Torna al portale Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (selezionato)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Tale documento non è disponibile nella sua lingua e le viene proposto in un'altra lingua tra quelle disponibili nella barra delle lingue.

 Indice 
 Testo integrale 
Debates
Quinta-feira, 21 de Novembro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

Ponto da situação da Agenda de Doha para o Desenvolvimento (B7-0492/2013, B7-0493/2013, B7-0494/2013)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. Face ao fracasso das negociações no âmbito da OMC e às diversas iniciativas e tentativas para dar um novo impulso à conclusão da Agenda de Doha para o Desenvolvimento (ADD), as atenções estão focadas na 9.ª Conferência Ministerial da OMC. Uma vez mais, a maioria deste Parlamento tenta vender a ideia de que a ADD é de extrema importância para suprir as necessidades e interesses dos países em desenvolvimento, em particular, dos países menos desenvolvidos e que serão estes os mais prejudicados por um novo fracasso, branqueando assim o conteúdo da Agenda de Doha. É a habitual visão mirífica do livre comércio insistentemente propalada pelos seus arautos, aparentemente sem corarem de vergonha por a realidade os desmentir redondamente, repetidamente. A ADD procura avançar na liberalização do comércio de bens e serviços, insistindo na ideia de que é pelo comércio livre de qualquer obstáculo para as grandes multinacionais que se promove o desenvolvimento e que só os acordos de liberalização comercial multilaterais garantem um sistema comercial baseado em normas partilhadas, justo, aberto e não discriminatório. A OMC está ao serviço dos interesses destas grandes multinacionais, garantindo a expansão dos mercados, potenciando os lucros e o acesso a matérias-primas e eliminando os obstáculos a uma maior exploração da periferia capitalista.

 
Note legali - Informativa sulla privacy