Processo : 2015/2275(INI)
Ciclo de vida em sessão
Ciclo relativo ao documento : A8-0158/2016

Textos apresentados :

A8-0158/2016

Debates :

PV 06/06/2016 - 16
CRE 06/06/2016 - 16

Votação :

PV 07/06/2016 - 5.12
Declarações de voto

Textos aprovados :

P8_TA(2016)0249

RELATÓRIO     
PDF 408kWORD 126k
28.4.2016
PE 575.014v02-00 A8-0158/2016

sobre as operações de apoio à paz – o compromisso da UE com a ONU e a União Africana

(2015/2275(INI))

Comissão dos Assuntos Externos

Relator: Geoffrey Van Orden

Relator de parecer(*):

Paavo Väyrynen, Comissão do Desenvolvimento

(*) Comissão associada – Artigo 54.º do Regimento

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU
 OPINIÃO MINORITÁRIA
 PARECER da Comissão do Desenvolvimento(*)
 RESULTADO DA VOTAÇÃO FINALNA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

sobre as operações de apoio à paz – o compromisso da UE com a ONU e a União Africana

(2015/2275(INI))

O Parlamento Europeu,

–  Tendo em conta o Título V do Tratado da União Europeia (TUE), nomeadamente os artigos 21.º, 41.º, 42.º e 43.º,

–  Tendo em conta o artigo 220.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

–  Tendo em conta a Carta das Nações Unidas, nomeadamente o disposto nos capítulos VI, VII e VIII,

–  Tendo em conta o relatório do Secretário-Geral das Nações Unidas, de 1 de abril de 2015, intitulado «Partnering for peace: moving towards partnership peacekeeping» (Parceria para a paz: rumo a parcerias para a manutenção da paz)(1),

–  Tendo em conta a Comunicação Conjunta da Comissão Europeia e da Alta Representante para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, de 28 de abril de 2015, intitulada «Desenvolver as capacidades para promover a segurança e o desenvolvimento – Capacitar os parceiros para a prevenção e a gestão das crises»(2),

–  Tendo em conta o relatório, de 16 de junho de 2015, do Painel Independente de Alto Nível das Nações Unidas sobre as Operações de Paz(3),

–  Tendo em conta a declaração proferida em 28 de setembro de 2015 por ocasião da Cimeira de Líderes consagrada à manutenção da paz, organizada pelo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama,

–  Tendo em conta o documento de 14 de junho de 2012 sobre o «Plano de Ação para melhorar o apoio da PCSD da UE às operações de manutenção da paz conduzidas pelas Nações Unidas»(4) e o documento de 23 de março de 2015 intitulado «Strengthening the UN-EU Strategic Partnership on Peacekeeping and Crisis Management: Priorities 2015‑2018» (Reforçar a Parceria Estratégica ONU-UE para a Manutenção da Paz e a Gestão de Crises: Prioridades para 2015-2018)(5),

–  Tendo em conta a Estratégia Conjunta África-UE, acordada na 2.ª Cimeira UE-África, realizada em Lisboa, em 8 e 9 de dezembro de 2007(6), bem como o correspondente Roteiro para 2014-2017, aprovado na 4.ª Cimeira UE-África, realizada em Bruxelas, em 2 e 3 de abril de 2014(7),

–  Tendo em conta o Relatório Especial n.º 3/2011 do Tribunal de Contas, intitulado «Eficiência e eficácia das contribuições da UE canalizadas através de organizações das Nações Unidas em países afetados por conflitos»,

–  Tendo em conta a sua resolução, de 24 de novembro de 2015, intitulada «O papel da UE no âmbito das Nações Unidas – como alcançar melhor os objetivos da UE em matéria de política externa»(8),

–  Tendo em conta a resolução da Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE, de 9 de dezembro de 2015, sobre a «Avaliação do Mecanismo de Apoio à Paz em África 10 anos depois: eficácia e perspetivas para o futuro»,

–  Tendo em conta a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável,

–  Tendo em conta as orientações de Oslo de novembro de 2007 sobre a utilização de recursos militares e da proteção civil estrangeiros no âmbito de operações humanitárias de socorro em caso de catástrofes,

–  Tendo em conta o artigo 4.º, alíneas h) e j), do Ato Constitutivo da União Africana,

–  Tendo em conta a sua resolução, de 25 de novembro de 2010, sobre o décimo aniversário da Resolução 1325 (2000) do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre as Mulheres, a Paz e a Segurança(9),

–  Tendo em conta as conclusões do Conselho, de 15 outubro 2012, sobre «As raízes da democracia e do desenvolvimento sustentável: o compromisso da Europa com a sociedade civil no domínio das relações externas»,

–  Tendo em conta o artigo 52.º do seu Regimento,

–  Tendo em conta o relatório da Comissão dos Assuntos Externos e o parecer da Comissão do Desenvolvimento (A8-0158/2016),

A.  Considerando que as operações de apoio à paz (OAP) constituem uma forma de resposta a crises – secundando, por norma, uma organização reconhecida no plano internacional, como as Nações Unidas (ONU) ou a União Africana (UA), ao abrigo de um mandato da ONU – e visam evitar conflitos armados, restabelecer, manter ou consolidar a paz, garantir o respeito dos acordos de paz e dar resposta a emergências e a desafios complexos associados a Estados falhados ou frágeis; que a estabilidade da vizinhança africana e europeia seria extremamente benéfica para todos os nossos países;

B.  Considerando que o objetivo das OAP consiste em contribuir para o desenvolvimento de ambientes estáveis, seguros e mais prósperos a longo prazo; que a boa governação, a justiça, o maior respeito pelo primado do Direito, a proteção dos cidadãos, o respeito pelos direitos humanos e a segurança são condições de base para a consecução destes objetivos e que o êxito dos programas de reconciliação, reconstrução e desenvolvimento económico contribuirá para o estabelecimento de uma paz e de uma prosperidade sustentáveis;

C.  Considerando que a situação no domínio da segurança, especialmente em África, se alterou profundamente ao longo da última década, devido à emergência de grupos terroristas e rebeldes na Somália, na Nigéria e na região do Sael e do Sara, tendo as operações antiterroristas e de imposição da paz passado a ser a norma e não a exceção em muitas zonas; que os Estados frágeis e os espaços sem governo são cada vez mais numerosos, deixando muitas pessoas abandonadas à pobreza, à anarquia, à corrupção e à violência; que a permeabilidade das fronteiras no interior do continente favorece a violência, reduz a segurança e cria oportunidades para a atividade criminosa;

D.  Considerando que a paz foi reconhecida como uma componente essencial do desenvolvimento no âmbito da nova Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e que foi adotado o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável n.º 16 relativo à paz e à justiça;

E.  Considerando que as nações e as organizações com experiência e equipamentos adequados, idealmente com um mandato claro e realista das Nações Unidas, devem disponibilizar os recursos necessários para o êxito das OAP, a fim de contribuir para a criação de um ambiente seguro que permita às organizações da sociedade civil levarem a cabo o seu trabalho;

F.  Considerando que as Nações Unidas continuam a ser o principal guardião da paz e da segurança internacionais, possuindo o mais completo quadro de cooperação multilateral no domínio da gestão de crises; que estão em curso 16 missões de manutenção da paz da ONU para as quais foram mobilizadas mais de 120 000 pessoas, um número sem precedente; que 87 % do pessoal das Nações Unidas em missões de manutenção da paz está afeto a oito missões em África; que as operações das Nações Unidas têm um âmbito limitado;

G.  Considerando que a UA não está sujeita às mesmas obrigações que as Nações Unidas e pode tomar partido, intervir sem convite e intervir na ausência de um acordo de paz, embora respeitando a Carta das Nações Unidas; que, dado o número de conflitos interestatais e intraestatais em África, esta diferença se reveste de elevada importância;

H.  Considerando que a OTAN tem prestado apoio à UA, incluindo no âmbito da Missão da União Africana no Sudão (AMIS), no Darfur, e da Missão da União Africana na Somália (AMISOM), em matéria de planeamento, de transporte aéreo e marítimo estratégico e de desenvolvimento de capacidades da Força Africana de Alerta (FAA);

I.  Considerando que as crises em África exigem uma resposta global e coerente, que deve ir além dos aspetos puramente de segurança; que a paz e a segurança são condições prévias indispensáveis ao desenvolvimento e que todos os intervenientes locais e internacionais realçaram a necessidade de uma estreita coordenação entre as políticas de segurança e de desenvolvimento; que é necessária uma perspetiva de longo prazo; que a reforma do setor da segurança e o desarmamento, a desmobilização e a reintegração dos ex-combatentes podem ser importantes para a realização dos objetivos de estabilidade e desenvolvimento; Considerando que o Gabinete de Ligação das Nações Unidas para a Paz e a Segurança e a Missão Permanente da União Africana em Bruxelas desempenham um papel fundamental no desenvolvimento das relações entre as suas organizações e a União Europeia, a NATO e as embaixadas nacionais;

J.  Considerando que o principal mecanismo de cooperação europeia com a UA é o Mecanismo de Apoio à Paz em África, originalmente estabelecido em 2004 e que disponibiliza cerca de 1,9 mil milhões de euros através do Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED), financiado pelos Estados-Membros; que, quando o Mecanismo de Apoio à Paz em África foi criado em 2003, se previa que o seu financiamento através dos FED fosse provisório, mas, 12 anos mais tarde, o FED continua a ser a principal fonte de financiamento do Mecanismo; que o âmbito de aplicação deste Mecanismo foi alargado em 2007 de forma a englobar um maior número de ações de prevenção de conflitos e de estabilização no termo dos conflitos; que o programa de ação para o período 2014-2016 tem em conta a avaliação externa e as consultas dos Estados-Membros e introduz novos elementos para melhorar a sua eficácia; que o artigo 43.º do TUE diz respeito às missões ditas de «Petersberg Plus», a saber, as missões de aconselhamento e assistência em matéria militar, as missões de prevenção de conflitos e de manutenção da paz, e as missões de forças de combate para a gestão de crises, incluindo as missões de restabelecimento da paz e as operações de estabilização no termo dos conflitos; que, em 2014, mais de 90 % do orçamento foi consagrado a OAP, destinando-se 65 % desse montante ao pessoal da AMISOM; que o reforço das capacidades institucionais da União Africana e das comunidades económicas regionais de África é fundamental para o êxito das OAP e dos processos de reconciliação e reabilitação pós-conflito;

K.  Considerando que o papel da UE deve ser visto no contexto dos contributos de numerosos Estados e organizações para as OAP; que, por exemplo, os Estados Unidos são o maior contribuinte financeiro a nível mundial para as operações de manutenção da paz das Nações Unidas e prestam apoio direto à UA através da sua parceria de resposta rápida para a manutenção da paz (African Peacekeeping Rapid Response Partnership), disponibilizando, além disso, cerca de 5 mil milhões de dólares para as operações da ONU na República Centro-Africana, no Mali, na Costa do Marfim, no Sudão do Sul e na Somália; que a coordenação destas diferentes fontes de financiamento é assegurada pelo grupo de parceiros da União Africana para a paz e a segurança; que a China se tornou um participante ativo nas operações de manutenção da paz da ONU e que o Fórum de Cooperação China-África integra a Comissão da União Africana; que, após a Etiópia, os países que contribuem com mais pessoal para as missões de manutenção da paz da ONU são a Índia e o Bangladeche;

L.  Considerando que os países europeus e a própria UE são importantes contribuintes para o sistema das Nações Unidas, nomeadamente prestando apoio financeiro destinado a programas e projetos da ONU; que a França, a Alemanha e o Reino Unido são os países europeus que mais contribuem para o orçamento das operações de manutenção da paz das Nações Unidas; que os Estados-Membros da UE são, coletivamente, o maior contribuinte para o orçamento de manutenção da paz da ONU (37 %) e enviam atualmente tropas para nove missões de manutenção da paz; que, além disso, em 2014 e 2015, os recursos financeiros da UE a favor da UA totalizaram 717,9 milhões de euros e as contribuições da UA foram de apenas 25 milhões de euros; que os países europeus contribuem para apenas cerca de 5 % do pessoal de manutenção da paz das Nações Unidas, ou seja, 5 000 soldados de um total de aproximadamente 92 000; que, contudo, a França forma 25 000 soldados africanos por ano e só por si destaca mais de 4 000 homens para participar em operações de manutenção da paz em África;

M.  Considerando que as minas antipessoais constituem um importante obstáculo à reabilitação e ao desenvolvimento pós-conflito, especialmente em África, e que a UE gastou cerca de 1,5 mil milhões de euros nos últimos 20 anos em processos destinados a apoiar a desminagem e as vítimas de minas, tornando-se o maior doador neste domínio;

N.  Considerando que, para além do papel desempenhado pelos países europeus a título individual, a UE presta um contributo de relevo para as OAP, através de ações multidimensionais; que a UE oferece apoio técnico e financeiro à UA e às organizações sub-regionais, em especial através do Mecanismo de Apoio à Paz em África, do Instrumento para a Estabilidade e a Paz e do Fundo Europeu de Desenvolvimento; que a UE leva a cabo ações de formação e aconselhamento no âmbito das suas missões PCSD, contribuindo assim para o reforço das capacidades de África em matéria de gestão de crises;

O.  Considerando que as cinco missões civis e as quatro operações militares da UE em curso em África se desenrolam amiúde em paralelo ou na sequência de intervenções nacionais, da ONU ou da UA;

P.  Considerando que a UE está empenhada em contribuir para o reforço da Arquitetura de Paz e Segurança Africana, nomeadamente apoiando a operacionalização da Força Africana de Alerta (FAA);

Q.  Considerando que o Conselho Europeu solicitou à UE e aos seus Estados-Membros que aumentassem o respetivo apoio às organizações e aos países parceiros, prestando formação, aconselhamento, equipamentos e meios, de modo a que estes países e estas organizações possam evitar ou gerir crises de forma cada vez mais autónoma; que existe uma clara necessidade de intervenções que se reforcem mutuamente nos domínios da segurança e do desenvolvimento, a fim de alcançar este objetivo;

R.  Considerando que a UE deve apoiar as ações de outros intervenientes que possam desempenhar melhor certas funções, evitando sobreposições e contribuindo para apoiar o trabalho dos que já se encontram presentes no terreno, em particular os Estados-Membros;

S.  Considerando que o artigo 41.º, n.º 2, do TUE proíbe o financiamento de operações com implicações militares ou de defesa a partir do orçamento da UE, embora não exclua explicitamente o financiamento pela UE de ações militares, como operações de manutenção da paz com objetivos de desenvolvimento; que os custos comuns ficam a cargo dos Estados-Membros, ao abrigo do mecanismo ATHENA; que, embora o principal objetivo da política de desenvolvimento da UE seja a redução da pobreza e, a prazo, a sua erradicação, os artigos 209.º e 212.º do TFUE não proscrevem explicitamente o financiamento do desenvolvimento de capacidades no domínio da segurança; que o FED e o Mecanismo de Apoio à Paz em África, enquanto instrumentos externos ao orçamento da UE, são importantes para abordar a correlação entre segurança e desenvolvimento; que o FED requer que a programação seja concebida de modo a cumprir os critérios aplicáveis à APD, os quais excluem a maioria das despesas relacionadas com a segurança; que a UE estuda atualmente a possibilidade de criar instrumentos adicionais específicos no âmbito da sua iniciativa consagrada ao reforço de capacidades para a segurança e o desenvolvimento;

T.  Considerando que as necessidades dos países em questão e a segurança europeia devem constituir os princípios orientadores da participação da UE;

1.  Salienta a necessidade de ações externas coordenadas que recorram a instrumentos nos domínios da diplomacia, da segurança e do desenvolvimento, a fim de restaurar a confiança e dar resposta aos desafios colocados pelas guerras, pelos conflitos internos, pela insegurança, pela fragilidade e pelos processos de transição;

2.  Observa que as operações de paz contemporâneas se caracterizam cada vez mais pelo destacamento de diversas missões autorizadas pelas Nações Unidas no mesmo teatro de operações, com diferentes intervenientes e organizações regionais; realça que a gestão destas parcerias complexas, evitando a duplicação de trabalho ou de missões, é fundamental para o sucesso das operações; apela, neste contexto, à avaliação e à racionalização das estruturas existentes;

3.  Salienta a importância da comunicação em fases precoces e do reforço dos procedimentos de consulta, em situação de crise, da ONU, da UA e de outras organizações, como a OTAN e a OSCE; destaca a necessidade de melhorar o intercâmbio de informações, incluindo em matéria de planeamento, execução e análise das missões; congratula-se com a conclusão e assinatura do acordo administrativo UE-ONU sobre o intercâmbio de informações classificadas; reconhece a importância da parceria África-UE e do diálogo político sobre paz e segurança entre a UE e a UA; sugere que se celebre um acordo entre a UA, a UE e outros intervenientes de relevo, e que a ONU defina um conjunto de metas comuns para a segurança e o desenvolvimento em África;

4.  Exorta a UE, tendo em conta a dimensão do desafio e a complexidade do envolvimento de outras organizações e nações, a procurar repartir adequadamente o trabalho e a privilegiar os domínios em que possa criar maior valor acrescentado; observa que diversos Estados-Membros já participam em operações em África e que a UE pode gerar um verdadeiro valor acrescentado mediante um maior apoio a essas operações;

5.  Salienta que, num contexto de segurança cada vez mais complexo, as missões da ONU e da UA necessitam de uma abordagem global no âmbito da qual, para além do recurso a instrumentos militares, diplomáticos e de desenvolvimento, são essenciais outros fatores, como um conhecimento profundo do contexto de segurança, o intercâmbio de dados e informações e de modernas tecnologias, o conhecimento da forma como lutar contra o terrorismo e o crime em zonas de conflito e pós-conflito, a colocação à disposição de catalisadores decisivos, a prestação de ajuda humanitária e o restabelecimento do diálogo político, elementos para os quais os países europeus podem contribuir; destaca o trabalho que está a ser desenvolvido por alguns Estados-Membros e por outras organizações plurinacionais neste domínio;

6.  Salienta a importância dos outros instrumentos da UE no domínio da segurança e, em particular, as missões e operações da PCSD; recorda que a UE intervém em África para contribuir para a estabilização dos países em crise, nomeadamente através de missões de formação; sublinha o papel das missões PCSD, tanto civis como militares, no apoio às reformas do setor da segurança e na contribuição para a estratégia internacional de gestão de crises;

7.  Assinala que o reconhecimento da legitimidade de uma OAP é primordial para o seu êxito; considera que a UA deve, por isso, contribuir, disponibilizando apoio e forças militares sempre que possível; observa que tal é igualmente importante no tocante aos objetivos a longo prazo de autorregulação da UA;

8.  Saúda o facto de o novo programa de ação do Mecanismo de Apoio à Paz em África colmatar lacunas e colocar maior ênfase nas estratégias de saída, no aumento da partilha de responsabilidades com os países africanos, num apoio mais orientado e na melhoria dos processos decisórios;

9.  Acolhe favoravelmente a Parceria Estratégica ONU-UE para a Manutenção da Paz e a Gestão de Crises e as respetivas prioridades para o período 2015-2018, acordadas em março de 2015; toma nota das missões PCSD passadas e em curso destinadas à manutenção da paz, à prevenção de conflitos e ao reforço da segurança internacional, bem como do papel fundamental desempenhado por outras organizações, como as organizações pan-africanas e regionais, e pelos países dessas zonas; insta a UE a envidar esforços adicionais para facilitar os contributos dos Estados-Membros; recorda que a UE participou em ações de gestão de crises em África, tendo por objetivo a manutenção da paz, a prevenção de conflitos e o reforço da segurança internacional, em conformidade com a Carta das Nações Unidas; assinala que, na Cimeira de Líderes consagrada à manutenção da paz, realizada em 28 de setembro de 2015, só 11 dos 28 Estados-Membros da UE assumiram compromissos, enquanto a China se comprometeu a disponibilizar uma força de prevenção de 8 000 homens e a Colômbia um contingente de 5 000 soldados; insta os Estados-Membros da UE a aumentarem substancialmente os contributos de caráter militar e policial para as missões de manutenção da paz da ONU;

10.  Destaca a necessidade de uma resposta africana célere a crises e salienta o papel fundamental da Força Africana de Alerta (FAA) para o efeito; sublinha o importante contributo da UE, através da Facilidade de Apoio à Paz em África e do financiamento da UA, para que a UA possa reforçar as suas capacidades e proporcionar uma resposta coletiva às crises no continente; encoraja as organizações regionais, como a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), a aumentarem os seus esforços em matéria de resposta rápida de África às crises e a complementarem as ações da UA;

11.  Salienta, no entanto, a importância de investir mais na prevenção de conflitos, tendo em conta fatores como a radicalização política e religiosa, a violência associada a eleições, as deslocações da população e as alterações climáticas;

12.  Reconhece o contributo fundamental do Mecanismo de Apoio à Paz em África para o desenvolvimento da parceria triangular entre o ONU, a UE e a UA; considera que este mecanismo constitui um ponto de partida e uma potencial alavanca para criar uma parceria mais sólida entre a UE e a UA e provou ser indispensável ao permitir à UA e, através desta, às oito comunidades económicas regionais (CER) planificar e gerir as suas operações; considera essencial que as instituições e os Estados-Membros da UE mantenham o respetivo empenho, de modo a que se tire pleno proveito deste mecanismo, e que a UA dê provas de mais eficácia e transparência na utilização destes fundos; entende que o Mecanismo de Apoio à Paz em África deve concentrar-se no apoio estrutural e não no financiamento das remunerações das forças africanas; reconhece que também são utilizados outros mecanismos de financiamento, embora entenda que, em virtude da atenção exclusiva que concede a África e dos seus objetivos claros, o Mecanismo de Apoio à Paz em África se reveste de uma importância particular para as OAP em África; considera que as organizações da sociedade civil que desenvolvem atividades em prol da instauração da paz em África devem ter a oportunidade de apresentar os seus pontos de vista no âmbito de um envolvimento mais estratégico com as organizações da sociedade civil em matéria de paz e segurança; declara continuar preocupado com os problemas recorrentes de financiamento e de vontade política nos países africanos; regista as conclusões do Conselho de 24 de setembro de 2014, que se referem à necessidade de serem consideradas fontes de financiamento alternativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento;

13.  Observa que o reforço da cooperação militar europeia aumentaria a eficiência e a eficácia do contributo da Europa para as missões de paz das Nações Unidas;

14.  Regozija-se, dada a elevadíssima importância do desenvolvimento de capacidades em África, com o êxito do exercício AMANI/AFRICA II realizado em outubro de 2015, que envolveu mais de 6 000 militares, membros da polícia e civis, e aguarda com expectativa a operacionalização dos 25 000 soldados da Força Africana de Alerta o mais cedo possível, em 2016;

15.  Solicita à UE e aos seus Estados-Membros, bem como a outros membros da comunidade internacional, que prestem assistência em matéria de formação, incluindo em termos de disciplina, equipamento, apoio logístico, assistência financeira e desenvolvimento de regras de empenhamento, a fim de encorajar e respaldar plenamente os Estados africanos e garantir o respetivo empenho relativamente à Força Africana de Alerta; apela a uma promoção mais ativa da Força Africana de Alerta nas capitais africanas por parte das embaixadas dos Estados-Membros e das delegações da UE; entende que é necessário redefinir a APD no âmbito da OCDE, tendo em mente a consolidação da paz; Considera que o Regulamento relativo ao FED deve ser revisto, a fim de permitir a elaboração de programas que incluam despesas no domínio da paz, da segurança e da justiça que visem o desenvolvimento;

16.  Assinala a importância das missões PCSD para a segurança em África, em particular as missões de formação e apoio às forças africanas, nomeadamente a EUTM Mali, a EUCAP Sael Mali e a EUCAP Sael Níger, a EUTM Somália e EUCAP Nestor; regista o apoio complementar dado por estas missões para os esforços de outras missões das Nações Unidas; insta a UE a reforçar as capacidades dessas missões de formação, em particular para poder acompanhar, no teatro das operações e após o regresso, os militares africanos;

17.  Insiste em que nem a UE nem os seus Estados-Membros, ao respaldar as OAP, ajam isoladamente e, em vez disso, tenham em plena consideração os contributos de outros intervenientes internacionais, melhorem a coordenação com os mesmos e a rapidez da resposta, e concentrem os seus esforços em países prioritários, colocando os Estados-Membros e os países africanos mais adequados e mais experientes a desempenhar o papel de nações dirigentes; sublinha a importância das comunidades económicas regionais na arquitetura da segurança em África; assinala o papel que as delegações da UE podem desempenhar como facilitadores da coordenação entre intervenientes internacionais;

18.  Apoia uma abordagem holística da UE, enquanto principal instrumento para a mobilização de todo o potencial da ação da UE no quadro das operações de manutenção da paz e do processo de estabilização, bem como para a mobilização de diferentes formas de apoio ao desenvolvimento dos países da UA;

19.  Salienta que o apoio à gestão das fronteiras deve ser uma prioridade da intervenção da UE em África; observa que a porosidade das fronteiras é um dos principais fatores do aumento do terrorismo em África;

20.  Acolhe com satisfação a comunicação conjunta sobre o desenvolvimento de capacidades e subscreve o apelo do Conselho para a respetiva aplicação com caráter de urgência; destaca o potencial da UE, em particular através da sua abordagem global que compreende meios civis e militares, para contribuir para o reforço da segurança em países frágeis e afetados por conflitos e dar resposta às necessidades dos seus parceiros, nomeadamente os destinatários do apoio militar, reiterando, em simultâneo, que a segurança é uma condição prévia para o desenvolvimento e a democracia; lamenta que nem a Comissão nem o Conselho tenham comunicado ao Parlamento a sua avaliação das opções jurídicas para reforçar as capacidades; solicita às duas instituições que informem o Parlamento Europeu sobre esta questão em tempo oportuno; insta a Comissão a propor uma base jurídica conforme com os objetivos europeus originais de 2013, enunciados na iniciativa «Enable and Enhance»;

21.  Sublinha que o documento do Serviço Jurídico do Conselho, de 7 de dezembro de 2015, intitulado «Reforçar as capacidades para promover a segurança e o desenvolvimento - Questões jurídicas» identifica formas e meios de financiar os equipamentos das forças militares dos países africanos; solicita ao Conselho que prossiga esta reflexão;

22.  Congratula-se com as respostas positivas que a França recebeu na sequência da ativação do artigo 42.º, n.º 7; acolhe muito favoravelmente o renovado empenho das forças armadas europeias em África;

23.  Reconhece que, com frequência, o problema não é a falta de financiamento, mas antes a forma como os fundos são aplicados e a natureza de outros recursos utilizados; observa que as recomendações do Tribunal de Contas relativas aos fundos da UE não foram totalmente aplicadas; apela a uma análise periódica do modo como o financiamento dos governos nacionais através da UE e da ONU é utilizado; entende que é fundamental utilizar estes fundos de forma eficaz, dada a sua natureza limitada e a dimensão dos problemas enfrentados; considera que a prestação de contas constitui um elemento indispensável deste processo e contribui para combater a corrupção endémica em África; insiste em que se proceda a uma avaliação mais rigorosa e transparente das OAP apoiadas pela UE; apoia iniciativas como o fundo fiduciário Bêkou, que atua na República Centro-Africana e que procura mutualizar recursos, conhecimentos e capacidades da Europa em matéria de desenvolvimento, a fim de pôr termo à fragmentação e à falta de eficácia da ação internacional no contexto da reconstrução de um país; exorta a uma programação conjunta mais sistemática entre os diferentes instrumentos da UE;

24.  Toma nota do relatório de avaliação das Nações Unidas, de 15 de maio de 2015, sobre os esforços de execução e assistência corretiva no domínio da exploração e abusos sexuais elaborado pelas Nações Unidas e pelo pessoal afeto às operações de manutenção da paz; considera que a UA, a ONU, a UE e os Estados-Membros devem exercer uma forte vigilância em relação a esses crimes, e insta a que se apliquem os procedimentos disciplinares e judiciais mais rigorosos e a que se realizem os maiores esforços para prevenir tais crimes; recomenda, além disso, que se eduque e forme adequadamente o pessoal das operações de manutenção da paz, e considera que a designação de pessoal do sexo feminino e assessores sobre questões de género contribuirá para superar mal-entendidos culturais e reduzir os casos de violência sexual;

25.  Apela a um esforço concertado em prol do desenvolvimento de capacidades pela UE e pela ONU; considera que o atual programa de financiamento é insustentável e que o recurso ao Mecanismo de Apoio à Paz em África deve estar sujeito a condições, a fim de encorajar a UA a aumentar os seus contributos para as OAP;

26.  Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente resolução ao Presidente do Conselho Europeu, à Vice-Presidente da Comissão / Alta Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, ao Conselho, à Comissão, aos parlamentos dos Estados-Membros, ao Secretário-Geral das Nações Unidas, ao Presidente da Comissão da União Africana, ao Presidente do Parlamento Pan-Africano, ao Secretário-Geral da OTAN e ao Presidente da Assembleia Parlamentar da OTAN.

(1)

S/2015/229.

(2)

JOIN(2015)17 final.

(3)

A/70/95–S/2015/446.

(4)

Documento do Conselho 11216/12.

(5)

EEAS(2015)458, Documento do Conselho 7632/15.

(6)

Documento do Conselho 7204/08.

(7)

Documento do Conselho 8370/14.

(8)

Textos Aprovados, P8_TA(2015)0403.

(9)

Textos aprovados, P7_TA(2010)0439.


OPINIÃO MINORITÁRIA

sobre as operações de apoio à paz – o compromisso da UE com as Nações Unidas e a União Africana

(2015/2275(INI))

Comissão dos Assuntos Externos Relator: Geoffrey Van Orden

Opinião minoritária apresentada por Javier Couso Permuy e Sabine Lösing, membros do Grupo GUE/NGL

O relatório tem por objetivo aumentar a contribuição da UE para as operações de apoio à paz e a colaboração com as Nações Unidas e a União Africana. Apela aos Estados-Membros da UE para que aumentem substancialmente as suas contribuições de caráter militar e policial para as missões da ONU;

Opomo-nos ao relatório pelas seguintes razões:

-  Solicita à UE que redobre esforços para reforçar a segurança internacional e afirma que a segurança europeia deve ser o motor das intervenções da UE;

-  Não reconhece o papel negativo e desestabilizador do Ocidente;

-  Numerosas missões (militares) de manutenção da paz são financiadas pelo Mecanismo de Apoio à Paz em África e sobretudo pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED);

-  Não reconhece que anteriores missões «enérgicas» não tiveram êxito em termos de estabilidade e paz a longo prazo.

Solicitamos veementemente:

-  que não seja concedido qualquer financiamento para fins militares ou de segurança a título do FED;

-  que não seja utilizado o «mecanismo de responsabilidade pela proteção» como pretexto para intervenções militares;

-  que seja posto imediatamente termo ao saque de recursos naturais por parte de multinacionais e de poderes estrangeiros, bem como aos danos;

-  a saída da OTAN do continente africano e o fim da fusão de capacidades civis e militares e da cooperação e das intervenções UE-OTAN;

-  uma separação estrita entre a UE e a OTAN;

-  uma investigação independente de todos os casos de violação e de abuso sexual por parte das brigadas da UE e das OAP.


PARECER da Comissão do Desenvolvimento(*) (16.3.2016)

dirigido à Comissão dos Assuntos Externos

sobre as operações de apoio à paz – o compromisso da UE com a ONU e a União Africana

(2015/2275(INI))

Relator (*): Paavo Väyrynen

(*) Comissão associada – Artigo 54.º do Regimento

SUGESTÕES

A Comissão do Desenvolvimento insta a Comissão dos Assuntos Externos, competente quanto à matéria de fundo, a incorporar as seguintes sugestões na proposta de resolução que aprovar:

1.  Reconhece que 1500 milhões de pessoas vivem em regiões frágeis e afetadas por conflitos e em Estados periclitantes espalhados pelo mundo e que os espaços sem governação se alastram, ficando muitos deles abandonados à pobreza, à anarquia, à corrupção galopante e à violência;

2.  Salienta a necessidade de ações externas coordenadas que recorram a instrumentos nos domínios da diplomacia, da segurança e do desenvolvimento, a fim de restaurar a confiança e de dar resposta aos desafios colocados pelas guerras, pelos conflitos internos, pela insegurança, pela fragilidade e pelos processos de transição;

3.  Congratula-se com o objetivo da clarificação dos limites do empenho da UE relativamente às operações de apoio à paz (OAP) junto das Nações Unidas (ONU) e da União Africana (UA); recorda que o orçamento da UE não pode ser usado para financiar diretamente operações militares ou de defesa (artigo 41.º, n.º 2, do TUE); critica o facto de muitas missões (militares) de manutenção da paz estarem a ser financiadas pelo Mecanismo de Apoio à Paz em África, que confere uma prioridade clara à segurança e à mobilização de forças militares e é sobretudo financiada pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento; recorda que o principal objetivo da política de desenvolvimento da UE (artigo 208.º do TFUE) é a redução da pobreza e, a prazo, a sua erradicação;

4.  Lamenta que somente 11 dos 28 Estados-Membros da UE tenham assumido compromissos na Cimeira dos Líderes para a Manutenção da Paz, de 28 de setembro de 2015;

5.  Declara-se apreensivo ante a falta de transparência das operações de apoio à paz da UE; sublinha que deverão ser efetuadas investigações exaustivas, caso haja queixas, incluindo as que se relacionem com preocupações do foro financeiro; sublinha que os crimes que envolvam atropelos aos Direitos Humanos, por exemplo casos de violência sexual e de tráfico de seres humanos, devem ser julgados e punidos, na medida em que há exemplos recentes que demonstraram também a participação nesses atos de pessoal da UE em missões de manutenção da paz; recorda que a melhoria do atual financiamento da UE às operações de apoio à paz não deve ser prejudicial a outros fundos, em especial os fundos dedicados ao desenvolvimento dos países em que decorrem tais operações; sublinha que a UE deve assumir uma maior responsabilidade pela segurança em África, com o apoio da comunidade internacional; congratula-se, a este respeito, com a decisão da UA, de 15 de junho de 2015, de atribuir 25% dos seus recursos ao orçamento para as operações de apoio à paz da UA; salienta que os mecanismos regionais devem ser reforçados; considera que os instrumentos de financiamento e os programas regionais da UE têm de ser utilizados de forma coerente, com uma programação conjunta mais sistemática, a fim de garantir a eficácia da ação externa da UE;

6.  Lamenta que o Mecanismo de Apoio à Paz em África (APF) continue a ser financiado principalmente através do FED, dado que em 2003, quando foi criado o APF, o financiamento do FED se destinava claramente a ser provisório; insta a Comissão a apresentar, aquando da revisão do Quadro Financeiro Plurianual da UE, uma proposta destinada a integrar o financiamento do Mecanismo de Apoio à Paz em África no orçamento da União, eventualmente através de um novo instrumento para reforçar as capacidades no setor da segurança; considera que este método de financiamento resolveria os atuais problemas relacionados com a elegibilidade de algumas despesas a título do APF;

7.  Salienta a necessidade de o SEAE desenvolver uma abordagem muito mais eficiente e estratégica em relação às agências das Nações Unidas, em particular no que toca à programação dos instrumentos financeiros externos; insta a AR/VP e as delegações da UE de relevo nas regiões instáveis a assegurarem uma maior visibilidade da ajuda da UE no terreno;

8.  Considera que a paz e a segurança são condições prévias indispensáveis ao desenvolvimento; sublinha a importância de se abordar as causas profundas dos conflitos e reivindica um plano global de reforço das políticas de desenvolvimento sustentável, a fim de assegurar o desenvolvimento a longo prazo; recorda a necessidade de se disponibilizar instrumentos para a consecução de medidas inequívocas em prol da Democracia e dos valores democráticos, como a boa governação, o Estado de Direito, o respeito pelos direitos fundamentais e a proibição da discriminação independentemente dos seus fundamentos, a par de uma economia sustentável e de uma sociedade dotada de estabilidade; assinala que as atividades civis de prevenção de conflitos e consolidação da paz não podem ser descuradas em benefício de outros aspetos da paz e da segurança, tanto no plano militar, como no da gestão de crises a curto prazo; sublinha a necessidade de um plano global para as zonas em conflito e para as áreas limítrofes, com vista a prevenir a emergência de novos antagonismos; solicita, neste contexto, que se recorra sem restrições a um sistema de alerta precoce;

9.  Lamenta que, muitas vezes, as operações de «manutenção da paz» se dediquem simplesmente à manutenção insustentável de uma segurança superficial; apela a uma reflexão profunda sobre o conceito, a estrutura e até mesmo a designação dessas operações; reitera e salienta com firmeza a necessidade de operações realmente concebidas para resolver as causas profundas da guerra, da instabilidade e do subdesenvolvimento de uma determinada região, que se caracterizem pelo seu elevado nível de resiliência;

10.  Solicita, neste contexto, que o apoio da UE às organizações da sociedade civil (OSC) ocupe um lugar de maior destaque em todas as parcerias e apela a um envolvimento mais estratégico com as OSC, que deve ser integrado em todos os instrumentos e programas externos e em todos os domínios da cooperação, em especial no que respeita à agenda da paz e da segurança; recorda que o Conselho reconheceu o papel essencial das OSC neste contexto;

11.  Recorda os perigos inerentes ao aumento do terrorismo em África e a multiplicação dos grupos terroristas, como o Boko Haram; salienta a importância de apoiar uma política eficaz e sustentável de luta contra o terrorismo nos países em desenvolvimento e de apoiar a criação de empregos para os jovens, cujo desemprego impulsiona o recrutamento pelos grupos terroristas;

12.  Recorda que a violência sexual é utilizada como arma de guerra em muitas zonas de conflito; salienta que as mulheres e as raparigas são particularmente vulneráveis em situações de conflito; sublinha a sua necessidade de proteção, com o apoio de forças armadas devidamente formadas e respeitadoras dos Direitos Humanos;

13.  Recorda que a paz foi reconhecida como fundamental para o desenvolvimento no quadro da nova Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável e que foi introduzido o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 16, relativo à paz e à justiça;

14.  Salienta a necessidade de uma abordagem coerente e global da paz, da estabilidade e do desenvolvimento; sublinha de forma enfática a necessidade de se abordar as questões de desenvolvimento numa perspetiva de longo prazo e que tenha em conta as causas profundas do problema, mas condena com firmeza a tentativa de utilizar os fundos consagrados ao desenvolvimento para atuar em domínios diferentes – embora conexos –, como a paz e a segurança;

15.  Recorda a extrema importância do desarmamento – com particular ênfase para os combatentes civis e os exércitos irregulares –, a fim de se alcançar a estabilidade e os objetivos de desenvolvimento;

16.  Salienta a necessidade de se conceber as operações de apoio à paz como um traço de união entre a prevenção de conflitos, a resolução de conflitos, a consolidação da paz e o desenvolvimento pós-conflito; considera que a ação externa da UE em países frágeis e afetados por guerras civis se deve centrar na prevenção de conflitos e no desenvolvimento de capacidades para apoiar a segurança e o desenvolvimento e, por conseguinte, combater as causas profundas da instabilidade; reitera a necessidade de se apoiar reformas no setor da segurança, a fim de garantir a proteção das populações e a segurança dos investimentos nos países em desenvolvimento; frisa igualmente a necessidade de uma abordagem holística às operações de manutenção da paz levadas a cabo pela ONU, pela UA, pela UE e por outros intervenientes;

17.  Insiste na prossecução imperativa de um diálogo político sistemático entre a UE e a UA sobre os desafios em matéria de paz e segurança e sobre a forma de consolidar, a mais longo prazo, os recentes resultados positivos do APF;

18.  Sublinha que se deve dar ênfase aos esforços em termos políticos, humanitários e de desenvolvimento, com o apoio das operações civis de manutenção da paz, e que o apoio por parte dos atores e dos dispositivos militares deve ser entendido como um último recurso; recomenda que as operações militares de manutenção da paz façam parte integrante de uma abordagem global mais ampla, que tenha em conta a correlação entre segurança e desenvolvimento, devendo ser coordenadas com a política humanitária e de desenvolvimento, quer durante as operações, a fim de contribuir para a resolução pacífica dos conflitos, quer depois das operações, a fim de conferir sustentabilidade às soluções de pacificação; relembra que os Direitos Humanos e o Estado de Direito devem fazer sempre parte integrante da formação dada aos exércitos; salienta que as necessidades humanitárias devem ser satisfeitas com base numa avaliação exaustiva das necessidades;

19.  Regista com enorme preocupação – e lamenta – o elevado número de casos de exploração sexual e prostituição forçada de mulheres, prostituição infantil e tráfico de crianças, que muitas vezes se multiplicam durante e imediatamente após as operações de manutenção da paz; insta todas as autoridades pertinentes da UE – em especial quando a UE participa nessas operações – a tomar urgentemente todas as medidas para pôr termo a estas violações, proteger as vítimas, levar os criminosos a julgamento e colocar os Direitos Humanos no centro de todas as iniciativas realizadas no âmbito das referidas operações.

RESULTADO DA VOTAÇÃO FINALNA COMISSÃO ENCARREGADA DE EMITIR PARECER

Data de aprovação

15.3.2016

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

18

5

1

Deputados presentes no momento da votação final

Louis Aliot, Nicolas Bay, Ignazio Corrao, Doru-Claudian Frunzulică, Nathan Gill, Maria Heubuch, Teresa Jiménez-Becerril Barrio, Linda McAvan, Norbert Neuser, Maurice Ponga, Cristian Dan Preda, Lola Sánchez Caldentey, Elly Schlein, Pedro Silva Pereira, Eleni Theocharous, Paavo Väyrynen, Bogdan Brunon Wenta

Suplentes presentes no momento da votação final

Juan Fernando López Aguilar, Louis-Joseph Manscour, Paul Rübig, Jan Zahradil, Joachim Zeller

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Michèle Rivasi, Estefanía Torres Martínez


RESULTADO DA VOTAÇÃO FINALNA COMISSÃO COMPETENTE QUANTO À MATÉRIA DE FUNDO

Data de aprovação

19.4.2016

 

 

 

Resultado da votação final

+:

–:

0:

58

6

2

Deputados presentes no momento da votação final

Michèle Alliot-Marie, Francisco Assis, Amjad Bashir, Goffredo Maria Bettini, Elmar Brok, Klaus Buchner, Fabio Massimo Castaldo, Lorenzo Cesa, Aymeric Chauprade, Javier Couso Permuy, Andi Cristea, Mark Demesmaeker, Georgios Epitideios, Anna Elżbieta Fotyga, Eugen Freund, Iveta Grigule, Richard Howitt, Sandra Kalniete, Tunne Kelam, Afzal Khan, Janusz Korwin-Mikke, Andrey Kovatchev, Ilhan Kyuchyuk, Barbara Lochbihler, Ulrike Lunacek, Andrejs Mamikins, Ramona Nicole Mănescu, Javier Nart, Pier Antonio Panzeri, Demetris Papadakis, Ioan Mircea Paşcu, Vincent Peillon, Alojz Peterle, Tonino Picula, Andrej Plenković, Cristian Dan Preda, Sofia Sakorafa, Charles Tannock, László Tőkés, Geoffrey Van Orden, Boris Zala

Suplentes presentes no momento da votação final

Luis de Grandes Pascual, Marielle de Sarnez, Andrzej Grzyb, András Gyürk, Takis Hadjigeorgiou, Marek Jurek, Javi López, Antonio López-Istúriz White, Norbert Neuser, Norica Nicolai, Soraya Post, Marietje Schaake, Jean-Luc Schaffhauser, Helmut Scholz, Traian Ungureanu, Bodil Valero, Paavo Väyrynen, Janusz Zemke

Suplentes (art. 200.º, n.º 2) presentes no momento da votação final

Doru-Claudian Frunzulică, Monika Hohlmeier, Zdzisław Krasnodębski, Marian-Jean Marinescu, Indrek Tarand, Bogdan Andrzej Zdrojewski, Ivan Štefanec

Dados pessoais - Política de privacidade