Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Segunda-feira, 8 de Março de 2010 - Estrasburgo Edição JO

Intervenções de um minuto sobre questões políticas importantes
MPphoto
 

  Maria do Céu Patrão Neves (PPE). - Nos últimos três meses em Portugal ocorreram seis sinistros marítimos muito graves em que perderam a vida treze pescadores, oito dos quais ainda não foi possível recuperar o corpo, tendo-se também registado a perda total das embarcações, o ganha-pão de muitos outros.

As comunidades piscatórias de Castelo de Neive, Matosinhos, Setúbal, Areosa, Peniche e Caminha estão de luto, ao qual eu me quero associar com este testemunho hoje aqui.

Num Inverno bastante rigoroso que não tem possibilitado muitos dias de faina e os escassos apoios para os pescadores em terra obrigam-nos a fazerem-se ao mar em condições adversas. O envelhecimento de algumas embarcações, a falta de segurança a bordo e de uma boa formação a este nível potencializam ainda mais os sinistros. Esta é uma realidade inadmissível que urge fazer desaparecer.

Neste contexto, o estabelecimento de condições que garantam a segurança dos pescadores deve constituir um dos objectivos prioritários da reforma da Política Comum das Pescas através do investimento na modernização das embarcações, no reforço dos meios de segurança, na formação dos pescadores em segurança básica e nas condições de vida digna quando o estado do mar aconselha a ficar em terra.

 
Aviso legal - Política de privacidade