Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Processo : 2016/0397(COD)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0386/2018

Textos apresentados :

A8-0386/2018

Debates :

PV 17/04/2019 - 4
CRE 17/04/2019 - 4

Votação :

PV 11/12/2018 - 5.2
CRE 11/12/2018 - 5.2
PV 18/04/2019 - 10.5
CRE 18/04/2019 - 10.5

Textos aprovados :


Debates
Quarta-feira, 17 de Abril de 2019 - Estrasburgo Edição provisória

4. Coordenação dos sistemas de segurança social (debate)
Vídeo das intervenções
PV
MPphoto
 

  Ana Miranda (Verts/ALE ). – Senhora Presidente, Senhora Comissária, preocupa-me muito este debate. A continuidade e o respeito dos direitos sociais dos trabalhadores e trabalhadoras, para evitar fraude, concorrência desleal, casos de ausência de direitos, incertezas legais, é a nossa obrigação.

Vou dar-lhe vários exemplos. A mobilidade para os galegos chama-se emigrar: os marinheiros galegos que cotizaram na Noruega e que continuam neste mesmo ano à espera de cobrar as suas prestações sociais - uma saudação para eles, Long Hope; os trabalhadores galegos e do norte de Portugal que vão de um lado para o outro e que muitas vezes têm situações sociais complexas; os emigrantes retornados de outros Estados europeus, e também da Suíça, que voltam ao nosso país e aos quais não são reconhecidas doenças nem tão pouco as prestações sociais.

A mobilidade laboral no meu país chama-se emigrar, insisto nisto, Senhora Comissária, e por isso apresentei várias perguntas parlamentares sobre estas três problemáticas, e por isso há que trabalhar para ter esta igualdade de tratamento.

 
Última actualização: 14 de Maio de 2019Advertência jurídica