas políticas de migração e asilo;

384.  Reitera o seu pedido para que, no conjunto de indicadores de resultados respeitantes à execução do orçamento da União, sejam também incluídos indicadores específicos por género, tendo em devida conta o princípio da boa gestão financeira, nomeadamente os princípios da economia, da eficiência e da eficácia;

385.  Solicita a realização de uma avaliação do impacto em função do género como parte da condicionalidade ex ante para a atribuição de fundos da UE, bem como a recolha de dados, se possível repartidos por sexo, sobre os beneficiários e os participantes;

386.  Congratula-se com o facto de a participação nas intervenções do Fundo Social Europeu em 2016 ter sido relativamente equilibrada em termos de género (52 % de mulheres face a 48 % de homens);

387.  Solicita que o Parlamento, o Conselho e a Comissão renovem o seu compromisso em matéria de igualdade de género no próximo QFP, através de uma declaração conjunta anexa ao QFP, que inclua o compromisso de levar a cabo uma orçamentação sensível ao género e um acompanhamento eficaz do respeito desta declaração nos processos orçamentais anuais, introduzindo uma disposição específica numa cláusula de revisão do novo regulamento relativo ao QFP.

31.1.2018

PARECER da Comissão dos Assuntos Externos

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relator de parecer: Cristian Dan Preda

SUGESTÕES

A Comissão dos Assuntos Externos insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Regista com satisfação a diminuição da taxa de erros materiais na categoria 4 no exercício de 2016, em comparação com 2015 (de 2,8 % para 2,1 %), tal como calculado pelo Tribunal de Contas Europeu (TCE) no seu relatório anual; apoia todas as recomendações formuladas pelo Tribunal de Contas e insta a Comissão a aplicá-las rapidamente;

2.  Sublinha que, se excluirmos as operações de apoio orçamental e os projetos financiados por diversos doadores, o nível de erro estimado é significativamente mais elevado; salienta que a Comissão poderia ter reduzido o nível de erro estimado em mais 0,7 %, se tivesse utilizado todas as informações ao seu dispor; insta a que as operações de apoio orçamental estejam ligadas a uma luta ativa contra a corrupção;

3.  Salienta que a maior parte dos erros (37 %) se deve à ausência de documentos comprovativos essenciais; recorda a importância de melhorar o controlo das subvenções e a assistência técnica prestada para este efeito; insta a Comissão a tomar as medidas necessárias nesse sentido;

4.  Sublinha que a comunicação geral de informações sobre as despesas em matéria de migração e crise dos refugiados tem de ser mais coerente e exaustiva; manifesta apreensão, neste contexto, com o facto de a utilização de outros mecanismos financeiros a par do orçamento da UE para a realização das políticas da UE, tais como fundos fiduciários e o Mecanismo em Favor dos Refugiados na Turquia, ter o risco de comprometer a prestação de contas e a transparência;

5.  Constata com preocupação as insuficiências das autoridades de auditoria que trabalham na gestão indireta em alguns países beneficiários do segundo Instrumento de Assistência de Pré-Adesão (IPA II); insta a DG NEAR a apoiar de perto as autoridades nacionais em causa na superação das insuficiências e, mais especificamente, na melhoria da metodologia de auditoria, da supervisão e do planeamento, assim como da formação e do recrutamento do seu pessoal; recorda que a atribuição dos fundos de pré-adesão deve estar associada a um compromisso com a realização de reformas e a um avanço destas reformas nos países beneficiários;

6.  Regista o relatório final sobre a avaliação externa do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), publicado em junho de 2017; saúda as indicações de que a observação eleitoral está a contribuir para os objetivos gerais e específicos do IEDDH; sublinha a importância de garantir um apoio contínuo entre as populações locais no que toca às missões de observação eleitoral; para o efeito, chama a atenção para a necessidade de garantir uma boa relação custo-eficácia e de introduzir a proporcionalidade entre os recursos utilizados nas missões de observação eleitoral e o seguimento das suas recomendações; insta a Comissão a tomar em consideração as propostas apresentadas no relatório final sobre a avaliação externa do IEDDH, a fim de reforçar o seguimento das recomendações que resultam da observação de eleições;

7.  Congratula-se com os progressos realizados, mas assinala que 4 das 10 missões civis no âmbito da Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD) ainda não foram reconhecidas pela Comissão como estando conformes com o artigo 60.º do Regulamento Financeiro; insta a Comissão a intensificar os trabalhos a fim de acreditar todas as missões civis realizadas no âmbito da PCSD, em consonância com a recomendação do Tribunal de Contas Europeu, para que lhes possam ser atribuídas tarefas de execução orçamental em regime de gestão indireta.

8.  Congratula-se com o relatório especial do Tribunal de Contas sobre a «Assistência da UE à Tunísia» e regista com agrado que, através do seu financiamento, a UE deu um contributo significativo e oportuno para a transição democrática e o desenvolvimento económico do país num contexto difícil; congratula-se com as recomendações do Tribunal de Contas e insta a Comissão a aplicá-las, incluindo a abordagem «mais por mais» e a necessidade de reduzir o número de prioridades, a fim de aumentar o impacto da ajuda da UE; insta a Comissão a explorar opções para acelerar os procedimentos de aprovação da assistência macrofinanceira, nomeadamente para o financiamento de emergência;

9.  Regista o relatório especial n.º 11/2017 do TCE sobre o fundo fiduciário Bêkou da UE para a República Centro-Africana; congratula-se com todas as recomendações do TCE e incentiva a Comissão a aplicá-las; neste contexto, sublinha em particular a importância de abordar as preocupações relativas à coordenação entre as partes interessadas, a atração de novos doadores, a transparência e a eficácia em termos de custos, bem como a necessidade de desenvolver plenamente os mecanismos de acompanhamento e de avaliação;

10.  Saúda igualmente o relatório especial do Tribunal de Contas Europeu sobre o «Apoio da UE na luta contra o tráfico de seres humanos no Sul e Sudeste Asiático»; exorta a Comissão, em coordenação com o SEAE, a prosseguir o desenvolvimento do quadro estratégico relativo à luta contra o tráfico de seres humanos, que diga também respeito à Ásia do Sul e ao Sudeste Asiático, para otimizar o impacto dos projetos realizados neste domínio e assegurar a sustentabilidade dos seus resultados;

11.  À luz do considerável apoio bilateral prestado à Líbia numa série de setores, incluindo a sociedade civil, a governação, a saúde, a educação, a migração e a proteção, o apoio ao processo político, a segurança e a mediação, solicita ao TCE que publique um Relatório Especial sobre a assistência da UE à Líbia.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

23.1.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

50

3

5

Deputados presentes no momento da votação final

Lars Adaktusson, Michèle Alliot-Marie, Nikos Androulakis, Francisco Assis, Petras Auštrevičius, Amjad Bashir, Bas Belder, Goffredo Maria Bettini, Victor Boştinaru, Elmar Brok, Klaus Buchner, James Carver, Fabio Massimo Castaldo, Lorenzo Cesa, Javier Couso Permuy, Arnaud Danjean, Georgios Epitideios, Eugen Freund, Michael Gahler, Iveta Grigule-Pēterse, Sandra Kalniete, Tunne Kelam, Janusz Korwin-Mikke, Andrey Kovatchev, Eduard Kukan, Ilhan Kyuchyuk, Ryszard Antoni Legutko, Sabine Lösing, Andrejs Mamikins, Alex Mayer, David McAllister, Tamás Meszerics, Francisco José Millán Mon, Clare Moody, Javier Nart, Pier Antonio Panzeri, Ioan Mircea Paşcu, Alojz Peterle, Tonino Picula, Jozo Radoš, Sofia Sakorafa, Alyn Smith, Jaromír Štětina, Dubravka Šuica, László Tőkés, Miguel Urbán Crespo, Ivo Vajgl

Suplentes presentes no momento da votação final

Brando Benifei, Rebecca Harms, Marek Jurek, Jo Leinen, Miroslav Poche, José Ignacio Salafranca Sánchez-Neyra, Traian Ungureanu, Bodil Valero, Marie-Christine Vergiat

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Teresa Jiménez-Becerril Barrio, Tiemo Wölken

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

50

+

ALDE

Petras Auštrevičius, Iveta Grigule-Pēterse, Ilhan Kyuchyuk, Javier Nart, Jozo Radoš, Ivo Vajgl

ECR

Amjad Bashir, Bas Belder, Marek Jurek, Ryszard Antoni Legutko

EFDD

Fabio Massimo Castaldo

PPE

Lars Adaktusson, Michèle Alliot-Marie, Elmar Brok, Lorenzo Cesa, Arnaud Danjean, Michael Gahler, Teresa Jiménez-Becerril Barrio, Sandra Kalniete, Tunne Kelam, Andrey Kovatchev, Eduard Kukan, David McAllister, Francisco José Millán Mon, Alojz Peterle, José Ignacio Salafranca Sánchez-Neyra, Jaromír Štětina, Dubravka Šuica, László Tőkés, Traian Ungureanu

S&D

Nikos Androulakis, Francisco Assis, Brando Benifei, Goffredo Maria Bettini, Victor Boştinaru, Eugen Freund, Jo Leinen, Andrejs Mamikins, Alex Mayer, Clare Moody, Pier Antonio Panzeri, Ioan Mircea Paşcu, Tonino Picula, Miroslav Poche, Tiemo Wölken

VERTS/ALE

Klaus Buchner, Rebecca Harms, Tamás Meszerics, Alyn Smith, Bodil Valero

3

-

EFDD

James Carver

NI

Georgios Epitideios, Janusz Korwin-Mikke

5

0

GUE/NGL

Javier Couso Permuy, Sabine Lösing, Sofia Sakorafa, Miguel Urbán Crespo, Marie-Christine Vergiat

Legenda dos símbolos:

+  :  a favor

-  :  contra

0  :  abstenção

2.2.2018

PARECER da Comissão do Desenvolvimento

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III - Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relator de parecer: Doru-Claudian Frunzulică

SUGESTÕES

A Comissão do Desenvolvimento insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Congratula-se com o Relatório Especial n.º 33/2016 do Tribunal de Contas Europeu («Tribunal») sobre o Mecanismo de Proteção Civil da União Europeia (MPCU); sublinha a conclusão do Tribunal de que a Comissão se tem revelado eficaz na generalidade no seu papel de coordenação, como se verificou durante as inundações na Bósnia-Herzegovina (2014), o surto do vírus Ébola na África Ocidental (2014-2016) e o terramoto no Nepal (2015); insta a Comissão a seguir as recomendações do Tribunal a fim de melhorar ainda mais o funcionamento do MPCU;

2.  Salienta os resultados positivos do Relatório Especial n.º 30/2016 do Tribunal sobre a eficácia do apoio da UE aos setores prioritários nas Honduras e do Relatório Especial n.º 3/2017 sobre a assistência da UE à Tunísia; destaca a avaliação do Tribunal, em conformidade com os relatórios especiais anteriores sobre as despesas da União com o desenvolvimento, segundo a qual os fundos da União têm sido gastos de forma adequada, o que atesta a elevada qualidade das despesas da União com o desenvolvimento; assinala o forte contraste com outros domínios políticos, como as despesas no domínio da migração externa, em relação às quais as conclusões são bastante mais negativas(24);

3.  Observa que, de acordo com o Relatório Especial n.º 9/2017 do Tribunal sobre o apoio da UE na luta contra o tráfico de seres humanos no Sul e Sudeste Asiático, a Estratégia da União para a Erradicação do Tráfico de Seres Humanos (Estratégia TSH) foi parcialmente eficaz no apoio à luta contra o tráfico de seres humanos nesta região, embora não seja clara a dimensão dos progressos alcançados em virtude da ação da União; assinala que não existe nenhuma parceria no âmbito da Estratégia TSH com qualquer dos países da região; constata que, apesar de a maioria dos projetos terem tido resultados positivos, estes resultados raramente são sustentáveis; lamenta a falta de apropriação e empenhamento nacionais; manifesta a sua preocupação com a durabilidade incerta dos resultados alcançados;

4.  Sente-se encorajada com as conclusões positivas constantes do Relatório Especial n.o 11/2017 do Tribunal sobre o Fundo Fiduciário Bêkou (Bêkou Trust Fund) para a República Centro-Africana, que responde às necessidades de ajuda de emergência e de reabilitação e associa esta resposta ao desenvolvimento; nota a diferença fundamental existente entre este tipo de fundos fiduciários e o Fundo Fiduciário para a África (Africa Trust Fund); apoia a recomendação no sentido de elaborar orientações para a escolha do instrumento de apoio, e sublinha que essas orientações devem refletir os possíveis riscos e desvantagens dos fundos fiduciários e os resultados mistos obtidos até agora na sua utilização; insta a Comissão a garantir, através de relatórios periódicos e detalhados, mecanismos eficazes para o controlo parlamentar sobre a forma como o Fundo está a ser utilizado;

5.  Manifesta viva preocupação com a tendência notória evidenciada em propostas recentes da Comissão de ignorar disposições juridicamente vinculativas do Regulamento (UE) n.º 233/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho(25) no que respeita a despesas elegíveis para efeitos de Ajuda Pública ao Desenvolvimento e aos países elegíveis para financiamento a título do Instrumento de Cooperação para o Desenvolvimento (ICD); recorda que a legalidade das despesas da União é um princípio essencial da boa gestão financeira e que as considerações políticas não deveriam prevalecer sobre disposições jurídicas claramente enunciadas; reitera que o ICD é, principalmente, um instrumento destinado a combater a pobreza;

6.  Concorda com o recurso a apoios orçamentais, mas exorta a Comissão a definir mais claramente os resultados a alcançar em termos de desenvolvimento para cada caso, e sobretudo a melhorar os mecanismos de controlo no que respeita à conduta dos Estados beneficiários nos domínios da corrupção, do respeito pelos direitos humanos, do Estado de direito e da democracia; manifesta a sua profunda preocupação com a potencial utilização de apoios orçamentais em países que carecem de controlo democrático, quer devido à ausência de uma democracia parlamentar viável, de liberdades da sociedade civil e dos meios de comunicação social, quer devido à falta de capacidade por parte dos organismos de supervisão; toma nota do Relatório Especial n.º 35/2016 do Tribunal sobre a utilização do apoio orçamental para melhorar a mobilização das receitas internas (MRI) na África Subsariana, que considera que as análises ex ante de MRI pela Comissão não são suficientemente pormenorizadas e não seguem as suas próprias orientações, que a Comissão muitas vezes não avalia as isenções fiscais e as saídas de capitais ilícitos e não examina devidamente os dividendos de extração, bem como se os direitos de acesso aos recursos naturais foram já pagos; manifesta a sua preocupação com a baixa utilização pela Comissão, e por vezes para fins não relevantes, das condições para MRI nos contratos de apoio orçamental;

7.  Manifesta preocupação com a declaração do Tribunal(26) de que existe um risco grave de a União não conseguir atingir o seu objetivo de integração das alterações climáticas em todo o orçamento da UE e que objetivo de consagrar 20 % das suas despesas a medidas relacionadas com o clima não seja alcançado;

8.  Manifesta a sua preocupação com o facto de o Tribunal não ter considerado totalmente fiável o sistema da União para a certificação de biocombustíveis sustentáveis(27); sublinha as consequências potencialmente negativas para os países em desenvolvimento, tal como declarado pelo Tribunal: «a Comissão não exigiu aos regimes voluntários que verificassem se a produção de biocombustíveis por eles certificada não gerava riscos significativos de efeitos socioeconómicos negativos, tais como os conflitos de propriedade fundiária, o trabalho forçado ou infantil, as más condições de trabalho dos agricultores, os riscos para a saúde e a segurança» pelo que solicita à Comissão que aborde esta questão;

9.  Salienta as conclusões do Tribunal no seu Relatório Especial n.º 8/2017 sobre o controlo das pescas da UE e lamenta as deficiências significativas detetadas; sublinha o risco significativo de que as capturas declaradas sejam inferiores às reais, o que pode ter graves consequências para as populações de peixes em águas de países em desenvolvimento; insta os Estados-Membros a aplicarem plenamente o Regulamento (CE) n.º 1224/2009 do Conselho(28);

10.  Espera ser plenamente informado e consultado sobre a revisão intercalar do ICD, que deve ter em conta a Agenda 2030 e um novo Consenso Europeu sobre o Desenvolvimento;

11.  Relembra o compromisso assumido coletivamente pela UE de aumentar a Ajuda Pública ao Desenvolvimento da União e dos seus Estados-Membros para 0,7 % do seu Rendimento Nacional Bruto;

12.  Insta a Comissão a integrar uma abordagem do desenvolvimento baseada em incentivos adotando o princípio «mais por mais» e tomando como exemplo a Política Europeia de Vizinhança; manifesta a sua convicção de que quanto mais e quanto mais rapidamente um país progredir nas suas reformas internas visando a criação e consolidação de instituições democráticas, a erradicação da corrupção e o respeito dos direitos humanos e do Estado de direito, tanto mais apoios deve receber da UE; salienta que com esta abordagem de «condicionalidade positiva», juntamente com uma forte tónica no financiamento de projetos de pequena escala para as comunidades rurais, se poderá lograr uma verdadeira mudança e garantir que o dinheiro dos contribuintes da UE será gasto de forma mais sustentável; por outro lado, condena vivamente toda e qualquer tentativa para fazer depender a ajuda do controlo de fronteiras.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

24.1.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

16

1

4

Deputados presentes no momento da votação final

Ignazio Corrao, Mireille D’Ornano, Doru-Claudian Frunzulică, Charles Goerens, Enrique Guerrero Salom, György Hölvényi, Arne Lietz, Linda McAvan, Norbert Neuser, Vincent Peillon, Lola Sánchez Caldentey, Elly Schlein, Eleftherios Synadinos, Bogdan Brunon Wenta, Joachim Zeller

Suplentes presentes no momento da votação final

Ádám Kósa, Paul Rübig, Judith Sargentini, Adam Szejnfeld

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Jean Lambert, Miroslav Mikolášik

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

16

+

ALDE

Charles Goerens

PPE

György Hölvényi, Ádám Kósa, Miroslav Mikolášik, Paul Rübig, Adam Szejnfeld, Bogdan Brunon Wenta

S&D

Doru-Claudian Frunzulică, Enrique Guerrero Salom, Arne Lietz, Linda McAvan, Norbert Neuser, Vincent Peillon, Elly Schlein

Verts/ALE

Jean Lambert, Judith Sargentini

1

-

NI

Eleftherios Synadinos

4

0

EFDD

Ignazio Corrao, Mireille D'Ornano

GUE/NGL

Lola Sánchez Caldentey

PPE

Joachim Zeller

Legenda dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

24.1.2018

PARECER da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III - Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relator de parecer: Claude Rolin

SUGESTÕES

A Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Observa que se verificou uma melhoria sustentada do nível global de erro estimado nos pagamentos efetuados a título do orçamento da UE nos últimos anos (4,4 % em 2014, 3,8 % em 2015, 3,1 % em 2016); observa ainda que os pagamentos baseados em direitos, uma parte significativa da despesa auditada que representa cerca de 49 % da despesa da União, apresentavam níveis (1,3 %) inferiores ao limiar de 2 % relativo ao nível de erro significativo; congratula-se com o facto de, pela primeira vez desde 1994, o Tribunal ter emitido um parecer com reservas no que diz respeito à regularidade das operações subjacentes às contas de 2016;

2.  Reconhece o impacto positivo global das medidas corretivas tomadas pelas autoridades dos Estados-Membros e pela Comissão no nível de erro estimado, e sem as quais o nível de erro estimado teria sido 1,2 % mais elevado;

3.  Regista com preocupação que o nível de erro estimado no domínio «Coesão económica, social e territorial » é de 4,8 %, o que permanece acima do limiar de materialidade de 2 % e do nível de erro para o orçamento da UE na sua totalidade (3,1 %); observa, no entanto, que tal representa uma ligeira diminuição relativamente ao ano anterior (5,2 %);

4.  Regista que o elevado nível de erro estimado no domínio da «Coesão económica, social e territorial» se deve essencialmente aos custos inelegíveis nas declarações dos beneficiários, à seleção de projetos, atividades e beneficiários inelegíveis e ao incumprimento da legislação em matéria de contratação pública; salienta a necessidade de tomar medidas eficazes para reduzir estas fontes de erro, garantindo simultaneamente um elevado desempenho;

5.  Observa com preocupação que o nível estimado de erro no domínio «Competitividade para o crescimento e o emprego» é de 4,1 % e que a maior parte dos erros diz respeito ao reembolso de despesas de pessoal inelegíveis e a custos indiretos declarados pelos beneficiários de projetos de investigação; salienta a necessidade de tomar medidas eficazes para reduzir estas fontes de erro, garantindo simultaneamente um elevado desempenho;

6.  Lamenta que, à imagem do que aconteceu em anos anteriores, os Estados-Membros dispusessem de informações suficientes para prevenir, ou para detetar e corrigir, um número significativo de erros; observa que, se essas informações tivessem sido utilizadas para corrigir os erros, o nível de erro estimado para a despesa total do domínio «Coesão económica, social e territorial» teria sido de 1,1 %, ou seja, inferior ao limiar de materialidade de 2 %, e para a despesa global no domínio «Competitividade para o crescimento e o emprego» teria sido de 2,9 %; toma nota da recomendação do Tribunal no sentido de que não seja introduzido um controlo adicional das despesas da União, mas que haja a garantia de que os mecanismos de controlo existentes sejam corretamente aplicados;

7.  Manifesta a sua preocupação pelo facto de, no âmbito da análise pelo Tribunal dos 168 projetos concluídos no domínio de despesa «Coesão económica, social e territorial», apenas um terço dispor de um sistema de medição do desempenho com indicadores de realizações e de resultados relacionados com os objetivos do programa operacional e 42 % não terem indicadores ou metas de resultados, o que leva a que seja impossível avaliar o contributo desses projetos para os objetivos globais do programa;

8.  Observa com preocupação que, três anos após o início do período de 2014-2020, os Estados-Membros designaram apenas 77 % das autoridades responsáveis pela execução dos FEEI e que os atrasos na execução orçamental em meados de 2017 eram superiores aos registados na mesma altura no período 2007-2013;

9.  Toma nota da recomendação do Tribunal no sentido de que, quando reexaminar a conceção e o mecanismo de execução dos FEEI após 2020, a Comissão deve reforçar a incidência do programa no desempenho e simplificar o mecanismo de pagamentos, incentivando, se necessário, a introdução de mais medidas que associem o nível dos pagamentos ao desempenho, em vez de simplesmente reembolsar as despesas;

10.  Chama a atenção para as observações do Tribunal no seu Relatório Anual sobre a execução do orçamento relativo ao exercício de 2016, segundo as quais, nos últimos cinco anos, não quantificou quaisquer erros relacionados com a utilização de opções de custos simplificados no tocante a operações no âmbito do domínio «Coesão económica, social e territorial»; considera, por conseguinte, que a promoção de uma maior utilização de opções de custos simplificados pode conduzir à redução dos encargos administrativos, a um menor número de erros do que o reembolso dos custos efetivos e a uma maior orientação para o desempenho e os resultados; convida, assim, a Comissão a continuar a prestar orientação e apoio aos Estados-Membros sobre a implementação das opções de custos simplificados devido à sua crescente aplicabilidade, facilitando a mais ampla utilização possível das opções de custos simplificados;

11.  Congratula-se com as realizações do Fundo Social Europeu (FSE) e da Iniciativa para o Emprego dos Jovens (IEJ) em 2016 e com o facto de estes fundos terem apoiado um número de pessoas quase três vezes superior em 2016 relativamente ao período 2015-2015 (7,8 milhões de pessoas em 2016, em comparação com 2,7 milhões de pessoas de 2014 a 2015); observa que, graças ao apoio do FSE e da IEJ, 787 000 participantes encontraram um emprego, 820 000 adquiriram uma qualificação e 276 000 seguiram programas de ensino ou formação;

12.  Congratula-se com os resultados alcançados nos três eixos do Programa da União Europeia para o Emprego e a Inovação Social (EaSI) em 2016; chama a atenção para a importância do apoio do EaSI, e, em particular, dos seus eixos Progress e da rede de Serviços Europeus de Emprego (EURES), para a aplicação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais; assinala com preocupação que a secção temática Empreendedorismo Social no âmbito do eixo Microfinanciamento e Empreendedorismo Social do EaSI continua a registar um nível de desempenho insatisfatório e solicita à Comissão que insista em que o Fundo Europeu de Investimento se comprometa a utilizar integralmente os recursos da secção temática Empreendedorismo Social.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃO NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

23.1.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

39

8

2

Deputados presentes no momento da votação final

Guillaume Balas, Vilija Blinkevičiūtė, Enrique Calvet Chambon, David Casa, Ole Christensen, Michael Detjen, Martina Dlabajová, Lampros Fountoulis, Arne Gericke, Marian Harkin, Czesław Hoc, Agnes Jongerius, Rina Ronja Kari, Jan Keller, Ádám Kósa, Agnieszka Kozłowska-Rajewicz, Jean Lambert, Jérôme Lavrilleux, Jeroen Lenaers, Verónica Lope Fontagné, Javi López, Thomas Mann, Dominique Martin, Anthea McIntyre, Joëlle Mélin, Elisabeth Morin-Chartier, João Pimenta Lopes, Georgi Pirinski, Marek Plura, Dennis Radtke, Terry Reintke, Claude Rolin, Siôn Simon, Romana Tomc, Ulrike Trebesius, Marita Ulvskog, Tatjana Ždanoka

Suplentes presentes no momento da votação final

Georges Bach, Lynn Boylan, Rosa D’Amato, Tania González Peñas, Krzysztof Hetman, Paloma López Bermejo, António Marinho e Pinto, Edouard Martin, Ivari Padar, Flavio Zanonato

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Geoffroy Didier, Morten Messerschmidt

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

39

+

ALDE

Enrique Calvet Chambon, Martina Dlabajová, Marian Harkin, António Marinho e Pinto

GUE/NGL

Lynn Boylan, Tania González Peñas, Rina Ronja Kari, Paloma López Bermejo

PPE

Georges Bach, David Casa, Geoffroy Didier, Krzysztof Hetman, Ádám Kósa, Agnieszka Kozłowska-Rajewicz, Jérôme Lavrilleux, Jeroen Lenaers, Verónica Lope Fontagné, Thomas Mann, Elisabeth Morin-Chartier, Marek Plura, Dennis Radtke, Claude Rolin, Romana Tomc

S&D

Guillaume Balas, Vilija Blinkevičiūtė, Ole Christensen, Michael Detjen, Agnes Jongerius, Jan Keller, Javi López, Edouard Martin, Ivari Padar, Georgi Pirinski, Siôn Simon, Marita Ulvskog, Flavio Zanonato

VERTS/ALE

Jean Lambert, Terry Reintke, Tatjana Ždanoka

8

-

ECR

Arne Gericke, Czesław Hoc, Anthea McIntyre, Morten Messerschmidt, Ulrike Trebesius

ENF

Dominique Martin, Joëlle Mélin

NI

Lampros Fountoulis

2

0

EFDD

Rosa D'Amato

GUE/NGL

João Pimenta Lopes

Chave dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenção

25.1.2018

PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III - Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relatora de parecer: Adina-Ioana Vălean

SUGESTÕES

A Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Manifesta a sua satisfação quanto à execução global pela Comissão das rubricas orçamentais relativas ao ambiente, à ação no domínio do clima, à saúde pública e à segurança alimentar em 2016;

2.  Congratula-se com o trabalho levado a cabo pelas cinco agências descentralizadas que se encontram no seu âmbito de competências e que exercem funções técnicas, científicas ou administrativas que ajudam as instituições da União a elaborar e a executar as políticas no domínio do ambiente, do clima, da saúde pública e da segurança alimentar, bem como com a forma como os seus orçamentos são executados;

3.  Regista, relativamente à secção «Desenvolvimento rural, pescas, ambiente e alterações climáticas» no capítulo relativo ao ambiente, uma ligeira redução da taxa de erro global no relatório do Tribunal de Contas Europeu (TCE) respeitante a 2016, que passou de 6,2 % em 2014 e 5,3 % em 2015 para 4,9 %; congratula-se com os esforços feitos no sentido de reduzir as taxas de erro, mas assinala que ainda há muito a fazer; observa ainda que, no que se refere ao ambiente, à ação climática e às pescas, 50 % das dez operações incluídas na amostra continham erros;

Ambiente e ação climática

4.  Salienta que o orçamento da DG ENV é executado essencialmente através de gestão centralizada direta, e que, em 2016, as dotações de autorização e pagamento ascenderam, respetivamente, a 438,31 milhões de EUR e 357,62 milhões de EUR; salienta que as taxas de execução das dotações de autorização atingiram 98,95 % e que as dotações de pagamento atingiram 99,17 % no final do ano, o que é satisfatório;

5.  Observa que em 2016 o programa LIFE concedeu 315 milhões de EUR para cofinanciar 157 projetos novos em 23 Estados-Membros, o que levou a mais 236 milhões de EUR de investimentos;

6.  Realça que um plano de ação foi criado em 2016, na sequência das observações do Tribunal, a fim de garantir melhorias nos pagamentos em atraso no âmbito do programa LIFE; verifica que a taxa de pagamentos em atraso em 2016 atingiu os 3,9 %;

7.  Lamenta que não exista um quadro específico de relato gerido pela Comissão no que se refere à identificação e medição das implicações indesejadas das políticas da União que contribuem negativamente para as alterações climáticas, bem como à quantificação dos efeitos dessas despesas no orçamento total da União;

8.  Toma nota de que as auditorias internas realizadas em 2016 revelaram que era possível introduzir melhorias na gestão dos recursos humanos da DG ENV, uma vez que esta não conseguiu acompanhar e comparar de forma eficaz o volume de trabalho no seu seio;

9.  Realça que as auditorias internas também revelaram que havia atrasos na execução de uma recomendação muito importante ligada à segurança informática (sobre a gestão da segurança do sistema informático do RCLE da UE), o que expõe a DG ao risco de violações da segurança;

10.  Salienta que o orçamento da DG CLIMA é executado essencialmente através de gestão centralizada direta, e que, em 2016, as dotações de autorização e pagamento ascenderam, respetivamente, a 118,1 milhões de EUR e 59,25 milhões de EUR; salienta que, embora tenha ascendido a 99,72 % das dotações de autorização, a taxa de execução foi apenas de 70,49 % para as dotações de pagamento, devido à assinatura apenas no final de dezembro de 2016 de três novas operações ao abrigo do instrumento financeiro Financiamento Privado para a Eficiência Energética (PF4EE);

Saúde Pública

11.  Observa que a DG SANTE foi responsável, em 2016, pela execução de 184,40 milhões de EUR inscritos nas rubricas orçamentais da saúde pública, dos quais 89,88 % foram atribuídos de forma satisfatória; toma nota de que o nível de execução das dotações para pagamentos se situa nos 89,86 %;

12.  Assinala que a avaliação ex post do segundo Programa Saúde, concluída em julho de 2016, demonstrou que, embora o Programa tenha produzido resultados valiosos com uma ligação clara às prioridades da política nacional de saúde da União, ainda há margem para melhorias no que diz respeito à divulgação das realizações da ação e às sinergias com outros instrumentos de financiamento da União, como os fundos estruturais;

Segurança alimentar, saúde e bem-estar dos animais e fitossanidade

13.  Observa que a DG SANTE foi responsável, em 2016, pela execução de 240,5 milhões de EUR inscritos nas rubricas orçamentais no domínio da segurança dos alimentos para consumo humano e animal, da saúde animal, do bem-estar animal e da fitossanidade, dos quais 98,37 % foram atribuídos de forma satisfatória; toma nota de que o nível de execução das dotações para pagamentos se situa nos 98,00 %;

14.  Regista que o Tribunal publicou um Relatório Especial sobre a auditoria de resultados nos programas de erradicação de doenças animais que abrange o período 2009-2014, que concluiu que a estratégia adotada pela Comissão foi correta e reconheceu alguns sucessos notáveis, tal como a diminuição dos casos de encefalopatia espongiforme bovina (EEB) em bovinos, de salmonelose em aves de capoeira e de raiva em animais selvagens;

15.  Assinala que o Tribunal publicou um Relatório Especial sobre a necessidade de mais esforços para implementar a rede Natura 2000 de forma a explorar plenamente o seu potencial que inclui recomendações de melhorias, tais como a estimativa mais precisa e completa das despesas efetivas e do financiamento necessário ao nível dos sítios;

16.  Toma nota de que, em 2016, a DG SANTE lançou o primeiro produto da iniciativa «Situação da Saúde na UE», o relatório conjunto da OCDE e da Comissão intitulado «Health at a Glance: Europe 2016» [A saúde num relance: Europa 2016], criou 23 Redes Europeias de Referência para doenças raras, instituiu um grupo de trabalho sobre a resistência antimicrobiana e estabeleceu uma nova plataforma da UE sobre as perdas e os desperdícios alimentares;

17.  Considera, com base nos dados disponíveis e no relatório de execução, que pode ser concedida quitação à Comissão pela execução das despesas nos domínios da política ambiental e climática, da saúde pública e da segurança alimentar relativas ao exercício de 2016.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

24.1.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

40

7

1

Deputados presentes no momento da votação final

Marco Affronte, Pilar Ayuso, Ivo Belet, Simona Bonafè, Biljana Borzan, Paul Brannen, Soledad Cabezón Ruiz, Nessa Childers, Birgit Collin-Langen, Seb Dance, Stefan Eck, José Inácio Faria, Francesc Gambús, Elisabetta Gardini, Gerben-Jan Gerbrandy, Arne Gericke, Julie Girling, Françoise Grossetête, Andrzej Grzyb, Jytte Guteland, Anneli Jäätteenmäki, Karin Kadenbach, Urszula Krupa, Giovanni La Via, Peter Liese, Susanne Melior, Gilles Pargneaux, Piernicola Pedicini, Bolesław G. Piecha, John Procter, Julia Reid, Frédérique Ries, Daciana Octavia Sârbu, Renate Sommer, Claudiu Ciprian Tănăsescu, Ivica Tolić, Adina-Ioana Vălean, Jadwiga Wiśniewska, Damiano Zoffoli

Suplentes presentes no momento da votação final

Martin Häusling, Norbert Lins, Nuno Melo, Ulrike Müller, Christel Schaldemose, Bart Staes, Keith Taylor, Carlos Zorrinho

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Jiří Maštálka

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

40

+

ALDE

Gerben-Jan Gerbrandy, Anneli Jäätteenmäki, Ulrike Müller, Frédérique Ries

GUE/NGL

Stefan Eck, Jiří Maštálka

PPE

Pilar Ayuso, Ivo Belet, Birgit Collin-Langen, José Inácio Faria, Francesc Gambús, Elisabetta Gardini, Françoise Grossetête, Andrzej Grzyb, Giovanni La Via, Peter Liese, Norbert Lins, Nuno Melo, Renate Sommer, Ivica Tolić, Adina-Ioana Vălean

S&D

Simona Bonafè, Biljana Borzan, Paul Brannen, Soledad Cabezón Ruiz, Nessa Childers, Seb Dance, Jytte Guteland, Karin Kadenbach, Susanne Melior, Gilles Pargneaux, Christel Schaldemose, Daciana Octavia Sârbu, Claudiu Ciprian Tănăsescu, Damiano Zoffoli, Carlos Zorrinho

VERTS/ALE

Marco Affronte, Martin Häusling, Bart Staes, Keith Taylor

7

-

ECR

Arne Gericke, Julie Girling, Urszula Krupa, Bolesław G. Piecha, John Procter, Jadwiga Wiśniewska

EFDD

Julia Reid

1

0

EFDD

Piernicola Pedicini

Legenda dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

20.2.2018

PARECER da Comissão dos Transportes e do Turismo

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relatora de parecer: Isabella De Monte

SUGESTÕES

A Comissão dos Transportes e do Turismo insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Regista as conclusões do Tribunal de Contas (a seguir «o Tribunal»), segundo o qual as contas consolidadas da União relativas ao exercício de 2016 são fiáveis e as operações subjacentes às contas da Comissão relativas ao exercício de 2016 são legais e regulares em todos os aspetos materialmente relevantes, com exceção dos pagamentos relativos ao reembolso de despesas afetados por erros; lamenta que a taxa global de erro, avaliada em 3,1%, tenha ficado acima do limiar de materialidade do Tribunal (2%); aguarda que o Tribunal apresente ao Parlamento um relatório pormenorizado sobre os erros;

2.   Saúda o facto de, pela primeira vez desde 1994, o Tribunal ter emitido um parecer com reservas sobre os pagamentos efetuados a partir do orçamento da União, o que reflete uma melhoria considerável das finanças da União;

3.  Lamenta que, num momento em que o próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP) está a ser preparado, o Tribunal não tenha fornecido quaisquer informações completas sobre as auditorias realizadas no setor dos transportes, no domínio da «competitividade para o crescimento e o emprego», nomeadamente em relação ao MIE;

4.  Regista a observação do Tribunal quanto ao risco de acumulação de créditos não pagos nos últimos anos do atual QFP e nos primeiros anos do próximo QFP; insta a Comissão a apresentar ao Parlamento e ao Conselho uma avaliação das implicações correspondentes, com recomendações específicas por setor;

5.  Observa que, em 2016, estavam disponíveis:

–   4346 milhões de EUR em dotações para autorizações e 2321 milhões de EUR em dotações para pagamentos a favor das políticas em matéria de transportes, incluindo o MIE, a segurança dos transportes e os direitos dos passageiros, as agências no domínio dos transportes e a investigação e inovação relacionadas com os transportes (Horizonte 2020),

–   3854,9 milhões de EUR em dotações para autorizações e 1794,6 milhões de EUR em dotações para pagamentos a favor da Agência de Execução para a Inovação e as Redes (INEA), no âmbito do MIE-Transportes (capítulo 06 02 01) e do Horizonte 2020 (Transportes – artigo 06 03 03);  

–   71,3 milhões de EUR em dotações para autorizações e pagamentos correspondentes a despesas administrativas;

6.  Observa que, no final de 2016, o MIE tinha concedido apoios a 452 projetos no domínio dos transportes, que ascenderam a um total de 19,4 mil milhões de EUR em investimentos em toda a Europa; reitera a importância do instrumento de financiamento do MIE para a consecução da RTE-T e de um espaço único europeu dos transportes; realça que os cortes orçamentais que o MIE sofreu no passado, devido à transferência de fundos para iniciativa relativa ao Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), devem ser evitados no futuro;

7.   Lamenta os progressos bastante limitados que foram alcançados em matéria de consecução das redes estratégicas no âmbito da RTE-T, previstas ao abrigo do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e do Fundo de Coesão; solicita à Comissão que procure formas de resolver os problemas associados às taxas de execução e aos desequilíbrios entre Estados-Membros; convida os coordenadores europeus da RTE-T a efetuarem uma avaliação rigorosa dos projetos concluídos e das melhorias alcançadas nos corredores da RTE-T no presente período de programação e a apresentarem esta avaliação à Comissão e ao Parlamento; insta, além disso, a Comissão a propor um mecanismo, que inclua assistência técnica, para aumentar o valor acrescentado dos fundos europeus no âmbito da conclusão dos corredores da RTE-T e para maximizar os seus progressos;

8.  Assinala que, em 2016, o FEIE disponibilizou 3,64 mil milhões de EUR para financiar 29 operações: 25 projetos no domínio dos transportes e 4 fundos multissetoriais, com um investimento total esperado de 12,65 mil milhões de EUR; lamenta que a Comissão e o Banco Europeu de Investimento (BEI) não tenham comunicado informações completas por setor e numa base anual sobre os projetos apoiados pelo FEIE;

9.  Regista o lançamento, em 2016, do programa «Green Shipping Guarantee» através do novo instrumento financeiro do MIE – o Instrumento de Dívida do MIE – e do FEIE, que poderão conseguir mobilizar 3 mil milhões de EUR em investimentos para equipar navios com tecnologias ecológicas; insta a Comissão a comunicar informações pormenorizadas sobre a execução deste programa, incluindo sobre os aspetos financeiros e tecnológicos, e sobre os impactos ambientais e económicos;

10.  Observa que o número de instrumentos financeiros aumentou substancialmente, o que permite novas oportunidades de financiamento combinado no setor dos transportes, embora crie, ao mesmo tempo, uma complexa teia de regimes à margem do orçamento da União; manifesta preocupação perante a possibilidade de a existência destes instrumentos à margem do orçamento da União pôr em causa o nível de prestação de contas e de transparência, visto que as modalidades de comunicação de informações, auditoria e controlo público não estão harmonizadas; lamenta, além disso, que o recurso a fundos do FEIE implique uma delegação de poderes no BEI, sobre o qual as possibilidades de controlo público são mais limitadas do que no caso dos instrumentos apoiados pelo orçamento da União;

11.  Subscreve as recomendações do Tribunal, em particular as que dizem respeito à necessidade de conceber uma reforma do sistema orçamental da União, nomeadamente a fim de melhor garantir que os regimes de financiamento no seu conjunto não sejam mais complexos do que o necessário para atingir os objetivos políticos da União e de assegurar a prestação de contas, a transparência e a possibilidade de realizar auditorias;

12.  Insta a Comissão a apresentar, de forma clara e oportuna, relativamente ao setor dos transportes, uma avaliação do impacto do FEIE noutros instrumentos financeiros, especialmente em relação ao MIE, e na coerência do Instrumento de Dívida do MIE com outras iniciativas da União, antes da apresentação da proposta relativa ao próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP) e da proposta relativa ao próximo MIE; apela a que esta avaliação apresente uma análise clara do equilíbrio geográfico dos investimentos no setor dos transportes; recorda, porém, que o montante de fundos desembolsados ao abrigo de um instrumento financeiro não deve ser considerado o único critério pertinente para avaliar o seu desempenho; convida, por conseguinte, a Comissão a aprofundar a sua avaliação dos resultados obtidos no âmbito dos projetos de transporte financiados pela União e a medir o respetivo valor acrescentado;

13.  Reitera o seu apelo à Comissão para que, atendendo à diversidade de fontes de financiamento, proporcione um acesso fácil aos projetos, sob a forma de um balcão único, a fim de permitir que os cidadãos possam seguir facilmente os desenvolvimentos e o financiamento das infraestruturas cofinanciadas com fundos da União e pelo FEIE;

14.  Observa que a investigação e a inovação representam 59% da despesa da subcategoria «Competitividade para o crescimento e o emprego» do QFP; manifesta preocupação perante a elevada taxa de erros (4,1%); salienta que a inovação é um dos pilares que permite garantir a sustentabilidade dos transportes; solicita à Comissão que apresente medidas de simplificação adicionais e que assegure a prestação de apoio técnico e financeiro, de modo a garantir que o financiamento seja utilizado de forma adequada e que mais participantes, em particular as PME, beneficiem dos fundos da União; reitera a necessidade de garantir financiamento suficiente da parte da União, sob a forma de subvenções, em benefício da investigação e da inovação no próximo QFP;

15.  Congratula-se com a declaração de serviços iniciais do programa Galileo em 2016; destaca a importância do EGNOS para o setor dos transportes; observa, a este respeito, que, no final de 2016, 219 aeroportos EGNOS da União tinham implantado procedimentos de aterragem baseados no EGNOS e que, no setor rodoviário, o número de pesados que utilizava o EGNOS para o pagamento de portagens ascendia a 1,1 milhões; solicita à Comissão que disponibilize, nos próximos orçamentos anuais, o financiamento necessário para assegurar uma cobertura do EGNOS em todo o território da UE;

16.  Solicita à Comissão que avalie a eficácia financeira do acordo com o Eurocontrol no que diz respeito ao órgão de análise do desempenho (PRB) e que apresente uma proposta no sentido de estabelecer o PRB enquanto regulador económico europeu sob a supervisão da Comissão; exorta a Comissão, além disso, a avançar com a proposta de nomeação dos gestores da rede enquanto prestadores de serviços autónomos, constituídos sob a forma de parceria setorial, tendo em conta a necessidade de estabelecer o mais rapidamente possível o Céu Único Europeu e a fim de aumentar a competitividade do setor da aviação;

17.  Assinala que a INEA adotou, em 2016, a sua Estratégia de Auditoria para o período de 2017-2024 e que ainda não estavam disponíveis as estatísticas relativas às taxas de erro, visto que as primeiras auditorias relativas ao MIE serão realizadas em 2017;

18.  Saúda a estratégia de controlo ex ante da INEA no domínio dos transportes, adotada em 2016, que integra as melhores práticas do programa RTE-T, bem como as especificidades do subprograma «Transportes» do MIE, e se baseia numa amostragem direcionada, com o objetivo de manter uma reduzida taxa de erro; congratula-se igualmente com o facto de os controlos ex ante permitirem avaliar, numa fase precoce, a legalidade e a regularidade das declarações de despesas apresentadas pelos beneficiários;

19.  Insta a Comissão a apresentar uma avaliação do impacto dos projetos financiados pelos Estados-Membros no setor dos transportes ao abrigo da estratégia para o Danúbio e a elaborar uma proposta no sentido de reforçar o valor acrescentado de projetos futuros, com vista a contribuir para a conclusão desse importante corredor de transporte;

20.  Lamenta profundamente que, devido à ausência de uma rubrica orçamental especificamente dedicada ao turismo, exista falta de transparência na utilização de fundos da União para apoiar ações no domínio do turismo; reitera o seu pedido no sentido de criar uma rubrica orçamental dedicada ao turismo em futuros orçamentos da União;

21.  Propõe que, em relação aos setores pertencentes à esfera de competências da Comissão dos Transportes e do Turismo, o Parlamento dê quitação à Comissão pela execução do orçamento geral da União para o exercício de 2016.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

20.2.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

37

4

1

Deputados presentes no momento da votação final

Daniela Aiuto, Lucy Anderson, Marie-Christine Arnautu, Georges Bach, Izaskun Bilbao Barandica, Deirdre Clune, Michael Cramer, Luis de Grandes Pascual, Andor Deli, Isabella De Monte, Ismail Ertug, Jacqueline Foster, Dieter-Lebrecht Koch, Miltiadis Kyrkos, Bogusław Liberadzki, Marian-Jean Marinescu, Renaud Muselier, Markus Pieper, Tomasz Piotr Poręba, Gabriele Preuß, Christine Revault d’Allonnes Bonnefoy, Dominique Riquet, Massimiliano Salini, Claudia Schmidt, Jill Seymour, Keith Taylor, Pavel Telička, István Ujhelyi, Wim van de Camp, Marie-Pierre Vieu, Janusz Zemke, Roberts Zīle, Elżbieta Katarzyna Łukacijewska

Suplentes presentes no momento da votação final

Jakop Dalunde, Michael Detjen, Markus Ferber, Maria Grapini, Rolandas Paksas, Jozo Radoš, Evžen Tošenovský, Henna Virkkunen

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Olle Ludvigsson

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

37

+

ALDE

Izaskun Bilbao Barandica, Jozo Radoš, Dominique Riquet, Pavel Telička

ECR

Tomasz Piotr Poręba, Evžen Tošenovský, Roberts Zīle

GUE/NGL

Marie-Pierre Vieu

PPE

Georges Bach, Deirdre Clune, Andor Deli, Markus Ferber, Dieter-Lebrecht Koch, Marian-Jean Marinescu, Renaud Muselier, Markus Pieper, Massimiliano Salini, Claudia Schmidt, Henna Virkkunen, Luis de Grandes Pascual, Wim van de Camp, Elżbieta Katarzyna Łukacijewska

S&D

Lucy Anderson, Isabella De Monte, Michael Detjen, Ismail Ertug, Maria Grapini, Miltiadis Kyrkos, Bogusław Liberadzki, Olle Ludvigsson, Gabriele Preuß, Christine Revault d'Allonnes Bonnefoy, István Ujhelyi, Janusz Zemke

VERTS/ALE

Michael Cramer, Jakop Dalunde, Keith Taylor

4

-

ECR

Jacqueline Foster

EFDD

Rolandas Paksas, Jill Seymour

ENF

Marie-Christine Arnautu

1

0

EFDD

Daniela Aiuto

Legenda dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

21.2.2018

PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016: Secção III - Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relator de parecer: Iskra Mihaylova

SUGESTÕES

A Comissão do Desenvolvimento Regional insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Assinala que, tal como indicado no relatório anual do Tribunal de Contas Europeu («o Tribunal»), o nível estimado de erro nas despesas com a «Coesão económica, social e territorial» diminuiu de 5,2 % em 2015 para 4,8 % em 2016; regista a melhoria sustentada constatada nos últimos três anos; congratula-se com o facto de o Tribunal ter emitido um parecer com reservas no que diz respeito à regularidade das operações subjacentes às contas de 2016; reconhece que a taxa de erro para o período de programação de 2007-2013 é significativamente inferior aos valores comunicados para o período anterior, o que demonstra o impacto positivo em geral das medidas corretivas adotadas; insta a Comissão a continuar a trabalhar com os Estados-Membros com vista ao aperfeiçoamento dos seus sistemas de gestão e de controlo e a continuar a utilizar os instrumentos jurídicos de supervisão disponíveis para garantir a correção de todos os erros materiais; tem em consideração os requisitos de qualidade adicionais para os programas do período de 2014-2020, que implicam um processo anual de aceitação de contas certificadas, tendo em vista uma redução duradoura da taxa de erros residuais; sublinha que uma maior simplificação das regras e uma redução dos encargos administrativos poderiam contribuir para reduzir ainda mais a taxa de erro;

2.  Assinala que, tal como em anos anteriores, os Estados-Membros dispunham de informações suficientes para evitar ou detetar e corrigir um número considerável de erros antes de pedirem o reembolso e a taxa estimada de erro poderia ter sido reduzida aquém do limiar de materialidade; toma nota da conclusão do Tribunal de que não é necessário submeter as despesas da UE a controlos adicionais, mas os controlos existentes devem ser aplicados corretamente; apela, por isso, aos Estados-Membros para que garantam a aplicação adequada dos seus sistemas de gestão e controlo, a fim de detetar e corrigir irregularidades com base nos seus próprios controlos e nas suas próprias auditorias; salienta que, relativamente ao novo período de 2014-2020, a capacidade de correção global é ainda reforçada pela possibilidade de a Comissão impor correções financeiras líquidas, em caso de deteção de deficiências graves, o que constituirá um importante incentivo para que os Estados-Membros detetem e corrijam irregularidades graves antes da certificação das contas anuais da Comissão; insta a Comissão a utilizar de forma eficaz todos os instrumentos à sua disposição, incluindo a assistência técnica, a fim de prestar apoio às autoridades dos Estados-Membros;

3.  Solicita aos Estados-Membros que, em cooperação com as suas autoridades nacionais, regionais e locais, continuem a lutar contra a fraude e mantenham os seus níveis de ambição no que respeita à prevenção de irregularidades, à prevenção e à deteção de fraudes e à maior redução das taxas de erro; considera que deve ser mantido o reforço das capacidades com vista à realização desse objetivo, inclusivamente em cooperação com as partes interessadas e através da implementação de Pactos de Integridade; sublinha a necessidade de uma comunicação clara e constante com o público relativamente à diferença entre fraude e erro; recorda que as irregularidades não são necessariamente todas uma fraude e que deve ser estabelecida uma distinção entre irregularidades fraudulentas e não fraudulentas; considera que é, em parte, por essa razão que a suspensão dos pagamentos em caso de irregularidades deve constituir apenas uma medida de último recurso;

4.  Salienta o papel das capacidades administrativas na utilização regular dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) e considera que um intercâmbio de boas práticas pode contribuir de forma eficaz para o reforço das capacidades dos Estados-Membros neste domínio;

5.  Observa que as principais fontes de erro foram a inclusão de custos inelegíveis nas declarações dos beneficiários (a inclusão de custos inelegíveis nas declarações de despesas representa 42 % do nível de erro estimado calculado pelo Tribunal), bem como violações das regras de contratação pública (30 % do nível de erro estimado); insta, neste contexto, a Comissão a adotar medidas preventivas e corretivas adequadas; manifesta a sua profunda preocupação com o facto de, segundo o Relatório Anual do Tribunal, três anos após o início do período de programação 2014-2020 os Estados-Membros só terem designado 77% das autoridades responsáveis pelos programas e insta os Estados-Membros e a Comissão a colaborarem estreitamente com vista à conclusão deste processo; insta a Comissão a proceder a uma análise da legislação relativa aos auxílios estatais e a propor alterações que permitam reduzir os encargos administrativos para as autoridades nacionais e os beneficiários, e eliminem os obstáculos que coloquem as empresas e organizações da União em desvantagem em relação aos seus concorrentes de países terceiros;

6.  Declara-se preocupado com os atrasos na realização dos programas para 2014-2020 dos FEEI e com as consequências para as regiões no que diz respeito à mobilização e utilização dos fundos da UE, e por conseguinte com a capacidade de prosseguir com os investimentos públicos cada vez mais necessários na sequência das várias crises da última década; salienta que, no final de 2016, o montante total das autorizações orçamentais atribuídas a projetos selecionados atingiu cerca de 186,6 mil milhões de euros, tendo sido pagos apenas 41,9 mil milhões, e acumulando assim mais de 77 % das autorizações não pagas (144,6 mil milhões de euros), principalmente por causa desses atrasos na realização; sublinha que se prevê que este valor aumente até 2020; salienta que a eliminação deste atraso acumulado deverá ser uma prioridade aquando do planeamento do próximo Quadro Financeiro Plurianual (QFP); realça que os atrasos na realização não devem, de forma alguma, ser interpretados como uma diminuição da necessidade de financiamento da UE;

7.  Recorda que os erros no domínio «Coesão económica, social e territorial» se devem essencialmente a beneficiários, atividades, projetos ou despesas inelegíveis (pagamentos de reembolso dos custos); salienta que o exercício de 2016 é o último em que todas as despesas objeto de auditoria estão relacionadas com o período 2007-2013 do QFP e que, nos próximos anos, se espera ver uma quota cada vez maior de fundos no QFP 2014‑2020;

8.  Manifesta profunda preocupação pelo facto de o principal atraso na execução das políticas de coesão económica, social e territorial ter agravado as várias desigualdades, tanto na União como nos Estados-Membros e nas regiões, colocando assim em risco a integridade da União;

9.  Toma nota do relatório estratégico de 2017 sobre a execução dos FEEI(29), salientando que, desde o início do período de financiamento, a seleção de projetos dos FEEI atingiu um valor total de 278 mil milhões de EUR, ou seja, 44% do investimento total programado para 2014-2020, valor esse que foi mobilizado para a economia real da Europa; considera que a aplicação dos programas para 2014-2020 atingiu a velocidade de cruzeiro, demonstrando não só o valor acrescentado que o investimento a título da política de coesão representa para todas as regiões da Europa, mas também a necessidade de continuar a envidar esforços para reforçar a capacidade administrativa das autoridades nacionais, regionais e locais;

10.  Salienta que, em meados de 2017, os atrasos na execução orçamental foram superiores aos registados no mesmo momento durante o período 2007-2013;

11.  Observa que a taxa média de desembolso dos instrumentos financeiros era apenas de 75 % no final de 2015; observa, no entanto, que o desembolso dos instrumentos financeiros aos beneficiários finais atingiu 93 % até 31 de março de 2017, e que um progresso significativo na taxa média de desembolso foi comunicado pela Comissão aquando do encerramento, o que demonstra a utilidade prática destes instrumentos; considera, no entanto, que as subvenções são a principal forma de apoio da política de coesão em virtude de nem todos os investimentos serem rentáveis ou apresentarem resultados quantificáveis a curto prazo; recorda que a revisão do Regulamento Financeiro, que deverá entrar em vigor em 2018, poderia contribuir significativamente para simplificar, aperfeiçoar e otimizar a sua utilização durante o atual período de programação; sublinha a necessidade de prosseguir as melhorias no que diz respeito à taxa de absorção;

12.  Congratula-se com o Relatório Especial n.º 5/2017 do Tribunal e exorta a Comissão e os Estados-Membros a aplicarem plenamente as recomendações do Tribunal, a fim de aumentar a cobertura e a eficácia dos programas da Garantia para a Juventude;

13.  Exorta a Comissão a ter em conta as recomendações do Tribunal formuladas no Relatório Anual de 2016 no que diz respeito ao quadro de elaboração de relatórios sobre o desempenho, e a adotar boas práticas internacionais no âmbito da revisão da eficácia dos indicadores utilizados na iniciativa da UE «Orçamento centrado nos resultados» (Budget Focused on Results – BFOR), e ainda a melhorar o atual sistema global de medição do desempenho, e também no quadro do reexame do mecanismo de execução pós-2020; salienta, por conseguinte, que a Comissão deve simplificar a avaliação do desempenho; insta a Comissão a reforçar a tónica dada pelos programas ao desempenho e a simplificar a aplicação dos FEEI;

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃO NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

20.2.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

36

2

0

Deputados presentes no momento da votação final

Mercedes Bresso, Steeve Briois, Andrea Cozzolino, Raymond Finch, John Flack, Iratxe García Pérez, Michela Giuffrida, Krzysztof Hetman, Ivan Jakovčić, Constanze Krehl, Sławomir Kłosowski, Louis-Joseph Manscour, Martina Michels, Iskra Mihaylova, Andrey Novakov, Paul Nuttall, Mirosław Piotrowski, Stanislav Polčák, Liliana Rodrigues, Fernando Ruas, Monika Smolková, Ruža Tomašić, Ramón Luis Valcárcel Siso, Ángela Vallina, Lambert van Nistelrooij, Kerstin Westphal, Joachim Zeller

Suplentes presentes no momento da votação final

Daniel Buda, Andor Deli, Ivana Maletić, Urmas Paet, Tonino Picula, Georgi Pirinski, Bronis Ropė, Milan Zver

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Eleonora Evi, Anna Hedh, Bogdan Brunon Wenta

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

36

+

ALDE

Ivan Jakovčić, Iskra Mihaylova, Urmas Paet

ECR

John Flack, Sławomir Kłosowski, Mirosław Piotrowski, Ruža Tomašić

EFDD

Eleonora Evi

ENF

Steeve Briois

GUE/NGL

Martina Michels, Ángela Vallina

PPE

Daniel Buda, Andor Deli, Krzysztof Hetman, Ivana Maletić, Lambert van Nistelrooij, Andrey Novakov, Stanislav Polčák, Fernando Ruas, Ramón Luis Valcárcel Siso, Bogdan Brunon Wenta, Joachim Zeller, Milan Zver

S&D

Mercedes Bresso, Andrea Cozzolino, Iratxe García Pérez, Michela Giuffrida, Anna Hedh, Constanze Krehl, Louis-Joseph Manscour, Tonino Picula, Georgi Pirinski, Liliana Rodrigues, Monika Smolková, Kerstin Westphal

VERTS/ALE

Bronis Ropė

2

-

EFDD

Raymond Finch, Paul Nuttall

0

0

 

 

Legenda dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

24.1.2018

PARECER da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relatora de parecer: Karin Kadenbach

SUGESTÕES

A Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Observa que, no que se refere à agricultura, o Tribunal de Contas Europeu (TCE) utilizou amostras de 217 operações do Fundo Europeu Agrícola de Garantia (FEAGA) em 21 países e de 163 operações em 20 países nos domínios da pesca, do ambiente/clima e do desenvolvimento rural (Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural), e congratula-se com a diminuição constante da taxa de erro para 2,5 % em 2016 (2,9 % em 2015) verificada pelo TCE para os «recursos naturais»;

2.  Assinala que a capacidade corretiva através das correções e recuperações financeiras foi reforçada, reduzindo assim significativamente o montante em risco para a política agrícola comum (PAC) em 2,04 % em 2016; observa que a taxa de risco se mantém (2,5 %), mas que o seu impacto financeiro é reduzido por estas correções e recuperações financeiras, porque parte dos montantes desembolsados erroneamente foi devolvida ao orçamento. 3.  Solicita à Comissão e aos Estados-Membros que assegurem que os recursos afetados à «Reserva para crises no setor agrícola» no orçamento de 2016 que não sejam utilizados sejam integralmente disponibilizados a título de pagamentos diretos no exercício seguinte;

4.  Congratula-se com o facto de o Sistema de Identificação das Parcelas Agrícolas (SIP) ter registado uma melhoria e uma maior precisão, o que faz dele uma ferramenta excelente para a redução da taxa de erro, bem como dos encargos administrativos para os agricultores e os organismos pagadores;

5.  Solicita à Comissão e aos Estados-Membros que acompanhem a volatilidade dos preços dos produtos agrícolas, que tem um impacto negativo nos rendimentos dos agricultores, e reajam rápida e eficazmente quando for necessário;

6.  Observa que o primeiro ano completo de aplicação da «ecologização» não teve, aparentemente, impacto na taxa de erro, o que pode ser considerado uma grande realização por parte dos agricultores e dos organismos pagadores, atendendo à complexidade das regras de ecologização; partilha, não obstante, da opinião da Comissão de que é ainda demasiado cedo para tirar conclusões sobre os resultados ambientais precisos; observa que há outros fatores, para além da ecologização, que influenciam também o desempenho ambiental do setor agrícola; sublinha que a «ecologização» constitui um exemplo da necessidade acrescida de auditoria de resultados também no domínio da agricultura;

7.  Congratula-se com o regime de ecologização e com o seu objetivo de tornar as explorações agrícolas da União mais respeitadoras do ambiente através das práticas de diversificação das culturas, da manutenção dos prados permanentes e da criação de superfícies de interesse ecológico em terras aráveis, tal como sublinhado pelo Relatório Anual do TCE;

8.  Observa que um pequeno número de beneficiários recebe os pagamentos mais importantes e que 4 % dos pagamentos diretos estão repartidos por mais de metade dos atuais beneficiários que recebem menos de 1250 EUR por ano; considera que é fundamental para a credibilidade da PAC que haja convergência dos pagamentos aos beneficiários tanto nos Estados-Membros como entre eles;

9.  Salienta, no entanto, que essas explorações agrícolas têm um volume de negócios anual inferior a 2000 EUR e que não são de natureza comercial, isto é, orientadas para o mercado, mas explorações de produção de alimentos de agricultores com outra profissão e representam menos de 4,6 % da superfície agrícola utilizada da União; considera, por conseguinte, que é necessário pôr de lado uma série de ideias erradas sobre a afirmação de que «20 % das explorações recebem 80 % das ajudas», uma vez que este valor inclui todas as explorações com 10 ou mais hectares, que representam mais de 88 % da superfície agrícola útil da União e produzem cerca de 90 % da produção agrícola da União;

10.  Regista as recomendações do TCE sobre as medidas visando o rejuvenescimento dos agricultores e a necessidade de focalizar mais os programas para este objetivo;

11.  Congratula-se com a diminuição da taxa de erro no domínio do desenvolvimento rural de 6 % em 2014 e 5,3 % em 2015 para 4,9 %; reconhece que os problemas do mundo rural requerem programas de investimento complexos e que a taxa de erro resulta dos diferentes objetivos para enfrentar os desafios ligados à economia, às infraestruturas rurais, ao ambiente e à saúde animal, contrastando com a taxa de 1,7 % do FEAGA; lamenta, por conseguinte, que a tónica da simplificação seja colocada no primeiro pilar, quando é reconhecido que existe uma maior complexidade no segundo pilar; considera igualmente que os investimentos no domínio do desenvolvimento rural são uma parte essencial da política, que deve ser mantida paralelamente a modelos de gestão de riscos sólidos e de eficácia comprovada; manifesta a sua preocupação com a diminuição do emprego na agricultura e considera que os investimentos no segundo pilar são essenciais para o desenvolvimento e as infraestruturas rurais; salienta que o método de cálculo da taxa de erro para os pagamentos da PAC (em particular nos programas de desenvolvimento rural) pode ser melhorado, nomeadamente, com uma simplificação e menos burocracia;

12.  Recorda que existe uma diferença significativa nos tipos e na escala de erro, ou seja, entre a omissão sem dolo, que é de natureza administrativa, e os casos de fraude, e que, regra geral, as omissões não causam prejuízos financeiros ao contribuinte, o que também deve ser tido em conta na estimativa da taxa de erro real; recorda à Comissão que o risco de erros involuntários devido a uma regulamentação complexa é, em última análise, suportado pelo beneficiário; lamenta que, mesmo que o investimento tenha sido eficaz, as despesas sejam ainda assim consideradas 100 % inelegíveis pelo TCE em caso de erros nos contratos públicos; salienta, por conseguinte, que é desejável uma maior racionalização no método de cálculo do erro.

13.  Subscreve a opinião da Comissão segundo a qual o desenvolvimento rural continua a ser um domínio que deve ser objeto de uma análise atenta; congratula-se com a promoção de opções de custos simplificados pela Comissão, especialmente uma vez que a utilização dessas medidas limitaria os riscos de preços excessivos e aliviaria o ónus administrativo que pende sobre os agricultores; solicita à Comissão que promova o recurso às opções de custos simplificados, dado que a sua utilização ainda é limitada na União; congratula-se com a decisão do TCE no sentido de elaborar um relatório pormenorizado sobre o recurso às opções de custos simplificados, a concluir em 2018;

14.  Incentiva a Comissão a continuar a avançar no sentido de um sistema de auditoria única que permita uma redução dos encargos administrativos a todos os níveis ocasionados pelos controlos, mantendo ao mesmo tempo um controlo eficaz sobre a legalidade e a regularidade dos pagamentos;

15.  Assinala que, de acordo com o Eurostat, o valor total da produção agrícola em 2016 foi de 405 mil milhões de EUR, valor ligeiramente inferior (2,8 %) ao de 2015, devido à queda dos preços dos produtos agrícolas de base;

16.  Observa que o acesso aos dados e um bom acompanhamento, em especial, dos aspetos ambientais, são essenciais, atendendo a que alguns recursos naturais, como o solo e a biodiversidade, estão na base da produtividade agrícola a longo prazo;

17.  Espera que o TCE proceda a um ajustamento da sua abordagem de supervisão a fim de dar tanta importância à utilização de fundos como à atribuição dos mesmos;

18.  Congratula-se com a publicação do relatório anual de atividade da DG AGRI de 2016, que ilustra claramente a contribuição da PAC para o aumento das taxas de emprego nas zonas rurais, favorecendo especificamente o regresso das mesmas aos níveis anteriores à crise, com 65 % da população em idade ativa empregada, em comparação com 64,8 % em 2008 e o seu nível mínimo de 62,5 % em 2011; congratula-se com o facto de os pagamentos diretos estarem agora mais bem orientados para os jovens agricultores, pequenos agricultores ou agricultores em zonas com condicionantes naturais;

19.  Congratula-se com o facto de as taxas de erro globais comunicadas pelo TCE e as respeitantes à PAC no relatório anual de atividade da DG AGRI de 2016 estarem muito próximas, o que mostra a eficácia dos planos de ação corretivos aplicados nos anos anteriores pelos Estados-Membros em causa, em especial no que se refere às melhorias introduzidas nos seus SIP;

20.  Reitera o pedido do Parlamento Europeu de 8 de setembro de 2015 (Resolução A8-0240/2015) no sentido de que a Comissão, os Estados-Membros e o TCE continuem a desenvolver estratégias de auditoria baseadas no risco, tendo em conta todos os dados pertinentes;

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

23.1.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

37

2

0

Deputados presentes no momento da votação final

John Stuart Agnew, Clara Eugenia Aguilera García, Eric Andrieu, Richard Ashworth, José Bové, Daniel Buda, Nicola Caputo, Paolo De Castro, Jean-Paul Denanot, Albert Deß, Jørn Dohrmann, Herbert Dorfmann, Norbert Erdős, Luke Ming Flanagan, Martin Häusling, Esther Herranz García, Peter Jahr, Ivan Jakovčić, Jarosław Kalinowski, Zbigniew Kuźmiuk, Philippe Loiseau, Mairead McGuinness, Ulrike Müller, James Nicholson, Maria Noichl, Marijana Petir, Laurenţiu Rebega, Bronis Ropė, Ricardo Serrão Santos, Czesław Adam Siekierski, Tibor Szanyi, Marc Tarabella, Marco Zullo

Suplentes presentes no momento da votação final

Franc Bogovič, Stefan Eck, Jens Gieseke, Maria Heubuch, Karin Kadenbach, Momchil Nekov, Sofia Ribeiro, Annie Schreijer-Pierik, Tom Vandenkendelaere, Thomas Waitz

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Stanisław Ożóg

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

37

+

ALDE

Ivan Jakovčić, Ulrike Müller

ECR

Richard Ashworth, Jørn Dohrmann, Zbigniew Kuźmiuk, James Nicholson, Stanisław Ożóg

EFDD

Marco Zullo

ENF

Laurentiu Rebega

GUE/NGL

Stefan Eck, Luke Ming Flanagan

PPE

Franc Bogovič, Daniel Buda, Albert Deß, Herbert Dorfmann, Norbert Erdős, Jens Gieseke, Esther Herranz García, Mairead McGuinness, Marijana Petir, Sofia Ribeiro, Annie Schreijer-Pierik, Czesław Adam Siekierski, Tom Vandenkendelaere

S & D

Clara Eugenia Aguilera García, Eric Andrieu, Nicola Caputo, Paolo De Castro, Jean-Paul Denanot, Karin Kadenbach, Maria Noichl, Ricardo Serrão Santos, Tibor Szanyi, Marc Tarabella

VERTS/ALE

José Bové, Martin Häusling, Bronis Ropė

2

-

EFDD

John Stuart Agnew

ENF

Philippe Loiseau

0

0

-

-

Legenda dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

2.3.2018

PARECER da Comissão das Pescas

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III – Comissão Europeia e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relator: Alain Cadec

SUGESTÕES

A Comissão das Pescas insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Toma nota da Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho e ao Tribunal de Contas sobre as contas anuais consolidadas da União Europeia relativas ao exercício de 2016; toma conhecimento do relatório anual do Tribunal de Contas (a seguir designado «Tribunal») relativo ao exercício financeiro de 2016; toma nota do Relatório Anual de Atividades de 2016 da DG MARE;

2.  Constata que se manteve a tendência favorável dos últimos anos no tocante à gestão orçamental e que o Tribunal não fez observações específicas sobre o Relatório de Atividades da DG MARE relativo ao exercício de 2016;

3.  Insta o Tribunal a apresentar, nos seus próximos relatórios, em separado, uma taxa de erro para as pescas e os assuntos marítimos, a fim de mitigar as distorções decorrentes da inclusão de outros domínios na mesma rubrica; constata que, no relatório anual do Tribunal, os assuntos marítimos e as pescas não são examinados com rigor suficiente, o que não facilita uma avaliação correta da gestão financeira;

4.  Sublinha o facto de que a taxa global de erro registada pelo Tribunal no seu relatório é inferior em relação à do exercício anterior e insta a Comissão a prosseguir com esta tendência;

5.  Felicita a Comissão pela taxa de execução particularmente elevada do título 11 da Secção III do orçamento para o exercício de 2016 (Assuntos Marítimos e Pescas), quer no que toca às dotações de autorização (99,2%), quer às dotações de pagamento (94,7%); salienta que, ao abrigo do artigo 13.º do Regulamento (UE) n.º 508/2014, os recursos orçamentais são discriminados em função da sua afetação, e que, por conseguinte, conviria que a Comissão precisasse, no seu relatório, a taxa de execução por rubricas orçamentais;

6.  Toma nota da reserva emitida no relatório de atividades da DG MARE relativamente às despesas não elegíveis detetadas no Fundo Europeu das Pescas (FEP), reserva essa que diz respeito a oito Estados-Membros;

7.  Incentiva os esforços da DG MARE de controlar as dotações em gestão partilhada, nomeadamente as ações relativas ao FEP e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP);

8.  Constata que o valor para o risco de perda de fundos corresponde a 5,9 milhões de euros e que a Comissão tomou as medidas necessárias para avaliar as despesas em 2017 e, se for caso disso, recuperar os fundos afetados;

9.  Constata que o nível de execução do FEAMP para o período 2014-2020, três anos após a sua adoção em 15 de maio de 2014, continua a não ser satisfatório, porquanto, até setembro de 2017, apenas foram utilizados 1,7% dos 5,7 mil milhões de EUR colocados à disposição em gestão partilhada; regista que o consumo do FEAMP é da responsabilidade dos Estados-Membros; salienta que, ao abrigo do artigo 13.º do Regulamento (UE) n.º 508/2014, os recursos orçamentais são discriminados em função da sua afetação, e que, por conseguinte, conviria que a Comissão precisasse, no seu relatório, a taxa de execução por rubricas orçamentais;

10.  Considera necessário prestar todo o apoio possível aos Estados-Membros para garantir uma utilização adequada e plena dos recursos do FEAMP, com elevadas taxas de execução, de acordo com as suas respetivas prioridades e necessidades, nomeadamente no tocante ao desenvolvimento sustentável do setor das pescas;

11.  Propõe, com base nos dados disponíveis, que seja concedida quitação à Comissão relativamente às despesas nos domínios dos assuntos marítimos e das pescas para o exercício de 2016.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

27.2.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

16

4

2

Deputados presentes no momento da votação final

Clara Eugenia Aguilera García, Alain Cadec, David Coburn, Linnéa Engström, João Ferreira, Sylvie Goddyn, Mike Hookem, Carlos Iturgaiz, Werner Kuhn, António Marinho e Pinto, Gabriel Mato, Norica Nicolai, Liadh Ní Riada, Ulrike Rodust, Annie Schreijer-Pierik, Remo Sernagiotto, Ricardo Serrão Santos, Isabelle Thomas, Ruža Tomašić, Peter van Dalen, Jarosław Wałęsa

Suplentes presentes no momento da votação final

Norbert Erdős, Maria Lidia Senra Rodríguez

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Liliana Rodrigues

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

16

+

ALDE

António Marinho e Pinto, Norica Nicolai

ECR

Peter van Dalen, Remo Sernagiotto, Ruža Tomašić

PPE

Alain Cadec, Norbert Erdős, Carlos Iturgaiz, Werner Kuhn, Gabriel Mato, Annie Schreijer-Pierik, Jarosław Wałęsa

S&D

Clara Eugenia Aguilera García, Liliana Rodrigues, Ulrike Rodust, Isabelle Thomas

4

-

EFDD

David Coburn, Mike Hookem

ENF

Sylvie Goddyn

VERTS/ALE

Linnéa Engström

2

0

GUE/NGL

João Ferreira, Liadh Ní Riada

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  a favor

-  :  contra

0  :  abstenções

26.1.2018

PARECER da Comissão da Cultura e da Educação

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III - Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relator de parecer: Bogdan Andrzej Zdrojewski

SUGESTÕES

A Comissão da Cultura e da Educação insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Congratula-se com o facto de o programa Erasmus + ter permitido que 500 000 pessoas, em 2016, tivessem estudado, recebido formação ou feito voluntariado no estrangeiro, e com o facto de o programa estar no bom caminho para atingir o seu objetivo de 4 milhões de participantes até 2020; salienta que os estudantes Erasmus+ têm tendência para desenvolver um vasto leque de aptidões, competências e conhecimentos transversais e têm melhores perspetivas de carreira do que os estudantes que não participam em ações de mobilidade e que este programa representa um investimento estratégico nos jovens europeus; salienta, no entanto, a necessidade de garantir uma maior acessibilidade dos programas, em particular aos jovens com menos oportunidades;

2.  Congratula-se com a transmissão eletrónica de grande parte do processo de candidatura ao financiamento do programa Erasmus+; considera, no entanto, que o processo pode ser ainda mais simplificado, mediante a eliminação da exigência de as cartas de mandato dos parceiros nos projetos serem assinadas à mão;

3.  Observa que continuam a existir problemas no acesso ao financiamento do programa Erasmus+ no domínio da juventude, os quais se devem à gestão descentralizada do programa pelas agências nacionais; insta a Comissão a tomar as medidas necessárias, como, por exemplo, centralizar uma parte deste financiamento na agência de execução; solicita, além disso, à Comissão que preveja os instrumentos necessários a uma maior participação de todos os beneficiários do programa, como, por exemplo, a criação de subcomités setoriais permanentes, tal como previsto no Regulamento (UE) n.º 1288/2013(30);

4.  Solicita que o que até agora foi determinante para o êxito do programa Erasmus +, a saber, os intercâmbios universitários, não fique comprometido devido à utilização dos fundos noutro programa ou ao alargamento deste programa a outros destinatários, como os migrantes;

5.   Toma nota da escassa utilização e da reduzida cobertura geográfica do Mecanismo de garantia de empréstimos a estudantes do Erasmus+; espera que o acordo direto recentemente celebrado com a Universidade do Luxemburgo ofereça indicações relativamente a um modelo mais eficaz de empréstimos; insta a Comissão e o Fundo Europeu de Investimento a redobrarem os seus esforços para maximizar a eficácia deste mecanismo e convida a Comissão a efetuar uma avaliação aprofundada das vantagens efetivas deste mecanismo;

6.  Manifesta-se alarmado com o problema crónico das baixas taxas de seleção de projetos no âmbito do programa «Europa para os cidadãos» e do subprograma «Cultura» do programa «Europa Criativa» (respetivamente 16 % e 11 % em 2016); salienta que as baixas taxas de seleção causam frustração nos candidatos e são sintomáticas dos níveis inadequados de financiamento, o que não corresponde aos objetivos ambiciosos dos programas;

7.  Salienta que a Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA) da Comissão Europeia afirma que o programa «Europa para os cidadãos» atingiu a plena maturidade em 2016, no seu terceiro ano de execução; insta, por conseguinte, a Comissão e o Conselho a terem devidamente em conta os longos períodos de tempo necessários para a plena execução dos novos programas no âmbito do QFP 2014-2020, a fim de evitar que esses atrasos se repitam no futuro quadro financeiro pós-2020;

8.  Louva o papel da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA) na execução dos três programas relativos à cultura e à educação, evidenciado na avaliação positiva do trabalho da Agência em 2016; congratula-se com o maior recurso da EACEA à comunicação eletrónica para os projetos financiados, o que deve melhorar a recolha de dados e o acompanhamento dos projetos, contribuir para o trabalho político da Comissão e ajudar os beneficiários; verifica com satisfação que a EACEA efetua 92 % dos seus pagamentos dentro dos prazos fixados pelo Regulamento Financeiro; insta a EACEA, tendo em conta que os beneficiários dos programas no domínio da educação e da cultura são frequentemente organizações muito pequenas, a envidar todos os esforços para obter melhores resultados, eventualmente através de um indicador dos prazos médios de pagamento;

9.  Toma nota do lançamento do mecanismo de garantia para os setores culturais e criativos, em 2016, com um orçamento de 121 milhões de euros até 2022, e com o interesse demonstrado desde o início pelo setor e pelos intermediários financeiros; apela à rápida disponibilização antecipada dos 60 milhões de euros previstos para o Mecanismo no âmbito do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE); recorda que os empréstimos complementam outras fontes de financiamento essenciais para o setor, tais como as subvenções;

10.  Manifesta preocupação com o baixíssimo nível de financiamento do FEIE a favor da educação e do setor cultural e criativo em 2016; considera que é essencial um apoio específico e setorial para assegurar que o setor cultural e criativo beneficie de empréstimos do FEIE;

11.  Reitera o seu apoio a uma cobertura mediática independente dos assuntos europeus, nomeadamente através do apoio orçamental às redes de televisão, de rádio e em linha; congratula-se com a continuação da subvenção a favor da Euranet+ até 2018 e insta a Comissão a encontrar um modelo de financiamento mais sustentável para a rede;

12.  Continua preocupado com o facto de as Escolas Europeias se eximirem a corrigir as irregularidades contabilísticas assinaladas em repetidas ocasiões pelo Tribunal de Contas Europeu e sublinhadas pelo Parlamento Europeu nos seus relatórios de quitação; observa, por exemplo, que, embora, de um modo geral, as escolas tenham registado melhorias em termos de encerramento de contas, duas das catorze escolas, bem como com o Gabinete do Secretário-Geral, ainda não apresentaram as suas contas dentro do prazo legal; lamenta que, apesar dos esforços envidados pelas Escolas Europeias com vista a reforçar os controlos internos e da introdução louvável de uma auditoria externa, persistem insuficiências no que respeita aos procedimentos de adjudicação de contratos, de recrutamento e de pagamento;

13.   Congratula-se com o facto de o Tribunal de Contas não ter encontrado provas de erros materiais, mas lamenta que não esteja em condições de confirmar que a gestão financeira das escolas, em 2016, foi realizada em conformidade com o Regulamento Financeiro, as suas Normas de Execução e o Estatuto dos Funcionários; considera que as Escolas Europeias devem dispor de um sistema de gestão adequado e responsável que cumpra requisitos mínimos de serviço público, e devem, por conseguinte, pautar-se por normas mais rigorosas em matéria de prestação de contas e de responsabilidade de gestão; congratula-se, a este respeito, com a adoção, em 2017, de uma versão revista do Regulamento Financeiro das Escolas Europeias, que deve constituir o quadro jurídico para dar resposta a algumas das deficiências identificadas pelo Tribunal de Contas, nomeadamente no que respeita à separação das funções de contabilidade de outras funções; recorda, todavia, que a adequada execução das novas regras continua a ser fundamental para pôr em prática as recomendações do Tribunal de Contas; insiste, por conseguinte, em que o Conselho Superior das Escolas Europeias informe o Parlamento Europeu dos progressos realizados na aplicação das medidas antes do final de 2018;

14.   Recorda que as Escolas Europeias dispõem de um orçamento anual combinado de cerca de 300 milhões de euros, dos quais cerca de 60 % provêm da Comissão Europeia; salienta que o orçamento para 2018 comporta dotações destinadas à criação da nova governação contabilística e à aplicação do Regulamento Financeiro revisto; salienta que a Comissão dispõe apenas de um voto no Conselho Superior e que, por conseguinte, a principal responsabilidade pela boa gestão financeira das Escolas Europeias cabe aos Estados-Membros; exorta os Estados-Membros a apoiarem a Comissão e as Escolas Europeias nos seus esforços para dar resposta às recomendações do Tribunal de Contas;

15.   Considera que a saída do Reino Unido da União Europeia coloca questões particularmente problemáticas em relação às Escolas Europeias, tendo especialmente em conta que, no ano letivo de 2016-2017, cerca de 21 % de todos os alunos das Escolas Europeias frequentavam a secção anglófona (só a secção francófona tinha mais alunos) e o inglês era a segunda língua de 61 % de todos os alunos das Escolas Europeias; está ciente de que a incerteza que rodeia a oferta de ensino em língua inglesa após a saída do Reino Unido constitui uma fonte de preocupação para os pais e os alunos das Escolas Europeias; insta a Comissão Europeia e as Escolas Europeias a informarem a Comissão da Cultura e da Educação sobre os seus planos para fazer face aos desafios específicos colocados pela saída do Reino Unido e sobre o modo como tencionam continuar a oferecer um ensino da maior qualidade em língua inglesa nas Escolas Europeias, incluindo considerações sobre eventuais modalidades contratuais alternativas para os professores;

16.  Salienta que, tal como indicado pelo Tribunal de Contas da União Europeia, durante o exercício de 2016 se atingiu um novo recorde de pagamentos transitados para futuros orçamentos; insta a Comissão e o Conselho a reduzirem ao mínimo a diferença entre dotações para autorizações e dotações para pagamentos, prevendo recursos adequados para responder atempadamente às obrigações contratuais assumidas com os beneficiários dos programas;

17.  Considera, por conseguinte, necessário que o orçamento da UE dependa menos das contribuições nacionais diretas; apoia a proposta de reforma do sistema de recursos próprios.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

23.1.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

24

0

3

Deputados presentes no momento da votação final

Isabella Adinolfi, Dominique Bilde, Andrea Bocskor, Nikolaos Chountis, Silvia Costa, Mircea Diaconu, Damian Drăghici, Angel Dzhambazki, Jill Evans, María Teresa Giménez Barbat, Petra Kammerevert, Svetoslav Hristov Malinov, Curzio Maltese, Rupert Matthews, Stefano Maullu, Luigi Morgano, John Procter, Michaela Šojdrová, Yana Toom, Helga Trüpel, Sabine Verheyen, Julie Ward, Bogdan Brunon Wenta, Theodoros Zagorakis, Bogdan Andrzej Zdrojewski, Krystyna Łybacka

Suplentes presentes no momento da votação final

Algirdas Saudargas

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

24

+

ALDE

Mircea Diaconu, María Teresa Giménez Barbat, Yana Toom

ECR

Angel Dzhambazki, Rupert Matthews, John Procter

EFDD

Isabella Adinolfi

PPE

Andrea Bocskor, Svetoslav Hristov Malinov, Stefano Maullu, Algirdas Saudargas, Michaela Šojdrová, Sabine Verheyen, Bogdan Brunon Wenta, Theodoros Zagorakis, Bogdan Andrzej Zdrojewski

S&D

Silvia Costa, Damian Drăghici, Petra Kammerevert, Krystyna Łybacka, Luigi Morgano, Julie Ward

Verts/ALE

Jill Evans, Helga Trüpel

0

-

3

0

ENF

Dominique Bilde

GUE/NGL

Nikolaos Chountis, Curzio Maltese

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  a favor

-  :  contra

0  :  abstenções

7.2.2018

PARECER da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III - Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relator de parecer: Kostas Chrysogonos

SUGESTÕES

A Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Congratula-se com o parecer do Tribunal de Contas Europeu sobre as contas da União em 2016; realça em especial a redução adicional de erros de pagamento em 2016 para o seu nível mais baixo de sempre (3,1 %) e observa que esta é a primeira vez desde 1994 que o Tribunal emite um parecer com reservas no que diz respeito aos pagamentos; regista que a taxa de erro nos pagamentos na categoria 3 (Segurança e Cidadania) não foi calculada pelo Tribunal devido à pequena dimensão da amostra de operações auditadas;

2.  Observa que o ritmo dos pagamentos para a gestão partilhada do Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração e do Fundo para a Segurança Interna foi lento, atendendo a que 2016 foi o terceiro ano de execução do atual quadro financeiro plurianual (QFP); salienta a importância de reduzir os riscos de atrasos na execução dos planos nacionais e na correção de deficiências nos sistemas de controlo dos Estados-Membros; destaca a importância de avaliar os sistemas de controlo dos Estados-Membros com base em informações suficientemente pormenorizadas;

3.  Observa que a Comissão não comunicou o montante total mobilizado para o asilo e a migração em 2016 e que é difícil fazer uma estimativa; incentiva, por conseguinte, a Comissão a desenvolver uma estrutura de comunicação de informações coerente, abrangente e específica para o efeito; reitera o seu pedido à Comissão de que cinda as rubricas orçamentais a fim de aumentar a transparência e a eficiência económica;

4.  Relembra que também em 2016 foram largamente utilizados instrumentos especiais para dar resposta, nomeadamente, à situação humanitária dos requerentes de asilo na União e que, por conseguinte, existe o risco de os montantes remanescentes até ao final do atual QFP poderem não ser suficientes para dar resposta a acontecimentos imprevistos que possam ocorrer até 2020; insta a Comissão a resolver esta questão estrutural no próximo QFP e a informar o Parlamento de forma adequada;

5.  Salienta que o Serviço de Auditoria Interna da Comissão constatou que o programa de trabalho de algumas agências carece de qualidade em termos de objetivos e definições dos principais indicadores de desempenho; sublinha que a DG HOME deve emitir um parecer sistemático sobre o programa de trabalho das suas agências;

6.  Exorta ao desenvolvimento de uma estratégia coerente e sistemática dotada de prioridades políticas e operacionais mais claras, mais fortes e a longo prazo para a proteção dos direitos e liberdades fundamentais, garantindo simultaneamente a sua aplicação efetiva, também através da atribuição de fundos suficientes para esse fim.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

1.2.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

45

6

1

Deputados presentes no momento da votação final

Asim Ademov, Heinz K. Becker, Malin Björk, Michał Boni, Caterina Chinnici, Frank Engel, Cornelia Ernst, Raymond Finch, Lorenzo Fontana, Kinga Gál, Ana Gomes, Nathalie Griesbeck, Sylvie Guillaume, Monika Hohlmeier, Brice Hortefeux, Filiz Hyusmenova, Sophia in ‘t Veld, Dietmar Köster, Barbara Kudrycka, Cécile Kashetu Kyenge, Juan Fernando López Aguilar, Roberta Metsola, Claude Moraes, Péter Niedermüller, Ivari Padar, Soraya Post, Judith Sargentini, Birgit Sippel, Branislav Škripek, Csaba Sógor, Sergei Stanishev, Helga Stevens, Traian Ungureanu, Marie-Christine Vergiat, Udo Voigt, Josef Weidenholzer, Kristina Winberg, Tomáš Zdechovský, Auke Zijlstra

Suplentes presentes no momento da votação final

Kostas Chrysogonos, Carlos Coelho, Gérard Deprez, Maria Grapini, Teresa Jiménez-Becerril Barrio, Marek Jurek, Andrejs Mamikins, Angelika Mlinar, Jaromír Štětina

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Georges Bach, Jonathan Bullock, Julia Reda, Francis Zammit Dimech

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

45

+

ALDE

Gérard Deprez, Nathalie Griesbeck, Filiz Hyusmenova, Sophia in 't Veld, Angelika Mlinar

ECR

Marek Jurek, Branislav Škripek, Helga Stevens

GUE/NGL

Kostas Chrysogonos, Cornelia Ernst, Marie-Christine Vergiat

PPE

Asim Ademov, Georges Bach, Heinz K. Becker, Michał Boni, Carlos Coelho, Frank Engel, Kinga Gál, Monika Hohlmeier, Brice Hortefeux, Teresa Jiménez-Becerril Barrio, Barbara Kudrycka, Roberta Metsola, Csaba Sógor, Jaromír Štětina, Traian Ungureanu, Francis Zammit Dimech, Tomáš Zdechovský

S&D

Caterina Chinnici, Ana Gomes, Maria Grapini, Sylvie Guillaume, Dietmar Köster, Cécile Kashetu Kyenge, Juan Fernando López Aguilar, Andrejs Mamikins, Claude Moraes, Péter Niedermüller, Ivari Padar, Soraya Post, Birgit Sippel, Sergei Stanishev, Josef Weidenholzer

VERTS/ALE

Julia Reda, Judith Sargentini

6

-

EFDD

Jonathan Bullock, Raymond Finch, Kristina Winberg

ENF

Lorenzo Fontana, Auke Zijlstra

NI

Udo Voigt

1

0

GUE/NGL

Malin Björk

Legenda dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

2.2.2018

PARECER da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros

dirigido à Comissão do Controlo Orçamental

sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2016, Secção III - Comissão e agências de execução

(2017/2136(DEC))

Relatora de parecer: Barbara Matera

SUGESTÕES

A Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros insta a Comissão do Controlo Orçamental, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

A.  Considerando que a igualdade entre mulheres e homens é um dos valores em que assenta a União Europeia e que a União se compromete a promover a integração da perspetiva do género em todas as suas ações, tal como consagrado no artigo 8.º do TFUE;

B.  Considerando que o Parlamento Europeu solicitou reiteradamente à Comissão que executasse a integração da perspetiva de género, da orçamentação sensível ao género e da avaliação do impacto em função do género em todos os diferentes domínios de ação da União e ao Tribunal de Contas que incorporasse a perspetiva de género na sua avaliação da execução do orçamento da União;

1.  Salienta que a igualdade entre homens e mulheres deve ser assegurada em todos os domínios de ação; reitera, por conseguinte, o seu apelo à aplicação da orçamentação sensível ao género em todas as fases do processo orçamental, incluindo por ocasião da execução do orçamento e da avaliação da sua execução;

2.  Lamenta que as rubricas orçamentais relativas ao Programa Direitos, Igualdade e Cidadania de 2014-2020 não especifiquem os recursos atribuídos a cada um dos objetivos do programa relacionados com a igualdade de género; congratula-se com o facto de, em 2016, a Rede de Mulheres Contra a Violência e o Lóbi Europeu de Mulheres terem recebido subvenções no âmbito da luta contra a violência exercida contra as mulheres e a favor da igualdade de género;

3.  Solicita que a igualdade de género seja explicitamente mencionada na categoria 3, «Segurança e cidadania»;

4.  Reitera o seu apelo para que se mantenha uma rubrica orçamental separada para o objetivo específico Daphne, dotada de recursos suplementares, de molde a anular a diminuição dos fundos destinados ao programa Daphne durante o período 2014-2020;

5.  Deplora o facto de o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos não incluir uma perspetiva de género e salienta que, para que o processo de recuperação seja bem-sucedido, é indispensável abordar o impacto das crises nas mulheres;

6.  Salienta que a integração da perspetiva de género constitui igualmente um dos princípios fundamentais do Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI); lamenta, no entanto, a ausência de ações específicas no domínio da igualdade de género com rubricas orçamentais específicas, apesar dos apelos reiterados do Parlamento para que a dimensão de género seja também tida em conta nas políticas de migração e asilo;

7.  Reitera o seu pedido para que, no conjunto de indicadores de resultados respeitantes à execução do orçamento da União, sejam também incluídos indicadores específicos por género, tendo em devida conta o princípio da boa gestão financeira, nomeadamente os princípios da economia, da eficiência e da eficácia;

8.  Solicita a realização de uma avaliação do impacto em função do género como parte da condicionalidade ex ante para a atribuição de fundos da UE, bem como a recolha de dados, se possível repartidos por sexo, sobre os beneficiários e os participantes;

9.  Congratula-se com o facto de a participação nas intervenções do Fundo Social Europeu em 2016 ter sido relativamente equilibrada em termos de género (52 % de mulheres face a 48 % de homens);

10.  Solicita que o Parlamento, o Conselho e a Comissão renovem o seu compromisso em matéria de igualdade de género no próximo QFP, através de uma declaração conjunta anexa ao QFP, que inclua o compromisso de levar a cabo uma orçamentação sensível ao género e um acompanhamento eficaz do respeito desta declaração nos processos orçamentais anuais, introduzindo uma disposição específica numa cláusula de revisão do novo regulamento relativo ao QFP.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

24.1.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

26

1

4

Deputados presentes no momento da votação final

Daniela Aiuto, Maria Arena, Heinz K. Becker, Malin Björk, Vilija Blinkevičiūtė, Anna Maria Corazza Bildt, Iratxe García Pérez, Arne Gericke, Anna Hedh, Mary Honeyball, Teresa Jiménez-Becerril Barrio, Agnieszka Kozłowska-Rajewicz, Florent Marcellesi, Angelika Mlinar, Angelika Niebler, Maria Noichl, Marijana Petir, João Pimenta Lopes, Michaela Šojdrová, Ernest Urtasun, Ángela Vallina, Elissavet Vozemberg-Vrionidi

Suplentes presentes no momento da votação final

Catherine Bearder, Izaskun Bilbao Barandica, Lívia Járóka, Urszula Krupa, Edouard Martin, Clare Moody, Monika Vana

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Artis Pabriks, Jarosław Wałęsa

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

26

+

ALDE

Catherine Bearder, Izaskun Bilbao Barandica, Angelika Mlinar

ECR

Arne Gericke

EFDD

Daniela Aiuto

PPE

Heinz K. Becker, Anna Maria Corazza Bildt, Teresa Jiménez-Becerril Barrio, Lívia Járóka, Agnieszka Kozłowska-Rajewicz, Angelika Niebler, Artis Pabriks, Michaela Šojdrová, Elissavet Vozemberg-Vrionidi, Jarosław Wałęsa

S&D

Maria Arena, Vilija Blinkevičiūtė, Iratxe García Pérez, Anna Hedh, Mary Honeyball, Edouard Martin, Clare Moody, Maria Noichl

VERTS/ALE

Florent Marcellesi, Ernest Urtasun, Monika Vana

1

-

ECR

Urszula Krupa

4

0

GUE/NGL

Malin Björk, João Pimenta Lopes, Ángela Vallina

PPE

Marijana Petir

Legenda dos símbolos:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

Data de aprovação

26.3.2018

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

16

7

0

Deputados presentes no momento da votação final

Inés Ayala Sender, Ryszard Czarnecki, Martina Dlabajová, Raffaele Fitto, Luke Ming Flanagan, Ingeborg Gräßle, Jean-François Jalkh, Arndt Kohn, Gilles Pargneaux, Georgi Pirinski, José Ignacio Salafranca Sánchez-Neyra, Claudia Schmidt, Bart Staes, Derek Vaughan, Joachim Zeller

Suplentes presentes no momento da votação final

Benedek Jávor, Andrey Novakov, Patricija Šulin

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Eleonora Evi, Anneli Jäätteenmäki, Norbert Lins, Rupert Matthews, Lieve Wierinck

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

16

+

ALDE

Martina Dlabajová, Anneli Jäätteenmäki, Lieve Wierinck

ECR

Rupert Matthews

PPE

Ingeborg Gräßle, Norbert Lins, Andrey Novakov, José Ignacio Salafranca Sánchez-Neyra, Claudia Schmidt, Patricija Šulin, Joachim Zeller

S&D

Inés Ayala Sender, Arndt Kohn, Gilles Pargneaux, Georgi Pirinski, Derek Vaughan

7

-

ECR

Ryszard Czarnecki, Raffaele Fitto

EFDD

Eleonora Evi

ENF

Jean-François Jalkh

GUE/NGL

Luke Ming Flanagan

VERTS/ALE

Benedek Jávor, Bart Staes

0

0

 

 

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

(1)

  COM(2017) 351 final, p. 81.

(2)

  RAGE 2016, p. 82, DG AGRI, RAA, anexo 10, p. 140.

(3)

  Vide relatório anual de 2016 da Comissão sobre a gestão e a execução do orçamento da UE, p. 81.

(4)

  P8_TA(2017)0143, n.os 120 e 121.

(5)

  O relatório está disponível em: http://ec.europa.eu/regional_policy/en/information/cohesion-report/.

(6)

  JO C 322 de 28.9.2017, p. 19, caixa 1.2, nota de rodapé 1.

(7)

  Síntese dos progressos registados no financiamento e na execução dos instrumentos financeiros comunicados pelas autoridades de gestão, nos termos do n.º 2, alínea j), do artigo 67.º do Regulamento (CE) nº 1083/2006 do Conselho, p. 11.

(8)

  Estudo «Avaliação dos 10 anos do Mecanismo de Cooperação e Verificação (MCV) para a Bulgária e a Roménia»; DG IPOL, Departamento Temático D: assuntos orçamentais.

(9)

  RAA de 2016 da DG AGRI, p. 17.

(10)

  Ver ponto 207 da sua resolução, 27 de abril de 2017, que contém as observações que constituem parte integrante das decisões sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2015, Secção III – Comissão e agências de execução (Textos Aprovados, P8_TA(2016)0309).

(11)

  Ver os valores indicativos respeitantes à distribuição da ajuda, por classe de grandeza da ajuda, recebida no contexto das ajudas diretas pagas aos produtores, de acordo com o Regulamento (UE) 1307/2013 do Conselho (exercício de 2016).

(12)

  A categoria 3 do QFP abrange várias políticas. A maior categoria de despesas é a migração e a segurança, embora o financiamento cubra igualmente despesas com alimentos para consumo humano e animal, atividades culturais e criativas e programas nos domínios da justiça, dos direitos, da igualdade, da cidadania, dos consumidores e da saúde.

(13)

  O FAMI substitui o programa Solidariedade e Gestão dos Fluxos Migratórios (SOLID).

(14)

  Tribunal de Contas Europeu Estudo de caso rápido sobre a aplicação da redução de 5 % dos efetivos do quadro de pessoal, p. 27.

(15)

  P8_TA(2017)0143, n.os 276, 281, 282.

(16)

  Relatório sobre as contas anuais das Escolas Europeias relativas ao exercício de 2016, acompanhado das respostas das Escolas, novembro de 2017, pontos 11 e 12.

(17)

  https://ec.europa.eu/info/sites/info/files/file_import/aar-hr-2016_en_0.pdf , p. 10.

(18)

  https://corporateeurope.org/expert-groups/2017/02/corporate-interests-continue-dominate-key-expert-groups.

(19)

  (2015/2319(INI))

(20)

  Regulamento (UE) n.º 233/2014, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de março de 2014, que cria um instrumento de financiamento da cooperação para o desenvolvimento para o período 2014-2020 (JO L 77 de 15.3.2014, p. 44).

(21)

  http://ec.europa.eu/regional_policy/en/policy/how/stages-step-by-step/strategic-report/.

(22)

  Regulamento (UE) n.º 508/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, relativo ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas e que revoga os Regulamentos (CE) n.º 2328/2003, (CE) n.º 861/2006, (CE) n.º 1198/2006 e (CE) n.º 791/2007 do Conselho e o Regulamento (UE) n.º 1255/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho (JO L 149 de 20.5.2014, p. 1).

(23)

  Regulamento (UE) n. ° 1288/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de dezembro de 2013, que cria o Programa «Erasmus+» o programa da União para o ensino, a formação, a juventude e o desporto e que revoga as Decisões n. ° 1719/2006/CE, n. ° 1720/2006/CE e n. ° 1298/2008/CE Texto relevante para efeitos do EEE (JO L 347 de 20.12.2013, p. 50).

(24)

Relatório Especial n.º 9/2016: Despesas relativas à dimensão externa da política de migração da UE nos países da Vizinhança Oriental e do Mediterrâneo Meridional até 2014.

(25)

Regulamento (UE) n.º 233/2014, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de março de 2014, que cria um instrumento de financiamento da cooperação para o desenvolvimento para o período 2014-2020 (JO L 77 de 15.3.2014, p. 44).

(26)

Relatório Especial nº 31/2016: Utilizar pelo menos um em cada cinco euros do orçamento da UE em ação climática: os trabalhos em curso são ambiciosos mas existe o sério risco de não serem suficientes.

(27)

Relatório Especial nº 18/2016: O sistema da UE para a certificação de biocombustíveis sustentáveis.

(28)

Regulamento (CE) n.º 1224/2009 do Conselho, de 20 de novembro de 2009, que institui um regime comunitário de controlo a fim de assegurar o cumprimento das regras da política comum das pescas, altera os Regulamentos (CE) n.º 847/96, (CE) n.º 2371/2002, (CE) n.º 811/2004, (CE) n.º 768/2005, (CE) n.º 2115/2005, (CE) n.º 2166/2005, (CE) n.º 388/2006, (CE) n.º 509/2007, (CE) n.º 676/2007, (CE) n.º 1098/2007, (CE) n.º 1300/2008, (CE) n.º 1342/2008, e revoga os Regulamentos (CEE) n.º 2847/93, (CE) n.º 1627/94 e (CE) e n.º 1966/2006 (JO L 343 de 22.12.2009, p. 1);

(29)

http://ec.europa.eu/regional_policy/en/policy/how/stages-step-by-step/strategic-report/.

(30)

Regulamento (UE) n. ° 1288/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de dezembro de 2013 , que cria o Programa «Erasmus+» o programa da União para o ensino, a formação, a juventude e o desporto e que revoga as Decisões n. ° 1719/2006/CE, n. ° 1720/2006/CE e n. ° 1298/2008/CE Texto relevante para efeitos do EEE (JO L 347de 20.12.2013, p. 50).

Última actualização: 13 de Abril de 2018Advertência jurídica