• O Parlamento Europeu (PE) vai votar propostas sobre as energias renováveis, a eficiência energética e a governação da União da Energia, incluídas no pacote “Energia Limpa”. Os eurodeputados propõem metas mais ambiciosas do que a Comissão Europeia, como uma quota de pelo menos 35% de energias provenientes de fontes renováveis no consumo final bruto de energia até 2030, em vez de 27%, juntamente com objetivos nacionais, e um objetivo de eficiência energética de 40%, em vez de 30%.

  • O PE dá início na quarta-feira, 17 de janeiro, às 10h30, a uma ronda de debates com chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE) sobre o futuro da Europa. O primeiro debate neste formato será com o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, eleito em junho do ano passado.

  • Na terça-feira de manhã, os eurodeputados vão debater com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, as conclusões da última cimeira dos líderes europeus, realizada em 14 e 15 de dezembro, que incluem uma maior cooperação no domínio da defesa, a dimensão social da UE, a luta contra as alterações climáticas e a posição da UE sobre Jerusalém. A segunda fase de negociações do Brexit, que abordará o quadro para as futuras relações entre a UE e o Reino Unido, será outro dos temas em discussão.

  • O primeiro-ministro da Bulgária, Boyko Borissov, vai apresentar aos eurodeputados as prioridades da presidência rotativa do Conselho da UE para este semestre, que incluem o futuro da Europa e os jovens, os Balcãs Ocidentais, a segurança e a estabilidade e a economia digital. O debate realiza-se na quarta-feira, às 9h00. É a primeira vez que a Bulgária, que aderiu à UE em 2007, assume a presidência do Conselho.

  • A influência da propaganda russa nos países da UE, incluindo as alegadas tentativas de influenciar as eleições em alguns países através de campanhas de desinformação, vai ser o tema de um debate sobre assuntos de atualidade na quarta-feira, às 15h00. Numa resolução aprovada em novembro de 2016, o PE disse que o governo russo tem utilizado uma vasta gama de ferramentas e instrumentos para “contestar os valores democráticos” e “dividir a Europa”.

  • O PE vai debater na segunda-feira e votar no dia seguinte um relatório sobre a governação dos oceanos, que inclui propostas para alcançar as metas de conservação e utilização sustentável dos oceanos, mares e recursos marinhos fixadas na Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável. O relatório aborda questões como o lixo marinho, a sobrepesca, a extração de petróleo e gás, as emissões de CO2 do transporte marítimo, a economia azul e a investigação científica marinha, entre outras.

  • Os eurodeputados vão decidir as condições para a utilização de redes de arrasto com impulsos elétricos, tendo em conta os seus efeitos sobre o meio marinho e as espécies. A proposta da Comissão Europeia, que vai ser votada em plenário na terça-feira, inclui medidas técnicas que regulam o que se pode pescar, como, com o quê, quando e onde, ou seja, os diferentes métodos de pesca, as restrições espácio-temporais, as espécies proibidas e as medidas destinadas a proteger os ecossistemas vulneráveis.

  • O PE vai avaliar a implementação da Iniciativa para o Emprego dos Jovens, criada em 2013 para prestar apoio específico aos jovens que não trabalham, não estudam nem seguem qualquer formação nas regiões mais carenciadas da UE, e apresentar recomendações para melhorar o seu funcionamento. Grécia, Espanha, Itália, Croácia, Chipre e Portugal são os países da UE com a taxa mais elevada de desemprego jovem. O relatório vai ser debatido na quarta-feira à tarde e votado na quinta-feira.

  • Estratégia relativa aos plásticos / Controlo das exportações de produtos de dupla utilização / Relações externas / Tráfico de mulheres