Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 13 de Janeiro de 2020 - Estrasburgo Edição provisória

Disparidades salariais entre homens e mulheres (debate)
MPphoto
 

  Isabel Carvalhais (S&D). – Senhor Presidente, Senhora Comissária, em pleno séc. XXI aqui estamos a discutir a persistência das desigualdades salariais entre géneros. As causas estão enraizadas no modo de funcionamento das nossas sociedades, onde persistem conceções sobre a divisão de tarefas familiares, de tarefas domésticas, sobre quem são os principais cuidadores informais, e que levam a que sejam as mulheres a assegurar um número mais elevado de horas de trabalho não pago e a condicionar as suas escolhas de carreira. Mas a montante de tudo isto está sobretudo uma leitura ética, ou melhor, a falta de uma verdadeira consciência social sobre a gravidade deste problema. Há uma espécie de complacência coletiva em relação a esta questão, como se numa lista de prioridades houvesse sempre outras que a ultrapassam em relevância moral.

E é por isso que, apesar de 60% da população com qualificações superiores ser feminina, as mulheres continuam relegadas dos lugares de gestão e de direção. Uma situação que também se verifica no mundo agrícola, onde apenas 30% das explorações agrícolas na União Europeia são geridas por mulheres, quase sempre ligadas a tarefas pouco remuneradas.

Tais disparidades são aberrantes e intoleráveis, e é por isso que uma estratégia abrangente, Senhora Comissária, deve ter na luta contra os estereótipos de género, desenvolvida desde logo dentro da educação para a cidadania em contexto escolar, um dos maiores objetivos de longo curso contra esta forma de violência estrutural.

 
Última actualização: 27 de Janeiro de 2020Advertência jurídica