Terug naar het Europarl-portaal

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (huidige pagina)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Dit document is niet beschikbaar in uw taal, en wordt u aangeboden in een van de andere beschikbare talen in de talenbalk.

 Index 
 Volledige tekst 
Debates
Segunda-feira, 18 de Novembro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

Acordo sobre Contratos Públicos (debate)
MPphoto
 

  João Ferreira (GUE/NGL). - A contratação pública é, desde há muito, alvo de vorazes apetites. Este acordo sobre contratos públicos insere-se na lógica neoliberal de abertura ao mercado de áreas onde, tradicionalmente, os Estados exerciam, e nalguns casos ainda exercem, a sua função social através de serviços públicos.

O relator enuncia, na sua exposição de motivos, algumas destas áreas, ajudando a tornar mais transparente o que aqui está em causa: abastecimento de água, alojamento, gestão de resíduos, cuidados de saúde, ensino e cultura, entre outras. São estas áreas que o grande capital transnacional quer abocanhar em tantos países quanto possível, quantos mais melhor. Este acordo facilita-lhe o caminho.

Os contratos públicos são um instrumento importante para defender o emprego com direitos, promover a atividade económica e a preservação ambiental, ou seja, tudo aquilo que é ameaçado pela sujeição às regras da concorrência capitalista que este acordo sacraliza.

 
Juridische mededeling - Privacybeleid