Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quinta-feira, 4 de Abril de 2019 - Bruxelas Edição provisória

Conciliação entre a vida profissional e a vida familiar dos progenitores e cuidadores (debate) (debate)
MPphoto
 

  Sofia Ribeiro (PPE). – Senhora Presidente, Senhora Comissária, se nós queremos efetivamente uma Europa mais social, então esta Europa tem que responder às novas exigências da nova sociedade. E que sociedade é esta? É uma sociedade em que as famílias têm os seus filhos cada vez mais tarde, em que as mulheres estão cada vez, e muito bem, mais ativas no mundo laboral, em que os pais, os homens, também exigem os seus direitos à paternidade, e muito bem. O que nós verificávamos é que na nossa Europa nós tínhamos uma grande divergência entre os direitos entre homens e mulheres, que, de facto, não são consentâneos com estas necessidades familiares, que os casais de facto têm dificuldades em acompanhar os seus filhos, não apenas quando eles nascem, mas também na idade escolar em que as necessidades das crianças não se coadunam com as necessidades laborais das empresas.

Isso traz consequências terríveis a nível da diminuição da natalidade e do envelhecimento da nossa Europa, como todos nós sabemos.

Por outro lado, esta geração que tem os filhos cada vez mais tarde também é uma geração sanduíche porque passa a ter não apenas que cuidar dos seus filhos, mas também a ter de cuidar dos seus pais e o envelhecimento na Europa traz-nos esta responsabilidade acrescida. Os nossos idosos têm de ser acarinhados e têm de ter a possibilidade de ficarem em casa com uma maior estabilidade. E os seus filhos, que estão em idade laboral, não têm direitos consagrados à luz laboral no sentido de poderem acompanhar devidamente os seus pais. É por isso é que nós precisamos urgentemente de fazer uma evolução neste acompanhamento à família. Infelizmente não fomos tão além quanto as propostas que apresentei, mas tenho a certeza que este é efetivamente o desafio da Europa social do futuro.

 
Última actualização: 14 de Junho de 2019Advertência jurídica