Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Disposições comuns sobre o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo Social Europeu Mais, o Fundo de Coesão e o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, e regras financeiras para estes Fundos (debate)
MPphoto
 

  Ana Miranda (Verts/ALE). – Senhor Presidente, Comissária Crețu, há três elementos fundamentais neste debate da coesão: o critério demográfico, a precariedade no trabalho e a recentralização dos fundos.

O meu país, a Galiza, sai perdendo, sai perdendo pela questão demográfica. A juventude galega imigra porque não há trabalho. Não é só um problema de crise, é um problema de governos ineficazes que não respondem à oferta de emprego.

O meu país perdeu, neste período de fundos de coesão, três mil milhões de euros. Além disso, existe o problema do despovoamento e do custo dos serviços, por exemplo nas zonas rurais, com uma população envelhecida. A precariedade no trabalho é já a norma, e, obviamente, a recentralização dos fundos, como é o caso do Fundo Social Europeu. Por outro lado também o FEDER, como aconteceu com a grave problemática do saneamento das águas.

Esta é, Senhora Comissária, o momento oportuno para descentralizar os fundos europeus, para não condicionalizar os fundos europeus com critérios macroeconómicos que nos esmagam. É o momento oportuno para não falarmos de triunfalismo, mas sim de igualdade.

 
Última actualização: 24 de Maio de 2019Advertência jurídica