Comunicado de imprensa
 

PE quer "a verdade e a memória" dos regimes comunistas e fascistas

Eleições 2009 - Justiça e assuntos internos - 02-04-2009 - 17:18
Sessão plenária
Partilhar / Guardar

"A Europa não estará unida enquanto não for capaz de lograr uma visão comum da sua História, de reconhecer o nazismo, o estalinismo e os regimes fascistas e comunistas como um legado comum e de levar a cabo um debate honesto e aprofundado sobre os seus crimes", diz o Parlamento Europeu. Os eurodeputados defendem a criação de uma Plataforma da Memória e Consciência Europeias e de um centro/memorial pan-europeu de documentação para as vítimas de todos os regimes totalitários.

Este ano, a "Europa reunida" celebra o 20.º aniversário do colapso das ditaduras comunistas na Europa Central e Oriental e da queda do Muro de Berlim, o que deverá, segundo o Parlamento Europeu, constituir uma ocasião para reforçar a tomada de consciência do passado e "os sentimentos de união e coesão".
 
Os eurodeputados defendem a importância de manter viva "a verdade e a memória" do passado, uma vez que "não pode existir qualquer reconciliação sem memória", e reafirmam "a sua posição unida contra todos os regimes totalitários", independentemente da respectiva ideologia de base.
 
Milhões de vítimas foram deportadas, encarceradas, torturadas e assassinadas por regimes totalitários e autoritários durante o século XX, na Europa. Há, no entanto, que "reconhecer o carácter único do Holocausto", salienta o PE.
 
Um Dia da Memória
 
O PE apela novamente a que o dia 23 de Agosto seja proclamado, em toda a Europa, Dia da Memória das vítimas de todos os regimes autoritários e totalitários, devendo o mesmo ser "comemorado com dignidade e imparcialidade".
 
A Plataforma da Memória e Consciência Europeias deverá apoiar o estabelecimento de redes e a cooperação entre os institutos nacionais de investigação especializados no domínio da História do totalitarismo. O PE quer que sejam reforçados os instrumentos financeiros, a fim de apoiar a investigação histórica profissional sobre estas questões.
 
"O objectivo último da divulgação e avaliação dos crimes cometidos pelos regimes comunistas totalitários é a reconciliação, que poderá ser alcançada admitindo a responsabilidade, pedindo perdão e promovendo a renovação moral", sublinha o PE na resolução sobre o totalitarismo, hoje aprovada por 553 votos a favor, 44 contra e 33 abstenções.
 
Integração europeia é "um êxito"
 
"O processo de integração europeia é um êxito", salienta a resolução, "na medida em que permitiu a construção de uma União Europeia que abarca hoje os países da Europa Central e Oriental que viveram sob regimes comunistas desde o final da Segunda Guerra Mundial até ao início dos anos 1990, e que as anteriores adesões da Grécia, da Espanha e de Portugal, que sofreram com regimes fascistas de longa duração, contribuíram para garantir a democracia no Sul da Europa".
 
REF.: 20090401IPR53245