Retour au portail Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (sélectionné)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Ce document n'est pas disponible dans votre langue. Il vous est proposé dans une autre langue parmi celles disponibles dans la barre des langues.

 Index 
 Texte intégral 
Debates
Terça-feira, 10 de Dezembro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

Aspetos relativos ao género do quadro europeu para as estratégias nacionais de integração dos ciganos (A7-0349/2013 - Lívia Járóka)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. Na sequência das conclusões do Conselho sobre um quadro da UE para uma Estratégia Nacional de Integração dos Ciganos, em 2011, que teve lugar na sequência das polémicas e xenófobas decisões tomadas em França pelo governo de Sarkozy (agora seguidas de decisões de idêntico calibre por parte do governo de Hollande), e após a avaliação por parte da Comissão das estratégias nacionais, a comissão para os direitos das mulheres e a igualdade de género decidiu elaborar um relatório de iniciativa, a fim de destacar que a perspetiva de género deve ser reforçada em toda esta problemática. Mulheres ciganas enfrentam uma discriminação múltipla em razão do sexo e da origem étnica - no acesso ao emprego, à educação, à saúde, aos serviços sociais e de tomada de decisão limitado, tradições patriarcais (condicionam a sua liberdade de escolha em questões fundamentais da sua vida, como a educação, o trabalho, a educação sexual e reprodutiva e, inclusivamente, o casamento) e muitas vezes são vítimas de racismo, preconceito e estereótipos. O relatório avança com recomendações concretas aos Estados-Membros e às instituições da UE que, em geral, merecem o nosso acordo, pelo que o votámos favoravelmente.

 
Avis juridique - Politique de confidentialité