Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 11 de Setembro de 2017 - Estrasburgo Edição revista

Adesão da UE à Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica (debate)
MPphoto
 

  João Pimenta Lopes (GUE/NGL). – Senhora Presidente, a violência contra as mulheres, como a violência doméstica, tem na sua génese uma complexa teia de causas de ordem económica, social, política e cultural que não podem ser ignoradas, que permanecem e que se agravam na nossa sociedade.

Estas causas associam-se e interligam-se com dinâmicas psicológicas que levam muitas mulheres a becos sem saída em resultado de sentimentos de culpabilização, do medo e da vergonha, de responsabilização pela manutenção da unidade familiar a todo o custo, da pressão familiar e social.

O êxito da prevenção, combate e erradicação da violência sobre as mulheres nas suas múltiplas formas é indissociável da efetivação dos direitos das mulheres na lei e na vida, da garantia da participação em igualdade, tanto na esfera privada e familiar como na laboral, social, política e desportiva, da alteração de conceções milenares assentes na subalternização do papel das mulheres na família, no trabalho e na sociedade, da promoção de uma cultura assente nos valores da liberdade, da democracia, da igualdade, da justiça e do progresso.

 
Advertência jurídica