Partilhar esta página: 

Os eurodeputados debatem e votam, esta quinta-feira, em plenário, um relatório em que defendem ser necessário definir novas normas para estimular o desenvolvimento do setor dos drones na Europa evitando-se, no entanto, medidas desproporcionadas que possam dissuadir o investimento. O documento já foi aprovado na Comissão dos Transportes a 15 de setembro. Não perca a nossa entrevista com Jacqueline Foster, eurodeputada britânica do grupo ECR e relatora.

"Assistimos nos últimos quinze anos a um enorme crescimento nesta indústria do ponto de vista comercial. Vemos drones civis a serem utilizados para verificar colheitas, avaliar desastres humanitários, incêndios florestais e linhas ferroviárias ou a serem utilizados no cinema," afirma a relatora Jacqueline Foster (ECR, UK) na entrevista vídeo. "Queremos assegurar que existem escolas de pilotagem apropriadas," acrescentou. Relativamente ao tema da privacidade, Foster lembra que já existe legislação nacional e europeia em vigor. "Não vejo necessidade para criar legislação adicional," afirma.

 

“O mais importante é assegurar uma utilização segura dos drones. Não queremos atar as mãos dos reguladores, não queremos que seja demasiada normativa, mas que permita um enquadramento,” afirmou a eurodeputada.


De acordo com os eurodeputados, os drones devem ser capazes de detetar aviões que estejam a utilizar o mesmo espaço aéreo e não devem ameaçar a segurança das aeronaves tripuladas. Áreas densamente povoadas, zonas de exclusão aéreas, como aeroportos, centrais elétricas, centrais nucleares ou fábricas de produtos químicos e outras infraestruturas críticas, também deve ser tidas em conta, afirmam.


Próximos passos


As recomendações do Parlamento sobre os drones devem ser tidas em conta pela Comissão Europeia quando esta apresentar o seu pacote de medidas para aviação (previsto para o final de 2015).