Index 
 Anterior 
 Seguinte 
 Texto integral 
Processo : 2015/2204(DEC)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0119/2016

Textos apresentados :

A8-0119/2016

Debates :

PV 27/04/2016 - 17
CRE 27/04/2016 - 17

Votação :

PV 28/04/2016 - 4.58
Declarações de voto

Textos aprovados :

P8_TA(2016)0194

Textos aprovados
PDF 193kWORD 87k
Quinta-feira, 28 de Abril de 2016 - Bruxelas Edição definitiva
Quitação 2014: Empresa Comum ECSEL
P8_TA(2016)0194A8-0119/2016
Decisão
 Decisão
 Resolução

1. Decisão do Parlamento Europeu, de 28 de abril de 2016, sobre a quitação pela execução do orçamento da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) para o exercício de 2014 (2015/2204(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) relativas ao exercício de 2014,

–  Tendo em conta o relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Empresa Comum ECSEL relativas ao período de 27 de junho a 31 de dezembro de 2014, acompanhado da resposta da Empresa Comum(1),

–  Tendo em conta a declaração(2) relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes, emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2014, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a Recomendação do Conselho, de 12 de fevereiro de 2016, sobre a quitação a dar à Empresa Comum quanto à execução do orçamento para o exercício de 2014 (05587/2016 – C8-0059/2016),

–  Tendo em conta o artigo 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(3), nomeadamente o artigo 209.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 72/2008 do Conselho, de 20 de dezembro de 2007, relativo à constituição da Empresa Comum ENIAC(4),

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 74/2008 do Conselho, de 20 de dezembro de 2007, relativo à constituição da Empresa Comum ARTEMIS para realizar a iniciativa tecnológica conjunta no domínio dos sistemas informáticos incorporados(5),

–  Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 561/2014 do Conselho, de 6 de maio de 2014, que cria a Empresa Comum ECSEL(6), nomeadamente o artigo 1.º, n.º 2, e o artigo 12.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE, Euratom) n.º 2343/2002 da Comissão, de 19 de novembro de 2002, que institui o Regulamento Financeiro Quadro dos organismos referidos no artigo 185.º do Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho, que institui o Regulamento Financeiro aplicável ao orçamento geral das Comunidades Europeias(7),

–  Tendo em conta o Regulamento Delegado (UE) n.º 110/2014 da Comissão, de 30 de setembro de 2013, relativo ao regulamento financeiro-tipo para os organismos resultantes de parcerias público-privadas referidos no artigo 209.º do Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho(8),

–  Tendo em conta o artigo 94.º e o Anexo V do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental (A8-0119/2016),

1.  Dá quitação ao Diretor Executivo da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) pela execução do orçamento da Empresa Comum para o exercício de 2014;

2.  Regista as suas observações na resolução que se segue;

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão, e a resolução que desta constitui parte integrante, ao Diretor Executivo da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS), ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, e de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1) JO C 422 de 17.12.2015, p. 80.
(2) JO C 422 de 17.12.2015, p. 81.
(3) JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.
(4) JO L 30 de 4.2.2008, p. 21.
(5) JO L 30 de 4.2.2008, p. 52.
(6) JO L 169 de 7.6.2014, p. 152.
(7) JO L 357 de 31.12.2002, p. 72.
(8) JO L 38 de 7.2.2014, p. 2.


2. Decisão do Parlamento Europeu, de 28 de abril de 2016, sobre o encerramento das contas da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) para o exercício de 2014 (2015/2204(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Atendendo às contas anuais definitivas da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) relativas ao exercício de 2014,

–  Tendo em conta o relatório do Tribunal de Contas sobre as contas anuais da Empresa Comum ECSEL relativas ao período de 27 de junho a 31 de dezembro de 2014, acompanhado da resposta da Empresa Comum(1),

–  Tendo em conta a declaração(2) relativa à fiabilidade das contas e à legalidade e regularidade das operações subjacentes, emitida pelo Tribunal de Contas para o exercício de 2014, nos termos do artigo 287.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a Recomendação do Conselho, de 12 de fevereiro de 2016, sobre a quitação a dar à Empresa Comum quanto à execução do orçamento para o exercício de 2014 (05587/2016 – C8-0059/2016),

–  Tendo em conta o artigo 319.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativo às disposições financeiras aplicáveis ao orçamento geral da União e que revoga o Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho(3), nomeadamente o artigo 209.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 72/2008 do Conselho, de 20 de dezembro de 2007, relativo à constituição da Empresa Comum ENIAC(4),

–  Tendo em conta o Regulamento (CE) n.º 74/2008 do Conselho, de 20 de dezembro de 2007, relativo à constituição da Empresa Comum ARTEMIS para realizar a iniciativa tecnológica conjunta no domínio dos sistemas informáticos incorporados(5),

–  Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 561/2014 do Conselho, de 6 de maio de 2014, que cria a Empresa Comum ECSEL(6), nomeadamente o artigo 1.º, n.º 2, e o artigo 12.º,

–  Tendo em conta o Regulamento (CE, Euratom) n.º 2343/2002 da Comissão, de 19 de novembro de 2002, que institui o Regulamento Financeiro Quadro dos organismos referidos no artigo 185.º do Regulamento (CE, Euratom) n.º 1605/2002 do Conselho, que institui o Regulamento Financeiro aplicável ao orçamento geral das Comunidades Europeias(7),

–  Tendo em conta o Regulamento Delegado (UE) n.º 110/2014 da Comissão, de 30 de setembro de 2013, relativo ao regulamento financeiro-tipo para os organismos resultantes de parcerias público-privadas referidos no artigo 209.º do Regulamento (UE, Euratom) n.º 966/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho(8),

–  Tendo em conta o artigo 94.º e o Anexo V do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental (A8-0119/2016),

1.  Aprova o encerramento das contas da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) relativas ao exercício de 2014;

2.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente decisão ao Diretor Executivo da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS), ao Conselho, à Comissão e ao Tribunal de Contas, e de prover à respetiva publicação no Jornal Oficial da União Europeia (série L).

(1) JO C 422 de 17.12.2015, p. 80.
(2) JO C 422 de 17.12.2015, p. 81.
(3) JO L 298 de 26.10.2012, p. 1.
(4) JO L 30 de 4.2.2008, p. 21.
(5) JO L 30 de 4.2.2008, p. 52.
(6) JO L 169 de 7.6.2014, p. 152.
(7) JO L 357 de 31.12.2002, p. 72.
(8) JO L 38 de 7.2.2014, p. 2.


3. Resolução do Parlamento Europeu, de 28 de abril de 2016, que contém as observações que constituem parte integrante da decisão sobre a quitação pela execução do orçamento da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) para o exercício de 2014 (2015/2204(DEC))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta a decisão sobre a quitação pela execução do orçamento da Empresa Comum ECSEL (anteriormente designada Empresa Comum ENIAC e Empresa Comum ARTEMIS) para o exercício de 2014,

–  Tendo em conta o artigo 94.º e o Anexo V do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Controlo Orçamental (A8-0119/2016),

A.  Considerando que a Empresa Comum ECSEL (a seguir designada «Empresa Comum») foi criada em 7 de junho de 2014 enquanto empresa comum na aceção do artigo 187.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, para efeitos de execução da Iniciativa Tecnológica Conjunta dos Componentes e Sistemas Eletrónicos para uma Liderança Europeia, para o período que decorre até 31 de dezembro de 2024;

B.  Considerando que a parceria público-privada no domínio dos componentes e sistemas eletrónicos deverá permitir conjugar os meios financeiros e técnicos essenciais para dominar a complexidade do ritmo cada vez mais acelerado da inovação neste domínio;

C.  Considerando que o Regulamento (UE) n.º 561/2014 do Conselho(1), criou a Empresa Comum para substituir a Empresa Comum ENIAC (a seguir designada «Eniac») e a Empresa Comum ARTEMIS (a seguir designada «Artemis») e para lhes suceder;

D.  Considerando que os membros da Empresa Comum são a União, os Estados-Membros e os países associados ao Programa-Quadro Horizonte 2020 (a seguir designado «Horizonte 2020») numa base voluntária, bem como associações, na qualidade de membros privados e em representação das empresas que as constituem, e outras organizações ativas no domínio dos componentes e sistemas eletrónicos na União; considerando que a Empresa Comum deverá estar aberta à adesão de novos membros;

E.  Considerando que, na avaliação do impacto global da Empresa Comum, deverão ser tomados em conta os investimentos de outras entidades jurídicas excluindo a União e os Estados que participam na Empresa Comum e que contribuem para a realização dos seus objetivos; considerando que se estima que estes investimentos globais ascendam, pelo menos, a 2 340 000 000 EUR;

F.  Considerando que as contribuições para a Empresa Comum previstas para todo o período de financiamento do Horizonte 2020 são de 1 184 874 000 EUR para a União, 1 170 000 000 EUR para os Estados que participam na Empresa Conjunta e 1 657 500 000 EUR para os membros privados;

G.  Considerando que a transição da Eniac e da Artemis para a Empresa Comum deverá ser harmonizada e sincronizada com a transição do Sétimo Programa-Quadro(2) (a seguir designado «7.º PQ») para o Horizonte 2020, a fim de assegurar a melhor utilização possível dos fundos disponíveis para a investigação;

Observações gerais

1.  Assinala que o Tribunal de Contas, no seu relatório sobre as contas anuais da Empresa Comum relativas ao exercício de 2014, faz observações muito genéricas, em detrimento de observações específicas e viáveis; insta, por conseguinte, a uma auditoria que reforce a tónica no desempenho financeiro anual, no estado de execução dos projetos plurianuais (incluindo uma apresentação clara da execução do orçamento para o ano em questão e dos orçamentos para os anos anteriores), bem como nos resultados e na execução dos mesmos;

2.  Assinala que as informações prestadas no relatório da Empresa Comum sobre a gestão orçamental e financeira para o exercício de 2014 careciam de harmonização e eram muitas vezes incompletas; observa que são necessárias orientações da Comissão quanto à natureza e ao conteúdo do relatório;

3.  Regista que o programa de trabalho do Tribunal de Contas para 2016 inclui um relatório especial sobre a auditoria dos resultados das empresas comuns;

Gestão orçamental e financeira

4.  Reconhece, com base no relatório do Tribunal de Contas, que as contas da Empresa Comum relativas ao período decorrido entre 27 de junho e 31 de dezembro de 2014 refletem fielmente, em todos os aspetos materialmente relevantes, a sua situação financeira em 31 de dezembro de 2014, bem como os resultados das suas operações e fluxos de caixa relativos ao período encerrado nessa data, nos termos das disposições da sua regulamentação financeira e das regras contabilísticas adotadas pelo contabilista da Comissão;

5.  Constata que o orçamento definitivo da Empresa Comum para o exercício de 2014 incluiu 160 114 500 EUR em dotações para autorizações e 104 144 250 EUR em dotações para pagamentos;

6.  Lamenta a falta de informação sobre contribuições em espécie e em numerário; insta o Tribunal a prever, em futuros relatórios, disposições relativas ao processo de avaliação e ao nível das contribuições em espécie e em numerário pagas separadamente para o 7.º PQ e o Horizonte 2020;

7.  Assinala que os programas da Empresa Comum financiados ao abrigo do 7.º PQ estão em curso; incentiva a Empresa Comum a elaborar cuidadosamente a sua programação orçamental, tendo devidamente em conta o processo paralelo;

8.  Reconhece, com base nas contas anuais da Empresa Comum relativas ao exercício de 2014, que foram instituídas disposições práticas para aplicar as obrigações previstas nos acordos administrativos da Empresa Comum através da criação do formulário de comunicação específico «certificado de termo do projeto»; observa que a Empresa Comum criou esse formulário específico para as entidades financiadoras nacionais;

9.  Reconhece que a Empresa Comum elaborou, em 2014, uma lista de verificação, englobando os elementos essenciais de um sistema de garantia, e procedeu a intercâmbios intensos com as entidades financiadoras nacionais, a fim de avaliar as garantias proporcionadas pelos sistemas nacionais; constata que a avaliação foi realizada para cinco contribuintes, que representam 54,2 % das subvenções atribuídas pela Empresa Comum, e que um outro contribuinte, que representa 18,9 % das subvenções atribuídas pela Empresa Comum, foi avaliado, embora a atualização de informações a este respeito estivesse ainda pendente à data da auditoria;

10.  Observa que a Empresa Comum estimou a taxa de erro residual em 0,73 %; assinala, não obstante, que a Empresa Comum não especificou quantas operações foram tidas em conta para o cálculo dessa taxa e solicita, por conseguinte, que a Empresa Comum forneça essa informação;

11.  Releva que, apesar do anteriormente exposto, o Tribunal publicou um parecer com reservas sobre a legalidade e a regularidade das operações subjacentes às contas anuais da Empresa Comum, pelo facto de os acordos administrativos concluídos com as entidades financiadoras nacionais, no que respeita à auditoria dos pedidos de pagamento relativos aos projetos, não preverem disposições práticas aplicáveis às auditorias ex post;

12.  Verifica que, segundo o relatório do Tribunal de Contas, a Empresa Comum não avaliou a qualidade dos relatórios de auditoria enviados pelas entidades financiadoras nacionais sobre os custos relativos aos projetos concluídos; observa, além disso, que, após a avaliação das estratégias de auditoria de três entidades financiadoras nacionais, não foi possível concluir se as auditorias ex post funcionam de forma eficaz, pois as diferentes metodologias utilizadas pelas entidades financiadoras nacionais não permitiram que a Empresa Comum calculasse uma taxa de erro ponderada nem uma taxa de erro residual; assinala que, desta dificuldade técnica, não decorre, porém, um parecer negativo do Tribunal, mas, compreensivelmente, impede-o de confirmar a legalidade e a regularidade das operações, sem formular uma reserva; constata também que a Empresa Comum confirmou que a avaliação detalhada dos sistemas nacionais de garantia permitiu concluir que esses sistemas conferem uma proteção razoável dos interesses financeiros dos seus membros;

13.  Observa que a Empresa Comum considera que os procedimentos nacionais conferem uma garantia razoável no que respeita à legalidade e regularidade das operações subjacentes, apesar dos vários relatórios de diferentes instituições da União, incluindo a autoridade de quitação; exorta a Empresa Comum, na sequência da avaliação dos procedimentos aplicados pelas entidades financiadoras nacionais, a convidar estas últimas entidades a efetuarem uma declaração escrita, segundo a qual a aplicação dos procedimentos nacionais confere uma garantia razoável no que respeita à legalidade e regularidade das operações;

14.  Assinala que o relatório do Tribunal inclui um parecer com reservas baseado na falta das informações necessárias para calcular uma taxa de erro ponderada ou uma taxa de erro residual, na sequência das auditorias ex-post das entidades financiadoras nacionais; convida o Tribunal a recolher as informações e os documentos adicionais e necessários, que a Empresa Comum não tem poderes para exigir, junto dos órgãos nacionais de auditoria ou dos serviços nacionais competentes, em conformidade com o disposto no artigo 287.º, n.º 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia; convida ainda o Tribunal a utilizar esses documentos e informações adicionais como forma alternativa para justificar o seu parecer e a informar a autoridade de quitação sobre a sua avaliação desses elementos adicionais;

15.  Observa que um orçamento retificativo substancial, que aumentou para 158 200 000 EUR o montante das dotações para autorizações, foi aprovado pelo Conselho de Administração no final do exercício; exorta a Empresa Comum a apresentar à autoridade de quitação informações circunstanciadas sobre os critérios seguidos para executar esta importante decisão financeira;

16.  Reconhece que a taxa de execução das dotações para autorizações operacionais foi de 99,7 %; observa, no entanto, que as dotações para autorizações foram autorizadas a um nível global, o que significa que ainda não tinham sido assinadas as convenções de subvenção correspondentes; considera que, na ausência de uma separação clara das informações relativas à execução do 7.º PQ e do Horizonte 2020, estes indicadores não garantem uma verdadeira avaliação do desempenho; solicita ao Tribunal de Contas que inclua, em futuros relatórios, informações separadas relativas à execução do orçamento no âmbito do 7.º PQ e do Horizonte 2020; solicita à Empresa Comum que informe a autoridade de quitação da situação e dos progressos realizados a este respeito;

17.  Assinala que não foi estabelecida uma separação clara entre as informações relativas à execução do 7.º PQ e do Horizonte 2020, pelo facto de não terem sido assinados até fins de 2014 contratos relativos à aplicação do Horizonte 2020, e, por conseguinte, não foram efetuados quaisquer pagamentos; apela ao Tribunal de Contas para que preste informações separadas sobre a execução orçamental do 7.° PQ e do Horizonte 2020 no seu relatório de 2015; apela à Empresa Comum para que preste essas informações no seu relatório sobre a gestão orçamental e financeira de 2015;

18.  Apoia a iniciativa da Empresa Comum de colaborar com contribuintes mais pequenos e de alargar a cobertura da avaliação das subvenções, a fim de incluir 90 % das subvenções atribuídas; insta a Empresa Comum a prosseguir o processo de avaliação, de molde a aproximar-se de uma cobertura total das subvenções concedidas, e a informar a autoridade de quitação sobre os progressos realizados nos exercícios de 2015 e 2016;

19.  Destaca que a Empresa Comum assumiu as atividades da Eniac e da Artemis em junho de 2014; observa que não existem suficientes informações claras sobre o estado de execução dos projetos da Empresa Comum (nível de pagamentos, plano de pagamentos para os próximos anos);

20.  Congratula-se com a avaliação do nível dos contributos em espécie efetuados pela Empresa Comum; assinala, porém, a falta de informações suficientes para que se consiga verificar o cumprimento da missão dos membros no que toca ao 7.º PQ;

Quadro jurídico

21.  Reitera o seu pedido ao Tribunal de Contas para que apresente uma avaliação financeira completa e adequada dos direitos e obrigações da Empresa Comum para o período que decorre até à data da entrada em funcionamento da Empresa Comum(3);

Auditoria interna

22.  Regista que o Serviço de Auditoria Interna da Comissão realizou uma avaliação do risco da Empresa Comum; assinala que quatro elementos foram classificados como sendo de «alto impacto/alto risco»;

23.  Solicita à Empresa Comum que apresente à autoridade de quitação informações pormenorizadas no que se refere à gestão dos riscos associados aos custos indiretos das medidas concretas adotadas à luz do trabalho efetuado com a Comissão no sentido de encontrar mecanismo alternativos, bem como novas possibilidades de convergência a nível dos procedimentos contabilísticos, por forma a evitar o risco potencial de uma dupla ou tripla contabilidade e comunicação, assim como o encargo financeiro que uma tal situação possa implicar;

24.  Solicita à Empresa Comum que informe a autoridade de quitação sobre a adoção e a aplicação da estratégia antifraude;

25.  Reconhece que a Empresa Comum aplicará uma estratégia de auditoria alinhada pelos procedimentos normalizados do Horizonte 2020; solicita à Empresa Comum que apresente um relatório à autoridade de quitação em que especifique os critérios seguidos para executar essa estratégia, a par dos motivos que a justificam e de uma avaliação da sua eficácia;

Sistemas de controlo interno

26.  Constata que o Conselho de Administração criou uma estrutura de auditoria interna e aprovou a carta de auditoria interna pertinente; assinala, além disso, que, de acordo com as contas anuais da Empresa Comum para o exercício de 2014, duas normas de controlo interno ainda não foram plenamente aplicadas e que alguns procedimentos ainda necessitam de ser atualizados;

Prevenção e gestão de conflitos de interesses e transparência

27.  Verifica com satisfação que a Empresa Comum adotou uma política exaustiva para evitar os conflitos de interesses; recorda, contudo, que as declarações de conflito de interesses dos membros do Conselho de Administração ainda não foram divulgadas ao público;

Acompanhamento e comunicação dos resultados da investigação

28.  Saúda os progressos realizados pela Empresa Comum em matéria de acompanhamento e comunicação; observa, todavia, que deverão ser envidados esforços suplementares para colaborar mais estreitamente com a Comissão, de modo a cumprir os requisitos do Horizonte 2020 e a melhor contribuir para a divulgação dos resultados do 7.º PQ; assinala, além disso, que a Empresa Comum deveria aumentar a divulgação sistemática dos resultados da investigação; solicita à Empresa Comum que tome as medidas necessárias para cumprir o acima disposto no futuro e informar a autoridade de quitação a este respeito;

29.  Congratula-se com a publicação, pela Empresa Comum, do relatório sobre o impacto socioeconómico das atividades da Empresa Comum ECSEL;

30.  Recorda que a autoridade de quitação já havia solicitado ao Tribunal de Contas que elaborasse um relatório especial sobre a capacidade de as empresas comuns e os respetivos parceiros garantirem o seu valor acrescentado e a execução eficiente dos programas da União em matéria de investigação, desenvolvimento tecnológico e demonstração(4).

(1) Regulamento (UE) n.º 561/2014 do Conselho, de 6 de maio de 2014, que cria a Empresa Comum ECSEL (JO L 169 de 7.6.2014, p. 152).
(2) Decisão n.º 1982/2006/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de dezembro de 2006, relativa ao Sétimo Programa-Quadro da Comunidade Europeia de atividades em matéria de investigação, desenvolvimento tecnológico e demonstração (2007 a 2013) (JO L 412 de 30.12.2006, p. 1).
(3) JO L 255 de 30.9.2015, p. 418, JO L 255 de 30.9.2015, p. 426.
(4) JO L 255 de 30.9.2015, p. 418, JO L 255 de 30.9.2015, p. 426.

Dados pessoais - Política de privacidade