Partilhar esta página: 

Artigos 

Lamiya Aji Bashar e Nadia Murad        

As duas jovens sobreviventes da escravatura sexual do autoproclamado Estado Islâmico e defensoras da comunidade yazidi no Iraque, Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, receberam hoje, 13 de dezembro, o Prémio Sakharov do Parlamento Europeu. “Mais de 3500 crianças e mulheres continuam reféns e são escravizadas pelo ISIS/Daesh. Todos os dias morrem mil vezes”, disse Lamiya Aji Bashar na cerimónia realizada no hemiciclo de Estrasburgo.

Após fugirem das garras do Estado Islâmico, Nadia Murad e Lamiya Aji-Bashar tornaram-se símbolos da luta dos iazidis. Um comovente retrato das duas laureadas com o Prémio Sakharov de 2016 de Liberdade de Pensamento.
       

Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar vão receber o Prémio Sakharov, esta terça-feira, 13 de dezembro no Parlamento em Estrasburgo. As ativistas yazidis sobreviveram à escravatura sexual do autoproclamado Estado Islâmico (EI) e tornaram-se porta-vozes das mulheres vítimas deste grupo terrorista e defensoras da comunidade yazidi no Iraque, uma minoria religiosa que tem sido objeto de uma campanha de genocídio por militantes do EI. Saiba mais sobre a sua luta no video e siga a cerimónia em direto.

Uma senhora de meia idade mostra o  BI da sua filha para a máquna fotográfica ©Alfred Yaghobzadeh        

Este ano, o Parlamento Europeu atribuiu o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento a Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, duas yazidi iraquianas que se converteram em defensoras dos direitos humanos após terem escapado da escravidão sexual do Estado Islâmico. A comunidade yazidi tem sido alvo de uma campanha de genocídio por parte do grupo terrorista, que matou e escravizou milhares desde 2014. Saiba mais sobre a dificil situação dos yazidi através das fotografias de Alfred Yaghobzadeh.

Artigos 

Retratos de Nadia Murad Basee e Lamiya Aji Bashar        

Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, sobreviventes da escravatura sexual do autoproclamado Estado Islâmico e defensoras da comunidade yazidi no Iraque, são as galardoadas com o Prémio Sakharov deste ano, atribuído pelo Parlamento Europeu para a Liberdade de Pensamento. As ativistas yazidis foram escolhidas hoje pelo presidente Martin Schulz e por líderes dos partidos políticos. A cerimónia de entrega do prémio realiza-se no dia 13 de dezembro, em Estrasburgo.

ilustrações dos finalistas        

Can Dündar e outros defensores da liberdade de pensamento na Turquia, o líder dos tártaros da Crimeia Mustafa Dzemilev e as sobreviventes yazidis Nadia Murad Basee e Lamiya Aji Bashar são os três finalistas do Prémio Sakharov 2016, após a votação das Comissões dos Assuntos Externos e do Desenvolvimento a 11 de outubro. O laureado será pelo Presidente do Parlamento Europeu e pelos líderes dos grupos políticos a 27 de outubro e a cerimónia de entrega do Prémio decorre a 13 de dezembro.

ilustração de Andrei Sakharov A©Ali Ferzat 2016        

Can Dündar e outros defensores da liberdade de pensamento na Turquia, o líder dos tártaros da Crimeia Mustafa Dzemilev, as sobreviventes yazidis Nadia Murad Basee e Lamiya Aji Bashar e o professor uigure Tohti são os nomeados para o Prémio Sakharov 2016. Os nomeados foram formalmente apresentados pelos eurodeputados, a 6 de outubro, durante uma reunião conjunta das Comissões dos Assuntos Externos, Desenvolvimento e da Subcomissão dos Direitos do Homem. O laureado será anunciado a 27 de outubro.