Processo : 2016/0376(COD)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0391/2017

Textos apresentados :

A8-0391/2017

Debates :

PV 15/01/2018 - 12
CRE 15/01/2018 - 12

Votação :

PV 17/01/2018 - 10.5
CRE 17/01/2018 - 10.5

Textos aprovados :

P8_TA(2018)0010

RELATÓRIO     ***I
PDF 1206kWORD 148k
20 de Dezembro de 2017
PE 604.805v02-00 A8-0391/2017

sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2012/27/UE relativa à eficiência energética

(COM(2016)0761 – C8-0498/2016 – 2016/0376(COD))

Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Relator: Miroslav Poche

PROJETO DE RESOLUÇÃO LEGISLATIVA DO PARLAMENTO EUROPEU
 PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar
 PROCESSO DA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO
 VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

PROJETO DE RESOLUÇÃO LEGISLATIVA DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2012/27/UE relativa à eficiência energética

(COM(2016)0761 – C8-0498/2016 – 2016/0376(COD))

(Processo legislativo ordinário: primeira leitura)

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta a proposta da Comissão ao Parlamento e ao Conselho (COM(2016)0761),

–  Tendo em conta o artigo 294.º, n.º 2, e o artigo 194.º, n.º 2, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nos termos dos quais a proposta lhe foi apresentada pela Comissão (C8-0498/2016),

–  Tendo em conta o artigo 294.º, n.º 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta o Protocolo n.º 1 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia relativo ao papel dos parlamentos nacionais na União Europeia,

–  Tendo em conta o Protocolo n.º 2 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia relativo à aplicação dos princípios da subsidiariedade e da proporcionalidade,

–  Tendo em conta o parecer do Comité Económico e Social Europeu, de 26 de abril de 2017(1),

–  Tendo em conta o parecer do Comité Europeu das Regiões, de 13 de julho de 2017(2),

–  Tendo em conta o artigo 59.º do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia e o parecer da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar (A8-0391/2017),

1.  Aprova a posição em primeira leitura que se segue;

2.  Requer à Comissão que lhe submeta de novo a sua proposta, se a substituir, se a alterar substancialmente ou se pretender alterá-la substancialmente;

3.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a posição do Parlamento ao Conselho, à Comissão e aos parlamentos nacionais.

Alteração  1

Proposta de diretiva

Considerando 1

Texto da Comissão

Alteração

(1)  A moderação da procura de energia constitui uma das cinco dimensões da estratégia da União da Energia adotada em 25 de fevereiro de 2015. A melhoria da eficiência energética trará benefícios para o ambiente, reduzirá as emissões de gases com efeito de estufa, melhorará a segurança energética reduzindo a dependência das importações de energia provenientes de países terceiros, diminuirá os custos energéticos para as famílias e empresas, ajudará a reduzir a pobreza energética e induzirá o crescimento do emprego e da atividade económica em geral. Este objetivo coaduna-se com os compromissos assumidos pela UE no âmbito da União da Energia e do programa universal contra as alterações climáticas definido, no Acordo de Paris de dezembro de 2015, pelas partes na Convenção Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas.

(1)  A moderação da procura de energia constitui uma das cinco dimensões da estratégia da União da Energia adotada em 25 de fevereiro de 2015. A melhoria da eficiência energética ao longo de toda a cadeia energética, incluindo a produção, a transmissão, a distribuição e a utilização final de energia, trará benefícios para o ambiente, melhorará a qualidade do ar e a saúde pública, reduzirá as emissões de gases com efeito de estufa, melhorará a segurança energética reduzindo a dependência das importações de energia provenientes de países terceiros, diminuirá os custos energéticos para as famílias e empresas, ajudará a reduzir a pobreza energética e induzirá o crescimento da competitividade, do emprego e da atividade económica em geral, melhorando, assim, a qualidade de vida dos cidadãos. Este objetivo coaduna-se com os compromissos assumidos pela UE no âmbito da União da Energia e do programa universal contra as alterações climáticas definido pela Conferência das Partes na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP 21), realizada em Paris em dezembro de 2015 («o Acordo de Paris»), que estabelece que o aumento da temperatura média global deve ser mantido claramente abaixo dos 2 °C em relação aos níveis pré-industriais e que devem prosseguir esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5 °C.

Alteração    2

Proposta de diretiva

Considerando 2

Texto da Comissão

Alteração

(2)  A Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho permite progredir em direção à União da Energia, na qual a eficiência energética deve ser considerada uma fonte de energia em si. O princípio da «prioridade à eficiência energética» deveria ser tido em conta aquando do estabelecimento de novas regras aplicáveis à oferta e a outros domínios de intervenção. A Comissão deverá assegurar que a eficiência energética e a modulação do lado da procura possam concorrer em pé de igualdade com a capacidade de produção. A eficiência energética deve ser tida em conta sempre que são tomadas decisões em matéria de planeamento ou de financiamento do sistema energético. A eficiência energética deve ser melhorada sempre que tal se afigure mais eficiente em termos de custos do que soluções equivalentes do lado da oferta. Esta abordagem deverá contribuir para explorar os múltiplos benefícios da eficiência energética para a sociedade europeia, em especial para os cidadãos e as empresas.

(2)  A Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho9 permite progredir em direção à União da Energia, na qual a eficiência energética deve ser considerada uma fonte de energia em si. O princípio da «prioridade à eficiência energética» deveria ser tido em conta aquando do estabelecimento de novas regras aplicáveis à oferta e a outros domínios de intervenção. A Comissão deverá dar prioridade à eficiência energética e à modulação do lado da procura e não ao aumento da capacidade de produção. A eficiência energética deve ser tida em conta sempre que são tomadas decisões em matéria de planeamento e de financiamento do sistema energético. Devem ser realizados investimentos que aumentem a eficiência energética final sempre que tal se afigure mais eficiente em termos de custos do que soluções equivalentes do lado da oferta. Esta abordagem deverá contribuir para explorar os múltiplos benefícios do aumento da eficiência energética em todas as fases da cadeia energética e, assim, melhorar o bem-estar da sociedade europeia. Para desbloquear o pleno potencial destes benefícios e permitir uma aplicação bem-sucedida das medidas políticas previstas, a Comissão e os Estados-Membros devem colaborar com as autoridades locais e regionais, os municípios, as empresas e os cidadãos de toda a Europa, a fim de garantir que o aumento da eficiência energética resultante de mudanças tecnológicas, comportamentais e económicas seja acompanhado de um aumento do crescimento económico.

__________________

__________________

9 Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativa à eficiência energética, que altera as Diretivas 2009/125/CE e 2010/30/UE e revoga as Diretivas 2004/8/CE e 2006/32/CE (JO L 315 de 14.11.2012, p. 1).

9 Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativa à eficiência energética, que altera as Diretivas 2009/125/CE e 2010/30/UE e revoga as Diretivas 2004/8/CE e 2006/32/CE (JO L 315 de 14.11.2012, p. 1).

Alteração    3

Proposta de diretiva

Considerando 2-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(2-A)  Todas as formas de energia primária (não renovável e renovável) devem ter em conta o fator energético adicional necessário para a sua obtenção, para a criação e exploração das instalações energéticas, bem como para o seu desmantelamento e a eliminação dos riscos ambientais que acompanham estes processos.

Justificação

A presente alteração substitui a alteração 3 do projeto de relatório e visa clarificar que se trata de fatores energéticos e não de trabalho humano.

Alteração  4

Proposta de diretiva

Considerando 2-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(2-B)  Os Estados-Membros devem ter o apoio de instrumentos financeiros da União bem concebidos e eficazes, como, por exemplo, os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento, o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos e o Banco Europeu de Investimento, que devem apoiar os investimentos no domínio da eficiência energética em todas as fases da cadeia da energia e utilizar uma análise custo-benefício exaustiva, utilizando um modelo de taxas de atualização diferenciadas. O apoio financeiro deve centrar-se em métodos rentáveis para melhorar a eficiência energética, que permitam reduzir o consumo de energia. Para que seja possível realizar um objetivo ambicioso em matéria de eficiência energética, é necessário eliminar obstáculos, como a recente clarificação do Eurostat sobre a forma de registar os contratos de desempenho energético nas contas nacionais, a fim de facilitar o investimento em medidas de eficiência energética.

Alteração  5

Proposta de diretiva

Considerando 3

Texto da Comissão

Alteração

(3)  O Conselho Europeu de outubro de 2014 definiu um objetivo de 27 % de eficiência energética até 2030, que será reexaminado até 2020 tendo presente um nível para a União de 30 %. Em dezembro de 2015, o Parlamento Europeu instou a Comissão a avaliar também a viabilidade de um objetivo de eficiência energética de 40 % no mesmo período. Por conseguinte, é adequado rever e, portanto, alterar a diretiva para a adaptar ao horizonte de 2030.

(3)  O Conselho Europeu de outubro de 2014 apoiou um objetivo de 27 % de eficiência energética até 2030, que será reexaminado até 2020 tendo presente um nível para a União de 30 %. Em dezembro de 2015, o Parlamento Europeu instou a Comissão a avaliar também a viabilidade de um objetivo de eficiência energética de 40 % no mesmo período. Por conseguinte, é adequado rever e, portanto, alterar a diretiva para a adaptar ao horizonte de 2030.

Alteração    6

Proposta de diretiva

Considerando 4

Texto da Comissão

Alteração

(4)  Não existem objetivos vinculativos a nível nacional no horizonte de 2030. Deve ficar claramente enunciada a necessidade de a União atingir os seus objetivos de eficiência energética, expressos em consumo de energia primária e final, em 2020 e 2030, sob a forma de um objetivo vinculativo de 30 %. Esta clarificação a nível da União não deverá limitar a liberdade de os Estados-Membros definirem as suas contribuições nacionais com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final ou na intensidade energética. Os Estados-Membros devem fixar as suas contribuições indicativas nacionais de eficiência energética tendo em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 321 Mtep de energia primária e 987 Mtep de energia final. Por outras palavras, na União, o consumo de energia primária deverá ser reduzido de 23 % e o de energia final de 17 % relativamente a 2005. É necessário avaliar regularmente os progressos realizados no sentido da realização do objetivo da União para 2030, como previsto na proposta legislativa sobre a governação da União da Energia.

(4)  Deve ficar claramente enunciada a necessidade de a União atingir o seu objetivo de eficiência energética, expresso em consumo de energia primária e final, sob a forma de um objetivo vinculativo de 40 % para 2030. Este objetivo fixado a nível da União não deverá limitar a liberdade de os Estados-Membros definirem os seus objetivos nacionais com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final ou na intensidade energética. Os Estados-Membros devem fixar os seus objetivos vinculativos nacionais de eficiência energética tendo em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 132 Mtep de energia primária e 849 Mtep de energia final. Por outras palavras, na União, o consumo de energia primária deverá ser reduzido de 34 % e o de energia final de 31 % relativamente a 2005. É necessário avaliar regularmente os progressos realizados no sentido da realização do objetivo da União para 2030, como previsto na proposta legislativa sobre a governação da União da Energia.

Alteração    7

Proposta de diretiva

Considerando 4-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(4-A)  Na determinação dos objetivos nacionais em matéria de eficiência energética deve aplicar-se o princípio da equidade entre Estados-Membros. A energia é um bem essencial e, portanto, são inevitáveis níveis mínimos de consumo de energia. Esta circunstância deve ser devidamente tida em conta na definição dos objetivos nacionais. Em geral, os países cujo consumo de energia per capita seja inferior à média da União devem beneficiar de maior flexibilidade na fixação dos seus objetivos.

Alteração    8

Proposta de diretiva

Considerando 4-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(4-B)  A eficiência de funcionamento dos sistemas energéticos em determinado momento é influenciada pelas possibilidades de ligação fluida e flexível à rede de energia produzida a partir de diferentes fontes e caracterizadas por períodos diferentes de inércia e de inicialização; uma maior eficiência permitirá uma melhor utilização das energias renováveis, como a energia eólica em combinação com turbinas a gás, a fim de evitar sobrecarregar as redes servidas por grandes unidades de produção de eletricidade tradicionais que possuem uma inércia térmica significativa.

Alteração    9

Proposta de diretiva

Considerando 4-C (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(4-C)  A Comissão e os Estados-Membros devem velar por que a redução do consumo de energia resulte de uma maior eficiência energética e não de circunstâncias macroeconómicas.

Alteração    10

Proposta de diretiva

Considerando 4-D (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(4-D)  Os Estados-Membros devem identificar potenciais de eficiência energética rentáveis com base num cálculo base-topo para cada setor separadamente, uma vez que dependem do cabaz energético, da estrutura económica e do ritmo de desenvolvimento económico.

Justificação

As simulações base-topo permitem aos Estados-Membros calcular de forma mais precisa as economias de energia que podem ser realizadas de uma forma rentável e, assim, formular recomendações políticas adequadas.

Alteração    11

Proposta de diretiva

Considerando 5

Texto da Comissão

Alteração

(5)  A obrigação de os Estados-Membros estabelecerem e apresentarem à Comissão estratégias a longo prazo para a mobilização de investimentos na renovação do respetivo parque imobiliário nacional deve ser retirada da Diretiva 2012/27/UE e aditada à Diretiva 2010/31/UE do Parlamento Europeu e do Conselho10, na qual se coaduna melhor com os planos a longo prazo para edifícios com necessidades quase nulas de energia e com o objetivo da descarbonização dos edifícios.

(5)  A obrigação de os Estados-Membros estabelecerem e apresentarem à Comissão estratégias a longo prazo para facilitar a renovação do respetivo parque imobiliário nacional deve ser retirada da Diretiva 2012/27/UE e aditada à Diretiva 2010/31/UE do Parlamento Europeu e do Conselho10, na qual se coaduna melhor com os planos a longo prazo para edifícios com necessidades quase nulas de energia e com o objetivo da descarbonização dos edifícios.

__________________

__________________

10 Diretiva 2010/31/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de maio de 2010, relativa ao desempenho energético dos edifícios (JO L 153 de 18.6.2010, p. 13).

10 Diretiva 2010/31/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de maio de 2010, relativa ao desempenho energético dos edifícios (JO L 153 de 18.6.2010, p. 13).

Alteração    12

Proposta de diretiva

Considerando 6

Texto da Comissão

Alteração

(6)  Tendo em conta o quadro relativo ao clima e à energia para 2030, a obrigação de realizar economias de energia deve ser prorrogada após 2020. A prorrogação do período de cumprimento após 2020 criaria uma maior estabilidade para os investidores e estimularia, assim, os investimentos e as medidas de eficiência energética a longo prazo, como a renovação dos edifícios.

(6)  Tendo em conta o quadro relativo ao clima e à energia para 2030, a obrigação de realizar economias de energia deve ser prorrogada após 2020. A prorrogação do período de cumprimento após 2020 criaria uma maior estabilidade para os investidores e estimularia, assim, os investimentos e as medidas de eficiência energética a longo prazo, como a renovação profunda dos edifícios, com o objetivo de alcançar a longo prazo um parque imobiliário de edifícios com necessidades quase nulas de energia. A obrigação de realizar economias de energia tem sido fundamental para a criação de emprego e crescimento local, devendo ser mantida a fim de garantir que a União possa atingir os seus objetivos em matéria de clima e energia através da criação de novas oportunidades e reduzir a dependência do crescimento do consumo de energia. A cooperação com o setor privado é importante para avaliar em que condições o investimento privado em projetos de eficiência energética pode ser desbloqueado e desenvolver novos modelos de receitas para a inovação no domínio da eficiência energética.

Alteração    13

Proposta de diretiva

Considerando 6-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(6-A)  As melhorias na eficiência energética têm também um impacto positivo na qualidade do ar, uma vez que os edifícios mais eficientes em termos energéticos contribuem para a redução da procura de combustíveis de aquecimento, especialmente de combustíveis de aquecimento sólidos. Por conseguinte, as medidas de eficiência energética contribuem para melhorar a qualidade do ar interior e exterior, ajudando a alcançar, de forma rentável, os objetivos da União em matéria de qualidade do ar definidos, em particular, na Diretiva (UE) 2016/2284 do Parlamento Europeu e do Conselho1-A. A redução da procura de energia nos edifícios deve ser considerada um elemento da política de qualidade do ar, em geral e especialmente nos Estados-Membros em que é problemático atingir os limites da União em matéria de emissões de poluentes atmosféricos, podendo a eficiência energética ajudar a atingir estes objetivos.

 

__________________

 

1-A Diretiva (UE) 2016/2284 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de dezembro de 2016, relativa à redução das emissões nacionais de certos poluentes atmosféricos, que altera a Diretiva 2003/35/CE e revoga a Diretiva 2001/81/CE (JO L 344 de 17.12.2016, p. 1-31).

Justificação

O setor da habitação é responsável por importantes quotas de emissões poluentes na Europa decorrentes do fumo causado pela queima de combustíveis sólidos utilizados para aquecimento. Estes poluentes aumentam a mortalidade, a morbilidade e as hospitalizações, sobretudo na medida em que os valores de emissões registados se encontram com frequência bastante acima dos limites estabelecidos pela legislação da UE relativa à qualidade do ar.

Alteração    14

Proposta de diretiva

Considerando 7

Texto da Comissão

Alteração

(7)  Os Estados-Membros são obrigados a, durante todo o período de obrigação, cumprir um requisito cumulativo de economias na utilização final equivalente a «novas» economias de 1,5 % do volume das vendas anuais de energia. Esta obrigação pode ser cumprida através de novas medidas políticas adotadas durante o novo período de obrigação de 1 de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2030 ou de novas ações específicas decorrentes das medidas políticas adotadas durante ou antes do período anterior, mas relativamente às quais as ações específicas destinadas a induzir economias de energia sejam efetivamente introduzidas durante o novo período.

(7)  Os Estados-Membros são obrigados a, durante todo o período de obrigação, cumprir um requisito cumulativo de economias na utilização final equivalente a «novas» economias de, pelo menos, 1,5 %. Esta obrigação pode ser cumprida através de economias de energia decorrentes de medidas políticas, desde que seja possível demonstrar que tais medidas resultam na execução de ações específicas que gerem economias de energia após 2020. As economias em cada período devem basear-se cumulativamente no volume de economias a realizar no período anterior ou nos períodos anteriores.

Alteração    15

Proposta de diretiva

Considerando 9

Texto da Comissão

Alteração

(9)  As novas economias devem ser complementares às economias que teriam, de qualquer modo sido realizadas, de modo a que estas últimas não possam ser declaradas. A fim de calcular o impacto das medidas adotadas, só podem ser contabilizadas as economias líquidas, medidas com base na alteração do consumo energético diretamente atribuível à medida de eficácia energética em causa. Para calcular essas economias líquidas, os Estados-Membros devem estabelecer um cenário de base que determine qual teria sido a evolução da situação evoluiria na ausência de medidas. A intervenção ao abrigo desta estratégia deve ser avaliada em função do cenário de base definido. Os Estados-Membros deverão ter em conta que, durante um mesmo período, podem realizar-se outras intervenções estratégicas igualmente suscetíveis de terem impacto nas economias de energia, de modo que nem todas as mudanças observadas desde o início da intervenção estratégica analisada devem ser atribuídas exclusivamente a esta última. As ações da parte sujeita a obrigação, interveniente ou executante devem contribuir efetivamente para a realização das economias declaradas como servindo o cumprimento do requisito de materialidade.

(9)  As novas economias de energia devem ser complementares às economias que teriam, de qualquer modo, sido realizadas, de modo a que estas últimas não possam ser declaradas. A fim de calcular o impacto das medidas adotadas, só podem ser contabilizadas as economias líquidas, medidas com base na alteração do consumo energético diretamente atribuível à medida de eficácia energética em causa. Para calcular essas economias líquidas, os Estados-Membros devem estabelecer um cenário de base que determine qual teria sido a evolução da situação evoluiria na ausência de medidas. A intervenção ao abrigo desta estratégia deve ser avaliada em função do cenário de base definido. Os Estados-Membros deverão ter em conta que, durante um mesmo período, podem realizar-se outras intervenções estratégicas igualmente suscetíveis de terem impacto nas economias de energia, de modo que nem todas as mudanças observadas desde o início da intervenção estratégica analisada devem ser atribuídas exclusivamente a esta última. As ações da parte sujeita a obrigação, interveniente ou executante devem contribuir efetivamente para a realização das economias declaradas como servindo o cumprimento do requisito de materialidade.

Alteração    16

Proposta de diretiva

Considerando 9-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(9-A)  É importante incluir todas as etapas da cadeia de energia na contabilização das economias, a fim de aumentar o potencial de economia de energia no transporte e na distribuição de eletricidade.

Alteração    17

Proposta de diretiva

Considerando 10

Texto da Comissão

Alteração

(10)  As economias de energia decorrentes da aplicação da legislação da União não podem ser declaradas, a não ser que a medida exceda o mínimo exigido pela legislação da União, quer por meio da fixação, a nível nacional, de requisitos de eficiência energética mais ambiciosos ou por meio do reforço da aplicação da medida. Reconhecendo que a renovação dos edifícios representa um contributo essencial e de longo prazo para o aumento das economias de energia, é necessário esclarecer que podem ser declaradas todas as economias de energia decorrentes de medidas que promovem a renovação dos edifícios existentes, desde que tais economias venham adicionar-se às economias que teriam sido registadas na ausência de medidas e que o Estado-Membro possa provar que a parte sujeita a obrigação, interveniente ou executante contribuiu efetivamente para a realização das economias declaradas como decorrentes da medida em causa.

(10)  As economias de energia decorrentes da aplicação da legislação da União não podem ser declaradas, a não ser que a medida exceda o mínimo exigido pela legislação da União, quer por meio da fixação, a nível nacional, de requisitos de eficiência energética mais ambiciosos ou por meio do reforço da aplicação da medida. Os edifícios apresentam um potencial significativo em termos de reforço da eficiência energética e a renovação dos edifícios representa um contributo essencial e de longo prazo para o aumento das economias de energia, graças às economias de escala. É, por conseguinte, necessário esclarecer que podem ser declaradas todas as economias de energia decorrentes de medidas que promovem a renovação dos edifícios existentes, desde que tais economias venham adicionar-se às economias que teriam sido registadas na ausência de medidas e que o Estado-Membro possa provar que a parte sujeita a obrigação, interveniente ou executante contribuiu efetivamente para a realização das economias declaradas como decorrentes da medida em causa.

Alteração    18

Proposta de diretiva

Considerando 10-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(10-A)  A gestão eficaz da água pode contribuir significativamente para as economias de energia. O setor da água e das águas residuais representa 3,5 % do consumo de eletricidade na União1-A. Além disso, prevê-se que a procura de água aumente 25 % até 2040, principalmente em zonas urbanas. Simultaneamente, as fugas de água representam 24 % da quantidade total de água consumida na Europa, o que resulta em perdas de energia e de água. Todas as medidas destinadas a uma gestão mais eficaz da água e a uma redução do consumo de água têm, por conseguinte, o potencial de contribuir significativamente para o objetivo de eficiência energética da União1-B.

 

__________________

 

1-A World Energy Outlook 2016 (Perspetivas para a Energia Mundial de 2016), Agência Internacional de Energia, 2016.

 

1-B World Energy Outlook 2016 (Perspetivas para a Energia Mundial de 2016), Agência Internacional de Energia, 2016.

Alteração    19

Proposta de diretiva

Considerando 10-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(10-B)  Esta avaliação inclui disposições relacionadas com o tratamento da eficiência energética como prioridade no domínio das infraestruturas, reconhecendo que a eficiência energética é compatível com a definição de infraestruturas utilizada pelo FMI e por outras instituições económicas, tornando-a um elemento fundamental e um fator prioritário nas decisões sobre futuros investimentos nas infraestruturas energéticas da União1-A.

 

__________________

 

1-A Formulação do relatório do Parlamento Europeu, de 2 de junho de 2016, sobre a aplicação da Diretiva relativa à eficiência energética (2012/27/UE)-(2015/2232(INI)).

Alteração    20

Proposta de diretiva

Considerando 10-C (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(10-C)  O setor da energia é o principal consumidor de água na União, sendo responsável por 44 % do consumo de água1-A. A utilização de tecnologias e processos inteligentes para a gestão eficiente da água tem potencial para gerar economias de energia significativas e, ao mesmo tempo, aumentar a competitividade das empresas.

 

__________________

 

1-A Documento de trabalho dos serviços da Comissão, Agriculture and sustainable water management in the EU (Agricultura e gestão sustentável da água na UE), 28 de abril de 2017.

Alteração    21

Proposta de diretiva

Considerando 10-D (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(10-D)  O setor da água e das águas residuais pode igualmente contribuir para a produção de energia renovável e para a redução do aprovisionamento de energia fóssil. Por exemplo, a recuperação de energia proveniente das lamas produzidas através do tratamento de águas residuais possibilita a produção de energia no local.

Alteração    22

Proposta de diretiva

Considerando 12

Texto da Comissão

Alteração

(12)  As melhorias na eficiência energética dos edifícios deverão beneficiar em especial os consumidores afetados pela pobreza energética. Os Estados-Membros podem já exigir às partes sujeitas a obrigação que incluam objetivos sociais nas medidas de economia de energia, em relação com a pobreza energética; essa possibilidade deverá ser doravante alargada às medidas alternativas e transformada numa obrigação, sem deixar de conferir total flexibilidade aos Estados-Membros no que respeita à dimensão, ao âmbito de aplicação e ao conteúdo de tais medidas. Em conformidade com o artigo 9.º do Tratado, as políticas da União em matéria de eficiência energética devem ser inclusivas e, por conseguinte, garantir a acessibilidade das medidas de eficiência energética aos consumidores em situação de pobreza energética.

(12)  As melhorias na eficiência energética dos edifícios deverão beneficiar todos os consumidores e, em especial, os agregados familiares com baixos rendimentos, incluindo os que são afetados pela pobreza energética. Cada Estado-Membro pode definir pobreza energética e o que constitui um agregado familiar com baixos rendimentos, em conformidade com a sua situação nacional específica. Os Estados-Membros podem já exigir às partes sujeitas a obrigação que incluam objetivos sociais nas medidas de economia de energia, em relação com a pobreza energética. Essa possibilidade deverá ser doravante alargada às medidas alternativas e transformada numa obrigação, sem deixar de conferir total flexibilidade aos Estados-Membros no que respeita à dimensão, ao âmbito de aplicação e ao conteúdo de tais medidas. Em conformidade com o artigo 9.º do Tratado, as políticas da União em matéria de eficiência energética devem ser inclusivas e, por conseguinte, garantir a acessibilidade das medidas de eficiência energética aos consumidores em situação de pobreza energética e com baixos rendimentos. Para o efeito, os Estados-Membros devem quantificar os seus objetivos, garantir aos seus regimes um apoio financeiro adequado e acompanhar a aplicação das medidas adotadas.

Alteração    23

Proposta de diretiva

Considerando 12-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-A)  A gestão da procura diurna e noturna de eletricidade é um instrumento importante para melhorar a eficiência energética, uma vez que aumenta de forma significativa as possibilidades de os consumidores economizarem energia, permitindo-lhes tomar decisões com base em informações que indicam que é possível otimizar o consumo de energia quando há procura, incluindo nas horas de ponta, para que as redes de transporte de energia e os recursos de produção possam ser melhor utilizados.

Justificação

A presente alteração refere-se à alteração 19 do projeto de relatório. Tem por objetivo torná-lo mais claro e refere-se à rede inteligente («Smart Grid»).

Alteração    24

Proposta de diretiva

Considerando 12-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-B)  Para reduzir as faturas de energia, é necessário ajudar os consumidores a reduzir o consumo de energia, diminuindo as necessidades energéticas dos edifícios, melhorando a eficiência dos aparelhos e disponibilizando modos de transporte de baixo consumo de energia integrados nas redes de transportes públicos e ciclovias. A melhoria dos revestimentos dos edifícios e a redução das necessidades e do consumo de energia são aspetos fundamentais para melhorar as condições de saúde dos segmentos da população com baixos rendimentos.

Alteração    25

Proposta de diretiva

Considerando 12-C (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-C)  É fundamental sensibilizar o público e fornecer informações precisas sobre os benefícios de uma maior eficiência energética e da sua possível aplicação para todos os cidadãos da União. O aumento da eficiência energética é igualmente crucial para a posição geopolítica e a segurança da União, uma vez que diminui a sua dependência da importação de combustíveis de países terceiros.

Alteração  26

Proposta de diretiva

Considerando 12-D (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-D)  Com cerca de 50 milhões de agregados familiares da União afetados pela pobreza energética, as medidas de eficiência energética devem estar no cerne de qualquer estratégia rentável que vise combater a pobreza energética e a vulnerabilidade dos consumidores, sendo complementares das políticas de segurança social a nível dos Estados-Membros. A fim de garantir que as medidas de eficiência energética reduzam de forma sustentável a pobreza energética dos inquilinos, convém ter em conta tanto a relação custo-eficácia de tais medidas, como a acessibilidade para proprietários e inquilinos, devendo o apoio financeiro a estas medidas ser garantido a nível dos Estados-Membros. O parque imobiliário da União deverá ser constituído, a longo prazo, por «edifícios com necessidades quase nulas de energia», em consonância com os objetivos do Acordo de Paris. A taxa de renovação atual dos edifícios é insuficiente e os edifícios que estão ocupados por cidadãos com baixos rendimentos afetados pela pobreza energética são aqueles a que é mais difícil chegar. As medidas previstas no presente regulamento em matéria de obrigações de economizar energia, regimes obrigatórios de eficiência energética e medidas políticas alternativas são, por conseguinte, de particular importância.

Alteração    27

Proposta de diretiva

Considerando 12-E (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-E)  Os custos e os benefícios de todas as medidas de eficiência energética tomadas, incluindo os períodos de retorno, devem ser totalmente transparentes para os consumidores.

Alteração    28

Proposta de diretiva

Considerando 13

Texto da Comissão

Alteração

(13)  A energia produzida nos edifícios a partir de tecnologias de energias renováveis reduz o abastecimento de energia fóssil. A redução do consumo de energia e a utilização de energia proveniente de fontes renováveis nos edifícios constituem medidas importantes para reduzir a dependência energética e as emissões de gases com efeito de estufa da União, em especial tendo em conta os objetivos ambiciosos em matéria de clima e energia fixados para 2030, assim como o compromisso global assumido na Conferência das Partes na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP 21), realizada em Paris em dezembro de 2015. Deste modo, os Estados-Membros devem poder ter em conta uma certa quantidade da energia renovável produzida nos edifícios para consumo próprio a fim de cumprirem os respetivos requisitos de economia de energia. Para o efeito, os Estados-Membros deverão poder utilizar as metodologias de cálculo estabelecidas em conformidade com a Diretiva 2010/31/UE.

(13)  A energia produzida nos edifícios a partir de tecnologias de energias renováveis reduz o abastecimento de energia fóssil. A redução do consumo de energia e a utilização de energia proveniente de fontes renováveis nos edifícios constituem medidas importantes para reduzir a dependência energética e as emissões de gases com efeito de estufa da União, em especial tendo em conta os objetivos ambiciosos em matéria de clima e energia fixados para 2030, assim como o compromisso global assumido no Acordo de Paris.

Alteração    29

Proposta de diretiva

Considerando 13-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-A)  O balanço energético das empresas e dos setores económicos dos Estados-Membros pode ser melhorado com recurso aos princípios da economia circular, através da utilização adequada de resíduos industriais como matérias-primas secundárias, na condição de o seu potencial energético ser superior ao das matérias-primas primárias alternativas.

Justificação

A presente alteração refere-se à alteração 22 do projeto de relatório.

Alteração    30

Proposta de diretiva

Considerando 13-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-B)  Aproveitando os novos modelos de negócio e as novas tecnologias, os Estados-Membros devem esforçar-se por promover e facilitar a adoção de medidas de eficiência energética, inclusive através de serviços energéticos inovadores destinados a grandes e pequenos clientes.

Alteração    31

Proposta de diretiva

Considerando 13-C (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(13-C)  Os Estados-Membros devem demonstrar um elevado grau de flexibilidade na conceção e aplicação de medidas alternativas para determinar as prioridades nacionais em matéria de eficiência energética, incluindo tanto produtos energeticamente eficientes, como processos tecnológicos de produção energeticamente eficientes; é necessário apoiar as ações centradas em objetivos relacionados com a utilização eficiente dos recursos naturais e com a necessidade de introduzir a economia circular.

Justificação

A presente alteração substitui a alteração 23 do projeto de relatório.

Alteração    32

Proposta de diretiva

Considerando 14

Texto da Comissão

Alteração

(14)  Como parte das medidas previstas na Comunicação da Comissão «Novo quadro para os consumidores de energia», no âmbito da União da Energia e da Estratégia para o Aquecimento e a Refrigeração, devem ser reforçados os direitos mínimos dos consumidores a receberem informações claras e atempadas sobre o seu consumo de energia. Por conseguinte, os artigos 9.º a 11.º e o anexo VII da Diretiva 2012/27/UE devem ser alterados a fim de prever a prestação de informações frequentes e melhoradas sobre o consumo energético. De igual modo, importa clarificar que os direitos relativos à faturação e às informações sobre a mesma se aplicam aos consumidores de aquecimento, arrefecimento ou água quente alimentados por uma fonte central, mesmo se tais consumidores não tiverem qualquer relação contratual direta e individual com um fornecedor de energia. Por conseguinte, para efeitos das presentes disposições, o termo «utilizador final» deverá abranger os clientes finais que adquiram aquecimento, arrefecimento ou água quente para consumo próprio, bem como os ocupantes de frações autónomas de prédios de apartamentos ou edifícios multiusos, sempre que tais frações forem alimentadas a partir de uma fonte central. O termo «submedição» deverá referir-se à medição do consumo das frações autónomas desses edifícios. Até 1 de janeiro de 2020, os contadores individuais ou calorímetros de aquecedor recém-instalados deverão permitir a leitura à distância para assegurar a disponibilização frequente e económica de informações sobre o consumo. O novo artigo 9.º-A deverá aplicar-se apenas ao aquecimento, arrefecimento e água quente alimentados a partir de uma fonte central.

(14)  Como parte das medidas previstas na Comunicação da Comissão «Novo quadro para os consumidores de energia», no âmbito da União da Energia e da Estratégia para o Aquecimento e a Refrigeração, devem ser reforçados os direitos mínimos dos consumidores a receberem informações exatas, fiáveis, claras e atempadas sobre o seu consumo de energia. Embora os contadores individuais devam continuar a ser obrigatórios nos casos em que tal seja tecnicamente exequível, eficaz em termos custos e proporcionado em relação às potenciais economias de energia, os artigos 9.º a 11.º e o anexo VII da Diretiva 2012/27/UE devem ser alterados a fim de prever a prestação de informações frequentes e melhoradas sobre o consumo energético, tendo em conta a disponibilidade e as capacidades dos dispositivos de medição, a fim de otimizar a utilização da energia. Os Estados-Membros devem ter igualmente em conta que uma utilização eficaz de novas tecnologias para medir o consumo de energia exige um maior investimento na educação e nas competências tanto dos utilizadores como dos fornecedores de energia. De igual modo, importa clarificar que os direitos relativos à faturação e às informações sobre a mesma ou o consumo se aplicam aos consumidores de aquecimento, arrefecimento ou água quente alimentados por uma fonte central, mesmo se tais consumidores não tiverem qualquer relação contratual direta e individual com um fornecedor de energia. Por conseguinte, para efeitos das presentes disposições, o termo «utilizador final» deverá abranger, para além dos clientes finais que adquiram aquecimento, arrefecimento ou água quente para consumo próprio final, os ocupantes de frações autónomas de prédios de apartamentos ou edifícios multiusos, sempre que tais frações forem alimentadas a partir de uma fonte central, que não tenham contrato direto ou individual com o fornecedor de energia. O termo «submedição» deverá referir-se à medição do consumo das frações autónomas desses edifícios. Até 1 de janeiro de 2020, os contadores individuais ou calorímetros de aquecedor recém-instalados deverão permitir a leitura à distância para assegurar a disponibilização frequente e económica de informações sobre o consumo. O novo artigo 9.º-A deverá aplicar-se apenas ao aquecimento, arrefecimento e água quente alimentados a partir de uma fonte central.

Alteração    33

Proposta de diretiva

Considerando 14-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(14-A)  As informações incluídas nas faturas e os recapitulativos dos consumos anuais são um importante instrumento de informação dos clientes. Os dados sobre o consumo e os custos também podem conter outras informações que ajudam os consumidores a comparar o seu contrato atual com outras ofertas e a recorrer aos sistemas de gestão de queixas e resolução de litígios. No entanto, considerando que os litígios relacionados com a faturação são uma fonte muito comum de queixas por parte dos consumidores, fator que contribui para níveis persistentemente baixos de satisfação e envolvimento do consumidor no setor da energia, é necessário tornar as faturas mais simples, claras e fáceis de compreender, assegurando ao mesmo tempo que instrumentos separados, como as informações incluídas nas faturas, instrumentos de informação e recapitulativos dos consumos anuais, forneçam todas as informações necessárias para permitir aos consumidores regular o consumo de energia, comparar ofertas e trocar de fornecedor.

Alteração    34

Proposta de diretiva

Considerando 14-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(14-B)  No âmbito da presente diretiva, entende-se por «pequenas e médias empresas» (PME) as empresas que empregam menos de 250 pessoas e cujo volume de negócios anual não excede 50 milhões de euros e/ou cujo balanço total anual não excede 43 milhões de euros, em conformidade com o artigo 2.º, n.º 1, do anexo da Recomendação 2003/361/CE da Comissão1-A.

 

_______________

 

1-A. Recomendação 2003/361/CE da Comissão, de 6 maio de 2003, relativa à definição de micro, pequenas e médias empresas.

Justificação

É necessário esclarecer o conceito de PME, uma vez que existem várias interpretações da definição de PME constante do artigo 8.º da Diretiva 2012/27/UE, o que conduz a elevados encargos administrativos.

Alteração    35

Proposta de diretiva

Considerando 15-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(15-A)  A construção de unidades de produção distribuída de energia reduz as perdas no transporte e permite um ajustamento flexível às alterações na procura de energia pelos consumidores locais. A eficiência das unidades de cogeração é de 80 a 90%. As centrais de cogeração (unidades de produção distribuída) construídas nas proximidades de zonas com elevada densidade populacional e equipadas com acumuladores de calor permitem produzir eletricidade, calor e frio de acordo com a seguinte fórmula:

 

 

em que: η – eficiência da conversão em energia final,

 

Ep – energia primária não renovável,

 

Eel – eletricidade,

 

Qkog – energia térmica de cogeração,

 

Qchłodz – energia de arrefecimento de cogeração.

Justificação

A presente alteração substitui a alteração 24 do projeto de relatório.

Alteração    36

Proposta de diretiva

Considerando 15-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(15-B)  O aumento da eficiência energética é o resultado direto das seguintes etapas dos processos de produção e conversão de energia: conversão eficiente de energia primária em energia final, transporte eficiente desta energia até aos consumidores sob a forma de eletricidade, calor ou combustível, bem como a sua utilização parcimoniosa pelos consumidores finais; o efeito das economias no mercado de consumo não deve ser considerado o único objetivo desta eficiência, porque pode ser uma consequência de preços de energia desfavoráveis.

Alteração    37

Proposta de diretiva

Considerando 16

Texto da Comissão

Alteração

(16)  Atendendo aos progressos tecnológicos e à parte crescente das fontes de energia renováveis no setor da produção de eletricidade, é oportuno rever o coeficiente aplicado por defeito às economias de eletricidade em kWh, a fim de refletir as alterações do fator de conversão em energia primária (FEP) da eletricidade. Os cálculos do FEP da eletricidade baseiam-se em valores médios anuais. O método de contabilização do teor de energia física é utilizado na produção nuclear de eletricidade e calor, enquanto o método da eficiência técnica da conversão é utilizado na produção de eletricidade e calor a partir de combustíveis fósseis e de biomassa. No referente às energias renováveis não combustíveis, o método corresponde ao equivalente direto baseado na abordagem da energia primária total. Para calcular a parte de energia primária da eletricidade nos sistemas de cogeração, aplica-se o método descrito no anexo II da Diretiva 2012/27/UE. Utiliza-se uma posição de mercado média, mais do que uma posição marginal. Assume-se que as eficiências de conversão sejam de 100 % nas energias renováveis não combustíveis, 10 % nas centrais geotérmicas e 33 % nas centrais nucleares. A eficiência total da cogeração é calculada com base nos dados mais recentes do Eurostat. Quanto aos limites dos sistemas, o FEP é 1 para todas as fontes de energia. Os cálculos baseiam-se na versão mais recente do cenário de referência PRIMES. O valor do FEP baseia-se na projeção para 2020. A análise abrange os Estados-Membros da UE e a Noruega. Os dados relativos à Noruega baseiam-se nos dados da REORT para a Eletricidade.

(16)  Limitando-se estritamente aos propósitos da presente diretiva e atendendo aos progressos tecnológicos e à parte crescente das fontes de energia renováveis no setor da produção de eletricidade, é oportuno analisar atentamente e, eventualmente, rever o coeficiente aplicado por defeito às economias de eletricidade em kWh, a fim de refletir as alterações do fator de conversão em energia primária (FEP) da eletricidade, refletindo o cabaz energético do Estado-Membro em causa, por meio de uma metodologia comparável e transparente.

Alteração    38

Proposta de diretiva

Considerando 16-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(16-A)  Tendo em conta que o Conselho Europeu, nas suas conclusões de 10 de junho de 2011 sobre o Plano de Eficiência Energética (10709/11), sublinhou que 40 % da energia primária na União é consumida pelos edifícios, o que representa 50 % da energia final, e, para possibilitar o crescimento económico e o aumento do emprego nos setores que requerem qualificações especiais, ou seja, nos setores da construção e do fabrico de produtos de construção, bem como em atividades profissionais como a arquitetura e o planeamento urbano e serviços de consultoria em tecnologias de aquecimento e refrigeração, os Estados-Membros devem definir uma estratégia de longo prazo nestes domínios para o período após 2020, mobilizando fundos para investimentos na modernização térmica em massa dos edifícios de habitação e públicos já existentes e para a construção de novos edifícios de habitação com necessidades quase nulas de energia.

Justificação

Do ponto de vista técnico, é no setor da habitação que o potencial para aumentar a eficiência energética pode ser mais facilmente aproveitado.

Alteração    39

Proposta de diretiva

Considerando 16-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(16-B)  O fator de conversão em energia primária (FEP) deve ser utilizado como instrumento para reduzir o consumo e a dependência de combustíveis fósseis e aumentar a eficiência energética, bem como a expansão dos recursos energéticos não renováveis. Neste contexto, o coeficiente aplicado por defeito às economias de eletricidade em kWh deve ser adaptado quando os desenvolvimentos tecnológicos, económicos ou sociais demonstram a necessidade de um coeficiente por defeito inferior. A Comissão deve analisar e, se adequado, apresentar uma proposta legislativa com vista a alterar o coeficiente por defeito do fator de conversão em energia primária (FEP) até 2024.

Justificação

Os desenvolvimentos tecnológicos, sociais ou económicos podem exigir um ajustamento do coeficiente por defeito. À medida que estes desenvolvimentos se sucedem a um ritmo acelerado, é importante que a Comissão reveja o coeficiente por defeito num espaço de tempo significativo.

Alteração    40

Proposta de diretiva

Considerando 17

Texto da Comissão

Alteração

(17)  Para garantir a possibilidade de atualizar os anexos da diretiva, assim como os valores de referência harmonizados em matéria de eficiência a que se refere o artigo 14.º, n.º 10, é necessário alargar a delegação de poderes concedida à Comissão.

Suprimido

Justificação

As atualizações devem ser sempre acordadas com os Estados-Membros e o Parlamento Europeu.

Alteração    41

Proposta de diretiva

Considerando 18

Texto da Comissão

Alteração

(18)  A fim de avaliar a eficácia da Diretiva 2012/27/UE, é introduzida uma disposição que prevê um reexame geral da diretiva e a apresentação de um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho até 28 de fevereiro de 2024.

(18)  A fim de avaliar a eficácia da Diretiva 2012/27/UE, é introduzida uma disposição que prevê um reexame geral da diretiva e a apresentação de um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho até 28 de fevereiro de 2024. Esta data é posterior à do balanço mundial da CQNUAC previsto para 2023 e permitirá um alinhamento por este processo, tendo igualmente em conta a evolução económica e em matéria de inovação.

Alteração    42

Proposta de diretiva

Considerando 19-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(19-A)  Os Estados-Membros cujo PIB per capita é inferior ao PIB médio per capita da União devem ter a possibilidade de aumentar o consumo de energia primária, na condição de a sua conversão em energia final, o seu transporte e a sua distribuição, bem como as economias úteis no mercado de consumo terem em conta um aumento significativo da eficiência energética em todas as fases do processo tecnológico de distribuição do fluxo de energia primária libertada.

Justificação

Convém harmonizar as normas de consumo de energia útil em todos os Estados-Membros da UE.

Alteração    43

Proposta de diretiva

Considerando 19-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(19-B)  As autoridades locais e regionais devem desempenhar um papel de primeiro plano no desenvolvimento, na elaboração, na execução e na avaliação das medidas previstas na presente diretiva, de modo a poderem ter adequadamente em conta as suas especificidades sociais, culturais e climáticas.

Justificação

A resolução do Parlamento Europeu de fevereiro de 2016 sublinha o papel das autoridades locais e regionais no desenvolvimento de políticas europeias em domínios como as alterações climáticas, a segurança energética ou o crescimento urbano, em que as medidas de economia e eficiência energética e as energias renováveis são fundamentais. É necessária a participação das regiões a todos os níveis a fim de melhorar a coordenação e a interação, sobretudo em países com um nível elevado de descentralização e de transferência de competências.

Alteração    44

Proposta de diretiva

Considerando 19-C (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(19-C)  Dada a repartição desigual da capacidade de produção na União, a eficiência energética geral pode ser melhorada graças às importações de energia final de países terceiros. São, por conseguinte, necessárias políticas da União que conduzam não só à regulamentação do comércio de energia primária, o que implica, nomeadamente, a construção de gasodutos e oleodutos, mas também à importação de energia final nas zonas fronteiriças.

Justificação

A importação de energia final, por exemplo de países terceiros vizinhos, pode garantir uma maior eficiência energética do que a importação de energia de regiões da UE mais distantes.

Alteração    45

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 1 – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  A presente diretiva estabelece um quadro comum de medidas de promoção da eficiência energética na União, a fim de assegurar a realização dos grandes objetivos da União que consistem em aumentar a eficiência energética de 20 % até 2020 e em realizar o objetivo vinculativo de aumento da eficiência energética de 30 % até 2030, e prepara o caminho para novas melhorias da eficiência energética após essas datas. Estabelece regras destinadas a eliminar os obstáculos no mercado da energia e a ultrapassar as deficiências do mercado, que impedem a eficiência no aprovisionamento e na utilização da energia, e prevê o estabelecimento de objetivos e contribuições indicativos nacionais em matéria de eficiência energética para 2020 e 2030.

1.  A presente diretiva estabelece um quadro comum de medidas de promoção da eficiência energética na União, dando execução ao princípio da «prioridade à eficiência energética» ao longo de toda a cadeia de energia, incluindo a produção, o transporte, a distribuição e a utilização final de energia, a fim de assegurar a realização dos grandes objetivos da União que consistem em aumentar a eficiência energética de 20 % até 2020 e em realizar o objetivo vinculativo de aumento da eficiência energética de 40 % até 2030, e prepara o caminho para novas melhorias da eficiência energética após 2030, em consonância com os objetivos em matéria de energia e clima a longo prazo da União para 2050 e com o Acordo de Paris. Estabelece regras destinadas a eliminar os obstáculos no mercado da energia e a ultrapassar as deficiências do mercado, que impedem a eficiência no aprovisionamento e na utilização da energia, e prevê o estabelecimento de objetivos indicativos nacionais em matéria de eficiência energética para 2020 e de objetivos vinculativos nacionais em matéria de eficiência energética para 2030.

Alteração    46

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 1 – n.º 1-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

1-A.  A presente diretiva contribui para a aplicação do princípio da «prioridade à eficiência energética» e assegura que a eficiência energética e a modulação do lado da procura possam concorrer em pé de igualdade com a capacidade de produção. A eficiência energética deve ser tida em conta sempre que são tomadas decisões em matéria de planeamento ou de financiamento do sistema energético.

Alteração    47

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 1 – n.º 1-B (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

1-B.  A fim de mobilizar o financiamento privado para medidas de eficiência energética e renovações energéticas, a Comissão deve dar início a um diálogo com instituições financeiras públicas e privadas, a fim de delinear possíveis mecanismos políticos. Dado o elevado potencial de melhoria da eficiência energética no setor da construção, os investimentos neste setor devem ser objeto de uma atenção particular, colocando especial ênfase nos edifícios de habitação com agregados familiares com baixos rendimentos e em risco de pobreza energética. Além disso, para que os investimentos em projetos de eficiência energética sejam mais interessantes e mais viáveis para os investidores em termos financeiros, a Comissão deve ponderar opções para integrar projetos de dimensão reduzida em projetos de maior dimensão. A Comissão fornece orientações aos Estados-Membros sobre a forma de desbloquear investimento privado, o mais tardar em 1 de janeiro de 2019.

Alteração    48

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 2 – parágrafo 1 – ponto 1-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(1-A)  Ao artigo 2.º, é aditado o seguinte ponto:

 

«1-A)  «Cadeia de conversões de energia», processo tecnológico que se inicia com a libertação de energia primária e o seu transporte para o mercado sob a forma de energia final, onde o consumidor a converte em energia útil (operação);»

Justificação

A presente alteração substitui a alteração 39 do projeto de relatório e visa uma maior clareza.

Alteração    49

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1-B (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 2 – parágrafo 1 – ponto 3

 

Texto em vigor

Alteração

 

(1-B)   No artigo 2.º, o ponto 3 passa a ter a seguinte redação:

«3) «Consumo de energia final», toda a energia fornecida à indústria, transportes, agregados familiares, serviços e agricultura, com exceção dos fornecimentos ao setor da transformação de energia e às indústrias da energia propriamente ditas

«3) «Consumo de energia final», o consumo da eletricidade fornecida ao mercado de consumo, necessária para os setores da indústria e dos transportes, bem como a energia fornecida aos agregados familiares, ao setor dos serviços e à agricultura, dependendo este consumo da potência total disponível, incluindo a potência ativa e a reativa, no momento do fornecimento desta energia;»

Justificação

A potência disponível deve ser sempre superior à procura devido ao seu consumo irregular no mercado, por forma a prevenir «apagões». Geralmente excede a procura em 20%.

Alteração    50

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1-C (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 2 – parágrafo 1 – ponto 9-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(1-C)   Ao artigo 2.º, é aditado o seguinte ponto:

 

«9-A)   «Edifício das autoridades públicas», para efeitos do artigo 5.º, um edifício detido e ocupado pela administração central ou qualquer outra autoridade pública, a nível nacional, regional ou local, incluindo hospitais, unidades de cuidados de saúde, instituições de ensino e edifícios de habitação social;»

Alteração    51

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 3 – n.os 1, 2 e 3

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 3.º

Artigo 3.º

Objetivos de eficiência energética

Objetivos de eficiência energética

1.  Os Estados-Membros fixam objetivos indicativos nacionais de eficiência energética para 2020 com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final, ou na intensidade energética. Os Estados-Membros comunicam esses objetivos à Comissão em conformidade com o artigo 24.º, n.º 1, e o anexo XIV, parte 1. Ao fazê-lo, os Estados-Membros expressam também esses objetivos em termos de nível absoluto de consumo de energia primária e de consumo de energia final em 2020 e explicam como, e com base em que dados, foi feito esse cálculo.

1.  Os Estados-Membros fixam objetivos indicativos nacionais de eficiência energética para 2020 com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final, ou na intensidade energética. Os Estados-Membros comunicam esses objetivos à Comissão em conformidade com o artigo 24.º, n.º 1, e o anexo XIV, parte 1. Ao fazê-lo, os Estados-Membros expressam também esses objetivos em termos de nível absoluto de consumo de energia primária e de consumo de energia final em 2020 e explicam como, e com base em que dados, foi feito esse cálculo.

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros têm em conta:

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros têm em conta:

a)  O facto de o consumo de energia na União em 2020 não dever exceder 1 483 Mtep de energia primária nem 1 086 Mtep de energia final;

a)  O facto de o consumo de energia na União em 2020 não dever exceder 1 483 Mtep de energia primária ou 1 086 Mtep de energia final;

b)  As medidas previstas na presente diretiva;

b)  As medidas previstas na presente diretiva;

c)  As medidas adotadas para atingir os objetivos nacionais de economia de energia adotados nos termos do artigo 4.º, n.º 1, da Diretiva 2006/32/CE; e

c)  As medidas adotadas para atingir os objetivos nacionais de economia de energia adotados nos termos do artigo 4.º, n.º 1, da Diretiva 2006/32/CE; e

d)  Outras medidas destinadas a promover a eficiência energética nos Estados-Membros e a nível da União.

d)  Outras medidas destinadas a promover a eficiência energética nos Estados-Membros e a nível da União.

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros podem ter também em conta as especificidades nacionais que influenciam o consumo de energia primária, nomeadamente:

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros podem ter também em conta as especificidades nacionais que influenciam o consumo de energia primária, nomeadamente:

a)  O potencial remanescente de economias de energia rentáveis;

a)  O potencial remanescente de economias de energia rentáveis;

b)  A evolução e as previsões do PIB;

b)  A evolução e as previsões do PIB;

c)  As alterações verificadas ao nível das importações e exportações de energia;

c)  As alterações verificadas ao nível das importações e exportações de energia;

d)  O desenvolvimento de todas as fontes de energia renováveis, a energia nuclear e a captação e o armazenamento de dióxido de carbono; e

d)  O desenvolvimento de todas as fontes de energia renováveis, a energia nuclear e a captação e o armazenamento de dióxido de carbono; e

e)  As medidas precoces.

e)  As medidas precoces.

2.  Até 30 de junho de 2014, a Comissão avalia os progressos realizados e a probabilidade de a União atingir, em 2020, um consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária e de 1 086 Mtep de energia final.

2.  Até 30 de junho de 2014, a Comissão avalia os progressos realizados e a probabilidade de a União atingir, em 2020, um consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária e/ou de 1 086 Mtep de energia final.

3.  Ao proceder à avaliação referida no n.º 2, a Comissão:

3.  Ao proceder à avaliação referida no n.º 2, a Comissão:

a)  Faz a soma dos objetivos indicativos nacionais de eficiência energética comunicados pelos Estados-Membros;

a)  Faz a soma dos objetivos indicativos nacionais de eficiência energética comunicados pelos Estados-Membros;

b)  Avalia se a soma desses objetivos pode ser considerada um guia fiável para saber se a União no seu conjunto está no bom caminho, tendo em conta o exame do primeiro relatório anual elaborado nos termos do artigo 24.º, n.º 1, e o exame dos Planos de Ação Nacionais em matéria de Eficiência Energética apresentados nos termos do artigo 24.º, n.º 2;

b)  Avalia se a soma desses objetivos pode ser considerada um guia fiável para saber se a União no seu conjunto está no bom caminho, tendo em conta o exame do primeiro relatório anual elaborado nos termos do artigo 24.º, n.º 1, e o exame dos Planos de Ação Nacionais em matéria de Eficiência Energética apresentados nos termos do artigo 24.º, n.º 2;

c)  Tem em conta análises complementares decorrentes:

c)  Tem em conta análises complementares decorrentes:

i)  da avaliação dos progressos registados em termos de consumo absoluto de energia e de consumo de energia relacionado com a atividade económica a nível da União, designadamente os progressos realizados em termos de eficiência do fornecimento de energia nos Estados-Membros cujos objetivos indicativos nacionais se tenham baseado no consumo de energia final ou nas economias de energia final, incluindo os progressos decorrentes do cumprimento por esses Estados-Membros do disposto no capítulo III da presente diretiva,

i)  da avaliação dos progressos registados em termos de consumo absoluto de energia e de consumo de energia relacionado com a atividade económica a nível da União, designadamente os progressos realizados em termos de eficiência do fornecimento de energia nos Estados-Membros cujos objetivos indicativos nacionais se tenham baseado no consumo de energia final ou nas economias de energia final, incluindo os progressos decorrentes do cumprimento por esses Estados-Membros do disposto no capítulo III da presente diretiva,

ii)  dos resultados dos exercícios de modelização relativos às tendências futuras do consumo de energia a nível da União;

ii)  dos resultados dos exercícios de modelização relativos às tendências futuras do consumo de energia a nível da União;

d)   Compara os resultados obtidos ao abrigo das alíneas a) a c) com a quantidade de energia que seria necessário consumir para atingir, em 2020, o objetivo que consiste num consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária e de 1 086 Mtep de energia final.

d)   Compara os resultados obtidos ao abrigo das alíneas a) a c) com a quantidade de energia que seria necessário consumir para atingir, em 2020, o objetivo que consiste num consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária e/ou de 1 086 Mtep de energia final.

Alteração    52

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 3 – n.º 4

 

Texto da Comissão

Alteração

4.  Cada Estado-Membro deve fixar as contribuições indicativas nacionais de eficiência energética para o objetivo de 2030, referido no artigo 1.º, n.º 1, em conformidade com os artigos [4.º] e [6.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia]. Ao fixar as suas contribuições, os Estados-Membros devem ter em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 321 Mtep de energia primária e 987 Mtep de energia final. Os Estados-Membros devem notificar a Comissão dessas contribuições como parte dos seus planos nacionais integrados em matéria de energia e clima, em conformidade com o procedimento previsto nos artigos [3.º] e [7.º] a [11.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia].

4.  Cada Estado-Membro deve fixar os objetivos vinculativos nacionais de eficiência energética, que devem ser cumulativamente articulados com o objetivo para 2030, referido no artigo 1.º, n.º 1, e em conformidade com os artigos [4.º] e [6.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia].

 

Ao fixar o nível dos seus objetivos, os Estados-Membros devem ter em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 132 Mtep de energia primária e 849 Mtep de energia final.

 

A fim de proporcionar aos Estados-Membros flexibilidade suficiente para que cumpram os seus objetivos vinculativos nacionais de eficiência energética, permitindo simultaneamente o desenvolvimento da sua economia e o aumento da sua produção industrial e da sua atividade, estes devem ser autorizados a fixar os seus objetivos com base na intensidade energética, ou seja, na relação entre o consumo de energia e o produto interno bruto (PIB).

 

Os objetivos nacionais de eficiência energética devem ter em consideração todas as fases da cadeia energética, incluindo a produção, o transporte, a distribuição e a utilização final.

 

Os Estados-Membros devem notificar a Comissão desses objetivos como parte dos seus planos nacionais integrados em matéria de energia e clima, em conformidade com o procedimento previsto nos artigos [3.º] e [7.º] a [11.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia].

Alteração    53

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

«Artigo 5

 

Texto em vigor

Alteração

 

(2-A)  O artigo 5.º passa a ter a seguinte redação:

«Artigo 5.º

«Artigo 5.º

Papel exemplar dos edifícios dos organismos públicos

Papel exemplar dos edifícios dos organismos públicos

1.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, cada Estado-Membro assegura que, a partir de 1 de janeiro de 2014, sejam renovados todos os anos 3 % da área construída total dos edifícios aquecidos e/ou arrefecidos detidos e ocupados pelas respetivas administrações centrais, a fim de cumprir pelo menos os requisitos mínimos de desempenho energético por si estabelecidos em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE.

1.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, cada Estado-Membro assegura que, a partir de 1 de janeiro de 2014, sejam renovados todos os anos 3 % da área construída total dos edifícios aquecidos e/ou arrefecidos detidos e ocupados pelas respetivas administrações centrais, a fim de cumprir pelo menos os requisitos mínimos de desempenho energético por si estabelecidos em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE. A partir de 1 de janeiro de 2021, o presente número é aplicável a todos os edifícios aquecidos e/ou arrefecidos detidos e ocupados por autoridades públicas, tendo devidamente em conta as respetivas competências e estrutura administrativa.

Essa taxa de 3 % é calculada sobre a área construída total dos edifícios com uma área útil total superior a 500 m 2 detidos e ocupados pela administração central do Estado-Membro em causa e que, em 1 de janeiro de cada ano, não cumpram os requisitos mínimos nacionais de desempenho energético fixados em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE. A partir de 9 de julho de 2015, esse limiar é reduzido para 250 m 2.

Essa taxa de 3 % é calculada sobre a área construída total dos edifícios com uma área útil total superior a 500 m 2 detidos e ocupados pela administração central do Estado-Membro em causa e que, em 1 de janeiro de cada ano, não cumpram os requisitos mínimos nacionais de desempenho energético fixados em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE. A partir de 9 de julho de 2015, esse limiar é reduzido para 250 m2 e é aplicável aos edifícios detidos e ocupados por autoridades públicas a partir de 1 de janeiro de 2021, tendo devidamente em conta as respetivas competências e estrutura administrativa.

No caso de um Estado-Membro exigir que a obrigação de renovar todos os anos 3 % da área total construída seja extensiva à área construída detida e ocupada por organismos administrativos situados a um nível inferior ao da administração central, a taxa de 3 % é calculada com base na área total construída dos edifícios com uma área útil total superior a 500 m2 e, a partir de 9 de julho de 2015, superior a 250 m2, detidos e ocupados pela administração central e pelos organismos administrativos do Estado-Membro em causa que, em 1 de janeiro de cada ano, não cumpram os requisitos mínimos nacionais de desempenho energético fixados em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE.

 

Ao aplicarem medidas de renovação total dos edifícios da administração central nos termos do primeiro parágrafo, os Estados-Membros podem optar por considerar o edifício no seu conjunto, incluindo a sua envolvente, os equipamentos e os elementos necessários ao seu funcionamento e manutenção.

Ao aplicarem medidas de renovação total dos edifícios das autoridades públicas nos termos do primeiro parágrafo, os Estados-Membros podem optar por considerar o edifício no seu conjunto, incluindo a sua envolvente, os equipamentos e os elementos necessários ao seu funcionamento e manutenção.

Os Estados-Membros exigem que seja dada prioridade aos edifícios da administração central com mais baixo desempenho energético para a aplicação de medidas de eficiência energética, caso sejam rentáveis e tecnicamente viáveis.

Os Estados-Membros exigem que seja dada prioridade aos edifícios das autoridades públicas com mais baixo desempenho energético para a aplicação de medidas de eficiência energética, caso sejam rentáveis e tecnicamente viáveis.

2.  Os Estados-Membros podem decidir não estabelecer ou não aplicar os requisitos a que se refere o n.º 1 às seguintes categorias de edifícios:

2.  Os Estados-Membros podem decidir não estabelecer ou não aplicar os requisitos a que se refere o n.º 1 às seguintes categorias de edifícios:

a)   Edifícios oficialmente protegidos como parte de um ambiente classificado ou devido ao seu valor arquitetónico ou histórico especial, na medida em que o cumprimento de certos requisitos mínimos de desempenho energético possa alterar de forma inaceitável o seu caráter ou o seu aspeto;

a)   Edifícios oficialmente protegidos como parte de um ambiente classificado ou devido ao seu valor arquitetónico ou histórico especial, na medida em que o cumprimento de certos requisitos mínimos de desempenho energético possa alterar de forma inaceitável o seu caráter ou o seu aspeto;

b)   Edifícios que sejam propriedade das forças armadas ou da administração central e que sirvam para fins de defesa nacional, com exclusão dos edifícios destinados quer ao alojamento individual quer a escritórios das forças armadas e restante pessoal ao serviço das autoridades nacionais de defesa;

b)   Edifícios que sejam propriedade das forças armadas ou da administração central e que sirvam para fins de defesa nacional, com exclusão dos edifícios destinados quer ao alojamento individual quer a escritórios das forças armadas e restante pessoal ao serviço das autoridades nacionais de defesa;

c)   Edifícios utilizados como locais de culto ou para atividades religiosas.

c)   Edifícios utilizados como locais de culto ou para atividades religiosas.

3.  Se, em determinado ano, um Estado-Membro renovar mais de 3 % da área total dos edifícios da administração central, pode contabilizar o excedente na taxa de renovação anual de um dos três anos anteriores ou subsequentes.

3.  Se, em determinado ano, um Estado-Membro renovar mais de 3 % da área total das autoridades públicas, pode contabilizar o excedente na taxa de renovação anual de um dos três anos anteriores ou subsequentes.

4.  Os Estados-Membros podem contabilizar, na taxa de renovação anual dos edifícios da administração central, edifícios novos ocupados em substituição de edifícios específicos da administração central que tenham sido demolidos num dos dois anos anteriores, ou edifícios que tenham sido vendidos, demolidos ou desativados num dos dois anos anteriores devido a uma utilização mais intensiva de outros edifícios.

4.  Os Estados-Membros podem contabilizar, na taxa de renovação anual dos edifícios das autoridades públicas, edifícios novos ocupados em substituição de edifícios específicos das autoridades públicas que tenham sido demolidos num dos dois anos anteriores, ou edifícios que tenham sido vendidos, demolidos ou desativados num dos dois anos anteriores devido a uma utilização mais intensiva de outros edifícios.

5.  Para efeitos do n.º 1, os Estados-Membros elaboram e divulgam, até 31 de dezembro de 2013, um inventário dos edifícios da administração central aquecidos e/ou arrefecidos com uma área útil total superior a 500 m 2 e, a partir de 9 de julho de 2015, a 250 m 2 , com exceção dos edifícios isentos com base no n.º 2. O inventário contém os seguintes elementos:

5.  Para efeitos do n.º 1, os Estados-Membros elaboram e divulgam, até 31 de dezembro de 2013, um inventário dos edifícios da administração central aquecidos e/ou arrefecidos com uma área útil total superior a 500 m 2 e, a partir de 9 de julho de 2015, a 250 m 2 , com exceção dos edifícios isentos com base no n.º 2. O inventário contém os seguintes elementos:

a)   A área construída em m2; e

a)   A área construída em m2;

b)   O desempenho energético de cada edifício ou dados relevantes em termos de energia.

b)   O desempenho energético de cada edifício;

 

b-A)   A medição do consumo efetivo de energia.

 

A partir de 1 de janeiro de 2021, o presente número é aplicável a todos os edifícios aquecidos e/ou arrefecidos detidos e ocupados por autoridades públicas.

6.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, os Estados-Membros podem optar por uma abordagem alternativa ao previsto nos n.os 1 a 5 do presente artigo e tomar outras medidas rentáveis, incluindo renovações profundas e medidas destinadas a modificar o comportamento dos ocupantes, a fim de conseguirem realizar, até 2020, nos edifícios elegíveis detidos e ocupados pelas respetivas administrações centrais, economias de energia pelo menos equivalentes às previstas no n.º 1.

6.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, os Estados-Membros podem optar por uma abordagem alternativa ao previsto nos n.os 1 a 5 do presente artigo e tomar outras medidas rentáveis, incluindo renovações profundas e medidas destinadas a modificar o comportamento dos ocupantes, a fim de conseguirem realizar, até 2030, nos edifícios elegíveis detidos e ocupados pelas respetivas autoridades públicas, economias de energia pelo menos equivalentes às previstas no n.º 1.

Para efeitos da abordagem alternativa, os Estados-Membros podem calcular as economias de energia geradas pela aplicação do disposto nos n.os 1 a 4 utilizando valores normalizados adequados para determinar o consumo de energia dos edifícios de referência da administração central antes e depois da renovação, e em função de estimativas da sua superfície total. As categorias de edifícios de referência da administração central são representativas do conjunto de edifícios desse tipo.

Para efeitos da abordagem alternativa, os Estados-Membros podem calcular as economias de energia geradas pela aplicação do disposto nos n.os 1 a 4 utilizando valores normalizados adequados para determinar o consumo de energia dos edifícios de referência das autoridades públicas antes e depois da renovação, e em função de estimativas da sua superfície total. As categorias de edifícios de referência as autoridades públicas são representativas do conjunto de edifícios desse tipo.

Os Estados-Membros que optem pela abordagem alternativa comunicam à Comissão, até 31 de dezembro de 2013, as medidas alternativas que tencionam adotar, mostrando de que modo contam obter uma melhoria equivalente do desempenho energético dos edifícios pertencentes às suas administrações centrais.

Os Estados-Membros que optem pela abordagem alternativa comunicam à Comissão, [no prazo de 12 meses a contar da data de entrada em vigor da presente diretiva], as medidas alternativas que tencionam adotar, mostrando de que modo contam obter uma melhoria equivalente do desempenho energético dos edifícios pertencentes às autoridades públicas.

7.  Os Estados-Membros incentivam os organismos públicos, designadamente a nível regional e local, e os organismos de habitação social de direito público, tendo devidamente em conta as suas competências e a sua estrutura administrativa, a:

7.  Os Estados-Membros incentivam os organismos públicos, designadamente a nível regional e local, e os organismos de habitação social de direito público, tendo devidamente em conta as suas competências e a sua estrutura administrativa, a:

a)   Adotar um plano de eficiência energética, isolado ou integrado num plano mais vasto no domínio do clima ou do ambiente, que preveja objetivos e medidas específicas em matéria de economia de energia e de eficiência energética, a fim de seguir o exemplo dos edifícios da administração central apresentado nos n.os 1, 5 e 6;

a)   Adotar um plano de eficiência energética e uma estratégia de renovação a longo prazo para cada edifício, isolados ou integrados num plano mais vasto no domínio do clima ou do ambiente, que prevejam objetivos e medidas específicas em matéria de economia de energia e de eficiência energética, bem como avaliações dos custos ao longo do ciclo de vida, a fim de seguir o exemplo dos edifícios das autoridades públicas apresentado nos n.os 1, 5 e 6;

b)   Pôr em prática um sistema de gestão da energia, que inclua a realização de auditorias energéticas, como parte integrante da execução do seu plano;

b)   Pôr em prática um sistema de gestão da energia, que inclua a realização de auditorias energéticas, como parte integrante da execução do seu plano;

c)   Recorrer, se necessário, a empresas de serviços energéticos e a contratos de desempenho energético para financiar obras de renovação e para executar planos destinados a manter ou aumentar a eficiência energética a longo prazo.»

c)   Recorrer, se necessário, a empresas de serviços energéticos e a contratos de desempenho energético para financiar obras de renovação e para executar planos destinados a manter ou aumentar a eficiência energética a longo prazo.

 

7-A.  Os Estados-Membros devem apresentar um relatório sobre as economias de energia anuais resultantes das renovações, incluindo a percentagem de renovações profundas, e sobre a área total construída renovada, em conformidade com o artigo 19.º do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia].»

Alteração    54

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 7.º

Artigo 7.º

Obrigação de economia de energia

Obrigação de economia de energia

1.  Os Estados-Membros devem atingir economias de energia cumulativas na utilização final equivalentes pelo menos:

1.  Os Estados-Membros devem atingir economias de energia cumulativas na utilização final equivalentes pelo menos:

a)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2013;

a)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2013;

b)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2030, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2019.

b)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2030, de novas economias que ascendam a pelo menos 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2019.

Os Estados-Membros devem continuar a realizar novas economias anuais de 1,5 % por período de dez anos após 2030, a menos que as análises efetuadas pela Comissão até 2027 e, posteriormente, com uma periodicidade de 10 anos concluírem que tal não é necessário para atingir os objetivos a longo prazo da União em matéria de energia e clima para 2050.

Os Estados-Membros devem continuar a realizar novas economias anuais de 1,5 % por período de dez anos após 2030, a menos que as análises efetuadas pela Comissão até 2027 e, posteriormente, com uma periodicidade de 10 anos concluírem que tal não é necessário para atingir os objetivos a longo prazo da União em matéria de energia e clima para 2050.

 

As economias em cada período devem basear-se cumulativamente no volume de economias a realizar no período anterior ou nos períodos anteriores. Sempre que anteriores medidas políticas, programas e/ou ações específicas deixem de permitir realizar economias, a perda dessas economias deve ser contabilizada no cálculo da quantidade global de economias a realizar no final de cada período e compensada com novas economias.

Para efeitos da alínea b), e sem prejuízo do disposto nos n.os 2 e 3, os Estados-Membros podem contabilizar apenas as economias de energia resultantes das novas medidas políticas introduzidas após 31 de dezembro de 2020 ou das medidas políticas introduzidas durante o período compreendido entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2020, desde seja possível demonstrar que tais medidas resultam na execução de ações específicas empreendidas após 31 de dezembro de 2020 e geram economias.

As economias exigidas durante o período referido na alínea b) devem ser cumulativas e adicionais às economias exigidas durante o período referido na alínea a). Para o efeito, e sem prejuízo do disposto nos n.os 2 e 3, os Estados-Membros podem contabilizar apenas as economias de energia resultantes das novas medidas políticas introduzidas após 31 de dezembro de 2020 ou das medidas políticas anteriores, desde seja possível demonstrar que tais medidas resultam na execução de novas ações específicas empreendidas após 31 de dezembro de 2020 e geram economias. Os Estados-Membros podem igualmente contabilizar as economias resultantes das ações específicas empreendidas durante o período compreendido entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2020, desde que continuem a gerar economias de energia verificáveis após 2020.

As vendas de energia, em volume, utilizada nos transportes podem ser total ou parcialmente excluídas destes cálculos.

Para efeitos do período referido apenas na alínea a), as vendas de energia, em volume, utilizada nos transportes podem ser total ou parcialmente excluídas destes cálculos. As vendas de energia utilizada nos transportes devem ser incluídas na íntegra nos cálculos para o período mencionado na alínea b) e posteriormente.

Os Estados-Membros determinam de que modo a quantidade estimada de novas economias deve ser repartida ao longo de cada um dos períodos referidos nas alíneas a) e b), desde que o total das economias cumulativas exigidas seja atingido no final de cada período.

Os Estados-Membros determinam de que modo a quantidade estimada de novas economias deve ser repartida ao longo de cada um dos períodos referidos nas alíneas a) e b), desde que o total das economias cumulativas exigidas seja atingido no final de cada período.

2.  Sem prejuízo do n.º 3, os Estados-Membros podem:

2.  Sem prejuízo do n.º 3, os Estados-Membros podem:

a)  Efetuar o cálculo previsto no n.º 1, alínea a), utilizando valores iguais a 1 % em 2014 e 2015; 1,25 % em 2016 e 2017; e 1,5 % em 2018, 2019 e 2020;

a)  Efetuar o cálculo previsto no n.º 1, alínea a), utilizando valores iguais a 1 % em 2014 e 2015; 1,25 % em 2016 e 2017; e 1,5 % em 2018, 2019 e 2020;

b)  Excluir do cálculo a totalidade ou parte das vendas, em volume, da energia utilizada nas atividades industriais enumeradas no anexo I da Diretiva 2003/87/CE;

b)  Excluir do cálculo a totalidade ou parte das vendas, em volume, da energia utilizada nas atividades industriais enumeradas no anexo I da Diretiva 2003/87/CE;

c)  Permitir que as economias de energia obtidas nos setores da transformação, distribuição e transporte de energia, incluindo as infraestruturas de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente, graças à aplicação dos requisitos estabelecidos no artigo 14.º, n.º 4, no artigo 14.º, n.º 5, alínea b), e no artigo 15.º, n.os 1 a 6 e n.º 9, sejam contabilizadas como fazendo parte das economias de energia exigidas por força do n.º 1;

c)  Permitir que as economias de energia obtidas nos setores da transformação, distribuição e transporte de energia, incluindo as infraestruturas de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente, graças à aplicação dos requisitos estabelecidos no artigo 14.º, n.º 4, no artigo 14.º, n.º 5, alínea b), e no artigo 15.º, n.os 1 a 6 e n.º 9, sejam contabilizadas como fazendo parte das economias de energia exigidas por força do n.º 1, alíneas a) e b);

d)  Contabilizar, como fazendo parte das economias de energia a que se refere o n.º 1, as economias de energia resultantes de ações específicas cuja execução tenha sido iniciada a partir de 31 de dezembro de 2008, que continuam a produzir efeitos em 2020 e além e que podem ser medidas e verificadas; e

d)  Contabilizar, como fazendo parte das economias de energia a que se refere o n.º 1, alínea a), as economias de energia resultantes de ações específicas cuja execução tenha sido iniciada a partir de 31 de dezembro de 2008, que continuam a produzir efeitos em 2020 e que podem ser medidas e verificadas; e

e)  Excluir do cálculo do requisito de economia de energia a que se refere o n.º 1 a quantidade verificável de energia produzida nos edifícios para consumo próprio, em resultado de medidas políticas de promoção da nova instalação de tecnologias relacionadas com as energias renováveis.

 

3.  No seu conjunto, as opções tomadas ao abrigo do n.º 2 não podem exceder 25 % das economias de energia a que se refere o n.º 1. Os Estados-Membros devem aplicar e calcular o efeito das opções tomadas para os períodos referidos no n.º 1, alíneas a) e b), separadamente:

3.  No seu conjunto, as opções tomadas ao abrigo do n.º 2 não podem exceder 25 % das economias de energia a que se refere o n.º 1. Os Estados-Membros devem aplicar e calcular o efeito das opções tomadas para os períodos referidos no n.º 1, alíneas a) e b), separadamente:

a)   Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alínea a), os Estados-Membros podem aplicar o n.º 2, alíneas a), b), c) e d);

a)   Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alínea a), os Estados-Membros podem aplicar o n.º 2, alíneas a), b), c) e d);

b)  Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alínea b), os Estados-Membros podem aplicar o n.º 2, alíneas b), c), d) e e), desde que as ações específicas na aceção da alínea d) continuem a ter um impacto verificável e mensurável após 31 de dezembro de 2020.

b)  Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alínea b), os Estados-Membros apenas podem aplicar o n.º 2, alínea c).

4.  As economias de energia realizadas após 31 de dezembro de 2020 não podem ser contabilizadas para efeitos das economias cumulativas exigidas para o período de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020.

4.  As economias de energia realizadas após 31 de dezembro de 2020 não podem ser contabilizadas para efeitos das economias cumulativas exigidas para o período de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020.

5.  Os Estados-Membros asseguram que as economias resultantes das medidas políticas referidas nos artigos 7.º-A, 7.º-B e 20.º, n.º 6, sejam calculadas em conformidade com o anexo V.

5.  Os Estados-Membros asseguram que as economias resultantes das medidas políticas referidas nos artigos 7.º-A, 7.º-B e 20.º, n.º 6, sejam calculadas em conformidade com o anexo V.

6.  Os Estados-Membros realizam as economias exigidas por força do n.º 1 estabelecendo o regime de obrigação de eficiência energética a que se refere o artigo 7.º-A ou adotando as medidas alternativas a que se refere o artigo 7.º-B. Os Estados-Membros podem combinar um regime de obrigação de eficiência energética com medidas políticas alternativas.

6.  Os Estados-Membros realizam as economias exigidas por força do n.º 1 estabelecendo o regime de obrigação de eficiência energética a que se refere o artigo 7.º-A ou adotando as medidas alternativas a que se refere o artigo 7.º-B. Os Estados-Membros podem combinar um regime de obrigação de eficiência energética com medidas políticas alternativas.

7.  Os Estados-Membros devem demonstrar que, caso se verifique uma sobreposição do impacto das medidas políticas e das ações específicas, não é efetuada uma dupla contabilização das economias de energia.»;

7.  Os Estados-Membros devem demonstrar que, caso se verifique uma sobreposição do impacto das medidas políticas e das ações específicas, não é efetuada uma dupla contabilização das economias de energia.»;

Alteração    55

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de um regime de obrigação de eficiência energética, os Estados-Membros asseguram que as partes sujeitas a obrigação a que se refere o n.º 2 que exercem a sua atividade no território de um Estado-Membro atinjam, sem prejuízo do disposto no artigo 7.º, n.º 2, o requisito cumulativo de economias finais de energia previsto no artigo 7.º, n.º 1.

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de um regime de obrigação de eficiência energética, os Estados-Membros asseguram que as partes sujeitas a obrigação a que se refere o n.º 2 que exercem a sua atividade no território de um Estado-Membro atinjam, sem prejuízo do disposto no artigo 7.º, n.º 2, o requisito cumulativo de economias finais de energia previsto no artigo 7.º, n.º 1, ou permitem que as partes sujeitas a obrigação contribuam anualmente para o Fundo Nacional de Eficiência Energética, em conformidade com o artigo 20.º, n.º 6.

Alteração    56

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 2

 

Texto da Comissão

Alteração

2.  Os Estados-Membros designam, com base em critérios objetivos e não discriminatórios, as partes sujeitas a obrigação de entre as empresas de distribuição e/ou venda de energia a retalho que operam no seu território, podendo incluir os distribuidores ou revendedores de combustível para transportes que operam no seu território. A quantidade de economias de energia necessária para cumprir a obrigação imposta é alcançada pelas partes sujeitas a obrigação entre os clientes finais designados pelo Estado-Membro, independentemente do cálculo feito nos termos do artigo 7.º, n.º 1, ou, se os Estados-Membros assim o decidirem, através de economias certificadas provenientes de outras partes, tal como descrito no n.º 5, alínea b).

2.  Os Estados-Membros designam, com base em critérios objetivos e não discriminatórios, as partes sujeitas a obrigação de entre as empresas de distribuição e/ou venda de energia a retalho e os distribuidores ou revendedores de combustível para transportes que operam no seu território. A quantidade de economias de energia necessária para cumprir a obrigação imposta é alcançada pelas partes sujeitas a obrigação entre os clientes finais designados pelo Estado-Membro, independentemente do cálculo feito nos termos do artigo 7.º, n.º 1, ou, se os Estados-Membros assim o decidirem, através de economias certificadas provenientes de outras partes, tal como descrito no n.º 5, alínea b).

Alteração    57

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 2-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

2-A.  Caso as empresas de venda de energia a retalho sejam designadas partes sujeitas a obrigação nos termos do n.º 2, os Estados-Membros devem assegurar que, no cumprimento da respetiva obrigação, as empresas de venda de energia a retalho não criem obstáculos aos consumidores que queiram mudar de fornecedor.

Justificação

O direito de os consumidores mudarem facilmente de fornecedor é essencial para a manutenção de um mercado de fornecimento altamente competitivo e com preços mais reduzidos para os consumidores. Este direito pode ser posto em causa pela venda de «pacotes» que vinculam o consumidor ao fornecedor por um período prolongado. Obrigar as empresas de venda de energia a comprar certificados de economia de energia a terceiros poderia ser uma alternativa para manter as possibilidades de mudança.

Alteração    58

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea a)

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  Incluem requisitos com uma finalidade social nas obrigações que impõem em matéria de economias de energia, nomeadamente exigindo que uma parte das medidas de eficiência energética seja aplicada prioritariamente aos agregados familiares afetados pela pobreza energética e às habitações sociais;

a)  Incluem requisitos com uma finalidade social nas obrigações que impõem em matéria de economias de energia, nomeadamente exigindo que as medidas de eficiência energética sejam aplicadas prioritariamente aos agregados familiares de baixos rendimentos, incluindo os que são afetados pela pobreza energética, e às habitações sociais. Os Estados-Membros calculam o volume de economias realizadas nesses agregados familiares em comparação com o volume total de economias realizadas em todos os agregados familiares, em conformidade com o presente artigo. Essas economias são publicadas em conformidade com o n.º 6 do presente artigo e incluídas nos relatórios intercalares nacionais integrados nos domínios da energia e do clima, em conformidade com o artigo 21.º do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia].

Alteração    59

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea b)

 

Texto da Comissão

Alteração

b)  Podem autorizar as partes sujeitas a obrigação a contabilizarem, para esse efeito, as economias de energia certificadas realizadas pelos prestadores de serviços energéticos ou por terceiros, inclusive nos casos em que as partes sujeitas a obrigação promovam, através de outros organismos autorizados pelo Estado ou de entidades públicas, a adoção de medidas que possam ou não envolver parcerias formais e ser combinadas com outras fontes de financiamento. Caso os Estados-Membros o permitam, asseguram que seja aplicado um processo de aprovação claro, transparente e aberto a todos os intervenientes no mercado, que vise minimizar os custos da certificação;

b)  Podem autorizar as partes sujeitas a obrigação a contabilizarem, para esse efeito, as economias de energia certificadas realizadas pelos prestadores de serviços energéticos ou por terceiros, inclusive nos casos em que as partes sujeitas a obrigação promovam, através de outros organismos autorizados pelo Estado ou de entidades públicas, a adoção de medidas que possam ou não envolver parcerias formais e ser combinadas com outras fontes de financiamento. Caso os Estados-Membros o permitam, asseguram que seja aplicado um processo de aprovação acreditado claro, transparente, participativo e aberto a todos os intervenientes no mercado, que vise minimizar os custos da certificação;

Alteração    60

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea c-A) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

c-A)  Permitem que as economias adicionais obtidas através de tecnologias mais sustentáveis nos sistemas de aquecimento e arrefecimento em ambientes urbanos (igualmente conducentes a reduções em matéria de poluentes e partículas) sejam contabilizadas como fazendo parte das economias de energia exigidas por força do n.º 1;

Alteração    61

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea c-B) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

c-B)  Promovem a adoção de medidas que se concentrem no potencial de realização de economias de energia nos sistemas de aquecimento e arrefecimento, prevendo, por fim, compensações adicionais para as intervenções que permitam atenuar a poluição;

Alteração    62

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea c-C) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

c-C)  Criam instrumentos que certifiquem as economias de energia decorrentes de auditorias energéticas ou de sistemas de gestão da energia equivalentes referidos no artigo 8.º, para que tais economias sejam contabilizadas como fazendo parte das economias de energia exigidas por força do n.º 1;

Alteração    63

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea c-D) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

c-D)  Podem autorizar as partes sujeitas a obrigação a contabilizarem, para fins da respetiva obrigação, as economias finais de energia obtidas em infraestruturas eficientes de aquecimento e arrefecimento;

Alteração    64

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea c-E) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

c-E)  Asseguram que as partes sujeitas a obrigação que não forneçam energia a habitações privadas não tenham de aplicar medidas de eficiência energética a essas habitações;

Justificação

Muitas empresas sujeitas a obrigação não fornecem energia a habitações privadas. Por conseguinte, é impossível que estas partes apliquem medidas em habitações privadas.

Alteração    65

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 5 – alínea c-F) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

c-F)  Avaliam e tomam medidas para reduzir ao mínimo o impacto dos custos diretos e indiretos de tais regimes sobre a competitividade das indústrias com utilização intensiva de energia expostas à concorrência internacional;

Justificação

As indústrias com utilização intensiva de energia estão sujeitas a inúmeras obrigações diferentes (por exemplo, RCLE…). Frequentemente, estas empresas estão expostas à concorrência internacional, pelo que devem ser protegidas contra a fuga de carbono.

Alteração    66

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A – n.º 6-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

6-A.  No âmbito dos seus planos nacionais integrados em matéria de energia e clima, os Estados-Membros informam a Comissão sobre as medidas políticas previstas ao abrigo do artigo 7.º, n.º 2, alínea c). O impacto destas medidas deve ser calculado e incluído nos referidos planos. O cálculo utilizado pelos Estados-Membros baseia-se em critérios objetivos e não discriminatórios, definidos em consulta com a Comissão o mais tardar em 1 de janeiro de 2019.

Alteração    67

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-B – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de medidas políticas alternativas, os Estados-Membros asseguram que essas economias de energia são realizadas entre os clientes finais.

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de medidas políticas alternativas, os Estados-Membros asseguram que essas economias de energia são realizadas integralmente entre os clientes finais.

Alteração    68

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-B – n.º 1-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

1-A.  Além disso, todas as possibilidades de aumentar a eficiência energética, inclusivamente através da utilização de combustíveis de melhor desempenho nos transportes, são contabilizáveis para atingir o objetivo cumulativo de economias finais de energia previsto no artigo 7.º, n.º 1.

Justificação

Mais-valia dos componentes de mistura de combustíveis eficientes e limpos na descarbonização dos transportes; os componentes de mistura de combustíveis podem ser contabilizados para o objetivo de eficiência energética.

Alteração    69

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-B – n.º 2

 

Texto da Comissão

Alteração

2.  Ao conceberem medidas políticas alternativas para realizar economias de energia, os Estados-Membros têm em conta o efeito sobre os agregados familiares afetados pela pobreza energética.

2.  Ao conceberem medidas políticas alternativas para realizar economias de energia, os Estados-Membros têm em conta o efeito sobre os agregados familiares de baixos rendimentos, incluindo os que são afetados pela pobreza energética, e velam por que as medidas sejam aplicadas prioritariamente a esses agregados familiares e às habitações sociais.

 

Os Estados-Membros calculam o volume de economias realizadas nesses agregados familiares em comparação com o volume total de economias realizadas em todos os agregados familiares, em conformidade com o presente artigo.

 

Essas economias são publicadas e incluídas nos relatórios intercalares nacionais integrados nos domínios da energia e do clima, em conformidade com o artigo 21.º do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia].

Alteração    70

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-C (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

4-A. É inserido o seguinte artigo:

 

«Artigo 7.º-C

 

Fornecimento de serviços de eficiência energética

 

A Comissão, em estreita colaboração com os Estados-Membros, garante que o fornecimento de serviços no mercado da eficiência energética ocorra num quadro concorrencial e transparente, por forma a garantir ao consumidor final os benefícios, em termos de menor custo e maior qualidade do serviço, associados às intervenções de eficiência energética. Para esse efeito, os Estados-Membros asseguram às empresas, em particular às PME, o acesso não discriminatório ao mercado dos serviços de eficiência energética, permitindo assim a sua participação nas mesmas condições que os operadores verticalmente integrados e superando as posições de vantagem competitiva criadas a favor dos agentes que operam na distribuição ou venda de energia. Os Estados-Membros adotam, para o efeito, todos os atos necessários para que os operadores integrados disponibilizem a terceiros as mesmas condições e os mesmos instrumentos que utilizam para o fornecimento dos serviços de eficiência energética.»

Alteração    71

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 9 – n.º 1 – parágrafo 1

 

Texto da Comissão

Alteração

«Os Estados-Membros asseguram que, na medida em que tal seja tecnicamente viável, financeiramente razoável e proporcionado em relação às economias de energia potenciais, sejam fornecidos aos consumidores finais de gás natural contadores individuais a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do consumidor final e que deem informações sobre o respetivo período real de utilização.»;

«Os Estados-Membros asseguram que, na medida em que tal seja tecnicamente viável, financeiramente razoável e proporcionado em relação às economias de energia potenciais, sejam fornecidos aos consumidores finais de gás natural, no que se refere à tecnologia selecionada e à sua funcionalidade, contadores individuais e comandos de aquecimento a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do consumidor final e que deem informações sobre o respetivo período real de utilização, além de outras funcionalidades, tal como aplicável em consonância com as disposições referentes à contagem do consumo de eletricidade constantes dos artigos 19.º a 22.º da Diretiva (UE) .../... [relativa a regras comuns para o mercado interno da eletricidade (reformulação)].

Justificação

A contagem do consumo quer de eletricidade, quer de gás, está a aumentar a sensibilização dos consumidores para os níveis de consumo efetivos, pelo que pode desencadear mudanças de comportamento conducentes a uma maior eficiência energética e a mais economias de energia.

Alteração    72

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5 – alínea c) – subalínea ii-A) (nova)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 9 – n.º 2 – parágrafo 1-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

O sistema de contador inteligente deve permitir aos consumidores finais o acesso aos dados referentes ao seu consumo de energia e à sua sucessão cronológica nos períodos de ajustamento do mercado.

Alteração    73

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5 – alínea d)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 9 – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

d)  É suprimido o n.º 3.

d)  O n.º 3 passa a ter a seguinte redação:

 

«3.  Relativamente ao formato dos dados e às funcionalidades, as disposições estão, sempre que adequado, em consonância com os artigos 18.º a 21.º da Diretiva relativa a regras comuns para o mercado interno da eletricidade (reformulação). Os dados dos consumidores são tratados nos termos do Regulamento (UE) 2016/679 (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados). Não são impostas tarifas aos clientes finais para permitir o acesso aos seus dados num formato que lhes seja útil.»;

Justificação

Em conformidade com as disposições relativas aos contadores de eletricidade, os consumidores devem manter a propriedade dos seus dados pessoais. Sempre que o consumidor pretenda partilhar os seus dados, estes devem ser harmonizados e disponibilizados a todos os participantes no mercado, no sentido de assegurar mercados retalhistas competitivos.

Alteração    74

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 6

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 9.º-A

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 9.º-A

Artigo 9.º-A

Contagem, submedição e repartição dos custos do aquecimento, do arrefecimento e da água quente para uso doméstico

Contagem, submedição e repartição dos custos do aquecimento, do arrefecimento e da água quente para uso doméstico

1.  Os Estados-Membros asseguram que sejam fornecidos aos clientes finais de sistemas urbanos de aquecimento, de sistemas urbanos de arrefecimento e de água quente para uso doméstico contadores a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do cliente final.

1.  Os Estados-Membros asseguram que sejam fornecidos aos clientes finais de sistemas urbanos de aquecimento, de sistemas urbanos de arrefecimento e de água quente para uso doméstico contadores a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do cliente final.

Se o aquecimento e o arrefecimento ou a água quente de um edifício forem alimentados por uma fonte central que sirva vários edifícios ou por uma rede de aquecimento e arrefecimento urbano, deve ser sempre instalado um calorímetro ou um contador de água quente no permutador de calor ou no ponto de chegada.

Se o aquecimento, o arrefecimento ou a água quente de um edifício forem alimentados por uma fonte central que sirva vários edifícios ou por uma rede de aquecimento ou arrefecimento urbano, deve ser instalado um contador no permutador de calor ou no ponto de chegada.

2.  Nos prédios de apartamentos e nos edifícios multiusos alimentados por uma fonte de aquecimento ou arrefecimento central ou por redes de aquecimento ou arrefecimento urbano, devem ser instalados contadores individuais para medir o consumo de calor, de frio ou de água quente de cada fração do edifício.

2.  Nos prédios de apartamentos e nos edifícios multiusos alimentados por uma fonte de aquecimento ou arrefecimento central ou por redes de aquecimento ou arrefecimento urbano, devem ser instalados contadores individuais para medir o consumo de calor, de frio ou de água quente de cada fração do edifício, se tal for tecnicamente viável, eficaz em termos custos e proporcionado em relação às potenciais economias de energia.

Se a utilização de contadores individuais não for tecnicamente viável ou rentável para medir o calor ou o frio em cada fração, devem ser utilizados calorímetros individuais para medir o consumo de calor em cada aquecedor, a não ser que o Estado-Membro em causa prove que a instalação desses calorímetros não seria eficiente em termos de custos. Nesses casos, poderá ponderar-se o recurso a métodos alternativos de medição do consumo de calor que sejam eficientes em termos de custos. Os Estados-Membros devem definir claramente e publicar as condições de não-exequibilidade técnica e não-eficiência em termos de custos.

Se a utilização de contadores individuais não for tecnicamente viável ou rentável para medir o calor ou o frio em cada fração, devem ser utilizados calorímetros individuais para medir o consumo de calor em cada aquecedor, a não ser que o Estado-Membro em causa prove que a instalação desses calorímetros não seria eficiente em termos de custos. Nesses casos, poderá ponderar-se o recurso a métodos alternativos de medição do consumo de calor que sejam eficientes em termos de custos. Depois de consultarem a Comissão, os Estados-Membros devem definir claramente e publicar os critérios gerais, as metodologias e/ou os procedimentos para determinar a não-exequibilidade técnica e não-eficiência em termos de custos.

Nos novos edifícios do tipo a que se refere o primeiro parágrafo ou caso um edifício seja objeto de grandes obras de renovação, tal como definidas na Diretiva 2010/31/UE, devem sempre ser instalados contadores individuais.

Nos novos prédios de apartamentos e na parte residencial dos edifícios multiusos novos, sempre que estes forem alimentados em água quente por uma fonte de aquecimento central ou por uma rede de aquecimento urbano, devem ser instalados contadores individuais para a água quente, sem prejuízo do disposto nos n.os 1 e 2.

3.  Se os prédios de apartamentos e os edifícios multiusos forem alimentados por um sistema de aquecimento e arrefecimento urbano, ou se forem alimentados principalmente por sistemas próprios comuns de aquecimento ou arrefecimento, os Estados-Membros, a fim de assegurar a transparência e a exatidão da contagem do consumo individual, estabelecem regras transparentes em matéria de repartição dos custos do consumo de aquecimento, arrefecimento ou água quente nesses edifícios, incluindo:

3.  Se os prédios de apartamentos e os edifícios multiusos forem alimentados por um sistema de aquecimento e arrefecimento urbano, ou se forem alimentados principalmente por sistemas próprios comuns de aquecimento ou arrefecimento, os Estados-Membros, a fim de assegurar a transparência e a exatidão da contagem do consumo individual, estabelecem regras transparentes em matéria de repartição dos custos do consumo de aquecimento, arrefecimento ou água quente nesses edifícios, incluindo:

a)   Água quente para uso doméstico;

a)   Água quente para uso doméstico;

b)   Calor irradiado pela instalação do edifício para efeitos de aquecimento das zonas comuns (caso as escadas e os corredores estejam equipados com aquecedores);

b)   Calor irradiado pela instalação do edifício para efeitos de aquecimento das zonas comuns (caso as escadas e os corredores estejam equipados com aquecedores);

c)   Aquecimento ou arrefecimento dos apartamentos.

c)   Aquecimento ou arrefecimento dos apartamentos.

4.  Para efeitos do presente artigo, a partir de 1 de janeiro de 2020, os contadores e calorímetros instalados devem ser dispositivos de leitura à distância.

4.  Para efeitos do presente artigo, a partir de 1 de janeiro de 2020, os contadores e calorímetros recém-instalados devem ser dispositivos de leitura à distância. Continuam a ser aplicáveis as condições de viabilidade técnica e de rentabilidade definidas no n.º 2, primeiro e segundo parágrafos.

Os contadores e calorímetros já instalados que não permitam a leitura à distância devem ser equipados com essa capacidade ou substituídos por dispositivos de leitura à distância até 1 de janeiro de 2027, exceto se o Estado-Membro em causa provar que essa modificação ou substituição não é eficiente em termos de custos.»;

Os contadores e calorímetros já instalados que não permitam a leitura à distância devem ser equipados com essa capacidade ou substituídos por dispositivos de leitura à distância até 1 de janeiro de 2027, exceto se o Estado-Membro em causa provar que essa modificação ou substituição não é eficiente em termos de custos.»;

Alteração    75

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 7 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10 – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  Caso os consumidores finais não disponham dos contadores inteligentes a que se refere a Diretiva 2009/73/CE, os Estados-Membros asseguram, até 31 de dezembro de 2014, que as informações sobre a faturação sejam precisas e baseadas no consumo efetivo, em conformidade com o anexo VII, ponto 1.1, sempre que tal seja tecnicamente viável e economicamente justificado.

1.  Caso os consumidores finais não disponham dos contadores inteligentes a que se refere a Diretiva 2009/73/CE, os Estados-Membros asseguram, até 31 de dezembro de 2014, que as informações sobre a faturação sejam fiáveis, precisas e baseadas no consumo efetivo, em conformidade com o anexo VII, ponto 1.1, sempre que tal seja tecnicamente viável e economicamente justificado.

Alteração    76

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 7 – alínea c)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10 – n.º 2 – parágrafo 1

 

Texto da Comissão

Alteração

Os contadores instalados em conformidade com a Diretiva 2009/73/CE permitem obter informações exatas sobre a faturação baseadas no consumo efetivo. Os Estados-Membros asseguram que os consumidores finais possam aceder facilmente a informações complementares sobre o seu histórico de consumo que lhes permitam efetuar eles próprios verificações pormenorizadas.

Os contadores instalados em conformidade com a Diretiva 2009/73/CE fornecem informações exatas sobre a faturação baseadas no consumo efetivo. Os Estados-Membros asseguram que os consumidores finais possam aceder facilmente a informações complementares sobre o seu histórico de consumo que lhes permitam efetuar eles próprios verificações pormenorizadas.

Justificação

É necessário garantir que as faturas sejam exatas quando as funcionalidades dos contadores inteligentes estiverem ativadas.

Alteração    77

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 8

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10.º-A

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 10.º-A

Artigo 10.º-A

Informações sobre a faturação e o consumo de aquecimento, arrefecimento e água quente para uso doméstico

Informações sobre a faturação e o consumo de aquecimento, arrefecimento e água quente para uso doméstico

1.  Os Estados-Membros asseguram a todos os utilizadores finais com contadores ou calorímetros instalados que as informações sobre a faturação e o consumo sejam exatas e baseadas no consumo real, em conformidade com os pontos 1 e 2 do anexo VII-A.

1.  Os Estados-Membros asseguram que, sempre que estejam instalados contadores ou calorímetros, as informações sobre a faturação e o consumo sejam fiáveis, exatas e baseadas no consumo real ou nas leituras dos calorímetros, em conformidade com os pontos 1 e 2 do anexo VII-A, para todos os utilizadores finais, ou seja, para as pessoas singulares e coletivas que compram aquecimento, arrefecimento ou água quente para uso próprio final, ou pessoas singulares ou coletivas que ocupam um edifício ou uma fração autónoma num prédio de apartamentos ou edifício multiusos equipado com aquecimento, arrefecimento ou água quente de uma fonte central que não tenha contrato direto ou individual com o fornecedor de energia.

Exceto no caso de submedição do consumo nos termos do artigo 9.º-A, n.º 2, esta obrigação pode ser cumprida através de um sistema de autoleitura regular pelo cliente final, pelo qual as leituras são comunicadas, a partir do contador, ao fornecedor de energia. Só no caso de o cliente final não ter comunicado a leitura do contador relativa a um dado intervalo de faturação é que esta se baseará no consumo estimado ou numa taxa fixa.

Exceto no caso de submedição do consumo com base nos calorímetros nos termos do artigo 9.º-A, n.º 2, esta obrigação pode ser cumprida, quando um Estado-Membro assim o decida, através de um sistema de autoleitura regular pelo cliente final ou utilizador final, pelo qual as leituras são comunicadas, a partir do contador. Só no caso de o cliente final ou o utilizador final não ter comunicado a leitura do contador relativa a um dado intervalo de faturação é que esta se baseará no consumo estimado ou numa taxa fixa.

2.  Os Estados-Membros:

2.  Os Estados-Membros:

a)  Exigem que, caso existam, as informações sobre a faturação de energia e o histórico de consumo do utilizador final sejam disponibilizadas ao prestador de serviços energéticos designado pelo utilizador final;

a)  Exigem que, caso existam, as informações sobre a faturação de energia e o histórico de consumo ou as leituras dos calorímetros do utilizador final sejam disponibilizadas, a pedido deste, ao prestador de serviços energéticos designado pelo utilizador final;

b)  Asseguram que seja dada aos clientes finais a possibilidade de optarem por informações sobre a faturação e faturas em formato eletrónico e que estes recebam, a seu pedido, uma explicação clara e compreensível sobre a forma como a fatura foi estabelecida, em especial se as faturas não se basearem no consumo efetivo;

b)  Asseguram que seja dada aos clientes finais a possibilidade de optarem por informações sobre a faturação e faturas em formato eletrónico.

c)  Asseguram que, juntamente com a fatura baseada no consumo efetivo, sejam fornecidas informações adequadas a todos os utilizadores finais em conformidade com o anexo VII, ponto 3;

c)  Asseguram que, juntamente com a fatura, sejam fornecidas informações claras e compreensíveis a todos os utilizadores finais em conformidade com o anexo VII-A, ponto 3;

d)  Podem estabelecer que, a pedido do cliente final, a disponibilização das informações sobre a faturação não seja considerada um pedido de pagamento. Nesse caso, os Estados-Membros asseguram que sejam propostas modalidades flexíveis de pagamento efetivo.

d)  Podem estabelecer que, a pedido do cliente final, a disponibilização das informações sobre a faturação não seja considerada um pedido de pagamento. Nesse caso, os Estados-Membros asseguram que sejam propostas modalidades flexíveis de pagamento efetivo.

 

d-A)  Promovem a cibersegurança e asseguram a privacidade e a proteção dos dados dos utilizadores finais, em conformidade com a legislação pertinente da União.

 

2-A.  Os Estados-Membros decidem quem deve ser responsável pela prestação das informações referidas nos n.os 1 aos utilizadores finais que não tenham contrato direto ou individual com um fornecedor de energia.

Alteração    78

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 11 – alínea -a) (nova)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 15 – n.º 4 – parágrafo 1-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

-a) Ao n.º 4, é aditado o seguinte parágrafo:

 

«A Comissão, após consulta das partes interessadas pertinentes, define uma metodologia comum com o objetivo de incentivar os operadores de rede a reduzirem as perdas, a levarem a cabo um programa de investimento em infraestruturas eficazes em termos de custos/energia e a terem em devida conta a eficiência energética e a flexibilidade da rede. A Comissão adota, até ... [12 meses após a data de entrada em vigor da presente diretiva], um ato delegado, em conformidade com o artigo 23.º, a fim de completar a presente diretiva, especificando a metodologia.»

Alteração    79

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 11 – alínea a) – subalínea ii)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 15 – n.º 5 – parágrafo 5

 

Texto da Comissão

Alteração

Os operadores de redes de transporte e os operadores de redes de distribuição devem satisfazer os requisitos previstos no anexo VII.

Os operadores de redes de transporte e os operadores de redes de distribuição devem ter em conta a necessidade de assegurar a continuidade do fornecimento de aquecimento aquando da ligação, garantindo o acesso à rede e disponibilizando a cogeração de elevada eficiência, e devem satisfazer os requisitos previstos no anexo XII.

Justificação

Um fornecimento de aquecimento competitivo e seguro é fundamental para salvaguardar operações comerciais e industriais rentáveis, responder a todas as necessidades dos consumidores e protegê-los contra falhas inesperadas no fornecimento de aquecimento.

Alteração    80

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 11-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 19-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(11-A)  É inserido o seguinte artigo:

 

«Artigo 19.º-A

 

Financiamento da eficiência energética pelos bancos europeus

 

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) devem adaptar os seus objetivos estratégicos, com vista a reconhecer a eficiência energética como fonte de energia em si e os investimentos na eficiência energética como parte da sua carteira de investimentos em infraestruturas.

 

O BEI e o BERD devem, em conjunto com bancos de fomento nacionais, conceber, criar e financiar programas e projetos adaptados ao setor da eficiência, nomeadamente para agregados familiares em situação de pobreza energética.

 

Os Estados-Membros devem tirar pleno partido das possibilidades e instrumentos propostos pela iniciativa «Financiamento Inteligente para Edifícios Inteligentes».

Justificação

É necessária uma mudança significativa para que as instituições financeiras disponibilizem os instrumentos financeiros adequados para investimentos em grande escala na eficiência energética.

Alteração    81

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 11-B (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 20 – n.º 6-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(11-B)  No artigo 20.º, é inserido o seguinte número:

 

«6-A.   Os Estados-Membros favorecem os regimes de reembolso através da fatura e/ou dos impostos através dos quais os investimentos em eficiência energética são pré-financiados pelos mecanismos de financiamento referidos no n.º 1 do presente artigo, pelo Fundo Nacional de Eficiência Energética referido no n.º 4 do presente artigo ou pelas partes sujeitas a obrigação referidas no artigo 7.º, n.º 4, e reembolsados por meio de um prémio fixo sobre os custos de distribuição relativos a um contador individual (no caso do reembolso através da fatura) ou por meio de um prémio sobre o imposto predial associado a um edifício (no caso do reembolso através dos impostos). O reembolso permanece associado ao contador ou à propriedade e não ao proprietário ou inquilino. Os períodos de reembolso são determinados de forma a permitir que os reembolsos regulares não ultrapassem os custos energéticos economizados.»;

Justificação

Os regimes de reembolso através da fatura criam uma fonte de reembolso mais fiável do que outros produtos de financiamento tradicionais e reduzem os custos de transação e administração ao associarem o reembolso ao contador, em vez de o associarem ao proprietário ou inquilino. Se for bem concebido, o reembolso efetuado pelos clientes através da fatura será igual ou inferior às economias realizadas nos custos com serviços de utilidade pública devido ao menor consumo de energia. Além disso, os regimes de reembolso através da fatura permitem ultrapassar a questão da repartição de incentivos entre inquilinos e senhorios.

Alteração    82

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 12

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 23 – n.º 3-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

3-A.   Antes de adotar um ato delegado, a Comissão consulta os peritos designados por cada Estado-Membro de acordo com os princípios estabelecidos no Acordo Interinstitucional «Legislar Melhor», de 13 de abril de 2016.

Alteração    83

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 13

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 24 – n.º 4-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

4-A.  No contexto do relatório sobre o Estado da União da Energia, a Comissão presta informações sobre o funcionamento do mercado do carbono, em conformidade com o artigo 29.º, n.º 1 e n.º 2, c), do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia], tendo em conta os efeitos da aplicação da presente diretiva.

Alteração    84

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 13

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 24 – n.º 12

 

Texto da Comissão

Alteração

12.  A Comissão procede à avaliação da presente diretiva até 28 de fevereiro de 2024 e, seguidamente, de cinco em cinco anos, e apresenta um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho. Esse relatório é acompanhado, se for caso disso, de propostas de novas medidas;

12.  A Comissão procede à avaliação da presente diretiva até 28 de fevereiro de 2024 e, seguidamente, de cinco em cinco anos, e apresenta um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho, em que avalia a eficácia geral da presente diretiva e a necessidade de proceder a novas adaptações da política de eficiência energética da União em conformidade com os objetivos do Acordo de Paris e em função da evolução em termos económicos e de inovação. Esse relatório é acompanhado, se for caso disso, de propostas de novas medidas.

Alteração    85

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 13

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 24 – n.º 12-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

12-A.  A Comissão procede, até 31 de dezembro de 2019, a uma análise aprofundada independente do potencial de eficiência energética relativamente:

 

a) À conversão e à transformação de energia;

 

b) Ao transporte e à distribuição de energia;

 

c) À produção e ao subsequente transporte de energia fornecida, nomeadamente a energia gasta na extração de combustíveis fósseis e no seu transporte para o local de utilização.

 

d) Ao armazenamento de energia,

 

Com base nos resultados desta análise, a Comissão apresenta, se for caso disso, ao Parlamento Europeu e ao Conselho uma proposta de ato legislativo sobre esta questão até 31 de janeiro de 2021.

Alteração    86

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 1 – alínea a)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo IV – nota de rodapé 3

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  No anexo IV, a nota de rodapé 3 passa a ter a seguinte redação: «3. Aplicável quando a economia de energia é calculada em termos de energia primária seguindo uma abordagem base-topo baseada no consumo de energia final. Para as economias em kWh de eletricidade, os Estados-Membros podem aplicar um coeficiente implícito de 2,0, tendo também a possibilidade de aplicar um coeficiente diferente desde que possam justificá-lo.»;

a)  No anexo IV, a nota de rodapé 3 passa a ter a seguinte redação: «3. Aplicável apenas para efeitos da presente diretiva e quando a economia de energia é calculada em termos de energia primária seguindo uma abordagem base-topo baseada no consumo de energia final. Para economias em kWh de eletricidade, os Estados-Membros devem aplicar um coeficiente estabelecido através de um método transparente comparável entre os Estados-Membros, com base em especificidades nacionais que afetem o consumo de energia primária. Estas especificidades devem ser devidamente fundamentadas, mensuráveis e verificáveis, baseando-se em critérios objetivos e não discriminatórios. Os Estados-Membros podem aplicar um coeficiente implícito de 2,0 ou um coeficiente diferente desde que possam justificá-lo. Ao fazê-lo, os Estados-Membros têm em conta os cabazes energéticos que figuram nos seus planos nacionais integrados em matéria de energia e clima e que devem ser notificados à Comissão nos termos artigo [3.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia]. O coeficiente implícito deve ser revisto a intervalos de 5 anos com base em dados reais observados.

Alteração    87

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 2 – alínea a)

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  Deve demonstrar-se que as economias se adicionam às que teriam sido geradas de qualquer modo, sem a atividade das partes intervenientes, executantes ou sujeitas a obrigação e/ou das autoridades de execução. Para determinar que economias podem ser declaradas adicionais, os Estados-Membros devem estabelecer uma base de referência que descreva o modo como evoluiria o consumo de energia na ausência da medida política em questão. A base de referência deve refletir, pelo menos, os seguintes fatores: tendências do consumo de energia, mudanças no comportamento dos consumidores, progresso tecnológico e alterações causadas por outras medidas aplicadas a nível nacional e da União Europeia;

a)  Deve demonstrar-se que as economias se adicionam às que teriam sido geradas de qualquer modo, sem a atividade das partes intervenientes, executantes ou sujeitas a obrigação e/ou das autoridades de execução. Para determinar que economias podem ser declaradas adicionais, os Estados-Membros devem estabelecer uma base de referência que descreva o modo como evoluiria o consumo de energia na ausência da medida política em questão e das novas ações específicas desta decorrentes. A base de referência deve refletir, pelo menos, os seguintes fatores: tendências do consumo de energia, mudanças no comportamento dos consumidores, progresso tecnológico e alterações causadas por outras medidas aplicadas a nível nacional e da União Europeia;

Alteração    88

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 2 – alínea b)

 

Texto da Comissão

Alteração

b)  Considera-se que as economias decorrentes da aplicação de legislação obrigatória da União são economias que teriam sido geradas de qualquer modo sem a atividade das partes intervenientes, executantes ou sujeitas a obrigação e/ou das autoridades execução e não podem, portanto, ser declaradas ao abrigo do artigo 7.º, n.º 1, exceto no caso das economias relacionadas com a renovação de edifícios existentes, sob reserva do respeito do critério de materialidade referido na parte 3, alínea h).

b)  Considera-se que as economias decorrentes da aplicação de legislação obrigatória da União são economias que teriam sido geradas de qualquer modo sem a atividade das partes intervenientes, executantes ou sujeitas a obrigação e/ou das autoridades execução e não podem, portanto, ser declaradas ao abrigo do artigo 7.º, n.º 1, exceto no caso das economias relacionadas com medidas que promovam a renovação de edifícios existentes, sob reserva do respeito do critério de materialidade referido na parte 3, alínea h).

Alteração    89

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 2 – alínea h)

 

Texto da Comissão

Alteração

h)  O cálculo das economias de energia deve ter em conta o período de vigência das medidas. Este cálculo pode ser efetuado contabilizando as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Em alternativa, os Estados-Membros podem adotar outro método que se considere poder conduzir, pelo menos, à mesma quantidade total de economias. Se utilizarem outros métodos, os Estados-Membros devem assegurar que a quantidade total de economias de energia calculada não exceda o montante das economias de energia que teria resultado do seu cálculo ao contabilizar as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Os Estados-Membros devem descrever pormenorizadamente nos seus Planos Nacionais Integrados de Energia e Clima, no âmbito da Governação da União da Energia, os outros métodos que utilizaram e as disposições que foram tomadas para cumprir este requisito de cálculo vinculativo.

h)  O cálculo das economias de energia deve ter em conta o período de vigência das medidas e o ritmo de diminuição das economias ao longo do tempo. Este cálculo é efetuado contabilizando as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Em alternativa, os Estados-Membros podem adotar outro método que se considere poder conduzir, pelo menos, à mesma quantidade total de economias. Se utilizarem outros métodos, os Estados-Membros devem assegurar que a quantidade total de economias de energia calculada não exceda o montante das economias de energia que teria resultado do seu cálculo ao contabilizar as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Os Estados-Membros devem descrever pormenorizadamente nos seus Planos Nacionais Integrados de Energia e Clima, no âmbito Regulamento relativo à Governação da União da Energia, os outros métodos que utilizaram e as disposições que foram tomadas para cumprir este requisito de cálculo vinculativo.

Alteração  90

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 3 – alínea d)

 

Texto da Comissão

Alteração

d)  O nível de economias de energia exigido ou a realizar pelas medidas políticas é expresso em consumo de energia final ou energia primária, utilizando os fatores de conversão previstos no anexo IV;

d)  O nível de economias de energia exigido ou a realizar pelas medidas políticas é expresso em consumo de energia final e energia primária, utilizando os fatores de conversão previstos no anexo IV;

Alteração    91

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 3 – parágrafo 2

 

Texto da Comissão

Alteração

No que se refere às medidas políticas adotadas em conformidade com o artigo 7.º, n.º 2, alínea e), os Estados-Membros podem utilizar a metodologia de cálculo estabelecida nos termos da Diretiva 2010/31/UE, na medida em que tal seja consentâneo com os requisitos do artigo 7.º da presente diretiva e do presente anexo.

Suprimido

Alteração    92

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo VII-A

 

Texto da Comissão

Alteração

Anexo VII-A

Anexo VII-A

Requisitos mínimos em matéria de informações sobre a faturação e o consumo com base no consumo efetivo de aquecimento, arrefecimento e água quente

Requisitos mínimos em matéria de informações sobre a faturação e o consumo de aquecimento, arrefecimento e água quente

1.   Faturação com base no consumo efetivo

1.   Faturação com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro

A fim de permitir que os utilizadores finais regulem o seu próprio consumo de energia, a faturação deverá ser determinada com base no consumo efetivo pelo menos uma vez por ano.

A fim de permitir que os utilizadores finais regulem o seu próprio consumo de energia, a faturação deverá ser determinada com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro pelo menos uma vez por ano.

2.   Frequência mínima das informações sobre a faturação ou o consumo

2.   Frequência mínima das informações sobre a faturação ou o consumo

A partir de [inserir aqui.... a entrada em vigor], sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas informações sobre a faturação e o consumo com base no consumo efetivo pelo menos trimestralmente, mediante pedido ou sempre que o consumidor final opte por receber faturação eletrónica, ou então duas vezes por ano.

A partir de [inserir aqui… data de transposição], sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas aos utilizadores finais informações sobre a faturação e o consumo com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro pelo menos trimestralmente, mediante pedido ou sempre que o consumidor final opte por receber faturação eletrónica, ou então duas vezes por ano.

A partir de 1 de janeiro de 2022, sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas informações sobre a faturação ou o consumo pelo menos mensalmente. Esta condição pode não se aplicar ao aquecimento e ao arrefecimento fora das estações quentes/frias.

A partir de 1 de janeiro de 2022, sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas a todos os utilizadores finais informações sobre a faturação ou o consumo com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro pelo menos mensalmente. Estas informações devem ser igualmente disponibilizadas continuamente através da Internet e atualizadas com a maior frequência possível em função dos dispositivos e sistemas de medição utilizados. Esta condição pode não se aplicar ao aquecimento e ao arrefecimento fora das estações quentes/frias.

3.  Informações mínimas contidas na fatura com base no consumo efetivo

3.  Informações mínimas contidas na fatura

Os Estados-Membros devem assegurar que as seguintes informações são facultadas aos utilizadores finais, em termos claros e compreensíveis, na fatura ou nos documentos que a acompanham:

Os Estados-Membros devem assegurar que as seguintes informações sejam exatas e facultadas aos utilizadores finais, em termos claros e compreensíveis, na fatura ou nos documentos que a acompanham, quando estes se baseiem no consumo efetivo ou nas leituras dos calorímetros:

a)  Os preços reais praticados e o consumo efetivo de energia;

a)  Os preços reais praticados e o consumo efetivo de energia ou o preço total do aquecimento e as leituras do calorímetro;

b)  Informações sobre a combinação de combustíveis utilizada, incluindo para os utilizadores finais abastecidos por redes urbanas de aquecimento ou arrefecimento;

b)  Informações sobre a combinação de combustíveis utilizada e as emissões de gases com efeito de estufa associadas, incluindo para os utilizadores finais abastecidos por redes urbanas de aquecimento ou arrefecimento, bem como uma explicação dos diferentes impostos, taxas e tarifas;

c)  Comparação entre o consumo atual de energia dos utilizadores finais e o consumo no mesmo período do ano anterior, sob a forma de gráfico, corrigida das variações climáticas relativamente ao aquecimento e arrefecimento;

c)  Comparação entre o consumo atual de energia dos utilizadores finais e o consumo no mesmo período do ano anterior, sob a forma de gráfico, corrigida das variações climáticas relativamente ao aquecimento e arrefecimento;

d) As coordenadas de contacto de associações de defesa dos consumidores finais, de agências de energia ou de organismos similares, incluindo os endereços de Internet, junto dos quais possam ser obtidas informações sobre as medidas de melhoria da eficiência energética suscetíveis de ser aplicadas, sobre os perfis comparativos de utilizadores finais e sobre as especificações técnicas objetivas de equipamentos consumidores de energia.

d) As coordenadas de contacto de associações de defesa dos consumidores finais, de agências de energia ou de organismos similares, incluindo os endereços de Internet, junto dos quais possam ser obtidas informações sobre as medidas de melhoria da eficiência energética suscetíveis de ser aplicadas, sobre os perfis comparativos de utilizadores finais e sobre as especificações técnicas objetivas de equipamentos consumidores de energia.

 

d-A)  Informações sobre os procedimentos de queixa, os serviços do Provedor de Justiça ou os mecanismos alternativos de resolução de litígios;

Além disso, os Estados-Membros devem assegurar que são facultadas aos utilizadores finais comparações com um utilizador final médio, normalizado ou aferido, da mesma categoria de utilizadores, em termos claros e compreensíveis, e visivelmente assinaladas nas faturas ou nos documentos que as acompanham.».

d-B)  Comparações com um utilizador final médio, normalizado ou aferido, da mesma categoria de utilizadores.

 

As faturas que não se basearem no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro devem conter uma explicação clara e compreensível sobre a forma como o montante indicado na fatura foi calculado e, pelo menos, as informações referidas nas alíneas d) e d-A).

Alteração    93

Proposta de diretiva

Anexo I – ponto 2-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo IX – Parte 1 – alínea g)

 

Texto em vigor

Alteração

 

2-A.  No anexo IX, parte 1, a alínea g) passa a ter a seguinte redação:

«g) Análise económica: inventário de efeitos

«g) Análise económica: inventário de efeitos

As análises económicas devem ter em conta todos os efeitos económicos relevantes.

As análises económicas devem ter em conta todos os efeitos económicos relevantes.

Ao tomarem uma decisão, os Estados-Membros podem avaliar e ter em conta as economias de custos e de energia resultantes da flexibilização do aprovisionamento energético e da melhoria de funcionamento das redes elétricas, incluindo os custos evitados e as economias resultantes do reduzido investimento em infraestruturas, nos cenários analisados.

Ao tomarem uma decisão, os Estados-Membros avaliam e têm em conta as economias de custos e de energia resultantes da flexibilização do aprovisionamento energético e da melhoria de funcionamento das redes elétricas, incluindo os custos evitados e as economias resultantes do reduzido investimento em infraestruturas, nos cenários analisados.

Os custos e os benefícios considerados devem incluir pelo menos os seguintes elementos:

Os custos e os benefícios considerados devem incluir pelo menos os seguintes elementos:

i) Benefícios

i) Benefícios

– Valor da produção (de calor e eletricidade) para o consumidor

– Valor da produção (de calor e eletricidade) para o consumidor

Na medida do possível, benefícios externos, nomeadamente ambientais e sanitários

Benefícios externos, nomeadamente ambientais, em termos de emissões de gases com efeito de estufa, sanitários e de segurança

 

– Efeitos no mercado de trabalho, segurança energética, competitividade

ii) Custos

ii) Custos

– Custos de capital das instalações e equipamentos

– Custos de capital das instalações e equipamentos

– Custos de capital das redes de energia associadas

– Custos de capital das redes de energia associadas

– Custos variáveis e fixos de funcionamento

– Custos variáveis e fixos de funcionamento

– Custos energéticos

– Custos energéticos

Na medida do possível, custos ambientais e sanitários»

– Custos ambientais, sanitários e de segurança

 

– Custos do mercado de trabalho, segurança energética, competitividade»

Justificação

Os efeitos económicos das medidas de eficiência energética devem ser devidamente considerados numa análise de custo-benefício de acordo com a lista não exaustiva de efeitos acima definida.

Alteração    94

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2-B (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo XII – parágrafo 1 – alínea a)

 

Texto em vigor

Alteração

 

2-B.   No anexo XII, a alínea a) passa a ter a seguinte redação:

«a) Estabelecer e tornar públicas as suas regras de base relativas à assunção e partilha dos custos das adaptações técnicas, tais como ligações à rede e reforços de rede, melhoria do funcionamento da rede e regras para a aplicação não discriminatória dos códigos de rede, necessárias para integrar novos produtores que alimentem a rede interligada com eletricidade produzida em cogeração de elevada eficiência;»

«a) Estabelecer e tornar públicas as suas regras de base relativas à assunção e partilha dos custos das adaptações técnicas, tais como ligações à rede, reforço das redes existentes e introdução de novas redes, melhoria do funcionamento da rede e regras para a aplicação não discriminatória dos códigos de rede, necessárias para integrar novos produtores que alimentem a rede interligada com eletricidade produzida em cogeração de elevada eficiência e a partir de outras fontes difusas.

Justificação

Devem ser também tidas em consideração as novas redes de elevada eficiência e as novas fontes de energia difusas.

(1)

JO C 246 de 28.7.2017, p. 42.

(2)

JO C 342 de 12.10.2017, p. 119.


PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar (20.9.2017)

dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Diretiva 2012/27/UE relativa à eficiência energética

COM(2016)0761– C8-0498/2016 – 2016/0376(COD))

Relatora de parecer: Jytte Guteland

ALTERAÇÕES

A Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar insta a Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia, competente quanto à matéria de fundo, a ter em conta as seguintes alterações:

Alteração    1

Proposta de diretiva

Considerando 1

Texto da Comissão

Alteração

(1)  A moderação da procura de energia constitui uma das cinco dimensões da estratégia da União da Energia adotada em 25 de fevereiro de 2015. A melhoria da eficiência energética trará benefícios para o ambiente, reduzirá as emissões de gases com efeito de estufa, melhorará a segurança energética reduzindo a dependência das importações de energia provenientes de países terceiros, diminuirá os custos energéticos para as famílias e empresas, ajudará a reduzir a pobreza energética e induzirá o crescimento do emprego e da atividade económica em geral. Este objetivo coaduna-se com os compromissos assumidos pela UE no âmbito da União da Energia e do programa universal contra as alterações climáticas definido, no Acordo de Paris de dezembro de 2015, pelas partes na Convenção Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas.

(1)  A moderação da procura de energia constitui uma das cinco dimensões da estratégia da União da Energia adotada em 25 de fevereiro de 2015. A melhoria da eficiência energética trará benefícios para o ambiente, melhorará a qualidade do ar devido a uma menor procura de aquecimento com base em combustíveis sólidos em edifícios energeticamente eficientes, melhorará a saúde dos cidadãos da União mediante a redução da poluição atmosférica e a criação de um ambiente interior saudável, reduzirá as emissões de gases com efeito de estufa, melhorará a segurança energética reduzindo a dependência das importações de energia provenientes de países terceiros, diminuirá os custos energéticos para as famílias e empresas, ajudará a reduzir a pobreza energética e induzirá o crescimento do emprego e da atividade económica em geral. Este objetivo coaduna-se com os compromissos assumidos pela UE no âmbito da União da Energia e do programa universal contra as alterações climáticas definido, no Acordo de Paris de dezembro de 2015, pelas partes na Convenção Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas.

Alteração    2

Proposta de diretiva

Considerando 2

Texto da Comissão

Alteração

(2)  A Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho9 permite progredir em direção à União da Energia, na qual a eficiência energética deve ser considerada uma fonte de energia em si. O princípio da «prioridade à eficiência energética» deveria ser tido em conta aquando do estabelecimento de novas regras aplicáveis à oferta e a outros domínios de intervenção. A Comissão deverá assegurar que a eficiência energética e a modulação do lado da procura possam concorrer em pé de igualdade com a capacidade de produção. A eficiência energética deve ser tida em conta sempre que são tomadas decisões em matéria de planeamento ou de financiamento do sistema energético. A eficiência energética deve ser melhorada sempre que tal se afigure mais eficiente em termos de custos do que soluções equivalentes do lado da oferta. Esta abordagem deverá contribuir para explorar os múltiplos benefícios da eficiência energética para a sociedade europeia, em especial para os cidadãos e as empresas.

(2)  A Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho9 permite progredir em direção à União da Energia, na qual a eficiência energética deve ser considerada uma fonte de energia em si. O princípio da «prioridade à eficiência energética» deveria ser tido em conta aquando do estabelecimento de novas regras aplicáveis à oferta e a outros domínios de intervenção e reconhecido pelas instituições financeiras através de fundos e instrumentos específicos. A Comissão deverá assegurar que a eficiência energética e a modulação do lado da procura possam concorrer em pé de igualdade com a capacidade de produção. A eficiência energética deve ser tida em conta sempre que são tomadas decisões em matéria de planeamento ou de financiamento do sistema energético. A eficiência energética deve ser melhorada sempre que tal se afigure mais eficiente em termos de custos do que soluções equivalentes do lado da oferta. Esta abordagem deverá contribuir para explorar os múltiplos benefícios da eficiência energética para a sociedade europeia, em especial para os cidadãos e as empresas.

__________________

__________________

9 Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativa à eficiência energética, que altera as Diretivas 2009/125/CE e 2010/30/UE e revoga as Diretivas 2004/8/CE e 2006/32/CE (JO L 315 de 14.11.2012, p. 1).

9 Diretiva 2012/27/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativa à eficiência energética, que altera as Diretivas 2009/125/CE e 2010/30/UE e revoga as Diretivas 2004/8/CE e 2006/32/CE (JO L 315 de 14.11.2012, p. 1).

Alteração    3

Proposta de diretiva

Considerando 3

Texto da Comissão

Alteração

(3)  O Conselho Europeu de outubro de 2014 definiu um objetivo de 27 % de eficiência energética até 2030, que será reexaminado até 2020 tendo presente um nível para a União de 30 %. Em dezembro de 2015, o Parlamento Europeu instou a Comissão a avaliar também a viabilidade de um objetivo de eficiência energética de 40 % no mesmo período. Por conseguinte, é adequado rever e, portanto, alterar a diretiva para a adaptar ao horizonte de 2030.

(3)  O Conselho Europeu de outubro de 2014 definiu um objetivo de 27 % de eficiência energética até 2030, que será reexaminado até 2020 tendo presente um nível para a União de 30 %. Em junho de 2016, o Parlamento Europeu instou a Comissão a estabelecer um objetivo vinculativo de eficiência energética de 40 % para 2030, que refletirá igualmente o nível do potencial de eficiência energética rentável. Por conseguinte, é adequado rever e, portanto, alterar a diretiva para a adaptar ao horizonte de 2030.

Alteração    4

Proposta de diretiva

Considerando 3-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(3-A)  O grande excedente de licenças no regime de comércio de licenças de emissão da União (RCLE), devido à recessão económica, ao afluxo de créditos internacionais de carbono e à atribuição excessiva de licenças, diminuiu os preços das licenças de emissão do RCLE. Não se prevê que o preço do carbono aumente no futuro próximo para um nível que incentive de forma suficiente a melhoria das economias de energia e das energias renováveis, pelo que é necessário manter medidas específicas e um quadro a longo prazo estável ao nível da União para investimentos a favor da poupança de energia.

Alteração    5

Proposta de diretiva

Considerando 4

Texto da Comissão

Alteração

(4)  Não existem objetivos vinculativos a nível nacional no horizonte de 2030. Deve ficar claramente enunciada a necessidade de a União atingir os seus objetivos de eficiência energética, expressos em consumo de energia primária e final, em 2020 e 2030, sob a forma de um objetivo vinculativo de 30 %. Esta clarificação a nível da União não deverá limitar a liberdade de os Estados-Membros definirem as suas contribuições nacionais com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final ou na intensidade energética. Os Estados-Membros devem fixar as suas contribuições indicativas nacionais de eficiência energética tendo em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 321 Mtep de energia primária e 987 Mtep de energia final. Por outras palavras, na União, o consumo de energia primária deverá ser reduzido de 23 % e o de energia final de 17 % relativamente a 2005. É necessário avaliar regularmente os progressos realizados no sentido da realização do objetivo da União para 2030, como previsto na proposta legislativa sobre a governação da União da Energia.

(4)  Devem fixar-se objetivos vinculativos a nível nacional e da União no horizonte de 2030. Deve ficar claramente enunciada a necessidade de a União atingir os seus objetivos de eficiência energética, expressos em consumo de energia primária e final, em 2020 e 2030, através de um objetivo vinculativo de eficiência energética de 40 %. Além disso, os Estados-Membros devem desenvolver planos nacionais em matéria de energia, que incluam objetivos nacionais vinculativos, elaborados em conformidade com o Regulamento (UE) 20XX/XX [Governação da União da Energia]. A clarificação a nível da União não deverá limitar a liberdade de os Estados-Membros definirem os seus objetivos nacionais com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final ou na intensidade energética. Os Estados-Membros devem fixar os seus objetivos vinculativos nacionais de eficiência energética tendo em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 132 Mtep de energia primária e 849 Mtep de energia final. Por outras palavras, na União, o consumo de energia primária deverá ser reduzido de 34 % e o de energia final de 31 % relativamente a 2005. É necessário avaliar regularmente os progressos realizados no sentido da realização do objetivo da União para 2030, como previsto na proposta legislativa sobre a governação da União da Energia.

Alteração    6

Proposta de diretiva

Considerando 6

Texto da Comissão

Alteração

(6)  Tendo em conta o quadro relativo ao clima e à energia para 2030, a obrigação de realizar economias de energia deve ser prorrogada após 2020. A prorrogação do período de cumprimento após 2020 criaria uma maior estabilidade para os investidores e estimularia, assim, os investimentos e as medidas de eficiência energética a longo prazo, como a renovação dos edifícios.

(6)  Tendo em conta os objetivos de descarbonização ao abrigo do Acordo de Paris e o quadro relativo ao clima e à energia para 2030, bem como os objetivos da União para 2050 em matéria de clima e energia, a obrigação de realizar economias de energia deve ser prorrogada após 2020. A prorrogação do período de cumprimento com uma perspetiva a longo prazo e medidas estratégicas correspondentes após 2020 criaria uma maior estabilidade para os investidores e estimularia, assim, os investimentos e as medidas de eficiência energética a longo prazo, como a renovação dos edifícios e uma transição para edifícios com necessidades quase nulas de energia. A cooperação com o setor privado é importante para avaliar de que forma podem ser desbloqueados investimentos privados para projetos de eficiência energética.

Alteração    7

Proposta de diretiva

Considerando 6-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(6-A)  As melhorias a nível da eficiência energética têm também um impacto positivo na qualidade do ar, já que a existência de mais edifícios eficientes do ponto de vista energético reduz a procura de combustíveis de aquecimento, especialmente os sólidos. Por conseguinte, as medidas de eficiência energética contribuem para melhorar a qualidade do ar interior e exterior, ajudando a alcançar, de forma rentável, os objetivos da União em matéria de qualidade do ar definidos, em particular, na Diretiva (UE) 2016/2284 (Diretiva Qualidade do Ar)1-A. A redução das necessidades de energia dos edifícios deve ser considerada um elemento da política de qualidade do ar em geral, nomeadamente nos Estados-Membros em que cumprir os limites da União relativos às emissões de poluentes atmosféricos é problemático; a eficiência energética pode contribuir para esse objetivo.

 

__________________

 

1-A Diretiva (UE) 2016/2284 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de dezembro de 2016, relativa à redução das emissões nacionais de certos poluentes atmosféricos, que altera a Diretiva 2003/35/CE e revoga a Diretiva 2001/81/CE (JO L 344 de 17.12.2016, p. 1-31).

Alteração    8

Proposta de diretiva

Considerando 8

Texto da Comissão

Alteração

(8)  As medidas de eficiência energética a longo prazo continuarão a gerar economias de energia após 2020, mas deverão permitir obter novas economias após 2020, a fim de contribuir para a consecução do objetivo seguinte de eficiência energética da União para 2030. Por outro lado, as economias de energia realizadas após 31 de dezembro de 2020 não poderão contar para o nível cumulativo de economias exigido para o período de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020.

(8)  As medidas de eficiência energética a longo prazo continuarão a gerar economias de energia após 2020, mas deverão permitir obter novas economias após 2020, a fim de contribuir para a consecução do objetivo seguinte de eficiência energética da União para 2030 e dos objetivos da União em matéria de energia e clima para 2050 em consonância com o Acordo de Paris. Por outro lado, as economias de energia realizadas após 31 de dezembro de 2020 não poderão contar para o nível cumulativo de economias exigido para o período de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020.

Alteração    9

Proposta de diretiva

Considerando 10

Texto da Comissão

Alteração

(10)  As economias de energia decorrentes da aplicação da legislação da União não podem ser declaradas, a não ser que a medida exceda o mínimo exigido pela legislação da União, quer por meio da fixação, a nível nacional, de requisitos de eficiência energética mais ambiciosos ou por meio do reforço da aplicação da medida. Reconhecendo que a renovação dos edifícios representa um contributo essencial e de longo prazo para o aumento das economias de energia, é necessário esclarecer que podem ser declaradas todas as economias de energia decorrentes de medidas que promovem a renovação dos edifícios existentes, desde que tais economias venham adicionar-se às economias que teriam sido registadas na ausência de medidas e que o Estado-Membro possa provar que a parte sujeita a obrigação, interveniente ou executante contribuiu efetivamente para a realização das economias declaradas como decorrentes da medida em causa.

(10)  As economias de energia decorrentes da aplicação da legislação da União apenas podem ser declaradas se decorrerem de novas medidas políticas, introduzidas antes ou depois de 31 de dezembro de 2020, desde que possa ser demonstrado que estas medidas resultam em novas ações individuais empreendidas após 31 de dezembro de 2020 e geram novas economias e desde que a medida exceda o mínimo exigido pela legislação da União, quer por meio da fixação, a nível nacional, de requisitos de eficiência energética mais ambiciosos ou por meio do reforço da aplicação da medida. Os edifícios constituem um potencial considerável em termos de reforço da eficiência energética, e a renovação dos edifícios representa um contributo essencial e de longo prazo para o aumento das economias de energia, devendo a mesma ser acelerada atendendo ao período relativamente curto que resta para renovar o parque imobiliário existente. É necessário esclarecer que podem ser declaradas todas as economias de energia decorrentes de medidas que promovem a renovação dos edifícios existentes, desde que tais economias venham adicionar-se às economias que teriam sido registadas na ausência de medidas e que o Estado-Membro possa provar que a parte sujeita a obrigação, interveniente ou executante contribuiu efetivamente para a realização das economias declaradas como decorrentes da medida em causa.

Alteração    10

Proposta de diretiva

Considerando 10-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(10-A)  Uma gestão eficaz da água pode contribuir de forma significativa para economizar energia. O setor da água utiliza aproximadamente 3,5 % da eletricidade na União1-A. O tratamento e o transporte de água através de sistemas de bombagem e pressão, alimentados por motores elétricos, consomem uma grande quantidade de energia. Espera-se que a procura de água aumente 25 % até 2040, sobretudo nas cidades. Simultaneamente, as perdas de água representam 24 % da quantidade total de água consumida na Europa, adicionando as perdas de energia às perdas de água. Como tal, todas as medidas destinadas a permitir uma gestão mais eficiente e uma diminuição da utilização da água contribuirão para a realização do objetivo de eficiência energética da União.

 

_______________

 

1-A World Energy Outlook 2016 (Perspetivas para a Energia Mundial de 2016), Agência Internacional de Energia, 2016.

Alteração    11

Proposta de diretiva

Considerando 10-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(10-B)  O setor da indústria é o maior consumidor de água na Europa, numa proporção que ascende a 44 %1-A. O recurso às tecnologias e procedimentos inteligentes de gestão da água pode gerar importantes economias de energia, reforçando, simultaneamente, a competitividade das empresas. O mesmo vale para as cidades, onde a água é responsável por 30 a 50 % da fatura elétrica dos municípios.

 

________________

 

1-A Documento de trabalho dos serviços da Comissão, Agriculture and sustainable water management in the EU (Agricultura e gestão sustentável da água na UE), 28 de abril de 2017.

Alteração    12

Proposta de diretiva

Considerando 12

Texto da Comissão

Alteração

(12)  As melhorias na eficiência energética dos edifícios deverão beneficiar em especial os consumidores afetados pela pobreza energética. Os Estados-Membros podem já exigir às partes sujeitas a obrigação que incluam objetivos sociais nas medidas de economia de energia, em relação com a pobreza energética; essa possibilidade deverá ser doravante alargada às medidas alternativas e transformada numa obrigação, sem deixar de conferir total flexibilidade aos Estados-Membros no que respeita à dimensão, ao âmbito de aplicação e ao conteúdo de tais medidas. Em conformidade com o artigo 9.º do Tratado, as políticas da União em matéria de eficiência energética devem ser inclusivas e, por conseguinte, garantir a acessibilidade das medidas de eficiência energética aos consumidores em situação de pobreza energética.

(12)  Convém velar por que as melhorias na eficiência energética dos edifícios beneficiem em especial os consumidores com baixos rendimentos em risco de pobreza energética. Os Estados-Membros podem já exigir às partes sujeitas a obrigação que incluam objetivos sociais nas medidas de economia de energia, em relação com a pobreza energética; essa possibilidade deverá ser doravante alargada às medidas alternativas, reforçadas para que uma parte importante das mesmas seja aplicada com caráter prioritário, e transformada numa obrigação, sem deixar de conferir total flexibilidade aos Estados-Membros no que respeita à dimensão, ao âmbito de aplicação e ao conteúdo de tais medidas. Em conformidade com o artigo 9.º do Tratado, as políticas da União em matéria de eficiência energética devem ser inclusivas e, por conseguinte, garantir a acessibilidade das medidas de eficiência energética aos consumidores em situação de pobreza energética. Para o efeito, é necessário definir devidamente pobreza energética, acompanhar a aplicação das medidas pelos Estados-Membros e dotar os regimes de instrumentos financeiros adequados.

Alteração    13

Proposta de diretiva

Considerando 12-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-A)  Com cerca de 50 milhões de agregados familiares da União afetados pela pobreza energética, as medidas de eficiência energética devem estar no cerne de qualquer estratégia rentável que vise combater a pobreza energética e a vulnerabilidade dos consumidores, sendo complementares das políticas de segurança social a nível dos Estados-Membros.

Justificação

As medidas de eficiência energética devem visar as pessoas em risco de pobreza energética, que não dispõem de meios para efetuar os investimentos necessários. Os investimentos a favor de agregados familiares em risco de pobreza energética terão, contudo, benefícios significativos para esses agregados e para a sociedade em geral.

Alteração    14

Proposta de diretiva

Considerando 12-B (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-B)  Todos os consumidores devem poder retirar o máximo proveito das medidas de eficiência energética que implementem, tendo também em conta que todos os custos, períodos de amortização e benefícios têm de ser totalmente transparentes.

Alteração    15

Proposta de diretiva

Considerando 12-C (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(12-C)  O parque imobiliário da União deverá ser constituído por «edifícios com necessidades quase nulas de energia» até 2050, em consonância com os objetivos da COP21 (Acordo de Paris). A taxa de renovação atual dos edifícios é insuficiente e os edifícios que são detidos ou estão ocupados por cidadãos com baixos rendimentos e em risco de pobreza energética são aqueles a que é mais difícil chegar. Por conseguinte, as medidas estabelecidas nos artigos 7.º, 7.º-A e 7.º-B revestem-se de particular importância.

Justificação

As medidas de eficiência energética devem visar as pessoas em risco de pobreza energética, que não dispõem de meios para efetuar os investimentos necessários. Os investimentos a favor de agregados familiares em risco de pobreza energética terão, contudo, benefícios significativos para esses agregados e para a sociedade em geral.

Alteração    16

Proposta de diretiva

Considerando 13

Texto da Comissão

Alteração

(13)  A energia produzida nos edifícios a partir de tecnologias de energias renováveis reduz o abastecimento de energia fóssil. A redução do consumo de energia e a utilização de energia proveniente de fontes renováveis nos edifícios constituem medidas importantes para reduzir a dependência energética e as emissões de gases com efeito de estufa da União, em especial tendo em conta os objetivos ambiciosos em matéria de clima e energia fixados para 2030, assim como o compromisso global assumido na Conferência das Partes na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP 21), realizada em Paris em dezembro de 2015. Deste modo, os Estados-Membros devem poder ter em conta uma certa quantidade da energia renovável produzida nos edifícios para consumo próprio a fim de cumprirem os respetivos requisitos de economia de energia. Para o efeito, os Estados-Membros deverão poder utilizar as metodologias de cálculo estabelecidas em conformidade com a Diretiva 2010/31/UE.

(13)  A energia produzida nos edifícios a partir de tecnologias de energias renováveis reduz o abastecimento de energia fóssil. A redução do consumo de energia e a utilização de energia proveniente de fontes renováveis nos edifícios constituem medidas importantes para reduzir a dependência energética e as emissões de gases com efeito de estufa da União, em especial tendo em conta os objetivos ambiciosos em matéria de clima e energia fixados para 2030, assim como o compromisso global assumido na Conferência das Partes na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP 21), realizada em Paris em dezembro de 2015, segundo o qual o aumento da temperatura média mundial manter-se bem abaixo dos 2 °C e devem prosseguir os esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5 °C. Deste modo, os Estados-Membros devem adotar estratégias ambiciosas de renovação a longo prazo, em conformidade com o artigo 2.º-A da Diretiva 2010/31/UE na versão em vigor, com o objetivo de cobrir um parque imobiliário com um elevado nível de eficiência energética e com necessidades quase nulas de energia até 2050, sendo as necessidades de energia remanescentes supridas por energias renováveis.

Alteração    17

Proposta de diretiva

Considerando 14

Texto da Comissão

Alteração

(14)  Como parte das medidas previstas na Comunicação da Comissão «Novo quadro para os consumidores de energia», no âmbito da União da Energia e da Estratégia para o Aquecimento e a Refrigeração, devem ser reforçados os direitos mínimos dos consumidores a receberem informações claras e atempadas sobre o seu consumo de energia. Por conseguinte, os artigos 9.º a 11.º e o anexo VII da Diretiva 2012/27/UE devem ser alterados a fim de prever a prestação de informações frequentes e melhoradas sobre o consumo energético. De igual modo, importa clarificar que os direitos relativos à faturação e às informações sobre a mesma se aplicam aos consumidores de aquecimento, arrefecimento ou água quente alimentados por uma fonte central, mesmo se tais consumidores não tiverem qualquer relação contratual direta e individual com um fornecedor de energia. Por conseguinte, para efeitos das presentes disposições, o termo «utilizador final» deverá abranger os clientes finais que adquiram aquecimento, arrefecimento ou água quente para consumo próprio, bem como os ocupantes de frações autónomas de prédios de apartamentos ou edifícios multiusos, sempre que tais frações forem alimentadas a partir de uma fonte central. O termo «submedição» deverá referir-se à medição do consumo das frações autónomas desses edifícios. Até 1 de janeiro de 2020, os contadores individuais ou calorímetros de aquecedor recém-instalados deverão permitir a leitura à distância para assegurar a disponibilização frequente e económica de informações sobre o consumo. O novo artigo 9.º-A deverá aplicar-se apenas ao aquecimento, arrefecimento e água quente alimentados a partir de uma fonte central.

(14)  Como parte das medidas previstas na Comunicação da Comissão «Novo quadro para os consumidores de energia», no âmbito da União da Energia e da Estratégia para o Aquecimento e a Refrigeração, devem ser reforçados os direitos mínimos dos consumidores a receberem informações claras e atempadas sobre o seu consumo de energia. Por conseguinte, com o objetivo otimizar a utilização de energia pelos consumidores, os artigos 9.º a 11.º e o anexo VII da Diretiva 2012/27/UE devem ser alterados a fim de prever a prestação de informações e observações frequentes e melhoradas sobre o consumo energético, quando tal for tecnicamente viável e rentável tendo em conta os dispositivos de medição instalados. De igual modo, importa clarificar que os direitos relativos à faturação e às informações sobre a mesma ou sobre o consumo se aplicam aos consumidores de aquecimento, arrefecimento ou água quente alimentados por uma fonte central, mesmo se tais consumidores não tiverem qualquer relação contratual direta e individual com um fornecedor de energia. A definição do termo «consumidor final» pode ser entendida como incluindo apenas pessoas singulares ou coletivas que compram energia com base num contrato direto e individual com um fornecedor de energia. O termo «utilizador final» deverá referir-se a um grupo mais vasto de consumidores. O termo «utilizador final» deverá abranger, para além dos clientes finais que adquiram aquecimento, arrefecimento ou água quente para consumo próprio, os ocupantes de frações autónomas de prédios de apartamentos ou edifícios multiusos, sempre que tais frações forem alimentadas a partir de uma fonte central e os ocupantes não tenham contrato direto ou individual com o fornecedor de energia. Até 1 de janeiro de 2020, os contadores individuais ou calorímetros de aquecedor recém-instalados deverão permitir a leitura à distância para assegurar a disponibilização frequente e económica de informações sobre o consumo. O novo artigo 9.º-A deverá aplicar-se apenas ao aquecimento, arrefecimento e água quente alimentados a partir de uma fonte central. Os Estados-Membros deverão dispor de poderes discricionários para decidir a melhor forma de conceber as medidas pormenorizadas que permitam fornecer informações frequentes e mais fiáveis sobre o consumo de energia aos ocupantes de frações autónomas de prédios de apartamentos ou edifícios multiusos, cujo aquecimento, arrefecimento ou fornecimento de água quente provenha de uma fonte central. O termo «submedição» deverá referir-se à medição do consumo das frações autónomas desses edifícios. A rentabilidade da submedição depende do facto de os custos relacionados serem proporcionais às potenciais economias de energia.

Alteração    18

Proposta de diretiva

Considerando 14-A (novo)

Texto da Comissão

Alteração

 

(14-A)  Atendendo a estes novos requisitos, os Estados-Membros devem ter em conta que a inovação e as novas tecnologias exigem maior investimento na educação e na aquisição de competências necessárias para a aplicação bem-sucedida destas tecnologias e para permitir que tanto cidadãos como empresas contribuam para a concretização dos objetivos de eficiência energética fixados pela Comissão ou pelos Estados-Membros.

Alteração    19

Proposta de diretiva

Considerando 15

Texto da Comissão

Alteração

(15)  Há que revogar certas disposições do artigo 15.º da Diretiva 2012/27/UE sobre a transformação, transporte e distribuição de energia. O reexame do acervo no domínio da energia pode dar origem a uma estruturação diferente das obrigações dos Estados-Membros previstas nos vários atos relacionados com a energia. Esta restruturação não deverá afetar a obrigação de os Estados-Membros respeitarem os requisitos substanciais da Diretiva 2012/27/UE, que poderão ser reintroduzidos, na totalidade ou em parte, noutros atos.

(15)  Há que alinhar certas disposições do artigo 15.º da Diretiva 2012/27/UE sobre a transformação, transporte e distribuição de energia pelas disposições pertinentes relativas ao mercado da eletricidade. O reexame do acervo no domínio da energia pode dar origem a uma estruturação diferente das obrigações dos Estados-Membros previstas nos vários atos relacionados com a energia. Esta restruturação não deverá afetar a obrigação de os Estados-Membros respeitarem os requisitos substanciais da Diretiva 2012/27/UE.

Alteração    20

Proposta de diretiva

Considerando 18

Texto da Comissão

Alteração

(18)  A fim de avaliar a eficácia da Diretiva 2012/27/UE, é introduzida uma disposição que prevê um reexame geral da diretiva e a apresentação de um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho até 28 de fevereiro de 2024.

(18)  As legislações relativas à energia e ao clima são complementares e devem reforçar-se mutuamente. Assim sendo, no âmbito das obrigações que decorrem do Acordo de Paris, no prazo de seis meses a contar do balanço mundial da CQNUAC de 2023 e em consonância com o processo de revisão do Regulamento Governação [ ], a Comissão deverá proceder a um reexame geral da Diretiva 2012/27/UE e à apresentação de um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho que avalie a eficácia global da Diretiva 2012/27/UE e a necessidade de adaptar a política de eficiência energética da União aos objetivos do Acordo de Paris. O reexame e o relatório acima referidos devem ser efetuados em balanços mundiais subsequentes.

Alteração    21

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 1 – n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

1.  A presente diretiva estabelece um quadro comum de medidas de promoção da eficiência energética na União, a fim de assegurar a realização dos grandes objetivos da União que consistem em aumentar a eficiência energética de 20 % até 2020 e em realizar o objetivo vinculativo de aumento da eficiência energética de 30 % até 2030, e prepara o caminho para novas melhorias da eficiência energética após essas datas. Estabelece regras destinadas a eliminar os obstáculos no mercado da energia e a ultrapassar as deficiências do mercado, que impedem a eficiência no aprovisionamento e na utilização da energia, e prevê o estabelecimento de objetivos e contribuições indicativos nacionais em matéria de eficiência energética para 2020 e 2030.

1.  A presente diretiva estabelece um quadro comum de medidas de promoção da eficiência energética na União, a fim de assegurar a realização dos grandes objetivos da União que consistem em aumentar a eficiência energética de 20 % até 2020 e em realizar um objetivo vinculativo de aumento da eficiência energética de 40 % até 2030, e prepara o caminho para novas melhorias da eficiência energética após essas datas, em conformidade com os objetivos a longo prazo anteriormente fixados em matéria de energia e com os compromissos assumidos no âmbito da União da Energia, bem como com o objetivo climático mundial estabelecido no Acordo de Paris. Estabelece regras destinadas a eliminar os obstáculos no mercado da energia e a ultrapassar as deficiências do mercado, que impedem a eficiência no aprovisionamento e na utilização da energia, e interliga-se com o princípio da União que consiste em dar prioridade à eficiência energética, criando numerosas vantagens para o clima, os cidadãos e as empresas. Além disso, a presente diretiva prevê o estabelecimento de objetivos nacionais em matéria de eficiência energética para 2020 e contribuições e objetivos nacionais vinculativos em matéria de eficiência energética para 2030.

 

A fim de mobilizar financiamento privado para medidas de eficiência energética e obras de renovação energética, a Comissão deve encetar um diálogo financeiro com instituições públicas e privadas para delinear potenciais mecanismos políticos. Dado o elevado potencial das melhorias em termos de eficiência energética no setor da construção, os investimentos neste setor devem ser tidos em conta de forma particular, colocando especialmente a ênfase nos edifícios residenciais com agregados familiares com baixos rendimentos e em risco de pobreza energética. Além disso, para que os investimentos em projetos de eficiência energética sejam mais interessantes e viáveis para os investidores em termos financeiros, a Comissão deve analisar opções para integrar projetos de dimensão reduzida noutros de maior dimensão. A Comissão presta aconselhamento aos Estados-Membros sobre como desbloquear o investimento privado, o mais tardar, em 1 de janeiro de 2019.

Alteração    22

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 1-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 2 – parágrafo 1 – ponto 8-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(1-A)  Ao artigo 2.º é aditado o seguinte ponto 8-A:

 

(8-A)   «Autoridade pública», um governo ou outra administração pública, a nível nacional, regional ou local, incluindo hospitais e unidades de cuidados de saúde, bem como edifícios escolares e de habitação social;

Alteração  23

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 3

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 3

Artigo 3

Objetivos de eficiência energética

Objetivos de eficiência energética

1.   Os Estados-Membros fixam objetivos indicativos nacionais de eficiência energética para 2020 com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final, ou na intensidade energética. Os Estados-Membros comunicam esses objetivos à Comissão em conformidade com o artigo 24.º, n.º 1, e o anexo XIV, parte 1. Ao fazê-lo, os Estados-Membros expressam também esses objetivos em termos de nível absoluto de consumo de energia primária e de consumo de energia final em 2020 e explicam como, e com base em que dados, foi feito esse cálculo.

1.   Os Estados-Membros fixam objetivos indicativos nacionais de eficiência energética para 2020 e um objetivo vinculativo nacional para 2030, com base no consumo de energia primária ou final, nas economias de energia primária ou final, ou na intensidade energética. Os Estados-Membros comunicam esses objetivos à Comissão em conformidade com o artigo 24.º, n.º 1, e o anexo XIV, parte 1. Ao fazê-lo, os Estados-Membros expressam também esses objetivos em termos de nível absoluto de consumo de energia primária e de consumo de energia final em 2020 e explicam como, e com base em que dados, foi feito esse cálculo.

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros têm em conta:

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros têm em conta:

a)  O facto de o consumo de energia na União em 2020 não dever exceder 1 483 Mtep de energia primária nem 1 086 Mtep de energia final;

a)  O facto de o consumo de energia na União em 2020 não dever exceder 1 483 Mtep de energia primária nem 1 086 Mtep de energia final;

b)  As medidas previstas na presente diretiva;

b)  As medidas previstas na presente diretiva;

c)  As medidas adotadas para atingir os objetivos nacionais de economia de energia adotados nos termos do artigo 4.º, n.º 1, da Diretiva 2006/32/CE; e

c)  As medidas adotadas para atingir os objetivos nacionais de economia de energia adotados nos termos do artigo 4.º, n.º 1, da Diretiva 2006/32/CE; e

d)  Outras medidas destinadas a promover a eficiência energética nos Estados-Membros e a nível da União.

d)  Outras medidas destinadas a promover a eficiência energética nos Estados-Membros e a nível da União.

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros podem ter também em conta as especificidades nacionais que influenciam o consumo de energia primária, nomeadamente:

Ao estabelecerem esses objetivos, os Estados-Membros podem ter também em conta as especificidades nacionais que influenciam o consumo de energia primária, nomeadamente:

a)  O potencial remanescente de economias de energia rentáveis;

a)  O potencial remanescente de economias de energia rentáveis;

b)  A evolução e as previsões do PIB;

b)  A evolução e as previsões do PIB;

c)  As alterações verificadas ao nível das importações e exportações de energia;

c)  As alterações verificadas ao nível das importações e exportações de energia;

 

c-A)  Os progressos tecnológicos que possam facilitar a viabilidade dos objetivos;

d)  O desenvolvimento de todas as fontes de energia renováveis, a energia nuclear e a captação e o armazenamento de dióxido de carbono; e

d)  O desenvolvimento de todas as fontes de energia renováveis, a energia nuclear e a captação e o armazenamento de dióxido de carbono; e

 

d-A)  O Acordo de Paris, de dezembro de 2015, que exige que a União e os Estados-Membros mantenham o aumento da temperatura média mundial claramente abaixo dos 2 °C, de preferência a não mais de 1,5 °C; e

 

d-B)  Os objetivos da União em matéria de clima e energia para 2050;

e)  As medidas precoces.

e)  As medidas precoces.

2. Até 30 de junho de 2014, a Comissão avalia os progressos realizados e a probabilidade de a União atingir, em 2020, um consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária e de 1 086 Mtep de energia final.

2. Até 30 de junho de 2014, a Comissão avalia os progressos realizados e a probabilidade de a União atingir, em 2020, um consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária e de 1 086 Mtep de energia final.

3. Ao proceder à avaliação referida no n.º 2, a Comissão:

3. Ao proceder à avaliação referida no n.º 2, a Comissão:

a)  Faz a soma dos objetivos indicativos nacionais de eficiência energética comunicados pelos Estados-Membros;

a)  Faz a soma dos objetivos nacionais de eficiência energética comunicados pelos Estados-Membros;

b)  Avalia se a soma desses objetivos pode ser considerada um guia fiável para saber se a União no seu conjunto está no bom caminho, tendo em conta o exame do primeiro relatório anual elaborado nos termos do artigo 24.º, n.º 1, e o exame dos Planos de Ação Nacionais em matéria de Eficiência Energética apresentados nos termos do artigo 24.º, n.º 2;

b)  Avalia se a soma desses objetivos pode ser considerada um guia fiável e realista, com base em critérios objetivos e não discriminatórios, para saber se a União no seu conjunto está no bom caminho, tendo em conta o exame do primeiro relatório anual elaborado nos termos do artigo 24.º, n.º 1, e o exame dos Planos de Ação Nacionais em matéria de Eficiência Energética apresentados nos termos do artigo 24.º, n.º 2;

c)  Tem em conta análises complementares decorrentes:

c)  Tem em conta análises complementares decorrentes:

i)  da avaliação dos progressos registados em termos de consumo absoluto de energia e de consumo de energia relacionado com a atividade económica a nível da União, designadamente os progressos realizados em termos de eficiência do fornecimento de energia nos Estados-Membros cujos objetivos indicativos nacionais se tenham baseado no consumo de energia final ou nas economias de energia final, incluindo os progressos decorrentes do cumprimento por esses Estados-Membros do disposto no capítulo III da presente diretiva,

i)  da avaliação dos progressos registados em termos de consumo absoluto de energia e de consumo de energia relacionado com a atividade económica a nível da União, designadamente os progressos realizados em termos de eficiência do fornecimento de energia nos Estados-Membros cujos objetivos indicativos nacionais se tenham baseado no consumo de energia final ou nas economias de energia final, incluindo os progressos decorrentes do cumprimento por esses Estados-Membros do disposto no capítulo III da presente diretiva,

ii)  dos resultados dos exercícios de modelização relativos às tendências futuras do consumo de energia a nível da União;

ii)  dos resultados dos exercícios de modelização relativos às tendências futuras do consumo de energia a nível da União;

d)   Compara os resultados obtidos ao abrigo das alíneas a) a c) com a quantidade de energia que seria necessário consumir para atingir, em 2020, o objetivo que consiste num consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária ou de 1 086 Mtep de energia final.

d)   Compara os resultados obtidos ao abrigo das alíneas a) a c) com a quantidade de energia que seria necessário consumir para atingir, em 2020, o objetivo que consiste num consumo máximo de 1 483 Mtep de energia primária ou de 1 086 Mtep de energia final.

4. Cada Estado-Membro deve fixar as contribuições indicativas nacionais de eficiência energética para o objetivo de 2030, referido no artigo 1.º, n.º 1, em conformidade com os artigos [4.º] e [6.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia]. Ao fixar as suas contribuições, os Estados-Membros devem ter em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 321 Mtep de energia primária e 987 Mtep de energia final. Os Estados-Membros devem notificar a Comissão dessas contribuições como parte dos seus planos nacionais integrados em matéria de energia e clima, em conformidade com o procedimento previsto nos artigos [3.º] e [7.º] a [11.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia].

4. Cada Estado-Membro deve identificar o potencial técnico e económico das melhorias na eficiência energética em cada setor, nomeadamente a forma como medidas políticas específicas em todas as fases do sistema energético, desde a fase de fornecimento, transporte e distribuição até à utilização final, permitirá alcançar os objetivos vinculativos nacionais em matéria de eficiência energética em consonância com o objetivo da União para 2030, referido no artigo 1.º, n.º 1, em conformidade com os artigos [4.º] e [6.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia]. Ao fixar os seus objetivos, os Estados-Membros devem ter em conta que o consumo de energia da União em 2030 não poderá ser superior a 1 132 Mtep de energia primária e 849 Mtep de energia final. Os Estados-Membros devem notificar a Comissão dos objetivos nacionais como parte dos seus planos nacionais integrados em matéria de energia e clima, em conformidade com o procedimento previsto nos artigos [3.º] e [7.º] a [11.º] do Regulamento (UE) XX/20XX [Governação da União da Energia]. Os Estados-Membros devem apresentar anualmente à Comissão um relatório sobre os progressos efetuados com vista à realização dos seus objetivos.

Alteração    24

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 2-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 5

 

Texto em vigor

Alteração

 

(2-A)  O artigo 5.º passa a ter a seguinte redação:

«Artigo 5.º

«Artigo 5.º

Papel exemplar dos edifícios dos organismos públicos

Papel exemplar dos edifícios dos organismos públicos

1.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, cada Estado-Membro assegura que, a partir de 1 de janeiro de 2014, sejam renovados todos os anos 3 % da área construída total dos edifícios aquecidos e/ou arrefecidos detidos e ocupados pelas respetivas administrações centrais, a fim de cumprir pelo menos os requisitos mínimos de desempenho energético por si estabelecidos em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE.

1.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, cada Estado-Membro assegura que, a partir de 1 de janeiro de 2014, sejam renovados todos os anos 3 % da área construída total dos edifícios aquecidos e/ou arrefecidos detidos pelas respetivas administrações centrais, a fim de cumprir pelo menos os requisitos mínimos de desempenho energético por si estabelecidos em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE. A partir de 1 de janeiro de 2021, o presente número é aplicável a todos os edifícios aquecidos e/ou arrefecidos detidos e ocupados por autoridades públicas, tendo devidamente em conta as respetivas competências e estrutura administrativa.

Essa taxa de 3 % é calculada sobre a área construída total dos edifícios com uma área útil total superior a 500 m2 detidos e ocupados pela administração central do Estado-Membro em causa e que, em 1 de janeiro de cada ano, não cumpram os requisitos mínimos nacionais de desempenho energético fixados em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE. A partir de 9 de julho de 2015, esse limiar é reduzido para 250 m2.

Essa taxa de 3 % é calculada sobre a área construída total dos edifícios com uma área útil total superior a 500 m2 detidos pela administração central do Estado-Membro em causa e que, em 1 de janeiro de cada ano, não cumpram os requisitos mínimos nacionais de desempenho energético fixados em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE. A partir de 9 de julho de 2015, esse limiar é reduzido para 250 m2 e é aplicável aos edifícios detidos e ocupados por autoridades públicas a partir de 1 de janeiro de 2021, tendo devidamente em conta as respetivas competências e estrutura administrativa.

No caso de um Estado-Membro exigir que a obrigação de renovar todos os anos 3 % da área construída total seja extensiva à área construída detida pelos organismos administrativos situados a um nível inferior ao da administração central, a taxa de 3 % é calculada sobre a área construída total dos edifícios com uma área útil total superior a 500 m2 e, a partir de 9 de julho de 2015, a 250 m2, detidos pela administração central e por esses organismos administrativos do Estado-Membro em causa que, em 1 de janeiro de cada ano, não cumpram os requisitos mínimos nacionais de desempenho energético fixados em aplicação do artigo 4.º da Diretiva 2010/31/UE.

 

Ao aplicarem medidas de renovação total dos edifícios da administração central nos termos do primeiro parágrafo, os Estados-Membros podem optar por considerar o edifício no seu conjunto, incluindo a sua envolvente, os equipamentos e os elementos necessários ao seu funcionamento e manutenção.

Ao aplicarem medidas de renovação total dos edifícios das autoridades públicas nos termos do primeiro parágrafo, os Estados-Membros podem optar por considerar o edifício no seu conjunto, incluindo a sua envolvente, os equipamentos e os elementos necessários ao seu funcionamento e manutenção.

Os Estados-Membros exigem que seja dada prioridade aos edifícios da administração central com mais baixo desempenho energético para a aplicação de medidas de eficiência energética, caso sejam rentáveis e tecnicamente viáveis.

Os Estados-Membros exigem que seja dada prioridade aos edifícios das autoridades públicas com mais baixo desempenho energético para a aplicação de medidas de eficiência energética, caso sejam rentáveis e tecnicamente viáveis.

2.  Os Estados-Membros podem decidir não estabelecer ou não aplicar os requisitos a que se refere o n.º 1 às seguintes categorias de edifícios:

2.  Os Estados-Membros podem decidir não estabelecer ou não aplicar os requisitos a que se refere o n.º 1 às seguintes categorias de edifícios:

a)   Edifícios oficialmente protegidos como parte de um ambiente classificado ou devido ao seu valor arquitetónico ou histórico especial, na medida em que o cumprimento de certos requisitos mínimos de desempenho energético possa alterar de forma inaceitável o seu caráter ou o seu aspeto;

a)   Edifícios oficialmente protegidos como parte de um ambiente classificado ou devido ao seu valor arquitetónico ou histórico especial, na medida em que o cumprimento de certos requisitos mínimos de desempenho energético possa alterar de forma inaceitável o seu caráter ou o seu aspeto;

b)   Edifícios que sejam propriedade das forças armadas ou da administração central e que sirvam para fins de defesa nacional, com exclusão dos edifícios destinados quer ao alojamento individual quer a escritórios das forças armadas e restante pessoal ao serviço das autoridades nacionais de defesa;

b)   Edifícios que sejam propriedade das forças armadas ou da administração central e que sirvam para fins de defesa nacional, com exclusão dos edifícios destinados quer ao alojamento individual quer a escritórios das forças armadas e restante pessoal ao serviço das autoridades nacionais de defesa;

c)   Edifícios utilizados como locais de culto ou para atividades religiosas.

c)   Edifícios utilizados como locais de culto ou para atividades religiosas.

3.  Se, em determinado ano, um Estado-Membro renovar mais de 3 % da área total dos edifícios da administração central, pode contabilizar o excedente na taxa de renovação anual de um dos três anos anteriores ou subsequentes.

3.  Se, em determinado ano, um Estado-Membro renovar mais de 3 % da área total dos edifícios da administração central, pode contabilizar o excedente na taxa de renovação anual de um dos três anos anteriores ou subsequentes.

4.  Os Estados-Membros podem contabilizar, na taxa de renovação anual dos edifícios públicos, edifícios novos ocupados em substituição de edifícios específicos da administração central que tenham sido demolidos num dos dois anos anteriores, ou edifícios que tenham sido vendidos, demolidos ou desativados num dos dois anos anteriores devido a uma utilização mais intensiva de outros edifícios.

4.  Os Estados-Membros podem contabilizar, na taxa de renovação anual dos edifícios das autoridades públicas, edifícios novos ocupados em substituição de edifícios específicos das autoridades públicas que tenham sido demolidos num dos dois anos anteriores, ou edifícios que tenham sido vendidos, demolidos ou desativados num dos dois anos anteriores devido a uma utilização mais intensiva de outros edifícios.

5.  Para efeitos do n.º 1, os Estados-Membros elaboram e divulgam, até 31 de dezembro de 2013, um inventário dos edifícios da administração central aquecidos e/ou arrefecidos com uma área útil total superior a 500 m2 e, a partir de 9 de julho de 2015, a 250 m2, com exceção dos edifícios isentos com base no n.º 2. O inventário contém os seguintes elementos:

5.  Para efeitos do n.º 1, os Estados-Membros elaboram e divulgam, até 31 de dezembro de 2013, um inventário dos edifícios das autoridades públicas aquecidos e/ou arrefecidos com uma área útil total superior a 500 m2 e, a partir de 9 de julho de 2015, a 250 m2, com exceção dos edifícios isentos com base no n.º 2. O inventário contém os seguintes elementos:

a)   A área construída em m2; e

a)   A área construída em m2; e

b)   O desempenho energético de cada edifício ou dados relevantes em termos de energia.

b)   O desempenho energético de cada edifício;

 

c)   A medição do consumo efetivo de energia.

6.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, os Estados-Membros podem optar por uma abordagem alternativa ao previsto nos n.os 1 a 5 do presente artigo e tomar outras medidas rentáveis, incluindo renovações profundas e medidas destinadas a modificar o comportamento dos ocupantes, a fim de conseguirem realizar, até 2020, nos edifícios elegíveis detidos e ocupados pelas respetivas administrações centrais, economias de energia pelo menos equivalentes às previstas no n.º 1.

6.  Sem prejuízo do artigo 7.º da Diretiva 2010/31/UE, os Estados-Membros podem optar por uma abordagem alternativa ao previsto nos n.os 1 a 5 do presente artigo e tomar outras medidas rentáveis, incluindo renovações profundas e medidas destinadas a modificar o comportamento dos ocupantes, a fim de conseguirem realizar, até 2030, nos edifícios elegíveis detidos e ocupados pelas respetivas autoridades públicas, economias de energia pelo menos equivalentes às previstas no n.º 1.

Para efeitos da abordagem alternativa, os Estados-Membros podem calcular as economias de energia geradas pela aplicação do disposto nos n.os 1 a 4 utilizando valores normalizados adequados para determinar o consumo de energia dos edifícios de referência da administração central antes e depois da renovação, e em função de estimativas da sua superfície total. As categorias de edifícios de referência da administração central são representativas do conjunto de edifícios desse tipo.

Para efeitos da abordagem alternativa, os Estados-Membros podem calcular as economias de energia geradas pela aplicação do disposto nos n.os 1 a 4 utilizando valores normalizados adequados para determinar o consumo de energia dos edifícios de referência da administração central antes e depois da renovação, e em função de estimativas da sua superfície total. As categorias de edifícios de referência das autoridades públicas são representativas do conjunto de edifícios desse tipo.

Os Estados-Membros que optem pela abordagem alternativa comunicam à Comissão, até 31 de dezembro de 2013, as medidas alternativas que tencionam adotar, mostrando de que modo contam obter uma melhoria equivalente do desempenho energético dos edifícios pertencentes às suas administrações centrais.

Os Estados-Membros que optem pela abordagem alternativa comunicam à Comissão, no prazo de 6 meses a contar da data de entrada em vigor da presente diretiva, as medidas alternativas que tencionam adotar, mostrando de que modo contam obter uma melhoria equivalente do desempenho energético dos edifícios pertencentes às autoridades públicas.

7.  Os Estados-Membros incentivam os organismos públicos, designadamente a nível regional e local, e os organismos de habitação social de direito público, tendo devidamente em conta as suas competências e a sua estrutura administrativa, a:

7.  Os Estados-Membros incentivam os organismos públicos, designadamente a nível regional e local, e os organismos de habitação social de direito público, tendo devidamente em conta as suas competências e a sua estrutura administrativa, a:

a)   Adotar um plano de eficiência energética, isolado ou integrado num plano mais vasto no domínio do clima ou do ambiente, que preveja objetivos e medidas específicas em matéria de economia de energia e de eficiência energética, a fim de seguir o exemplo dos edifícios da administração central apresentado nos n.os 1, 5 e 6;

a)   Adotar um plano de eficiência energética e uma estratégia de renovação a longo prazo para cada edifício, isolados ou integrados num plano mais vasto no domínio do clima ou do ambiente, que prevejam objetivos e medidas específicas em matéria de economia de energia e de eficiência energética, bem como avaliações dos custos ao longo do ciclo de vida, a fim de seguir o exemplo dos edifícios das autoridades públicas apresentado nos n.os 1, 5 e 6;

b)   Pôr em prática um sistema de gestão da energia, que inclua a realização de auditorias energéticas, como parte integrante da execução do seu plano;

b)   Pôr em prática um sistema de gestão da energia, que inclua a realização de auditorias energéticas, como parte integrante da execução do seu plano;

c)   Recorrer, se necessário, a empresas de serviços energéticos e a contratos de desempenho energético para financiar obras de renovação e para executar planos destinados a manter ou aumentar a eficiência energética a longo prazo.

c)   Recorrer, se necessário, a empresas de serviços energéticos e a contratos de desempenho energético para financiar obras de renovação e para executar planos destinados a manter ou aumentar a eficiência energética a longo prazo.

 

7-A.  Os Estados-Membros devem apresentar um relatório sobre as economias de energia anuais resultantes das renovações, incluindo a percentagem de renovações profundas, e sobre a área construída total renovada, em conformidade com o artigo 19.º do Regulamento Governação [ ].

Alteração    25

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – título e n.º 1

 

Texto da Comissão

Alteração

Obrigação de economia de energia

Regimes de apoio à poupança de energia

1. Os Estados-Membros devem atingir economias de energia cumulativas na utilização final equivalentes pelo menos:

1. A fim de garantir o cumprimento dos objetivos da União para 2050 em matéria de energia e clima e os objetivos a longo prazo estabelecidos no Acordo de Paris, os Estados-Membros devem atingir economias de energia cumulativas na utilização final equivalentes pelo menos:

a)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2013;

a)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2014 a 31 de dezembro de 2020, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2013;

b)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2030, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2019.

b)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2030, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2019;

 

b-A)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2031 a 31 de dezembro de 2040, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2029;

 

b-B)  À realização anual, de 1 de janeiro de 2041 a 31 de dezembro de 2050, de novas economias que ascendam a 1,5 % do volume das vendas anuais de energia aos clientes finais, calculadas com base na média do último período de três anos anterior a 1 de janeiro de 2039.

 

Se as análises da Comissão apontarem para essa necessidade, os Estados-Membros ajustam as suas obrigações anuais de economias de energia, com base nos seguintes períodos: 2014-2020, 2021-2030, 2031-2040 e 2041-2050.

Alteração    26

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – n.º 1 – parágrafo 2

 

Texto da Comissão

Alteração

Os Estados-Membros devem continuar a realizar novas economias anuais de 1,5 % por período de dez anos após 2030, a menos que as análises efetuadas pela Comissão até 2027 e, posteriormente, com uma periodicidade de 10 anos concluírem que tal não é necessário para atingir os objetivos a longo prazo da União em matéria de energia e clima para 2050.

Os Estados-Membros devem continuar a realizar novas economias anuais de 1,5 % para os períodos 2031-2040 e 2041-2050, a menos que as análises com base em critérios objetivos e não discriminatórios estabelecidos pela Comissão até 2027 e, posteriormente, com uma periodicidade de 10 anos concluírem que, para atingir os objetivos a longo prazo da União em matéria de energia e clima para 2050, a obrigação anual de economias de energia deve ser ajustada.

Alteração    27

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – n.º 1 – parágrafo 3

 

Texto da Comissão

Alteração

Para efeitos da alínea b), e sem prejuízo do disposto nos n.os 2 e 3, os Estados-Membros podem contabilizar apenas as economias de energia resultantes das novas medidas políticas introduzidas após 31 de dezembro de 2020 ou das medidas políticas introduzidas durante o período compreendido entre 1 de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2020, desde seja possível demonstrar que tais medidas resultam na execução de ações específicas empreendidas após 31 de dezembro de 2020 e geram economias.

Para efeitos da alínea b), e sem prejuízo do disposto nos n.os 2 e 3, os Estados-Membros podem contabilizar apenas as economias de energia resultantes das novas medidas políticas introduzidas após 31 de dezembro de 2020 ou antes desta data, desde seja possível demonstrar que tais medidas resultam na execução de novas ações específicas empreendidas após 31 de dezembro de 2020 e geram novas economias.

Alteração    28

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – n.º 1 – parágrafo 4

 

Texto da Comissão

Alteração

As vendas de energia, em volume, utilizada nos transportes podem ser total ou parcialmente excluídas destes cálculos.

De 2014 a 2020, as vendas de energia, em volume, utilizada nos transportes podem ser total ou parcialmente excluídas destes cálculos. A partir de 2021, as vendas de energia, em volume, utilizada nos transportes não podem ser excluídas destes cálculos.

Alteração    29

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – n.º 1 – parágrafo 5

 

Texto da Comissão

Alteração

Os Estados-Membros determinam de que modo a quantidade estimada de novas economias deve ser repartida ao longo de cada um dos períodos referidos nas alíneas a) e b), desde que o total das economias cumulativas exigidas seja atingido no final de cada período.

Os Estados-Membros determinam de que modo a quantidade estimada de novas economias deve ser repartida ao longo de cada um dos períodos referidos nas alíneas a), b), b-A) e b-B), desde que o total das economias cumulativas exigidas seja atingido no final de cada período.

Justificação

Estas disposições devem ser igualmente aplicáveis aos períodos de 2030-2050, a fim de garantir um quadro estável necessário para os investimentos.

Alteração    30

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – n.º 2

 

Texto da Comissão

Alteração

2.  Sem prejuízo do n.º 3, os Estados-Membros podem:

2.  Sem prejuízo do n.º 3, os Estados-Membros podem:

a)  Efetuar o cálculo previsto no n.º 1, alínea a), utilizando valores iguais a 1 % em 2014 e 2015; 1,25 % em 2016 e 2017; e 1,5 % em 2018, 2019 e 2020;

a)  Efetuar o cálculo previsto no n.º 1, alínea a), utilizando valores iguais a 1 % em 2014 e 2015; 1,25 % em 2016 e 2017; e 1,5 % em 2018, 2019 e 2020;

b)  Excluir do cálculo a totalidade ou parte das vendas, em volume, da energia utilizada nas atividades industriais enumeradas no anexo I da Diretiva 2003/87/CE;

 

c)  Permitir que as economias de energia obtidas nos setores da transformação, distribuição e transporte de energia, incluindo as infraestruturas de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente, graças à aplicação dos requisitos estabelecidos no artigo 14.º, n.º 4, no artigo 14.º, n.º 5, alínea b), e no artigo 15.º, n.os 1 a 6 e n.º 9, sejam contabilizadas como fazendo parte das economias de energia exigidas por força do n.º 1;

c)  Permitir que as economias de energia obtidas nos setores da transformação, distribuição e transporte de energia, incluindo as infraestruturas de aquecimento e arrefecimento urbano eficiente, graças à aplicação dos requisitos estabelecidos no artigo 14.º, n.º 4, no artigo 14.º, n.º 5, alínea b), e no artigo 15.º, n.os 1 a 6 e n.º 9, sejam contabilizadas como fazendo parte das economias de energia exigidas por força do n.º 1;

d)  Contabilizar, como fazendo parte das economias de energia a que se refere o n.º 1, as economias de energia resultantes de ações específicas cuja execução tenha sido iniciada a partir de 31 de dezembro de 2008, que continuam a produzir efeitos em 2020 e além e que podem ser medidas e verificadas; e

 

e)  Excluir do cálculo do requisito de economia de energia a que se refere o n.º 1 a quantidade verificável de energia produzida nos edifícios para consumo próprio, em resultado de medidas políticas de promoção da nova instalação de tecnologias relacionadas com as energias renováveis.

 

Alteração    31

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – n.º 3

 

Texto da Comissão

Alteração

3.  No seu conjunto, as opções tomadas ao abrigo do n.º 2 não podem exceder 25 % das economias de energia a que se refere o n.º 1. Os Estados-Membros devem aplicar e calcular o efeito das opções tomadas para os períodos referidos no n.º 1, alíneas a) e b), separadamente:

3.  No seu conjunto, as opções tomadas ao abrigo do n.º 2 não podem exceder 25 % das economias de energia a que se refere o n.º 1. Os Estados-Membros devem aplicar e calcular o efeito das opções tomadas para os períodos referidos no n.º 1, alíneas a) e b), separadamente:

a)  Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alínea a), os Estados-Membros podem aplicar o n.º 2, alíneas a), b), c) e d);

a)  Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alínea a), os Estados-Membros podem aplicar o n.º 2, alíneas a) e c);

b)  Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alínea b), os Estados-Membros podem aplicar o n.º 2, alíneas b), c), d) e e), desde que as ações específicas na aceção da alínea d) continuem a ter um impacto verificável e mensurável após 31 de dezembro de 2020.

b)  Para calcular as economias de energia exigidas para o período a que se refere o n.º 1, alíneas b), b-A) e b-B), os Estados-Membros podem aplicar o n.º 2, alínea c);

Alteração    32

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 3

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7 – n.º 7

 

Texto da Comissão

Alteração

7.  Os Estados-Membros devem demonstrar que, caso se verifique uma sobreposição do impacto das medidas políticas e das ações específicas, não é efetuada uma dupla contabilização das economias de energia.

7.  Embora reconhecendo que os ganhos de eficiência da energia primária e final são complementares, os Estados-Membros devem demonstrar que, caso se verifique uma sobreposição do impacto das medidas políticas e das ações específicas, não é efetuada uma dupla contabilização das economias de energia.

Alteração    33

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-A

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 7.º-A

Artigo 7.º-A

Regimes de obrigação de eficiência energética

Regimes de apoio em matéria de eficiência energética

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de um regime de obrigação de eficiência energética, os Estados-Membros asseguram que as partes sujeitas a obrigação a que se refere o n.º 2 que exercem a sua atividade no território de um Estado-Membro atinjam, sem prejuízo do disposto no artigo 7.º, n.º 2, o requisito cumulativo de economias finais de energia previsto no artigo 7.º, n.º 1.

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de um regime de apoio em matéria de eficiência energética, os Estados-Membros asseguram que as partes sujeitas a obrigação a que se refere o n.º 2 que exercem a sua atividade no território de um Estado-Membro atinjam, sem prejuízo do disposto no artigo 7.º, n.º 2, o requisito cumulativo de economias finais de energia previsto no artigo 7.º, n.º 1.

2.  Os Estados-Membros designam, com base em critérios objetivos e não discriminatórios, as partes sujeitas a obrigação de entre as empresas de distribuição e/ou venda de energia a retalho que operam no seu território, podendo incluir os distribuidores ou revendedores de combustível para transportes que operam no seu território. A quantidade de economias de energia necessária para cumprir a obrigação imposta é alcançada pelas partes sujeitas a obrigação entre os clientes finais designados pelo Estado-Membro, independentemente do cálculo feito nos termos do artigo 7.º, n.º 1, ou, se os Estados-Membros assim o decidirem, através de economias certificadas provenientes de outras partes, tal como descrito no n.º 5, alínea b).

2.  Os Estados-Membros designam, com base em critérios objetivos e não discriminatórios, as partes sujeitas a obrigação de entre as empresas de distribuição e/ou venda de energia a retalho que operam no seu território, devendo incluir os distribuidores e revendedores de combustível para transportes que operam no seu território. A quantidade de economias de energia necessária para cumprir a obrigação imposta é alcançada pelas partes sujeitas a obrigação entre os clientes finais designados pelo Estado-Membro, independentemente do cálculo feito nos termos do artigo 7.º, n.º 1, ou, se os Estados-Membros assim o decidirem, através de economias certificadas provenientes de outras partes, tal como descrito no n.º 5, alínea b).

3.  Os Estados-Membros exprimem a quantidade de economias de energia exigida a cada parte sujeita a obrigação em termos de consumo de energia final ou primária. O método escolhido para exprimir a quantidade exigida de economias de energia deve ser também utilizado para o cálculo das economias declaradas pelas partes sujeitas a obrigação. Aplicam-se os fatores de conversão previstos no anexo IV.

3.  Os Estados-Membros exprimem a quantidade de economias de energia exigida a cada parte sujeita a obrigação em termos de consumo de energia final ou primária. O método escolhido para exprimir a quantidade exigida de economias de energia deve ser também utilizado para o cálculo das economias declaradas pelas partes sujeitas a obrigação. Aplicam-se os fatores de conversão previstos no anexo IV.

4.  Os Estados-Membros estabelecem sistemas de medição, controlo e verificação que permitam realizar auditorias documentadas a uma parte estatisticamente significativa e que constitua uma amostra representativa das medidas de melhoria da eficiência energética aplicadas pelas partes sujeitas a obrigação. Este processo de medição, controlo e verificação é conduzido independentemente das partes sujeitas a obrigação.

4.  Os Estados-Membros estabelecem sistemas de medição, controlo e verificação que permitam realizar auditorias documentadas a uma parte estatisticamente significativa e que constitua uma amostra representativa das medidas de melhoria da eficiência energética aplicadas pelas partes sujeitas a obrigação. Este processo de medição, controlo e verificação é conduzido independentemente das partes sujeitas a obrigação.

5.  No âmbito do regime de obrigação de eficiência energética, os Estados-Membros:

5.  No âmbito do regime de apoio em matéria de eficiência energética, os Estados-Membros:

a)  Incluem requisitos com uma finalidade social nas obrigações que impõem em matéria de economias de energia, nomeadamente exigindo que uma parte das medidas de eficiência energética seja aplicada prioritariamente aos agregados familiares afetados pela pobreza energética e às habitações sociais;

a)  Incluem e divulgam ao público requisitos com uma finalidade social nas obrigações que impõem em matéria de economias de energia, nomeadamente exigindo que uma parte significativa das medidas de eficiência energética seja aplicada prioritariamente aos agregados familiares com baixos rendimentos em risco de pobreza energética e às habitações sociais, e facilitam o acesso ao apoio financeiro necessário através de instrumentos financeiros adequados;

b)  Podem autorizar as partes sujeitas a obrigação a contabilizarem, para esse efeito, as economias de energia certificadas realizadas pelos prestadores de serviços energéticos ou por terceiros, inclusive nos casos em que as partes sujeitas a obrigação promovam, através de outros organismos autorizados pelo Estado ou de entidades públicas, a adoção de medidas que possam ou não envolver parcerias formais e ser combinadas com outras fontes de financiamento. Caso os Estados-Membros o permitam, asseguram que seja aplicado um processo de aprovação claro, transparente e aberto a todos os intervenientes no mercado, que vise minimizar os custos da certificação;

b)  Autorizam as partes sujeitas a obrigação a contabilizarem, para esse efeito, as economias de energia certificadas realizadas pelos prestadores de serviços energéticos ou por terceiros, inclusive nos casos em que as partes sujeitas a obrigação promovam, através de outros organismos autorizados pelo Estado, como fornecedores de habitação social, ou de entidades públicas, a adoção de medidas que possam ou não envolver parcerias formais e ser combinadas com outras fontes de financiamento. Caso os Estados-Membros o permitam, asseguram que seja aplicado um processo de aprovação claro, transparente e aberto a todos os intervenientes no mercado, que vise minimizar os custos da certificação;

c)  Podem autorizar as partes sujeitas a obrigação a contabilizarem as economias obtidas num dado ano como tendo sido obtidas num dos quatro anos anteriores ou num dos três anos seguintes, desde que tal não ultrapasse o fim dos períodos obrigatórios previstos no artigo 7.º, n.º 1.

c)  Podem autorizar as partes sujeitas a obrigação a contabilizarem as economias obtidas num dado ano como tendo sido obtidas num dos quatro anos anteriores ou num dos três anos seguintes, desde que tal não ultrapasse o fim dos períodos obrigatórios previstos no artigo 7.º, n.º 1.

6.  Uma vez por ano, os Estados-Membros publicam as economias de energia realizadas por cada parte sujeita a obrigação, ou por cada subcategoria de parte sujeita a obrigação, bem como o total a que ascendem no âmbito do regime.

6.  Uma vez por ano, os Estados-Membros publicam as economias de energia realizadas por cada parte sujeita a obrigação, ou por cada subcategoria de parte sujeita a obrigação, bem como o total a que ascendem no âmbito do regime.

Alteração    34

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 7-B

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 7.º-B

Artigo 7.º-B

Medidas políticas alternativas

Medidas políticas alternativas

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de medidas políticas alternativas, os Estados-Membros asseguram que essas economias de energia são realizadas entre os clientes finais.

1.  Caso decidam cumprir as suas obrigações de realização das economias exigidas por força do artigo 7.º, n.º 1, através de medidas políticas alternativas, os Estados-Membros asseguram que essas economias de energia são realizadas entre os clientes finais.

2.  Ao conceberem medidas políticas alternativas para realizar economias de energia, os Estados-Membros têm em conta o efeito sobre os agregados familiares afetados pela pobreza energética.

2.  Ao conceberem medidas políticas alternativas para realizar economias de energia e para garantir a realização de uma renovação energética ambiciosa dos edifícios existentes, os Estados-Membros adotam medidas que beneficiem os agregados familiares com baixos rendimentos e em risco de pobreza energética ou residentes em habitações sociais. Essas medidas são divulgadas ao público.

3.  Para todas as medidas que não sejam medidas fiscais, os Estados-Membros estabelecem sistemas de medição, controlo e verificação que permitam realizar auditorias documentadas a uma parte estatisticamente significativa e que constitua uma amostra representativa das medidas de melhoria da eficiência energética aplicadas pelas partes intervenientes ou executantes. Este processo de medição, controlo e verificação é conduzido de forma independente das partes intervenientes e executantes.

3.  Para todas as medidas que não sejam medidas fiscais, os Estados-Membros estabelecem sistemas de medição, controlo e verificação que permitam realizar auditorias documentadas a uma parte estatisticamente significativa e que constitua uma amostra representativa das medidas de melhoria da eficiência energética aplicadas pelas partes intervenientes ou executantes. Este processo de medição, controlo e verificação é conduzido de forma independente das partes intervenientes e executantes.

Alteração    35

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 8 – n.º 4

 

Texto em vigor

Alteração

 

(4-A)  No artigo 8.º, o n.º 4 passa a ter a seguinte redação:

«4.  Os Estados-Membros asseguram que as empresas que não sejam PME sejam objeto de uma auditoria energética realizada de forma independente e rentável por peritos qualificados e/ou acreditados, ou executada e supervisionada por autoridades independentes ao abrigo da legislação nacional, até 5 de dezembro de 2015 e, em seguida, pelo menos de quatro em quatro anos a contar da última auditoria energética.»

«4.  Os Estados-Membros asseguram que as empresas que não sejam PME sejam objeto de uma auditoria energética realizada de forma independente e rentável por peritos qualificados e/ou acreditados, ou executada e supervisionada por autoridades independentes ao abrigo da legislação nacional, até 5 de dezembro de 2015 e, em seguida, pelo menos de quatro em quatro anos a contar da última auditoria energética.

 

Os Estados-Membros incentivam as PME com um consumo de energia por volume de negócios mais elevado do que a média da UE a cumprir os requisitos estabelecidos no presente número.»

Alteração    36

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 4-B (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 8 – n.º 6

 

Texto em vigor

Alteração

 

(4-B)  No artigo 8.º, o n.º 6 passa a ter a seguinte redação:

«6.  As empresas que não sejam PME e que aplicam um sistema de gestão da energia ou do ambiente certificado por um organismo independente nos termos das normas europeias ou internacionais relevantes, ficam dispensadas do cumprimento dos requisitos previstos no n.º 4, desde que os Estados-Membros assegurem que o sistema de gestão em causa inclui uma auditoria energética realizada com base nos critérios mínimos decorrentes do Anexo VI.»

«6.  As empresas que não sejam PME e as empresas que sejam PME e tenham um consumo elevado de energia por trabalhador e por volume de negócios e que apliquem um sistema de gestão da energia ou do ambiente certificado por um organismo independente nos termos das normas europeias ou internacionais relevantes, ficam dispensadas do cumprimento dos requisitos previstos no n.º 4, desde que os Estados-Membros assegurem que o sistema de gestão em causa inclui uma auditoria energética realizada com base nos critérios mínimos decorrentes do Anexo VI.»

Alteração 37

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 5 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 9 – n.º 1 – parágrafo 1

 

Texto da Comissão

Alteração

Os Estados-Membros asseguram que, na medida em que tal seja tecnicamente viável, financeiramente razoável e proporcionado em relação às economias de energia potenciais, sejam fornecidos aos consumidores finais de gás natural contadores individuais a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do consumidor final e que deem informações sobre o respetivo período real de utilização.

Os Estados-Membros asseguram que, na medida em que tal seja tecnicamente viável, eficaz em termos de custos e proporcionado em relação às economias de energia potenciais, sejam fornecidos aos consumidores finais de gás natural contadores individuais a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do consumidor final e que deem informações sobre o respetivo período real de utilização.

Justificação

Os consumidores têm o direito de dispor de uma informação clara, compreensível e atempada sobre o seu consumo de energia. No entanto, os contadores de calor e os calorímetros em edifícios de apartamentos ou edifícios multiusos só se justificam se tal for tecnicamente viável, eficaz em termos de custos e proporcionado em relação às economias de energia potenciais; a não ser assim, podem ter consequências indesejáveis, como a criação de novos riscos de pobreza energética, em vez de a combater, e podem entravar outras medidas suscetíveis de ter melhores resultados em termos de eficiência energética para os consumidores.

Alteração    38

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 6

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 9-A

 

Texto da Comissão

Alteração

Artigo 9.º-A

Artigo 9.º-A

Contagem, submedição e repartição dos custos do aquecimento, do arrefecimento e da água quente para uso doméstico

Contagem, submedição e repartição dos custos do aquecimento, do arrefecimento e da água quente para uso doméstico

1. Os Estados-Membros asseguram que sejam fornecidos aos clientes finais de sistemas urbanos de aquecimento, de sistemas urbanos de arrefecimento e de água quente para uso doméstico contadores a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do cliente final.

1. Os Estados-Membros asseguram que sejam fornecidos aos clientes finais de sistemas urbanos de aquecimento, de sistemas urbanos de arrefecimento e de água quente para uso doméstico contadores a preços competitivos que reflitam com exatidão o consumo real de energia do cliente final.

Se o aquecimento e o arrefecimento ou a água quente de um edifício forem alimentados por uma fonte central que sirva vários edifícios ou por uma rede de aquecimento e arrefecimento urbano, deve ser sempre instalado um calorímetro ou um contador de água quente no permutador de calor ou no ponto de chegada.

Se o aquecimento, o arrefecimento ou a água quente de um edifício forem alimentados por uma fonte central que sirva vários edifícios ou por uma rede de aquecimento ou arrefecimento urbano, deve ser sempre instalado um calorímetro ou um contador de água quente no permutador de calor ou no ponto de chegada.

2.  Nos prédios de apartamentos e nos edifícios multiusos alimentados por uma fonte de aquecimento ou arrefecimento central ou por redes de aquecimento ou arrefecimento urbano, devem ser instalados contadores individuais para medir o consumo de calor, de frio ou de água quente de cada fração do edifício.

2.  Nos prédios de apartamentos e nos edifícios multiusos alimentados por uma fonte de aquecimento ou arrefecimento central ou por redes de aquecimento ou arrefecimento urbano, devem ser instalados contadores individuais para medir o consumo de calor, de frio ou de água quente de cada fração do edifício, se tal for tecnicamente viável, eficaz em termos de custos e proporcionado em relação às economias de energia potenciais.

Se a utilização de contadores individuais não for tecnicamente viável ou rentável para medir o calor ou o frio em cada fração, devem ser utilizados calorímetros individuais para medir o consumo de calor em cada aquecedor, a não ser que o Estado-Membro em causa prove que a instalação desses calorímetros não seria eficiente em termos de custos. Nesses casos, poderá ponderar-se o recurso a métodos alternativos de medição do consumo de calor que sejam eficientes em termos de custos. Os Estados-Membros devem definir claramente e publicar as condições de não-exequibilidade técnica e não-eficiência em termos de custos.

Se a utilização de contadores individuais não for tecnicamente viável, rentável ou proporcionada em relação às economias de energia potenciais para medir o calor ou o frio em cada fração, devem ser utilizados calorímetros individuais para medir o consumo de calor em cada aquecedor, a não ser que o Estado-Membro em causa prove que a instalação desses calorímetros não seria eficiente em termos de custos. Nesses casos, poderá ponderar-se o recurso a métodos alternativos de medição do consumo de calor que sejam eficientes em termos de custos. Os Estados-Membros devem definir claramente e publicar as condições de não-exequibilidade técnica e não-eficiência em termos de custos.

Nos novos edifícios do tipo a que se refere o primeiro parágrafo ou caso um edifício seja objeto de grandes obras de renovação, tal como definidas na Diretiva 2010/31/UE, devem sempre ser instalados contadores individuais.

Nos novos edifícios do tipo a que se refere o primeiro parágrafo ou caso um edifício seja objeto de grandes obras de renovação, tal como definidas na Diretiva 2010/31/UE, devem ser instalados contadores de água quente, sempre que tal seja tecnicamente possível, eficaz em termos de custos e proporcionado em relação à potencial poupança de energia, assegurando simultaneamente que tal não implique um aumento do risco de pobreza energética.

3.  Se os prédios de apartamentos e os edifícios multiusos forem alimentados por um sistema de aquecimento e arrefecimento urbano, ou se forem alimentados principalmente por sistemas próprios comuns de aquecimento ou arrefecimento, os Estados-Membros, a fim de assegurar a transparência e a exatidão da contagem do consumo individual, estabelecem regras transparentes em matéria de repartição dos custos do consumo de aquecimento, arrefecimento ou água quente nesses edifícios, incluindo:

3.  Se os prédios de apartamentos e os edifícios multiusos forem alimentados por um sistema de aquecimento e arrefecimento urbano, ou se forem alimentados principalmente por sistemas próprios comuns de aquecimento ou arrefecimento, os Estados-Membros, a fim de assegurar a transparência e a exatidão da contagem do consumo individual, estabelecem e divulgam ao público regras transparentes a nível nacional em matéria de repartição dos custos do consumo de aquecimento, arrefecimento ou água quente nesses edifícios, incluindo:

4. Para efeitos do presente artigo, a partir de 1 de janeiro de 2020, os contadores e calorímetros instalados devem ser dispositivos de leitura à distância.

4. Para efeitos do presente artigo, a partir de 1 de janeiro de 2020, os contadores e calorímetros de radiador instalados devem ser dispositivos de leitura à distância. Continuam a ser aplicáveis as condições de viabilidade técnica e de rentabilidade definidas no n.º 2, primeiro e segundo parágrafos.

Os contadores e calorímetros já instalados que não permitam a leitura à distância devem ser equipados com essa capacidade ou substituídos por dispositivos de leitura à distância até 1 de janeiro de 2027, exceto se o Estado-Membro em causa provar que essa modificação ou substituição não é eficiente em termos de custos.

Os contadores e calorímetros já instalados que não permitam a leitura à distância devem ser equipados com essa capacidade ou substituídos por dispositivos de leitura à distância até 1 de janeiro de 2027, exceto se o Estado-Membro em causa provar que essa modificação ou substituição não é eficiente em termos de custos.

Alteração    39

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 7 – alínea c)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10 – n.º 2 – parágrafo 1

 

Texto da Comissão

Alteração

Os contadores instalados em conformidade com as Diretivas 2009/72/CE e 2009/73/CE permitem obter informações exatas sobre a faturação baseadas no consumo efetivo. Os Estados-Membros asseguram que os consumidores finais possam aceder facilmente a informações complementares sobre o seu histórico de consumo que lhes permitam efetuar eles próprios verificações pormenorizadas.

Os contadores instalados em conformidade com as Diretivas 2009/72/CE e 2009/73/CE permitem obter informações exatas sobre a faturação baseadas no consumo efetivo. Os Estados-Membros asseguram que os consumidores finais possam aceder facilmente a informações complementares sobre o seu histórico de consumo que lhes permitam efetuar eles próprios verificações pormenorizadas. A fim de assegurar a privacidade dos consumidores finais, os Estados-Membros devem garantir que os contadores assegurem a privacidade e sejam utilizados de acordo com os requisitos do Regulamento (UE) 2016/679 (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados). Os Estados-Membros devem também ter em conta a importância da resistência ao cibercrime nos sistemas de medição. Neste contexto, a Comissão examina, antes de 1 de janeiro de 2019, se a Diretiva 2013/40/UE (relativa a ataques contra os sistemas de informação) deve ser atualizada de modo a incluir sistemas de medição.

Alteração    40

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 8

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10-A – n.º 1 – parágrafo 1

 

Texto da Comissão

Alteração

Os Estados-Membros asseguram a todos os utilizadores finais com contadores ou calorímetros instalados que as informações sobre a faturação e o consumo sejam exatas e baseadas no consumo real, em conformidade com os pontos 1 e 2 do anexo VII-A.

Os Estados-Membros asseguram a todos os consumidores finais com contadores ou calorímetros instalados que as informações sobre a faturação e o consumo ou as leituras do calorímetro sejam exatas e baseadas no consumo real, em conformidade com os pontos 1 e 2 do anexo VII-A.

Alteração    41

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 8

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10-A – n.º 1 – parágrafo 2-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

Os Estados-Membros podem decidir quem deve fornecer as informações sobre a faturação e o consumo com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro aos utilizadores finais, ou seja, as pessoas singulares ou coletivas que ocupam um edifício individual ou uma fração de um prédio de apartamentos ou edifício multiusos, cujo aquecimento, arrefecimento ou fornecimento de água quente provenha de uma fonte central e que não tenham contrato direto ou individual com o fornecedor de energia.

Justificação

The obligation of delivering billing and consumption information to final users is not always possible to fulfil with heat cost allocators because they do not measure actual heat consumption and it will be very expensive and technically complicated replace them with energy meters. Billing information on heat consumption based on heat meter readings should be provided as a rule only to the final customer. The scope of information delivered to final users (in case they are not final customers), should be decided individually by Member States, taking into account the specificity of the building infrastructure in each area and the current legal status.

Alteração    42

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 8

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10-A – n.º 2 – alínea a)

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  Exigem que, caso existam, as informações sobre a faturação de energia e o histórico de consumo do utilizador final sejam disponibilizadas ao prestador de serviços energéticos designado pelo utilizador final;

a)  Exigem que, caso existam, as informações sobre a faturação de energia e o histórico de consumo ou as leituras dos calorímetros do consumidor final sejam disponibilizadas, a pedido deste, ao prestador de serviços energéticos designado pelo consumidor final;

Alteração    43

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 8

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 10-A – n.º 2 – alínea c)

 

Texto da Comissão

Alteração

c)  Asseguram que, juntamente com a fatura baseada no consumo efetivo, sejam fornecidas informações adequadas a todos os utilizadores finais em conformidade com o anexo VII, ponto 3;

c)  Asseguram que, juntamente com a fatura baseada no consumo efetivo ou nas leituras dos calorímetros, sejam fornecidas informações adequadas a todos os consumidores finais em conformidade com o anexo VII-A, ponto 3;

Alteração    44

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 11-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 19-A (novo)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

(11-A)  É inserido o seguinte artigo 19.º-A:

 

Artigo 19.º-A

 

Financiamento da eficiência energética pelos bancos europeus

 

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) devem adaptar os seus objetivos estratégicos com vista a reconhecer a eficiência energética como uma fonte de energia em si e os seus investimentos na eficiência energética como parte da sua carteira de investimentos em infraestruturas.

 

O BEI e o BERD devem, juntamente com os bancos de fomento nacionais, conceber, criar e financiar programas e projetos adaptados ao setor da eficiência, inclusivamente para agregados familiares em situação de pobreza energética.

 

Os Estados-Membros devem tirar pleno partido das possibilidades e ferramentas propostas pela iniciativa «Financiamento Inteligente para Edifícios Inteligentes».

Justificação

É necessária uma mudança gradual para que as instituições financeiras disponibilizem os instrumentos financeiros adequados para investimentos em grande escala na eficiência energética.

Alteração    45

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 12-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 24 – n.º 4

 

Texto em vigor

Alteração

 

(12-A)  No artigo 24.º, o n.º 4 passa a ter a seguinte redação:

4.   A Comissão acompanha o impacto da aplicação da presente diretiva nas Diretivas 2003/87/CE, 2009/28/CE e 2010/31/UE e na Decisão n.º 406/2009/CE, bem como nos setores industriais expostos a riscos significativos de fuga de carbono, conforme determinado pela Decisão 2010/2/UE.

A Comissão acompanha o impacto da aplicação da presente diretiva nas Diretivas 2003/87/CE, 2009/28/CE e 2010/31/UE e no Regulamento n.º ... (Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo às reduções anuais obrigatórias das emissões de gases com efeito de estufa pelos Estados-Membros entre 2021 e 2030 para uma União da Energia resiliente e para cumprir os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e que altera o Regulamento (UE) n.º 525/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo à criação de um mecanismo de monitorização e de comunicação de informações sobre emissões de gases com efeito de estufa e de outras informações relevantes no que se refere às alterações climáticas) e, todos os anos, apresenta um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho. Se, com base nos relatórios periódicos, a Comissão concluir que a interação das políticas conduz a um mau funcionamento do mercado do carbono, deve apresentar uma proposta legislativa com medidas para melhorar o seu funcionamento.

 

(O ponto original/atual (13) e o ponto (14) da proposta serão renumerados, passando a ser, respetivamente, ponto (14) e ponto (15)).

Justificação

Dado o frágil equilíbrio entre a oferta e a procura esperado após 2020, a quebra adicional da procura causada pelas sobreposições do RCLE-UE com outras políticas climáticas poderá traduzir-se numa situação em que a concessão de licenças será constantemente igual ou superior à respetiva procura. Por conseguinte, o efeito negativo das políticas climáticas sobrepostas deve ser neutralizado colocando na reserva de estabilização do mercado o volume de licenças equivalente à redução de emissões alcançada fora do mercado do RCLE-UE.

Alteração    46

Proposta de diretiva

Artigo 1 – parágrafo 1 – ponto 13

Diretiva 2012/27/UE

Artigo 24 – n.º 12

 

Texto da Comissão

Alteração

12.  A Comissão procede à avaliação da presente diretiva até 28 de fevereiro de 2024 e, seguidamente, de cinco em cinco anos, e apresenta um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho. Esse relatório é acompanhado, se for caso disso, de propostas de novas medidas.

12.  A Comissão procede a uma revisão geral da presente diretiva no prazo de seis meses a contar do balanço mundial da CQNUAC em 2023 e, seguidamente, após os balanços mundiais subsequentes, e apresenta um relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho sobre a avaliação da eficácia geral da presente diretiva e a necessidade de adaptar a política de eficiência energética da União aos objetivos do Acordo de Paris. Esse relatório é acompanhado, se for caso disso, de propostas de novas medidas.

Justificação

A revisão da presente diretiva deve ser enquadrada no novo contexto mundial na sequência da adoção do Acordo de Paris. Medidas ambiciosas em matéria de eficiência energética serão instrumentos essenciais para o cumprimento das obrigações da União e deverão ser atualizadas de cinco em cinco anos.

Alteração    47

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 1 – alínea a)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo IV – nota de rodapé 3

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  No anexo IV, a nota de rodapé 3 passa a ter a seguinte redação: «(3) Aplicável quando a economia de energia é calculada em termos de energia primária seguindo uma abordagem base-topo baseada no consumo de energia final. Para as economias em kWh de eletricidade, os Estados-Membros podem aplicar um coeficiente implícito de 2,0, tendo também a possibilidade de aplicar um coeficiente diferente desde que possam justificá-lo.»;

a)  No anexo IV, a nota de rodapé 3 passa a ter a seguinte redação: «(3) Aplicável quando a economia de energia é calculada em termos de energia primária seguindo uma abordagem base-topo baseada no consumo de energia final. Para as economias em kWh de eletricidade, os Estados-Membros podem aplicar um coeficiente implícito de 2,0, tendo também a possibilidade de aplicar um coeficiente diferente desde que possam justificá-lo, com base nas circunstâncias nacionais que afetam o consumo de energia primária. Essas circunstâncias devem ser devidamente fundamentadas, mensuráveis e verificáveis e assentar em critérios objetivos e não discriminatórios.»;

Alteração    48

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 2 – alínea a)

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  Deve demonstrar-se que as economias se adicionam às que teriam sido geradas de qualquer modo, sem a atividade das partes intervenientes, executantes ou sujeitas a obrigação e/ou das autoridades execução. Para determinar que economias podem ser declaradas adicionais, os Estados-Membros devem estabelecer uma base de referência que descreva o modo como evoluiria o consumo de energia na ausência da medida política em questão. A base de referência deve refletir, pelo menos, os seguintes fatores: tendências do consumo de energia, mudanças no comportamento dos consumidores, progresso tecnológico e alterações causadas por outras medidas aplicadas a nível nacional e da União Europeia;

a)  Deve demonstrar-se que as economias se adicionam às que teriam sido geradas de qualquer modo, sem a atividade das partes intervenientes, executantes ou sujeitas a obrigação e/ou das autoridades execução. Para determinar que economias podem ser declaradas adicionais, os Estados-Membros devem estabelecer uma base de referência que descreva o modo como evoluiria o consumo de energia na ausência da medida política em questão e das novas ações específicas dela decorrentes. A base de referência deve refletir, pelo menos, os seguintes fatores: tendências do consumo de energia, mudanças no comportamento dos consumidores, progresso tecnológico e alterações causadas por outras medidas aplicadas a nível nacional e da União Europeia;

Alteração    49

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 2 – alínea h)

 

Texto da Comissão

Alteração

h)  O cálculo das economias de energia deve ter em conta o período de vigência das medidas. Este cálculo pode ser efetuado contabilizando as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Em alternativa, os Estados-Membros podem adotar outro método que se considere poder conduzir, pelo menos, à mesma quantidade total de economias. Se utilizarem outros métodos, os Estados-Membros devem assegurar que a quantidade total de economias de energia calculada não exceda o montante das economias de energia que teria resultado do seu cálculo ao contabilizar as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Os Estados-Membros devem descrever pormenorizadamente nos seus Planos Nacionais Integrados de Energia e Clima, no âmbito da Governação da União da Energia, os outros métodos que utilizaram e as disposições que foram tomadas para cumprir este requisito de cálculo vinculativo.

h)  O cálculo das economias de energia deve ter em conta o período de vigência das medidas, contabilizando as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Em alternativa, os Estados-Membros podem adotar outro método que se considere poder conduzir, pelo menos, à mesma quantidade total de economias. Se utilizarem outros métodos, os Estados-Membros devem assegurar que a quantidade total de economias de energia calculada não exceda o montante das economias de energia que teria resultado do seu cálculo ao contabilizar as economias que cada ação específica realizará entre a sua data de execução e 31 de dezembro de 2020 ou 31 de dezembro de 2030, conforme o caso. Os Estados-Membros devem descrever pormenorizadamente nos seus Planos Nacionais Integrados de Energia e Clima, no âmbito da Governação da União da Energia, os outros métodos que utilizaram e as disposições que foram tomadas para cumprir este requisito de cálculo vinculativo.

Alteração    50

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/12/UE

Anexo V – ponto 3 – parágrafo 2

 

Texto da Comissão

Alteração

No que se refere às medidas políticas adotadas em conformidade com o artigo 7.º, n.º 2, alínea e), os Estados-Membros podem utilizar a metodologia de cálculo estabelecida nos termos da Diretiva 2010/31/UE, na medida em que tal seja consentâneo com os requisitos do artigo 7.º da presente diretiva e do presente anexo.

Suprimido

Alteração    51

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 5 – alínea a-A) (nova)

 

Texto da Comissão

Alteração

 

a-A)  As fontes utilizadas no cálculo dos dados das vendas de energia, incluindo uma justificação para a utilização de fontes estatísticas alternativas e quaisquer diferenças nas quantidades obtidas (se forem utilizadas fontes que não o Eurostat);

Alteração    52

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 1 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo V – ponto 5 – alínea h)

 

Texto da Comissão

Alteração

h)  Os períodos de vigência das medidas e a forma como estes são calculados ou os aspetos em que se baseiam;

h)  Os períodos de vigência das medidas e a forma como estes são calculados ou os aspetos em que se baseiam, bem como qualquer outro método adotado que se estime permitir atingir, pelo menos, o mesmo volume total de economias;

Alteração    53

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2010/31/UE

Anexo VII-A – título

 

Texto da Comissão

Alteração

Requisitos mínimos em matéria de informações sobre a faturação e o consumo com base no consumo efetivo de aquecimento, arrefecimento e água quente

Requisitos mínimos em matéria de informações sobre a faturação e o consumo de aquecimento, arrefecimento e água quente

Alteração    54

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2010/31/UE

Anexo VII-A – ponto 1

 

Texto da Comissão

Alteração

Faturação com base no consumo efetivo

Faturação com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro

A fim de permitir que os utilizadores finais regulem o seu próprio consumo de energia, a faturação deverá ser determinada com base no consumo efetivo pelo menos uma vez por ano.

A fim de permitir que os utilizadores finais regulem o seu próprio consumo de energia, a faturação deverá ser determinada com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro pelo menos uma vez por ano.

Alteração    55

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2010/31/UE

Anexo VII-A – ponto 2 – parágrafo 1

 

Texto da Comissão

Alteração

A partir de [inserir aqui.... a entrada em vigor], sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas informações sobre a faturação e o consumo com base no consumo efetivo pelo menos trimestralmente, mediante pedido ou sempre que o consumidor final opte por receber faturação eletrónica, ou então duas vezes por ano.

A partir de [inserir aqui… data de transposição], sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas informações sobre a faturação e o consumo com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro pelo menos trimestralmente, mediante pedido ou sempre que o consumidor final opte por receber faturação eletrónica, ou então duas vezes por ano.

Alteração    56

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2010/31/UE

Anexo VII-A – ponto 2 – parágrafo 2

 

Texto da Comissão

Alteração

A partir de 1 de janeiro de 2022, sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas informações sobre a faturação ou o consumo pelo menos mensalmente. Esta condição pode não se aplicar ao aquecimento e ao arrefecimento fora das estações quentes/frias.

A partir de 1 de janeiro de 2022, sempre que tenham sido instalados contadores ou calorímetros de leitura à distância, devem ser facultadas informações sobre a faturação ou o consumo com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro pelo menos mensalmente. Esta condição pode não se aplicar ao aquecimento e ao arrefecimento fora das estações quentes/frias.

Alteração    57

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2010/31/UE

Anexo VII-A – ponto 3 – título

 

Texto da Comissão

Alteração

Informações mínimas contidas na fatura com base no consumo efetivo

Informações mínimas contidas na fatura com base no consumo efetivo ou nas leituras do calorímetro

Alteração    58

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo VII-A – ponto 3 – parágrafo 1 – parte introdutória

 

Texto da Comissão

Alteração

Os Estados-Membros devem assegurar que as seguintes informações são facultadas aos utilizadores finais, em termos claros e compreensíveis, na fatura ou nos documentos que a acompanham:

Os Estados-Membros devem assegurar que as seguintes informações sejam precisas e facultadas aos utilizadores finais, em termos claros e compreensíveis, na fatura ou nos documentos que a acompanham:

Alteração    59

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2 – alínea b)

Diretiva 2010/31/UE

Anexo VII-A – ponto 3 – parágrafo 1 – alínea a)

 

Texto da Comissão

Alteração

a)  Os preços reais praticados e o consumo efetivo de energia;

a)  Os preços reais praticados e o consumo efetivo ou o preço total do aquecimento e as leituras do calorímetro;

Justificação

O anexo VII-A deve ser alterado para ser conforme com o artigo 10.º-A.

Alteração    60

Proposta de diretiva

Anexo – ponto 2-A (novo)

Diretiva 2012/27/UE

Anexo IX – parte 1 – alínea g)

 

Texto em vigor

Alteração

 

2-A.   No anexo IX, parte 1, a alínea g) passa a ter a seguinte redação:

g) Análise económica: inventário de efeitos

g) Análise económica: inventário de efeitos

As análises económicas devem ter em conta todos os efeitos económicos relevantes.

As análises económicas devem ter em conta todos os efeitos económicos relevantes.

Ao tomarem uma decisão, os Estados-Membros podem avaliar e ter em conta as economias de custos e de energia resultantes da flexibilização do aprovisionamento energético e da melhoria de funcionamento das redes elétricas, incluindo os custos evitados e as economias resultantes do reduzido investimento em infraestruturas, nos cenários analisados.

Ao tomarem uma decisão, os Estados-Membros devem avaliar e ter em conta as economias de custos e de energia resultantes da flexibilização do aprovisionamento energético e da melhoria de funcionamento das redes elétricas, incluindo os custos evitados e as economias resultantes do reduzido investimento em infraestruturas, nos cenários analisados.

Os custos e os benefícios considerados devem incluir pelo menos os seguintes elementos:

Os custos e os benefícios considerados devem incluir pelo menos os seguintes elementos:

i) Benefícios

i) Benefícios

– Valor da produção (de calor e eletricidade) para o consumidor

– Valor da produção (de calor e eletricidade) para o consumidor

Na medida do possível, benefícios externos, nomeadamente ambientais e sanitários

– Benefícios externos, nomeadamente ambientais e sanitários e em matéria de emissões de gases com efeito de estufa

 

– Efeitos no mercado de trabalho, segurança energética, competitividade

ii) Custos

ii) Custos

– Custos de capital das instalações e equipamentos

– Custos de capital das instalações e equipamentos

– Custos de capital das redes de energia associadas

– Custos de capital das redes de energia associadas

– Custos variáveis e fixos de funcionamento

– Custos variáveis e fixos de funcionamento

– Custos energéticos

– Custos energéticos

Na medida do possível, custos ambientais e sanitários

– Custos ambientais e sanitários

 

– Custos do mercado de trabalho, segurança energética, competitividade

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Atingir os nossos objetivos no quadro do Acordo de Paris

A União Europeia deve assumir um papel de liderança na luta mundial contra as alterações climáticas. O histórico Acordo de Paris forneceu-nos um quadro claro para atenuar o aquecimento global e as suas consequências desastrosas para a geração atual e muitas gerações vindouras. A eficiência energética é o nosso principal instrumento para descarbonizar o abastecimento energético da Europa, os seus edifícios, transportes e indústria. As propostas contidas no presente relatório permitirão uma redução de 47 % das emissões de gases com efeito de estufa na UE até 2030, em relação aos níveis de 1990, o que significa que deveremos atingir facilmente o nosso objetivo de 40 % de redução a título do Acordo de Paris. Deste modo, os objetivos de proteção do clima e de eficiência energética reforçam-se mutuamente. No entanto, devemos continuar a envidar esforços para atingir a neutralidade carbónica até 2050 e, consequentemente, manter o nosso empenho na eficiência energética para além de 2030.

Segurança energética

A dependência energética coloca graves problemas económicos e geopolíticos à Europa. A UE importa 53 % de toda a energia que consome, com um custo de mais de mil milhões de euros por dia. Ao reduzir a quantidade global de energia necessária na Europa, as medidas de eficiência energética permitem-nos diminuir a nossa dependência em relação aos países terceiros e, deste modo, reforçar a nossa segurança energética. As propostas contidas no presente relatório permitirão reduzir as importações de energia de forma significativa até 2050: no período de 2021-2030, a redução das importações de combustíveis fósseis permitirá poupar 288 mil milhões de euros, economia essa que deverá acentuar-se no período até 2050.

Pobreza energética

Entre 50 e 125 milhões de pessoas na UE estão expostas ao risco de pobreza energética, ou seja, não lhes é possível aquecer adequadamente as suas habitações ou pagar as faturas. Os efeitos da política energética europeia na pobreza energética não devem ser ignorados, nem se pode confiar simplesmente nas políticas sociais nacionais. A Europa tem um enorme potencial para aumentar a eficiência energética dos edifícios, mas as soluções devem ser adaptadas de modo a evitar os efeitos indesejáveis, que podem conduzir a um aumento do risco de pobreza energética. Estes aspetos devem ser seriamente tidos em conta, por exemplo, nas disposições relativas aos contadores individuais.

À medida que avançarmos para a descarbonização do parque imobiliário, será cada vez mais difícil para os agregados familiares com baixos rendimentos que detenham ou ocupem edifícios fazer os investimentos necessários para tirar partido dos benefícios. É, portanto, essencial começar a tomar medidas específicas para ajudar estes grupos. As medidas tomadas pelos Estados-Membros devem dar prioridade aos agregados familiares afetados pela pobreza energética e à habitação social, razão pela qual a relatora propõe que os Estados-Membros sejam obrigados a exigir que uma parte significativa das medidas seja aplicada aos agregados familiares afetados pela pobreza energética ou à habitação social.

Crescimento económico

Cometeu-se até à data o erro de pensar que, enquanto a economia cresce, o consumo de energia deve aumentar de igual forma. O êxito das medidas de eficiência energética mostrou que não só é possível que o consumo de energia diminua em fase de crescimento económico, mas também que as medidas de eficiência energética podem ter um contributo significativo para o crescimento. O consumo final de energia tem diminuído desde 2010, ao passo que o PIB da UE tem aumentado. Reduzir o consumo de energia é a forma mais económica de realizar o objetivo de uma eficiência energética rentável. Embora os modelos económicos variem, as propostas contidas no presente relatório poderiam conduzir a uma situação entre um efeito nulo e um aumento do PIB de 4,1 %, desde que se disponha de um financiamento adequado para os investimentos, e isto sem ter em conta outros benefícios económicos das medidas de eficiência energética, tais como a melhoria da qualidade do ar e as vantagens significativas a nível da saúde.

As medidas previstas no presente relatório estão também concebidas para dar um verdadeiro impulso ao emprego. Com um financiamento adequado para os investimentos, os modelos mostram um aumento muito significativo do emprego, entre 405 000 e 4 800 000 pessoas.

Colmatar lacunas

A atualização da diretiva em apreço dá-nos a oportunidade de resolver os problemas identificados na legislação em vigor. Uma medida importante da diretiva é o objetivo de realizar economias anuais de energia de 1,5%. No entanto, foram introduzidos alguns mecanismos de flexibilidade relativamente a este requisito, que permitem aos Estados-Membros reduzir as suas ambições tomando em consideração as ações anteriores ou excluindo determinados setores dos cálculos. Tal conduziu a uma situação em que se atinge apenas metade dos objetivos de economias anuais de energia. O enfraquecimento destes objetivos não deve prosseguir, pelo que a relatora propõe que muitas destas lacunas sejam colmatadas. A relatora propõe igualmente o prolongamento das medidas que deram provas de eficácia, como a renovação dos edifícios públicos e as auditorias energéticas para as empresas.

Defender os interesses dos cidadãos

O Parlamento Europeu tem preconizado sistematicamente medidas de eficiência energética mais progressivas. Enquanto representantes dos cidadãos, os deputados ao Parlamento Europeu reconheceram os benefícios que estas medidas podem ter não só para o ambiente, mas também para a saúde, os consumidores e as empresas. O exemplo mais marcante é o facto de as propostas contidas no presente relatório permitirem um aumento de 17 milhões de anos de vida, graças a uma melhoria considerável da qualidade do ar. O Parlamento deve continuar a defender os interesses dos cidadãos, nomeadamente dos consumidores que desejam faturas de energia mais baixas e habitações mais quentes, das empresas que desejam energia mais barata e mais limpa e segurança jurídica e dos empresários que pretendem ser devidamente recompensados pelos progressos tecnológicos que melhoram a eficiência energética constantemente.

PROCESSO DA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Título

Eficiência energética

Referências

COM(2016)0761 – C8-0498/2016 – 2016/0376(COD)

Comissão competente quanto ao fundo

       Data de comunicação em sessão

ITRE

12.12.2016

 

 

 

Parecer emitido por

       Data de comunicação em sessão

ENVI

12.12.2016

Relator(a) de parecer

       Data de designação

Jytte Guteland

14.2.2017

Exame em comissão

8.6.2017

 

 

 

Data de aprovação

7.9.2017

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

32

12

12

Deputados presentes no momento da votação final

Marco Affronte, Ivo Belet, Biljana Borzan, Lynn Boylan, Paul Brannen, Soledad Cabezón Ruiz, Nessa Childers, Birgit Collin-Langen, Mireille D’Ornano, Miriam Dalli, Seb Dance, Stefan Eck, José Inácio Faria, Karl-Heinz Florenz, Arne Gericke, Julie Girling, Sylvie Goddyn, Jytte Guteland, Anneli Jäätteenmäki, Jean-François Jalkh, Benedek Jávor, Karin Kadenbach, Urszula Krupa, Peter Liese, Norbert Lins, Valentinas Mazuronis, Susanne Melior, Massimo Paolucci, Gilles Pargneaux, Piernicola Pedicini, Bolesław G. Piecha, Pavel Poc, Frédérique Ries, Annie Schreijer-Pierik, Davor Škrlec, Renate Sommer, Claudiu Ciprian Tănăsescu, Ivica Tolić, Nils Torvalds, Adina-Ioana Vălean, Jadwiga Wiśniewska, Damiano Zoffoli

Suplentes presentes no momento da votação final

Nicola Caputo, Jørn Dohrmann, Elena Gentile, Jan Huitema, Merja Kyllönen, Stefano Maullu, Mairead McGuinness, Keith Taylor, Carlos Zorrinho

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Bendt Bendtsen, Norbert Erdős, Jill Evans, Barbara Lochbihler, Olle Ludvigsson

VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

32

+

ALDE

Anneli Jäätteenmäki, Frédérique Ries, Nils Torvalds

EFDD

Piernicola Pedicini

GUE/NGL

Lynn Boylan, Stefan Eck, Merja Kyllönen

PPE

Stefano Maullu

S&D

Biljana Borzan, Paul Brannen, Soledad Cabezón Ruiz, Nicola Caputo, Nessa Childers, Miriam Dalli, Seb Dance, Elena Gentile, Jytte Guteland, Karin Kadenbach, Olle Ludvigsson, Susanne Melior, Massimo Paolucci, Gilles Pargneaux, Pavel Poc, Claudiu Ciprian Tănăsescu, Damiano Zoffoli, Carlos Zorrinho

Verts/ALE

Marco Affronte, Jill Evans, Benedek Jávor, Barbara Lochbihler, Davor Škrlec, Keith Taylor

12

-

ALDE

Valentinas Mazuronis

ECR

Jørn Dohrmann, Arne Gericke, Julie Girling, Urszula Krupa, Bolesław G. Piecha, Jadwiga Wiśniewska

ENF

Mireille D'Ornano, Sylvie Goddyn, Jean-François Jalkh

PPE

Annie Schreijer-Pierik, Renate Sommer

12

0

ALDE

Jan Huitema

PPE

Ivo Belet, Bendt Bendtsen, Birgit Collin-Langen, Norbert Erdős, José Inácio Faria, Karl-Heinz Florenz, Peter Liese, Norbert Lins, Mairead McGuinness, Ivica Tolić, Adina-Ioana Vălean

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  a favor

-  :  contra

0  :  abstenções


PROCESSO DA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

Título

Eficiência energética

Referências

COM(2016)0761 – C8-0498/2016 – 2016/0376(COD)

Data de apresentação ao PE

30.11.2016

 

 

 

Comissão competente quanto ao fundo

       Data de comunicação em sessão

ITRE

12.12.2016

 

 

 

Comissões encarregadas de emitir parecer

       Data de comunicação em sessão

ENVI

12.12.2016

 

 

 

Relatores

       Data de designação

Miroslav Poche

2.2.2017

 

 

 

Relatores substituídos

Adam Gierek

 

 

 

Exame em comissão

23.3.2017

22.6.2017

4.9.2017

 

Data de aprovação

28.11.2017

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

33

30

2

Deputados presentes no momento da votação final

Zigmantas Balčytis, Xabier Benito Ziluaga, José Blanco López, David Borrelli, Jonathan Bullock, Cristian-Silviu Buşoi, Jerzy Buzek, Angelo Ciocca, Edward Czesak, Jakop Dalunde, Pilar del Castillo Vera, Christian Ehler, Fredrick Federley, Adam Gierek, Theresa Griffin, András Gyürk, Rebecca Harms, Hans-Olaf Henkel, Eva Kaili, Barbara Kappel, Krišjānis Kariņš, Seán Kelly, Jaromír Kohlíček, Peter Kouroumbashev, Zdzisław Krasnodębski, Miapetra Kumpula-Natri, Christelle Lechevalier, Paloma López Bermejo, Edouard Martin, Angelika Mlinar, Dan Nica, Angelika Niebler, Morten Helveg Petersen, Miroslav Poche, Michel Reimon, Paul Rübig, Massimiliano Salini, Algirdas Saudargas, Neoklis Sylikiotis, Dario Tamburrano, Patrizia Toia, Evžen Tošenovský, Claude Turmes, Vladimir Urutchev, Kathleen Van Brempt, Henna Virkkunen, Martina Werner, Lieve Wierinck, Hermann Winkler, Carlos Zorrinho

Suplentes presentes no momento da votação final

Michèle Alliot-Marie, Pilar Ayuso, Gerben-Jan Gerbrandy, Benedek Jávor, Jude Kirton-Darling, Rupert Matthews, Clare Moody, Markus Pieper, Dennis Radtke, Dominique Riquet, Anneleen Van Bossuyt, Marco Zullo

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Albert Deß, Arndt Kohn, Sabine Verheyen

Data de entrega

6.12.2017


VOTAÇÃO NOMINAL FINAL NA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

33

+

ALDE

Angelika Mlinar, Dominique Riquet, Fredrick Federley, Gerben-Jan Gerbrandy, Lieve Wierinck, Morten Helveg Petersen

EFDD

Dario Tamburrano, David Borrelli, Marco Zullo

GUE/NGL

Neoklis Sylikiotis, Paloma López Bermejo, Xabier Benito Ziluaga

S&D

Arndt Kohn, Carlos Zorrinho, Clare Moody, Dan Nica, Edouard Martin, Eva Kaili, José Blanco López, Jude Kirton-Darling, Kathleen Van Brempt, Martina Werner, Miapetra Kumpula-Natri, Miroslav Poche, Patrizia Toia, Peter Kouroumbashev, Theresa Griffin, Zigmantas Balčytis

VERTS/ALE

Benedek Jávor, Claude Turmes, Jakop Dalunde, Michel Reimon, Rebecca Harms

30

-

ECR

Anneleen Van Bossuyt, Edward Czesak, Evžen Tošenovský, Hans-Olaf Henkel, Rupert Matthews, Zdzisław Krasnodębski

EFDD

Jonathan Bullock

ENF

Angelo Ciocca, Barbara Kappel, Christelle Lechevalier

PPE

Albert Deß, Algirdas Saudargas, András Gyürk, Angelika Niebler, Christian Ehler, Cristian-Silviu Buşoi, Dennis Radtke, Henna Virkkunen, Hermann Winkler, Jerzy Buzek, Krišjānis Kariņš, Markus Pieper, Massimiliano Salini, Michèle Alliot-Marie, Paul Rübig, Pilar Ayuso, Pilar del Castillo Vera, Sabine Verheyen, Seán Kelly, Vladimir Urutchev

2

0

GUE/NGL

Jaromír Kohlíček

S&D

Adam Gierek

Legenda dos símbolos utilizados:

+  :  votos a favor

-  :  votos contra

0  :  abstenções

Última actualização: 21 de Dezembro de 2017Advertência jurídica