Vissza az Europarl portálra

Choisissez la langue de votre document :

  • bg - български
  • es - español
  • cs - čeština
  • da - dansk
  • de - Deutsch
  • et - eesti keel
  • el - ελληνικά
  • en - English
  • fr - français
  • ga - Gaeilge
  • hr - hrvatski
  • it - italiano
  • lv - latviešu valoda
  • lt - lietuvių kalba
  • hu - magyar
  • mt - Malti
  • nl - Nederlands
  • pl - polski
  • pt - português (kiválasztva)
  • ro - română
  • sk - slovenčina
  • sl - slovenščina
  • fi - suomi
  • sv - svenska
Ez a dokumentum nem elérhető az Ön által választott nyelven. Válasszon másik nyelvet a felsoroltak közül.

 Index 
 Teljes szöveg 
Debates
Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2013 - Estrasburgo Edição revista

Relatório anual do Banco Central Europeu relativo a 2012 (A7-0382/2013 - Gianni Pittella)
MPphoto
 
 

  João Ferreira (GUE/NGL), por escrito. O relatório reconhece que o sistema bancário da Europa continua frágil. Apesar disso, insiste-se na apologia do sistema, das políticas e orientações que nos conduziram à atual situação. O principal objetivo é promover a concentração e centralização de capital na zona Euro e em toda a UE, pela via de encerramentos, fusões e aquisições de bancos que apenas favorecerão os gigantes do setor bancário na UE. Não foi por falta de mecanismo de supervisão e falta de transparência que o desemprego aumentou na zona Euro, que a média da dívida pública aumentou para 92,7%. A contração dos mercados e do poder de consumo foram provocados pela perda de poder de compra dos salários e pela sua substituição por crédito. O estouro era inevitável e quando se deu, os governos trataram de converter rapidamente monumentais dívidas privadas (dos bancos, nomeadamente) em dívida pública. A relatora esquece o papel desempenhado pelo BCE de embaratecer o refinanciamento do grande capital, promovendo a dependência dos Estados do seu financiamento face aos grandes grupos económicos financeiros europeus e a sua responsabilidade na imposição de falências, desemprego, destruição de direitos laborais e de serviços públicos (educação, ensino, segurança social) nos Países sob ingerência. Votámos contra.

 
Jogi nyilatkozat - Adatvédelmi szabályzat