Dia Mundial da Luta contra a Sida: estamos em vias de ganhar a batalha?  

 
 

Partilhar esta página: 

HIV_infogr_PT 

Desde o início da epidemia do HIV/Sida, quase 60 milhões de pessoas foram infetadas e 25 milhões morreram de causas associadas à SIDA. Será que estamos a ganhar a batalha? O Dia Mundial de Luta contra a SIDA celebra-se a 1 de dezembro e o relatório da ONU (2012) revela que a prevenção está produzir resultados: o número de novas infeções diminuiu nos países mais afetados pelo vírus, ainda que não haja cura ou vacina e que a SIDA continue a ser a principal causa de morte em muitas zonas do globo.

 A batalha da UE contra a SIDA


Com mais de 50 mil pessoas diagnosticadas com HIV na UE e países vizinhos todos os anos e com os número de pessoas infetadas a aumentar na Europa de Leste, o programa de saúde europeu tem vindo a financiar a investigação do HIV/SIDA desde os finais dos anos 80. A estratégia de saúde da UE passa por proteger os indivíduos de doenças, promover estilos de vida saudáveis e ajudar os Estados-membros a cooperarem em questões de saúde.


O eurodeputado britânico Michael Cashman (S&D, co-presidente do Intergrupo parlamentar para os Direitos LGBT - lésbicas, gay, bissexuais e transexuais) organiza um evento todos os anos, em conjunto com o grupo de trabalho do PE do HIV/SIDA para promover a sensibilização relativamente à SIDA na União Europeia. Cashman defende que é essencial para lutar contra o vírus: "Recorda-nos o que nos faz trabalhar e por quem estamos a trabalhar", acrescentando que apesar dos "excelentes resultados" dos últimos anos, "ainda podemos ir mais além até podermos ter um mundo livre do vírus da SIDA." "O PE considera que os países e as organizações devem assumir mais compromissos e assegurar que a legislação europeu considera oo HIV/SIDA como um assunto transversal. O que fazemos é dar voz àqueles que não a têm."


A nível mundial


Em termos globais, a SIDA é a principal causa de morte de adultos no continente africano e a África subsariana continua a ser a região mais afetada. Os números também têm aumentado na Ásia Central e em outras partes do continente asiático.