Voltar ao portal Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (seleccionado)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
 Index 
 Texto integral 
Debates
Quinta-feira, 10 de Outubro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

As alegações de transporte e detenção ilegal de prisioneiros em países europeus pela CIA (B7-0378/2013, B7-0378/2013, B7-0379/2013, B7-0380/2013, B7-0381/2013)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. Esta resolução vem uma vez mais denunciar o que há muito vínhamos denunciando: que a CIA e/ou outros serviços dos EUA foram directamente responsáveis pelo sequestro, afastamento, rapto e detenção ilegal de cidadãos - a que chamaram eufemisticamente de entrega extraordinária -, assim como pela transferência de cidadãos para países terceiros, utilizando centros de detenção secretos em vários Estados-Membros da UE, para serem interrogados e sujeitos a tortura, violando, de forma brutal, o direito internacional e os direitos humanos. Esta resolução lança alguma luz sobre alguns dos desenvolvimentos deste processo vergonhoso: primeiro surgiram as notícias e com elas as suspeitas, sempre negadas, depois seguiram-se as evidências, e com elas os bloqueios e as manobras políticas e jurídicas, que se mantêm, para impedir o completo apuramento da verdade e das responsabilidades. Passo a passo, tem vindo a ser demonstrado a intrincada rede de cumplicidades, envolvendo vários Estados-Membros com os serviços secretos dos EUA, a NATO, a UE e outros países cúmplices. Entretanto, o apoio a grupos terroristas na Síria, incluindo com ligações à Al-Qaeda, vêm igualmente desmitificar o real significado da hipócrita luta contra o terrorismo, no âmbito da qual se desenvolveu este processo.

 
Aviso legal - Política de privacidade