Partilhar esta página: 

Abertura da sessão plenária de 16 de abril de 2018 

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, reiterou na abertura da sessão plenária que o uso de armas químicas é uma linha vermelha que não pode ser ultrapassada com impunidade.

“O Parlamento Europeu (PE) tem de dizer de forma clara e a boa voz que o uso de armas químicas é inaceitável e que representa uma linha vermelha que não pode ser ultrapassada com impunidade. Tendo em conta a gravidade da situação, o PE tem de enviar uma mensagem forte na abertura da sessão plenária, antes do debate de amanhã à tarde com a Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini, e do debate da manhã com o Presidente francês Emmanuel Macron”, disse Antonio Tajani.

O presidente do PE afirmou que “a situação dramática deve dissipar quaisquer dúvidas quanto à necessidade e à urgência de desenvolver uma política externa e de defesa comum mais incisiva. O debate em curso sobre o próximo orçamento é um teste fundamental à nossa vontade de nos dotarmos dos recursos necessários para sermos verdadeiros protagonistas na cena global”.

Após a declaração de Tajani, os líderes dos grupos políticos pediram a palavra para condenar também o uso de armas químicas. Vários eurodeputados expressaram o seu apoio aos ataques com mísseis levados a cabo pelos EUA, pela França e pelo Reino Unido para travar os “crimes de guerra” do regime de Assad, enquanto outros criticaram a ação militar sem um mandato da comunidade internacional.

Os eurodeputados defenderam a necessidade de evitar uma escalada e de encetar negociações de paz lideradas pela ONU e envolvendo todos os atores.

Anúncio da abertura de negociações com o Conselho

Os pedidos das comissões parlamentares para encetarem negociações interinstitucionais, ao abrigo do Artigo 69.º-C do Regimento do PE, estão publicados na página Web da sessão plenária (ver caixa “Informações e documentos prioritários”).