Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 14 de Setembro de 2016 - Estrasburgo Edição revista

Regulamento Delegado da Comissão que complementa o Regulamento (UE) n.º 1286/2014 sobre os documentos de informação fundamental para pacotes de produtos de investimento de retalho e de produtos de investimento com base em seguros (PRIIP) (B8-0974/2016)
MPphoto
 
 

  Miguel Viegas (GUE/NGL), por escrito. ‒ Estamos de acordo em que é de extrema importância para os investidores terem informações fiáveis e precisas e um alto grau de transparência. Recusamos é que, a reboque desta noção de transparência, se distorça por completo a génese desta crise.

A transparência ajuda e é bem-vinda. Mas não se acredite que foi a falta de transparência a causa da crise financeira. A crise foi provocada pela ganância dos grandes investidores institucionais que tinham toda a informação possível, mas que, ainda assim, não quiseram abrir mão dos seus lucros.

O problema foi a espiral especulativa que envolveu a banca e as restantes instituições financeiras, que sabiam que podiam arriscar, porque sabiam e sabem hoje que poderão contar sempre com os governos e os bancos centrais para resolver este problema.

Por mais regulação que possam inventar, não há nada que apague hoje a necessidade de controlo público do sistema financeiro.

 
Advertência jurídica