Go back to the Europarl portal

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (Selected)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
This document is not available in your language. Please choose another language version from the language bar.

 Index 
 Full text 
Debates
Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2012 - Estrasburgo Edição revista

Preparação da UE para um possível afluxo de requerentes de asilo da Síria (debate)
MPphoto
 

  Inês Cristina Zuber, em nome do Grupo GUE/NGL. – Senhora Presidente, é evidente que consideramos que, se continuar a ser necessário a União Europeia receber exilados sírios, os países devem unir-se e devem fazê-lo nas melhores condições possíveis, prestando solidariedade humanitária. No entanto, gostaríamos também de dizer que seria verdadeiramente uma boa ajuda para o povo sírio tornar possível que este não tivesse que sair do seu país, que este pudesse viver em paz, paz esta que só o diálogo político pode construir. E, perguntamos, que ajuda pode dar a União Europeia para fomentar o diálogo político na Síria? Muita. Se muitos dos seus países, como a França e a Inglaterra, os seus aliados, como os Estados Unidos da América, a Turquia, Israel e as monarquias feudais do golfo não ingerissem no país, extinguissem e arquitetassem o conflito, não armassem e financiassem e treinassem grupos armados, daria um ótimo contributo para a construção da paz na Síria, para a construção de um futuro sobre o qual só aos sírios cabe decidir. Seria muito importante não apoiar a Al Qaeda, parar imediatamente com os bárbaros ataques com aparelhos não tripulados operados no território do Iémen e do Paquistão, seria importante não promover o extremismo religioso e explorar com objetivos fratricidas as divisões étnicas confessionais. Enfim, seria importante tirarem as mãos da Síria e deixarem o povo sírio construir o seu futuro soberanamente.

 
Legal notice - Privacy policy