Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018 - Estrasburgo Edição revista

Reforçar a resiliência da UE contra a influência de intervenientes externos na próxima campanha eleitoral do PE (debate de atualidade)
MPphoto
 

  Carlos Coelho (PPE). – Senhor Presidente, Senhores Comissários Jourová e King, Senhora Presidente do Conselho, Caras e Caros Colegas, em abril deste ano questionei a Comissão Europeia sobre cibersegurança e a salvaguarda da integridade das eleições europeias. Nenhuma resposta foi dada durante largos meses, mas, finalmente, a 12 de setembro foi apresentado um pacote de medidas pelo qual felicito a Comissão Europeia.

Em 2019, como já foi dito, haverá novas eleições para o Parlamento Europeu. Todos queremos prevenir qualquer manipulação eleitoral. Não somos ingénuos e sabemos que são muitas as forças externas, políticas, estatais, económicas e militares, que querem condicionar o processo eleitoral, seja através de fake news, utilização de grandes quantidades de dados para manipulação eleitoral, ou através de financiamento a partidos extremistas que querem destruir o projeto europeu.

Todos recordamos, como já fez a Comissária europeia Jourová, a vergonha do caso «Facebook/Cambridge Analytica» e os fortes indícios de ingerência russa nas eleições em território europeu, todos eles utilizando o mundo digital e as novas tecnologias de informação e comunicação.

É, pois, primordial salvaguardar os direitos dos cidadãos europeus nestas eleições. A cibersegurança é, mais do que nunca, prioritária na defesa dos direitos fundamentais da União.

É fulcral que a Comissão e os Estados-Membros tomem as medidas técnicas e organizativas necessárias para gerir os riscos que recaem sobre a segurança das redes e dos sistemas de informação utilizados nas eleições para o Parlamento Europeu.

Numa Europa contaminada por egoísmos e populismos são muitos os que não vão olhar a meios para destruir o projeto europeu e combater a Europa dos valores e das liberdades.

Temos de agir rapidamente pela liberdade.

 
Última actualização: 8 de Abril de 2019Advertência jurídica