Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 16 de Julho de 2019 - Estrasburgo Edição provisória

Declaração pela candidata a Presidente da Comissão (debate)
MPphoto
 

  Marisa Matias (GUE/NGL). – Senhora Presidente, Senhora von der Leyen, a senhora chegou aqui com o apoio inequívoco do seu partido europeu e dos governos da extrema direita. Várias audições e cartas depois veio aqui apresentar aos restantes grupos os compromissos que os seus apoiantes sempre rejeitaram e sempre bloquearam nesta Casa. Disse a toda a gente o que toda a gente queria ouvir. Mas o que a União Europeia precisa neste momento é de escolhas, escolhas, e, por isso, pergunto-lhe: para termos coesão os países têm de compensar os excedentes excessivos? Vai exigir isso ao seu governo? Ou investimos no combate às alterações climáticas servindo o planeta ou investimos na militarização servindo a indústria do armamento alemã? Quem é que, na realidade, a senhora vai servir? Ou combatemos as offshores dentro da União Europeia ou combatemos os serviços públicos. Quem é que a senhora vai combater? Ou vai defender os direitos dos trabalhadores ou vai continuar a recomendar a sua destruição. Quem é que vai defender? Ou temos uma política de acolhimento ou temos o reforço do controle das fronteiras. De que lado é que a senhora vai estar?

Senhora von der Leyen, nós precisamos de cinco anos de escolhas claras, não precisamos de mais duas semanas de promessas contraditórias porque a Europa não aguenta mais um mandato de canto de sereia e, seguramente, de desilusões.

 
Última actualização: 17 de Julho de 2019Advertência jurídica