Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Disposições comuns sobre o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo Social Europeu Mais, o Fundo de Coesão e o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, e regras financeiras para estes Fundos (debate)
MPphoto
 

  José Manuel Fernandes (PPE). – Senhor Presidente, Senhora Comissária, a sua proposta é má, é mesmo muito má. Ainda bem que existe o Parlamento, o Parlamento que é colegislador e está em posição de igualdade com o Conselho.

Com a nossa proposta podemos continuar a chamar política de coesão à política de coesão, com a sua proposta não lhe poderíamos chamar política de coesão. Como é que poderíamos aceitar um corte de 45% no Fundo de Coesão, aquele fundo que é destinado precisamente para os Estados-Membros mais pobres, aqueles que têm menos de 90% do rendimento nacional bruto?

A coesão, a solidariedade na União Europeia é uma matriz que nós não podemos perder, que nós temos, no mínimo, de manter em termos dos montantes. E com esta nossa proposta, com a manutenção dos montantes, com também a manutenção das taxas de cofinanciamento, que são essenciais para as regiões mais pobres, nós podemos dizer aos cidadãos da União Europeia que a coesão social, económica e territorial vai continuar e graças ao Parlamento que agora vai negociar com os Estados-Membros.

E aqui fica uma pergunta à senhora comissária, afinal quais são os Estados-Membros que querem cortar na política de coesão? É que o Parlamento já aqui referiu, e vai votar, não aceita cortes nesta política.

 
Última actualização: 24 de Maio de 2019Advertência jurídica