Eurobarómetro 
Sondagens de opinião do Parlamento Europeu 
 

Eleições europeias de 2019:Será que as eleições europeias ganharam uma nova dimensão? 

O Eurobarómetro pós-eleitoral do Parlamento Europeu constitui um dos inquéritos quantitativos disponíveis mais abrangentes que tem por objeto de estudo o sentido de voto dos cidadãos nas eleições para o Parlamento Europeu, bem como os motivos subjacentes a este. Imediatamente após as eleições realizadas em maio, foram pessoalmente entrevistados 28 000 cidadãos de toda a UE.

Tendo como ponto de partida o aumento significativo da participação eleitoral nas eleições de 2019 (que atingiu os 50,6 %, mais 8 pontos percentuais do que em 2014), o referido relatório analisa em pormenor quais os grupos de pessoas que, em 2019, votaram nas eleições europeias, procedendo a uma análise das variações registadas entre os países da União Europeia, bem como entre os grupos sociodemográficos e socioprofissionais. Concretamente, o estudo mostra o impacto dos eleitores mais jovens na taxa de participação, nos assuntos em debate e nos resultados. Assim, a taxa de participação registou um aumento de 14 pontos percentuais entre os eleitores com idade inferior a 25 anos e de 12 pontos percentuais entre os eleitores com idades compreendidas entre os 25 e os 39 anos. O sentido de dever cívico – apontado por 52 % dos inquiridos – está agora mais enraizado nos europeus quando ponderam votar para as eleições para o Parlamento Europeu. Simultaneamente, as opiniões cada vez mais positivas sobre a UE influenciaram também a taxa de participação eleitoral.

Os principais assuntos que fomentaram a afluência dos cidadãos às urnas foram a economia e o crescimento (44 %), a luta contra as alterações climáticas (37 %) e a promoção dos direitos humanos e da democracia (37 %). 36 % dos inquiridos que exerceram o direito de voto referiram dar máxima prioridade à forma como a UE deveria trabalhar no futuro, 34 %, indicaram a imigração como prioridade. A economia e o crescimento, por um lado, bem como a luta contra as alterações climáticas e a proteção do ambiente, por outro, foram os assuntos mais mencionados em 16, respetivamente 8 países.

O número de europeus que consideram que a sua voz conta na UE aumentou significativamente para 56 %, representando um aumento de 7 pontos percentuais. Simultaneamente, o apoio à cidadania europeia continua a registar um nível historicamente elevado: para 59 % dos inquiridos, a pertença do seu país à UE é uma coisa boa.

Os resultados do inquérito comprovam que o Brexit também contribuiu, uma vez que 22 % dos inquiridos declarou que este teve, pelo menos em certa medida, influência sobre a sua decisão de votar.

Pela primeira vez, o inquérito pós-eleitoral do Parlamento contém igualmente uma série de perguntas concretas relativas ao sentido de voto. Estas permitem examinar de forma aprofundada as decisões de voto dos inquiridos, bem como proceder, sem restrições, a uma análise cruzada com todos os outros indicadores do inquérito.

O trabalho de campo relativo a este inquérito pós-eleitoral foi realizado de 7 a 26 de junho de 2019. Foram entrevistados presencialmente 27 464 cidadãos europeus com idade igual ou superior a 15 anos em todos os 28 Estados-Membros.