Reduzir a pegada ecológica do Parlamento Europeu 

Aplicação do EMAS no Parlamento Europeu

O Parlamento Europeu está ciente da sua responsabilidade de contribuir de forma positiva para o desenvolvimento sustentável enquanto objetivo a longo prazo. O Parlamento cumpre esta responsabilidade no desempenho do seu papel político e legislativo e através da forma como funciona e das decisões que toma diariamente.

Por conseguinte, o Parlamento Europeu decidiu que a sua administração passaria a aplicar a norma EMAS (sistema de ecogestão e auditoria), a fim de melhorar continuamente os seus resultados ambientais em conformidade com o Regulamento (CE) n.º 1221/2009, relativo à participação voluntária de organizações num sistema comunitário de ecogestão e auditoria (EMAS), e com a norma ISO 14001:2015.

Desde o consumo de energia às emissões de carbono, à mobilidade, à água e aos resíduos, o Parlamento adotou boas práticas para reduzir o seu impacto ambiental e contribuir para um futuro mais sustentável.

Principais resultados em matéria de redução da pegada ecológica do Parlamento

O Parlamento Europeu percorreu um longo caminho desde 2007, ano em que o EMAS foi introduzido nos seus três locais de trabalho. Entre 2012* e 2019, o Parlamento conseguiu:

  • reduzir as suas emissões de carbono em 38%
  • reduzir o seu consumo de eletricidade em 16% e o consumo de gás em 23%
  • aumentar para 15% a quota do seu consumo de energia gerada no local a partir de fontes renováveis
  • reduzir o seu consumo de papel em 44%
  • reduzir o seu desperdício alimentar em 22%
  • aumentar a sua taxa de reciclagem de resíduos para 67%, e
  • desenvolver e implementar uma abordagem sistemática a nível institucional à contratação pública ecológica (CPE), com seminários periódicos para os responsáveis pela organização de concursos.

Leia mais sobre os objetivos e resultados do Parlamento.

* Com exceção das emissões de carbono, em que o ano de referência para a comparação é 2006

Utilização de eletricidade verde e compensação das emissões

Desde 2016, o Parlamento compensa todas as suas emissões de carbono irredutíveis, pelo que é a primeira instituição da UE neutra a 100% em termos de emissões de carbono. A eletricidade que o Parlamento utiliza é também 100% «verde», já que é obtida a partir de fontes renováveis certificadas.

Além disso, 15% da energia total utilizada é gerada no local a partir de fontes renováveis, nomeadamente bombas de calor geotérmicas, cogeração e painéis fotovoltaicos.

Pensamento circular

O Parlamento foi também a primeira instituição da UE a lançar um vasto programa de doação de produtos alimentares em 2016, no âmbito do qual os produtos alimentares não vendidos são doados a instituições de beneficência, em vez de serem deitados fora.

Os computadores pessoais, computadores portáteis, ecrãs e mobiliário antigos são também doados a organizações de beneficência para reutilização.

Participação do pessoal

Todos são chamados a participar na construção em conjunto de um futuro sustentável. No Parlamento Europeu, o pessoal é continuamente incentivado a pensar de forma ecológica, tanto no âmbito do trabalho como da sua vida privada.

As campanhas e ações de formação que ajudam a aumentar o conhecimento e a sensibilização do pessoal para soluções sustentáveis facilitam uma melhor gestão dos resíduos, um menor consumo de água, uma maior sustentabilidade das deslocações entre casa e o local de trabalho e muitos outros aspetos do ambiente de trabalho.

Para mais informações, contactar a equipa EMAS no seguinte endereço eletrónico:

Contact: 

Com base no empenho de todo o seu pessoal e no apoio de todos os seus serviços, o EMAS proporciona o quadro que permite ao Parlamento Europeu reduzir as suas próprias emissões de gases com efeito de estufa e poupar recursos para as gerações futuras. No âmbito do Pacto Ecológico Europeu, o Parlamento analisa também como definir as suas estratégias para alcançar a neutralidade carbónica de uma forma orientada para o futuro e como dar o exemplo na luta contra as alterações climáticas.