Tagasi Europarli portaali

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (valitud)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
See dokument ei ole Teie keeles kättesaadav ja pakutakse Teile keelteribalt mõned muus keeles.

 Märksõnaregister 
 Terviktekst 
Debates
Quinta-feira, 21 de Novembro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

Reforçar a Dimensão Social da UEM (B7-0496/2013)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. Em 2 de maio de 1998 foi aprovada a lista de 11 países fundadores da Zona Euro – e afirmou-se que o Euro traria taxas de crescimento elevadas. Outras promessas foram feitas: de aumento do emprego, de convergência real das economias, de convergência de salários, de que o euro seria um escudo contra a crise. Enfim, se o ridículo matasse... A verdade é conhecida. Entre 2000 e 2009, tal como previmos e prevenimos, os desequilíbrios macroeconómicos no seio da Zona Euro agravaram-se, o desequilíbrio das balanças comerciais de alguns países acentuou-se, passámos a ter países devedores e países credores. Por detrás do dito objetivo de estabilidade dos preços, está o objetivo de reduzir os custos unitários do trabalho. Sem soberania monetária e cambial, os únicos fatores de ajustamento recaíram sobre a desvalorização dos salários e o aumento do desemprego. O mecanismo do Pacto de Estabilidade associado ao Euro e seus sucedâneos, como o Semestre Europeu, criaram constrangimentos absolutos a qualquer possibilidade de desenvolvimento endógeno. Agora, preocupados com o aumento das desigualdades e das consequências brutais das medidas de austeridade, defendem que a UEM deve assegurar uma dimensão social. A UEM pode compatibilizar-se com o social? Acreditamos que não. Mais do que procurar minimizar os efeitos desta política, há que rejeitá-la.

 
Õigusteave - Privaatsuspoliitika