Index 
 Anterior 
 Seguinte 
 Texto integral 
Debates
Terça-feira, 8 de Março de 2011 - Estrasburgo Edição JO

8. Centenário do Dia Internacional da Mulher
Vídeo das intervenções
PV
MPphoto
 

  Presidente. – É com enorme satisfação que presido ao nosso Parlamento, juntamente com as minhas colegas do sexo feminino. Seis delas são Vice-Presidentes do Parlamento, duas são Questoras, e a Vice-Presidente da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Género está sentada ao meu lado. Esta é uma honra e um privilégio especial para mim.

Declaro reaberta a sessão. Segue-se na ordem do dia o debate sobre o 100.º aniversário do Dia Internacional da Mulher. Começaremos com a projecção de um pequeno filme que resume a história deste dia notável. Peço o favor de iniciarem a projecção.

(Projecção de um filme)

Caros convidados, Senhoras e Senhores Deputados, um filme com duração de dois minutos não pode mostrar tudo o que aconteceu ao longo dos últimos 100 anos. De facto, durante esse século mudámos a Europa, e nós, europeus, podemos orgulhar-nos quando comparamos a Europa com outras regiões do mundo, contudo sabemos, simultaneamente, que a nossa jornada ainda não acabou. São ainda muito poucas as mulheres na política, sendo que, aqui no Parlamento Europeu, as nossas deputadas representam apenas 35% de todos os deputados. Este número é, reconhecidamente, um pouco maior do que nos parlamentos nacionais, mas ainda não é suficiente. Felizmente, os números relativos aos principais órgãos de decisão do nosso Parlamento são claramente superiores a 40%, realidade com que muito nos congratulamos. Este é também o caso das presidências das comissões.

No entanto, a formação do Parlamento Europeu, dentro de três anos, na sequência das próximas eleições, dependerá essencialmente dos parlamentos nacionais e da forma como forem escolhidos os representantes ao Parlamento Europeu. Caberá aos nossos parlamentos nacionais garantir que o número de mulheres no Parlamento Europeu aumente. Exortamo-los a fazê-lo, e instamos os nossos homólogos nos parlamentos nacionais a garantir que sejam encontradas as soluções jurídicas e tomadas as decisões adequadas para facilitar um aumento no número de mulheres no Parlamento Europeu.

Podemos também dar o exemplo no que toca ao emprego das mulheres. Dos funcionários do Parlamento Europeu, 59% são mulheres e, ao mesmo tempo, mais de 50% dessas mulheres lidam com questões de fundo. Tenho uma vasta experiência nesta área, e orgulho-me do facto de, enquanto fui responsável pelo Governo do meu país, cerca de 50 mulheres terem ocupado os mais elevados cargos ministeriais e servido como directoras dos mais importantes gabinetes estatais. Este recorde nunca foi batido, nem antes, nem na dúzia de anos, aproximadamente, que decorreram desde então.

Na qualidade de Presidente do Parlamento Europeu, tenho também instado a que haja mais mulheres na Comissão Europeia e em posições de alto nível na União Europeia. Podemos congratular-nos com o facto de o cargo de Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança ser preenchido por uma mulher.

A situação em empresas europeias também mudou, o que é muito benéfico não só para as mulheres, mas, acima de tudo, para a forma como essas empresas funcionam. Devemos ainda garantir que as mulheres e os homens que desempenham as mesmas funções e possuem as mesmas qualificações aufiram o mesmo salário. Está ainda muito por fazer a este respeito.

Estamos bem conscientes de que as mulheres são também capazes de lutar pela democracia e pelos direitos humanos. Gostaria de prestar homenagem a todas as nossas colegas no Parlamento Europeu, pensando, neste momento, também nas mulheres do Norte de África e do Médio Oriente, que revelam enorme coragem na sua luta pela democracia. Lembremos também que, entre os anteriores galardoados com do Prémio Sakharov, se contam mulheres magníficas, como Aung San Suu Kyi, Leyla Zana e as Damas de Branco. Gostaria, portanto, uma vez mais, de reiterar que jamais concordaremos em privar as mulheres da sua dignidade em nome de qualquer sistema jurídico, religião ou cultura. Jamais concordaremos que as mulheres tenham menos direitos do que os homens, na Europa ou qualquer outra parte do mundo. Protestaremos sempre que as mulheres sejam tratadas com injustiça.

Senhoras e Senhores Deputados, em 3 de Novembro de 1793, há 218 anos, Olympia de Gouges foi decapitada na Europa por ter redigido uma declaração dos direitos da mulher e da cidadã. Assassinada exclusivamente por essa razão. Cem anos depois, em 1906, as mulheres conquistaram o direito de voto. O primeiro país a reconhecer esse direito foi a Finlândia. Lembremo-nos disso. Ao longo do século seguinte, fizemos enormes progressos na consecução da igualdade entre mulheres e homens. Gostaria de salientar algo que me é, pessoalmente, muito caro, a saber, que 8 de Março seja um feriado em honra das mulheres. É verdade. No entanto, este feriado serve sobretudo para nos lembrar que não podemos descurar a questão mais importante na Europa dos nossos dias, a saber, a igualdade de direitos entre mulheres e homens durante os restantes 364 dias do ano. Os princípios que pretendemos reiterar em 8 de Março deverão ser aplicáveis, igualmente, nos restantes 364 dias do ano. Este é o principal desafio que enfrentamos. Não basta comemorar o dia 8 de Março, é preciso reflectir neste assunto também todos os outros dias do ano. Muito obrigado.

 
  
MPphoto
 

  Enikő Győri, Presidente em exercício do Conselho.(HU) Senhor Presidente, quando o Dia Internacional da Mulher foi instituído, a igualdade das mulheres era uma ideia nova e revolucionária. Desde então, a igualdade de género tornou-se um dos princípios fundamentais da sociedade moderna. A sua origem reside na dignidade humana inalienável, partilhada por homens e mulheres em igual medida. No entanto, como acontece com todos progressos, não basta simplesmente declará-lo. A dignidade humana, incluindo a dignidade específica das mulheres, tem sido objecto de diversas violações, em épocas e lugares diferentes. A nossa atenção e as nossas respostas devem estar em consonância com essa realidade.

O facto de esta comemoração ocorrer após o debate sobre o relatório intitulado "O rosto da pobreza feminina na União Europeia" é extremamente eloquente. Pobreza e União Europeia: há algum tempo, esta associação pareceria improvável. A crise económica atingiu com especial gravidade os grupos menos protegidos. A sobre-representação das mulheres nesta categoria impõe, por si só, determinadas tarefas, já para não falar do destino típico que tem um número muito considerável de mulheres, conferindo à pobreza um rosto feminino fora da Europa, à escala mundial. Recorrendo às palavras de São Francisco de Assis: Senhora Pobreza. Somos testemunhas de que existem mulheres com filhos de tenra que fogem das guerras ou da fome, famílias desestruturadas sem pais que vivem em favelas, mulheres e jovens raparigas forçadas à prostituição, inclusivamente dentro da União Europeia.

Entre as prioridades da Presidência da Hungria, consta uma série de questões, cuja promoção, com êxito, poderá ter impacto no aumento do emprego entre as mulheres. A primeira delas é a Estratégia “Europa 2020”, com as suas metas políticas em matéria de emprego com vista à recuperação da crise económica e à redução da pobreza. O emprego das mulheres reforça a dignidade da mulher. Ajuda a que tomem as suas próprias decisões e moldem as suas vidas livremente.

A iniciativa emblemática "Plataforma contra a Pobreza" salienta que as medidas tomadas com vista à redução da pobreza também devem ter em conta as diferenças entre a situação das mulheres e dos homens.

A Presidência da Hungria considera a decisão tomada ontem pelo Conselho EPSCO sobre a renovação do Pacto Europeu para a Igualdade entre Homens e Mulheres, em 2020, uma importante conquista. Para além das medidas de política económica, é preciso não esquecermos também o papel especial das mulheres na sociedade. Deveremos dar às mulheres a possibilidade de conciliar as suas carreiras e a vida familiar, bem como a possibilidade de escolher. Para este fim, estamos a trabalhar na revisão da directiva relativa à introdução de medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde das trabalhadoras grávidas, puérperas ou lactantes; o respectivo relatório de progresso será elaborado a tempo do Conselho EPSCO de Junho.

As prioridades da Presidência húngara incluem acções de sensibilização para o papel das famílias no contexto da resposta aos problemas sociais, económicos e demográficos. Para este fim, organizaremos uma semana dedicada à demografia, com o envolvimento de ONG, e uma reunião informal dos Ministros dos Assuntos da família. O objectivo será discutir os meios a utilizar para aumentar as taxas de natalidade. Em todas estas matérias, evidentemente, as mulheres e as escolhas das mulheres têm um papel crucial.

Deve ser prestada especial atenção à situação das mulheres que pertencem a grupos desfavorecidos no quadro europeu das estratégias dos Estados-Membros para os Roma, que, esperamos, virão a ser aprovados pelo Conselho Europeu de Junho, e para os quais a senhora deputada Lívia Járóka e outros, relatores e ajudantes, deram contribuições muito valiosas no Parlamento Europeu. Esperamos que, também no Conselho, seja declarada a intenção de enfatizar o papel das mulheres romanichéis em manter unidas as suas famílias, o que seria uma boa base de partida na procura de respostas para as questões da população Roma.

Por último, Senhoras e Senhores Deputados, permitam-me uma breve digressão. A experiência histórica tem mostrado que não pode haver uma sociedade civil forte sem a participação social activa das mulheres. Como o Senhor Presidente Jerzy Buzek também referiu, havia mulheres entre os manifestantes que exigiam a liberdade na Praça Tahrir, no Cairo. Também elas querem moldar as mudanças que estão a ocorrer. É preciso que a União Europeia incentive os seus esforços: com generosidade, livre de estereótipos ideológicos, abertamente e com simpatia.

 
  
MPphoto
 

  José Manuel Barroso, Presidente da Comissão.(FR) Senhor Presidente, Senhora Ministra Enikő Győri, Senhoras e Senhores Deputados, recordamos hoje as vozes das mulheres que, em 19 de Março de 1911, começando na Alemanha, Áustria, Dinamarca e Suíça, reunindo em seguida muitas mais e indo cada vez mais além, se ergueram para defender os direitos das mulheres ao sufrágio universal e a melhores condições de trabalho.

Hoje, homenageamos também um século de luta e de êxitos de que somos todos beneficiários. Que seria das nossas democracias e, em particular, da democracia europeia aqui representada no Parlamento Europeu sem a plena participação das mulheres na vida pública? Que seria das nossas sociedades e das nossas economias sem o talento das mulheres?

As mulheres europeias são, em numerosos aspectos, modelos para o resto do mundo. O lugar ocupado pelas mulheres nas sociedades europeias é uma fonte de inspiração para as mulheres de todo o mundo. A este respeito, gostaria de mencionar a luta corajosa das mulheres do Norte da África que, ombro a ombro com os homens, tudo fazem para resistir à ditadura e estabelecer democracias. O papel activo que as mulheres europeias hoje desempenham na vida económica e política da União Europeia é o resultado do seu empenho determinado. Congratulamo-nos hoje com uma integração europeia, de que um dos princípios fundadores é a igualdade entre homens e mulheres, um princípio plenamente consagrado no Tratado de Lisboa. Ao longo dos anos, graças a importante legislação sobre igualdade de tratamento e integração do género nas políticas europeias conseguimos evoluir para uma sociedade e um mercado de trabalho mais igualitários.

Contudo, deveremos também indignar-nos face ao que continua a ser decepcionante, inaceitável, ou mesmo intolerável. Refiro-me aqui a uma taxa média de emprego feminino de 62,5%, contra uma taxa média de emprego masculino de 80% ou a um êxito académico cada vez maior entre as mulheres que contrasta com as suas perspectivas de carreira: estes são factores decepcionantes, que teremos de alterar. As mulheres estão sobre-representadas nos empregos mais mal pagos e mais precários e sub-representadas nos cargos de responsabilidade. A disparidade entre os salários auferidos por mulheres e homens é de 18%, o que resulta no risco de 22% das mulheres com mais de 65 anos virem a cair abaixo do limiar da pobreza, uma vez que não dispõem de pensões adequadas: esta é uma situação inaceitável e tem que mudar. Segundo as estimativas, 20 a 25% das mulheres na União Europeia foram sujeitas a violência física, pelo menos, uma vez em sua vida. É intolerável, tem que mudar.

Deveremos renovar, hoje, o nosso compromisso de continuar a trabalhar em conjunto a fim de, efectivamente, tornar uma realidade a igualdade de género. Todos nós teremos a ganhar, em termos de coesão social e económica, de crescimento sustentável, ou de competitividade.

Em Setembro de 2010, a Comissão adoptou uma estratégia que definiu cinco áreas prioritárias de acção para o período 2010-2015: igualdade no mercado de trabalho; independência económica igual para homens e mulheres; igualdade de salários; igualdade nas posições de responsabilidade; e promoção da igualdade para além da UE.

A Comissão permanecerá sempre ao lado das mulheres de todo o mundo, que travam uma batalha diária pelo acesso à educação e pelo direito ao trabalho, daquelas que lutam pela democratização e pelo exercício das liberdades e dos direitos políticos e civis. A Comissão fará tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que estas metas se cumpram. No entanto, não devemos esquecer que a legislação - por mais bem implementada que esteja - não é a resposta para tudo. É preciso mudar também os comportamentos e as atitudes.

Senhoras e Senhores Deputados, hoje comemoramos a luta das mulheres pela igualdade. Na Europa dos nossos dias, podemos dizer que a UE não seria possível sem as mulheres europeias, todas as mulheres europeias! Dão contributos fundamentais para o nosso projecto assente em valores, incluindo os valores da igualdade entre homens e mulheres.

 
  
MPphoto
 

  Eva-Britt Svensson, Presidente da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Género.(SV) Senhor Presidente, "não nascemos mulheres, tornamo-nos mulheres". Esta citação mostra que o conceito que temos de mulheres e homens está na base de todas as nossas escolhas na vida - as escolhas dependem do nosso género, e não dos nossos interesses, qualificações, compromissos, etc. Os estereótipos de sexo catalogam homens e mulheres em categorias diferentes, e cem anos de luta pela igualdade não conseguiram acabar com esses estereótipos de género.

No entanto, recusamo-nos a esperar mais cem anos, porque são estes estereótipos de género, estas normas, que conduzem, entre outras situações, a que 97% das grandes empresas sejam geridas por homens, a que as mulheres sejam vítimas de discriminação salarial e possuam empregos precários - quando têm trabalho –, a que sejam as mulheres as responsáveis pelo trabalho doméstico não remunerado, a que sejam as mulheres a assumir a principal responsabilidade pelos filhos. As mulheres são vítimas de violência, inclusivamente por parte dos que são mais próximos e sob a forma de violência sexual, e são vendidas como mercadorias no comércio do sexo. Estamos a assistir a uma feminização da pobreza, com origem nas diversas normas que enformam a sociedade.

Foram feitos grandes progressos durante estes cem anos de luta. Se comparar as oportunidades de que disponho, no que respeita à diversidade das escolhas de vida, com aquelas de que dispuseram a minha mãe e a minha avó, terei uma boa noção dos progressos realizados, porém, muito está ainda por fazer. Portanto, a luta continua, todos os dias do ano, não apenas em 8 de Março.

(Aplausos)

 
  
MPphoto
 

  Lívia Járóka, em nome do Grupo PPE.(HU) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, celebramos hoje o centenário do Dia Internacional da Mulher, comemorando a manifestação das trabalhadoras que, em meados do século XIX, em Nova Iorque, exigiram salário igual por trabalho igual. O objectivo que visavam há mais de 150 anos atrás, em 1857, a saber, garantir salário igual para trabalho igual, ainda é hoje relevante. Na União Europeia, as mulheres ganham 15% menos que os homens, sendo este número é de 16,5% no meu país natal, a Hungria. Apesar de mais de metade da população mundial ser composta por mulheres, estas só auferem 10% do rendimento mundial.

Para além da erradicação das disparidades de género em matéria salarial, continuam por alcançar um adequado reforço do papel da mulher na família e a afirmação do princípio da igualdade de tratamento. Não deveremos permitir que a maternidade represente na Europa um risco de pobreza e que o facto de se ser mulher ou de se ser mãe represente uma desvantagem. Independentemente das iniciativas lançadas no âmbito da ONU ou das lançadas pela União Europeia, o que é certo é que, na maior parte do mundo, ainda não se conseguiu uma verdadeira igualdade entre homens e mulheres. Colocamos pouca ênfase na situação das mulheres que vivem próximo do limiar da pobreza, no fenómeno da discriminação múltipla e no combate à violência doméstica e à violência contra as mulheres.

 
  
MPphoto
 

  Britta Thomsen, em nome do Grupo S&D.(DA) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, assinalamos hoje o centésimo aniversário da celebração, pela primeira vez, do Dia Internacional da Mulher. Há cem anos, a luta travava-se, entre outros, pelo direito das mulheres ao voto - algo hoje que tomamos por adquirido. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer para se alcançar a plena igualdade, e gostaria de salientar a importância da representação das mulheres nos processos decisórios a todos os níveis. As mulheres devem participar na política, mas também ser envolvidas no mundo dos negócios. Precisamos também de mulheres na banca.

É forçoso que não excluamos metade da população das importantes decisões tomadas no campo da economia. Isso não é democracia. Necessitamos de todo o nosso talento. Está em causam também, pura e simplesmente, a nossa competitividade. Saúdo, pois, a iniciativa da Senhora Comissária Viviane Reding: "Compromisso europeu pelas mulheres na administração das empresas". É muito positivo que, uma vez mais, a UE assuma a liderança em matéria de igualdade, mas é preciso que disponhamos de legislação vinculativa se quisermos que as quotas para mulheres na administração das empresas sejam mais do que mera política simbólica, e espero que haja coragem para dar esse passo. Obrigada.

 
  
MPphoto
 

  Silvana Koch-Mehrin, em nome do Grupo ALDE. (DE) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a igualdade de todos os seres humanos está consagrada nos dois primeiros artigos da Declaração Universal dos Direitos do Homem das Nações Unidas. Nesta estipula-se que: "Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade". Que frases maravilhosas. No entanto, mesmo passados cem anos sobre a primeira celebração do Dia Internacional das Mulheres, ainda não cumprimos esse desígnio: ainda não existem sinais de uma verdadeira igualdade entre homens e mulheres.

Concedo que avançámos muito na Europa. Hoje, a nossa principal preocupação já não é o reconhecimento jurídico da liberdade das mulheres. Conseguimos em grande parte essa liberdade. Gostaria de expressar minha gratidão aos feministas, tanto homens como mulheres, pelo trabalho desenvolvido no passado. Hoje, a nossa principal preocupação é conseguir a liberdade na prática, conseguir que os homens se apropriem da questão da questão compatibilidade da vida profissional e familiar e que a presença das mulheres nos lugares cimeiros das empresas passe a ser um lugar-comum.

É fantástico ver que os movimentos de libertação no Norte de África nos tomam como referência, as mulheres da Europa. Vêem-nos como modelo para desempenharem um papel pioneiro. É extremamente importante que não percamos de vista o nosso objectivo: a liberdade de viver as nossas vidas de acordo com nossas próprias concepções. Isso acontecerá quando a igualdade se tornar algo que damos por adquirido e quando o Dia Internacional da Mulher deixar de ser um dia de lembrança e passar a ser um dia de celebração da liberdade.

 
  
MPphoto
 

  Rebecca Harms, em nome do Grupo Verts/ALE.(DE) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a situação em que nos encontramos hoje não é motivo, com efeito, de qualquer celebração, deve sim encorajar-nos a reiterar o nosso compromisso para com a concretização de uma verdadeira igualdade. Este 100.º aniversário deverá ser uma ocasião para nós, mulheres, para olharmos para trás e fazermos um balanço.

Para mim, os resultados ditam o seguinte: é preciso que a igualdade seja consagrada nas constituições e nas declarações dos direitos humanos como um grande princípio. No entanto, são necessárias leis e regulamentos para que esses princípios se tornem realidade. Acredito que isso passa igualmente pelo recurso a quotas.

Olhando para as Instituições europeias, podemos verificar que a situação não é melhor do que nas lideranças das empresas. Praticamente não há mulheres no topo, em cargos de responsabilidade. Se o quisermos conseguir, Senhora Comissária Viviane Reding, Senhor Presidente José Manuel Barroso, então precisaremos de uma regulamentação rigorosa em matéria de quotas. Teria apreciado uma avaliação honesta da vossa parte sobre a falta de igualdade, no caso das mulheres, nas Instituições europeias, porque, nessa altura, teriam percebido a importância destas quotas.

(Aplausos)

Considero lamentável que ainda não exista um lugar à mesa para as mulheres, por mais bem qualificadas que sejam, quando estão em causa decisões de responsabilidade e quando são concebidas as políticas estratégicas. As quotas são o instrumento que permitirá alcançar esse objectivo.

Senhora Comissária Viviane Reding, a este respeito, por ocasião do centésimo Dia Internacional da Mulher, apelamos a que assuma o firme compromisso de tudo fazer para promover quotas verdadeiras para as mulheres em cargos de chefia – à semelhança do que já acontece na Noruega, Espanha e França. Não consigo compreender por que razão esta questão ainda não consta do discurso do Senhor Presidente José Manuel Barroso.

 
  
MPphoto
 

  Marina Yannakoudakis, em nome do Grupo ECR.(EN) Senhor Presidente, na semana passada, no Reino Unido, Lord Davies fez a sua intervenção perante o Governo sobre o aumento da participação das mulheres em cargos de responsabilidade. O seu relatório incluía metas voluntárias para as empresas. Ninguém pode discordar de que precisamos de mais mulheres nos conselhos de administração. O que não posso aceitar é que sejam necessárias quotas para atingir esse objectivo. Essa é uma atitude extremamente paternalista. É quase tão paternalista como oferecer às mulheres presentes nesta sala uma rosa à entrada deste hemiciclo. Bem, eu ofereci a minha rosa a um homem.

Passando a uma nota positiva, o Reino Unido está a fazer progressos reais na eliminação das disparidades salariais entre os sexos. Os últimos números mostram que as disparidades salariais entre homens e mulheres no emprego a tempo inteiro diminuíram para 10%, o valor mais baixo desde que começaram a ser efectuados registos.

Por último, no Dia Internacional da Mulher, quero prestar homenagem à maternidade. A verdadeira igualdade é ter o direito de escolha, não se sendo julgado por essas escolhas. Independentemente de ser membro de um conselho de administração, cirurgiã num hospital, prestadora de cuidados a tempo parcial, mecânica de automóveis ou dona de casa e mãe, qualquer mulher tem o direito de fazer sua própria escolha.

(Aplausos)

 
  
MPphoto
 

  Ilda Figueiredo, em nome do Grupo GUE/NGL. – Senhor Presidente, saudamos a luta das mulheres pela liberdade, o progresso social e a paz, num momento em que celebramos os 100 anos das comemorações do Dia Internacional da Mulher. Foram muitas as lutas e as conquistas conseguidas pelas mulheres ao longo destes 100 anos, mas ainda não foram suficientes para eliminar as desigualdades existentes, as discriminações que persistem no acesso ao trabalho com direitos, as desigualdades salariais com reflexo nas reformas, a dificuldade da progressão na carreira e na realização profissional, os entraves no acesso a lugares de direcção e de decisão, na actividade económica, social e política, situação que tende a agravar-se em momentos de crise económica e social.

Apesar de a maternidade ser uma função social indispensável à evolução da sociedade, as mulheres continuam a ser discriminadas por serem mães e trabalhadoras, o que é escandaloso em pleno século XXI. Aqui reafirmamos a solidariedade do nosso grupo com as lutas das mulheres, continuando a exigir o fim das desigualdades e das discriminações, o fim da violência generalizada contra as mulheres, o fim de estereótipos de género, o que implica não só uma ruptura com as políticas neoliberais, como um empenhamento sério em políticas alternativas que coloquem a questão dos direitos humanos e da igualdade de género no centro das tomadas de decisão e das políticas comunitárias.

 
  
MPphoto
 

  Mara Bizzotto, em nome do Grupo EFD.(IT) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, muitos objectivos foram já alcançados, porém, algumas das batalhas ainda nem sequer começaram. Hoje, a questão urgente prende-se com as mulheres de outras culturas que vivem, na Europa e em todo o mundo, lutando para exigir os mais elementares padrões de dignidade e humanidade.

Não podemos comemorar este feriado sem trazer à colação a questão das mulheres no mundo árabo-muçulmano, caso contrário, continuaremos a ignorar um problema que hoje é do mundo árabe, mas que, em breve, será também nosso. Não podemos ignorar os números de uma crise que aumenta de ano para ano na Europa, nas nossas cidades e nas escolas onde os nossos filhos crescem.

Registou-se, durante muito tempo, um aumento do número de casos de violência de todo o tipo contra mulheres muçulmanas no seio das suas próprias famílias. Por isso, tenho vindo a pedir, há algum tempo - e volto a fazê-lo de novo hoje -, à Europa que ponha em prática políticas que combatam a propagação do radicalismo islâmico, dos casamentos forçados, dos direitos de honra, da mutilação genital feminina e da violência doméstica.

Nós, homens e mulheres europeus, devemos lutar por aquelas mulheres que vivem na Europa e não só, que não têm voz e que são oprimidas pelo monstro do fundamentalismo islâmico.

 
  
MPphoto
 

  Nicole Sinclaire (NI).(EN) Senhor Presidente, também eu gostaria de prestar homenagem a todas as mulheres de todo o mundo e a todas as mulheres, dos últimos 100 anos ou mais, que lutaram pela igualdade. Foi em 1893 que a Nova Zelândia conferiu às mulheres direito de voto. Se me permitirem prestar homenagem ao meu próprio país, foi em 1970 que uma certa trabalhista, Barbara Castle, levou à aprovação da primeira lei sobre salário igual para trabalho igual no mundo ocidental. Evidentemente, foi o Reino Unido que teve a primeira mulher Primeira-Ministra na Europa.

No entanto, penso que o Parlamento Europeu perdeu o contacto com a realidade. Sou contra qualquer tipo de discriminação, mesmo a positiva, já que, inevitavelmente, conduz à criação de vítimas. As mulheres não precisam do paternalismo das quotas, necessitam, ao invés, que as barreiras ao seu progresso sejam eliminadas. Os Estados-Membros fariam melhor em centrar-se em questões como a necessidade de melhorar os cuidados às crianças.

Recentemente, uma decisão do Tribunal de Justiça sobre seguros automóveis veio boicotar os métodos de avaliação de risco tradicionais, experimentados e testados. Apesar da posição da UE sobre a discriminação positiva em favor das mulheres, este caso espelha bem o jargão politicamente correcto, através uma decisão tola, que torna efectivamente a vida mais difícil e cara para as mulheres. O bom-senso é desconhecido na União Europeia.

 
  
MPphoto
 

  Presidente. – Está encerrado o debate.

 
  
  

PRESIDÊNCIA: DIANA WALLIS
Vice-Presidente

 
Aviso legal - Política de privacidade