Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Utilização sustentável dos pesticidas (debate)
MPphoto
 

  Sofia Ribeiro, relatora de parecer da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural. – Senhor Presidente, este assunto exige uma discussão séria e não demagógica a bem da saúde dos europeus, do trabalho dos nossos agricultores e da seriedade política do que aqui fazemos.

É obvio que é possível utilizarmos pesticidas de forma mais sustentável e também é obvio que os agricultores são os principais interessados em manter um ambiente limpo e sustentável. A sua subsistência depende disto. Por isso, lamento o tom geral deste documento que atribui à agricultura a principal causa da má utilização destes produtos, quando sabemos que o seu uso é generalizado por profissionais e não profissionais também de outros setores.

As alterações climáticas estão a desencadear o surgimento de novas pragas que urge combater e desta forma proteger as nossas plantas e produções. O caminho não é erradicarmos os pesticidas, mas sim apostarmos no maior número de substâncias ativas disponíveis de baixo risco e na seletividade da administração destes produtos.

Volto a defender que a União Europeia tem o sistema agroalimentar mais seguro do mundo e que nos mais recentes estudos 97,2% das amostras de produtos agrícolas apresentam valores de resíduos muito abaixo do limite legal. Pelo contrário, uma investigação recente demonstrou uma maior presença de resíduos de pesticidas em produtos de origem biológica em comparação com a produção convencional.

São estes os factos.

 
Última actualização: 28 de Junho de 2019Advertência jurídica