Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 25 de Novembro de 2019 - Estrasburgo Edição provisória

Intervenções de um minuto sobre questões políticas importantes
MPphoto
 

  Isabel Santos (S&D). – Senhora Presidente, uso esta oportunidade para, mais uma vez, chamar a atenção para os violentos ataques que continuam a ocorrer contra as populações indígenas ditados pela voragem dos setores extractivistas, muitas vezes sem resposta à altura, quando não com a conivência dos poderes políticos. Assim acontece no Brasil, na Colômbia, na Bolívia, no Equador, na Venezuela e noutros países da América Latina, transformada na região mais mortífera para indígenas e ambientalistas.

A morte recente de Paulo Paulino da tribo Guajajara, no Brasil, ou o ataque à comunidade nasa, no sudoeste da Colômbia, em que morreram cinco pessoas são apenas exemplos recentes que ilustram uma realidade inaceitável. Violência, intimidações, assédio e deslocações forçadas das comunidades indígenas são cada vez mais comuns.

A União Europeia tem que ser proactiva na defesa destas comunidades. A declaração da Organização das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas e a Convenção n.º 169 da OIT são claras nas regras e limites que estabelecem. Temos que utilizar os instrumentos ao nosso alcance para garantir que se cumprem.

 
Última actualização: 6 de Dezembro de 2019Advertência jurídica