Zpět na portál Europarl

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (výběr)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Tento dokument není k dispozici ve vašem jazyce a je vám nabízen v jiném, který lze zvolit na liště jazyků.

 Seznam 
 Úplné znění 
Debates
Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

Relatório Anual sobre a Política de Concorrência da UE (A7-0357/2013 - Ramon Tremosa i Balcells)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. Este relatório, à semelhança de outros sobre a política de concorrência da UE, é uma apologia do mercado único, do aprofundamento das liberalizações em setores básicos estratégicos da economia, e da livre circulação. Os efeitos desta política são sentidos na pele pelos povos dos Estados-Membros de economias mais frágeis. A concorrência no mercado único tem é indissociável da destruição dos sistemas de produção mais débeis, da colonização das economias nacionais pelos grandes grupos económicos estrangeiros, do crescimento da sua dependência. Discordamos do mercado interno da energia, do mercado único dos transportes, da criação do céu único europeu, da liberalização do serviço postal, caucionados neste relatório, que considera que o sector público tende a ser contrário á abertura da concorrência em muitos sectores económicos importantes, tais como a ferrovia, os aeroportos, as telecomunicações e a eletricidade. Por outro lado, o relator ignora as principais causas e consequências da distorção das regras da concorrência, designadamente: a crescente concentração de empresas; a transformação de empresas públicas em monopólios privados com graves implicações sociais, designadamente no emprego e no preço dos serviços públicos; o abuso das posições dominantes de diversos grupos monopolistas com práticas inadmissíveis nas áreas sociais e ambientais, levando ao despedimento de milhares de trabalhadores. Obviamente votámos contra.

 
Právní upozornění - Ochrana soukromí