Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 11 de Setembro de 2017 - Estrasburgo Edição revista

Adesão da UE à Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica (debate)
MPphoto
 

  Carlos Coelho (PPE). – Senhora Presidente, quero começar por felicitar a minha colega Anna Maria CORAZZA BILDT por toda a sua intervenção neste combate e todas as colegas que ergueram a sua voz. O combate contra a discriminação deve ser uma causa de todos, sejam homens ou mulheres, mais novos ou mais velhos. É um desígnio comum que é parte integrante do que nos une enquanto europeus.

A violência contra as mulheres, em particular violência doméstica, é infelizmente causa e efeito da discriminação de que muitas – demasiadas! - mulheres ainda são alvo. Prevenir e punir esta prática, absolutamente intolerável, deve ser também um desígnio de todos: comunidades locais, Estados-Membros, e da própria União Europeia.

A Convenção de Istambul é naturalmente um excelente instrumento para este fim. É por isso que apelo àqueles Estados—Membros que ainda não aderiram à Convenção para o fazerem rapidamente, e concordo que a União deve igualmente aderir para que nas áreas onde é competente possa atuar plenamente na aplicação desta Convenção e no combate à discriminação.

Caros colegas, é nosso dever combater este sofrimento e criar condições para que as mulheres europeias possam viver em liberdade e sem medo. Coloquemos de parte o acessório e centremo-nos no que realmente interessa. Há mulheres europeias que ainda sofrem e isso tem de acabar!

 
Advertência jurídica