Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

 Index 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 13 de Março de 2001 - Estrasburgo Edição JO

Sanções impostas às empresas que transportem para o território dos Estados membros nacionais de países terceiros sem a documentação necessária à sua admissão
MPphoto
 
 

  Turco (TDI).(IT) Senhor Presidente, intervenho em nome dos deputados eleitos da Lista Bonino para anunciar o nosso voto contra o relatório Kirkhope e a proposta da Presidência francesa, ou seja, sobre mais uma proposta repressiva em matéria de imigração.

Não há dúvida de que as considerações tecidas pelas colegas Cerdeira Morterero, Sörensen e Frahm, bem como pela última intervenção, têm a sua solidez, mas para entrarmos no cerne deste relatório e desta proposta há que ter em conta uma questão de princípio, nomeadamente, que sobre o problema das políticas de imigração chegámos ao parcelamento, porque de outra forma teríamos de declarar, ou melhor, sobretudo o Conselho teria de declarar que não foi capaz de gerir esse fenómeno, ou seja, que não foi capaz de prever o que poderia acontecer, que não foi capaz de prevenir e que hoje continua a não ser capaz de apresentar propostas de gestão.

Somos bombardeados com as propostas do Conselho e dos diferentes Estados-Membros que, por um lado, afirmam que desejam construir uma política de imigração comum e global enquanto, por outro lado, integram e harmonizam segmentos de direito repressivo, sem definirem de alguma forma os conteúdos e os critérios que estarão – ou melhor, que deveriam estar – na base da futura política europeia de imigração.

Não acreditamos que este relatório e esta proposta possam de algum modo contribuir para se chegar a uma política de imigração; pelo contrário, pensamos que são precisamente essas propostas que contribuem para que se registem acontecimentos como o de Dover, em que houve vítima humanas. Deste modo estamos a contribuir para o enriquecimento das máfias.

 
Aviso legal - Política de privacidade