Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 11 de Setembro de 2017 - Estrasburgo Edição revista

Adesão da UE à Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica (debate)
MPphoto
 

  Maria Lidia Senra Rodríguez (GUE/NGL). – Senhor Presidente, saudamos a ratificação da Convenção de Istambul mas, Sra. Comissária, pensamos que a União Europeia deve passar das palavras às ações.

Nós, as mulheres, queremo-nos vivas, queremos viver uma vida sem violência, por isso aguardamos sem perda de tempo uma diretiva europeia para reforçar a luta e o combate contra a violência machista.

Pedimos aos Estados—Membros que avaliem em profundidade a aplicação das leis para ver o que não funciona. Parece-nos imprescindível que todas as pessoas que têm de implementar a legislação contra a violência de género tenham formação em matéria de género. É a única forma de o machismo não se colar também à implementação das leis.

Queremos que se garanta que casos como o de Joana Rivas não aconteçam nunca mais e que nenhuma mulher tenha que enfrentar a prisão por não querer entregar os seus filhos, as suas filhas, aos pais agressores.

 
Advertência jurídica