Processo : 2018/0129(COD)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0008/2019

Textos apresentados :

A8-0008/2019

Debates :

PV 03/04/2019 - 19
CRE 03/04/2019 - 19

Votação :

PV 04/04/2019 - 6.14
Declarações de voto

Textos aprovados :

P8_TA(2019)0346

RELATÓRIO     ***I
PDF 246kWORD 106k
11.1.2019
PE 628.414v02-00 A8-0008/2019

sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2008/96/CE relativa à gestão da segurança da infraestrutura rodoviária

(COM(2018)0274 – C8-0196/2018 – 2018/0129(COD))

Comissão dos Transportes e do Turismo

Relatora: Daniela Aiuto

ALTERAÇÕES
PROJETO DE RESOLUÇÃO LEGISLATIVA DO PARLAMENTO EUROPEU
 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS
 PROCESSO DA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO
 VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

PROJETO DE RESOLUÇÃO LEGISLATIVA DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2008/96/CE relativa à gestão da segurança da infraestrutura rodoviária

(COM(2018)0274 – C8-0196/2018 – 2018/0129(COD))

(Processo legislativo ordinário: primeira leitura)

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta a proposta da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho (COM(2018)0274),

–  Tendo em conta o artigo 294.º, n.º 2, e o artigo 91.º, n.º 1, alínea c), do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nos termos dos quais a proposta lhe foi apresentada pela Comissão (C8‑0196/2018),

–  Tendo em conta o artigo 294.º, n.º 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o parecer fundamentado apresentado pelo Parlamento sueco no âmbito do Protocolo n.º 2 relativo à aplicação dos princípios da subsidiariedade e da proporcionalidade, segundo o qual o projeto de ato legislativo não respeita o princípio da subsidiariedade,

–  Tendo em conta o parecer do Comité Económico e Social Europeu, de 17 de outubro de 2018(1),

–  Tendo em conta o artigo 59.º do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão dos Transportes e do Turismo (A8-0008/2019),

1.  Aprova a posição em primeira leitura que se segue;

2.  Requer à Comissão que lhe submeta de novo a sua proposta, se a substituir, se a alterar substancialmente ou se pretender alterá-la substancialmente;

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a posição do Parlamento ao Conselho e à Comissão, bem como aos parlamentos nacionais.

Alteração    1

Proposta de diretiva

Considerando 1

Texto da Comissão

Alteração

(1)  O objetivo estratégico da União é reduzir para metade o número de vítimas mortais de acidentes de viação até 2020, em comparação com 2010, aproximando-se das «zero vítimas mortais» até 2050 («Visão Zero»)13. Todavia, os progressos na consecução destes objetivos têm vindo a estagnar nos últimos anos.

(1)  O objetivo estratégico da União é reduzir para metade o número de vítimas mortais de acidentes de viação até 2020, em comparação com 2010, aproximando-se das «zero vítimas mortais» até 2050 («Visão Zero»)13. Todavia, os progressos na consecução destes objetivos têm vindo a estagnar nos últimos anos. Por conseguinte, é necessário redobrar esforços a todos os níveis para atingir a meta para 2020.

_________________

_________________

13Comunicação da Comissão «Rumo a um espaço europeu de segurança rodoviária: orientações para a política de segurança rodoviária de 2011 a 2020», COM (2010) 389 final.

 

13 Comunicação da Comissão «Rumo a um espaço europeu de segurança rodoviária: orientações para a política de segurança rodoviária de 2011 a 2020», COM (2010) 389 final.

Alteração    2

Proposta de diretiva

Considerando 2

Texto da Comissão

Alteração

(2)  De acordo com a abordagem do Sistema Seguro, as mortes e os feridos graves nos acidentes rodoviários são, em larga medida, evitáveis. Deve ser uma responsabilidade partilhada a todos os níveis garantir que os acidentes rodoviários não conduzem a mortes ou feridos graves. Em especial, estradas bem concebidas e devidamente mantidas deverão reduzir a probabilidade de acidentes de viação, enquanto estradas menos agressivas (estradas construídas de forma inteligente para garantir que os erros de condução não tenham imediatamente consequências graves) deverão reduzir a gravidade dos acidentes.

(2)  De acordo com a abordagem do Sistema Seguro, as mortes e os feridos graves nos acidentes rodoviários são, em larga medida, evitáveis. Deve ser uma responsabilidade partilhada a todos os níveis garantir que os acidentes rodoviários não conduzem a mortes ou feridos graves. Em especial, estradas bem concebidas e devidamente mantidas, claramente marcadas e sinalizadas. deverão reduzir a probabilidade de acidentes de viação, enquanto estradas menos agressivas (estradas construídas de forma inteligente para garantir que os erros de condução não tenham imediatamente consequências graves ou fatais) deverão reduzir a gravidade dos acidentes de tráfego. A Comissão deveria desenvolver orientações para o fornecimento e a manutenção de bermas da estrada menos perigosas, baseando-se na experiência de todos os Estados-Membros;

Alteração    3

Proposta de diretiva

Considerando 4

Texto da Comissão

Alteração

(4)  Os procedimentos de gestão da segurança da infraestrutura rodoviária implementados na rede transeuropeia contribuíram para reduzir o número de vítimas mortais e de feridos graves em acidentes de viação na União. Resulta da avaliação dos efeitos da Diretiva 2008/96/CE do Parlamento Europeu e do Conselho15 que os Estados-Membros que aplicam princípios de gestão da segurança da infraestrutura rodoviária numa base voluntária às suas estradas nacionais fora da rede RTE-T têm muito melhores resultados em termos de segurança rodoviária do que os Estados-Membros que o não fazem.

(4)  Os procedimentos de gestão da segurança da infraestrutura rodoviária implementados na rede transeuropeia contribuíram para reduzir o número de vítimas mortais e de feridos graves em acidentes de viação na União. Resulta da avaliação dos efeitos da Diretiva 2008/96/CE do Parlamento Europeu e do Conselho15 que os Estados-Membros que aplicam princípios de gestão da segurança da infraestrutura rodoviária numa base voluntária às suas estradas nacionais fora da rede RTE-T têm muito melhores resultados em termos de segurança rodoviária do que os Estados-Membros que o não fazem. É, por conseguinte, desejável que estes princípios (de gestão da segurança da infraestrutura rodoviária) sejam aplicáveis a outras partes da rede rodoviária europeia.

_________________

_________________

15 Diretiva 2008/96/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de novembro de 2008, relativa à gestão da segurança da infraestrutura rodoviária, JO L 319 de 29.11.2008, p. 59.

15 Diretiva 2008/96/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de novembro de 2008, relativa à gestão da segurança da infraestrutura rodoviária, JO L 319 de 29.11.2008, p. 59.

Alteração    4

Proposta de diretiva

Considerando 5

Texto da Comissão

Alteração

(5)  Uma grande parte dos acidentes de viação ocorre numa pequena proporção de estradas em que os volumes de tráfego e as velocidades são elevados e onde existe um tráfego muito variado que se desloca a diferentes velocidades. Por conseguinte, o alargamento parcial do âmbito de aplicação da Diretiva 2008/96/CE às autoestradas e estradas principais fora da rede RTE-T deveria contribuir significativamente para a melhoria da segurança da infraestrutura rodoviária em toda a União.

(5)  Uma grande parte dos acidentes de viação ocorre numa pequena proporção de estradas em que os volumes de tráfego e as velocidades são elevados e onde existe um tráfego muito variado que se desloca a diferentes velocidades. Por conseguinte, o alargamento parcial do âmbito de aplicação da Diretiva 2008/96/CE às autoestradas e a outras estradas principais fora da rede RTE-T deveria contribuir significativamente para a melhoria da segurança da infraestrutura rodoviária em toda a União.

Alteração    5

Proposta de diretiva

Considerando 5-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(5-A)  Para garantir que esse alargamento do âmbito de aplicação tenha o efeito pretendido, é lógico que as outras estradas principais incluam as estradas que ligam grandes cidades ou regiões que pertencem à categoria mais elevada de estradas abaixo da categoria "autoestrada" na classificação rodoviária nacional.

Alteração    6

Proposta de diretiva

Considerando 7

Texto da Comissão

Alteração

(7)  A avaliação global da rede rodoviária baseada no risco surgiu como um instrumento eficiente e eficaz para identificar as partes da rede que devem ser visadas por inspeções de segurança rodoviária mais exaustivas, e dar prioridade ao investimento em conformidade com o seu potencial para proporcionar melhorias de segurança na globalidade da rede. Toda a rede rodoviária abrangida pela presente diretiva deve, por conseguinte, ser avaliada de forma sistemática a fim de aumentar a segurança rodoviária em toda a União.

(7)  A avaliação global da rede rodoviária baseada no risco surgiu como um instrumento eficiente e eficaz para identificar as partes da rede que devem ser visadas por inspeções de segurança rodoviária mais exaustivas, e dar prioridade ao investimento em conformidade com o seu potencial para proporcionar melhorias de segurança na globalidade da rede. Toda a rede rodoviária abrangida pela presente diretiva deve, por conseguinte, ser avaliada de forma sistemática, incluindo através dos dados recolhidos por meios eletrónicos e digitais, a fim de aumentar a segurança rodoviária em toda a União.

Alteração    7

Proposta de diretiva

Considerando 10

Texto da Comissão

Alteração

(10)  O desempenho em termos de segurança das estradas existentes deverá ser melhorado, concentrando os investimentos nos troços de maior sinistralidade e maior potencial de redução de acidentes.

(10)  O desempenho em termos de segurança das estradas existentes deverá ser melhorado, assegurando aos condutores, especialmente aos condutores profissionais, suficientes zonas de estacionamento e de repouso que prevejam espaços de estacionamento adequados, especialmente em regiões montanhosas e periféricas, em todas as condições meteorológicas, e concentrando os investimentos nos troços de maior sinistralidade e maior potencial de redução de acidentes.

Alteração    8

Proposta de diretiva

Considerando 11

Texto da Comissão

Alteração

(11)  Os troços da rede rodoviária contígua aos túneis rodoviários da rede rodoviária transeuropeia abrangidos pela Diretiva 2004/54/CE do Parlamento Europeu e do Conselho16 apresentam um elevado risco de acidente. Devem, por conseguinte, ser organizadas inspeções de segurança rodoviária conjuntas destes troços rodoviários, que envolvam representantes de ambas as autoridades rodoviárias competentes, tanto as das estradas como as dos túneis, a fim de melhorar a segurança da rede rodoviária no seu todo.

(11)  Os troços da rede rodoviária contígua aos túneis rodoviários da rede rodoviária transeuropeia abrangidos pela Diretiva 2004/54/CE do Parlamento Europeu e do Conselho16 apresentam um elevado risco de acidente. Devem, por conseguinte, ser organizadas inspeções de segurança rodoviária conjuntas destes troços rodoviários, que envolvam representantes de ambas as autoridades rodoviárias competentes, tanto as das estradas como as dos túneis, a fim de melhorar a segurança da rede rodoviária abrangida pela presente diretiva.

_________________

_________________

16 Diretiva 2004/54/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, relativa aos requisitos mínimos de segurança para os túneis da rede rodoviária transeuropeia, JO L 167 de 30.4.2004, p. 39.

16 Diretiva 2004/54/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, relativa aos requisitos mínimos de segurança para os túneis da rede rodoviária transeuropeia, JO L 167 de 30.4.2004, p. 39.

Justificação

A melhoria da rede de segurança só pode dizer respeito ao âmbito de aplicação da presente diretiva, e não à rede como um todo.

Alteração    9

Proposta de diretiva

Considerando 12

Texto da Comissão

Alteração

(12)  Os utentes da estrada vulneráveis representavam 46 % das vítimas mortais em acidentes de viação na União em 2016. Assegurar que os interesses destes utentes sejam tidos em conta em todos os procedimentos de gestão da segurança da infraestrutura rodoviária deve, portanto, melhorar a sua segurança na estrada.

(12)  Os utentes da estrada vulneráveis representavam 46 % das vítimas mortais em acidentes de viação na União em 2016. Assegurar que os interesses destes utentes sejam tidos em conta em todos os procedimentos de gestão da segurança da infraestrutura rodoviária e que sejam desenvolvidos requisitos de qualidade para as infraestruturas para peões e ciclistas deve, portanto, melhorar a sua segurança na estrada.

Alteração    10

Proposta de diretiva

Considerando 13

Texto da Comissão

Alteração

(13)  A conceção e a manutenção da marcação horizontal e da sinalização vertical constitui um elemento importante para garantir a segurança da infraestrutura rodoviária, especialmente à luz do desenvolvimento de veículos equipados com sistemas de assistência ao condutor ou níveis mais elevados de automatização. Em especial, é necessário garantir que a marcação horizontal e a sinalização vertical possam ser vistas e reconhecidas fácil e fiavelmente por estes veículos.

(13)  Os requisitos mínimos de desempenho para a conceção e a manutenção da marcação horizontal e da sinalização vertical constituem um elemento importante para garantir a segurança da infraestrutura rodoviária, especialmente à luz do desenvolvimento de veículos equipados com sistemas de assistência ao condutor ou níveis mais elevados de automatização. Em especial, é necessário garantir que a marcação horizontal e a sinalização vertical, incluindo a relativa às condições de todas as estradas europeias, respeite normas mínimas de qualidade e seja visível, em quaisquer circunstâncias, e que possa ser vista e reconhecida de forma fácil e fiável por todos os utentes da estrada e por estes veículos em todas as estradas europeias. Além disso, deve ser harmonizada ao nível da União e tornada interoperável com os equipamentos instalados a bordo dos veículos de nova conceção. Do mesmo modo, outras regulamentações, como a Diretiva 2004/541-A, devem ser adaptadas às novas normas de segurança e de digitalização do setor dos transportes.

 

1-A Diretiva 2004/54/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, relativa aos requisitos mínimos de segurança para os túneis da rede rodoviária transeuropeia (JO L 167 de 30.4.2004, p. 39)

 

 

Alteração    11

Proposta de diretiva

Considerando 13-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-A)  A melhoria da segurança é uma prioridade do setor ferroviário. Em particular, será importante investir na segurança nos cruzamentos (por exemplo, sinalização, melhoria das infraestruturas). De acordo com o Relatório ERA 2014, em 2012 foram registados 573 acidentes importantes nas 114.000 passagens de nível existentes na UE, dos quais resultaram 369 vítimas mortais e 339 feridos graves. Por conseguinte, as passagens de nível que apresentam um elevado risco de segurança deveriam ser identificadas em toda a União para poder investir na sua melhoria. Posteriormente, deveriam ser substituídas por pontes e passagens subterrâneas.

Alteração    12

Proposta de diretiva

Considerando 13-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-B)  Uma sinalização e uma marcação rodoviárias de alta qualidade são cruciais no apoio aos condutores e aos veículos conectados e automatizados. Devem ser respeitados requisitos de desempenho mínimo para a marcação e a sinalização, de modo a facilitar a implantação de sistemas de mobilidade conectados e automatizados. Seria preferível uma abordagem harmonizada em toda a União, em conformidade com a Convenção de Viena sobre a Sinalização Rodoviária, de 1968.

Alteração    13

Proposta de diretiva

Considerando 14

Texto da Comissão

Alteração

(14)  A fim de assegurar a transparência e melhorar a responsabilização, devem ser comunicados indicadores de desempenho fundamentais.

(14)  A fim de assegurar a transparência e melhorar a responsabilização, devem ser comunicados indicadores de desempenho fundamentais com base numa metodologia comum, para que os utentes da estrada sejam informados sobre o estado da infraestrutura e estejam, de um modo geral, sensibilizados para este aspeto.

Alteração 14

Proposta de diretiva

Considerando 17-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(17-A)  A Comissão deve ponderar uma revisão da Diretiva 2004/54/CE relativa aos requisitos mínimos de segurança para os túneis até 2021, e considerar a adoção de uma nova proposta legislativa relativa aos requisitos mínimos de segurança para as pontes.

Alteração    15

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 1 – n.º 2

 

Texto da Comissão

Alteração

2.  A presente diretiva aplica-se às estradas integradas na rede rodoviária transeuropeia, assim como às autoestradas e às estradas principais, quer se encontrem em fase de projeto, em construção ou em serviço.

2.  A presente diretiva aplica-se às estradas integradas na rede rodoviária transeuropeia, às autoestradas e às estradas principais, incluindo os troços construídos sobre pontes e os que atravessam túneis, quer se encontrem em fase de projeto, em construção ou em serviço.

Alteração    16

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 1 – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3.  A presente diretiva é igualmente aplicável às vias rodoviárias e projetos de infraestruturas rodoviárias não abrangidos pelo disposto no n.º 2, situados fora de zonas urbanas e realizados com financiamento total ou parcial da União.»;

3.  A presente diretiva é igualmente aplicável às vias rodoviárias e projetos de infraestruturas rodoviárias não abrangidos pelo disposto no n.º 2, situados fora de zonas urbanas e realizados com financiamento total ou parcial da União.»;

Alteração    17

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 2 – alínea 2-B)

 

Texto da Comissão

Alteração

2-B.  "Estrada principal", uma via rodoviária que não é uma autoestrada mas liga grandes cidades ou regiões, ou ambas, e é definida como estrada principal no EuroRegionalMap produzido pelas agências cartográficas e agências cadastrais nacionais da Europa;

2-B.  "Estrada principal", uma via rodoviária que não é uma autoestrada mas liga grandes cidades ou regiões, ou ambas, e que pertence à categoria de estrada mais elevada a seguir à categoria «autoestrada» na classificação rodoviária nacional;

Alteração    18

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 2 – alínea c)

 

Texto da Comissão

Alteração

2-C.  "Avaliação global da rede rodoviária", uma avaliação da segurança da rede rodoviária abrangida pelo âmbito de aplicação da presente diretiva, a fim de aferir a gravidade do risco de acidente e impacto;»;

2-C.  "Avaliação global da rede rodoviária", uma avaliação objetiva da segurança da rede rodoviária abrangida pelo âmbito de aplicação da presente diretiva, a fim de aferir a gravidade do risco de acidente e impacto e os troços com elevada sinistralidade;»;

Alteração    19

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea c)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 2 – n.º 5

 

Texto da Comissão

Alteração

(c)  É suprimido o n.º 5,

Suprimido

Alteração    20

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea d)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 2 – n.º 6

 

Texto da Comissão

Alteração

6.  "Classificação de segurança", a classificação em categorias dos troços da rede rodoviária existente, de acordo com a sua segurança criada objetivamente medida;

6.  "Classificação de segurança", a classificação em categorias dos troços da rede rodoviária existente, incluindo as zonas de estacionamento em estradas abrangidas pela presente diretiva, de acordo com o seu nível de segurança objetivamente medido e o índice de acidentes mortais ali registado;

Alteração    21

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea d)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 2 – n.º 7

 

Texto da Comissão

Alteração

7.  "Inspeção de segurança rodoviária", uma inspeção projetada no local de uma via rodoviária ou troço existente, a fim de identificar condições perigosas, falhas e deficiências que aumentem o risco de acidentes e lesões;»;

7.  "Inspeção de segurança rodoviária", uma inspeção projetada no local de uma via rodoviária, incluindo as zonas de estacionamento em estradas abrangidas pela presente diretiva, ou troço existente a fim de identificar condições perigosas, nomeadamente em algumas épocas do ano, falhas e deficiências que aumentem o risco de acidentes e lesões;»;

Alteração    22

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2-A (novo)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 4 – n.º 6-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(2-A)  Ao artigo 4.º é aditado o seguinte n.º 6:

 

6-A.  A Comissão deve estabelecer orientações para o fornecimento e a manutenção de bermas da estrada não perigosas e de estradas claramente sinalizadas, onde o cumprimento da lei é praticamente inevitável, na auditoria inicial da fase de conceção, partindo da experiência dos Estados-Membros.

Alteração    23

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 5 – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  Os Estados-Membros asseguram que é efetuada uma avaliação global da rede rodoviária na totalidade da rede rodoviária em serviço abrangida pela presente diretiva. As avaliações globais da rede rodoviária devem incluir uma inspeção visual, uma análise dos volumes de tráfego e do historial dos dados de acidentes, bem como uma avaliação da gravidade do risco de acidente e impacto. Os Estados-Membros asseguram que a primeira avaliação seja efetuada o mais tardar em 2025. As subsequentes avaliações globais da rede rodoviária devem ser suficientemente frequentes para assegurar níveis adequados de segurança, devendo, em todo o caso, ser efetuadas pelo menos de cinco em cinco anos.

1.  Os Estados-Membros asseguram que é efetuada uma avaliação global da rede rodoviária na totalidade da rede rodoviária em serviço abrangida pela presente diretiva. As avaliações globais da rede rodoviária devem incluir uma inspeção visual, uma análise dos volumes de tráfego, o historial dos dados de acidentes, a classificação dos troços com elevada sinistralidade, dados recolhidos através da aplicação de metodologias de monitorização específicas, relatos pertinentes de utentes da estrada em conformidade com o artigo 6.º-F, bem como uma avaliação da gravidade do risco de acidente e impacto pela aferição comparativa dos resultados. Os Estados‑Membros asseguram que a primeira avaliação seja efetuada o mais tardar em 2024. As subsequentes avaliações globais da rede rodoviária devem ser suficientemente frequentes para assegurar níveis adequados de segurança e uma análise dos acidentes, devendo, em todo o caso, ser efetuadas pelo menos de cinco em cinco anos.

Alteração    24

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 5 – n.º 2-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

2-A.  A Comissão publica orientações para a definição da metodologia a seguir na realização de avaliações sistemáticas da rede rodoviária global e de inspeções aos troços de alto risco;

Alteração    25

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 5 – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3.  Com base nos resultados da avaliação referida no n.º 1, os Estados‑Membros devem classificar todos os troços da rede rodoviária em não menos de três categorias de acordo com a segurança que neles foi criada.

3.  Com base nos resultados da avaliação referida no n.º 1, os Estados‑Membros devem classificar todos os troços da rede rodoviária em três categorias de acordo com a segurança que neles foi criada.

Alteração    26

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 5 – n.º 5

 

Texto da Comissão

Alteração

5.  Os Estados-Membros asseguram a instalação de sinalização adequada para avisar os utentes da estrada acerca dos segmentos da infraestrutura rodoviária que se encontram em obras e que, consequentemente, são suscetíveis de comprometer a sua segurança. A referida sinalização deve incluir igualmente sinais que sejam visíveis tanto de dia como de noite, instalados a uma distância de segurança, e que cumpram o disposto na Convenção de Viena sobre a Sinalização Rodoviária, de 1968.»

5.  Os Estados-Membros asseguram que os utentes da estrada são informados da existência de troços com elevada sinistralidade e da instalação de sinalização e marcação pertinente e adequada para avisar os utentes da estrada acerca dos segmentos da infraestrutura rodoviária que se encontram em obras e que, consequentemente, são suscetíveis de comprometer a sua segurança. A referida sinalização deve incluir igualmente sinais que sejam visíveis tanto de dia como de noite, instalados a uma distância de segurança, e que cumpram o disposto na Convenção de Viena sobre a Sinalização Rodoviária, de 1968.»

Alteração    27

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4 – alínea c)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6 – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3.  Os Estados-Membros devem garantir a segurança dos troços da rede rodoviária adjacentes a túneis rodoviários abrangidos pela Diretiva 2004/54/CE através de inspeções conjuntas de segurança rodoviária que envolvam as entidades competentes que participam na aplicação da presente diretiva e da Diretiva 2004/54/CE. A inspeções conjuntas de segurança rodoviária devem ser realizadas pelo menos de três em três anos.»;

3.  Os Estados-Membros devem garantir a segurança dos troços da rede rodoviária adjacentes a túneis rodoviários abrangidos pela Diretiva 2004/54/CE através de inspeções conjuntas de segurança rodoviária que envolvam as entidades competentes que participam na aplicação da presente diretiva e da Diretiva 2004/54/CE. As inspeções conjuntas de segurança rodoviária devem ser suficientemente frequentes para assegurar níveis adequados de segurança, e, em todo o caso, ser realizadas pelo menos de três em três anos.

Alteração    28

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-A – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3.  Os Estados-Membros devem assegurar que as medidas corretivas são orientadas para os troços rodoviários com baixos níveis de segurança e que oferecem a oportunidade da implementação de medidas com elevadas razões de custo‑benefício.

3.  Os Estados-Membros devem assegurar que as medidas corretivas são principalmente orientadas para os troços rodoviários com baixos níveis de segurança e que oferecem a oportunidade da implementação de medidas com elevadas razões de custo-benefício.

Alteração    29

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-A – n.º 3-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

3-A.  Os Estados-Membros devem, de qualquer modo, assegurar níveis adequados de intervenção e manutenção para garantir a segurança da infraestrutura em toda a rede rodoviária e adotar procedimentos e planos com vista a uma intervenção imediata, caso os resultados das inspeções e da avaliação global da rede rodoviária ponham em evidência um grave risco para a segurança.

 

Os Estados-Membros vizinhos devem garantir uma coordenação e cooperação eficazes dos serviços de emergência em caso de acidente em troços de túneis e pontes transfronteiriços.

Alteração    30

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-A – n.º 4

 

Texto da Comissão

Alteração

4.  Os Estados-Membros devem preparar e atualizar regularmente um plano de ação prioritária baseado no risco para controlar a aplicação das medidas corretivas identificadas. Na elaboração do plano de ação, os Estados-Membros dão prioridade aos troços rodoviários com elevado potencial de melhoria da segurança rodoviária, tendo em conta as intervenções com elevadas razões de custo-benefício.

4.  Os Estados-Membros devem preparar e atualizar regularmente, o mais tardar um ano após a entrada em vigor da presente diretiva, um plano de ação prioritária baseado no risco para controlar a aplicação das medidas corretivas identificadas. Na elaboração do plano de ação, os Estados-Membros dão prioridade aos troços rodoviários com elevado potencial de melhoria da segurança rodoviária, tendo em conta as intervenções com elevadas razões de custo-benefício.

Alteração    31

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-B – parágrafo 1

 

Texto da Comissão

Alteração

Os Estados-Membros devem assegurar que as necessidades dos utentes da estrada vulneráveis sejam tidas em conta na aplicação dos procedimentos estabelecidos nos artigos 3.º a 6.º.»;

Os Estados-Membros devem assegurar que as necessidades dos utentes da estrada vulneráveis sejam tidas em conta na aplicação dos procedimentos estabelecidos nos artigos 3.º a 6.º e na conceção e manutenção das estradas. A Comissão deve elaborar requisitos de qualidade.»;

Alteração    32

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-C – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  Os Estados-Membros devem assegurar que a marcação horizontal e a sinalização vertical sejam devidamente projetadas e conservadas de modo a que possam ser fácil e fiavelmente reconhecidas tanto pelos condutores humanos como pelos veículos equipados com sistemas de assistência ao condutor ou níveis mais elevados de automatização.

1.  Os Estados-Membros devem assegurar que a marcação horizontal e a sinalização vertical sejam devidamente projetadas em conformidade com normas de elevada qualidade, visíveis em todas as circunstâncias, posicionadas e conservadas de modo a que possam ser fácil e fiavelmente reconhecidas tanto pelos condutores humanos como pelos veículos equipados com sistemas de assistência ao condutor ou níveis mais elevados de automatização.

Alteração    33

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-C – n.º 2

 

Texto da Comissão

Alteração

2.  A Comissão deve elaborar requisitos de desempenho gerais a fim de facilitar o reconhecimento da marcação horizontal e da sinalização vertical. Para o efeito, a Comissão adotará um ato de execução em conformidade com o procedimento a que se refere o Artigo 13.º, n.º 2.»;

2.  A Comissão deve elaborar requisitos de desempenho mínimos a fim de facilitar o reconhecimento da marcação horizontal e da sinalização vertical e melhorar a sua conectividade e interoperabilidade com dispositivos de Serviços de Transporte Inteligentes cooperativos (STI-C) instalados em veículos conectados e automatizados. Até 2020, a Comissão deve estabelecer normas europeias comuns para harmonizar a marcação e a sinalização, em conformidade com a Convenção de Viena sobre a Sinalização Rodoviária, de 1968;

 

Além disso, a Comissão deve estabelecer um registo central europeu para toda a sinalização e outros sinais adicionais utilizados nas estradas da UE. Para o efeito, a Comissão adotará atos delegados em conformidade com o procedimento a que se refere o Artigo 12.º-A;

Alteração    34

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-E (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

Artigo 6.º-E

 

Informação e transparência

 

1.  Os Estados-Membros devem assegurar a disponibilização de informações adequadas no início de cada troço da rede rodoviária, por forma a informar os utentes da estrada sobre qual a categoria do troço, nos termos do artigo 5.º, n.º 3;

 

2.  A Comissão publica um mapa europeu, acessível em linha, da rede rodoviária no âmbito da presente diretiva, destacando as três categorias diferentes a que se refere o artigo 5.º, n.º 3;

 

3.  Os Estados-Membros devem publicar e tornar acessíveis ao público todos os documentos pertinentes relativos à adjudicação de concessões no âmbito de contratos públicos e que afetem a segurança da infraestrutura.

Alteração    35

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 6-F (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

«Artigo 6.º-F

 

Comunicação voluntária

 

1.  Os Estados-Membros devem criar um sistema nacional de comunicação voluntária, acessível em linha para todos os utentes da estrada, para facilitar a recolha de informações pormenorizadas sobre as ocorrências transmitidas por utentes da estrada e veículos rodoviários, e de quaisquer outras informações relacionadas com a segurança que o autor da comunicação considere representarem um risco real ou potencial para a segurança da infraestrutura rodoviária;

 

2.  Os Estados-Membros asseguram que os dados e as informações a que se refere o n.º 1 sejam reunidos numa base de dados nacional, tratados, analisados em tempo útil e, se for caso disso, avaliados com o intuito de realizar os procedimentos previstos nos artigos 5.º, 6.º e 6.º-A;

Alteração    36

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5-B) (novo) – alínea a) (nova)

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 9 – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(5-B)  O artigo 9.° é alterado do seguinte modo:

 

(a)   O n.º 1 passa a ter a seguinte redação:

1.   Os Estados-Membros asseguram a aprovação de programas de formação para auditores de segurança rodoviária, caso ainda não existam, até 19 de Dezembro de 2011.

1.   Os Estados-Membros asseguram a aprovação de programas de formação para auditores de segurança rodoviária. A Comissão deve desenvolver requisitos mínimos com base nas melhores práticas dos Estados-Membros. Para garantir que as necessidades dos utentes mais vulneráveis das estradas sejam tidas em conta, as infraestruturas para peões e ciclistas devem ser incluídas nos programas de formação sobre segurança rodoviária;

Alteração    37

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 6

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 10 – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

A fim de melhorar a segurança nas estradas da União Europeia, a Comissão deve estabelecer um sistema para o intercâmbio das melhores práticas entre os Estados‑Membros, abrangendo, nomeadamente, projetos atuais de segurança da infraestrutura rodoviária e tecnologia com provas dadas no domínio da segurança rodoviária.»;

A fim de melhorar a segurança nas estradas da União Europeia, a Comissão deve estabelecer um sistema para o intercâmbio de informações e das melhores práticas entre os Estados-Membros, abrangendo, nomeadamente, programas de formação sobre segurança rodoviária, projetos atuais de segurança da infraestrutura rodoviária e tecnologia com provas dadas no domínio da segurança rodoviária, incluindo sistemas para a identificação da sinalização rodoviária, tanto pelos condutores como por veículos equipados com dispositivos de assistência ao condutor. Deve ser encorajado e facilitado o intercâmbio de experiências sobre metodologias «Sistema Seguro» entre profissionais e o intercâmbio de informações entre auditores de segurança rodoviária;

Alteração    38

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 8

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 11-A – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  Os Estados-Membros devem apresentar um relatório à Comissão até 31 de outubro [SP: inserir ANO correspondente a 24 meses após a entrada em vigor] e, posteriormente, de três em três anos, acerca da percentagem da rede rodoviária avaliada pela avaliação global da rede rodoviária nos três anos anteriores, assim como a classificação de segurança dos troços rodoviários avaliados por categoria de utentes da estrada.»;

1.  Os Estados-Membros devem apresentar um relatório à Comissão até 31 de outubro [SP: inserir ANO correspondente a 24 meses após a entrada em vigor] e, posteriormente, de três em três anos, com base numa metodologia comum, acerca da percentagem da rede rodoviária avaliada pela avaliação global da rede rodoviária nos três anos anteriores, os progressos alcançados no sentido da realização dos objetivos fixados a nível nacional para a redução do número de mortes e de acidentes, a atualização das orientações nacionais, em particular, as melhorias em termos de progresso tecnológico e proteção dos utentes vulneráveis, assim como a classificação de segurança dos troços rodoviários avaliados por categoria de utentes da estrada.»;

Alteração    39

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 8

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 11-A – n.º -1-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

1-A.  [24 meses após o prazo de apresentação dos relatórios pelos Estados‑Membros] e, depois, dois anos mais tarde, a Comissão elabora e apresenta ao Parlamento Europeu e ao Conselho um relatório sobre a aplicação da presente diretiva, em especial no que respeita aos elementos referidos no n.º 1, bem como sobre eventuais medidas adicionais, designadamente uma revisão da presente diretiva e possíveis adaptações ao progresso técnico.

Alteração    40

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 10

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 12-A – título

 

Texto da Comissão

Alteração

Atos delegados

Exercício da delegação

Alteração    41

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 10

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 12-A – n.º 2

 

Texto da Comissão

Alteração

2.  O poder de adotar atos delegados referido no artigo 12.º é conferido à Comissão por um período indeterminado, a partir de [data de entrada em vigor da presente diretiva].

2.  O poder de adotar atos delegados referido no artigo 6.º-C e no artigo12.º é conferido à Comissão por um período de cinco anos, a partir de [data de entrada em vigor da presente diretiva]. A Comissão elabora um relatório sobre a delegação de poderes o mais tardar nove meses antes do final do prazo de cinco anos. A delegação de poderes é tacitamente prorrogada por períodos de igual duração, salvo se o Parlamento Europeu ou o Conselho a tal se opuserem o mais tardar três meses antes do final de cada prazo.

Alteração    42

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 10

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 12-A – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3.  A delegação de poderes referida no artigo 12.º pode ser revogada em qualquer momento pelo Parlamento Europeu ou pelo Conselho. A decisão de revogação põe termo à delegação dos poderes nela especificados. A decisão de revogação produz efeitos a partir do dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia ou em data posterior nela especificada. A decisão de revogação não afeta a validade dos atos delegados já em vigor.

3.  A delegação de poderes referida no artigo 6.º-C e no artigo 12.º pode ser revogada em qualquer momento pelo Parlamento Europeu ou pelo Conselho. A decisão de revogação põe termo à delegação dos poderes nela especificados. A decisão de revogação produz efeitos a partir do dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia ou em data posterior nela especificada. A decisão de revogação não afeta a validade dos atos delegados já em vigor.

Alteração    43

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 10

Diretiva 2008/96/CE

Artigo 12-A – n.º 6

 

Texto da Comissão

Alteração

6.  Os atos delegados adotados em aplicação do disposto no artigo 12.º só entram em vigor se nem o Parlamento Europeu nem o Conselho formularem objeções no prazo de dois meses a contar da notificação do ato a estas duas instituições ou se, antes do termo desse prazo, o Parlamento Europeu e o Conselho informarem a Comissão de que não formularão objeções. O referido prazo pode ser prorrogado por dois meses por iniciativa do Parlamento Europeu ou do Conselho;

6.  Os atos delegados adotados em aplicação do disposto no artigo 6.º-C e no artigo 12.º só entram em vigor se nem o Parlamento Europeu nem o Conselho formularem objeções no prazo de dois meses a contar da notificação do ato a estas duas instituições ou se, antes do termo desse prazo, o Parlamento Europeu e o Conselho informarem a Comissão de que não formularão objeções. O referido prazo pode ser prorrogado por dois meses por iniciativa do Parlamento Europeu ou do Conselho;

Alteração    44

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 1-A (novo)

Diretiva 2008/96/CE

Anexo I – secção 2 – alínea e)

 

Texto em vigor

Alteração

 

(1-A)  Na secção 2, a alínea e) é alterada como segue:

e)  Tráfego (por exemplo, volume de tráfego, categorização do tráfego por tipos);

(e)  Tráfego (por exemplo, volume de tráfego, categorização do tráfego por tipos), incluindo fluxos previstos de peões e ciclistas calculados com base nos atributos de uso do solo dos terrenos limítrofes;

Alteração    45

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II – secção 1 – alínea n) – subalínea ii)

 

Texto da Comissão

Alteração

ii)  disposições aplicáveis aos ciclistas,

(ii)  disposições aplicáveis aos ciclistas, designadamente a existência de percursos alternativos ou de separações do tráfego rodoviário de alta velocidade,

Alteração    46

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II – parágrafo 1 – alínea n) – subalínea iii-A) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

iii-A)  densidade e localização de passagens para peões e ciclistas;

Alteração    47

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II – parágrafo 1 – alínea n) – subalínea iii-B) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

iii-B)  disposições aplicáveis aos peões e ciclistas nas estradas afetadas da zona;

Alteração    48

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II – parágrafo 1 – alínea n) – subalínea iii-C) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

iii-C)  Separação dos peões e ciclistas do tráfego rodoviário de alta velocidade ou existência de vias alternativas em estradas de classe inferior;

Alteração    49

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II-A – secção 1 – alínea c)

 

Texto da Comissão

Alteração

c)  Alinhamento auto-elucidativo (ou seja, "legibilidade" do alinhamento pelos condutores);

c)  Alinhamento auto-elucidativo (ou seja, "legibilidade" do alinhamento pelos utentes da estrada);

Alteração    50

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II-A – secção 2 – alínea g)

 

Texto da Comissão

Alteração

g)  Existência de passadeiras para peões.

g)  Existência de passadeiras para peões e ciclistas.

Alteração    51

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II-A – secção 3 – alínea e)

 

Texto da Comissão

Alteração

e)  Passagens de nível.

e)  Passagens de nível (assinalando, em particular, o tipo de passagem, se é manobrada ou não, e se o seu funcionamento é manual ou automatizado).

Alteração    52

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II-A – secção 6 – alínea b)

 

Texto da Comissão

Alteração

b)  Perigos nas bermas da estrada e distância do limite da faixa de rodagem;

b)  Perigos nas bermas da estrada e distância do limite da faixa de rodagem ou da ciclovia;

Alteração    53

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – secção 6 – alínea f-A) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

f-A)  Manutenção dos parques de estacionamento, em especial no inverno;

Alteração    54

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2008/96/CE

Anexo II-A – secção 7-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

7-A.  Pontes e túneis:

 

a)  Presença e número de pontes;

 

b)  Presença e número de túneis;

 

c)  Existência de sensores para controlo remoto do desempenho estrutural e da estabilidade da infraestrutura;

 

d)  Elementos visuais que representam riscos para a segurança do desempenho da infraestrutura.

Alteração    55

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 2 – alínea d)

 

Texto da Comissão

Alteração

d)  Volumes observados de bicicletas;

d)  Volumes observados de bicicletas em ambos os lados, assinalando “ao longo da estrada” ou “que atravessam a estrada”;

Alteração    56

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 3 – alínea a)

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  Número e local de vítimas mortais por grupo de utentes da estrada

a)  Número, local e causa de vítimas mortais por grupo de utentes da estrada

Alteração    57

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 4 – alínea d)

 

Texto da Comissão

Alteração

d)  Presença de dispositivos de STI: alertas de engarrafamento, painéis de mensagens variáveis;

d)  Presença de dispositivos de STI: alertas de engarrafamento, painéis de mensagens variáveis, sensores para monitorização do desempenho estrutural;

Alteração    58

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – secção 6-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

6-A.  Pontes e túneis:

 

a)  Presença e número de pontes, incluindo informações pertinentes sobre as mesmas;

 

b)  Presença e número de túneis, inclusive informações pertinentes sobre os mesmos;

 

c)  Existência de sensores para controlo remoto do desempenho estrutural e da estabilidade da infraestrutura;

 

d)  Elementos visuais que representam riscos para a segurança do desempenho da infraestrutura.

Alteração    59

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 7 – alínea e)

 

Texto da Comissão

Alteração

e)  Presença de passagens de nível.

e)  Presença de passagens de nível (indicando, em particular, o tipo de passagem, se é manobrada ou não, e se o seu funcionamento é manual ou automatizado).

Alteração    60

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – secção 9 – alínea a)

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  Passadeiras para peões (cruzamentos de superfície e viadutos);

a)  Passadeiras para peões e ciclistas (cruzamentos de superfície e viadutos);

Alteração    61

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 9 – alínea a-A) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

a-A)  Passadeiras para ciclistas (cruzamentos de superfície e viadutos);

Alteração    62

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 9 – alínea d)

 

Texto da Comissão

Alteração

d)  Instalações para bicicletas;

d)  Instalações para bicicletas e seu tipo (trilhos para bicicletas, ciclovias e outro tipo de vias);

Alteração    63

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 9 – alínea f)

 

Texto da Comissão

Alteração

f)  Instalação de passadeira para peões em via de acesso a estrada secundária de ligação ao nó.

f)  Instalação de passadeiras para peões e ciclistas em via de acesso a estrada secundária de ligação ao nó;

Alteração    64

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 9 – alínea f-A) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

f-A)  Existência de vias alternativas para peões e ciclistas no caso de não haver estruturas separadas;

Alteração    65

Proposta de diretiva

Anexo I – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2008/96/CE

Anexo III – ponto 9-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

9-A.  Sistemas de segurança pré/pós‑colisão para acidentes de trânsito e elementos de atenuação da gravidade do acidente:

 

a)  Centros operacionais da rede e outras estruturas de patrulhamento;

 

b)  Mecanismos para comunicar as condições de circulação aos utentes da estrada de forma a evitar acidentes ou incidentes;

 

c)  Sistemas de deteção automática de problemas: sensores e câmaras;

 

d)  Sistemas de gestão de problemas;

 

e)  Sistemas para comunicação de informações com os serviços de emergência.

(1)

Ainda não publicado no Jornal Oficial.


EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

A relatora apoia vivamente os objetivos gerais da iniciativa proposta, que, introduzindo alterações à Diretiva 2008/96/CE, visa continuar a reduzir o número de vítimas mortais e feridos graves nas redes rodoviárias da UE através da melhoria do desempenho de segurança da infraestrutura rodoviária. Concorda que os objetivos podem ser alcançados através de uma melhoria da transparência e do acompanhamento dos procedimentos de gestão da segurança da infraestrutura, da introdução de avaliações globais da rede rodoviária, incluindo procedimentos sistemáticos e proativos de cartografia dos riscos, do alargamento do âmbito para além da rede RTE-T e do estabelecimento de requisitos gerais de desempenho para a marcação horizontal e a sinalização vertical, prevendo a utilização generalizada de sistemas de mobilidade conectados e automatizados num futuro próximo.

Além disso, a relatora considera que a introdução de novas alterações na presente proposta poderá resultar em infraestruturas rodoviárias ainda mais seguras e em legislação mais orientada para o futuro. Propõe a inclusão no âmbito de aplicação de partes dos túneis rodoviários, pontes e intersecções não abrangidas pela Diretiva 2004/54/CE, bem como as zonas urbanas, especialmente quando as estradas principais que atravessam essas zonas urbanas são financiadas pelo orçamento da UE. Opta igualmente por integrar meios eletrónicos e digitais nos instrumentos de avaliação, tanto para uma melhor análise das partes da infraestrutura com maior incidência de acidentes como para a monitorização permanente do desempenho estrutural de pontes e túneis. Além disso, propõe que os utentes da estrada comuniquem voluntariamente as suas preocupações em matéria de segurança rodoviária às autoridades responsáveis, para facilitar a identificação dos perigos potenciais para a segurança rodoviária e, inversamente, para que os utentes sejam devidamente informados pelas autoridades sobre o estado das infraestruturas que utilizam, por meio de sinais e marcações específicas.


PROCESSO DA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

Título

Gestão da segurança da infraestrutura rodoviária

Referências

COM(2018)0274 – C8-0196/2018 – 2018/0129(COD)

Data de apresentação ao PE

17.5.2018

 

 

 

Comissão competente quanto ao fundo

       Data de comunicação em sessão

TRAN

31.5.2018

 

 

 

Comissões encarregadas de emitir parecer

       Data de comunicação em sessão

ITRE

31.5.2018

 

 

 

Comissões que não emitiram parecer

       Data da decisão

ITRE

19.6.2018

 

 

 

Relatores

       Data de designação

Daniela Aiuto

19.7.2018

 

 

 

Exame em comissão

15.10.2018

 

 

 

Data de aprovação

10.1.2019

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

39

6

0

Deputados presentes no momento da votação final

Daniela Aiuto, Lucy Anderson, Inés Ayala Sender, Georges Bach, Izaskun Bilbao Barandica, Deirdre Clune, Michael Cramer, Luis de Grandes Pascual, Andor Deli, Isabella De Monte, Ismail Ertug, Jacqueline Foster, Dieter-Lebrecht Koch, Merja Kyllönen, Innocenzo Leontini, Peter Lundgren, Marian-Jean Marinescu, Georg Mayer, Cláudia Monteiro de Aguiar, Renaud Muselier, Markus Pieper, Tomasz Piotr Poręba, Gabriele Preuß, Dominique Riquet, Massimiliano Salini, David-Maria Sassoli, Keith Taylor, Pavel Telička, Marita Ulvskog, Wim van de Camp, Marie-Pierre Vieu, Roberts Zīle, Kosma Złotowski

Suplentes presentes no momento da votação final

Rosa D’Amato, Michael Gahler, Maria Grapini, Karoline Graswander‑Hainz, Peter Kouroumbashev, Evžen Tošenovský, Matthijs van Miltenburg

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Pascal Durand, Jude Kirton-Darling, Georgi Pirinski, Sergei Stanishev, Mylène Troszczynski

Data de entrega

11.1.2019


VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

39

+

ECR

Tomasz Piotr Poręba, Evžen Tošenovský, Roberts Zīle, Kosma Złotowski

EFDD

Daniela Aiuto, Rosa D'Amato

ENF

Georg Mayer, Mylène Troszczynski

GUE/NGL

Merja Kyllönen, Marie-Pierre Vieu

PPE

Georges Bach, Wim van de Camp, Deirdre Clune, Andor Deli, Michael Gahler, Luis de Grandes Pascual, Dieter-Lebrecht Koch, Innocenzo Leontini, Marian-Jean Marinescu, Cláudia Monteiro de Aguiar, Renaud Muselier, Markus Pieper, Massimiliano Salini

S&D

Lucy Anderson, Inés Ayala Sender, Isabella De Monte, Ismail Ertug, Maria Grapini, Karoline Graswander-Hainz, Jude Kirton-Darling, Peter Kouroumbashev, Georgi Pirinski, Gabriele Preuß, David-Maria Sassoli, Sergei Stanishev, Marita Ulvskog

VERTS/ALE

Michael Cramer, Pascal Durand, Keith Taylor

6

-

ALDE

Izaskun Bilbao Barandica, Matthijs van Miltenburg, Dominique Riquet, Pavel Telička

ECR

Jacqueline Foster, Peter Lundgren

0

0

 

 

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

Última actualização: 24 de Janeiro de 2019Advertência jurídica