Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Proteção dos animais durante o transporte dentro e fora da UE (debate)
MPphoto
 

  Sofia Ribeiro, em nome do Grupo PPE. – Senhor Presidente, há uma diretiva em que todas as avaliações são extremamente positivas, tendo permitido uma melhoria enorme na redução do sofrimento dos animais durante a sua deslocação, bem como na dotação de melhores condições físicas dos meios de transporte. Como aspetos menos positivos temos alguma falta de empenho por parte de alguns Estados-Membros, a falta de harmonização dos sistemas de coimas dentro da União Europeia, que devem ser mais severas e mais punitivas para quem prevarica, e equivalentes em todo o espaço europeu.

Temos também, em alguns países terceiros, problemas de falta de respeito pelas exigências europeias, é um facto. No entanto, não podemos transportar este debate para o campo ideológico, nem aproveitar a proximidade das eleições europeias para que se consiga fazer passar uma agenda radical, que mais não faz do que trazer descrédito a esta meritória diretiva, sem consequências positivas para os animais transportados.

Aspetos como o reforço das fiscalizações, a impossibilidade de transporte de animais que não estejam em condições ótimas de saúde, que estes devam ser abatidos, sempre que possível, o mais próximo das explorações onde se encontram, a possível criação de uma rede móvel de matadores para evitar transportes longos, bem como o incentivo para o transporte de carne e carcaças, em vez de animais vivos, merecem o nosso apoio e propositura.

Apesar disso, não podemos aceitar que, pura e simplesmente, se queira eliminar do espaço europeu e das exportações europeias o transporte de animais vivos. Não vivemos todos no centro da Europa e há que ter o maior respeito pelos países periféricos e a descontinuidade geográfica e não podemos pôr em causa o amor que os agricultores nutrem pelos seus animais, nem achar que estes são responsáveis pelos maus tratos.

 
Última actualização: 5 de Julho de 2019Dados pessoais - Política de privacidade