Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 14 de Janeiro de 2020 - Estrasburgo Edição provisória

A situação na Venezuela após a eleição ilegal da nova Presidência e Mesa da Assembleia Nacional (golpe parlamentar) (debate)
MPphoto
 

  Isabel Santos (S&D). – Senhora Presidente, os acontecimentos do passado dia 5, na Venezuela, impedindo os representantes democraticamente eleitos pelo povo de aceder às instalações da Assembleia Nacional e exercer livremente as suas funções, representam o ultrapassar de uma linha vermelha que jamais pode ser tolerado.

Acontecimentos como estes só servem para exacerbar a polarização da sociedade venezuelana e dificultar os esforços com vista à promoção de uma solução política, e com isso prolongar a crise e o sofrimento do povo venezuelano, a braços com os severos efeitos de uma crise humanitária que colocou 90% da sua população a viver abaixo dos níveis de pobreza.

Só desde o início deste mandato já se realizaram neste Parlamento três debates sobre a Venezuela. Nos últimos dois anos a situação neste país foi discutida em plenário oito vezes e esta será a sétima resolução sobre a Venezuela a ser votada neste período.

Temos que passar das palavras aos atos! O povo venezuelano está cansado e não aguenta mais. Por isso, Senhor Comissário, apoio firmamento a sua determinação na aplicação de sanções diretamente ligadas àqueles que promovem a violação das regras democráticas e a violação dos direitos humanos na Venezuela, e ao mesmo tempo a concertação dentro do Grupo de Diálogo para que sejam promovidas eleições democráticas, livres e justas, supervisionadas internacionalmente, para devolver a palavra ao povo... (A Presidente retira a palavra à oradora)

 
Última actualização: 27 de Janeiro de 2020Advertência jurídica