Връщане към портала Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (селекциониране)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Този документ не е достъпен за справка на Вашия език и Ви се предлага на един от горепосочените езици

 Показалец 
 Пълен текст 
Debates
Terça-feira, 2 de Julho de 2013 - Estrasburgo Edição revista

Conclusões da reunião do Conselho Europeu (27 e 28 de junho de 2013) (debate)
MPphoto
 

  João Ferreira (GUE/NGL). - Senhor Presidente, as conclusões do Conselho Europeu, embrulhadas em novas doses de propaganda, não iludem a dura e crua realidade dos factos. Olhemos para as medidas sobre desemprego jovem: proposta de 6 mil milhões de euros que não sabemos de onde vêm nem para onde vão, mas sabemos que a OIT admitiu serem necessários, pelo menos, 21 mil milhões para que um programa de promoção do emprego possa ter algum impacto. Outras propostas: subvenções salariais e promoção da mobilidade laboral transfronteiras, ou seja, o orçamento comunitário a financiar diretamente a precariedade laboral e a fuga de cérebros da periferia para o centro. Outra proposta: redução dos custos não salariais do trabalho, ou seja, descapitalizar ainda mais os sistemas públicos de segurança social e aumentar os lucros do patronato, sem nenhum efeito prático na criação de emprego, que só crescerá com o aumento da procura, o que só acontecerá com a melhoria dos salários que estão a ser esmagados. Em suma, nada de novo, tudo velho, tudo muito velho.

 
Правна информация - Политика за поверителност