Processo : 2014/2841(RSP)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : B8-0122/2014

Textos apresentados :

B8-0122/2014

Debates :

Votação :

PV 18/09/2014 - 10.4
Declarações de voto

Textos aprovados :

P8_TA(2014)0025

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO
PDF 315kWORD 61k
Ver igualmente a proposta de resolução comum RC-B8-0118/2014
16.9.2014
PE537.024v01-00
 
B8-0122/2014

apresentada na sequência de uma declaração da Vice-Presidente da Comissão / Alta Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança

nos termos do artigo 123.º, n.º 2, do Regimento


sobre a situação na Ucrânia (2014/2841(RSP))


Charles Tannock, Ryszard Antoni Legutko, Anna Elżbieta Fotyga, Ryszard Czarnecki, Tomasz Piotr Poręba, Geoffrey Van Orden, Roberts Zīle, Ruža Tomašić, Zdzisław Krasnodębski, Valdemar Tomaševski, Bastiaan Belder em nome do Grupo ECR

Resolução do Parlamento Europeu sobre a situação na Ucrânia (2014/2841(RSP))  
B8‑0122/2014

O Parlamento Europeu,

–       Tendo em conta as conclusões do Conselho Europeu sobre a Ucrânia,

–       Tendo em conta as suas anteriores resoluções sobre a Ucrânia,

–       Tendo em conta as suas anteriores resoluções sobre a Rússia,

–       Tendo em conta a Declaração Conjunta da Cimeira da Parceria Oriental de Vílnius, de 29 de novembro de 2013,

–       Tendo em conta a Declaração da Cimeira da NATO no País de Gales,

–       Tendo em conta o artigo 123.º, n.º 2, do seu Regimento,

A.     Considerando que, na sequência da anexação ilegal da Crimeia pela Rússia, a proclamação da independência nas regiões de Donetsk e de Luhansk por parte dos separatistas desencadeou uma onda de violência na Ucrânia oriental;

B.     Considerando que pelo menos 3000 pessoas já perderam a vida desde meados de abril, tendo o número de refugiados e deslocados internos ucranianos atingido os 350 000;

C.     Considerando que os revoltosos pró-russos apoiados diretamente pelo exército regular russo – cuja força é estimada pela parte ucraniana em seis batalhões apoiados por artilharia – se aproximaram de Mariupol, um porto de importância estratégica no Mar Negro, e começaram a bombardear a cidade;

D.     Considerando que, de acordo com fontes da NATO, a Rússia terá fornecido tanques de combate, artilharia e outro armamento aos rebeldes e permitido que mercenários do seu território atravessem a fronteira para se juntarem às milícias rebeldes; que a Rússia ainda dispõe de cerca de 1000 militares armados na Ucrânia oriental e de aproximadamente outros 20 000 soldados estacionados perto da fronteira ucraniana;

E.     Considerando que, após ter dado apoio a grupos separatistas locais, a Rússia recorreu ao seu exército para assumir o controlo da Crimeia ucraniana e, em seguida, anexá-la; que esta situação foi repetida no caso da Ucrânia oriental, violando, por conseguinte, os princípios dos Acordos de Helsínquia;

F.     Considerando que a agressão russa e a invasão da Crimeia constituíram uma violação do direito internacional, nomeadamente da Carta das Nações Unidas, de pelo menos três acordos datados de 1997 entre a Ucrânia e a Rússia sobre relações bilaterais e, em particular, do Memorando de Budapeste de 1994 relativo ao Tratado de Não‑Proliferação, bem como dos principais atos da OSCE;

G.     Considerando que, em 17 de julho de 2014, o voo MH17 da Malaysia Airlines proveniente de Amesterdão foi abatido perto da aldeia de Grabove, no território dominado pelos rebeldes adjacente à fronteira com a Rússia, provocando a morte de cerca de 300 pessoas; que as provas indicam que se trata de um míssil fornecido pela Rússia e lançado pelos rebeldes;

H.     Considerando que, em razão do papel que a Rússia desempenha na crise da Ucrânia, a União Europeia concordou em impor sanções suplementares, visando, nomeadamente, as principais empresas públicas russas de petróleo e alargando a lista negra dos oficiais russos sujeitos à proibição de visto e ao congelamento de bens;

I.      Considerando que, na cimeira da NATO que teve lugar em setembro no País de Gales, mais de 60 dirigentes nacionais se juntaram para debater a situação na Ucrânia e no Afeganistão, bem como o futuro da aliança;

J.      Considerando que, em 27 de junho de 2014, a UE concluiu um acordo de associação com a Ucrânia, bem como acordos similares com a Geórgia e com a Moldávia; que a assinatura desse acordo indica o reconhecimento do desejo do povo ucraniano de viver num país cujo funcionamento seja regido por valores europeus, pela democracia e pelo Estado de direito;

K.     Considerando que os dirigentes políticos russos tentaram utilizar sentimentos históricos de cariz revanchista e irredentista com vista a legitimar iniciativas separatistas, tendo declarado publicamente que a região que hoje corresponde ao sudeste ucraniano foi, no tempo dos czares, uma região russa chamada Novorossiya;

L.     Considerando que, em 5 de setembro de 2014, Eston Kohver, agente do Serviço de Segurança Interna da Estónia, foi sequestrado perto do posto de controlo fronteiriço de Luhamaa, na Estónia, e detido no território russo, num local não revelado, sob a acusação de espionagem;

M.    Considerando que, no contexto das tensões relativas à Ucrânia, a Rússia diminuiu em 45 % o fornecimento de gás à Polónia;

N.     Considerando que a França decidiu suspender a entrega de navios de guerra de classe Mistral à Rússia;

1.      Manifesta a sua solidariedade para com a Ucrânia e a nação ucraniana; expressa um otimismo prudente em relação ao acordo de cessar-fogo e relembra que, para que seja possível alcançar uma paz duradoura e executar o plano de paz, a Rússia deve retirar toda e qualquer forma de apoio financeiro, político ou militar aos separatistas na Ucrânia oriental e libertar todos os territórios anexados, designadamente a Crimeia;

2.      Condena vivamente a Federação da Rússia por travar uma guerra híbrida não declarada contra a Ucrânia, utilizando as forças russas regulares e prestando apoio a grupos ilicitamente armados; exorta a Rússia a pôr cobro ao fluxo de armas e de combatentes para a Ucrânia oriental; salienta que as ações da Rússia contra a Ucrânia constituem um ato de agressão;

3.      Reitera o seu empenhamento na independência, soberania, integridade territorial, inviolabilidade das fronteiras, bem como na opção europeia da Ucrânia;

4.      Acolhe com agrado o pleno respeito pela Ucrânia do acordo de cessar-fogo, não obstante as inúmeras provocações e violações por conta das tropas russas e dos terroristas;

5.      Adverte que, no diálogo político que segue o cessar-fogo, a tónica deve ser posta de forma decisiva na rejeição de quaisquer propostas para o futuro estatuto da Ucrânia que possam ser aproveitadas pela Rússia para aumentar a sua influência ou até dividir o país;

6.      Acolhe com agrado a entrada em vigor do novo conjunto de sanções contra a Rússia, mediante as quais são bloqueados os empréstimos a cinco dos principais bancos estatais e são restringidas as relações comerciais da UE com as empresas dos setores do petróleo e da defesa; considera que todas as sanções devem ser formuladas de molde a não permitir que as companhias ligadas ao Kremlin as contornem; exorta a UE a acompanhar de perto formas de cooperação económica como os swaps de ações e as empresas comuns;

7.      Regista a retirada parcial das tropas russas do território da Ucrânia, mas considera que tal não é suficiente para abrandar as sanções contra a Rússia adotadas pela UE; manifesta, nesse sentido, a sua preocupação com a recente declaração prematura do Presidente do Conselho Europeu relativamente ao possível levantamento das sanções;

8.      Insta os Estados-Membros e o SEAE a adotarem um conjunto claro de indicadores de referência que, uma vez alcançados, possam impedir a adoção de novas medidas restritivas contra a Rússia ou conduzir ao levantamento das anteriores; considera que estes últimos devem incluir: retirada total das tropas e dos mercenários russos do território da Ucrânia, cessação do fornecimento de armas e equipamento aos terroristas, plena observância do cessar-fogo pela Rússia, instituição de medidas eficazes de controlo e verificação do cessar-fogo, bem como restauração do controlo da Ucrânia sobre a totalidade do seu território, incluindo a Crimeia;

9.      Condena a hostilidade da Rússia contra a Crimeia, considerando-a uma grave violação da soberania e da integridade territorial da Ucrânia à luz do direito internacional, e reprova a política russa do «facto consumado» nas relações externas; considera a anexação da Crimeia ilícita; recusa reconhecer o governo de facto da Rússia na Crimeia e apoia a decisão de proibir a importação de mercadorias da Crimeia e de Sebastopol que não disponham de um certificado ucraniano;

10.    Recorda que as atuais fronteiras da Ucrânia foram completamente garantidas pelos EUA, pela Federação da Rússia e pelo Reino Unido no Memorando de Budapeste sobre garantias em matéria de segurança, aquando da renúncia da Ucrânia às armas nucleares e da sua adesão ao Tratado de Não Proliferação das Armas Nucleares (TNP); recorda ainda à Federação da Rússia que, nesse mesmo ato e juntamente com os dois outros países acima referidos, se comprometeu a não aplicar qualquer coerção económica destinada a subordinar aos seus interesses o exercício pela Ucrânia dos direitos inerentes à sua soberania, obtendo assim qualquer tipo de vantagens;

11.    Insta os Estados-Membros a continuarem a prestar o necessário apoio militar e técnico à Ucrânia;

12.    Exorta o Conselho a inserir as assim chamadas repúblicas populares de Donetsk e Luhansk na lista das organizações terroristas;

13.    Insta a Comissão e os Estados-Membros a intensificarem esforços na prestação de ajuda humanitária à Ucrânia;

14.    Manifesta preocupação com a decisão de adiar a aplicação da ZCLAA com a Ucrânia, adotada na reunião que contou com a presença de representantes russos; solicita a aplicação dos acordos na sua forma inicialmente prevista e negociada apenas entre a Ucrânia e a UE;

15.    Regista a decisão adotada na cimeira da NATO, designadamente a criação de uma Força Operacional Conjunta de Resposta Ultrarrápida (Very High Readiness Joint Task Force – VJTF), bem como o reforço das despesas gerais com a defesa, e acolhe com agrado a veemente condenação da ilícita intervenção russa na Ucrânia, que consta da Declaração da Cimeira da NATO no País de Gales; acolhe com agrado a declaração do Presidente Obama, na qual afirma que a aliança deve permitir a adesão de novos membros, a fim de responder à hostilidade da Rússia e de assumir compromissos concretos com vista a reforçar as capacidades de defesa da Ucrânia, da Geórgia e da Moldávia; deplora, todavia, o facto de não ter sido adotada qualquer decisão relativamente à colocação permanente de tropas da NATO nos países da Europa de leste, bem como a falta de qualquer decisão clara relativamente ao apoio direto e imediato ao exército ucraniano;

16.    Exorta a UE, à luz dos recentes atos de hostilidade da Rússia na Ucrânia e na Estónia, a estabelecer um Fundo Europeu da Segurança (FES) que permita empréstimos com taxas de juro reduzidas, utilizáveis pelos Estados-Membros da UE, mormente no leste, para fins de modernização dos respetivos exércitos e melhoria das capacidades de defesa;

17.    Saúda a assinatura dos acordos de associação com a Ucrânia e destaca a possibilidade legalmente consagrada de uma futura adesão da Ucrânia à UE, concedida em princípio pelo artigo 49.º do Tratado sobre a União Europeia;

18.    Regista a decisão do Presidente da França de suspender a entrega de navios de guerra de classe Mistral à Rússia; considera que tal representa um passo no bom caminho e insta a França a rescindir esse contrato de forma definitiva, uma vez que constitui uma violação do Código de Conduta da União Europeia relativamente à exportação de armas e da Posição Comum de 2008, que define regras comuns aplicáveis ao controlo das exportações de tecnologia e equipamento militares;

19.    Exorta a Rússia e os separatistas pró-russos na região a garantirem imediatamente um acesso seguro e ilimitado ao local onde se encontram os destroços do voo MH17, de modo a permitir a retoma da investigação, bem como o repatriamento dos restos mortais e dos pertences das vítimas que ainda se encontram no local, e solicita a que as pessoas direta e indiretamente responsáveis ​​pelo derrube do avião MH17 sejam levadas a tribunal o mais rapidamente possível;

20.    Condena o sequestro no território da Estónia de Eston Kohver, agente do Serviço de Segurança Interna, e exorta as autoridades russas a procederem à sua imediata libertação e regresso à Estónia em condições de segurança;

21.    Recorda que o Presidente Putin afirmou no seu discurso que a Rússia se reserva o direito de defender as pessoas de etnia russa que vivem fora do país, o que pode ser interpretado como uma ameaça velada à Moldávia e aos países bálticos; adverte para o facto de a atual situação na Transnístria poder originar novamente um impasse com a Rússia, tendo em conta, particularmente, a assinatura do Acordo de Associação com a Moldávia;

22.    Reitera o seu apelo à Rússia para que não utilize o gás e o petróleo como instrumento de pressão e de coação nas relações com os seus vizinhos; salienta, neste contexto, a necessidade de assegurar o aprovisionamento energético da Ucrânia e dos Estados‑Membros da UE que já foram afetados por cortes no fornecimento de gás por parte da Rússia, nomeadamente a Polónia;

23.    Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente resolução ao Conselho, à Comissão, à Vice-Presidente da Comissão/Alta Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, aos Estados-Membros, ao Presidente da Ucrânia, aos Governos e Parlamentos dos países da Parceria Oriental e da Federação da Rússia, à Assembleia Parlamentar Euronest e às Assembleias Parlamentares do Conselho da Europa e da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

Advertência jurídica