Partilhar esta página: 

Parlamento Europeu assinalou o Dia Internacional da Memória do Holocausto. 

Eurodeputados, representantes das comunidades judaicas e outros dignitários reuniram-se, esta quarta-feira, no Parlamento Europeu em Bruxelas, para assinalar o Dia Internacional em Memória do Holocausto. “Temos de aprender com o passado se quisermos evitar repetir os mesmos erros", afirmou o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, referindo-se ao Holocausto “como a principal tragédia na história europeia”.

O genocídio levado a cabo pela Alemanha nazi na II Guerra Mundial causou a morte a seis milhões de judeus.

Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu. 

Tajani sublinhou a importância de “relembrar os terríveis erros do passado”. “A Europa foi sempre capaz de aprender com as lições da história para assegurar um futuro baseado na liberdade, na democracia e no respeito pela dignidade humana”, afirmou. No entanto, o presidente do Parlamento Europeu mostrou-se preocupado com os crimes de ódio contra os judeus e com a diminuição da população judaica na Europa.

“Nós, europeus judeus queremos continuar na Europa e continuar a ser leais como sempre fomos. Contamos com a Europa e com a sua lealdade, esperamos que continue a mostrar que os judeus têm um futuro aqui na Europa”, afirmou Moshe Kantor, presidente do Congresso Europeu Judaico.


Beate Klarsfeld, embaixadora da UNESCO para a Educação sobre o Holocausto, alertou para o aumento do racismo e a xenofobia nas reações à crise de migração.


A cerimónia contou com a participação do antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair, que preside ao Conselho Europeu para a Tolerância e o Reconciliação, e com o realizador russo Andrei Konchalovsky, a quem foi atribuída uma medalha pela sua obra cinematográfica contra o extremismo e a intolerância.


O Dia Internacional em Memória do Holocausto é assinalado a 27 de janeiro, o dia da libertação do campo de concentração e extermínio nazi de Auschwitz-Birkenau pelas tropas soviéticas em 1945.