Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Aplicação das disposições do Tratado relativas à cidadania da União - Aplicação das disposições do Tratado relativas à cooperação reforçada - Aplicação das disposições do Tratado relativas às prerrogativas do Parlamento em matéria de controlo político sobre a Comissão - Aplicação da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia no quadro institucional da UE (debate)
MPphoto
 

  Pedro Silva Pereira, em nome do Grupo S&D. – Senhor Presidente, caros colegas, de entre o conjunto de relatórios que hoje aqui debatemos, quero referir-me de modo especial ao importante relatório sobre a cidadania europeia que acompanhei como relator—sombra do meu grupo político.

E começo por onde se deve começar, por agradecer à nossa colega relatora a Maite Ruiz pelo excelente espírito de cooperação que mantivemos e que permitiu chegar a um relatório que, creio, é um bom contributo deste Parlamento para qualificar a democracia e para reforçar a cidadania europeia.

Este relatório chega num momento crucial para o projeto europeu. Num momento em que este projeto europeu está sob violento ataque, as eleições do próximo mês de maio são decisivas para o futuro desta União Europeia que construímos ao longo das últimas décadas. Por isso, agora, mais do que nunca, é preciso que os europeus ganhem plena consciência da sua condição de cidadãos e façam uso do seu primeiro direito de cidadania, o direito de participação política através do voto. Ora, para isso, é preciso uma campanha pedagógica de sensibilização para os direitos dos cidadãos, a começar pelo direito de voto, uma grande campanha, portanto, contra a abstenção.

E é preciso também que se assuma e reconheça a dimensão verdadeiramente europeia destas eleições e que elas decorram sem interferências obscuras através das redes sociais. Só assim teremos uma cidadania europeia que esteja à altura das expetativas dos cidadãos europeus e que qualifique a nossa democracia.

 
Última actualização: 8 de Julho de 2019Advertência jurídica