Processo : 2017/2127(INI)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0339/2017

Textos apresentados :

A8-0339/2017

Debates :

PV 30/11/2017 - 4
PV 30/11/2017 - 6
CRE 30/11/2017 - 4
CRE 30/11/2017 - 6

Votação :

PV 30/11/2017 - 8.23
CRE 30/11/2017 - 8.23

Textos aprovados :

P8_TA(2017)0474

RELATÓRIO     
PDF 642kWORD 117k
30 de Outubro de 2017
PE 608.029v02-00 A8-0339/2017

sobre a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência

(2017/2127(INI))

Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

Relatora: Helga Stevens

ALTERAÇÕES
PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar
 PARECER da Comissão da Cultura e da Educação
 POSIÇÃO SOB A FORMA DE ALTERAÇÕES da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros
 PARECER da Comissão das Petições
 INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO
 VOTAÇÃO NOMINAL FINALNA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência

(2017/2127(INI))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta os artigos 2.º, 9.º, 10.º, 19.º, 168.º e 216.º, n.º 2, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) e os artigos 2.º e 21.º do Tratado da União Europeia (TUE),

–  Tendo em conta os artigos 3.º, 15.º, 21.º, 23.º, 25.º e 26.º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia,

–  Tendo em conta a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CNUDPD) e a sua entrada em vigor na UE em 21 de janeiro de 2011, em conformidade com a Decisão 2010/48/CE do Conselho, de 26 de novembro de 2009, relativa à celebração, pela Comunidade Europeia, da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência(1),

–  Tendo em conta o Código de Conduta entre o Conselho, os Estados-Membros e a Comissão, que estabelece as modalidades internas para a aplicação pela União Europeia e a representação da mesma no que diz respeito à CNUDPD,

–  Tendo em conta as observações finais da Comissão das Nações Unidas relativas aos Direitos das Pessoas com Deficiência, de 2 de outubro de 2015, sobre o relatório inicial da União Europeia(2),

–  Tendo em conta a Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (Série Tratados Europeus n.º 5, 1950) e os seus protocolos,

–  Tendo em conta a Carta Social Europeia (ETS n.º 35, 1961, revista em 1996; ETS n.º 163),

–  Tendo em conta a Recomendação Rec(2002)5 do Comité de Ministros do Conselho da Europa aos Estados-Membros sobre a proteção das mulheres contra a violência e a Recomendação CM/Rec(2007)17 sobre as normas e mecanismos de igualdade entre géneros,

–  Tendo em conta a Convenção das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (CEDAW), de 18 de dezembro de 1979, e o seu protocolo facultativo de 6 de outubro de 1999,

–  Tendo em conta a Declaração Universal dos Direitos do Homem, a Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais, o Pacto Internacional dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais e o Pacto Internacional relativo aos Direitos Civis e Políticos,

–  Tendo em conta a Diretiva 2014/24/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de fevereiro de 2014, relativa aos contratos públicos e que revoga a Diretiva 2004/18/CE(3),

–  Tendo em conta a Diretiva 2000/78/CE do Conselho, de 27 de novembro de 2000, que estabelece um quadro geral de igualdade de tratamento no emprego e na atividade profissional(4),

–  Tendo em conta a proposta da Comissão, de 2 de dezembro de 2015, sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas dos Estados-Membros no que respeita aos requisitos de acessibilidade dos produtos e serviços (COM(2015)0615),

–  Tendo em conta o «Novo Consenso Europeu sobre o Desenvolvimento – O nosso mundo, a nossa dignidade, o nosso futuro», a declaração conjunta do Conselho e dos representantes dos Governos dos Estados-Membros reunidos no Conselho, do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, bem como o seu compromisso de ter em conta na cooperação para o desenvolvimento as necessidades específicas das pessoas com deficiência,

–  Tendo em conta o documento de trabalho dos serviços da Comissão, de 2 de fevereiro de 2017, intitulado ‘Progress Report on the implementation of the European Disability Strategy 2010-2020’ (relatório intercalar sobre a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020) (SWD(2017)0029),

–  Tendo em conta a comunicação da Comissão, de 15 de novembro de 2010, intitulada «Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020: compromisso renovado a favor de uma Europa sem barreiras» (COM(2010)0636),

–  Tendo em conta a sua resolução, de 13 de dezembro de 2016, sobre a situação dos direitos fundamentais na União Europeia em 2015(5),

–  Tendo em conta a sua resolução, de 15 de setembro de 2016, sobre a aplicação da Diretiva 2000/78/CE do Conselho, de 27 de novembro de 2000, que estabelece um quadro geral de igualdade de tratamento no emprego e na atividade profissional («Diretiva relativa à igualdade no emprego»)(6),

–  Tendo em conta a sua resolução, de 7 de julho de 2016, sobre a aplicação da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, em especial no que se refere às observações finais da Comissão CDPD das Nações Unidas(7),

–  Tendo em conta a sua resolução, de 20 de maio de 2015, sobre a lista de questões aprovada pelo Comité dos Direitos das Pessoas com Deficiência das Nações Unidas relativamente ao relatório inicial da União Europeia(8),

–  Tendo em conta a sua resolução, de 25 de outubro de 2011, sobre a mobilidade e a integração de pessoas com deficiência e a Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020(9),

–  Tendo em conta a sua resolução, de 6 de maio de 2009, sobre a inclusão ativa das pessoas excluídas do mercado de trabalho(10),

–  Tendo em conta a nota informativa do Serviço de Estudos do Parlamento, intitulada «Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020»,

–  Tendo em conta o estudo da Direção-Geral das Políticas Internas da União do Parlamento Europeu, intitulado «Discrimination Generated by the Intersection of Gender and Disability» (A discriminação provocada pela interseção entre género e deficiência),

–  Tendo em conta a agenda de 2030 para o Desenvolvimento Sustentável,

–  Tendo em conta o Relatório Anual de 2016 do Provedor de Justiça Europeu,

–  Tendo em conta os relatórios de 2016 e 2017 sobre os direitos fundamentais da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia,

–  Tendo em conta os relatórios temáticos da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia,

–  Tendo em conta as estatísticas do Eurostat de 2014 sobre o acesso das pessoas com deficiência ao mercado de trabalho, à educação e formação, bem como sobre a pobreza e as desigualdades de rendimentos,

–  Tendo em conta a conclusão do Conselho, intitulada «Um futuro sustentável na Europa: A resposta da UE à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável», publicada em 20 de junho de 2017,

–  Tendo em conta o relatório intitulado «A voluntary European quality framework for social services» (Quadro voluntário europeu de qualidade para os serviços sociais) (SPC/2010/10/8),

–  Tendo em conta a Nova Agenda Urbana (A/RES/71/256),

–  Tendo em conta o Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Catástrofes,

–  Tendo em conta as conclusões do Conselho sobre o Plano de Ação sobre o Género para 2016-2020,

–  Tendo em conta o Plano de Ação para os Direitos Humanos e a Democracia (2015-2019),

–  Tendo em conta o n.º 52 do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais e os pareceres da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar, da Comissão da Cultura e da Educação, a posição sob a forma de alterações da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros e o parecer da Comissão das Petições (A8-0339/2017),

A.  Considerando que todas as pessoas portadoras de deficiência, enquanto cidadãos de pleno direito(11), beneficiam dos mesmos direitos e têm direito à dignidade inalienável, à igualdade de tratamento, a uma vida independente, à autonomia e à plena participação na sociedade;

B.  Considerando que vivem na União Europeia aproximadamente 80 milhões de pessoas com deficiência, 46 milhões das quais são mulheres;

C.  Considerando que o TFUE estabelece que a União, na definição e execução das suas políticas e ações, tem por objetivo combater a discriminação em razão da deficiência (artigo 10.º) e que lhe atribui poderes para adotar legislação para combater esse tipo de discriminação (artigo 19.º);

D.  Considerando que os artigos 21.º e 26.º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia proíbem explicitamente a discriminação em razão da deficiência e garantem a igualdade de participação na sociedade das pessoas com deficiência;

E.  Considerando que a CNUDPD é o primeiro tratado internacional sobre direitos humanos ratificado pela UE e que foi também assinado por todos os 28 Estados-Membros da UE e ratificado por 27 Estados-Membros; considerando que a UE é o maior doador na cooperação internacional e uma das partes interessadas mais influentes a nível internacional;

F.  Considerando que a UE está empenhada na aplicação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e na realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável na UE e no domínio da cooperação para o desenvolvimento com os países parceiros;

G.  Considerando que a CNUDPD refere que as pessoas com deficiência incluem aquelas que têm incapacidades duradouras físicas, mentais, intelectuais ou sensoriais, que, em interação com diversas barreiras, podem impedir a sua plena e efetiva participação na sociedade em condições de igualdade com os outros; destaca, em particular, o artigo 9.° da CNUDPD;

H.  Considerando que a jurisprudência do Tribunal de Justiça reforça o facto de que a CNUDPD é vinculativa na União Europeia e nos seus Estados-Membros aquando da aplicação da legislação da UE, dado que é um instrumento de direito derivado(12); considerando que é imperioso dar aplicação à legislação em vigor e aos instrumentos políticos da UE, a fim de maximizar a implementação da CNUDPD;

I.  Considerando que as pessoas com deficiência representam um grupo diverso e que as mulheres, as crianças, os idosos e as pessoas com necessidades de apoio complexas ou deficiências invisíveis enfrentam dificuldades adicionais e múltiplas formas de discriminação;

J.  Considerando que as pessoas com deficiência enfrentam despesas adicionais, auferem salários mais baixos e registam taxas de desemprego mais elevadas; que as prestações de assistência às pessoas com deficiência devem ser consideradas um apoio estatal destinado a ajudar as pessoas a eliminar barreiras, a fim de participarem plenamente na sociedade, inclusive através do emprego;

K.  Considerando que as crianças com deficiência têm o direito de viver com as (suas) famílias ou num ambiente familiar que melhor defenda os seus interesses; que os membros da família têm, muitas vezes, de reduzir ou cessar a sua atividade profissional para cuidar dos familiares com deficiência;

L.  Considerando que os princípios da CNUDPD vão muito além da discriminação, apontando o caminho no sentido do pleno usufruto dos direitos humanos por todas as pessoas portadoras de deficiência e respetivas famílias, numa sociedade inclusiva;

M.  Considerando que ainda existe legislação nova e revista que não faz qualquer referência à CNUDPD nem à acessibilidade; que a acessibilidade é um requisito prévio para a participação; considerando que a UE, enquanto parte na CNUDPD, tem o dever de garantir a participação estreita e ativa das pessoas com deficiência e das respetivas organizações representativas no desenvolvimento e na aplicação de legislação e de políticas, respeitando ao mesmo tempo conceitos diversos de deficiência;

N.  Considerando que os estereótipos, os equívocos e preconceitos fazem parte das causas profundas da discriminação, incluindo discriminação múltipla, estigmatização e desigualdade;

O.  Considerando que as pessoas com deficiência sofrem amiúde de falta de apoio, de comunicação e de informações sobre os serviços e direitos aos cuidados de saúde, proteção contra a violência, assistência infantil, e têm um acesso limitado, ou mesmo inexistente, a esses serviços e informações; que o pessoal dos serviços de saúde deve receber formação apropriada sobre as necessidades específicas das pessoas com deficiência;

P.  Considerando que uma parte considerável dos 4 milhões de pessoas que anualmente ficam sem abrigo é portadora de deficiência, tendo sido largamente negligenciada enquanto grupo-alvo da CNUDPD e da Estratégia Europeia para a Deficiência;

Q.  Considerando que, apesar das várias convenções internacionais, da legislação e estratégias da UE e nacionais, as pessoas com deficiência ainda não participam na sociedade nem beneficiam plenamente dos seus direitos; que a participação das pessoas com deficiência só pode ser alcançada se forem incluídas na vida política e pública, um domínio em que muitas vezes estão sub-representadas, em conformidade com o artigo 29.º da CNUDPD;

R.  Considerando que o relatório intercalar da Comissão mostra que existe um atraso evidente no cumprimento das obrigações decorrentes da CNUDPD, tanto a nível da UE como dos Estados-Membros; que persistem desafios e lacunas no âmbito da estratégia e que é necessária uma perspetiva a longo prazo para o alinhamento de políticas, da legislação e dos programas com a CNUDPD;

S.  Considerando que o modelo de vida independente, tal como salientado na CNUDPD, salvaguarda o mais elevado grau de acessibilidade possível; que o acesso a outros serviços, como transportes acessíveis, as atividades culturais e de lazer também são um componente da qualidade de vida e podem contribuir para a integração das pessoas com deficiência;

T.  Considerando que é indispensável a existência de políticas inclusivas e ativas de acesso ao mercado de trabalho, já que este constitui um dos principais instrumentos para promover a independência das pessoas com deficiência; que a taxa de emprego das pessoas com deficiência corresponde presentemente a 58.5% contra 80.5% no caso das pessoas sem deficiência, e que alguns grupos são alvo de discriminação adicional com base no tipo de deficiência; considerando que a economia social oferece várias oportunidades de emprego às pessoas com deficiência;

U.  Considerando que orientações mais fortes a nível europeu a par de recursos adequados, bem como a formação em questões relativas à deficiência, podem reforçar a eficácia e a independência dos organismos para a igualdade a nível nacional;

V.  Considerando que uma das quatro prioridades que a Comissão estabeleceu no seguimento da Declaração de Paris sobre a promoção da cidadania e dos valores comuns da liberdade, tolerância e não discriminação através da educação consiste em «promover a educação das crianças e dos jovens de meios desfavorecidos, velando por que os sistemas de ensino e de formação atendam às suas necessidades»;

W.  Considerando que o custo global de manter as pessoas com deficiência fora do mercado de trabalho é mais elevado do que incluí-las no local de trabalho; considerando que tal é especialmente verdade no caso das pessoas com múltiplas necessidades de apoio, cujos familiares podem ser obrigados a tornar-se prestadores de cuidados;

X.  Considerando que a taxa de emprego das pessoas com deficiência pode ser inferior à indicada pelos dados, uma vez que muitas delas se enquadram na categoria de «não empregáveis» ou trabalham no setor protegido ou em ambientes mais protegidos, e não têm estatuto de empregados, pelo que não são visíveis em dados oficiais e em estatísticas;

Y.  Considerando que os empregadores têm de ser apoiados e incentivados a assegurar a capacitação das pessoas com deficiência, desde a educação ao emprego; que, para o efeito, a sensibilização dos empregadores é uma forma de combater a discriminação na contratação de pessoas com deficiência;

Z.  Considerando que as medidas adotadas no local de trabalho são cruciais para promover a saúde mental positiva e prevenir a doença mental e a deficiência psicossocial;

AA.  Considerando que a UE é o maior doador de ajuda ao desenvolvimento e desempenha um papel de liderança em programas inclusivos em matéria de deficiência;

AB.  Considerando que a discriminação no emprego não é uma questão isolada; que a discriminação na educação, na formação profissional, na habitação e na falta de acesso aos transportes é equivalente à discriminação no emprego;

AC.  Considerando que 75 % das pessoas com deficiência grave não têm a oportunidade de participar plenamente no mercado de trabalho; que o subemprego e o desemprego podem constituir problemas, especialmente para as pessoas com perturbações do espetro do autismo e surdas ou com deficiência auditiva, bem como para as pessoas que são cegas ou surdas-cegas;

AD.  Considerando que os objetivos de desenvolvimento sustentável e o pilar dos direitos sociais podem ser potenciais veículos para a aplicação da CNUDPD;

AE.  Considerando que a ausência de capacidade jurídica constitui um obstáculo significativo ao exercício do direito de voto, incluindo nas eleições europeias;

AF.  Considerando que 34 % das mulheres com um problema de saúde ou deficiência foram vítimas de violência física ou sexual por parte de um parceiro durante a sua vida;

AG.  Considerando que o artigo 168.º, n.º 7, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) confere aos Estados-Membros a responsabilidade de definirem as suas políticas de saúde e de prestarem serviços de saúde, demonstrando a importância vital de consultar e colaborar com os Estados-Membros para que a Estratégia Europeia para a Deficiência tenha êxito;

AH.  Considerando que o artigo 25.º da CNUDPD reforça o direito das pessoas com deficiência gozarem do mais elevado nível de cuidados de saúde, sem discriminação;

AI.  Considerando que as pessoas com deficiência são particularmente vulneráveis às deficiências nos serviços de cuidados de saúde, envolvendo-se em comportamentos de risco e tendo taxas mais elevadas de morte prematura;

Principais domínios de ação

Acessibilidade

1.  Reconhece a importância de uma definição e aplicação holísticas de acessibilidade, e o seu valor como base para que as pessoas com deficiência tenham oportunidades idênticas e beneficiem de uma genuína inclusão social e participação na sociedade, tal como consagrado na CNUDPD, e em consonância com o comentário geral n.º 2 da CNUDPD, tendo em conta a diversidade das necessidades das pessoas com deficiência e promovendo a constante importância crescente da conceção universal como um princípio da UE;

2.  Recorda à Comissão a sua obrigação de integrar a deficiência e de desenvolver e promover a acessibilidade em todos os domínios políticos, tanto nos setores públicos como privados; recomenda a criação de unidades com conhecimentos em matéria de acessibilidade na hierarquia da Comissão, para verificar se este dever é cumprido;

3.  Insta a Comissão a estabelecer requisitos obrigatórios relativos à acessibilidade dos espaços públicos e, em especial, das áreas construídas;

4.  Insta os Estados-Membros a aplicarem integralmente e a monitorizarem de forma constante toda a legislação relacionada com a acessibilidade, incluindo a Diretiva «Serviços de Comunicação Social Audiovisual», o Pacote «Telecomunicações» e a Diretiva relativa à acessibilidade da Web, bem como os regulamentos pertinentes relativos aos transportes e aos direitos dos passageiros; a este respeito, insta a UE a coordenar e a acompanhar esta aplicação, além de promover a ratificação da CNUDPD a nível interno e externo;

5.  Espera que os colegisladores da UE adotem, sem demora, o ato legislativo europeu sobre a acessibilidade; recomenda que, para dar plena aplicação à CNUDPD, o respetivo texto final deve promover a acessibilidade dos produtos e dos serviços para as pessoas com deficiência e para as pessoas com limitações funcionais; salienta que são necessárias regras europeias abrangentes relativas à acessibilidade dos espaços públicos e às áreas construídas, bem como sobre o acesso a todos os modos de transporte;

6.  Manifesta a sua preocupação pelo facto de o acompanhamento de alguns atos legislativos, como a Diretiva relativa à acessibilidade da Web(13) ou o Regulamento sobre a acessibilidade ferroviária (ETI PMR)(14), estar sujeito a um processo de autoavaliação pela indústria e pelos Estados-Membros, e de o mesmo não ser realizado por uma entidade independente; recomenda, por isso, que a Comissão melhore a sua avaliação de conformidade e pondere desenvolver legislação de acompanhamento, a fim de garantir o respeito dos direitos das pessoas com deficiência, inclusive, por exemplo, na aplicação do Regulamento (CE) 261/2004(15);

7.  Recorda que o cumprimento de todas as obrigações relacionadas com a acessibilidade exige um financiamento suficiente a nível da UE, nacional e local; insta a UE a assegurar a acessibilidade de todos os programas de financiamento, seguindo uma abordagem de conceção universal, e a incluir um orçamento distinto para a acessibilidade; insta os Estados-Membros a incentivarem o investimento público, a fim de garantirem a acessibilidade das pessoas com deficiência tanto ao ambiente físico como digital;

8.  Solicita à Comissão Europeia e aos Estados-Membros que reforcem a acessibilidade através do apoio às TIC e de todas as iniciativas, incluindo as empresas em fase de arranque no domínio da segurança das pessoas com deficiência;

9.  Favorece o estudo e a utilização das melhores práticas no que diz respeito a uma vida independente na UE;

10.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a tomarem as medidas necessárias para assegurar que o número de emergência 112 seja plenamente acessível a todas as pessoas com todos os tipos de deficiência, e que todos os aspetos das políticas e programas de redução do risco de catástrofes sejam inclusivos e acessíveis a todas as pessoas com deficiência;

11.  Manifesta a sua preocupação pelo facto de a condicionalidade ex ante no âmbito da adjudicação de contratos públicos, que obriga a realizar compras acessíveis antes de assinar um contrato público, não ter sido suficientemente aplicada a nível nacional; recomenda, para o efeito, a criação de um portal, semelhante ao dos contratos públicos ecológicos, com todas as orientações em matéria de acessibilidade;

12.  Recomenda vivamente que os procedimentos para apresentação de queixas sobre violações dos direitos dos passageiros sejam tornados plenamente acessíveis e que sejam atribuídas responsabilidades de execução igualmente fortes aos organismos nacionais de execução (ONE);

13.  Salienta, em particular, que a acessibilidade é um princípio fundamental da CNUDPD e uma condição prévia essencial para o exercício de outros direitos consagrados na Convenção; sublinha o número considerável de petições apresentadas por cidadãos europeus que denunciam a falta de acessibilidade ou a existência de barreiras arquitetónicas; salienta que o direito à acessibilidade, tal como definido no artigo 9.º da CNUDPD, deve ser aplicado de forma abrangente, por forma a assegurar que as pessoas com deficiência possam aceder ao ambiente físico, aos transportes, a instalações e serviços prestados ao público, bem como às tecnologias da informação e da comunicação; insta a Comissão e os Estados-Membros a atribuírem um caráter prioritário à acessibilidade e a garantirem a sua melhor integração em todos os domínios de ação relacionados com a deficiência;

14.  Observa que a estratégia para o mercado único digital deve ser aplicada de forma a garantir o pleno acesso das pessoas com deficiência a todos os aspetos do mesmo;

Participação

15.  Felicita o projeto relativo ao Cartão Europeu de Deficiência; apela à Comissão para que, em conjunto com os Estados-Membros, inclua todos os países numa iniciativa futura a longo prazo tendo em vista o mesmo âmbito de aplicação do cartão europeu de estacionamento e a inclusão de serviços de acesso que permitam a participação na vida cultural e no turismo;

16.  Manifesta a sua preocupação relativamente à utilização continuada do modelo médico de deficiência que se centra nos diagnósticos médicos de pessoas com deficiência em vez de nas barreiras ambientais que estas pessoas enfrentam; exorta a Comissão a dar início à revisão desta abordagem, especialmente no domínio da recolha de dados; apela aos Estados-Membros para que estudem os meios para trabalhar no sentido de encontrar uma definição comum de deficiência;

17.  Congratula-se com os progressos feitos no que diz respeito ao Tratado de Marraquexe; salienta que o Tribunal de Justiça da União Europeia, no seu parecer de 14 de fevereiro de 2017, declarou que a UE tem competência exclusiva para concluir o Tratado de Marraquexe, uma vez que todas as obrigações deste tratado se enquadram num domínio já regido em grande medida pelas regras comuns da União; recomenda à UE e aos Estados-Membros que estabeleçam um plano de ação para garantir a sua plena aplicação; apela à UE para que não ratifique a opção relativa ao encargo económico;

18.  É de opinião que os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento devem, nomeadamente no próximo período de programação, aderir à CNUDPD e continuar a promover, a título prioritário, a desinstitucionalização, e, além disso, a financiar serviços de apoio para permitir às pessoas com deficiência realizar o direito a uma vida independente na comunidade; entende que a Comissão deve acompanhar de perto a aplicação, pelos Estados-Membros, da condicionalidade ex ante sobre a transição das instituições para os serviços assentes na comunidade, que deve ser concreta e sujeita a uma avaliação qualitativa constante e transparente; considera que as propostas de projetos financiados pela UE, nomeadamente no âmbito do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos e do Banco Europeu de Investimento devem respeitar regras em matéria de acessibilidade segundo uma abordagem de «conceção universal»; considera que os instrumentos financeiros não podem ser simplesmente utilizados para alcançar estes objetivos;

19.  Sublinha a necessidade de assegurar livre acesso a uma comunicação adaptada ao tipo de deficiência e salienta que este aspeto é fundamental para a participação cívica das pessoas com deficiência;

20.  Manifesta a sua preocupação com os obstáculos à participação que as pessoas que vivem em instituições e sob o regime de tutela enfrentam em toda a Europa e exorta a Comissão a assegurar que as pessoas privadas da sua capacidade jurídica possam exercer todos os direitos consagrados nos tratados e na legislação da União Europeia; insta os Estados-Membros a promoverem a participação acelerando o processo de desinstitucionalização e a substituição da tomada de decisões substitutiva pela tomada de decisões apoiada;

21.  Insta a Comissão, no âmbito dos seus relatórios periódicos sobre a aplicação das Diretivas do Conselho 93/109/CE(16) e 94/80/CE(17), a incluir uma avaliação para determinar se as diretivas em causa estão a ser interpretadas de forma coerente com o disposto no artigo 29.º da CNUDPD;

22.  Salienta o facto de as mulheres e raparigas com deficiência serem vítimas de dupla discriminação devido à interseção entre género e deficiência e de, muitas vezes, poderem estar expostas a múltiplas discriminações resultantes da interseção entre género e deficiência com a orientação sexual, a idade, a religião ou a etnia;

23.  Reitera que as mulheres com deficiência se encontram muitas vezes numa situação ainda mais desvantajosa do que os homens com deficiência e encontram-se mais frequentemente em risco de pobreza e exclusão social;

24.  Considera que o Instituto Europeu para a Igualdade de Género deve fornecer orientações a nível europeu e dos Estados-Membros no que se refere à situação específica das mulheres e raparigas com deficiência, bem como desempenhar um papel ativo no trabalho de defesa destinado a garantir a igualdade de direitos e combater a discriminação;

25.  Recorda que a luta contra a pobreza e a exclusão social das pessoas com deficiência está estreitamente ligada à questão da melhoria das condições para familiares que muitas vezes desempenham o papel de prestadores de cuidados não remunerados e não são considerados trabalhadores assalariados; incentiva, por conseguinte, os Estados-Membros a apresentarem estratégias nacionais de apoio aos prestadores de cuidados informais que são, na sua maioria, familiares do sexo feminino das pessoas com deficiência;

26.  Sublinha que o número de idosos está a aumentar e que, segundo a OMS, a prevalência de deficiência é superior entre as mulheres, que são particularmente afetadas por este fenómeno devido à sua esperança de vida mais elevada; salienta que, por conseguinte, o número de mulheres com deficiência aumentará de forma proporcional;

27.  Salienta o valor dos instrumentos de microfinanciamento na criação de emprego e crescimento; insta os Estados-Membros a facilitarem o acesso das mulheres com deficiência a esses instrumentos;

28.  Sublinha que, a fim de assegurar que as pessoas com deficiência tenham uma vida independente, é necessário apoiar a investigação e a inovação no que respeita ao desenvolvimento de produtos destinados a ajudar as pessoas com deficiência nas suas atividades quotidianas;

Igualdade

29.  Sublinha que a igualdade e a não discriminação estão no centro da Estratégia Europeia para a Deficiência;

30.  Insta a Comissão a abordar a deficiência no seu Compromisso Estratégico para a Igualdade de Género 2016-2019;

31.  Lamenta profundamente o prolongado impasse no Conselho Europeu dos progressos no sentido de adotar a diretiva relativa à não discriminação e exorta os Estados-Membros a contribuírem para a adoção da diretiva horizontal relativa à não discriminação(18), avançando com uma solução pragmática, que deve alargar a proteção contra a discriminação em todos os domínios da vida às pessoas com deficiência, incluindo através do reconhecimento da recusa de adaptação razoável como uma forma de discriminação e de discriminação múltipla e interseccional;

32.  Está alarmado com os dados existentes em matéria de discriminação e de abuso de pessoas com deficiência; mantém-se apreensivo face aos casos de não notificação, devido à inacessibilidade dos mecanismos de queixa e de denúncia e à falta de confiança e de sensibilização para os direitos; insiste em que devem ser recolhidos dados repartidos por género e recomenda, neste contexto, o desenvolvimento de um novo método de recolha de dados, nomeadamente no que diz respeito a casos de recusa de embarque e de recusa ou indisponibilidade de assistência;

33.  Insta os Estados-Membros a garantirem que todos os organismos nacionais para a promoção da igualdade tenham um mandato no domínio da deficiência e recursos suficientes e independência para prestar às vítimas de discriminação a assistência necessária e garantir que qualquer alargamento do mandato seja acompanhado de um aumento dos recursos humanos;

34.  Insta a UE e os Estados-Membros a financiarem a formação e a desenvolverem modelos de boas práticas por e para as pessoas com deficiência, as suas organizações, sindicatos, associações patronais, os organismos para a promoção da igualdade e a administração pública com base no princípio da não discriminação, incluindo a discriminação múltipla e interseccional e a adaptação razoável;

35.  Insta a UE a desenvolver programas de investigação focalizados nos princípios de igualdade aquando do desenvolvimento do quadro pós-Horizonte 2020 para a investigação e o desenvolvimento;

Emprego

36.  Sublinha que o acesso ao mercado de trabalho é um tema global que exige a aplicação de medidas de apoio que resultem numa situação vantajosa para o empregado e o empregador, que garanta a inclusão social e que deve incluir procedimentos de recrutamento acessíveis, transporte acessível de e para o local de trabalho, progressão na carreira e formação contínua, bem como adaptações razoáveis e locais de trabalho acessíveis; insta a Comissão Europeia a atualizar o compêndio de boas práticas em matéria de emprego assistido para as pessoas com deficiência na UE e EFTA-EEE;

37.  Incentiva à adoção de medidas de discriminação positiva, incluindo a adoção de percentagens mínimas para a empregabilidade das pessoas com deficiência nos setores público e privado;

38.  Lamenta que a recusa de adaptações razoáveis não constitua uma discriminação no âmbito da Diretiva relativa à igualdade no emprego(19), o que foi criticado pela Comissão das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Deficiência; recorda que a Diretiva relativa à igualdade no emprego proíbe, no seu primeiro artigo, qualquer tipo de discriminação em razão de uma deficiência;

39.  Apela aos Estados-Membros para que assegurem que os benefícios sociais não constituam um obstáculo à inserção no mercado de trabalho e solicita a separação entre as prestações de assistência às pessoas com deficiência e os apoios ao rendimento, tendo em conta os cuidados adicionais e outras necessidades que as pessoas com deficiência possam ter, que lhes permitam ter uma vida digna e beneficiar de inserção no mercado de trabalho; apela aos Estados-Membros para que, neste contexto, assegurem que as prestações de assistência às pessoas com deficiência não sejam retiradas em razão do emprego;

40.  Insta a Comissão a apoiar as empresas sociais em consonância com os princípios enunciados na Declaração de Bratislava e na Declaração de Madrid sobre a economia social como uma importante fonte de oportunidades de emprego para as pessoas com deficiência

41.  Insta os Estados-Membros a abolirem, em sintonia com a CNUDPD, todos os obstáculos de ordem jurídica à empregabilidade, tais como a legislação em matéria de tutela, a legislação que limita a capacidade jurídica das pessoas com deficiência, impedindo-as de assinar contratos de trabalho, abrir uma conta bancária e ter acesso ao seu dinheiro, deixando-as financeiramente excluídas, ou as cláusulas nacionais que declaram que determinadas categorias de pessoas com deficiência são «incapazes de trabalhar»;

42.  Salienta a importância de uma reintegração e reabilitação efetivas, bem como de medidas de ativação e de retenção numa sociedade em envelhecimento, que permitem às pessoas regressar ou permanecer no trabalho após uma doença ou deficiência física, mental ou emocional;

43.  Recorda que sobrecarregar as pessoas com deficiência e os seus parceiros com o custo da sua assistência reduz não só os seus rendimentos, mas também as suas perspetivas de emprego e prestações de velhice;

44.  Entende que medidas que permitem um equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada, incluindo um regime de trabalho flexível e um quadro de trabalho inclusivo, como o trabalho inteligente, o teletrabalho e os horários de trabalho flexíveis, podem ser benéficas para as pessoas com deficiência e positivas para a saúde mental de todos, mas manifesta a sua preocupação pelo facto de os ambientes de trabalho digitais poderem criar novas barreiras se não forem acessíveis e não se proceder a adaptações razoáveis;

45.  Insta a Comissão a incluir boas e más práticas nos futuros relatórios para permitir que os empregadores apliquem eficazmente a legislação em matéria de deficiência;

46.  Manifesta a sua preocupação pelo facto de, em alguns Estados-Membros, as pessoas com deficiência que trabalham em oficinas protegidas não serem formalmente reconhecidas como trabalhadores nos termos da legislação, receberem um salário inferior ao salário mínimo e não terem direito às mesmas vantagens sociais que os trabalhadores regulares;

47.  Está particularmente preocupado com os jovens com deficiência e os que estão desempregados há um período mais longo; apela aos Estados-Membros a trabalharem no sentido de incluir, a título prioritário, os jovens com deficiência no mercado de trabalho, por exemplo, criando centrais especiais de aconselhamento profissional a fim de dar orientações aos estudantes e aos jovens desempregados quanto às suas futuras carreiras profissionais, ou como parte do programa Garantia para a Juventude;

48.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a promoverem a diversidade como uma vantagem económica e incentivarem cartas de diversidade que defendam o valor acrescentado das pessoas com deficiência no local de trabalho;

49.  Exorta a UE a assegurar que os direitos das pessoas com deficiência e das respetivas famílias sejam incluídos no pacote proposto sobre a conciliação da vida profissional e familiar;

Ensino e formação

50.  Manifesta a sua preocupação pelo facto de muitas crianças com deficiência continuarem a ser excluídas de uma educação inclusiva de qualidade em diferentes Estados-Membros da UE, devido, por exemplo, a políticas de segregação, bem como a barreiras arquitetónicas, que constituem uma forma de discriminação contra crianças e jovens com deficiência;

51.  Salienta que a educação e a formação profissional são essenciais para a empregabilidade das pessoas com deficiência e que os empregadores devem ser envolvidos no processo, a fim de integrar as necessidades das pessoas com deficiência, nomeadamente, mas não só, tendo em conta os eventuais benefícios das novas tecnologias em domínios como a procura de emprego, o desenvolvimento pessoal e uma maior independência;

52.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a eliminarem os obstáculos jurídicos, físicos e organizacionais para todas as pessoas com deficiência a fim de garantir uma educação inclusiva e sistemas de aprendizagem ao longo da vida;

53.  Apela a que as instituições da UE e os Estados-Membros garantam adaptações razoáveis para os estagiários, solicita que os procedimentos de candidatura a estágio sejam acessíveis e insta a que sejam oferecidos estágios específicos às pessoas com deficiência, incluindo estágios baseados em incentivos para os empregadores;

54.  Insta as instituições da UE e os Estados-Membros a assegurarem a plena acessibilidade do programa Erasmus+ e de outros programas de juventude, como a Garantia para a Juventude e o Corpo Europeu de Solidariedade, às pessoas com deficiência através de adaptações razoáveis individualizadas e a disponibilizarem informações às pessoas com deficiência sobre os seus direitos em matéria de acessibilidade para incentivar a sua participação; recomenda, para o efeito, que sejam maximizados os instrumentos existentes, tais como, por exemplo, os disponibilizados na plataforma de mobilidade inclusiva MappED!;

55.  Lamenta que a nova agenda de competências não inclua um objetivo específico para as pessoas com deficiência; salienta que a atual taxa de subemprego e a discriminação profissional das pessoas com deficiência são igualmente um desperdício de competências valiosas; por conseguinte, insta a Comissão a ter em conta as necessidades das pessoas com deficiência em todas as futuras iniciativas relacionadas com competências;

56.  Apela aos Estados-Membros para que desenvolvam medidas eficazes para combater a segregação e a exclusão de alunos com deficiência nas escolas e nos ambientes de aprendizagem, e desenvolvam, neste contexto, programas nacionais de transição a fim de garantir uma educação e formação profissional inclusivas de qualidade, tanto no sistema formal como não formal, inclusive para pessoas com deficiência que exigem um elevado nível de apoio, com base nas recomendações do Comité das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Deficiência;

57.  Salienta a importância da formação e da reciclagem do pessoal docente, em especial, para apoiar pessoas com necessidades complexas;

58.  Recomenda uma melhor utilização da Agência Europeia para as Necessidades Especiais e a Educação Inclusiva a fim de maximizar o seu atual mandato;

59.  Salienta que é essencial preparar professores e formadores para trabalhar com crianças com deficiência e que é essencial prestar-lhes um apoio adequado; incentiva os Estados-Membros a conceberem uma educação e formação inclusivas e um desenvolvimento profissional contínuo para professores e formadores, com contributos de diversas partes interessadas, em especial das organizações representativas de pessoas com deficiência e de profissionais com deficiência;

60.  Apela, face ao elevado nível de abandono escolar precoce entre os jovens com deficiência e/ou NEE, a um maior aproveitamento das oportunidades proporcionadas pela aprendizagem ao longo da vida e à oferta de alternativas atrativas; considera que a promoção de programas de aprendizagem ao longo da vida para pessoas com deficiência é um elemento essencial da Estratégia Europeia para a Deficiência;

61.  Incentiva o intercâmbio de boas práticas em matéria de educação e aprendizagem ao longo da vida inclusivas entre os professores, o pessoal, os órgãos de gestão dos estabelecimentos de ensino e os estudantes e os alunos com deficiência;

62.  Manifesta preocupação pelo facto de, apesar das melhorias, as pessoas com deficiência estarem ainda expostas a um risco elevado de desemprego e menos de 30 % concluírem o ensino superior ou equivalente, em comparação com cerca de 40 % no caso das pessoas sem deficiência; solicita, por conseguinte, aos Estados-Membros e à Comissão que dispensem particular atenção às dificuldades que os jovens com deficiência e/ou NEE enfrentam na transição do ensino secundário e universitário e/ou da formação profissional para o emprego;

63.  Encoraja as instituições e empresas públicas da UE a aplicarem políticas de diversificação e as Cartas de Diversidade nacionais;

64.  Sublinha que os jovens com deficiência participam menos na prática de atividades físicas do que os jovens sem deficiência e que as escolas desempenham um papel importante na adoção de um estilo de vida saudável; realça, por isso, a importância de fomentar uma maior participação dos jovens com deficiência na prática de atividades físicas; exorta os Estados-Membros a eliminarem rapidamente todos os obstáculos que impedem a participação das pessoas com deficiência ou das pessoas com necessidades especiais em atividades desportivas;

65.  Recorda a necessidade de colmatar o fosso digital e de garantir que as pessoas com deficiência beneficiem plenamente da União Digital; destaca, neste contexto, a importância de melhorar as aptidões e competências digitais das pessoas com deficiência, nomeadamente através de projetos financiados pelo programa Erasmus +, e solicita aos Estados-Membros que assegurem a proteção dos cidadãos vulneráveis (incluindo as pessoas com deficiência) em linha, introduzindo medidas eficazes contra o discurso de ódio, a ciberintimidação e todas as formas de discriminação em linha, e prestando mais formação em literacia digital e mediática no quadro do ensino formal e não formal; solicita ainda aos Estados-Membros que disponibilizem, de forma gratuita, às crianças com deficiência as ferramentas didáticas tecnológicas adequadas que permitam a sua plena inserção nas atividades educativas e de formação;

Proteção social

66.  Insta a Comissão a assegurar que a Estratégia Europeia para a Deficiência 2030 inclua ações específicas para promover sistemas inclusivos de proteção social em toda a UE, que garantam o acesso a prestações e serviços às pessoas com deficiência ao longo do ciclo de vida; exorta os Estados-Membros a definirem um nível mínimo de proteção social para as pessoas com deficiência que lhes garanta um nível de vida adequado;

67.  Insta a Comissão a incluir as pessoas com deficiência como um grupo-alvo específico no Regulamento relativo à coordenação dos sistemas de segurança social(20);

68.  Insta os Estados-Membros a aplicarem o princípio do reconhecimento mútuo ao procederem à sua avaliação e determinação da deficiência, que deve respeitar e não enfraquecer o modelo de deficiência da CNUDPD baseado nos direitos humanos, tendo em conta as barreiras ambientais e sociais que uma pessoa enfrenta e incluindo todas as partes interessadas pertinentes, a fim de garantir que o nível de vida das pessoas com deficiência não seja comprometido, por exemplo, por programas de ajustamento económico;

69.  Insta a Comissão a assegurar que o pilar europeu dos direitos sociais integre a deficiência em todos os seus aspetos;

70.  Recomenda que o Fundo Social Europeu (FSE), o Programa da União Europeia para o Emprego e a Inovação Social (EaSI) e futuros fundos sociais da UE sejam utilizados não só para medidas de ativação do emprego, mas também para a inclusão social; salienta a importância da reabilitação como um meio de inclusão social para assegurar que as pessoas com deficiência permaneçam ativas no seio da comunidade;

71.  Recomenda aos Estados-Membros que adotem medidas específicas, tais como disponibilizar assistência financeira e cuidadores temporários, promover sistemas inclusivos de proteção social em toda a UE que garantam um nível de vida adequado e o acesso a serviços para todas as pessoas com deficiência ao longo do ciclo de vida;

72.  Insta os Estados-Membros a assegurarem que a desinstitucionalização nunca conduza ao estado de sem-abrigo das pessoas com deficiência devido à falta de habitações adequadas e/ou acessíveis para a prestação de assistência no seio da comunidade;

Saúde

73.  Solicita aos Estados-Membros que apliquem plenamente a Diretiva de 2011 relativa ao exercício dos direitos dos doentes em matéria de cuidados de saúde transfronteiriços(21); recomenda à Comissão que inclua um componente forte de deficiência na transposição da diretiva, a fim de garantir o acesso das pessoas com deficiência a cuidados de saúde transfronteiriços acessíveis e de qualidade; solicita, a este respeito, à Comissão que realize uma avaliação do impacto da diretiva, com vista à respetiva revisão e a torná-la conforme com a CNUDPD e que elabore orientações, a nível da UE, sobre a integração da deficiência no trabalho dos pontos de contacto nacionais com critérios de desempenho comuns, incluindo recomendações específicas sobre deficiência; incentiva os Estados-Membros a proporcionarem educação e formação adequadas ao pessoal dos serviços de saúde no que respeita às especificidades dos doentes com deficiência;

74.  Manifesta a sua preocupação face às violações, incluindo as violações dos direitos humanos, no domínio da saúde mental e dos cuidados, que têm tido, em muitos casos, um impacto significativo na qualidade dos serviços prestados, e salienta que esses serviços devem ser orientados para a recuperação, devidamente financiados e prestados em conformidade com um modelo assente nos direitos humanos;

75.  Insta os Estados-Membros a assegurarem serviços de saúde mental que respeitem a capacidade jurídica e exijam que o consentimento informado relativamente a tratamento e hospitalização seja fornecido pela pessoa com deficiência e não por uma outra pessoa com poder de decisão, tendo também em consideração medidas de tomada de decisões assistidas;

76.  Insta a Comissão a garantir que o recurso à saúde em linha e aos serviços de saúde e de prestação de cuidados sejam plenamente acessíveis e seguros para todas as pessoas com deficiência, incluindo deficiência intelectual e aqueles que têm necessidades complexas, e os membros da sua família;

77.  Frisa a urgência de fazer face à falta geral de acesso, por parte das pessoas com deficiência, a cuidados especializados multidisciplinares e, nos casos em que estes existem, às longas listas de espera dos pacientes, dado tratar-se de um grande obstáculo ao igual acesso à prevenção e ao tratamento no domínio dos cuidados de saúde, resultando muitas vezes na deterioração do estado dos doentes com deficiência e em encargos evitáveis para os sistemas de saúde;

78.  Salienta que os sistemas de cuidados de saúde devem assegurar a deteção, notificação e prevenção da violência sexual e/ou de abuso;

79.  Insta os Estados-Membros a aumentarem o número de serviços de avaliação e reavaliação pluridisciplinar para adultos com deficiência, com vista ao desenvolvimento de planos específicos que possam ser executados utilizando recursos territoriais (por exemplo: serviços ao domicílio/de dia/residenciais) que cumpram os requisitos biopsicossociais identificados;

80.  Exorta a Comissão e os Estados-Membros a aproveitarem plenamente o quadro das redes europeias de referência para desenvolver e alargar o acesso aos cuidados de saúde multidisciplinares e especializados para as pessoas com deficiência em geral e, em particular, para as pessoas com deficiências raras;

81.  Realça que a Comissão não prestou atenção à deficiência no Plano de Ação para a mão de obra do setor da saúde na UE e na Agenda da UE sobre sistemas de saúde eficazes, acessíveis e resilientes, uma vez que aquela não é especificamente tratada em nenhum dos dois textos;

82.  Sublinha o êxito da segunda ação comum sobre a demência, na esperança de que, entretanto, as empresas farmacêuticas que participam na Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores procedam ao desembolso de fundos adicionais para o triénio seguinte;

83.  Convida a Comissão a apresentar uma estratégia de assistência às pessoas com deficiência grave após o falecimento dos familiares que eram responsáveis pelo seu cuidado diário (ou seja, como a lei italiana «dopo di noi» recentemente aprovada);

84.  Insta a Comissão a proceder a uma análise exaustiva das lacunas entre as observações finais da ONU e o seu próprio relatório intercalar, especificamente no que se refere ao domínio prioritário na área da saúde da Estratégia Europeia para a Deficiência;

85.  Solicita que a prestação de cuidados obstétricos locais seja sistematicamente promovida como serviço público nos Estados-Membros, a fim de reduzir os casos de deficiência resultantes de complicações à nascença e garantir a segurança tanto das mães como dos recém-nascidos durante o parto, em conformidade com a «Safe Childbirth Checklist» da OMS;

86.  Sente-se encorajado pelos progressos realizados no setor europeu da telemedicina, que tem o poder de alterar profundamente a capacidade das pessoas com deficiência de aceder aos serviços; considera, além disso, que a implantação da tecnologia 4G, a ascensão da tecnologia 5G e a expansão da Internet das coisas trará melhorias na prestação de cuidados de saúde às pessoas com deficiência; insta a Comissão a assegurar que o setor das tecnologias da saúde não seja sobrecarregado por um excesso de regulamentação e tenha um acesso adequado ao financiamento.

Ação externa

87.  Insta a que a ação externa da UE esteja em plena conformidade com a CNUDPD;

88.  Insta a UE a garantir que a cooperação para o desenvolvimento e a ação humanitária sejam plenamente acessíveis e inclusivas para as pessoas com deficiência;

89.  Exorta a UE a introduzir um indicador em matéria de direitos das pessoas com deficiência no quadro dos relatórios sobre ajuda pública ao desenvolvimento;

90.  Insta a UE a assegurar que desempenha um papel fundamental para garantir que as pessoas com deficiência não fiquem para trás no âmbito da cooperação para o desenvolvimento e da ajuda humanitária, tal como anunciado no Consenso Europeu sobre o Desenvolvimento, e a incluir o combate às várias formas de discriminação com que as pessoas vulneráveis e os grupos marginalizados se deparam;

91.  Insta a Comissão a desempenhar um papel de primeiro plano no que diz respeito à realização dos objetivos de desenvolvimento sustentável no quadro da sua ação externa de forma inclusiva para as pessoas com deficiência, independentemente de uma nova estratégia europeia para a deficiência, através da adoção de um roteiro claro, transparente e inclusivo para alcançar os objetivos;

92.  Lamenta que o indicador da UE relativo aos objetivos de desenvolvimento sustentável em matéria de emprego não seja desagregado por deficiência; insta a UE a incentivar a desagregação de dados por tipo de deficiência em cooperação com os países parceiros;

93.  Insta a UE e os seus parceiros a incluírem as pessoas com deficiência e as suas organizações representativas em todas as fases da elaboração de políticas e projetos, incluindo no terreno, nos países parceiros, com a participação ativa de organizações de pessoas com deficiência;

94.  Reitera que as mulheres com deficiência enfrentam muitas vezes desafios e perigos ainda maiores nos países em conflito e em zonas de conflito; salienta, por conseguinte, a necessidade de proteger as mulheres com deficiência nas políticas externas da UE;

Obrigações nas instituições da UE

95.  Insta as instituições da UE a tornarem acessíveis a funcionalidade, o conteúdo, os documentos, os vídeos e os serviços internet dos seus sítios Web externos e internos, incluindo as consultas públicas, e a informar publicamente sobre a conformidade e o cumprimento das orientações, recomendações e obrigações em matéria de acessibilidade da Web;

96.  Lamenta que o projeto INSIGN, que permite uma comunicação independente às pessoas surdas e com deficiência auditiva durante a sua interação com as instituições da UE, conectando-as com legendadores e intérpretes de linguagem gestual nos Estados-Membros, ainda não tenha sido implementado, embora a Comissão tenha financiado o desenvolvimento do protótipo da plataforma deste serviço, que foi testado com êxito em 2014 no Parlamento Europeu

97.  Insta as instituições da UE a tornarem acessíveis, mediante um simples pedido, todas as suas reuniões públicas, incluindo através da disponibilização de serviços de interpretação de língua gestual, de reconhecimento de voz e de documentos impressos em braille, bem como através de outros métodos de comunicação aumentativos e alternativos e a acessibilidade física dos seus edifícios; reconhece as dificuldades para legendar todos os fluxos de emissões em direto e vídeos de reuniões; apela, no entanto, às instituições a que continuem a acompanhar a evolução tecnológica neste domínio, a fim de melhorar a acessibilidade no futuro;

98.  Aconselha as instituições europeias a darem prioridade à interpretação de e para as línguas gestuais nacionais, em vez da língua gestual internacional, em consonância com a política de multilinguismo da UE;

99.  Insta os Estados-Membros a assegurarem que as suas eleições europeias sejam acessíveis e incluam as pessoas que vivam em instituições e/ou sob o regime de tutela;

100.  Reconhece a ausência de processos eleitorais inclusivos e acessíveis a pessoas com deficiência, especialmente pessoas com deficiência mental/intelectual, tanto a nível da UE como dos Estados-Membros; insta o Parlamento Europeu a assegurar que os seus materiais de comunicação no que diz respeito às eleições europeias sejam plenamente acessíveis;

101.  Exorta as escolas, os infantários e os centros pós-escolares europeus a dispensarem aos filhos do pessoal da UE uma educação inclusiva de qualidade e em conformidade com o disposto na CNUDPD, incluindo àqueles com necessidades de apoio complexas e de alto nível;

102.  Insta a UE a facilitar a realização de adaptações razoáveis e a prestação de outras formas de apoio ao emprego para pessoas com deficiência no seio das instituições da UE, como o «trabalho inteligente» para os seus trabalhadores, incluindo os assistentes parlamentares acreditados com deficiência nas instituições da UE;

103.  Insta a Comissão a rever as regras comuns, as disposições de execução, o âmbito de aplicação, a representação das pessoas com deficiência, a acessibilidade e as práticas do seu regime comum de seguro de doença, de modo a torná-los conformes com a CNUDPD;

104.  Insta todas as instituições, agências e organismos da UE a criarem pontos focais e salienta a necessidade de um mecanismo horizontal de coordenação interinstitucional entre as DG e as instituições da UE; solicita que as necessárias modalidades desta cooperação constem de uma estratégia de aplicação da CNUDPD;

105.  Insta as instituições a adotarem políticas abrangentes de recrutamento, retenção e promoção, incluindo medidas positivas temporárias, tendentes a aumentar de forma ativa e sustentável o número de funcionários ou agentes e estagiários com deficiência, incluindo deficiência psicossocial e intelectual, em conformidade com o artigo 5.º da Diretiva 2000/78/CE;

106.  Recorda o papel desempenhado pelo Intergrupo «Deficiência» do Parlamento Europeu na implementação da Estratégia Europeia para a Deficiência, em conformidade com a Convenção das Nações Unidas, enquanto plataforma que reúne deputados do Parlamento Europeu e dos parlamentos nacionais, bem como representantes das organizações da sociedade civil, a nível nacional e local; observa que o Intergrupo proporciona um fórum privilegiado que promove discussões e debates que visam garantir a aplicação da estratégia;

107.  Insta as instituições europeias a consultarem plenamente e a incluírem de forma efetiva os membros do pessoal e os deputados com deficiência na formulação, na aplicação e no controlo das suas regras, políticas e práticas internas, incluindo o Estatuto do Pessoal e disposições em matéria de adaptações razoáveis e de acessibilidade;

Lacunas existentes no relatório intercalar em relação às observações finais

108.  Lamenta que os sítios Web das instituições da UE não atinjam o nível AAA das normas de acessibilidade; insta as instituições a atingirem este objetivo o mais rapidamente possível;

109.  Lamenta que a legislação da UE e dos Estados-Membros no setor dos transportes ainda não tenha sido totalmente implementada a nível nacional; recomenda, para o efeito, a criação de organismos nacionais de execução em cada Estado-Membro;

110.  Toma nota dos progressos realizados em termos de acessibilidade ferroviária; recomenda o mesmo nível de regulamentação em matéria de acessibilidade para todos os outros meios de transporte, incluindo o transporte aéreo, para resolver conflitos entre a segurança e a acessibilidade;

111.  Observa que a diretiva horizontal relativa à igualdade de tratamento não é abordada no relatório intercalar da Comissão;

112.  Considera lamentável que tenham sido realizados poucos progressos no que se refere à ratificação, pela União Europeia, do Protocolo Facultativo à CNUDPD;

113.  Observa que, até à data, a Comissão não realizou uma revisão transversal e abrangente da sua legislação, a fim de assegurar uma harmonização total com as disposições da CNUDPD;

114.  Regozija-se com a lista atualizada de instrumentos, incluindo os instrumentos recentemente adotados, mas lamenta que a declaração de competências não tenha sido revista e que a lista de instrumentos não inclua instrumentos que não se refiram especificamente às pessoas com deficiência, mas sejam pertinentes para as pessoas com deficiência;

115.  Lamenta que a Comissão não tenha realizado progressos no que se refere à integração dos direitos das mulheres e raparigas com deficiência em todos os seus programas e políticas para a igualdade de género, e na inclusão de uma perspetiva de género nas suas estratégias para a deficiência;

116.  Felicita a UE pela assinatura da Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica (Convenção de Istambul) e exorta o Conselho a ratificá-la rapidamente;

117.  Lamenta que as políticas europeias em vigor sobre os direitos da criança não incluam de forma suficiente uma estratégia baseada em direitos abrangente sobre crianças com deficiência ou salvaguardas para proteger os seus direitos, e que as estratégias para a deficiência não abordem nem incorporem de forma suficiente os direitos das crianças com deficiência; insta a Comissão, de acordo com a CNUDPD e em conformidade com a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, a prestar especial atenção aos menores com deficiência; destaca em particular a necessidade de exemplos positivos para as mulheres e raparigas com deficiência;

118.  Observa que a UE não organizou uma campanha abrangente para sensibilizar para a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e combater os preconceitos contra as pessoas com deficiência;

Rumo a uma Estratégia para a Deficiência 2030 global e eficaz

Questões horizontais

119.  Apela à Comissão para que garanta que a futura Estratégia para a Deficiência tenha por objetivo a plena implementação da CNUDPD em todos os domínios da política da UE e a integração da acessibilidade, da participação, da não discriminação e da igualdade, englobando todos os artigos da CNUDPD, e inclua um orçamento adequado, um calendário de execução e um mecanismo de acompanhamento, e tendo o mesmo valor jurídico da atual estratégia; está ciente de que a estratégia pode ser bem-sucedida se estiverem envolvidas todas as partes interessadas, incluindo a sociedade civil;

120.  Salienta que a estratégia para 2020-2030 se deve basear numa revisão transversal e abrangente de toda a legislação e políticas da UE, a fim de assegurar uma harmonização total com as disposições da CNUDPD, e incluir uma declaração de competências revista;

121.  Insta a Comissão a incentivar a adoção de medidas relacionadas com a reintegração e reabilitação efetivas para reduzir ou eliminar os efeitos de uma doença ou deficiência física, mental ou emocional sobre a capacidade de subsistência de uma pessoa;

122.  Recomenda à Comissão que garanta que qualquer futura estratégia e o seu processo de consulta sejam transparentes, compreensíveis e plenamente acessíveis, e incluam parâmetros de referência e indicadores claros;

123.  Observa que o conjunto de indicadores da UE relativos aos ODS não inclui as pessoas com deficiência no que respeita ao objetivo 4 (educação), ao objetivo 5 (igualdade de género) e ao objetivo 8 (trabalho digno e crescimento económico); apela para que a futura estratégia utilize indicadores globais relativos aos ODS para acompanhar a execução das principais ações e políticas da UE no domínio do emprego;

124.  Salienta a importância de assegurar que a futura Estratégia Europeia para a Deficiência seja coerente com outras iniciativas e estratégias da UE, a fim de promover o emprego e a integração das pessoas com deficiência, em especial as mulheres;

125.  Recomenda que a estratégia pós-2020 inclua a adjudicação de contratos públicos e a normalização como questões horizontais para aumentar a empregabilidade das pessoas com deficiência, bem como para favorecer a recolha e o intercâmbio de boas práticas entre Estados-Membros;

126.  Insta a Comissão a assegurar que os projetos financiados pela UE estejam em consonância com a abordagem dos direitos humanos da CNUDPD, não financiando quaisquer projetos suscetíveis de dar origem a resultados que não sejam acessíveis, que excluam as pessoas com deficiência ou que desrespeitem as normas de acessibilidade;

127.  Apela à Comissão para que proponha um instrumento acessível de avaliação com acompanhamento contínuo, incluindo indicadores específicos e objetivos tangíveis;

128.  Insta a UE e os Estados-Membros, na sequência da ratificação pela UE da Convenção de Istambul, a adotarem medidas específicas de combate à violência contra as mulheres e raparigas com deficiência;

129.  Exorta a UE a integrar a Estratégia Europeia para a Deficiência em toda a legislação da UE e no processo do Semestre Europeu; apela, neste contexto, a um diálogo estruturado genuíno entre a UE e as organizações representativas das pessoas com deficiência, tendo em vista a elaboração da Estratégia Europeia para a Deficiência pós-2020;

130.  Recomenda que a futura estratégia inclua o papel essencial dos serviços de apoio para o exercício dos direitos humanos das pessoas com deficiência;

131.  Recomenda que a futura estratégia inclua questões relacionadas com a formação do pessoal, que são fundamentais para a prestação de apoio em conformidade com os princípios da CNUDPD;

Outros domínios de intervenção

132.  Exorta a que a igualdade, o género e a não discriminação, incluindo, por exemplo, das pessoas LGBTQI com deficiência que estão expostas a múltiplas formas de discriminação, sejam integrados em todas os domínios no âmbito de uma estratégia futura; insta a Comissão e os Estados-Membros a promoverem campanhas e ações de formação com vista à sensibilização para a CNUDPD e para a necessidade de respeitar a diversidade, a fim de combater a discriminação, o estigma e os preconceitos contra as pessoas com deficiência, as pessoas com deficiência psicossocial, deficiência de aprendizagem ou autismo;

133.  Sublinha que é necessário intensificar os esforços no sentido de superar os estereótipos e preconceitos sobre a deficiência nos meios de comunicação social, a fim de alterar as normas sociais de exclusão predominantes; insta a Comissão e os Estados-Membros a investirem em iniciativas de consciencialização pública, a fim de garantir a representação das pessoas com deficiência como cidadãos iguais, para contrariar os estereótipos em matéria de deficiência;

134.  Chama a atenção para a interseção entre género e deficiência, designadamente no que respeita ao consentimento informado acerca do uso de contracetivos, da esterilização forçada e do acesso aos direitos reprodutivos; apela aos Estados-Membros para que ponderem a necessidade de avaliar a sua legislação a esse respeito;

135.  Insta a UE a integrar os direitos das crianças com deficiência em todas as áreas da futura estratégia;

136.  Reconhece que a capacidade jurídica é um dos requisitos prévios para o exercício dos direitos humanos, incluindo o direito de voto, e que qualquer nova estratégia deve pugnar por que ninguém se veja privado de capacidade jurídica com base na deficiência em todos os domínios da vida; realça, para o efeito, que a UE deve adotar medidas adequadas a fim de assegurar que todas as pessoas com deficiência possam exercer todos os direitos consagrados nos tratados e na legislação da União Europeia, como o acesso à justiça, aos bens e serviços, incluindo os serviços bancários, ao emprego e à saúde, bem como o direito a votar nas eleições europeias e os direitos dos consumidores, em consonância com a Convenção, e incentivar a adoção de medidas não coercivas e a tomada de decisões assistidas em consonância com a CNUDPD;

137.  Insta vivamente a Comissão a incluir todas as medidas possíveis na nova estratégia para assegurar a liberdade e a segurança de todas as pessoas com todos os tipos de deficiência, em consonância com a Convenção e com o Comité das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Deficiência;

138.  Insta vivamente a Comissão a manter o princípio da parceria em futuros regulamentos relativos ao financiamento e a assegurar que o mesmo seja plenamente respeitado;

139.  Insta a Comissão a promover o envolvimento estrutural das pessoas com deficiência e das suas organizações representativas em todos os processos de tomada de decisão, tanto a nível nacional como a nível da UE, e a financiar o reforço das capacidades das organizações de pessoas com deficiência, para que possam participar, de forma estrutural, em todas as decisões que dizem respeito a essas pessoas; insta os Estados-Membros a continuarem a disponibilizar formação no âmbito da CNUDPD para assegurar que as pessoas com deficiência tenham conhecimento dos seus direitos, de modo a que a discriminação possa ser evitada;

140.  Recorda que o Comité das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Deficiência manifestou a sua profunda preocupação com a situação precária das pessoas com deficiência na atual crise migratória na UE; insta vivamente a Comissão a integrar a deficiência nas suas políticas de migração e de refugiados e a assegurar que todo o financiamento da UE para esta crise humanitária seja inclusivo para as pessoas com deficiência;

141.  Recomenda vivamente aos Estados-Membros que desagreguem os dados por tipo de deficiência e que colaborem estreitamente com o Eurostat para recolher dados comparáveis sobre a deficiência em diferentes domínios, o que inclui as pessoas que vivem em instituições, associando ao mesmo tempo a estratégia para a deficiência ao processo dos objetivos de desenvolvimento sustentável e à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável;

142.  Salienta a necessidade de indicadores quantitativos e qualitativos comparáveis, incluindo sobre a acessibilidade, a igualdade, o emprego, a proteção social, a saúde, os resultados escolares e o número de alunos na educação inclusiva, para avaliar a implementação da CNUDPD pela UE e pelos Estados-Membros, e insiste vivamente na recolha de dados para ajudar a aplicar estes indicadores;

143.  Insta a UE a desenvolver um sistema de indicadores baseado nos direitos humanos em cooperação com as pessoas com deficiência e as suas organizações representativas, bem como um sistema comparável e abrangente de recolha de dados, com repartição de dados por género, idade, população rural ou urbana e tipo de deficiência;

144.  Reconhece que as pessoas com deficiência intelectual são particularmente vulneráveis à discriminação e ao abuso e, muitas vezes, são colocadas em instituições, sem acesso à educação e sem autodeterminação;

145.  Insta vivamente a Comissão e os Estados-Membros a tomarem medidas adicionais para chegar até às pessoas mais vulneráveis, como os sem-abrigo com deficiência;

146.  Salienta a necessidade de uma monitorização contínua da implementação da UNCDPD, em consonância com o seu artigo 33.º, em consulta com as organizações representativas das pessoas com deficiência;

147.  Insta a Comissão a assegurar que o trabalho do Grupo de Alto Nível da União Europeia sobre a luta contra o racismo, a xenofobia e outras formas de intolerância no que respeita à melhoria do registo e recolha de dados relativos a crimes de ódio inclua plenamente o crime de ódio contra as pessoas com deficiência;

148.  Exorta todos os Estados-Membros a atribuírem às estruturas de monitorização estabelecidas nos termos do n.º 2 do artigo 32.º da CNUDPD recursos humanos e financeiros suficientes e estáveis, para que desempenhem as suas funções de forma independente;

149.  Insta a Comissão a fornecer recursos adequados à estrutura de monitorização da UE, que lhe permitam desempenhar as suas funções de forma independente e adequada;

150.  Recorda que a Comissão das Petições (PETI) recebe todos os anos um número considerável de petições referentes às dificuldades com que se deparam as pessoas com deficiência nas suas atividades quotidianas em toda a UE, no que respeita aos oito domínios principais identificados na Estratégia Europeia para a Deficiência e a outras questões de acessibilidade, nomeadamente o acesso aos cuidados de saúde e à proteção social, a educação e formação, o mercado de trabalho, o ambiente construído e os transportes, os bens e serviços, a informação e comunicação, e a participação na vida política, pública e cultural;

151.  Insta os Estados-Membros a ratificarem a CNUDPD e a assinarem o Protocolo Opcional;

152.  Destaca o papel de proteção desempenhado pela Comissão das Petições através do processo de apresentação de petições (em conjunto com o Provedor de Justiça Europeu, nomeado para defender os cidadãos em caso de má administração) no contexto do quadro da UE para a CNUDPD, ao permitir aos peticionários reclamar da violação dos seus direitos perante as autoridades europeias, nacionais e locais; salienta que as petições recebidas pela comissão ilustram a necessidade de adotar uma abordagem eficaz, horizontal, não discriminatória e baseada nos direitos humanos para as políticas de deficiência; realça o papel desempenhado pela Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia para reforçar os direitos fundamentais das pessoas com deficiência na UE e apoiar a aplicação da CNUDPD pela UE;

153.  Salienta que a maior parte das petições apresentadas pelos cidadãos europeus dizem respeito às dificuldades nos procedimentos de candidatura e na obtenção de reconhecimento e aos atrasos no pagamento das pensões de invalidez pelas administrações competentes; sublinha que a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência e o respetivo domínio de ação em matéria de proteção social devem prestar especial atenção a estas questões, em conformidade com o artigo 28.º da CNUDPD sobre padrões de vida e proteção social adequados;

°

°  °

154.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente resolução ao Conselho e à Comissão.

(1)

JO L 23 de 27.1.2010, p. 35.

(2)

CRPD/C/EU/CO/1.

(3)

JO L 94 de 28.3.2014, p. 65.

(4)

JO L 303 de 2.12.2000, p. 16.

(5)

Textos Aprovados, P8_TA(2016)0485.

(6)

Textos Aprovados, P8_TA(2016)0360.

(7)

Textos Aprovados, P8_TA(2016)0318.

(8)

JO C 353 de 27.9.2016, p. 41.

(9)

JO C 131 E de 8.5.2013, p. 9.

(10)

JO C 212 E de 5.8.2010, p. 23.

(11)

No contexto do presente relatório, entenda-se por «cidadão de pleno direito», na aceção da CNUDPD, que todas as pessoas com deficiência devem beneficiar plenamente de todos os direitos humanos.

(12)

Acórdão do Tribunal de Justiça de 11 de abril de 2013, HK Danmark, processos apensos C-335/11 e C-337/11, , ECLI:EU:C:2013:222, n.°s. 29-30; Acórdão do Tribunal de Justiça de 18 de março de 2014, Z, C-363/12, ECLI:EU:C:2014:159, n.° 73; Acórdão do Tribunal de Justiça de 22 de maio de 2014, Glatzel, C-356/12, , ECLI:EU:C:2014:350, n.° 68.

(13)

Diretiva (UE) 2016/2102 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de outubro de 2016, relativa à acessibilidade dos sítios Web e das aplicações móveis de organismos do setor público, JO L 327 de 2.12.2016, p. 1.

(14)

Regulamento (UE) n.º 1300/2014 da Comissão, de 18 de novembro de 2014, relativo à especificação técnica de interoperabilidade respeitante à acessibilidade do sistema ferroviário da União para as pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, JO L 356 de 12.12.2014, p. 110.

(15)

Regulamento (CE) n.° 261/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de fevereiro de 2004, que estabelece regras comuns para a indemnização e a assistência aos passageiros dos transportes aéreos em caso de recusa de embarque e de cancelamento ou atraso considerável dos voos e que revoga o Regulamento (CEE) n.° 295/91 (JO L 46 de 17.2.2004, p. 1).

(16)

Diretiva 93/109/CE do Conselho, de 6 de dezembro de 1993, que estabelece o sistema de exercício de direito de voto e de elegibilidade nas eleições para o Parlamento Europeu dos cidadãos da União residentes num Estado-Membro de que não tenham a nacionalidade (JO L 329 de 30.12.1993, p. 34).

(17)

Diretiva 94/80/CE do Conselho, de 19 de dezembro de 1994, que estabelece as regras de exercício do direito de voto e de elegibilidade nas eleições autárquicas dos cidadãos da União residentes num Estado-Membro de que não tenham a nacionalidade (JO L 368 de 31.12.1994, p. 38).

(18)

Proposta de Diretiva do Conselho que aplica o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, independentemente da sua religião ou crença, deficiência, idade ou orientação sexual (COM(2008)0426).

(19)

Diretiva 2000/78/CE do Conselho, de 27 de novembro de 2000, que estabelece um quadro geral de igualdade de tratamento no emprego e na atividade profissional, JO L 303 de 2.12.2000, p. 16.

(20)

Regulamento (CE) n.º 883/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, relativo à coordenação dos sistemas de segurança social, JO L 200 de 7.6.2004, p. 1.

(21)

Diretiva 2011/24/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 9 de março de 2011, relativa ao exercício dos direitos dos doentes em matéria de cuidados de saúde transfronteiriços (JO L 88 de 4.4.2011, p. 45).


PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar (12.10.2017)

dirigido à Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

sobre o relatório intercalar sobre a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência

(2017/2127(INI))

Relatora de parecer: Nessa Childers

SUGESTÕES

A Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar insta a Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

A.  Considerando que uma das metas da saúde e do bem-estar estabelecidas na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável é a cobertura de saúde universal, incluindo a proteção em relação a riscos financeiros, e a garantia de medicamentos e vacinas seguros, eficazes e acessíveis e de boa qualidade para todos; considerando que os Estados-Membros, com demasiada frequência, reduzem as prestações sociais e os serviços de saúde relacionados com a deficiência, comprometendo a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD) da ONU e aumentando ainda mais os níveis de pobreza e de exclusão social;

B.  Considerando que o artigo 168.º, n.º 7, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) confere aos Estados-Membros a responsabilidade de definirem as suas políticas de saúde e de prestarem serviços de saúde; reconhecendo, por isso, a importância vital da consulta e colaboração com os Estados-Membros para que a Estratégia Europeia para a Deficiência possa ter êxito;

C.  Considerando que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS)(1), as pessoas com deficiência têm menos acesso aos serviços de cuidados de saúde e têm necessidades de cuidados de saúde não satisfeitas porque a promoção dos cuidados de saúde raramente tem como alvo as pessoas com deficiência (por exemplo, as mulheres com deficiência efetuam menos vezes o rastreio do cancro da mama do que as mulheres sem deficiência e as adolescentes com deficiência são mais suscetíveis de serem excluídas dos programas de educação sexual);

D.  Considerando que o artigo 25.º da CDPD reforça o direito das pessoas com deficiência a gozarem do mais elevado nível de cuidados de saúde, sem discriminação;

E.  Considerando que a UE é líder na ratificação dos direitos humanos; considerando que os artigos 21.º e 26.º da Carta dos Direitos Fundamentais da UE reafirmam o princípio da não-discriminação e o artigo 35.º reafirma o direito aos cuidados de saúde; considerando que os Estados-Membros deveriam ratificar a Convenção e assinar o Protocolo;

F.  Considerando que todas as pessoas portadoras de deficiência beneficiam dos mesmos direitos e têm direito à dignidade inalienável, à igualdade de tratamento e à plena participação na sociedade;

G.  Considerando que é de esperar que a incidência da deficiência – que é mais elevada entre as mulheres na Europa – venha a aumentar no contexto do envelhecimento da população;

H.  Considerando que as oito áreas da estratégia estão estreitamente interligadas;

I.  Considerando que as pessoas com deficiência são particularmente vulneráveis às deficiências nos serviços de cuidados de saúde, envolvendo-se em comportamentos de risco e tendo taxas mais elevadas de morte prematura;

J.  Considerando que as pessoas com deficiência enfrentam uma série de obstáculos quando tentam aceder aos cuidados de saúde, incluindo custos incomportáveis, a disponibilidade limitada de serviços, barreiras físicas e competências e conhecimentos inadequados por parte dos trabalhadores do setor da saúde;

1.  Sublinha que uma abordagem centrada nos direitos humanos relativamente às políticas da deficiência é essencial para a consecução das melhores condições de saúde possíveis, enquanto direito fundamental; reconhece que a prevalência do modelo médico de deficiência na definição de políticas subestima o impacto das barreiras sociais e físicas na saúde e no bem-estar geral das pessoas com deficiência;

2.  Salienta que – embora o acesso aos mais elevados padrões de cuidados de saúde sem discriminação com base na deficiência seja um direito fundamental – as pessoas com deficiência continuam a enfrentar obstáculos persistentes que negam a sua igualdade de acesso aos serviços de saúde, incluindo a falta de informação acessível sobre direitos aos cuidados de saúde, tratamento discriminatório pelas companhias de seguros de saúde privadas, instalações de cuidados de saúde inacessíveis e frequentemente uma qualidade inferior de cuidados de saúde, não adaptada às necessidades de cada indivíduo; advoga que a falta de acesso a serviços de saúde de qualidade tem um efeito negativo na capacidade das pessoas com deficiência de viverem de forma autónoma, inclusiva e em igualdade de circunstâncias com as demais pessoas;

3.  Destaca que deve ser dado o apoio social necessário para garantir que as pessoas com deficiência possam exercer os seus direitos e beneficiar de plena autonomia, em especial as pessoas com deficiência psicossocial; insta a evitar a institucionalização destas pessoas e a tomar medidas para garantir que não são sujeitas a tratamento sem o seu consentimento;

4.  Está bastante preocupado com o facto de o acesso aos direitos sexuais e reprodutivos ser, de forma geral, impossível para muitas das raparigas e mulheres com deficiência e insta os Estados-Membros a adotarem urgentemente orientações destinadas a assegurar o acesso pleno a toda a educação, informação, serviços e cuidados de saúde relacionados com a saúde sexual e reprodutiva e que as informações sejam fornecidas em formatos adequados à idade; considera que o consentimento informado acerca do uso de contracetivos e procedimentos médicos deve apoiar a liberdade de escolha e a autodeterminação das mulheres com deficiência nas suas vidas sexual e reprodutiva;

5.  Frisa a urgência de fazer face à falta geral de acesso, por parte das pessoas com deficiência, a cuidados especializados multidisciplinares e, nos casos em que estes existem, às longas listas de espera dos pacientes, dado tratar-se de um grande obstáculo ao igual acesso à prevenção e ao tratamento no domínio dos cuidados de saúde, resultando muitas vezes na deterioração do estado dos doentes com deficiência e em encargos evitáveis para os sistemas de saúde;

6.  Recorda os direitos reprodutivos consagrados na CDPD, que abrangem o acesso a cuidados de saúde reprodutiva completos – incluindo o planeamento familiar e os serviços de saúde materna – e à informação e o direito de dar o seu consentimento informado a todos os procedimentos médicos, incluindo a esterilização e o aborto, e de manter a fertilidade, em igualdade de condições com as demais pessoas;

7.  Salienta que os sistemas de cuidados de saúde devem assegurar a deteção, notificação e prevenção da violência sexual e/ou de abuso;

8.  Salienta que o acesso aos serviços de saúde continua a ser uma preocupação fundamental no que diz respeito a assegurar a otimização da qualidade dos cuidados de saúde para as pessoas com deficiência, incluindo as pessoas com problemas de saúde mental; reconhece que devem ser envidados mais esforços no domínio da promoção da saúde e das atividades preventivas dirigidas às pessoas com deficiência, nomeadamente campanhas para aumentar a sensibilização para a deteção precoce de alguns tipos de cancro, incluindo o cancro da mama e o cancro do colo do útero;

9.  Insta os Estados-Membros a aumentarem o número de serviços de avaliação e reavaliação pluridisciplinar para adultos com deficiência, com vista ao desenvolvimento de planos específicos que possam ser executados utilizando recursos territoriais (por exemplo: serviços ao domicílio/de dia/residenciais) que cumpram os requisitos biopsicossociais identificados;

10.  Reitera a sua preocupação com os doentes vulneráveis, como as pessoas com deficiências psicossociais e intelectuais; insta os Estados-Membros a assegurarem que não seja indevidamente recusado o direito dos doentes a darem o seu consentimento informado para o tratamento; salienta a necessidade de a política da UE em matéria de deficiência assegurar especificamente a proteção das pessoas que correm maior risco de serem excluídas do sistema de saúde e que muitas vezes não podem dar o seu consentimento livre e esclarecido aos cuidados de saúde;

11.  Manifesta a sua preocupação pelo facto de a proteção jurídica contra as formas múltiplas e intersetoriais de discriminação ser muitas vezes insuficiente; insta a Comissão e os Estados-Membros a preservarem a igualdade de acesso aos cuidados de saúde, independentemente da deficiência, idade, sexo, orientação sexual, raça ou origem étnica dos doentes;

12.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a aplicarem a Estratégia Europeia para a Deficiência o mais rapidamente possível;

13.  Sublinha que as pessoas com deficiência física também enfrentam problemas no mercado de mobilidade digital; insta a tornar o acesso mais fácil para as pessoas com todos os tipos de deficiência, utilizando as línguas, formatos e tecnologias necessários para os diferentes tipos de deficiência – incluindo a linguagem gestual, Braille, sistemas de comunicação aumentativa/alternativa e outros meios, modos e formatos de comunicação acessíveis da sua escolha, incluindo a linguagem de fácil leitura, a legendagem e as mensagens de texto – em especial, para obter informações sobre a saúde, recorrendo a mais do que um canal sensorial;

14.  Salienta a necessidade de os sistemas de seguro de saúde não discriminarem as pessoas com deficiência;

15.  Congratula-se com o projeto-piloto Cartão Europeu de Deficiente e incentiva os Estados-Membros a aderirem à iniciativa; insta a Comissão a mobilizar o financiamento necessário para o desenvolvimento do projeto em toda a UE, se necessário;

16.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a garantirem que as pessoas com deficiência tenham um fácil acesso ao número de emergência 112 a partir de qualquer ponto da Europa;

17.  Salienta a necessidade de examinar os níveis persistentemente baixos de conhecimento e de aproveitamento, por parte dos doentes com deficiência, das disposições consagradas na Diretiva 2011/24/UE relativa ao exercício dos direitos dos doentes em matéria de cuidados de saúde transfronteiriços (a seguir designada Diretiva «Cuidados de saúde transfronteiriços») e de pôr termo a este problema; realça a necessidade urgente de a presente diretiva estar em conformidade com a CDPD, a fim de garantir o acesso a cuidados de saúde transfronteiriços a preços módicos e de qualidade; exorta os Estados-Membros a prosseguirem a aplicação da referida diretiva, nomeadamente dando especial atenção aos direitos das pessoas com deficiência;

18.  Salienta que a impossibilidade de os doentes com deficiência beneficiarem dos cuidados de saúde transfronteiriços – quando não puderem suportar os custos suplementares decorrentes da sua deficiência – priva-os do gozo deste direito em pé de igualdade; insta a Comissão e os Estados-Membros a garantirem a aplicação não discriminatória da Diretiva «Cuidados de saúde transfronteiriços»;

19.  Congratula-se com a aplicação da Diretiva «Cuidados de saúde transfronteiriços» que, em teoria, torna mais fácil para os doentes com deficiência o acesso aos cuidados de saúde; porém, lamenta a falta de conhecimentos sobre este instrumento, o que, na realidade, limitou bastante o seu potencial objetivo; neste contexto, considera conveniente reforçar a formação dos médicos generalistas (clínica geral) para que sejam capazes de prestar aconselhamento útil sobre as oportunidades que a diretiva pode oferecer; espera que, entretanto, possam ser reforçados os pontos de contacto nacionais estabelecidos como elo de ligação entre utilizadores e prestadores de cuidados de saúde, a fim de fornecer aos cidadãos – que, como demonstrou o Eurobarómetro, não sabem da existência desses pontos de contacto – informações claras e transparentes sobre as normas de qualidade e segurança do serviço nacional de saúde e de acompanhá-los nas opções que têm de tomar em matéria de cuidados de saúde;

20.  Insta à avaliação do impacto da Diretiva «Cuidados de saúde transfronteiriços» nas pessoas com deficiência;

21.  Recomenda que a Comissão e os Estados-Membros colaborem com as organizações de doentes com deficiência, a fim de assegurar que os pontos de contacto nacionais facultam e divulgam informações sobre os direitos a cuidados de saúde transfronteiriços em formatos acessíveis;

22.  Exorta a Comissão a orientar as suas atividades de recolha de provas e elaboração de políticas segundo uma abordagem baseada nos direitos humanos, de modo a desviar a tónica da incapacidade do indivíduo e para ter plenamente em conta os obstáculos que enfrentam as pessoas com deficiência quando a sua incapacidade física, mental, intelectual ou sensorial interage com o ambiente exterior;

23.  Insta os Estados-Membros a permitirem a adoção da Diretiva horizontal relativa à igualdade de tratamento, a fim de alargar a proteção contra a discriminação por motivos de deficiência, entre outros, no acesso aos cuidados de saúde e assim combater também a discriminação múltipla;

24.  Exorta a Comissão e os Estados-Membros a aproveitarem plenamente o quadro das redes europeias de referência para desenvolver e alargar o acesso aos cuidados de saúde multidisciplinares e especializados para as pessoas com deficiência em geral e, em particular, para as pessoas com deficiências raras;

25.  Insta a Comissão a iniciar os trabalhos sobre uma Estratégia Europeia para a Deficiência pós-2020 em consulta plena com os Estados-Membros, o Parlamento, as outras instituições e o público em geral; considera que esse envolvimento é particularmente importante, uma vez que a Estratégia Europeia para a Deficiência não será objeto de uma revisão substancial entre 2010 e 2020; em especial, chama a atenção da Comissão para a resolução do Parlamento Europeu, de 7 de julho de 2016, sobre a execução das observações finais da CDPD e os resultados do projeto «vulnerABLE» financiado pelo Parlamento Europeu;

26.  Realça que a Comissão não prestou atenção à deficiência no Plano de Ação para a mão de obra do setor da saúde na UE e na Agenda da UE sobre sistemas de saúde eficazes, acessíveis e resilientes, uma vez que aquela não é especificamente tratada em nenhum dos dois textos;

27.  Insta os Estados-Membros a absterem-se de efetuar cortes nas prestações sociais, nos serviços de proximidade, nos serviços de saúde e nos programas de formação e de educação relacionados com a deficiência, dado que tal iria prejudicar a CDPD e agravar ainda mais o nível de pobreza e de exclusão social;

28.  Defende a adoção – através dos programas-quadro de investigação e outros instrumentos financeiros – de projetos-piloto como os relativos à telemedicina, destinados a simplificar o acesso dos doentes com deficiência aos cuidados de saúde necessários, incluindo os serviços de emergência;

29.  Espera – em conformidade com o quadro estratégico da UE em matéria de saúde e segurança no trabalho para 2014-2020 – que os Estados-Membros utilizem o Fundo Social Europeu e outros Fundos Europeus Estruturais e de Investimento para financiar todas as iniciativas úteis com vista a proteger a saúde das pessoas com deficiência, através de percursos integrados e serviços personalizados de apoio, de aconselhamento e de orientação dos consumidores para os serviços sociais e de saúde;

30.  Insta a Comissão a dar seguimento às propostas sobre a mobilização de fundos estruturais para formar profissionais de saúde em matéria de sensibilização para a deficiência e as lacunas específicas nos conhecimentos sobre as condições associadas;

31.  Recomenda que os fundos estruturais europeus destinados aos cuidados de saúde e outros serviços sejam coerentemente orientados para promover a desinstitucionalização e a vida autónoma na comunidade, bem como a participação e a consulta das organizações de pacientes;

32.  Sublinha o êxito da segunda ação comum sobre a demência, na esperança de que, entretanto, as empresas farmacêuticas que participam na Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores procedam ao desembolso de fundos adicionais para o triénio seguinte;

33.  Salienta que a vida em comunidade e a vida autónoma são fatores essenciais para a emancipação e que as pessoas com deficiência têm o direito de controlar as suas vidas; insta, portanto, a Comissão e os Estados-Membros a aplicarem medidas capazes de garantir apoio personalizado e de boa qualidade para uma vida autónoma;

34.  Convida a Comissão e os Estados-Membros a apresentarem uma estratégia de assistência a pessoas com deficiência grave após o falecimento dos familiares que eram responsáveis pelo seu cuidado diário (ou seja, como a lei italiana «dopo di noi» recentemente aprovada);

35.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a aumentarem a sensibilização para as questões relativas à deficiência e promovam a inclusão da deficiência como componente das políticas e dos programas de saúde nacionais;

36.  Recorda à Comissão a crise de saúde mental que afeta atualmente o continente europeu; chama a atenção para a estimativa da OMS segundo a qual os problemas de saúde mental irão afetar um em cada quatro cidadãos, pelo menos uma vez nas suas vidas; considera que estas questões devem ser abordadas em conjunção com a saúde física; constata que isto é particularmente importante, uma vez que a Ação conjunta para a saúde mental e o bem-estar terminou em 2016; regista a importância do «Guia das ações no domínio da saúde mental e do bem-estar» para facultar uma ampla abordagem das questões da saúde mental ao nível da Europa;

37.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a promoverem estratégias visando garantir que as pessoas com deficiência estejam bem informadas acerca da sua própria situação de saúde, a facultarem apoio em termos de pessoal de cuidados de saúde e a protegerem os direitos e a dignidade das pessoas com deficiência;

38.  Insta a Comissão a proceder a uma análise exaustiva das lacunas entre as observações finais da ONU e o seu próprio relatório intercalar, especificamente no que se refere ao domínio prioritário da saúde da Estratégia Europeia para a Deficiência;

39.  Constata a dificuldade em identificar os benefícios e resultados tangíveis da Estratégia Europeia para a Deficiência; manifesta a sua deceção pelo facto de não ter sido anunciada qualquer utilização do Fundo Social Europeu para promover a formação dos profissionais da saúde em questões de deficiência; convida a Comissão a rever esta ação específica, a fim de examinar de que forma podem ser feitos progressos;

40.  Solicita que a prestação de cuidados obstétricos locais seja sistematicamente promovida como serviço público nos Estados-Membros, a fim de reduzir os casos de deficiência resultantes de complicações à nascença e garantir a segurança tanto das mães como dos recém-nascidos durante o parto, em conformidade com a «Safe Childbirth Checklist» da OMS;

41.  Sente-se encorajado pelos progressos realizados no setor europeu da telemedicina, que tem o poder de alterar profundamente a capacidade das pessoas com deficiência de aceder aos serviços; considera, além disso, que a implantação da tecnologia 4G, a ascensão da tecnologia 5G e a expansão da Internet das coisas trará melhorias na prestação de cuidados de saúde às pessoas com deficiência; insta a Comissão a assegurar que o setor das tecnologias da saúde não é sobrecarregado por um excesso de regulamentação e tem um acesso adequado ao financiamento.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

12.10.2017

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

60

0

1

Deputados presentes no momento da votação final

Marco Affronte, Pilar Ayuso, Zoltán Balczó, Catherine Bearder, Ivo Belet, Simona Bonafè, Biljana Borzan, Lynn Boylan, Paul Brannen, Soledad Cabezón Ruiz, Nessa Childers, Birgit Collin-Langen, Miriam Dalli, Seb Dance, Mark Demesmaeker, Stefan Eck, José Inácio Faria, Karl-Heinz Florenz, Francesc Gambús, Elisabetta Gardini, Gerben-Jan Gerbrandy, Arne Gericke, Jens Gieseke, Julie Girling, Sylvie Goddyn, Françoise Grossetête, Andrzej Grzyb, Jytte Guteland, Benedek Jávor, Karin Kadenbach, Kateřina Konečná, Urszula Krupa, Jo Leinen, Peter Liese, Norbert Lins, Rupert Matthews, Valentinas Mazuronis, Susanne Melior, Miroslav Mikolášik, Gilles Pargneaux, Piernicola Pedicini, Bolesław G. Piecha, Julia Reid, Daciana Octavia Sârbu, Annie Schreijer-Pierik, Renate Sommer, Ivica Tolić, Nils Torvalds, Adina-Ioana Vălean, Jadwiga Wiśniewska, Damiano Zoffoli

Suplentes presentes no momento da votação final

Herbert Dorfmann, Luke Ming Flanagan, Elena Gentile, Merja Kyllönen, Ulrike Müller, Christel Schaldemose, Bart Staes, Keith Taylor

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

John Howarth, Răzvan Popa

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

60

+

ALDE

Catherine Bearder, Gerben-Jan Gerbrandy, Valentinas Mazuronis, Ulrike Müller, Nils Torvalds

ECR

Mark Demesmaeker, Arne Gericke, Julie Girling, Urszula Krupa, Rupert Matthews, Bolesław G. Piecha, Jadwiga Wiśniewska

EFDD

Piernicola Pedicini, Julia Reid

ENF

Sylvie Goddyn

GUE/NGL

Lynn Boylan, Stefan Eck, Luke Ming Flanagan, Kateřina Konečná, Merja Kyllönen

NI

Zoltán Balczó

PPE

Pilar Ayuso, Ivo Belet, Birgit Collin-Langen, Herbert Dorfmann, José Inácio Faria, Karl-Heinz Florenz, Francesc Gambús, Elisabetta Gardini, Jens Gieseke, Françoise Grossetête, Andrzej Grzyb, Peter Liese, Norbert Lins, Annie Schreijer-Pierik, Sven Schulze, Renate Sommer, Ivica Tolić, Adina-Ioana Vălean

S&D

Biljana Borzan, Paul Brannen, Soledad Cabezón Ruiz, Nessa Childers, Miriam Dalli, Seb Dance, Elena Gentile, Jytte Guteland, John Howarth, Karin Kadenbach, Jo Leinen, Susanne Melior, Gilles Pargneaux, Răzvan Popa, Christel Schaldemose, Daciana Octavia Sârbu, Damiano Zoffoli

VERTS/ALE

Marco Affronte, Benedek Jávor, Bart Staes, Keith Taylor

0

-

 

 

1

0

PPE

Miroslav Mikolášik

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  a favor

-  :  contra

0  :  abstenções

(1)

«Disability and Health Factsheet», novembro de 2016.


PARECER da Comissão da Cultura e da Educação (13.10.2017)

dirigido à Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

sobre a execução da Estratégia Europeia para a Deficiência

(2017/2127(INI))

Relatora de parecer: Julie Ward

SUGESTÕES

A Comissão da Cultura e da Educação insta a Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Considera que, quando se aborda a questão da deficiência em todos os domínios políticos, é essencial manter uma abordagem baseada nos direitos;

2.  Solicita à Comissão que preste um apoio mais consistente aos esforços dos Estados-Membros para eliminar as barreiras jurídicas e organizacionais e assegurar a igualdade de acesso das pessoas com deficiência a uma educação e formação inclusivas, incluindo ao ensino e formação profissionais e à educação de adultos, à cultura, ao turismo e ao desporto; realça a importância de garantir a disponibilidade, a acessibilidade e a razoabilidade dos preços dos serviços de apoio individualizado às pessoas com deficiência;

3.  Insta os Estados-Membros a velarem por que o ensino e a formação sejam organizados de forma a incluir e integrar crianças e adultos com deficiência física ou intelectual, prestando aconselhamento, assistência e ensino individual;

4.  Insta os Estados-Membros a garantirem o acesso a uma educação pré-escolar, um ensino primário e prestações sociais de qualidade e inclusivos, a criarem estruturas adequadas e medidas eficazes para as crianças com deficiência e/ou necessidades educativas especiais (NEE) e a prestarem um apoio individual para o interesse superior da criança, incluindo crianças migrantes e crianças vítimas de discriminação múltipla, para responder a diferentes necessidades específicas e assegurar uma inclusão bem-sucedida dos migrantes e das minorias no ensino regular;

5.  Exorta os Estados-Membros a fornecerem todos os recursos necessários, incluindo um financiamento suficiente, com vista à prestação de uma assistência adequada aos alunos e estudantes com deficiência, bem como à formação do pessoal das infraestruturas de educação e aprendizagem ao longo da vida;

6.  Salienta que é essencial preparar os professores e formadores para trabalhar com crianças com deficiência e prestar-lhes um apoio adequado; incentiva os Estados-Membros a conceberem uma formação educativa inclusiva e um desenvolvimento profissional contínuo para professores e formadores, com contributos de diversas partes interessadas, em especial das organizações representativas de pessoas com deficiência e de profissionais com deficiência;

7.  Lamenta os sucessivos cortes no financiamento público para a educação devido à crise económica vivida na Europa; relembra que a educação constitui um direito humano fundamental e um bem comum;

8.  Tendo em conta o elevado nível de abandono escolar precoce entre os jovens com deficiência e/ou NEE, apela a um maior aproveitamento das oportunidades proporcionadas pela aprendizagem ao longo da vida e à oferta de alternativas atrativas; considera que a promoção de programas de aprendizagem ao longo da vida para pessoas com deficiência é um elemento essencial da Estratégia Europeia para a Deficiência;

9.  Incentiva o intercâmbio de boas práticas em matéria de educação e aprendizagem ao longo da vida inclusivas entre os professores, o pessoal, os órgãos de gestão dos estabelecimentos de ensino e os estudantes e os alunos com deficiência;

10.  Recomenda a contratação de conselheiros especiais para as universidades, os centros de emprego e outros serviços e iniciativas no domínio do emprego, para aconselhar os estudantes com deficiência sobre as oportunidades de carreira;

11.  Exorta a Comissão, em conjunto com os Estados-Membros, a estabelecer objetivos para a participação no ensino e na formação, a redução da pobreza e o emprego das pessoas com deficiência e das pessoas com necessidades especiais, bem como a acompanhar e avaliar atentamente a situação dessas pessoas a nível local, regional, nacional e da UE;

12.  Manifesta preocupação pelo facto de, apesar das melhorias, as pessoas com deficiência estarem ainda expostas a um risco elevado de desemprego e menos de 30 % concluírem o ensino superior ou equivalente, em comparação com cerca de 40 % no caso das pessoas sem deficiência; solicita, por conseguinte, aos Estados-Membros e à Comissão que tenham particularmente em conta as dificuldades que os jovens com deficiência e/ou NEE enfrentam na transição do ensino secundário e universitário e/ou da formação profissional para o emprego e que utilizem, para o efeito, todos os instrumentos e iniciativas existentes em domínios como o emprego, a política de juventude, a cultura, o desporto e a educação, tais como a Garantia para a Juventude, Juventude em Movimento, o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), o Fundo Social Europeu (FSE) e o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER); solicita, além disso, que as associações pertinentes, as famílias das pessoas com deficiência e as próprias pessoas com deficiência sejam associadas ao processo de decisão;

13.  Apela a que sejam disponibilizados mais estágios de qualidade para os jovens com deficiência;

14.  Salienta que, no que diz respeito ao emprego, a disponibilização de um assistente pessoal durante o horário de trabalho é, em muitos casos, a única opção para as pessoas com deficiência trabalharem, fazerem parte da equipa e não serem obrigadas a trabalhar a partir de casa; exorta os Estados-Membros a adotarem e incentivarem as medidas necessárias para assegurar a acessibilidade e a inclusividade dos locais de trabalho;

15.  Salienta que os baixos níveis de escolaridade, o fenómeno do abandono escolar precoce, a falta de programas adaptados, a discriminação, a falta de competências e de apoio ao emprego, bem como a acessibilidade dos locais de trabalho, continuam a ser os principais obstáculos à inclusão no mercado de trabalho;

16.  Lamenta que a taxa de emprego das mulheres com deficiência seja inferior a 50 %, expressão da dupla discriminação com que se defrontam, o que dificulta a sua plena participação na sociedade;

17.  Incentiva as instituições e empresas públicas da UE a aplicarem políticas de diversificação e as Cartas de diversidade nacionais;

18.  Considera que é essencial promover o acesso efetivo à mobilidade – nomeadamente através da criação, em todos os Estados-Membros, do Cartão Europeu de Deficiente, um sistema de reconhecimento mútuo que está a ser desenvolvido pela UE para assegurar a igualdade de acesso a determinadas vantagens específicas, essencialmente no domínio da cultura, do lazer, do desporto e dos transportes – e às atividades extracurriculares, tais como o teatro, a dança, a música e a arte, melhorar a informação destinada às pessoas com deficiência no que respeita às oportunidades de mobilidade, prestar-lhes a orientação e assistência necessárias e resolver as dificuldades com que se deparam, nomeadamente através de uma formação adequada do pessoal das agências nacionais e instituições de acolhimento;

19.  Recorda que, apesar dos esforços para tornar os programas Erasmus + e outras iniciativas relativas à mobilidade mais inclusivos, a falta de harmonização entre os sistemas sociais nacionais e de portabilidade dos direitos constituem enormes obstáculos à mobilidade das pessoas com deficiência; solicita, por conseguinte, à Comissão e aos Estados-Membros que intensifiquem a colaboração neste domínio, a fim de facilitar a mobilidade das pessoas com deficiência, e impeçam as práticas discriminatórias nos processos de seleção para os programas de mobilidade, tais como a fixação de um limite orçamental para o acolhimento de estudantes com deficiência, designadamente através do programa Erasmus +; recomenda, de um modo geral, que as necessidades financeiras dos jovens com deficiência sejam tidas em conta na elaboração dos orçamentos dos programas de mobilidade, a fim de evitar discriminações;

20.  Congratula-se com os esforços em curso para incluir disposições relativas ao acesso nos programas e iniciativas da União e apela a uma maior integração dos requisitos de acessibilidade nas políticas da União relativas à cultura, nomeadamente através da aplicação do Tratado de Marraquexe, da revisão da Diretiva Serviços de Comunicação Social Audiovisual, da iniciativa «Capital Europeia da Cultura» e do programa «Europa Criativa»; recorda, contudo, a necessidade de dispor de uma abordagem transversal global sobre a acessibilidade de todos os serviços, através da adoção do Ato Europeu da Acessibilidade;

21.  Considera que a modernização em curso dos setores culturais e criativos pode contribuir para garantir a acessibilidade dos serviços; nesta ótica, insta a Comissão e os Estados-Membros a velarem por que as organizações relevantes garantam a acessibilidade dos seus serviços e a adotarem medidas destinadas a assegurar um mais amplo acesso à cultura por parte das pessoas com deficiência, não somente como meros espetadores, mas também como atores e protagonistas com capacidade de intervenção, sem qualquer tipo de discriminação, no mundo da cultura;

22.  Congratula-se com o compromisso de sensibilizar a sociedade para as questões relativas às pessoas com deficiência; sublinha que os meios de comunicação social podem constituir um instrumento fundamental para sensibilizar a sociedade, combater o estigma e a desinformação e alterar as ideias falsas existentes sobre as pessoas com deficiência e as pessoas com necessidades especiais; salienta ainda que, ao aumentar a consciência e a compreensão das questões relativas à deficiência e da diversidade das pessoas com deficiência e das suas situações, os meios de comunicação social podem contribuir ativamente para uma integração efetiva e bem-sucedida das pessoas com deficiência em todos os aspetos da vida social; recorda também a importância de educar os cidadãos sobre as questões relativas às pessoas com deficiências ocultas/invisíveis para proteger essas pessoas dos maus-tratos;

23.  Salienta que os jovens com deficiência participam menos na prática de atividades físicas do que os jovens sem deficiência e que as escolas desempenham um papel importante na adoção de um estilo de vida saudável; realça, assim, a importância de fomentar uma melhor participação dos jovens com deficiência na prática de atividades físicas; exorta os Estados-Membros a eliminarem rapidamente todos os obstáculos que impedem a participação das pessoas com deficiência ou das pessoas com necessidades especiais nas atividades desportivas;

24.  Congratula-se com o maior apoio prestado às pessoas com deficiência através do programa Erasmus + e solicita que seja prestado um apoio adequado às iniciativas destinadas a melhorar a acessibilidade e a participação no desporto a todos os níveis, inclusive para as pessoas com deficiências temporárias;

25.  Recorda a necessidade de colmatar o fosso digital e garantir que as pessoas com deficiência beneficiam plenamente da União Digital; destaca, neste contexto, a importância de melhorar as aptidões e competências digitais das pessoas com deficiência, nomeadamente através de projetos financiados pelo programa Erasmus +, e solicita aos Estados-Membros que assegurem a proteção dos cidadãos vulneráveis (incluindo as pessoas com deficiência) em linha, introduzindo medidas eficazes contra o discurso de ódio, a ciberintimidação e todas as formas de discriminação em linha e prestando mais formação em literacia digital e mediática no quadro do ensino formal e não formal; solicita ainda aos Estados-Membros que disponibilizem, de forma gratuita, às crianças com deficiência as ferramentas didáticas tecnológicas adequadas que permitam a sua plena inserção nas atividades educativas e de formação;

26.  Apela a uma maior utilização das ferramentas digitais e da digitalização para apoiar a entrada de pessoas com deficiência no trabalho a tempo inteiro, em setores como o das tecnologias da informação;

27.  Insta os Estados-Membros a transporem sem demora a Diretiva (UE) 2016/2102, relativa à acessibilidade dos sítios web e das aplicações móveis de organismos do setor público(1), de molde a garantir a todas as pessoas o direito à informação e à participação democrática; neste contexto, insta as instituições da UE a respeitarem os requisitos e obrigações previstos na referida diretiva no que se refere à acessibilidade dos sítios web da UE e a intensificarem os seus esforços para facilitar a utilização da linguagem gestual na comunicação e no funcionamento das instituições da UE, a fim de melhorar as oportunidades de interação com os cidadãos com deficiência;

28.  Recorda, no contexto do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, a necessidade de assegurar a participação da sociedade civil e dos representantes das pessoas com deficiência no diálogo civil, juntamente com os parceiros sociais;

29.  Considera que a educação para a cidadania ativa deve abordar as perspetivas das pessoas com deficiência, que se deparam com um número desproporcionado de obstáculos, nomeadamente físicos, no acesso à participação cívica; recorda que todos os cidadãos têm direito de voto e exorta os Estados-Membros a tomarem as medidas necessárias para garantir que este direito seja respeitado no caso das pessoas com deficiência;

30.  Constata com preocupação que os refugiados e requerentes de asilo com deficiência enfrentam múltiplos desafios, como a falta de acesso à assistência e à educação e um acesso insuficiente às tecnologias de apoio, que podem facilitar a comunicação e a integração; nesta ótica, exorta a Comissão, em conjunto com os Estados-Membros e em cooperação com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), a promover e proteger os direitos dos refugiados e requerentes de asilo com deficiência, e incentiva os Estados-Membros a garantirem a igualdade de acesso à educação para todos, nomeadamente através de programas e medidas específicos para os imigrantes e os refugiados com deficiência, bem como a partilharem boas práticas em matéria de programas inovadores e bem-sucedidos para os refugiados com deficiência, em particular nos domínios da educação inclusiva e dirigida às pessoas com necessidades especiais, da formação profissional e do desenvolvimento de competências;

31.  Destaca o papel fundamental dos prestadores de cuidados e, em especial, dos membros da família, que suprem muitas vezes, quase por completo, as necessidades de cuidados e assistência da pessoa com deficiência; salienta a necessidade urgente de políticas da UE e nacionais, bem como de iniciativas legislativas subsequentes, de apoio à família, tendo em conta que, em quase todos os casos, as mães assumem a gestão da deficiência e são obrigadas a reduzir ou a suspender a sua atividade profissional para prestar assistência ao familiar com deficiência, sobretudo no caso dos jovens e dos idosos; solicita aos Estados-Membros que adotem medidas pertinentes e adequadas para apoiar as famílias e os prestadores de cuidados e desenvolvam instrumentos regulamentares e serviços que permitam aos pais e familiares de crianças com deficiência beneficiar de licenças e/ou de autorizações em contexto laboral que facilitem a conciliação entre o trabalho e o apoio familiar;

32.  Frisa que, para garantir a harmonização progressiva da legislação da União com as normas previstas na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CNUDPD), é necessário acelerar a adoção do Ato Europeu da Acessibilidade e convidar todos os Estados-Membros a assinarem e ratificarem o Protocolo Facultativo à Convenção e a aplicarem as recomendações do Comité da ONU relativas ao artigo 24.º, para que a UE se possa dotar dos meios necessários para facilitar o acesso a uma educação inclusiva e de qualidade;

33.  Recorda as obrigações decorrentes da CNUDPD, ratificada pela União, bem como os artigos 21.º e 26.º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, que estabelecem que a autonomia, a integração e o acesso a um sistema de educação e formação inclusivo, à vida cívica e cultural, a atividades recreativas e ao desporto são direitos garantidos, e que é proibida toda e qualquer forma de discriminação em razão da deficiência; insta a Comissão e os Estados-Membros a intensificarem os seus esforços para cumprirem cabalmente estas obrigações, nomeadamente através da adoção de medidas legislativas que respeitem esses direitos, caso contrário não conseguirão atingir os objetivos fixados pela Estratégia Europeia para a Deficiência para 2020;

34.  Considera que é necessário reforçar a sinergia entre a Estratégia Europeia para a Deficiência e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, em particular no que diz respeito à educação e à formação, que cumpre promover;

35.  Solicita que seja concedido um financiamento e apoio adequados para o acompanhamento dos progressos, bem como para o controlo dos atos jurídicos atuais e futuros da União relativos às obrigações decorrentes da CNUDPD;

36.  Salienta que, para melhor avaliar a execução e os resultados da Estratégia Europeia para a Deficiência, é necessário aperfeiçoar a recolha de dados, as estatísticas e o acompanhamento; lamenta que, por exemplo, de entre os indicadores da UE relativos aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o referente à educação não seja desagregado por deficiência; sublinha que a Estratégia Europeia para a Deficiência deve procurar colmatar as lacunas existentes na recolha de dados sobre o acesso ao ensino das pessoas com deficiência; insta, por conseguinte, os Estados-Membros e a Comissão a velarem por um sistema de recolha de dados eficaz com indicadores claros em matéria do acesso das pessoas com deficiência ao ensino, em particular dados sobre pessoas com elevada dependência; considera que é útil incluir uma perspetiva de género nos programas destinados às pessoas com deficiência e recolher dados discriminados por sexo sobre a situação dessas pessoas e o acompanhamento das políticas e ações neste domínio, bem como dados transversais sobre as pessoas vulneráveis e as pessoas vítimas de discriminação múltipla;

37.  Insta os Estados-Membros e a Comissão a apoiarem uma rede e uma cooperação a nível da UE entre as associações nacionais e europeias de pessoas com deficiência, no intuito de promover o intercâmbio de experiências e boas práticas.

ANEXO: LISTA DE ENTIDADES OU PESSOAS SINGULARES DE QUEM A RELATORA RECEBEU CONTRIBUTOS

A lista a seguir apresentada é elaborada a título meramente voluntário, sob a responsabilidade exclusiva da relatora. A relatora recebeu contributos das seguintes entidades ou pessoas singulares na elaboração do parecer, até à sua aprovação em comissão:

Entidade e/ou pessoa singular

Agência Europeia para as Necessidades Especiais e a Educação Inclusiva

Fórum Europeu dos Deficientes

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

10.10.2017

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

26

0

1

Deputados presentes no momento da votação final

Isabella Adinolfi, Dominique Bilde, Andrea Bocskor, Nikolaos Chountis, Silvia Costa, Mircea Diaconu, Damian Drăghici, Angel Dzhambazki, María Teresa Giménez Barbat, Svetoslav Hristov Malinov, Curzio Maltese, Rupert Matthews, Morten Messerschmidt, Luigi Morgano, Momchil Nekov, Michaela Šojdrová, Helga Trüpel, Sabine Verheyen, Julie Ward, Theodoros Zagorakis, Bogdan Andrzej Zdrojewski, Krystyna Łybacka

Suplentes presentes no momento da votação final

Michel Reimon, Remo Sernagiotto

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Miltiadis Kyrkos, Jarosław Wałęsa, Patricija Šulin

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

26

+

ALDE

Mircea Diaconu, María Teresa Giménez Barbat

ECR

Angel Dzhambazki, Rupert Matthews, Morten Messerschmidt, Remo Sernagiotto

EFDD

Isabella Adinolfi

GUE/NGL

Nikolaos Chountis, Curzio Maltese

PPE

Andrea Bocskor, Svetoslav Hristov Malinov, Sabine Verheyen, Jarosław Wałęsa, Theodoros Zagorakis, Bogdan Andrzej Zdrojewski, Michaela Šojdrová, Patricija Šulin

S&D

Silvia Costa, Damian Drăghici, Miltiadis Kyrkos, Luigi Morgano, Momchil Nekov, Julie Ward, Krystyna Łybacka

Verts/ALE

Michel Reimon, Helga Trüpel

0

-

1

0

ENF

Dominique Bilde

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  a favor

-  :  contra

0  :  abstenções

(1)

JO L 327 de 2.12.2016, p. 1.


POSIÇÃO SOB A FORMA DE ALTERAÇÕES da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros (12.9.2017)

dirigida à Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

sobre a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência

(2017/2127(INI))

Relatora: Rosa Estaràs Ferragut

ALTERAÇÕES

A Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros insta a Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais, competente quanto à matéria de fundo, a ter em conta as seguintes alterações:

Alteração    1

Proposta de resolução

Citação 5-A (nova)

Proposta de resolução

Alteração

 

-  Tendo em conta a Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (Série Tratados Europeus n.º 5, 1950) e os seus protocolos,

Alteração    2

Proposta de resolução

Citação 5-B (nova)

Proposta de resolução

Alteração

 

-  Tendo em conta a Carta Social Europeia (ETS n.º 35, 1961, revista em 1996; ETS n.º 163),

Alteração    3

Proposta de resolução

Citação 5-C (nova)

Proposta de resolução

Alteração

 

-  Tendo em conta a Recomendação Rec(2002)5 do Comité dos Ministros aos Estados-Membros do Conselho da Europa sobre a proteção das mulheres contra a violência e a Recomendação CM/Rec(2007)17 sobre as normas e mecanismos de igualdade entre géneros,

Alteração    4

Proposta de resolução

Citação 5-D (nova)

Proposta de resolução

Alteração

 

-  Tendo em conta a Convenção das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (CEDAW, 1979) e o seu protocolo facultativo (1999),

Alteração    5

Proposta de resolução

Citação 17-A (nova)

Proposta de resolução

Alteração

 

-  Tendo em conta o estudo da Direção-Geral das Políticas Internas da União do Parlamento Europeu, intitulado «Discrimination Generated by the Intersection of Gender and Disability» (A discriminação provocada pela interseção entre género e deficiência),

Alteração    6

Proposta de resolução

Considerando A-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

A-A.  Considerando que mais de 80 milhões de pessoas com deficiência que vivem na UE necessitam urgentemente de um ambiente acessível e sem preconceitos; que um em cada quatro europeus tem um membro da família com deficiência; que existem aproximadamente 46 milhões de mulheres e raparigas com deficiência na UE, representando cerca de 16 % do total da população feminina;

Alteração    7

Proposta de resolução

Considerando C-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-A.  Considerando que a discriminação múltipla, manifestada sob as mais diversas formas, em razão do género e da deficiência persiste e tem efeitos a nível da sociedade (baixa autoestima, dependência económica e isolamento social), da educação (elevados índices de analfabetismo e baixa escolaridade, especialmente entre as mulheres) e do mercado do trabalho (participação reduzida no mercado de trabalho, tendência para ocupar postos de trabalho mal remunerados, temporários ou precários), o que provoca stress e tensão psicológica acrescida nas pessoas com deficiência e nas respetivas famílias e prestadores de cuidados;

Alteração    8

Proposta de resolução

Considerando C-B (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-B.  Considerando que o artigo 9.º da CDPD reconhece que devem ser tomadas medidas adequadas para assegurar que as pessoas com deficiência, nomeadamente as raparigas e as mulheres, possam beneficiar de um verdadeiro acesso ao ambiente físico, a serviços de transporte, à informação e às comunicações, incluindo as tecnologias da informação e da comunicação, bem como a outras instalações e serviços abertos ou prestados ao público, tanto nas áreas rurais como nas áreas urbanas;

Alteração    9

Proposta de resolução

Considerando C-C (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-C.  Considerando que as pessoas com deficiências, nomeadamente as mulheres com deficiência, têm rendimentos mais baixos e muitas vezes não possuem veículo próprio; que as mulheres vivem mais tempo do que os seus companheiros e que se verifica uma necessidade crescente de promover a proximidade da vizinhança, condições adequadas para peões e adaptações ao nível da construção e da habitação, a fim de reduzir os fatores que contribuem para a sua exclusão da vida socioeconómica, da vida laboral e da educação; que um ambiente integrado e adequadamente concebido em todas as atividades e serviços relacionados com a esfera pública permitiria e incentivaria as mulheres, especialmente as mulheres com deficiência, a participar na vida socioeconómica;

Alteração    10

Proposta de resolução

Considerando C-D (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-D.  Considerando que existem mais passageiros do sexo feminino do que do sexo masculino nos transportes públicos, tendo em conta que as mulheres têm frequentemente necessidades de transporte mais complexas uma vez que muitas prestam cuidados a familiares dependentes, e que os transportes e os serviços e produtos relacionados com os transportes devem estar imediatamente disponíveis para as pessoas com deficiência, de modo a assegurar que estas possam desfrutar de uma mobilidade independente;

Alteração    11

Proposta de resolução

Considerando C-E (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-E.  Considerando que as mulheres e as raparigas com deficiência são muitas vezes afetadas por falta de informação e de proteção dos seus direitos sexuais e reprodutivos, tendo um acesso reduzido, ou mesmo inexistente, a serviços e produtos que lhes permitam beneficiar plenamente desses direitos;

Alteração    12

Proposta de resolução

Considerando C-F (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-F.  Considerando que o apoio, a proteção, a comunicação e os serviços e cuidados de saúde, nomeadamente os que dizem respeito aos cuidados de saúde primários, à violência contra as mulheres, à assistência à criança, à maternidade e aos direitos sexuais e reprodutivos da mulher, devem estar plenamente acessíveis em todas as línguas, formas e formatos a todas as mulheres, especialmente às mulheres e raparigas com deficiência;

Alteração    13

Proposta de resolução

Considerando C-G (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-G.  Considerando que o pessoal dos serviços de saúde deve receber formação apropriada sobre questões delicadas relacionadas com a deficiência, a fim de dar resposta às necessidades das pessoas com deficiência; que empregar pessoas com deficiência em unidades de serviços de saúde permitirá que os doentes com deficiência se sintam mais à vontade e sintam que alguém os pode compreender e atender às suas necessidades; que empregar pessoas com deficiência nos serviços públicos, como os serviços de saúde, serviria também de motivação para as demais pessoas com deficiência;

Alteração    14

Proposta de resolução

Considerando C-H (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-H.  Considerando que a participação das pessoas com deficiência, especialmente das mulheres, na vida política e pública, um domínio em que muitas vezes estão sub-representadas, deve ser abordada de forma mais aprofundada, em conformidade com o artigo 29.º da CDPD;

Alteração    15

Proposta de resolução

Considerando C-I (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-I.  Considerando que, apesar das várias convenções internacionais e das disposições do direito europeu, bem como da atual Estratégia Europeia para a Deficiência, as pessoas com deficiência ainda não beneficiam plenamente dos seus direitos sociais e enquanto cidadãos, uma vez que, por exemplo, não dispõem de possibilidades justas e equitativas de participar na vida política, social e económica; que as mulheres e as raparigas com deficiência permanecem à margem da tomada de decisões e do progresso em termos de igualdade de género;

Alteração    16

Proposta de resolução

Considerando C-J (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-J.  Considerando que a igualdade de género não foi integrada horizontalmente na Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020; que o TFUE estabelece que a União, na definição e execução das suas políticas e ações, tem por objetivo combater a discriminação em razão da deficiência (artigo 10.º) e atribui-lhe poderes para adotar legislação destinada a combater esse tipo de discriminação (artigo 19.º); que os artigos 21.º e 26.º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia proíbem explicitamente a discriminação em razão da deficiência e garantem a igualdade de participação na sociedade das pessoas com deficiência; que a igualdade de tratamento pode ser assegurada mediante a aplicação de medidas e políticas positivas para as mulheres com deficiência e as mães de crianças com deficiência; que incluir uma dimensão de género na Estratégia Europeia para a Deficiência prevista após 2020 contribuirá para uma abordagem integrada destinada a eliminar a discriminação contra as mulheres e raparigas com deficiência;

Alteração    17

Proposta de resolução

Considerando C-K (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-K.  Considerando que 75 % das pessoas com deficiências graves não têm a oportunidade de participar plenamente no mercado de trabalho europeu; que a proporção de mulheres empregadas na UE-28 com um problema de saúde prolongado e/ou uma dificuldade em desempenhar atividades básicas e que indicaram ter recorrido a algum tipo de assistência no local de trabalho é superior à proporção equivalente nos homens; que as mulheres com deficiência correm maior risco de pobreza e, por conseguinte, as barreiras à sua participação e inclusão no mercado de trabalho, em programas de ensino e na vida social devem ser urgentemente eliminadas;

Alteração    18

Proposta de resolução

Considerando -C-L (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

C-L.  Considerando que 34 % das mulheres com um problema de saúde ou deficiência foram vítimas de violência física ou sexual por parte de um parceiro durante a sua vida;

Alteração    19

Proposta de resolução

N.º 9-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-A.  Salienta a importância de otimizar a utilização dos Fundos Estruturais da UE, a fim de promover a acessibilidade e a não discriminação das pessoas com deficiência, com especial destaque para as mulheres, e de tomar medidas destinadas a aumentar a visibilidade das oportunidades de financiamento;

Alteração    20

Proposta de resolução

N.º 9-B (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-B.  Salienta o facto de as mulheres e raparigas com deficiência serem vítimas de dupla discriminação devido à interseção entre género e deficiência e de, muitas vezes, poderem estar expostas a múltiplas discriminações resultantes da interseção entre género e deficiência com a orientação sexual, a idade, a religião ou a etnia;

Alteração    21

Proposta de resolução

N.º 9-C (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-C.  Lamenta que a Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020 atualmente em vigor não tenha adotado políticas, medidas nem atos legislativos eficazes para combater a segregação e a rejeição das mulheres com deficiência no mercado de trabalho, na vida política, nas escolas e em ambientes de aprendizagem;

Alteração    22

Proposta de resolução

N.º 9-D (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-D.  Reitera que todas as pessoas com deficiência devem poder beneficiar plenamente dos seus direitos, tendo por base a inclusão e a participação na sociedade;

Alteração    23

Proposta de resolução

N.º 9-E (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-E.  Sublinha, com preocupação, que as mulheres e raparigas com deficiência são mais suscetíveis de ser vítimas de violência baseada no género, especialmente de violência doméstica e exploração sexual; salienta que tal abrange igualmente a esterilização e o aborto forçados; sublinha que é necessário tomar todas as medidas adequadas para evitar todos os tipos de abusos e proporcionar apoio de elevada qualidade, acessível e personalizado às vítimas de violência;

Alteração    24

Proposta de resolução

N.º 9-F (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-F.  Salienta que a inclusão das pessoas com deficiência constitui uma questão de direitos humanos fundamentais que deve ser devidamente abordada a nível europeu;

Alteração    25

Proposta de resolução

N.º 9-G (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-G.  Reitera que as mulheres com deficiência encontram-se muitas vezes numa situação ainda mais desvantajosa do que os homens com deficiência e encontram-se mais frequentemente em risco de pobreza e exclusão social;

Alteração    26

Proposta de resolução

N.º 9-H (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-H.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a introduzir políticas que permitam e incentivem a participação das mulheres e raparigas com deficiência na vida pública, social, económica e política; sublinha que as mulheres e raparigas com deficiência, através das suas organizações representativas, devem ser estreitamente consultadas e participar ativamente no desenvolvimento e na aplicação de legislação e de políticas que assegurem a não discriminação e a igualdade de oportunidades; apela a um diálogo estruturado genuíno entre a UE e as organizações representativas das pessoas com deficiência, tendo em vista a elaboração da Estratégia Europeia para a Deficiência pós-2020;

Alteração    27

Proposta de resolução

N.º 9-I (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-I.  Reitera que as políticas relativas à deficiência devem integrar a dimensão de género;

Alteração    28

Proposta de resolução

N.º 9-J (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-J.  Sublinha que a Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020 deve incluir uma perspetiva de género integrada ou um capítulo separado sobre políticas específicas em função do género no domínio da deficiência;

Alteração    29

Proposta de resolução

N.º 9-K (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-K.  Sublinha a importância da integração da deficiência nos programas e nas políticas no domínio do género;

Alteração    30

Proposta de resolução

N.º 9-L (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-L.  Salienta a necessidade de exemplos positivos para as mulheres e raparigas com deficiência, nomeadamente redes de apoio e mentoria;

Alteração    31

Proposta de resolução

N.º 9-M (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-M.  Sublinha que as mulheres com deficiência devem ter direito à educação, a cuidados de saúde, ao emprego, à mobilidade, à vida familiar, a relações sexuais, ao casamento e à maternidade, bem como a proteções especiais que garantam estes direitos;

Alteração    32

Proposta de resolução

N.º 9-N (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-N.  Sublinha que é necessário intensificar os esforços envidados no sentido de superar os estereótipos e o preconceito no que se refere à deficiência e que as mulheres e raparigas com deficiência devem beneficiar de maior visibilidade nos meios de comunicação social, a fim de alterar as normas sociais de exclusão frequentes; insta a Comissão e os Estados-Membros a investirem em iniciativas de sensibilização do público para esse efeito;

Alteração    33

Proposta de resolução

N.º 9-O (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-O.  Salienta que é necessário conferir maior reconhecimento e apoio às pessoas com deficiências ocultas ou invisíveis, designadamente às mulheres e raparigas, que podem enfrentar desafios e barreiras específicos;

Alteração    34

Proposta de resolução

N.º 9-P (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-P.  Reitera o facto de o impacto desproporcionado das políticas económicas de austeridade e dos cortes orçamentais no setor público sobre as pessoas com deficiência, em especial as mulheres e raparigas, colocar frequentemente o seu bem-estar, a sua saúde e até mesmo as suas vidas em risco;

Alteração    35

Proposta de resolução

N.º 9-Q (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-Q.  Apela à adoção de medidas políticas específicas de combate à violência e ao abuso com que se deparam as pessoas com deficiência e dificuldades de aprendizagem, especialmente as mulheres e raparigas, nomeadamente a intimidação, a ciberintimidação, o assédio e a violência em situações de prestação de cuidados formais e informais;

Alteração    36

Proposta de resolução

N.º 9-R (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-R.  Salienta o papel dos sindicatos, das associações patronais e das organizações de formação e de aprendizagem ao longo da vida no combate à discriminação múltipla com que se deparam as mulheres e raparigas com deficiência, bem como às barreiras à sua inclusão;

Alteração    37

Proposta de resolução

N.º 9-S (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-S.  Insta a Comissão e os Estados-Membros a integrarem a dimensão do género em todos os domínios pertinentes da política relativa à deficiência;

Alteração    38

Proposta de resolução

N.º 9-T (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-T.  Salienta que as mulheres e raparigas com deficiência devem ser informadas dos seus direitos, bem como dos serviços dos cidadãos que se encontram à sua disposição (educação, saúde, justiça, transportes, contacto com as autoridades, etc.); sublinha que estas informações devem ser prestadas de modo simples e seguro, tendo em conta os diferentes métodos de comunicação, meios de comunicação social e formatos por si escolhidos e, se for caso disso, o grau da sua deficiência mental, para que possam tomar as suas próprias decisões;

Alteração    39

Proposta de resolução

N.º 9-U (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-U.  Considera que o Instituto Europeu para a Igualdade de Género deve fornecer orientações a nível europeu e dos Estados-Membros no que se refere à situação específica das mulheres e raparigas com deficiência, bem como desempenhar um papel ativo no trabalho de defesa destinado a garantir a igualdade de direitos e combater a discriminação;

Alteração    40

Proposta de resolução

N.º 9-V (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-V.  Salienta que é necessário assegurar que as mulheres e raparigas com deficiência possam viver de forma independente e participar plenamente em todos os aspetos da vida em condições de igualdade com os demais e, em especial, em condições de igualdade com as respetivas populações de referência; por conseguinte, devem ser tomadas medidas adequadas para assegurar que as raparigas e as mulheres com deficiência possam beneficiar de um verdadeiro acesso ao ambiente físico, ao transporte, à informação e às comunicações, incluindo sistemas e tecnologias da informação e da comunicação, e a outras instalações e serviços abertos ou prestados ao público, tanto nas áreas rurais como nas áreas urbanas; sublinha que, a fim de integrar devidamente a dimensão de género nas medidas relativas à deficiência, no planeamento, nos projetos, nos programas e na comunicação, é necessário adotar salvaguardas para garantir que as mulheres com deficiência possam participar nestes processos nas autoridades ou organismos pertinentes, preferencialmente na qualidade de consultoras, conselheiras ou peritas, a fim de assegurar que as necessidades e exigências específicas da população feminina com deficiência sejam tidas em consideração na conceção de ambientes, bens e serviços;

Alteração    41

Proposta de resolução

N.º 9-W (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-W.  Reitera o seu apelo à Comissão no sentido de que esta apresente uma estratégia europeia abrangente de combate à violência contra as mulheres, que inclua um instrumento legislativo de prevenção e combate à violência baseada no género, prestando especial atenção às mulheres e raparigas com deficiência;

Alteração    42

Proposta de resolução

N.º 9-X (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-X.  Incentiva os Estados-Membros a adotarem medidas para garantir que as raparigas e as mulheres com deficiência beneficiem dos seus direitos sexuais e reprodutivos, incluindo educação sexual adaptada, se for caso disso, à capacidade intelectual da mulher ou rapariga com deficiência em apreço, com base no consentimento livre e esclarecido da pessoa em causa e tendo devidamente em conta a sua integridade física, liberdade de escolha e autodeterminação;

Alteração    43

Proposta de resolução

N.º 9-Y (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-Y.  Recorda que a luta contra a pobreza e a exclusão social das pessoas com deficiência está estreitamente ligada à questão da melhoria das condições para familiares que muitas vezes desempenham o papel de prestadores de cuidados não remunerados e não são considerados trabalhadores assalariados; incentiva, por conseguinte, os Estados-Membros a apresentarem estratégias nacionais de apoio aos prestadores de cuidados informais que são, na sua maioria, familiares do sexo feminino das pessoas com deficiência;

Alteração    44

Proposta de resolução

N.º 9-Z (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-Z.  Salienta o valor dos instrumentos de microfinanciamento na criação de emprego e crescimento; insta os Estados-Membros a facilitarem o acesso das mulheres com deficiência a esses instrumentos;

Alteração    45

Proposta de resolução

N.º 9-AA (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-AA.  Salienta a importância de uma vida independente para as pessoas com deficiência; insta a Comissão a apresentar uma estratégia europeia abrangente com vista à desinstitucionalização, tendo igualmente em conta questões específicas das mulheres com deficiência;

Alteração    46

Proposta de resolução

N.º 9-AB (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-AB.  Sublinha que, a fim de assegurar que as pessoas com deficiência tenham uma vida independente, é necessário apoiar a investigação e a inovação no que respeita ao desenvolvimento de produtos destinados a ajudar as pessoas com deficiência nas suas atividades quotidianas;

Alteração    47

Proposta de resolução

N.º 9-AC (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-AC.  Sublinha que o número de idosos está a aumentar e que, segundo a OMS, a prevalência de deficiência é superior entre as mulheres, que são particularmente afetadas por este fenómeno devido à sua esperança de vida mais elevada; salienta que, por conseguinte, o número de mulheres com deficiência aumentará de forma proporcional;

Alteração    48

Proposta de resolução

N.º 9-AD (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-AD.  Reitera a necessidade urgente de abordar a questão da violência contra as mulheres e raparigas com deficiência em ambientes públicos, privados e institucionais; congratula-se com a decisão do Conselho no sentido de que a UE adira à Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica (Convenção de Istambul), enquanto passo importante no combate à violência contra as mulheres e as raparigas com deficiência; lamenta que o Conselho tenha limitado a adesão da UE a dois setores, nomeadamente a cooperação em questões judiciais e as questões relativas aos refugiados, aos requerentes de asilo e à não repulsão;

Alteração    49

Proposta de resolução

N.º 9-AE (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-AE.  Salienta que as mulheres e raparigas com deficiência, nomeadamente as que pertencem a grupos marginalizados e vulneráveis, como as refugiadas, migrantes, requerentes de asilo ou ciganas e as pessoas LGBTI, enfrentam várias formas de discriminação, pelo que devem poder participar na vida política e em processos decisórios, a fim de garantir que os seus interesses sejam manifestados e os seus direitos apoiados e protegidos, criando uma verdadeira perspetiva de género de base; insta os Estados-Membros a disponibilizarem instalações e serviços devidamente adaptados, que assegurem uma ação e uma participação ativas, e a investirem em tecnologias de assistência e adaptação, bem como na inclusão-digital;

Alteração    50

Proposta de resolução

N.º 9-AF (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

9-AF.  Salienta que, a fim de garantir que as pessoas com deficiência, em especial as mulheres, usufruam de uma vida autónoma e independente, a assistência prestada de forma individual ou pessoal constitui um meio de apoio para elas e para as respetivas famílias, permitindo-lhes aceder ao local de trabalho e às instituições de educação e formação profissional e auxiliando-as em situação de gravidez e de maternidade;

Alteração    51

Proposta de resolução

N.º 10-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

10-A.  Insta a Comissão a abordar a deficiência no seu Compromisso Estratégico para a Igualdade de Género 2016-2019;

Alteração    52

Proposta de resolução

N.º 11-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

11-A.  Denuncia que o Conselho ainda não adotou a proposta de diretiva de 2008 que aplica o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, independentemente da sua religião ou crença, deficiência, idade ou orientação sexual; reitera o seu apelo ao Conselho para que o faça o mais brevemente possível;

Alteração    53

Proposta de resolução

N.º 12-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

12-A.  Insiste que é necessário recolher dados repartidos por género a fim de identificar as várias formas de discriminação intersetorial com que se deparam as mulheres e raparigas com deficiência, em todos os domínios abrangidos pela Convenção de Istambul e sempre que relevante;

Alteração    54

Proposta de resolução

N.º 18-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

18-A.  Salienta a importância de integrar as mulheres com deficiência nos sistemas educativos e profissionais regulares;

Alteração    55

Proposta de resolução

N.º 26-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

26-A.  Considera que as mulheres e raparigas com deficiência devem ter pleno acesso a cuidados de saúde que satisfaçam as suas necessidades específicas, incluindo consultas ginecológicas, exames médicos, planeamento familiar e apoio adaptado durante a gravidez; insta os Estados-Membros a assegurarem o seu acesso adequado a estes serviços através dos serviços nacionais de saúde públicos;

Alteração    56

Proposta de resolução

N.º 26-B (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

26-B.  Chama a atenção para as insuficiências (por exemplo, instalações de rastreio de cancro inacessíveis para mulheres em cadeira de rodas, inexistência de material de informação adaptado a pessoas com deficiência) que persistem na prestação de cuidados de saúde a pessoas com deficiência; incentiva os Estados-Membros a proporcionarem educação e formação adequadas ao pessoal dos serviços de saúde no que respeita às especificidades dos doentes com deficiência;

Alteração    57

Proposta de resolução

N.º 26-C (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

26-C.  Salienta a necessidade de assegurar, em todos os Estados-Membros, serviços de saúde e cuidados acessíveis, bem como o apoio de que as pessoas com deficiência necessitam, a fim de facilitar a sua inclusão social; salienta igualmente que só é possível alcançar uma igualdade de oportunidades se o direito à inclusão e à participação for concedido a todos os níveis e tipos de vida;

Alteração    58

Proposta de resolução

N.º 34-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

34-A.  Reitera que as mulheres com deficiência enfrentam muitas vezes desafios e perigos ainda maiores nos países em conflito e em zonas de conflito; salienta, por conseguinte, a necessidade de proteger as mulheres com deficiência nas políticas externas da UE;

Alteração    59

Proposta de resolução

N.º 35-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

35-A.  Insta as instituições da UE a assegurarem a acessibilidade dos seus conteúdos e aplicações baseados na Internet, bem como de documentos essenciais e conteúdos audiovisuais, assegurando igualmente a acessibilidade física aos seus edifícios;

Alteração    60

Proposta de resolução

N.º 35-B (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

35-B.  Sublinha a necessidade de facilitar a efetiva participação e liberdade de expressão das pessoas com deficiência no contexto de eventos ou reuniões públicas realizadas pelas instituições da UE ou nas suas próprias instalações, mediante a disponibilização de legendagem e de interpretação de língua gestual, bem como de documentos em braille e em formatos de fácil leitura;

Alteração    61

Proposta de resolução

N.º 44-A (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

44-A.  Insta a Comissão a apresentar uma proposta de Estratégia Europeia para a Deficiência 2020-2030 que integre plenamente as disposições da CDPD nas futuras políticas e legislação da UE e que seja coerente com a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança e o Compromisso Estratégico para a Igualdade de Género 2016-2019, de modo a assegurar que as mulheres e raparigas com deficiência possam beneficiar plenamente dos seus direitos como qualquer outra pessoa;

Alteração    62

Proposta de resolução

N.º 44-B (novo)

Proposta de resolução

Alteração

 

44-B.  Insta a Comissão a apresentar uma proposta consolidada no âmbito da Estratégia Europeia para a Deficiência pós-2020 e a adotar medidas eficazes para prevenir a violência contra as mulheres e crianças com deficiência direcionadas a famílias, comunidades, profissionais e instituições; salienta o papel importante que as instituições de ensino, tais como as escolas, desempenham na promoção da inclusão social e destaca a necessidade de uma política educativa que integre a dimensão de género, a adotar em todos os Estados-Membros;

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃO NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

4.9.2017

 

 

 


PARECER da Comissão das Petições (11.9.2017)

dirigido à Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais

sobre a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência

(2017/2127(INI))

Relatora de parecer: Cecilia Wikström

SUGESTÕES

A Comissão das Petições insta a Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Recorda que a Comissão das Petições (PETI) recebe todos os anos um número considerável de petições referentes às dificuldades com que se deparam as pessoas com deficiência nas suas atividades quotidianas em toda a UE, no que respeita aos oito domínios principais identificados na Estratégia Europeia para a Deficiência e a outras questões de acessibilidade, nomeadamente o acesso aos cuidados de saúde e à proteção social, à educação e formação, ao mercado de trabalho, às áreas construídas e ao transporte, aos bens e serviços, à informação e comunicação e à participação na vida política, pública e cultural; destaca os desafios identificados no relatório intercalar sobre a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência (2010-2020) no que respeita ao aceso ao transporte e às áreas construídas, e apela à rápida adoção e implementação dos futuros requisitos da UE em matéria de acessibilidade; sublinha que a discriminação constitui um dos principais obstáculos a uma aplicação eficaz da Estratégia Europeia para a Deficiência;

2.  Assinala que a UE lidera a ratificação dos tratados sobre os direitos humanos e que os artigos 21.º e 26.º da Carta dos Direitos Fundamentais da UE reafirmam o princípio da não discriminação; convida todos os Estados-Membros a ratificarem a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CNUDPD) e a assinarem o Protocolo;

3.  Salienta o papel central da CNUDPD enquanto instrumento para garantir a proteção dos direitos humanos, em especial para as pessoas com deficiência, as quais representam uma categoria particularmente vulnerável;

4.  Exorta a Comissão a prestar especial atenção às crianças com deficiência, em conformidade com a CNUDPD e a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança;

5.  Destaca o papel de proteção desempenhado pela Comissão das Petições através do processo de apresentação de petições (em conjunto com o Provedor de Justiça Europeu, nomeado para defender os cidadãos em caso de má administração) no contexto do quadro da UE para a CNUDPD, ao permitir aos peticionários reclamar da violação dos seus direitos perante as autoridades europeias, nacionais e locais; salienta que as petições recebidas pela comissão ilustram a necessidade de adotar uma abordagem eficaz, horizontal, não discriminatória e baseada nos direitos humanos- para as políticas de deficiência; realça o papel desempenhado pela Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia para reforçar os direitos fundamentais das pessoas com deficiência na UE e apoiar a aplicação da CNUDPD pela UE;

6.  Recorda que, amiúde, as petições que mereceram mais atenção foram apoiadas por organizações da sociedade civil que representam pessoas com deficiência, pelo que existe a necessidade de promover e difundir o papel de proteção e de eficácia das petições baseadas na violação desses direitos; enaltece o papel protagonizado por estas organizações quando se trata de promover a inclusão social e melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência, e considera que esta tarefa deve merecer um maior apoio por parte dos organismos púbicos;

7.  Reconhece o papel da CNUDPD enquanto instrumento para garantir os direitos humanos com uma dimensão social, procurando assegurar que as pessoas com deficiência usufruam de todos os direitos humanos e fundamentais, que são frequentemente violados e necessitam de uma proteção reforçada;

8.  Insta a Comissão, na sequência das recomendações da primeira avaliação da CNUDPD pelas Nações Unidas, a criar um instrumento independente para a monitorização e revisão da Convenção, bem como um mecanismo interinstitucional- de coordenação, e a promover a abertura de pontos de informação e agências locais em cada Estado-Membro, os quais devem ser permanentes;

9.  Salienta, em particular, que a acessibilidade é um princípio fundamental da CNUDPD e condição prévia essencial para o exercício de outros direitos consagrados na Convenção; sublinha o número considerável de petições apresentadas por cidadãos europeus que denunciam a falta de acessibilidade ou a existência de barreiras arquitetónicas; salienta que o direito à acessibilidade, tal como definido no artigo 9.º da CNUDPD, deve ser aplicado de forma abrangente por forma a assegurar que as pessoas com deficiência possam aceder ao ambiente físico, aos transportes, a instalações e serviços prestados ao público, bem como às tecnologias da informação e da comunicação; insta a Comissão e os Estados-Membros a atribuírem um caráter prioritário à acessibilidade e a garantirem a sua melhor integração em todos os domínios de ação relacionados com a deficiência;

10.  Recorda que, nas suas observações finais, o Comité das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Deficiência assinala que as medidas de austeridade adotadas pela UE e pelos Estados-Membros contribuíram para piorar o nível de vida das pessoas com deficiência, dando lugar a um aumento da pobreza e a uma maior exclusão social, bem como a cortes nos serviços sociais e de assistência de proximidade e no apoio às famílias;

11.  Observa que, nos termos do artigo 4.º da CNUDPD, devem ser envidados esforços no sentido de alterar a legislação europeia e dos Estados-Membros em matéria de deficiência, a fim de garantir uma total harmonização em todos os domínios, e apela à participação efetiva das organizações representativas das pessoas com deficiência neste processo;

12.  Exorta a Comissão a garantir uma educação inclusiva nas escolas europeias desde a mais tenra idade, com uma abordagem e uma visão preventiva da deficiência, em conformidade com os requisitos da CNUDPD sobre a avaliação multidisciplinar das necessidades individuais, a não exclusão das crianças com deficiência, bem como a disponibilização de alojamento adequado;

13.  Insta a UE e os Estados-Membros a adotarem a legislação necessária para o cumprimento pleno e coerente da CNUDPD, garantindo, nomeadamente, níveis adequados de prestações de invalidez, serviços de assistência de proximidade, serviços de saúde- e programas de educação- e formação de elevada qualidade;

14.  Realça que o Tribunal de Justiça da União Europeia, no seu parecer de 14 de fevereiro de 2017, indicou que a UE tem competência exclusiva no que respeita à celebração do Tratado de Marraquexe para facilitar o acesso a obras publicadas por parte das pessoas cegas, com deficiência visual ou com outras dificuldades de acesso a textos impressos, uma vez que o conjunto de obrigações decorrentes do Tratado de Marraquexe é abrangido por um domínio já coberto, em grande parte, por normas comuns da UE;

15.  Observa que, de acordo com as recomendações da ONU, as organizações representativas das pessoas com deficiência devem ser associadas a todas as fases do processo decisório; relembra a necessidade de estabelecer um diálogo estruturado com as pessoas com deficiência;

16.  Exorta a Comissão a elaborar um relatório sobre o impacto nas pessoas com deficiência das principais políticas e fundos de investimento da UE e a assegurar a participação das organizações representantes de pessoas com deficiência na conceção dos mesmos, em especial dos fundos estruturais;

17.  Recorda que a Comissão das Petições tem vindo a defender a adoção de um tratado vinculativo relativo ao acesso a obras publicadas por parte de pessoas cegas e com deficiência visual desde 2011; congratula-se com o acordo interinstitucional alcançado a fim de aplicar o Tratado de Marraquexe na legislação da UE sobre direitos de autor, e reitera o seu apelo à rápida ratificação do Tratado de Marraquexe pela UE e pelos seus Estados-Membros;

18.  Observa que a Comissão das Petições é regularmente abordada com questões relacionadas com o direito das pessoas com deficiência de viverem de forma autónoma, tal como consagrado no artigo 19.º da CNUDPD, e incentivou o desenvolvimento de comunidades mais inclusivas e de sistemas de institucionalização, sempre que tal seja solicitado, de modo a que, em ambos os casos, as pessoas com deficiência possam beneficiar de um apoio adequado e assistência em toda a UE, contribuindo assim para o objetivo de uma maior autonomia no âmbito das possibilidades de cada indivíduo; recorda que a Comissão PETI realizou uma missão de inquérito à Eslováquia em setembro de 2016 a fim de obter informações sobre a utilização dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) na facilitação da transição dos serviços de assistência a pessoas com deficiência em instituições para os serviços de assistência de proximidade;

19.  Considera que as pessoas com deficiência devem ser informadas dos seus direitos e poder participar plenamente em todas as políticas e medidas que as possam afetar, incluindo um mecanismo de reclamações, e que deve ser dada prioridade à participação das crianças com deficiência e, quando existam, das organizações de pessoas com deficiência;

20.  Regista que, na Europa, 30 % das pessoas com deficiência estão em risco de pobreza ou de exclusão social, e que existe uma nítida diferença entre as taxas de emprego das pessoas com deficiência (48,7 %) e de outras pessoas (72,5 %); salienta a importância, à luz do acima exposto, de uma estratégia global em matéria de emprego e de trabalho;

21.  Salienta que as crianças com deficiência enfrentam problemas específicos e que devem ser envidados esforços para eliminar todos os tipos de obstáculos e barreiras, permitindo-lhes atingir a plena autonomia e gozar de oportunidades iguais; considera, por conseguinte, fundamental que sejam envolvidas na elaboração das políticas que as afetam; incentiva, para este efeito, a adoção de mecanismos que permitam às crianças com deficiência apresentar os seus pontos de vista e assegurar o seu envolvimento;

22.  Salienta que deve ser prestado um apoio social adequado às pessoas com deficiência e que o acesso à justiça, a cuidados adequados e à proteção da saúde deve estar sempre no centro dessa ação;

23.  Recorda que é necessário garantir às pessoas com deficiência privadas da sua capacidade jurídica o exercício dos direitos estabelecidos nos Tratados e na legislação da UE, nomeadamente o acesso à justiça, a bens e serviços, incluindo os serviços bancários e o emprego, os cuidados de saúde e o direito de voto; salienta que devem ser envidados esforços no sentido de promover a recolha de dados, o intercâmbio de boas práticas e a concertação com as organizações de representantes das pessoas com deficiência, em conformidade com o artigo 12.º da CNUDPD; Sublinha que interpretações restritivas na legislação dos Estados-Membros de salvaguardas no que se refere ao direito de voto devem ser revistas quando tais interpretações impeçam as pessoas com deficiência psicossocial de exercer esse direito nos termos do artigo 29.º da CNUDPD;

24.  Salienta que um baixo nível de educação pode ser fonte de exclusão social e que apenas 27,8 % das pessoas com deficiência completaram o ensino superior; recorda que o direito a estudar e a um bom nível de educação e o acesso a escolas e universidades não devem ser objeto de discriminação e devem ser adequadamente garantidos e promovidos;

25.  Sublinha que as instituições europeias devem assegurar e implementar a acessibilidade dos documentos e serviços de TI para as pessoas com deficiência;

26.  Salienta que as administrações públicas dos Estados-Membros e, em particular, os órgãos de poder local, que estão mais próximos dos cidadãos e das suas necessidades diárias, devem garantir às pessoas com deficiência uma acessibilidade máxima dos seus serviços, documentos e práticas; sublinha que estas medidas devem igualmente incluir os serviços prestados através da Internet e das páginas Web;

27.  Salienta o caráter central do direito de todas as pessoas com deficiência de viverem de forma autónoma e insta a Comissão a otimizar a utilização dos FEEI por parte dos Estados-Membros, tendo como objetivo o desenvolvimento de serviços sociais de elevada qualidade para as pessoas com deficiência, a concretização do processo de desinstitucionalização, a sensibilização para as questões relacionadas com a deficiência e a promoção da igualdade de oportunidades a nível regional, nacional e da UE; sublinha a necessidade de adotar medidas que favoreçam o acesso aos fundos estruturais pelos serviços de assistência às pessoas com deficiência, em especial os serviços que prestam apoio às crianças e às famílias e os serviços destinados a prevenir a institucionalização;

28.  Assinala que a liberdade de circulação dos cidadãos europeus deve ser garantida às pessoas com deficiência, para cujo efeito os Estados-Membros devem assegurar o reconhecimento mútuo da sua situação e os direitos sociais nos termos do artigo 18.º da CNUDPD; salienta que as pessoas com deficiência devem poder viajar além das fronteiras dos respetivos países e usufruir dos benefícios do acesso à cultura, aos transportes e ao desporto; observa que é conveniente analisar outras vantagens e promover o seu reconhecimento mútuo;

29.  Recorda o papel desempenhado pelo Intergrupo «Deficiência» do Parlamento Europeu na implementação da Estratégia Europeia para a Deficiência, em conformidade com a Convenção das Nações Unidas, enquanto plataforma que reúne deputados do Parlamento Europeu e dos parlamentos nacionais, bem como representantes das organizações da sociedade civil, a nível nacional e local; observa que o Intergrupo proporciona um fórum privilegiado que promove discussões e debates que visam garantir a aplicação da estratégia;

30.  Salienta que as pessoas com deficiência devem ter livre acesso à justiça, não devendo a respetiva situação económica representar qualquer barreira para esse acesso;

31.  Apela a um reforço das vias de participação política para as organizações de representantes das pessoas com deficiência, a fim de atingir a sua plena participação no processo de tomada de decisões;

32.  Realça a natureza central da mobilidade e acessibilidade máximas enquanto linhas diretrizes a aplicar e a seguir na prática no quadro da aplicação da Estratégia Europeia para a deficiência;

33.  Observa que a estratégia para o mercado único digital deve ser aplicada de forma a garantir o pleno acesso das pessoas com deficiência a todos os aspetos do mesmo;

34.  Observa que a mobilidade e a acessibilidade, por natureza transversais, são indispensáveis para o pleno exercício de um vasto leque de direitos e liberdades, como a possibilidade de viajar e circular entre os Estados-Membros, o direito à cultura e o direito a praticar desporto;

35.  Insta as instituições europeias a assegurarem que todas as suas páginas e documentos Web são acessíveis às pessoas com deficiência sensorial;

36.  Salienta que a capacidade jurídica é fundamental para manter a autonomia pessoal, a fim de que quaisquer restrições à mesma, bem como a representação por um tutor legal sejam estabelecidas com base em critérios claros e harmonizados a nível da UE, com avaliação periódica da necessidade de representação jurídica e, a mais longo prazo, da aptidão do respetivo tutor legal;

37.  Considera que um número significativo de pessoas com deficiência não está plenamente consciente dos seus direitos e das formas como pode usufruir deles; exorta a Comissão a lançar, como primeiro passo, uma vasta campanha de informação sobre os direitos das pessoas com deficiência, a fim de promover o pleno conhecimento e a sensibilização;

38.  Salienta que a maior parte das petições apresentadas pelos cidadãos europeus dizem respeito às dificuldades nos procedimentos de candidatura e na obtenção de reconhecimento e aos atrasos no pagamento das pensões de invalidez pelas administrações competentes; sublinha que a aplicação da Estratégia Europeia para a Deficiência e do respetivo domínio de ação em matéria de proteção social devem prestar especial atenção a estas questões, em conformidade com o artigo 28.º da CNUDPD sobre padrões de vida e proteção social adequados;

39.  Salienta que deve ser prestado o apoio social necessário para garantir que as pessoas com deficiência, em especial as pessoas com deficiência psicossocial, podem exercer os seus direitos e beneficiar de plena autonomia; observa, a este respeito, que a institucionalização destas pessoas deve ser evitada, devendo ser tomadas medidas para garantir que não são sujeitas a tratamento sem o seu consentimento;

40.  Observa que deve ser assegurado às pessoas com deficiência um acesso não discriminatório aos sistemas de saúde e de prestação de cuidados, com a devida atenção às dificuldades que possam surgir aquando do tratamento destes doentes; salienta, em particular, que deve ser garantido um acesso não discriminatório aos cuidados de saúde sexual e reprodutiva e que, em caso algum, deve ser imposta a esterilização ou o aborto contra a vontade de uma pessoa; observa que os sistemas de cuidados de saúde devem, além disso, assegurar a deteção, notificação e prevenção da violência sexual e/ou de abuso;

41.  Insta a Comissão a formular políticas e programas especificamente destinados às crianças com deficiência; salienta que estas políticas devem centrar-se não apenas na eliminação de barreiras arquitetónicas e dos obstáculos à mobilidade, mas também na luta contra a exclusão social, bem como na promoção e na garantia da igualdade de oportunidades;

42.  Observa que se deve aspirar à obtenção do consentimento informado das pessoas com deficiência para todas as intervenções médicas que o requeiram, e que todas as medidas necessárias devem, portanto, ser adotadas para assegurar que estas pessoas possam ter acesso e compreender as informações pertinentes; realça que este consentimento deve ser dado pessoalmente, a título prévio e com pleno conhecimento do assunto, adotando todos os mecanismos necessários para garantir que estes princípios são respeitados; observa que, do mesmo modo, devem ser tomadas medidas adequadas em relação às pessoas com deficiência psicossocial;

43.  Exorta a Comissão a reforçar o seu compromisso para com os pais e prestadores de cuidados de pessoas com deficiência em todos os seus programas e políticas; sublinha a necessidade de um quadro jurídico europeu para clarificar o estatuto destas pessoas, garantindo a proteção dos seus direitos e o seu acesso a uma vida normal;

44.  Observa que os sistemas de seguro de saúde não devem fazer qualquer discriminação contra as pessoas com deficiência;

45.  Observa que é necessário avaliar o impacto da diretiva relativa aos cuidados de saúde transfronteiriços nas pessoas com deficiência;

46.  Sublinha que a desigualdade é particularmente evidente no emprego, tendo em conta que 48 % das pessoas com deficiência na UE trabalham e apenas 27,8 % concluíram o ensino superior, o que significa que as pessoas com deficiência correm um maior risco de viver em situação de pobreza; insta a Comissão a proceder a uma avaliação horizontal do impacto de todas as suas políticas, em especial da política europeia em matéria de emprego, no emprego das pessoas com deficiência;

47.  Observa que a regulamentação dos transportes aéreos e marítimos deve ser revista, de modo a garantir que nenhuma forma de discriminação, tanto física como económica, pode ser exercida contra os passageiros com deficiência e que são eliminados todos os obstáculos a este respeito;

48.  Considera importante dar seguimento às recomendações das Nações Unidas no que respeita à necessidade de ter em conta a perspetiva de género em todas as políticas relativas à deficiência, em especial nas políticas que visam combater a violência e a discriminação; solicita uma ação específica para promover a emancipação das mulheres com deficiência, bem como o desenvolvimento de uma estratégia específica em matéria de igualdade de género para as mulheres com deficiência.

INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO

ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

7.9.2017

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

26

0

0

Deputados presentes no momento da votação final

Margrete Auken, Beatriz Becerra Basterrechea, Pál Csáky, Eleonora Evi, Lidia Joanna Geringer de Oedenberg, Peter Jahr, Rikke Karlsson, Jude Kirton-Darling, Svetoslav Hristov Malinov, Notis Marias, Roberta Metsola, Marlene Mizzi, Gabriele Preuß, Virginie Rozière, Sofia Sakorafa, Jarosław Wałęsa, Cecilia Wikström, Tatjana Ždanoka

Suplentes presentes no momento da votação final

Michela Giuffrida, Anne-Marie Mineur, Demetris Papadakis, Julia Pitera, Rainer Wieland

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Frank Engel, Monika Hohlmeier, Maria Lidia Senra Rodríguez

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

26

+

ALDE

GUE/NGL

ECR

EFDD

PPE

S&D

VERTS/ALE

Beatriz Becerra Basterrechea; Cecilia Wikström

Anne-Marie Mineur, Maria Lidia Senra Rodríguez, Sofia Sakorafa,

Rikke Karlsson, Notis Marias,

Eleonora Evi

Pál Csáky, Peter Jahr, Svetoslav Hristov Malinov, Roberta Metsola, Jarosław Wałęsa, Monika Hohlmeier, Frank Engel, Julia Pitera, Rainer Wieland

Lidia Joanna Geringer de Oedenberg, Jude Kirton-Darling, Marlene Mizzi, Gabriele Preuß, Virginie Rozière, Michela Giuffrida, Demetris Papadakis,

Margrete Auken, Tatjana Ždanoka

0

-

-

-

0

0

-

-

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  a favor

-  :  contra

0  :  abstenções


INFORMAÇÕES SOBRE A APROVAÇÃONA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

Data de aprovação

19.10.2017

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

39

0

2

Deputados presentes no momento da votação final

Guillaume Balas, Vilija Blinkevičiūtė, Enrique Calvet Chambon, David Casa, Ole Christensen, Lampros Fountoulis, Arne Gericke, Marian Harkin, Czesław Hoc, Agnes Jongerius, Jan Keller, Ádám Kósa, Agnieszka Kozłowska-Rajewicz, Jean Lambert, Jérôme Lavrilleux, Patrick Le Hyaric, Javi López, Thomas Mann, Dominique Martin, Anthea McIntyre, Elisabeth Morin-Chartier, Georgi Pirinski, Marek Plura, Dennis Radtke, Sofia Ribeiro, Robert Rochefort, Jutta Steinruck, Yana Toom, Marita Ulvskog, Tatjana Ždanoka

Suplentes presentes no momento da votação final

Georges Bach, Mircea Diaconu, Jasenko Selimovic, Helga Stevens, Tom Vandenkendelaere, Flavio Zanonato

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

José Blanco López, Gilles Lebreton, Jens Nilsson, Wim van de Camp, Igor Šoltes


VOTAÇÃO NOMINAL FINALNA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

39

+

ALDE

Enrique Calvet Chambon, Mircea Diaconu, Marian Harkin, Robert Rochefort, Jasenko Selimovic, Yana Toom

ECR

Arne Gericke, Czesław Hoc, Anthea McIntyre, Helga Stevens

GUE/NGL

Patrick Le Hyaric

NI

Lampros Fountoulis

PPE

Georges Bach, David Casa, Agnieszka Kozłowska-Rajewicz, Ádám Kósa, Jérôme Lavrilleux, Thomas Mann, Elisabeth Morin-Chartier, Marek Plura, Dennis Radtke, Sofia Ribeiro, Tom Vandenkendelaere, Wim van de Camp

S&D

Guillaume Balas, José Blanco López, Vilija Blinkevičiūtė, Ole Christensen, Agnes Jongerius, Jan Keller, Javi López, Jens Nilsson, Georgi Pirinski, Jutta Steinruck, Marita Ulvskog, Flavio Zanonato

VERTS/ALE

Jean Lambert, Igor Šoltes, Tatjana Ždanoka

0

-

 

 

2

0

ENF

Gilles Lebreton, Dominique Martin

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

Última actualização: 17 de Novembro de 2017Advertência jurídica