Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 12 de Março de 2019 - Estrasburgo Edição revista

Criação do programa do Corpo Europeu de Solidariedade (A8-0079/2019 - Michaela Šojdrová)
MPphoto
 

  José Inácio Faria (PPE). – Senhora Presidente, votei favoravelmente este relatório que criou o programa do Corpo Europeu de Solidariedade porque, numa época da ascensão de nacionalismos e xenofobia no nosso continente, todas as iniciativas que reforcem a cidadania ativa e o conceito de solidariedade devem ser apoiadas.

Contudo, uma vez que este programa é, desde o seu início, mais do que um mero programa de voluntariado e abrange também o apoio a projetos de mobilidade e voluntariado em contexto profissional, através de estágios profissionais e contratos com estruturas que desenvolvem ações na área social, importa garantir que, na sua implementação prática, sejam evitados abusos de abusos e que o Corpo Europeu de Solidariedade não seja utilizado pelas organizações não governamentais, pelos organismos públicos e pelas empresas públicas para obter mão-de-obra barata.

O voluntariado, que pode, obviamente, melhorar perspetivas de emprego dos jovens, não deve ser encarado como um substituto ao emprego dignamente remunerado como modo de perpetuar a precariedade dos vínculos laborais ou como um sucedâneo de políticas de combate ao flagelo do desemprego juvenil na Europa.

 
Última actualização: 8 de Julho de 2019Advertência jurídica