Partilhar esta página: 

A União Europeia está bem classificada no que diz respeito à segurança rodoviária, mas quais são os países mais seguros? Conheça os números da sinistralidade rodoviária na UE.

Todos os dias milhares de pessoas perdem a vida ou ficam gravemente feridas em acidentes nas estradas da UE. Devido aos desenvolvimentos sociais e tecnológicos, entre 2001 e 2017 o número de mortes nas estradas da Europa diminuiu cerca de 57,7%. No entanto, os números mostram que este decréscimo tem vindo a abrandar.

Passageiros de automóveis perfazem 46% do número total de acidentes fatais, enquanto que utilizadores mais vulneráveis nas estradas contabilizam outros 46%. 21% são peões, 14% motociclistas, 8% ciclistas e 3% ciclomotores.

Em 2017 os países da UE com o índice mais baixo de sinistralidade rodoviária foram a Suécia, o Reino Unido e a Holanda. Pelo contrário, os países onde a segurança rodoviária é mais baixa são a Roménia, a Bulgária e a Croácia.


Acidentes mortais por país da UE, tipo de estrada, modo de transporte e idade 

Portugal registou uma diminuição significativa no número de mortes na estrada por milhão de habitantes desde 2010, mas a taxa de mortalidade aumentou 14% entre 2016 e 2017 para 62 mortes por milhão de habitantes.

De acordo com os números da UE, apenas 8% dos acidentes mortais ocorreram em autoestradas, sendo que 55% ocorreram em estradas rurais e 37% nas zonas urbanas.

Quase 14% das pessoas mortas nas estradas da UE têm idades compreendidas entre 18 e 24 anos, sendo que apenas 8% da população Europeia tem estas idades. Além disso, o número de vítimas idosas aumentou de 22% em 2010 para 27% em 2017 devido às alterações demográficas.

76% dos acidentes fatais vitimaram homens e 24% mulheres. Com menos de 15 anos contam-se 2%.


O que está a UE a fazer para reduzir o número de acidentes?

O Parlamento votou a 16 de abril novas regras que tornam obrigatórios 30 dispositivos de segurança avançados, como a assistência inteligente à velocidade, o aviso de distração do condutor e o sistema de travagem de emergência. As tecnologias de segurança obrigatórias podem contribuir para salvar mais de 25 000 vidas e evitar pelo menos 140 000 feridos graves até 2038, tendo em conta que cerca de 95% dos acidentes rodoviários envolvem erro humano.

Para tornar as estradas mais seguras a UE está também a reforçar as regras de gestão da segurança das infraestruturas e a trabalhar para garantir regras comuns para os veículos autónomos.