Tagasi Europarli portaali

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (valitud)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
See dokument ei ole Teie keeles kättesaadav ja pakutakse Teile keelteribalt mõned muus keeles.

 Märksõnaregister 
 Terviktekst 
Debates
Quinta-feira, 21 de Novembro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

A execução da Política Comum de Segurança e Defesa (A7-0360/2013 - Maria Eleni Koppa)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. Este relatório atribui um papel central aos militares no âmbito da segurança dos recursos energéticos e das rotas comerciais. Defende o reforço da militarização da UE, propondo um exército europeu, exigindo mais missões e capacidades militares na Política Comum de Defesa e Segurança. Lamenta que os agrupamentos táticos nunca tenham sido mobilizados em operações militares na UE. Defende um quadro geral da UE com apoio em matéria de informações, bem como um conselho de defesa permanente. Não distingue investigação e financiamento civil e militar, bem como segurança interna e externa, apontando em geral soluções militarizadas, em vez de focar capacidades para soluções civis e pacíficas para os conflitos. Enfim, estamos perante uma indisfarçada e deplorável agenda militarista e belicista. Rejeitámos este relatório que pretende transformar a UE num ator militar a nível mundial, no pilar europeu da NATO, que através da centralização e aumento do armamento europeu, não só renega os valores da Paz como constitui uma ameaça à liberdade e soberania dos Povos.

 
Õigusteave - Privaatsuspoliitika