Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quarta-feira, 15 de Janeiro de 2020 - Estrasburgo Edição provisória

Distorção da História da Europa e memória da II Guerra Mundial (debate de atualidade)
MPphoto
 

  Sandra Pereira (GUE/NGL). – Senhora Presidente, é clara a estratégia da direita. Mobilizando a maioria no Parlamento Europeu, tenta promover o anticomunismo através da reescrita da História, difundindo as mais reacionárias conceções e falsificações.

Mas a História não se reescreve nem a verdade se altera. Não há mentira que aqui possam bradar que esconda o conluio dos grandes monopólios alemães com Hitler ou as coniventes responsabilidades das grandes potências capitalistas, como o Reino Unido ou a França, que abriram caminho ao início da Segunda Guerra Mundial.

Não há mentira que aqui vociferem que apague o papel contundente e decisivo dos comunistas e da União Soviética na derrota do nazi-fascismo, com os imensos custos, humanos e materiais, para a União Soviética, que nenhum outro país suportou.

Uma cortina de fumo que escapa ao debate sobre como as políticas da União Europeia promovem retrocessos de dimensão civilizacional, atacando direitos sociais e laborais, a soberania nacional e a democracia, e que estão, como no passado, na origem do recrudescimento de forças de extrema-direita e de cariz fascista.

 
Última actualização: 20 de Fevereiro de 2020Dados pessoais - Política de privacidade